RCIA - ED. 98 - SETEMBRO 2013

tvcomercioeindustria

IVAN ROBERTO

PERONI*

ponto de vista

NÃO DEVEMOS NOS ESQUECER

QUE SÃO 20 ANOS E NÃO 20 DIAS

Lamentavelmente, queiram ou não, a

atual crise política que estamos vivendo em

Araraquara pode entrar para a história como

uma das maiores já enfrentadas pela cidade.

Gostaríamos que fosse diferente, porém, os

exemplos que têm sido dados, são os piores

possíveis. E essa situação pode receber

esse tratamento não somente pelo tamanho

do período em que ela ocorre, mas pelo fato

das consequências que proporciona e até

onde poderemos chegar. Há quem diga que

muita água ainda vai passar por debaixo da

ponte e os reflexos parecem já nos conduzir

à implantação do medo sobre a esperança.

Na contabilidade da crise estimulada

pelas redes sociais e partidos que se antagonizam

pela sede que o poder lhes causa,

está o desenvolvimento econômico da cidade.

Logo, na esteira do tempo, vem a imagem

do vereador Ronaldo Napeloso, um dos

responsáveis pelo desastre político que entra

para a nossa história. Certamente quem conhece

um pouco dos 20 anos de atividades

do vereador - sempre apoiado pela maioria

dos colegas de Câmara, independentemente

de cores partidárias - começa a entender

agora que o barco afundou, o desejo de se

criar um divisor de águas em que os bons

vão para o norte e os maus para o sul. São

20 anos, não 20 dias.

Fazemos esta abertura editorial, tendo

em vista não apenas a instabilidade sócioeconômica

do município que hoje se coloca

em risco. Ocorre que por ser esta uma publicação

com perfil empresarial, há a extrema

necessidade de nos preocuparmos com o

desenvolvimento gerado pela chegada de novas

empresas. Muitas chegaram, contudo, é

preciso também que saibamos de tantas outras

que desistiram, talvez movidas pelo alto

custo das exigências que abriram os olhos do

Ministério Público.

Um dos principais efeitos deste vendaval

foi a doação ou cessão de áreas para empresas

que aqui queriam se instalar ou ampliar

suas condições no setor fabril.

Por essa razão, somente agora, é que a

Câmara Municipal aprovou por unanimidade,

na sessão ordinária de 20 de agosto, projeto

de resolução da Mesa Diretora determinando

que todo e qualquer projeto encaminhado pelo

Executivo referente à cessão, doação ou alienação

de imóveis de propriedade do Município

a empresas ou entidades deverá, obrigatoriamente,

passar por avaliação da Comissão

Permanente de Desenvolvimento Econômico,

Ciência, Tecnologia e Urbano Ambiental. De

acordo com o projeto, a proposta de cessão,

doação ou alienação de imóveis “contado de

seu protocolo oficial junto ao setor competente

da Câmara Municipal’’, não poderá ser apreciada

em prazo inferior a sete dias. A Mesa Diretora

justifica ser dever do Poder Legislativo

fiscalizar as doações, cessões e alienações de

imóveis por parte do município.

Qualquer cidadão em sã consciência a

esta altura, quer perguntar: por que só agora,

após o vereador ser preso, toma-se essa

iniciativa? As expressões populares são mais

precisas, objetivas, que qualquer explicação

versada em técnica para alimentar uma desculpa

e sobre a qual a verdade mostra-se estampada

nas vozes que vêm das ruas e das

redes sociais.

De um lado há os que dizem - “antes tarde

do que nunca”; outros preferem falar: “depois

da porta arrombada não adianta colocar tranca”.

Creio que Araraquara neste momento vive

esse paradoxo: os problemas se colocam ao

lado de virtudes como a qualidade de vida

superior à média das grandes cidades. A instalação

de novas empresas; o prazer em vêla

como o melhor lugar para se morar; áreas

verdes que nos dão selos que apontam preocupação

com o meio ambiente. Não podemos

porém, deixar que esse lado seja implodido

pelos escândalos locais e importados, que lhe

imputam a pecha de antro de corrupção, ainda

mais sabendo que há ações políticas adversárias

pelo caminho.

São 20 anos, não são 20 dias...

redação

REVISTA

SÔNIA MARIA

MARQUES

SE ESSES TRILHOS

FALASSEM

Uma vez mais por questões judiciais, o decantado

Parque dos Trilhos tem suas obras

paralisadas. Agora é por conta da demolição

das centenárias casas existentes na Vila de

Tutóia com grande influência entre aqueles

que conviveram com o passado da ferrovia

nesta região. Os serviços de execução

do projeto já pararam em diversas oportunidades

e o que era para estar pronto em

quatro anos, já se arrasta desde os tempos

em que o prefeito Waldemar de Santi imaginou

criar uma situação nova para a região

central da cidade. Uma hora pára por isso,

outra por aquilo e o bonde da história faz

pequenas pausas como se fosse o linguajar

de uma combinação ferroviária: baldeação. É

exatamente esse o termo para exemplificar

os obstáculos que surgem e as paralisações

que acontecem. Curiosamente, quanto mais

pressa temos, mais problemas são vivenciados

pelos que atuam no campo administrativo

e jurídico. Sepultar a história não faz bem. Se

as casas têm esse valor histórico, é claro que

o projeto feito no passado deveria ter se atentado

para a possibilidade de um embargo.

Mas, como vivemos num país em que as coisas

são feitas e refeitas e elas se acomodam

de acordo com a vontade de um e de outro, o

fato em sí, não é novidade...

EDIÇÃO N°98 - SETEMBRO/2013

Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni

Assistente Editorial: Rosane D’Andréa

Supervisora Editorial: Sônia Marques

Depto. Comercial: Gian Roberto, Silmara Zanardi,

Heloisa Nascimento e Marcos Assumpção

Design: Mário Francisco, Carolina Bacardi e

Fernando Oprime

Atendimento: Josiane Massimino

Tiragem: 5 mil exemplares

Impressão: Grafinew - (16) 3322-6131

A Revista Comércio & Indústria é distribuida gratuitamente

em Araraquara e região

INFORMAÇÕES ACIA: (16) 3322 3633

COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE

Fone/Fax: (16) 3336 4433

Rua Tupi, 245 - Centro

Araraquara/SP - CEP: 14801-307

marzo@marzo.com.br


Profissionais da Acqua Jet desenvolvem

lindos projetos utilizando toda técnica,

equipamentos e aparelhos da própria loja

matéria de capa

O verão que se aproxima

exige a instalação de piscinas

com designs mais arrojados,

revestimentos de vinil e que

tenham estampas que alegrem

ainda mais a estação.

Refrescar o corpo e a mente, experimentar

o prazer além da superfície, sentir a

sensação de bem-estar se renovando a cada

mergulho. Se esse é seu desejo para o próximo

verão, aproveite agora e conheça as

novas tendências para piscinas, desde as

estampas em vinil, lançadas em agosto, até

as novidades em iluminação e aquecimento.

O empresário Marcos

Destéfani vem dando

novo conceito à criação

e instalação de piscinas

em Araraquara e região

ACQUA JET PISCINAS

PARA O SEU VERÃO

FICAR COMPLETO

De acordo com o empresário Marcos

Destéfani, proprietário da Acqua Jet Piscinas

e representante da Sibrape há 18 anos

em Araraquara, o sonho de ter sua própria

piscina ficou mais em conta a partir de novos

materiais como o vinil, muito resistente

e bonito. O cliente escolhe

entre mais de 30 opções de

estampas. “A garantia da

Sibrape é de quatro anos

na fabricação. Nós oferecemos

cinco anos na estrutura”,

destaca.

Piscinas com

decoração de luz

Led são a sensação

O vinil é um material extremamente resistente,

não se quebra e conserva a tonalidade,

se o problema for “desbotar” debaixo

do sol forte. Além disso, um impermeabilizante

flexível é soldado eletronicamente

e tratado contra algas, fungos e microorganismos

garantindo maior durabilidade. Sem

falar na rapidez, facilidade de construção,

segurança e acabamento nobre.

A piscina, além de proporcionar muitos

momentos de lazer e confraternização, é

sem dúvida uma bela ornamentação, complementando

o conjunto arquitetônico de

uma residência. A partir disso, Destéfani

mantém parcerias com arquitetos da cidade

e região.

Um dos itens mais procurados no momento

é o aquecimento solar tanto para piscinas

como residências. Hoje em cada 10

piscinas vendidas, 80% são aquecidas porque

mesmo no verão, existem dias quentes


O seu desejo é transformado em belos projetos pela Acqua Jet Piscinas

porque com dois anos e meio de economia

na conta de energia elétrica, o equipamento

está pago. “São placas que captam a luz

solar, acompanhado de um boiller (tanque

com capacidade de água aquecida para dois

a três dias de uso)”, explica.

Para um prazo maior de chuvas, é possível

fazer o acionamento elétrico uma hora

antes do banho, o chamado apoio elétrico.

“Adquirindo um equipamento de boa procedência

e bem instalado, o cliente evita a

necessidade de manutenção”, garante o empresário.

A Acqua Jet Piscinas também proporciona

aos clientes manutenção em bombas,

filtros, saunas e aquecedores de piscina e

residencial. Sua linha de produtos inclui

produtos químicos, filtros, bombas, aquecedores,

banheiras, SPA, entre outros.

Graças ao desenvolvimento da tecnologia,

a iluminação de Led ganha cada vez

mais adeptos. É a melhor opção para se iluminar

uma piscina, por ter o melhor custo

benefício do mercado e efeitos que não se

assemelham a nenhuma outra forma de iluminação.

Fica difícil resistir a uma piscina

iluminada com cores intensas e efeitos bem

variados. “Você coloca a cor escolhida, além

do conforto de comandar a mudança de fune

noites frias. Com o aquecimento solar, a

piscina fica com uma temperatura mais estabilizada

e menos susceptível a quedas bruscas

de temperatura. “Mantém a água numa

temperatura de 30 graus, o que dá condições

para a pessoa entrar na piscina a qualquer

hora”, conta o empresário.

A energia solar para residências é uma

grande vantagem para o consumidor porque,

além de ser ecologicamente correto,

proporciona 40% de economia na conta de

energia elétrica. A iluminação, água quente

nas torneiras, chuveiros e duchas são alguns

itens beneficiados com a energia solar. O

equipamento é simples de ser instalado e o

custo/benefício é extremamente vantajoso

Linha de produtos

ções, cores e efeitos de luz com controle

remoto. Sem falar do baixo consumo que

é de 4 watts por lâmpada”, enfatiza. Outra

novidade da iluminação em Led é a possibilidade

de controlar a iluminação da piscina

também pelo celular, bastando para tanto,

baixar um programa específico.

Não quer ou não gosta de piscina?

A Acqua Jet Piscinas indica o SPA

Representante da Água Nativa, os SPAs

substituem as piscinas residenciais com

mais beleza e economia de espaço. São vários

modelos de até seis lugares com hidrojatos,

cromoterapia, aquecimento elétrico e

painel digital para maior conforto. Podem

ser instalados tanto em áreas externas como

internas, e seu uso se dá em qualquer estação.

Para deixar a piscina sempre limpa e

com água cristalina, a empresa trabalha com

produtos da Neoclor destinada a tratamento

de água voltados para o mercado de piscinas.

A linha de produtos é de altíssima qualidade,

que vai desde cloro orgânico estabilizado

a hipoclorito de cálcio. Na linha de

líquidos, floculante e clarificante, algicida

de manutenção, algicida de choque e limpa

bordas, além de corretores de alcalinidade,

pH - redutor de pH, elevador de pH e decantador.

SPA, tipo ofurô no show room da Acqua Jet

SERVIÇOS ACQUA JET PISCINAS

Av. Prudente de Moraes, 58

(esquina com a Via Expressa) - Centro

Loja virtual: www.acquajetpiscinas.com

Fone: (16) 3335-1275


araraquara

José Maria

Marcelino

HISTÓRIA CONTADA PELAS

MÃOS DO NOSSO ARTISTA

Araraquara já não parece ser menina-moça. Quem sabe, uma

senhora desajeitada de cabelos ao vento, na busca sonhada em

ter de fato um lugar ao sol, presente que a natureza lhe entregou

há quase 200 anos em uma história mostrada pelo artista plástico.

O artista plástico José Maria Marcelino

escolheu o tempo certo para realizar uma

interessante exposição dos seus quadros:

agosto, mês de aniversário, buscando com

seu talento redescobrir situações que ficaram

gravadas na esteira do tempo. Por 17

dias o público pode conhecer os trabalhos de

Marcelino, alguns inéditos, permitindo uma

gostosa viagem no tempo: 1817 a 2013.

O artista, natural de São Caetano do Sul,

vive em Araraquara desde 1960 e não esconde

seu amor pela cidade e seus moradores.

“Amo Araraquara; casei aqui, meus filhos

nasceram aqui e a cidade me proporciona as

imagens para que eu possa exercer o dom que

Deus me deu de pintar e desenhar”, afirma.

Marcelino é reconhecido pelo seu talento

natural; artista exemplar e humilde. É

desta forma que os amigos o definem, vendo

nele o retrato de um pesquisador com qualidades

para mostrar Araraquara de todos os

tempos. Na verdade um estudioso. A exposição

realizada em agosto no Espaço Cultural

da Câmara, mostrou 21 telas do pintor.

Avenida 1, a primeira da cidade em 1875

Araraquara e a visão da Via Expressa


o artista

O CIDADÃO

DAS TELAS

Cidadão araraquarense, José

Maria Marcelino diz sentir um

amor muito grande pela nossa

cidade e recompensado pelo

dom lhe dado pelo Criador.

Foi nos anos 60, que “seo Olindo” Marcelino

e sua esposa “dona Ruth”, decidiram

mudar para Araraquara. Eles moravam em

São Caetano do Sul e já tinham José Maria

Marcelino, o filho mais velho, então com 8

anos de idade. Aqui nasceram os outros três:

Sueli, Roberto e Cláudio, que formavam

uma família extremamente feliz.

Zé Maria passou a estudar no Grupo

Escolar “Antônio Lourenço Corrêa” e aos

12 anos descobriu que tinha uma grande

tendência para o desenho. Incentivado pelos

seus pais e com o apoio dos próprios professores

decidiu seguir em frente.

Entrega do tíítulo de Cidadão Araraquarense

De lá para cá não parei mais, conta o

artista plástico que em 1973 pintou sua primeira

tela. “Vendi essa tela e depois de muito

tempo, até que tentei comprá-la de volta,

mas não conseguí”, diz Marcelino.

Ao longo da sua brilhante carreira - por

sinal em nenhum momento optou por outra

atividade - o artista participou de vários salões

de artes em inúmeras cidades brasileiras,

só que suas obras passaram fronteiras:

“É um orgulho ser lembrado também no

Com as filhas Juliana, Graziela e Ana Paula

exterior; isso me incentiva e comove, pois

estou divulgando o lado cultural da minha

cidade”, assegura.

Aqui também nasceram suas quatro filhas:

Andréa, Ana Paula, Graziela e Juliana:

“Uma família muito feliz, bastante unida

tal como meus pais ensinaram, completando

minha felicidade nesta cidade que tanto

amo”, disse ele no encerramento da sua recente

exposição na Câmara Municipal.


A primeira tela pintada por Marcelino em

1973: O Pescador. Ele vendeu o trabalho e

quando tentou reavê-lo não conseguiu. A

tela está em Araraquara e sua proprietária

a mantém como uma joia rara. Ele traz na

memória a imagem de uma viagem feita ao

litoral quando ainda era criança e residia em

São Caetano do Sul.

O jornalista Beto Caloni,

em 2009, já contestava ser

Pedro José Neto o fundador

de Araraquara. Para ele, a

fundação da freguezia foi

obra de latifundiários que

usaram seus prestígios e

juntos, idealizaram uma

forma de iniciar a ocupação

do planalto e valorizar as

terras obtidas da Côroa. O

Padre Duarte Novaes doou

43 hectares que foram

demarcados por alguns

moradores locais, entre

eles Pedro.

Na visão de Marcelino, Pedro em uma de suas fazendas

na Freguezia

Prédio que hoje abriga a Casa da Cultura, construído em

1914

A legalização foi obtida

pelo comandante de

Piracicaba, Domingos

Soares de Barros e pelo

Padre Manuel Joaquim

Amaral Gurgel, de Itu,

detentores de sesmarias

aqui. Pedro figura como

o construtor da capela

erguida na praça da

Matriz. Ele nunca morou

no local, não tinha posse e

nem prestígio para liderar

a criação da Freguezia.

Ele ofusca a verdadeira

história e os fundadores

que, de fato, iniciaram a

ocupação do planalto, diz

Caloni.

Seria imprescindível que o Poder

Público criasse um espaço para reunir

os trabalhos feitos pelos nossos artistas

como forma de garantir a preservação da

nossa história. A própria iniciativa privada

também deveria se valer dos benefícios

concedidos por leis específicas, como

a “Rouanet”, com o objetivo de manter

acesa a chama que se apagada, poderá

transformar Araraquara em uma cidade

sem memórias.

A cidade hoje olhada pela Antônio Prado


“Inspirados na exposição de

José Maria Marcelino, optamos

em mostrar Araraquara

através das talentosas mãos

de vários artistas plásticos

como forma de reconhecer

o desempenho de cada um”.

PAULO MASCIA

A CIDADE AOS

SEUS PÉS

Capela da Igreja Matriz com o córrego que

nascia na Padre Duarte e seguia até o Ouro

na Via Expressa

servando a tradição e a memória da cidade.

As cores de suas telas são inconfundíveis.

Seus trabalhos fazem parte de coleções

particulares e no início de 1999, a Fundart

adquiriu da família do pintor 204 obras para

o acervo da Pinacoteca Municipal. Outras

obras de sua autoria fazem parte do acervo

e foram doadas por pessoas de Araraquara.

O artista foi homenageado postumamente

pelo município, em 1998, com a

inauguração do Espaço Cultural Paulo Mascia,

localizado na Praça Pedro de Toledo.

Em 2010, foi homenageado também, dando

nome ao VIII Território da Arte de Araraquara

com a Sala Especial no Palacete das

Rosas Paulo A.C. Silva.

Paulo Mascia faleceu em 29 de maio de

1991, com 72 anos e suas obras contam com

leveza, a história e progresso de Araraquara.

Paulo Mascia foi um notável artista araraquarense,

de muita sensibilidade e querido

por todos. Fez seus primeiros estudos no

Grupo Escolar “Antonio Joaquim de Carvalho”

e desde a infância já demonstrava

inclinação para a pintura, levando-o a desenvolver

suas qualidades como autodidata.

Paulo Mascia registrava em suas telas

não só o que seus olhos viam, mas também

o que sua alma sentia por sua amada Araraquara.

Ele retratou nas suas telas, os recantos

da cidade, seus prédios e logradouros pre-

Casa Barbieri nos anos 20: Avenida Duque

com a Rua Nove de Julho

Seminário dos Padres na São Bento com

a José Bonifácio, hoje o Extra

Padaria Perez, na Rua Nove de

Julho esquina com Avenida

Barroso, transformada em

estacionamento


MARCELO MIURA

O AMOR POR

UMA CIDADE

Trabalhos de Miura expostos no Jaraguá

Marcelo Miura

“Para o artista a pintura é um

sopro leve de ar puro que

chega da paisagem do sonho,

da vida, da lembrança para

nos entregar situações que

vivemos ou conhecemos”.

Araraquara é notadamente, uma cidade

que tem nas artes o seu ponto de reconhecimento.

É berço de muitos artistas que

enobrecem a nossa terra elevando o nome

da Morada do Sol para todos os cantos do

Brasil e também do exterior.

Entre tantos artistas de renome que contribuem

de maneira significativa para esse

reconhecimento, temos o artista Marcelo

Miura que nasceu em Araraquara, em 6 de

abril de 1977 e morou em Matão onde tudo

começou, com seu irmão, Paulo Miura,

que foi seu grande incentivador e quem lhe

ensinou as primeiras dicas sobre desenho.

Depois morou em Nova Europa e em 1992,

conheceu o artista araraquarense Romário

Garcia de Paula, que foi seu mestre e lhe

ensinou os primeiros passos na arte da pintura

em óleo sobre tela, bem como todas as

temáticas sobre o Impressionismo Clássico.

Assim como Romário, Miura retratou

em suas telas, o seu amor por Araraquara,

inclusive, com uma exposição sua e de seus

alunos, em setembro de 2000 “Os Encantos

de Araraquara”. Para essa exposição Miura

retratou a própria Casa da Cultura (o quadro

faz parte do acervo da casa). Ele conta

que retratar uma cidade é trazer para os dias

atuais, a beleza e o romantismo de outras

épocas. Muitos prédios já não existem pois

foram demolidos e deram lugar a novas

construções, além de belíssimas paisagens

que temos por aqui, então passar para as telas

tudo isso, é contribuir com a história de

Araraquara.

Nesta tela, Miura, nascido

em Nova Europa, mostra

que nunca perdeu as raízes

consideradas tão efetivas

Na Casa da Cultura, retratada por

Marcelo Miura em 2000, aconteceu

uma exposição onde 20 alunos do

artista mostraram seus trabalhos


A primeira tela a óleo pintada

pelo artista plástico Romário

Garcia de Paula, em 1982,

“Caminho do Curtume”. Foi com

ele que Marcelo Miura

desenvolveu seu belo dom

artístico dez anos depois.

Curiosidade: por não ter

gostado do trabalho, Romário

desprezou a tela, que depois foi

recuperada e levada para que

ele assinasse a obra.

A artista plástica Maisa Teixeira

começou sua carreira em 1995,

com Marcelo Miura, variando

suas obras do acadêmico ao

moderno. Foi premiada com duas

menções honrosas e selecionada

inúmeras vezes, em Salões de

Artes do Estado de São Paulo.

Uma das primeiras exposições de

Maisa Teixeira com Miura foi “Os

Encantos de Araraquara”

O araraquarense Anderson

Gianetti desde criança está

inclinado para a pintura. Há 15

anos ministra aulas. Promove

inclusive workshops. Formado

em Licenciatura de Artes foi

contemplado com o Prêmio

Aquisição no Salão de Artes de

São Paulo. Além de paisagens,

como esta que mostra a zona

rural do município, e naturezas

mortas, pintou vários painéis

sacros para igrejas da cidade.

Sônia Maria Marques é de Tabatinga.

Começou a pintura óleo sobre tela, com

Marcelo Miura participando de exposições

como a “Encantos de Araraquara” em 2000

e Salões de Artes em Franca, Rio Claro,

Piracicaba, Araraquara, sempre com telas

selecionadas; em Araras (2003), ganhou

menção honrosa na categoria acadêmico e

em 2006, novamente, selecionada com 2

telas e menção honrosa, com uma tela que

foi adquirida pela Secretaria de Cultura.

Possui telas sobre Araraquara como o antigo

Clube 22 de Agosto (adquirido pelo clube),

Jardim Público, Fazenda Salto Grande,

Gigantão (acervo de Carlo Endrigo Peroni)

e Santa Casa de Misericórdia (doado).

Simone Canuto Bergamim é araraquarense e sempre mostrou grande interesse pela pintura.

Em 1996, conheceu o mestre Marcelo Miura, que a incentivou e lhe mostrou o caminho. Em

setembro na exposição “Os Encantos de Araraquara”, ela participou com duas telas sobre a

cidade. Além de várias exposições, teve seus trabalhos reconhecidos no 19º Salão de Artes

Plásticas de Rio Claro e Salão de Artes de Piracicaba – com algumas telas selecionadas.


Francisco Lopes, o “Kiko”, é dentista.

Porém, o prazer está mesmo em manter o

Curso de Artes Visuais que ele implantou

tempos atrás. Em 2003, Kiko imaginava retratar

em bico de pena prédios antigos e pessoas

que na sua opinião se diferenciavam na

comunidade. Hoje, segundo pesquisa realizada

via internet, é um dos únicos artistas

no mundo a promover esse trabalho na divulgação

de uma cidade, utilizando prédios

e personagens.

O artista plástico ganhou espaço no jornal

O Imparcial e uma das primeiras iniciatio

outro ângulo

KIKO LOPES MOSTRA A CIDADE

POR TRÁS DO BICO DA PENA

Kiko faz da rua o

seu estúdio - ao

natural, influência

de Paulo Mascia,

estudo e dedicação

à cidade

Além do grande talento que

possui, Kiko é visto como

idealista, mantendo em seus

trabalhos as imagens que

carrega desde os tempos de

criança, como o casarão da

Gonçalves Dias esquina com

Avenida Feijó.

vas foi mostrar Araraquara - através da pintura

- no mês de aniversário, como estamos

fazendo nesta edição: “Araraquara seria vista

de forma diferente”, lembra com carinho.

No jornal, ele criou ilustrações sobre os

prédios, via de regra casarões e aproveitou

para mostrar alguns personagem que desfilam

pelas ruas da nossa cidade e que normalmente

despertam curiosidade nas pessoas.

Optou também em varolizar através

do “bico de pena”, os músicos e os seus instrumentos,

como forma de reconhecer e valorizar

o trabalho deles. Os materiais eram

sempre acompanhados de textos explicando

cada situação.

Foi também nessa época que Kiko decidiu

implantar o curso que é mantido até

hoje com recursos próprios, permitindo o

acesso de pessoas interessadas em aprender

e se transformar em um artista plástico. Seu

objetivo era concentrar todos os trabalhos

já realizados por ele e seus alunos em um

acervo, porém, a ideia não vingou por falta

de interesse dos setores público e privado.

O antigo Hotel São Bento construído nos anos 20

O garapeiro que faz ponto ao lado do

Teatro Municipal, na Fonte Luminosa


A cidade vista pela Estação Ferroviária,

focando a Avenida São Paulo

O casarão na Gonçalves Dias com São

Geraldo e a eterna lembrança da infância

O carteiro no cumprimento da missão que

não foge à realidade do cotidiano,

A partir daí, as ilustrações passaram a ser

vendidas de maneira pulverizada para manutenção

do curso e com isso, segundo ele,

deixamos de eternizar a cidade de maneira

coletiva. Ele chegou a trabalhar com aquarela,

no entanto, firmou-se com o “bico de

pena”, por considerar seus traços mais próximos

da realidade.

Na verdade, Kiko é apaixonado pela cidade

e por aquilo que faz. Ele brinca com

o branco do papel e dá a forma que deseja

dentro da sua própria realidade. Ele unifica

e preenche os espaços com o bico da pena.

Kiko traz a originalidade com rara beleza e

pacientemente doa parte do seu dom aos interessados

em se transformar em um grande

artista. Este é o papel do mestre.

Vendedor de churros,

na Nove de Julho


ernesto lia

A LUZ DA CIDADE

EM SUA VIDA

Araraquara está para Ernesto

Lia, como Ernesto Lia está

para Araraquara. Ambos se

confundem dentro de uma

bela história de amor e respeito,

pois jamais deixou sua terra

natal e tornou-se o mais

laureado dos nossos artistas

plásticos de todos os tempos.

Por sorte da nossa terra, Ernesto Lia, um

artista respeitado pelas exposições individuais

em salões internacionais, além de outras

manifestações festejadas pelos maiores

críticos da arte plástica, é araraquarense.

Ainda recentemente, foi indicado para ser

homenageado em São Paulo, pela Academia

Brasileira de Arte, Cultura e História. Para o

O artista em seu atelier

artista, de méritos inquestionáveis, a indicação

é uma das mais significativas e gloriosas

honrarias a fazer parte do seu extenso e

invejável curriculum vitae. Ernesto Lia tem

sido alvo, ao longo de uma existência dedicada

ao cultivo das artes plásticas, dos mais

importantes prêmios, como os conquistados

em Paris, Nice, Genéve, Lisboa, Tampa e

incontáveis prêmios em nosso país.

Ele se formou em 1956 pela Escola de

Belas Artes de Araraquara, hoje extinta. Em

1956 estagiou no ateliê do italiano De Genaro,

em São Paulo, onde aperfeiçoou-se em

portraits. Em seguida recebeu a Grande Medalha

de Ouro, do Salão dos Artistas Unidos

do Brasil, por seu reconhecimento dentro da

arte brasileira. Desde então ganhou diversos

prêmios, nomeações e outorgas em várias

localidades nacionais e internacionais,

incluindo a honraria de ser “Membro do

Grand Prieuré do Brasil e Suíça”. Suas telas

são exportadas para diversas partes do mundo

como nos Estados Unidos, Argentina,

Suíça, África do Sul, França, entre outros.

Em 1955, Ernesto Lia retratou em tela

Frederico de Marco que vivia o auge da

carreira, como cientista. O quadro acabou

se tornando uma das belas obras do

artista, marcando sua ligação com

personagens da cidade.


palavra do presidente

EM 2014 SERÁ MELHOR AINDA

Mais uma vez, realizamos, em parceria

com o SINCOMÉRCIO, o Baile do Empresário,

na sua 2ª edição. Confesso

que fiquei satisfeito, principalmente por

aqueles que estiveram presentes. Um

salão de festas já bonito, como é o do

Clube Araraquarense, ricamente decorado,

com buffet da melhor qualidade,

bebidas de marcas famosas e com um

conjunto musical tocando e encantando

a todos, só poderia ter sido uma noite

maravilhosa. Quem não foi, realmente

perdeu uma grande chance de se relacionar

com os amigos empresários. Mas

tenho a firme convicção de que este

baile, em 2014, será um grande ponto

de encontro dos empresários de nossa

cidade. Por isso, espero poder encontrá-lo.

VETO

Após passar no Congresso Nacional, a

presidenta da República Dilma Rousseff

perdeu uma grande chance de fazer

justiça aos empresários brasileiros. Falo

do adicional de 10% (além dos 40% do

FGTS), criado pelo

Governo Federal para

recompor o desembolso

com os Planos

Collor e Verão. Pelos

cálculos, os valores já foram recompostos

há 3 anos. Lamentável, mas precisamos

aprender a reagir, assim como tem

acontecido com a sociedade brasileira.

CUSTOS

Enquanto o dólar disparava

nos últimos

dias e você, empresário,

quando da reposição

já pagava a

mais pelo produto, aparece o Ministro

Guido Mantega para pedir que você, o

mesmo que já está pagando um preço

maior, não o repasse para o consumidor.

Será que ele não sabe que “todo balcão

tem dois lados?”

SEJA SÓCIO

Procure conhecer os benefícios que sua

empresa terá sendo associada da ACIA.

Agindo assim você estará ajudando no

fortalecimento da nossa classe

RENATO HADDAD - Presidente da ACIA

PIBINHO, DE NOVO

Novas previsões, do Banco Central, realizaram

a estimativa do PIB desse ano

cair mais um pouco, agora para 2,5%.

Já economistas de bancos privados falam

em 2%. Já já, com a chegada do

final do ano, nós, empresários, vamos

ficar sabendo. Na pele.

IPEM

Numa iniciativa da FACESP - Federação

das Associações Comerciais do

Estado de São Paulo e do IPEM - Instituto

de Pesos e Medidas, estiveram

reunidos no dia primeiro de agosto em

Araraquara, no CEAR, prefeitos, na parte

da manhã e empresários, no período

da tarde. Na pauta, as autuações do órgão

fiscalizador em empresas que, por

desconhecimento, acabam tendo que

pagar indevidamente. Como ajustei naquele

dia, o Superintendente do IPEM

estará pessoalmente no auditório da

ACIA em data a ser brevemente divulgada.

Conselho: por

enquanto, tome

cuidado. Prefira

comprar de fornecedores

que sejam

realmente seu

parceiro.


cidadania

UM TÍTULO PARA

VANDERLAN

Vanderlan e Edna Martins

Vanderlan Bolzani no dia 30

de agosto foi homenageada

na Câmara Municipal.

Em sessão solene no dia 30, a Professora

Doutora Vanderlan da Silva Bolzani

recebeu o título de Cidadã Araraquarense,

conferido por meio do Decreto Legislativo

nº 825, de 22 de maio de 2013, de

autoria da vereadora Edna Martins.

Professora Doutora do Instituto de

Química da Unesp, campus de Araraquara,

com projeção nacional e internacional,

Vanderlan é diretora da Agência

Unesp de Inovação e uma das principais

especialistas em química de produtos naturais

do país. Foi eleita para a Academia

Brasileira de Ciência e Academia Paulista

de Ciência. Vanderlan foi primeira

mulher eleita presidente da Sociedade

Brasileira de Química, posto que ocupou

de 2008 a 2010.

transporte aéreo

O NOSSO NOVO

AEROPORTO

Inaugurado em 1943 e tendo

o empresário Edmundo Lupo

como um dos seus primeiros

pilotos, o campo de aviação já

se prepara para ter um perfil

comercial bem mais arrojado.

Na reta final da obra, o novo terminal de

passageiros do Aeroporto Bartholomeu de

Gusmão, na região sudeste de Araraquara,

já começa a ter instalados os equipamentos

para início das operações até o final do ano.

O antigo campo de aviação, dotado agora de

moderníssima estrutura aguarda a instalação

do conjunto de esteiras para check-in e desembarque.

No começo de agosto também foram

instalados os suportes do elevador de acesso

à cabine de controle de voos. As portas de

embarque e desembarque estão instaladas e

com vidros colocados.

No momento, três frentes

de trabalho atuam simultaneamente

nessa fase de acabamento.

Uma atua no fechamento

lateral da cobertura;

outra nas divisórias internas

O aeroporto com sua parte

externa já coberta e

direcionada para a pista que

chegará aos 2.500 metros de

extensão por 45 metros de

largura, podendo receber

aviões de carga

de alvenaria e uma terceira nas montagens

das oitos salas destinadas às companhias de

aviação e lojas de conveniências.

Na área de estacionamento, a empresa

contratada efetua a iluminação pública com

moderno sistema LED. O investimento de

R$ 458 mil é oriundo de contrapartida com

recursos da Contribuição de Iluminação Pública

(CIP). O aporte do Estado no terminal

e pavimentação é de R$ 8 milhões.

O novo terminal irá atrair as empresas

que operam voos regionais, gerar empregos,

fortalecer o parque industrial e expandir o

turismo e os negócios em Araraquara e região.

A partir da sua reinauguração o aeroporto

empregará 40 profissionais entre técnicos

e operadores de voos, de embarque e

desembarque, operadores de esteira, raio X,

administração, manutenção e limpeza.

O objetivo do DAESP é ampliar a pista

atual do aeroporto que tem 1.800m de extensão

por 30m de largura. Com o aceno

positivo do Ministro Chefe da Secretaria da

Aviação Civil, Moreira Franco, ela passará

a ter 2.500 metros por 45 metros. O pátio

de 14 mil metros quadrados comporta cinco

aeronaves airbus A320 (capacidade para

174 passageiros).


luta contra relógio

EMPRESAS TÊM PRAZO DE QUATRO

MESES PARA ADAPTAÇÕES AO e-SOCIAL

A Receita Federal vai dar, a

partir de janeiro, um grande

passo a mais no processo de

informatizar sua relação com

os contribuintes.

É exatamente isso, pois em janeiro entrará

em vigor o e-Social, sistema de escrituração

digital por meio do qual todas as companhias

terão de passar, de forma unificada,

suas informações trabalhistas, previdenciárias

e tributárias para o Fisco.

Especialistas na área, como Paulo Luiz

Pecin, presidente da AESCAR - Associação

das Empresas de Serviços Contábeis de

Araraquara, aconselham as empresas a atentarem

para a questão, já que faltam quatro

meses para a entrada em vigor do sistema.

“Ainda não há muitos contribuintes preocupados

com isso”, assegura Pecin.

Porém, há motivos para se preocupar.

Isso porque haverá a necessidade de padronização

e unificação dos cadastros. “As

informações sobre a folha de pagamento,

incluindo todos os funcionários, e os dados

sobre a retenção de pagamentos de serviços

que hoje são apresentados a diferentes

órgãos serão centralizadas”, afirma o dirigente.

Entre os objetivos do e-Social está o

de eliminar a necessidade de passar informações

em duplicidade – deve possibilitar

a extinção de obrigações acessórias, como

Caged, Rais, Dirf e Gefip. Isso deverá ser

bem-vindo. Estudo do Banco Mundial estima

que as companhias brasileiras gastam,

em média, 2.600 horas anuais produzindo

informações que são enviadas ao Governo.

No entanto, inicialmente, haverá o trabalho

de sanear os cadastros e checar se não

há divergências em números de inscrição,

por exemplo, do PIS dos funcionários ou a

ausência de dados básicos, por exemplo, datas

de nascimento e documentos dos dependentes

dos empregados. Isso sem contar a

necessidade de sistema de informática para

atender a exigência de escrituração digital

de todos os dados trabalhistas, previdenciários

e fiscais.

Paulo Pecin, em encontro da categoria para

discutir os prazos concedidos pela Receita

Federal para adaptações ao e-Social

Ao mesmo tempo em que pode simplificar

os processos de prestação de informações,

o e-Social aperfeiçoará o controle da

Receita Federal sobre as empresas. Esse é

um processo que já se iniciou há sete anos

com o Sped (Sistema Público de Escrituração

Digital) Fiscal. “O Governo já tem

diversas ferramentas e o e-Social será mais

uma delas”, justifica Pecin.

Porém, agora o Fisco poderá cruzar as

informações, por exemplo, em relação à

folha de pagamento, de forma mais ágil e

notificar quem passa dados com algum erro.

Isso exigirá atenção redobrada com práticas

adotadas - o chamado jeitinho brasileiro -

que não estão dentro das regras, mas que,

até agora, poderiam passar despercebidas.

Quem não cumpre suas obrigações trabalhista

e previdenciária, deverá se preparar

para que não seja penalizado.

EMPREGADOS

Ao mesmo tempo em que deve facilitar

os controles da Receita Federal, contribuindo

para aumentar a arrecadação do G overno

e também simplificar a rotina administrativa

das empresas, o e-Social deve trazer benefícios

aos trabalhadores. Isso porque há a expectativa

de que eles tenham a possibilidade

de acompanhar melhor, por meio da internet,

se seus direitos estão sendo respeitados.


abandono

ESTÁ VIRANDO PRÉDIO

FANTASMA

O prédio da antiga Cideral na

Avenida 36, nos anos 70 era

considerado cartão postal da

Avenida 36. Hoje, tendo um

novo proprietário, pelo seu

abandono, torna-se um risco

para a segurança da população.

Família Silva, tendo à frente o seu patriarca

- “seo Hélio” - sempre teve uma atua-

ção das mais expressivas

no desenvolvimento econômico

da cidade. Hélio

Silva e seus filhos, desde

os anos 60, num grandioso

prédio no final da Avenida

36, contribuíram de forma

decisiva no progresso de

Araraquara, fabricando

móveis e colchões, atividade

que a família decidiu encerrar em

2008, merecendo o respeito e o carinho de

todos pela forma que sempre atuaram.

Wagner Silva, um dos filhos, trilha os

caminhos deixados pelo pai em outro prédio

na cidade e a exemplo do “seo Hélio”, demonstra

a mesma ousadia e amplia os raios

de ação da sua empresa, buscando se fortalecer

ainda mais dentro do mercado.

O prédio, vendido para um empresário

de Jaú, já algum tempo entrou em estado de

abandono e levou o vereador Roberval Fraiz

em julho, a pedir a interferência do Poder

Público para exigir que o atual proprietário

seja intimado a proceder a reforma ou demolição

do imóvel, com aplicação da Lei do

Código Civil - Instituto do Abandono.

É evidente que não há necessidade de

se chegar ao extremo da demolição, porém,

o prédio não pode continuar servindo de

moradia e banheiro a usuários de drogas,

acúmulo de lixo e proliferação de animais

peçonhentos. “Este imóvel fica numa área

nobre da cidade e é preciso tomar as providências

cabíveis para prevalecer o interesse

público”, argumenta Fraiz.

Existe, principalmente neste momento,

a questão da segurança, pois o local é passagem

obrigatória para estudantes que caminham

em direção à UNIP ou trabalhadores

do Shopping Jaraguá. Se já houve casos de

mulheres violentadas e assassinadas na região

central em decorrência do matagal à

beira dos trilhos da ALL, é evidente que o

prédio por estar vulnerável, transformandose

num espaço que favorece a ação dos bandidos,

principalmente à noite.

No começo do ano falou-se da instalação

da rede varejista Walmart; de lá para cá,

pouca coisa andou. Para a empresa é importante

que o município defina a criação das

alças que estarão ligadas ao projeto viário

que nasce nas proximidades da represa. Isso

no entanto vai demorar.


vai e volta

DISCORDÂNCIA NA PROPOSTA QUE

POSTERGA FIM DA MULTA DO FGTS

Em Araraquara, o presidente do SINCOAR diz que as entidades

estão discordando da proposta apresentada para postergar o fim

da multa do Fundo de Garantia.

Empresários e entidades representativas

não concordam com

a proposta do Governo, de dar fim

gradativamente à multa adicional

de 10% sobre o saldo do Fundo

de Garantia do Tempo de Serviço

(FGTS), em demissões sem

justa causa. A declaração é do

diretor da Associação Comercial

e Industrial de Araraquara, também

presidente do Sindicato dos

Contabilistas, Geraldo Luis Tampellini.

Segundo ele, o Palácio do

Planalto iniciou negociação com

líderes da base aliada no Congresso, com

a proposta de criar um novo projeto de lei

complementar para escalonar a cobrança, de

forma a eliminá-la em quatro anos.

No final de julho, a presidente Dilma

Rousseff vetou o projeto que eliminava a

cobrança do valor e as entidades entraram

na briga pela derrubada do veto. “Não aceitamos

também a redução gradativa da multa,

ela deveria ser eliminada imediatamente.

Essa proposta é como negociar algo que é

inegociável”, disse na época, o presidente da

Federação Nacional das Empresas de Serviços

Contábeis e das Empresas de Assessoramento,

Perícias, Informações e Pesquisas

(Fenacon), Valdir Pietrobon. “As empresas

já são muito sacrificadas com a alta carga

tributária no Brasil. Esperamos que o congresso

faça seu verdadeiro trabalho e não

recue na negociação”, defende.

A demissão sem justa causa obriga os

empresários a pagarem multa de 40% sobre

o saldo do FGTS, que vai para o bolso

do trabalhador, enquanto os 10% da multa

adicional, servem, na prática, para complementar

o superávit primário, comenta Tampellini.

A multa foi criada em 2001 para cobrir

um rombo deixado pelos planos econômicos

Verão e Collor. Desde julho do ano passado,

o objetivo foi atingido e o recurso deixou de

ir para os cofres do FGTS. Para dar fim à

cobrança, o Projeto de Lei Complementar

200/2012, de autoria do Senado Federal,

foi aprovado na Câmara dos Deputados no

início de julho, com 315 votos favoráveis,

95 contrários e 1 abstenção, atendendo a um

recorrente pleito do empreendedorismo.

Porém, a presidente Dilma Rousseff vetou

integralmente a proposta, no último dia

26, com a justificativa de que o fim da multa

retiraria R$ 3 bilhões por ano das contas do

FGTS sem que houvesse medidas para uma

compensação do impacto financeiro causado.

Para derrubar o veto é necessário ter 257

votos na Câmara e 41 no Senado.

SOBRE A FENACON

A Federação Nacional das Empresas de

Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento,

Perícias, Informações e Pesquisas

(Fenacon) congrega 37 sindicatos,

entre os quais o de Araraquara, presidido

por Geraldo Luis Tampellini, distribuídos

nos 26 estados e no Distrito Federal, que representam

mais de 400 mil empresas dessas

áreas. A Fenacon tem se consolidado como

legítima liderança na representação do setor

de serviços, atuando diretamente no combate

à alta carga tributária e na diminuição da

burocracia, além de lutar por políticas públicas

que garantam mais desenvolvimentos às

empresas brasileiras, sobretudo as micro e

pequenas.


iblioteca mário de andrade

HÁ 70 ANOS ELA

ABRIA AS PORTAS

Embora criada em outubro de

1942, a biblioteca só começou

a funcionar em agosto do ano

seguinte de forma oficial, após

o escritor Mário de Andrade

doar 600 livros do seu acervo.

Foi o escritor Mário Raul de Moraes Andrade,

ou simplesmente Mário de Andrade,

nascido (1893) na Rua Aurora, 320, em São

Paulo, que incentivou e intermediou junto

ao prefeito da época, Camilo Gavião de

Souza Neves, a criação da Biblioteca Municipal.

Em 1926, ele havia passado as férias

em Araraquara no sítio do seu tio Pio Lourenço

Corrêa, quando aproveitou para escrever

“Macunaíma”, um dos seus trabalhos

mais expressivos. No mesmo ano, publicou

outro conto - “Primeiro Andar” e “Losango

Cáqui”, uma poesia. Teria escrito ainda na

cidade os poemas de “Clã do Jaboti”.

Em 1942, ao se reunir com o prefeito

Camilo de Souza Neves, Mário de Andrade

o incentivou a criar a Biblioteca Municipal.

Na época, o escritor havia criado o Serviço

do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional,

SPHAN, sendo nomeado encarregado

do Setor de São Paulo e Mato Grosso.

Três anos depois, coberto de reconhecimento

pelo papel de vanguarda que desempenhou

em três décadas, Mário de Andrade

morreu em São Paulo, em 25 de fevereiro

(1945), vitimado por um enfarte do miocárdio,

em sua casa. Foi enterrado no Cemitério

da Consolação aos 52 anos de idade.

Atualmente a Biblioteca Municipal está

Biblioteca na Padre Duarte, nos anos 60

localizada na esquina da Rua Carlos Gomes

com a Avenida Espanha, porém começou

suas atividades em uma das salas da Câmara

Municipal, na Rua São Bento. Mais tarde

passou para um sobrado na Rua Padre Duarte,

hoje tomado por parte do estacionamento

da Beneficência Portuguesa de Araraquara.

No final dos anos 60 começaram os estudos

para a construção de um prédio que

realmente tivesse as características de uma

biblioteca municipal. O projeto realmente

apontou para isso, exigindo contudo a ocupação

de uma área de fácil acesso para a comunidade.

O fechamento de um posto de gasolina

na Rua Carlos Gomes - onde também a

Empresa Cruz utilizava como garagem para

guardar e consertar seus ônibus - levou a

Prefeitura Municipal a adquirir a área e depois

de dois anos iniciar a construção. Neste

período o espaço foi utilizado por circos

e parques de diversão (instalou-se ali um

enorme tobogã).

Foi em 1976, que o prefeito Clodoaldo

O conto “Macunaíma” tornou-se a

marca registrada da cidade pelo fato

de ter sido escrito em Araraquara, em

1926, quando Mário de Andrade veio

passar as férias na Chácara Sapucaia

dos seus tios, anos depois, Chácara de

Waldemar Saffiotti. Por esse perfil

cultural e histórico, a família doou o

imóvel à UNESP que transformou o

espaço num centro cultural para

desenvolver projetos educativos.


No dia 24 de julho de 1976 era inaugurada a

biblioteca. Na foto, aparece ao lado da perua

do Florão, o seu proprietário Nereu Magnani

Medina inaugurou o novo prédio construído

em dentro dos modernos padrões biblioteconômicos,

oferecendo vários serviços, distribuídos

pelas diversas seções: Sala de leitura

e pesquisa, Seção de empréstimos, Sala

de leitura informal (jornais e revistas), Videoteca

e Auditório com 200 lugares (para

palestras e projeções).

A biblioteca também possui um setor

especializado em artes e filologia, contendo

obras raras nesses assuntos. Paralela as suas

atividades normais, desenvolve projetos de

incentivo à cultura, como Projeto Poesia,

Concurso Nacional de Contos, Música ao

Vivo, Projeto Memória, Roteiro Cultural, A

Literatura do Vestibular, Autor do Mês e Exposições

de Arte. Hoje possui uma frequência

de 110 mil pessoas/ano, o que significa

uma média diária de 110 usuários. Seu acervo

é 82.882 livros e outras publicações.

Célia Logobardo, coordenadora da Bi-

blioteca Municipal, diz que os vestibulandos

são os que mais visitam o espaço em busca

de livros que focam a literatura brasileira.

Entre os escritores e títulos mais solicitados

aparecem Machado de Assis, com o romance

Dom Casmurro, e José de Alencar com o

romance Senhora, que são temas recorrentes

nos vestibulares.

Célia Logobardo, coordenadora da Biblioteca

A araraquarense Teresa Cristina Telarolli,

é socióloga formada pela UNESP e após

trabalhar como coordenadora de

Preservação do Patrimônio Histórico de

Araraquara, entre os anos de 2005 e

2008 e presidente da Fundart, assumiu

a administração do Centro Cultural

Sapucaia, antiga chácara do casal

Heleieth e Waldemar Saffioti, doada à

UNESP de Araraquara e onde Mário de

Andrade escreveu “Macunaíma”


Apreciador de

um bom vinho

homenagem

UM BRINDE AO TEMPO QUE AQUI PASSEI

Delegado ou gentleman?

Os dois definiam o perfil de

um ser humano carismático na

medida certa e no tempo certo.

Sempre viveu pelo trabalho e

família, mas nunca abandonou

sua qualidade de vida.

Na madrugada de 28 de julho, domingo,

a cidade amanheceu mais triste. Perdemos

o “Dr. Delort”, como era conhecido, vítima

de um tratamento contra o câncer, o terceiro

nos últimos 12 anos.

Gilbert Jules Delort nasceu em São

Paulo (7 de abril de1935) e foi batizado em

Saint-Flour, cidade medieval na região de

Auvergne, centro da França, onde a família

mantém laços tradicionais de história e

afeto.

Filho do engenheiro, herói da Primeira

Guerra Mundial, George e da nobre Jacqueline

Van Leeuv Delort, Gilbert foi criado

entre artistas, empresários e intelectuais em

Jundiaí. Estudou no Colégio Marista Arquidiocesano,

que na época era colégio interno,

na capital. Depois formou-se no Colégio

Militar de Fortaleza, do Exército Brasileiro.

Largou a carreira militar e retornou a São

Paulo para fazer Escola de Perito Criminal

da Polícia Civil. Após formar-se em Perito

foi transferido para Araraquara em 1960.

Recém casado com Maria de Lourdes

Penteado Delort, veio morar inicialmente

Gilbert e Lourdes

no Hotel Municipal. Em 1967 formou-se na

Faculdade de Direito em Bauru; em seguida

entrou no concurso para Delegado de Polícia.

Numa época em que se brincava dizendo

que as pessoas mais importantes da cidade

eram: o padre, o prefeito e o delegado.

Carreira que levou até o mais alto patamar

e se aposentou como Delegado de Polícia

Classe Especial.

Sempre morando em Araraquara, Delort,

tinha como maior orgulho o fato de ter

formado os 5 filhos: Sérgio (Medicina), Andréa

(Economia e Administração de Empresa),

Renato (Odontologia), Flávio (Publicidade,

Propaganda e Marketing) e Denise

(Psicologia).

Orgulhoso também de ser um perito,

sua antiga profissão, chegou a fazer alguns

laudos particulares e outros solicitados pela

justiça.


Com Lourdes, em

Saint-Flour, onde

foi batizado

Equipe de vôlei do Exército em Fortaleza

Devemos defini-lo como uma pessoa

educada, liberal, culta, inteligente, fraterna

e humana como poucas. A idade e a doença

lhe tiraram as forças; mas também transformou-o

em um homem sábio, sempre respeitado

e admirado por quem teve a grata

oportunidade de conviver ao seu lado.

Passeio na

Suiça

NA COMUNIDADE

Delort foi presidente do S.O.S., por

mais de um mandato, entidade que cuidava

de famílias carentes; conselheiro da Ferroviária,

onde mantinha um vínculo afetivo e

torcedor assíduo; presidente e fundador do

Banco de Olhos da cidade; presidente da

Guarda Mirim; presidente e colaborador

do Atletismo Amador; presidente do Atlas

Esporte Clube, de Armando Clemente, que

na época rivalizava com o Colorado; venerável

presidente da centenária Loja Maçônica

Caridade Universal Terceira, por dois

mandatos 1979/80/81 e de 1985/86/87;

Deui-xème Surveillant (Segundo Vigilante)

da Loge Française, do Grand Orient de

France, instalada em São Paulo, em convênio

com o Grande Oriente Paulista e que

seguia o rito Francês; fundador junto com a

esposa, Lourdes, da entidade paramaçônica

Fraternidade Feminina Cruzeiro do Sul;

conselheiro fundador da Ordem Demolay

aos jovens da cidade, Juiz do Tribunal de

Justiça Maçônico do Estado de São Paulo;

Grande Inspetor Geral, Grau 33, Ministro

do Superior Tribunal de Recursos da Justiça

Maçônica , tomando posse em 30/03/2004 e

Laços de família na França

Seu mundo

maçônico

26/02/2007, tendo deixado de exercer a função

a pedido, por motivo de saúde. Recebeu

o título de Cidadão Araraquarense em 25 de

janeiro de 2008.

Manifestamos a mais sincera admiração

a Gilbert Jules David Delort e externamos

a gratidão e o reconhecimento por tudo que

realizou em prol de Araraquara, tornando-se

um anelo de serviço e de amor.

Lourdes/Delort, filhos, netos, genros e noras


PEQUENAS EMPRESAS GERAM 42% DO

EMPREGO COM CARTEIRA ASSINADA EM 2013

No primeiro semestre de 2013

foram criados em Araraquara

mais de 2 mil empregos com

carteira assinada, de acordo

com o SINCOMÉRCIO.

No final de agosto, o economista e coordenador

do Núcleo de Economia do SIN-

COMÉRCIO de Araraquara, Jaime Vasconcellos,

disse que de acordo com os dados do

CAGED (Cadastro Geral de Empregados

e Desempregados), órgão do Ministério

do Trabalho, 2.140 empregos com carteira

assinada foram criados em Araraquara no

primeiro semestre de 2013. “Deste saldo

positivo, 897 postos de trabalho, isto é, 42%

do emprego total gerado no ano são provenientes

de estabelecimentos com até 4 funcionários”,

argumentou o profissional que

também é pesquisador do Núcleo de Conjuntura

e Estudos Econômicos da Unesp em

Araraquara.

Neste tipo de estabelecimento, destaque

ao setor de Serviços de Comércio e Administração

de Imóveis, com saldo positivo de

195 vagas e o Comércio Varejista, com 163

mais admissões que desligamentos.

Com a participação dos empreendedores

e seus familiares, há cerca de dois terços

do total das ocupações no setor privado

brasileiro

Segundo Jaime, no caso do Comércio

Varejista, há um cenário curioso. De janeiro

a junho de 2013, ao todo, o setor perdeu

291 postos de trabalho, isto é, saldo negativo.

Tal saldo seria ainda mais negativo, não

fosse o bom desempenho dos estabelecimentos

comerciais com até 4 funcionários,

o qual já dito acima, tem saldo positivo em

163 vagas. No caso do setor, a RAIS 2010

(Relação Anual de Informações Sociais) já

mostrava a importância de pequenas empresas

no mercado de trabalho. Segundo o

órgão, também do Ministério do Trabalho,

dos 2.372 estabelecimentos comerciais de

Araraquara, 1.672, ou seja 70,5%, são estabelecimentos

com até 4 funcionários.

TABELA: Geração de emprego por tamanho de estabelecimento Araraquara / 1º Semestre 2013

O economista Jaime Vasconcellos

ANÁLISE

Mesmo havendo visível desaceleração

na geração de emprego com carteira assinada

em 2013, observa-se o importantíssimo

papel das micro e pequenas empresas.

Há predominante responsabilidade dos estabelecimentos

com até 4 funcionários na

formação de um saldo total positivo no primeiro

semestre. No caso do Comércio Varejista

tais empresas funcionaram como contra

peso ao péssimo desempenho do setor na

criação de emprego com carteira assinada.

É importante frisar, diz Jaime, que o

bom desempenho dos micro e pequenos

estabelecimentos tem um teor ainda mais

heroico, baseado na quantidade de problemas

que o empresariado brasileiro em geral

enfrenta. Entre tais problemas, altas cargas

tributárias, burocracia, rotatividade (principalmente

no setor comercial), insegurança,

perdas e a concorrência desleal de mercadorias

contrabandeadas. Normalmente, são

as micro e pequenas empresas que possuem

acesso mais dificultado às medidas de estimulo

econômico e investimentos públicos,

destinados ao fomento e desenvolvimento.

Por outro lado, conclui o economista,

estas são as primeiras afetadas quando o desempenho

econômico tem ritmo freado ou

mesmo decrescido.


artigo

O DIREITO AO VALE

TRANSPORTE E

SUAS LIMITAÇÕES

Instituído pela Lei nº 7.418/85 e regulamentado

pelo Decreto nº 95.247/87, o Vale-

Transporte é um direito extensivo a todos os

trabalhadores que efetivamente se utilizam

do transporte coletivo público, urbano ou

intermunicipal e/ou interestadual, disponibilizado

diretamente pela Administração

Pública ou mediante concessão/permissão a

empresas particulares.

Trata-se de um direito do trabalhador

para cobrir as despesas de deslocamento da

residência ao local de trabalho e vice-versa,

quando da utilização do transporte coletivo

público. Isso significa que aquele trabalhador

que, neste trajeto, utiliza

veículo particular, próprio

ou de terceiros, ou locomove-se

a pé, não possui direito

ao recebimento do Vale-

Transporte.

Esta é a primeira limitação

deste direito do trabalhador

e que deve ser controlado

por compromisso

expresso firmado pelo beneficiário

junto à empresa em

que trabalha, no qual declara a necessidade

de utilizar o Vale-Transporte exclusivamente

para o referido percurso. É indispensável,

portanto, que o empregado requeira a concessão

do benefício, sendo que o uso indevido

do Vale-Transporte ou a declaração

falsa do trabalhador constituem falta grave

e possibilitam a dispensa por justa causa. O

Vale-Transporte será custeado total ou parcialmente

pelo empregador, antecipando

a aquisição dos bilhetes de passagem pelo

trabalhador. Pela Lei 7.418/85, o empregador

participará dos gastos de deslocamento

do trabalhador com a ajuda de custo equivalente

à parcela que exceder a 6% (seis por

cento) de seu salário básico, porém o custeio

da empresa poderá ser maior ou até total em

virtude de Convenção ou Acordo Coletivo

de Trabalho.

A contribuição do empregador a título

de Vale-Transporte não constitui base de

incidência de contribuição previdenciária

ou do FGTS, não se configura como rendimento

tributável do trabalhador, não possui

natureza salarial, nem se incorpora à remuneração

para quaisquer efeitos e tão pouco

para fins de pagamento do 13º salário.

Os benefícios desta lei também se aplicam

aos empregadores que, por meios

próprios ou contratados com terceiros, proporcionem

aos seus trabalhadores o deslocamento

residência-trabalho e vice-versa, em

veículos adequados ao transporte coletivo.

É importante destacar

que o Vale-Transporte não

se presta a custear as despesas

de ida e volta para

a residência no intervalo

destinado à refeição. Este

entendimento, inclusive,

está consubstanciado no

Precedente Normativo nº

80, do Ministério do Trabalho

e Emprego e que assim

expressa: “VALE TRANS-

PORTE. NÃO CONCESSÃO PARA DES-

LOCAMENTO DO EMPREGADO NO

PERÍODO DO INTERVALO INTRAJOR-

NADA. INFRAÇÃO INEXISTENTE.”

Não se depreende da Lei nº 7.418/85, alterada

pela Lei nº 7.619/87, que o empregador

esteja obrigado ao fornecimento do valetransporte

para a ida e retorno do empregado

à sua residência para refeição. Referência

normativa: art. 4º da Lei nº 7.418/1985.” Tal

orientação administrativa é muito importante,

pois por ela o órgão fiscalizador (MTE)

pauta os procedimentos para atuação de

seus agentes fiscais.

Neste sentido, o Tribunal Superior do

Trabalho também assim já decidiu: “VALE-

TRANSPORTE - CONCESSÃO PARA

DESLOCAMENTO DO EMPREGADO

NO INTERVALO INTRAJORNADA

DR. IRAN CARLOS RIBEIRO

Advogado do Sincomércio

Araraquara

PARA ALMOÇO - MULTA ADMINIS-

TRATIVA - INDEVIDA. O Vale-Transporte

constitui benefício que o empregador

antecipa ao trabalhador para a utilização

efetiva em despesa de deslocamento residência-trabalho

e vice-versa, no início e

término da jornada laboral (art. 2º, Decreto

95.247/87). A Lei nº 7.418/85, alterada pela

Lei nº 7.619/87, não impõe ao empregador a

obrigação de fornecer Vale-Transporte para

que o empregado se desloque para almoçar

em sua residência. A aplicação de multa administrativa

pela não concessão do benefício

no intervalo intrajornada, é circunstância

que contraria o disposto nas normas legais citadas.”

(TST, RR 2600.84.2005.5.22.0000,

Relator Ministro Carlos Alberto Reis de

Paula, 3ª Turma, DEJT 06/02/2009).

Como se vê, a concessão do Vale-Transporte

é restrita aos trabalhadores que necessitam

do transporte público para locomoção

no percurso residência-trabalho e não é devido

tal direito, segundo o julgamento acima

expresso, para o mesmo trajeto, quando do

intervalo para as refeições.

Por tudo, ressaltando os benefícios deste

instituto jurídico conferidos aos trabalhadores

e empregadores, resta claro, que os

limites especificados pela legislação estabelecem

o Vale-Transporte como direito de

natureza indenizatória, pela utilização do

transporte coletivo público no percurso residência-trabalho,

e não uma espécie de remuneração

para elevar a renda do trabalhador.


Adilson e Rodolfo

Navarro, da Yes

Consultoria

yes consultoria

SEUS 20 ANOS

DE HISTÓRIA

Os irmãos Arnaldo e Rodolfo

Navarro festejam o sucesso da

empresa que amplia cada vez

mais seu leque de serviços.

A Yes Consultoria empresa de Araraquara

completa 20 anos, atua no mercado

de consultoria empresarial, treinamentos,

recrutamento e marketing.

O consultor exerce o trabalho como um

médico, acompanha a gestação, o nascimento,

crescimento e aplica check ups constantes

para manter uma vida saudável, assim

comenta Arnaldo Navarro, que à frente da

Yes, executa trabalhos corporativos em fases

idênticas nas empresas, ou seja, planeja

a abertura de um novo negócio, acompanha

sua trajetória de maturação e aplica ações

para que seus clientes permaneçam ativos

no mercado, ou visualiza oportunidades de

novos negócios e diz “o sucesso

e crescimento de nosso

cliente, é o resultado das ações

implementadas pela consultoria’’.

O consultor Rodolfo Navarro

dirige a Yes Propaganda e

cuida do planejamento de mar-

keting da carteira de clientes da Yes (parte

gráfica, tv, rádio, revista, site) e salienta que

hoje nada se compara à dinâmica das redes

sociais: “uma empresa do Rio de Janeiro já

nos contratou por ter visto uma publicação

na nossa rede haja visto que em apenas um

clique, ultrapassamos barreiras nacionais e

internacionais” e lembra “o marketing hoje

é fundamental para a fixação da marca e o

sucesso real do negócio”.

A Yes está presente em outras áreas

também: Palestras Motivacionais, Recrutamento

e Seleção, Headhunter, Recolocação

profissional, Pesquisa de mercado, Treinamento

e certificação de NR 10 e NR 35,

Treinamento e aprimoramento de Equipe de

Vendas e Gerentes, Implantação de Projeto

de Qualidade Total / 5 S, Implantação de

normas e procedimentos para ISO.

Os irmãos Arnaldo e Rodolfo afirmam

que nestes 20 anos possuem diversos cases

de sucesso, o que os fixou na macro região,

incluindo trabalhos até fora do Brasil, e lembram

que todos os segmentos podem acessar

os trabalhos da consultoria, sejam profissionais

liberais, comércio ou indústria.

Um dos trabalhos executados

pela agência para o cliente

Genius, em Américo


feira do trabalho

BUSCANDO

EMPREGO

Com a participação da ACIA,

a Feira do Trabalho é uma ação

inovadora que possibilita aos

jovens a oportunidade de

obterem o primeiro emprego.

Em sua primeira edição no ano passado,

pelo menos 15 mil pessoas passaram pela

Feira do Trabalho, Emprego e Desenvolvimento

Profissional. Em 2013, realizada nos

dias 28 e 29 de agosto, público semelhante

teve a feira como instrumento para obtenção

do primeiro emprego, ou pelo menos

ter ciência sobre a atual situação do mercado

de trabalho.

A Associação Comercial e Industrial de

Araraquara que já mantém um Banco de

Talentos para colocação de profissionais

nos mais diferentes segmentos da indústria,

comércio e serviços, esteve presente com

seu stand. Foi lá que o presidente Renato

Haddad disse que agindo assim, a entidade

mantém seus objetivos e desenvolve paralelamente

um trabalho social.

Para o dirigente, o crescente número

de empresas que vêm se deslocando para

Araraquara pela posição geográfica e outros

fatores considerados importantes para a

expansão econômica, leva a ACIA a manter

vínculos ainda mais fortes com eventos

desta natureza: “Araraquara tem aumentado

consideravelmente a oferta de emprego. A

vinda da Randon, por exemplo, para fabricar

vagões e semirreboques, abrirá as portas

para mais de mil empregos”, argumentou

Renato Haddad.

Outro aspecto que a feira proporciona de

forma positiva, além do primeiro emprego

aos jovens, é a possibilidade da requalificação

profissional. Tanto é que empresas

como o Ceproara e CPS, voltadas

para a capacitação de

pessoas que buscam ampliar

conhecimentos profissionais,

estavam presentes.

Principalmente os jovens

recorreram à feira em busca

do primeiro emprego

Ao todo foram ocupados 41

estandes, sendo 29 empresas e

12 instituições de ensino técnico,

sindicatos e associações. A Feira

atende todos os setores do mercado

de trabalho com os diversos

níveis de qualificação, inclusive com ofertas

de vagas no ensino superior de informática

e mecatrônica.

A Líder Telecom durante a feira estava

oferecendo vagas na área de telemarketing

e a expectativa de crescimento da empresa

gira em torno de 100 novos postos de trabalho

por mês. Na edição de 2012, durante

a Feira, 70 funcionários foram contratados

com Carteira Profissional assinada. Isso demonstra

o sucesso do acontecimento.

No estande da Jetro Armazéns Gerais,

estavam disponíveis 11 vagas em vários

setores; há 3 anos no I Distrito Industrial,

a empresa está em fase de ampliação e os

novos contratados começarão o trabalho

daqui a três meses


Marcelo Pereira e Lucas

Napoli, sócios-diretores

da Chilli360

chilli360

SEUS NOVOS

DESAFIOS

Neste mês, a agência Chilli360

está completando mais um

ano de excelentes serviços

dentro do mercado publicitário.

Com sua essência fortalecida e afinada

linha conceitual, a Chilli360 está completando

cinco anos em 2013. Nestes 60 meses

de existência, a apimentada agência cresceu,

evoluiu e trabalhou duramente para chegar

ao seu elogiado nível atual, que a faz vislumbrar

novos desafios de agora em diante.

Focada em conquistar clientes grandes,

de nível nacional, mas sem deixar de lado

o importante mercado local e regional, a

Chilli360 quer mostrar que as agências do

interior de São Paulo também podem brigar

por um lugar ao sol dentro do concorrido

mundo da publicidade, design e digital.

Para isso, a empresa conta com seu espírito

jovem e descontraído, porém altamente

centrado e que sempre buscou cumprir suas

metas à risca. Essa confiança passa pela

experiência adquirida nestes cinco anos de

agência, pelos inúmeros clientes atendidos,

horas trabalhadas e projetos desenvolvidos.

Assim, a Chilli360 vai à frente, querendo

explorar novos terrenos, vencer grandes

desafios e crescer. E nessa jornada quer ter

ao lado seus clientes, peças fundamentais

para a agência chegar aonde chegou. Com

eles a empresa evoluiu, e com eles quer evoluir

ainda mais. Arriba!

Desenvolvimento e

criação especial da

embalagem do produto

Café Oro Negro, tipo

exportação do Café

Pacaembu, premiado

em diversos eventos

publicitários do interior


INSCRIÇÕES ABERTAS

FEIRA DA INDÚSTRIA DO CIESP SERÁ NO DIA 19

Empresas aguardam anciosas

a realização de um dos eventos

mais importantes para o setor

regional.

No dia 19 de setembro, o Ciesp Araraquara

realiza mais uma edição da Feira da

Indústria que acontece nas instalações do

Centro de Convenções Internacional “Dr.

Nelson Barbieri” e nos pavilhões do CEAR

– Centro de Eventos de Araraquara e Região.

O evento multisetorial terá abertura solene

pela manhã com as autoridades, convidados

e clientes. Na sequência, a palestra “Soluções

Diretas Correios” com a participação

dos Correios e o Fórum de Inovação com a

GAC Brasil juntamente com o Sebrae.

No período da tarde será aberta a Feira

da Indústria com exposições das entidades

apoiadoras, patrocinadoras e empresas participantes,

cuja programação deve trazer

atrações inovadoras voltadas para a indústria

com as ações Sesi/Senai e sala de crédito.

O Sebrae participa com a unidade móvel

e sua equipe de consultores abordando,

dentre outros projetos, o ALI (Agente Local

de Inovação). Simultaneamente, acontece a

4ª Edição da Rodada de Negócios, que deve

contemplar cerca de 30 empresas âncoras e

mais de 150 empresas fornecedoras em todo

Estado de São Paulo. A Rodada de Negócios

é a forma pela qual as empresas compradoras

e empresas vendedoras estabelecem

contatos visando a geração de negócios,

onde as vendedoras apresentam suas ofertas

para suprir as demandas das compradoras.

O evento conta com o patrocínio CAI-

XA, Banco do Brasil, Desenvolve-SP; apoio

do Sebrae, Sincomércio, Ecobrisa, Prefeitura

Municipal de Araraquara, através da Secretaria

de Desenvolvimento Econômico,

além da participação dos CORREIOS.

SERVIÇO CIESP ARARAQUARA

Feira da Indústria e Rodada de Negócios

Data: 19 de Setembro a partir da 9h

Local: CEAR - Centro de Eventos de

Araraquara e Região “Dr. Nelson

Barbieri”

Rua Ivo Antonio Magnani, s/n

Jardim Primavera – Araraquara

Informações e inscrições: 16-3322-1339


Edição Setembro / 2013

Após o registro de ataques a

humanos, a animais silvestres

e domésticos, além de grandes

danos a plantações e florestas,

o Governo brasileiro deu aval

para iniciar a caça de javalis.

Em nossa região, nas cidades

de Itápolis, Matão, Tabatinga,

Gavião Peixoto e Nova Europa,

eles surgem em grupos. O

biólogo Abdo Najm Neto

apresenta nesta edição trabalho

exclusivo à RCI focando as

normas adotadas pelo Governo.

O javali é um animal agressivo, territorialista, que ataca ovos de espécies como jacarés e

tartarugas e sua nocividade foi declarada após a elaboração de estudos que comprovam

que o animal, da mesma família do porco, não tem predador natural

AUTORIZADA A CAÇA AO JAVALI

Via de regra os javalis andam

em grupos em nossa região

Mamífero da ordem Artiodactyla, o javali,

cujo nome cientifico é Sus scrofa, é o

principal ancestral do porco doméstico, com

o qual é capaz de se reproduzir e gerar descendentes

férteis. É um animal robusto, originário

da Europa e da Ásia, capaz de atingir,

em seu estado de pureza genética, cerca de

120 kg de peso.

Introduzido em diversas regiões do

mundo, o javali é classificado pela União

Internacional para Conservação da Natureza

(organismo internacional do qual o Brasil

faz parte) como uma das 100 piores espécies

exóticas invasoras devido ao tamanho dos

danos que é capaz de causar à natureza e

economia das áreas afetadas pela sua presença,

atacando pessoas, plantações, animais e

contribuindo para a disseminação de doenças

entre os rebanhos.

O javali é um bom nadador e pode cruzar

cursos d`água com facilidade. Na América do

Sul, foram introduzidos no Uruguai para servirem

de animal de caça e de lá

invadiram o território brasileiro

pela fronteira Sudoeste do

Rio Grande do Sul, ampliando

sua distribuição geográfica,

seja pelo avanço geográfico

de populações asselvajadas

vindas do sul do país, seja a

partir de novos focos de dispersão

associados a fugas ou solturas ilegais

realizadas por criadores em vários estados

brasileiros.

As populações de javalis vivendo em

liberdade no Brasil são, em sua maioria,

formadas por híbridos, resultantes do cruzamento

do javali com porcos domésticos,

ocorridos tanto no Uruguai como em território

brasileiro. Animais mestiços mantêm

a agressividade do javali selvagem, mas,

como os porcos domésticos, produzem um

número maior de filhotes e podem pesar até

250 kg. Há registros nos EUA de mestiços

que alcançaram cerca de 450 kg, ampliando

em muito seu potencial destrutivo.

Como se trata de um animal de grande

tamanho e agressividade, as populações de

javali vêm crescendo exponencialmente no

Brasil devido a falta de predadores naturais

capazes de atacar estes animais, assim como

a facilidade na busca de alimentos por tratarse

de um animal onívoro.


Os principais danos causados pelo javali

na natureza são a dispersão de plantas daninhas

e a alteração dos processos de sucessão

ecológica, extinguindo espécies de animais

silvestres e impedindo a regeneração de florestas

nativas (CHOQUENOT, et all, 1996;

OLIVER & BRISBIN, 1993 ; ISSG, 2000).

Em termos objetivos, isto pode significar

a extinção nos locais onde os javalis ocorrem,

de espécies da fauna e flora nativas e que ocupam

o mesmo nicho ecológico e semelhante

aos ocupados por catetos e queixadas e espécies

que não estão preparadas para absorver a

pressão ecológica exercida por estes animais

capazes, por exemplo, de revolverem grandes

extensões de solo a cada noite, para alimentarem-se

de vegetais e pequenos vertebrados

cujas espécies podem desaparecer das áreas

onde eles estiverem presentes.

Além disso, ao alimentarem-se no solo,

devorando propágulos vegetais e dispersando

nas suas fezes sementes de plantas daninhas,

este animal impede a regeneração de florestas

e demais formações vegetais, contribuindo

também, devido ao hábito de revirar o solo,

para a aceleração de processos erosivos.

Os principais danos causados à agricultura

e pecuária são a destruição de lavouras,

ataques a animais domésticos e a transmissão

de doenças aos animais e aos humanos

como a febre aftosa, leptospirose, doença do

casco, doença de Aujesky entre outras.

Importa registrar que os javalis e seus

cruzamentos, como vetores de doenças associadas

ao controle sanitário de rebanhos,

constituem uma praga cuja presença incontida

é capaz de prejudicar toda cadeia produtiva

da carne de animais domésticos devido

a proximidade que o animal mantém com os

rebanhos e a possibilidade de atravessar fazendas

e disseminar doenças para além dos

limites de barreiras sanitárias, motivo que

levou aos estados do Rio Grande do Sul e

Santa Catarina a adiantarem-se na adoção de

políticas públicas de controle da espécie.

Os javalis costumam aproximar-se de áreas

cultivadas e de criações de animais e, devido ao

seu porte e agressividade, podem atacar seres humanos

e animais domésticos causando acidentes

graves e mesmo mortais. Além disso, os javalis

também são responsáveis pela transmissão de

parasitoses mortais aos seres humanos, como a

triquinose causada pelo parasito de nome científico

Trichella spiralis.

No Brasil, além destas informações dispersas

sobre ferimentos graves causados em

seres humanos após ataques de javalis, há o

caso confirmado de pelo menos

uma morte causada pelo

ataque de javali ocorrida no

município de Pedregulho - SP.

Por isso, após delimitar

normas para o abate do javali

asselvajado, é importante

também disseminar informações

sobre o potencial agressivo

deste animal e sobre

como lidar com o problema de forma eficaz.

Enfrentar este animal com equipamentos

inadequados, pode expor as pessoas ao risco

de ataques ou no caso do uso de veneno,

acabem por atingir outros animais silvestres.

Comumente ouço relatos que a curiosidade

tem levado as pessoas a tentar capturar

ou comprar javalis para criá-los como porco

doméstico. Em verdade, os filhotes de javali

são de certa forma bonitos, com manchas estriadas

que lhe conferem um aspecto curioso,

diferente do porco comum, o que pode estimular

o desejo de criar este animal.

O problema é que o javali mostra-se desde

filhote características arredias e indócil,

preferindo buscar a liberdade a permanecer no

terreiro junto aos porcos domésticos. Essa inclinação

para a fuga é em muito auxiliada pela

sua capacidade de salto que lhes permite tranpor

facilmente pequenos cercados e barreiras.

Dessa forma, o javali consegue reproduzir-se

na natureza em uma localidade, ter

seus filhotes capturados e levados para serem

vendidos em outras localidades, onde

crescem, tornam-se animais agressivos e

fogem para o meio natural e recomeça o circulo

vicioso de sua disseminação.

Portanto, a adoção de campanhas informativas

é tão necessária quanto a regulamentação

do abate destes animais. A inação

ou mesmo a adoção de procedimentos limitados

como simples publicação de decretos

proibindo a criação de javalis em cativeiro

pode gerar problemas maiores ainda, ou seja,

por medo de punições legais, os criadores

podem realizar solturas indiscriminadas de

javalis criados clandestinamente, ampliando

ainda mais sua área de ocorrência.

Assim, os interessados devem se atentar

para o contido na Instrução Normativa Ibama

03/2013, que regulamenta a caça e abate

em todo território nacional do javali e seu

híbrido, junto à Policia Ambiental do Estado

de São Paulo e Clubes de Tiro, porém, as autoridades

legais e que respondem pela fiscalização

da fauna e flora nativa devem apoiar

estas ações além de transmitir a informação

sobre os riscos associados à presença deste

animal de forma a incutir na sociedade a noção

de que sua presença é um sério problema

à saúde pública e deve ser comunicada

às autoridades imediatamente, permitindo ao

governo, a partir destas comunicações, obter

um retrato das áreas de ocorrência e sentido

de dispersão desta praga.

Temos confirmações de grandes grupos

na macro-região, principalmente nos municípios

de Itápolis, Matão, Tabatinga e em menor

quantidade nos municípios de Gavião Peixoto

e Nova Europa e que tem trazido enormes

prejuízos à agricultura local e à fauna e flora

nativa da nossa região, principalmente com a

degradação de nascentes e Áreas de Preservação

Permanente, além de se alimentarem

de ovos, vertebrados, invertebrados, contribuindo

sobremaneira para o desequilibrio do

ecossistema em que atuam, podendo levar à

extinção, muitas espécies da fauna e flora.

Abdo Najm Neto

Biólogo - CRBio 31.276/01 - D

(16) 97074145 (Tim) / (16) 97740707 (Vivo)

(16) 78157288 (Nextel) ID 835*4034


Texto:

Samuel Brasil Bueno

RIVADÁVIA AUTULLO

CONVIDADO A TRABALHAR COM

WALT DISNEY, PREFERIU FICAR

Pelos seus trabalhos chegou

a ser reconhecido até mesmo

no exterior, porém, sempre optou

em ficar por aqui, mostrando

ser o artista-poeta, angelical,

alegre, descontraído e às

vezes irreverente. Foi assim

até os últimos dias da sua vida.

Há um ditado na região de Araraquara,

segundo o qual diz: “As pessoas para o

mundo vêm de Tabatinga ou de Taquaritinga”.

Não poderia ser diferente com Rivadávia

Autullo, o caricaturista que fazia rir no

discurso e no desenho, com irreverência daqueles

que o incomodavam mas que eram

profundamente amados e reconhecidos pelos

traços que discutiam, denunciavam e falavam

de amor e simplicidade.

“Rivas”, como era mais conhecido, nasceu

em Tabatinga, no dia 6 de outubro de

1914. Era filho de João Autullo Neto (italiano)

e de Benedita de Almeida Autullo, sendo

irmãos Djalma e Nereu.

Em 1929, a família de Autullo mudou-se

para Araraquara, onde seu pai João Autullo,

já fotógrafo, profissão que herdou de seu

pai, montou o foto Stúdio 3 Irmãos na Rua

9 de Julho, bem próximo à Praça de Santa

Cruz.

Rivas começou a desenhar aos 9 anos de

idade e desde então não mais parou de exercitar

o traço e gostava de retratar seus professores,

amigos da escola e o povo simples.

Copiava traços e exagerava nos pontos

que chamavam sua atenção. Notabilizou-se

pela habilidade que possuía em desenhar

charges e caricaturas, as quais eram frequentemente

publicadas nos jornais e revistas,

não só da cidade, como também do Brasil

e exterior, e várias delas foram premiadas.

Os trabalhos de Rivas eram tão bem

feitos, que chegou a ser convidado para

trabalhar nos estúdios de Walt Disney. Não

viajou porque sua mãe não concordou com

a ideia.

Rivas era um autodidata. Além de caricaturas

e charges, também fazia esculturas e

óleo sobre tela. Gostava muito de retratar figuras

folclóricas de Araraquara e os políticos do

país, também não escapavam de suas obras.

Entre suas caricaturas marcantes citamos

a do vendedor de bilhetes “Caçulinha”,

a do catador de papéis “Sabugo”, do radialista

Denisar Alves, a do artista plástico

Paulo Mascia e dos médicos e seus amigos

Francisco Logatti e Domingos Abritta, além

de muitos outros personagens.

Rivadávia casou-se em 15 de fevereiro

de 1942, com Maria, filha dos italianos

José Cicaroni e de Amábile Cicaroni. E desse

matrimônio nasceram cinco filhos: João

Carlos, José Roberto (Tite), Rivamar, casado

com Maria Serra Autullo, Sônia Aparecida,

casada com Francisco Molina Ramos e a


A equipe do Foto Stúdio em

1947, onde aparecem

Rivadávia (1), Nereu (2),

Djalma (3). Sentadas: Zilda,

Laura e Iolanda

cirurgiã dentista Rose Meire.

Sua descendência completase

com quatro netos: Caroline

Juliana, Emanuel, Beatriz e

Raphael.

Através das molduras

confeccionadas por seu avô

Miguel, Rivas conheceu os

trabalhos do artista plástico J.

Carvalho; foi quando começou

a frequentar aulas na Escola de Belas

Artes de Araraquara. Mas o contato com

o seu primeiro mestre ocorreu por volta de

1945, quando conheceu Francisco De Carli,

que o levou para trabalhar e expor suas

obras em inúmeras cidades do interior, principalmente

em Santos.

Trabalhou ainda na Polícia Civil de São

Paulo fazendo retratos falados. Caricaturando

autoridades e pessoas do povo, comerciantes

amigos e até os próprios filhos, Rivas

convivia com todos os grandes artistas

plásticos da cidade, com os quais mantinha

sólida amizade: Paulo Mascia, Francisco De

Carli e Ernesto Lia.

Com sua arte, pode criar seus cinco filhos.

O artista Rivas semeou talentos em bicos

de pena, óleo, pastel, além de desenhar

caricaturas para revistas, jornais e quadros.

Vendeu milhares de trabalhos no Brasil e

exterior, e incursionou pelo campo do cinema,

ao lado de Wallace Valentin Rodrigues,

quando fotografou e ajudou a dirigir “Aurora

de uma cidade”.

Rivadávia Autullo, o artista-poeta, angelical

e às vezes irreverente, era uma pessoa

alegre e descontraída que dignificou Araraquara

e sua Tabatinga, de onde saiu para o

mundo.

Faleceu aos 83 anos de idade, no dia 23

de julho de 1998, estando sepultado no Cemitério

São Bento. Sua esposa, dona Maria,

reside em nossa cidade.

Seu nome está na rua através da Lei nº

5.183, de 13 de abril de 1999, de autoria do

vereador Mário Joel Malara, sancionada

pelo prefeito Waldemar De Santi, que denomina

“Avenida Rivadávia Autullo” a via pública

do município conhecida como “Rua J”

do loteamento Jardim Dumont, com início

na “Avenida B” e término na “Avenida E”

do mesmo loteamento.

Família Autullo: Laura,

Benedita, Djalma, João

Autullo; em pé, Nereu e

Rivadávia


homenagem

ÊNNIO RODRIGUES

SEM ELE O RÁDIO ESPORTIVO

PERDE UM POUCO DA SUA GRAÇA

Creio que trata-se de uma

história bem pessoal é verdade,

envolvendo um profissional

dos mais respeitados do rádio

brasileiro e alguém que sonhava

ser repórter de campo nos

anos 60.

Ivan Roberto Peroni

Era 14 de abril de 1960. Apenas 10 anos

após ser fundada por Pereira Lima. Eu tinha

11 anos de idade e ouvia no rádio, uma voz

que vinha do outro lado do mundo: Portugal.

“Beni solta a bola para Bazzani, quase

na entrada da área, setor esquerdo; Beni recebe

de volta, já no bico da pequena área,

solta a bomba de pé esquerdo e goolll. O

goleiro do Nacional, Cândido, nada pode

fazer... São passados dois minutos do primeiro

tempo e a Ferroviária marca o seu

primeiro gol internacional, diante do Clube

Desportivo Nacional, na Ilha da Madeira,

em Funchal.”

O gol narrado por Ênnio Rodrigues Caraça,

tenho guardado até hoje nas minhas

lembranças. Algum tempo atrás alguém

dissera que ele fora escolhido pela Rádio A

Voz da Araraquarense (sua emissora) e Rádio

Cultura, para acompanhar a Ferroviária

que partia para uma excursão de dois meses

pela Europa e África. Era uma epopeia

trazer a emoção dos jogos. Ênnio levou um

gravador Akay na bagagem; gravava os jogos

e mandava as fitas para o Brasil, com o

apoio da Varig e da TAP. Três dias depois, as

duas emissoras, em rede, passavam os jogos

como se eles estivessem acontecendo em

tempo real. Eu vivia um mundo de fantasia,

criado pelo poder do rádio. Queria ser então

um profissional do rádio.

1965. Peço ao meu pai, “seo Domingos”,

para colocar uma carta no correio.

Destino: Rádio Bandeirantes, onde agora

o Ênnio Rodrigues está, fazendo parte do

“Scratch do Rádio”. Queria ter uma tabela

do Campeonato Paulista e quando ela chegou,

nela estava a foto do Ênnio ao lado dos

mais famosos locutores, comentaristas e

repórteres do rádio esportivo brasileiro. Só

que era um ano de tristeza para todos nós.

A Ferroviária fora rebaixada. Assim mesmo

fui em frente com o meu sonho.

1968. Nem acredito. Eu que começara

como repórter de campo na Voz da Araraquarense

em 66, graças ao incentivo de

Adilson João Telarolli, Rubens Santos e Denizar

Alves, dois anos depois já estou na Rádio

Cultura ao lado de Antônio Carlos Araújo,

Marcondes Machado, Rubens Brunetti,

Carminho Tucci e tantos outros brilhantes

profissionais. É neste ano que o RIA - Rádio

Imprensa de Araraquara que sucederia temporariamente

a ACEA (Associação dos Cronistas

Esportivos de Araraquara), enfrenta

o “Scratch do Rádio da Bandeirantes”, no

Estádio da Fonte e pela primeira vez tenho

contato com Ênnio Rodrigues. Uma amizade

que nos uniu pela profissão que escolhemos

por mais de 40 anos... É porisso que os

jovens não devem desistir jamais...

Ênnio Rodrigues e eu, na homenagem que

lhe prestamos em 1985 no Hotel Eldorado


lembrança

SIGA EM PAZ,

COMPANHEIRO!

Marcos Júnior e Eliana Santos,

assinam o texto que mostra a

trajetória profissional de Ênnio

Rodrigues Caraça.

Foi em 23 de outubro

de 1963,

que Ênnio Rodrigues

Caraça,

estreiou na Rádio

Bandeirantes de

São Paulo. Levava

consigo o sonho simples do menino que

corria ladeira abaixo na Avenida João Batista

de Oliveira, proximidades da Igreja de

São Benedito, na década de 40. Foi ali que

ele passou a infância e adolescência ao lado

dos irmãos Lázara e Mário e sob os olhares

dos pais Maria de Lurdes e Pedro Rodrigues

Caraça.

O locutor esportivo Ênnio Rodrigues

Caraça, criador do inesquecível bordão “o

que vale é bola na rede”, morreu na madrugada

do dia 12 de agosto de 2013, aos

78 anos, no hospital Sancta Maggiore, no

bairro do Paraíso, em São Paulo. O histórico

narrador lutava contra uma doença pulmonar

crônica.

Como narrador, Ênnio Rodrigues esteve

em oito Copas do Mundo (Inglaterra-1966,

México-1970, Alemanha-1974, Argentina-1978,

Espanha-1982, EUA-1994, França-1998).

Uma passagem histórica de sua

carreira aconteceu na Copa da Inglaterra,

em 1966, quando narrou a célebre vitória de

Portugal sobre a Coréia do Norte. Logo aos

22 minutos do primeiro tempo, a Seleção

Portuguesa perdia o jogo por 3 a 0. Eusébio

e companhia não desistiram, viraram o jogo

e golearam a Coréia por 5 a 3.

Parte interna da tabela de 1965

Ênnio ao lado de Flávio

Araújo, Mauro Pinheiro,

Fiori Gigliotti, Barbosa Filho,

Borghi Júnior, Chico de Assis,

Alexandre Santos, Osvaldo

Santos, Tony Lourenço e

outras feras do rádio

esportivo brasileiro

Ênnio participou também de

programas esportivos de televisão,

como o antigo “No

Campo do 13”, da TV Bandeirantes.

Era Mestre de Cerimônias e esteve

ainda nas TVs Gazeta, Cultura e na extinta

TV Jovem Pan. Durante quatro anos Ênnio

foi presidente da ACEESP (Associação dos

Cronistas Esportivos de São Paulo). Era

também membro vitalício do Conselho

Superior da ACEESP, membro do Conselho

Estadual de Desportos e integrante da

ABRACE.

Sua vida era repleta de títulos e prêmios

de reconhecimento por seu excelente trabalho

em anos de profissão. Dentre eles estão:

título de Cidadão Benemérito de Araraquara

(sua terra natal), títulos de Cidadão Honorário

de Ourinhos, Barra Bonita, Matão e

Gastão Vidigal, ganhador de sete troféus

Nakata, dois Gandula, da Bola de Ouro RJ,

do Ford/ACEESP, do Bola de Ouro SITRE-

PESP, do Sol de Ouro de Araraquara, da Antena

Esportiva, e de três troféus São Carlos.

Conseguiu também os diplomas de Honra

ao Mérito e Sócio Honorário de diversos

clubes e associações.

Ênnio era conhecido como o “Barítono

do escrete do Rádio”. Sua profissão lhe

proporcionou viajar e conhecer o mundo.

Como jornalista e radialista fez 47 viagens

à Europa, conheceu todos os países da América,

Japão e Austrália, além de todos os estados

brasileiros.


segurança

POLÍCIA MILITAR LANÇA

CAMPANHA COM DICAS

No ano passado, tivemos

675 prisões em flagrante

no total. De acordo com a

Polícia Militar, este número

deverá ultrapassar, pois só

em agosto foram quase 80

prisões no município.

“Dicas de segurança contra roubos

em estabelecimentos comerciais”. É desta

forma que o Comando do 13º Batalhão de

Polícia Militar do Interior, através do Major

Nilsen Derwood Mills Júnior, inicia a divulgação

de campanha visando minimizar

e prevenir os empresários contra roubos em

estabelecimentos comerciais.

De acordo com os números divulgados

pela Secretaria de Segurança Pública, o índice

de prisões em flagrante por roubos e

furtos cresceu este ano em Araraquara, graças

ao efetivo trabalho da nossa polícia. Até

o final do primeiro semestre - fechamento

em julho - 572 pessoas foram presas, 147 a

mais do que foi verificado no mesmo período

de 2012, quando a Polícia Militar prendeu

385 bandidos.

Segundo a PM, em relação ao primeiro

semestre de 2012, aumentou de 268 para

451. Quando a Polícia Militar prende por

exemplo, uma quadrilha com três pessoas,

consta apenas como um flagrante lavrado,

mas coloca na estatística como três pessoas,

daí a razão do número ser menor.

Além de exercer

o seu trabalho

preventivo, a PM

também espera

continuar contando

com o apoio da

comunidade, razão

pela qual lança a

campanha Dicas de

Segurança.

Estas dicas, segundo

o Major Nilsen,

têm o intuito de

orientar os empresários,

comerciantes,

funcionários e clientes,

objetivando para

que não ocorram tais delitos.

AS DICAS DE SEGURANÇA

• Ao abrir ou fechar o estabelecimento,

observe nas proximidades a presença de

veículos ou pessoas em atitudes suspeitas,

pois poderão aproveitar a oportunidade para

rendê-lo e praticar roubo.

• Evite o acúmulo de dinheiro no estabelecimento,

pois poderá atrair a atenção de

meliantes. Crie a rotina de retirada periódica

de valores, de forma a evitar o roubo.

• Não realize o pagamento em dinheiro,

utilizando-se para tanto, ordens bancárias ou

cheques administrativos;

• Utilize-se de dispositivos antifurto, tais

como alarmes, câmeras de segurança e cercas

elétricas, verificando o funcionamento

de tais dispositivos (localização dos sensores

de presença e das câmeras, não deixando

pontos cegos).

• Verifique a iluminação da parte externa

do estabelecimento no período noturno, de

forma a inibir a ação furtiva de meliantes.

• Antes de fechar o estabelecimento,

verifique se todas as janelas e portas estão

trancadas e se os dispositivos antifurto estão

funcionando.

• Sempre que desconfiar da atitude de

alguma pessoa, acione a Polícia Militar

através do telefone 190, passando o maior

número de informações possíveis. A prevenção

é o melhor remédio.

• Caso seja rendido, não reaja. A vida é o

bem mais valioso.

Material que

divulga a ação da

PM na cidade

Em caso de emergência ligue

imediatamente para a Polícia

Militar através do telefone 190.


comemoração

OS TRÊS ANOS

DA REBECA

Araraquara se dá ao luxo de

possuir excelentes agências

de publicidade. Uma delas,

muito embora caçula, tornou-se

uma referência pela experiência

dos seus profissionais. Ela é a

Rebeca Come Terra.

Há três anos no mercado, a Rebeca

ampliou serviços e se reinventou, acompanhando

mudanças e demandas do mercado.

Ela na verdade, surgiu da união entre duas

agências de Araraquara - a Paginatrês Comunicação

e a Mulher do Padre, ambas com

ampla trajetória. Hoje a Rebeca Come Terra

é referência em trabalho full-service em

Araraquara e região.

Propaganda, assessoria de imprensa,

marketing digital, geração de conteúdo e

produção de filmes: essas são algumas das

áreas em que a Rebeca marca presença, realizando

em cada uma delas um trabalho que

dialoga com as exigências atuais do mercado

de comunicação, ávido por informações

e agilidade.

Com o compromisso de estar sempre à

frente, a agência celebra três anos mostrando

que a gatinha anda a passos largos para

continuar conquistando muito mais.

O sócios Fernando Mori, Fábio Rocha,

Marina Chiolino e Rodrigo Brandão, em

noite de premiação em Rio Preto

COMO SURGIU REBECA

“Uma noite, na época em que Rebeca

se curou do vício de comer terra e foi

levada para dormir no quarto das outras

crianças, a índia que dormia com eles

acordou por acaso e ouviu um estranho

ruído intermitente no canto. Sentou-se

alarmada, pensando que tinha entrado

algum animal no quarto, e então viu

Rebeca na cadeira de balanço, chupando

o dedo e com os olhos fosforescentes

como os de um gato na escuridão”.

Criada a partir de uma personagem

do mágico “Cem anos de solidão”, do

colombiano Gabriel García Márquez,

Nobel de 1982, a agência Rebeca Come

Terra, fundamentada em três

departamentos de comunicação –

propaganda, filmes e produção de

conteúdo –, aposta na plenitude da

linguagem, adequada a cada meio,

para que seus clientes conquistem seus

objetivos mercadológicos – institucionais

ou promocionais.

A tela do filme 'Placa', cliente

Chalu Imóveis, com o qual a

Rebeca foi finalista do Prêmio

Profissionais do Ano da Rede

Globo de 2013

Profissionais da agência


O Estradão, da Rua 9 de Julho, está em um novo prédio: agora é o número 1941, num dos

principais corredores comerciais da cidade, em sede própria, para melhor atender seus

clientes

NA RUA NOVE DE JULHO

ESTRADÃO INAUGURA SUA

LOJA EM SEDE PRÓPRIA

Com três lojas em pontos

estratégicos de Araraquara,

o Estradão Auto Center, agora

inaugura na Rua 9 de Julho

sua nova loja em prédio próprio,

motivado pela excelente

qualidade dos seus serviços.

Com tradição na cidade desde 1988, o

Estradão Auto Center está inaugurando sua

nova loja, mais ampla e moderna para melhor

atender seus clientes e oferecer novos

serviços. Depois de 10 anos, chegou o momento

da empresa ter uma sede própria na

Rua Nove de Julho, em um espaço de 700

m² e uma equipe de 12 funcionários, sob o

comando dos irmãos Heraldo Antônio de

Oliveira e Everaldo Luciano Oliveira.

No início, apenas uma borracharia. Depois,

e aos poucos, ganharam a confiança

dos clientes e hoje oferece uma variedade

serviço, além da venda de pneus de várias

marcas. A manutenção preventiva de seu

veículo é uma das opções do Estradão Auto

Center. Para quem pretende sair de férias no

final do ano é o local ideal para levar seu

carro e viajar sem preocupações.

A empresa familiar foi crescendo e hoje

tem três pontos de vendas na cidade. O primeiro

foi na Vila Xavier, depois vieram as

Estradão Auto Center - Loja 1, localizada na

Rua José do Patrocínio (Estradão), 408

filiais na Rua Nove de Julho, no centro e na

Avenida Francisco Salles Coulturato (36)

esquina com a Rua Expedicionários do Brasil

(8).

O diferencial da nova loja é alinhamento

de direção com tecnologia da Snap-on por

imagem 3D. Trata-se do mais avançado

alinhador de direção disponível no mercado

atualmente, com exclusivo sistema de

medição por imagem tridimensional leva o

alinhamento de direção a um novo patamar,

aumentando a precisão das medições e reduzindo

o tempo para a execução do alinhamento.

O sistema de medição por imagem tridimensional

faz as medições dos vários ângulos

e convergência simultaneamente nas

quatro rodas, sem necessidade de elevação

Estradão - Loja 3, na Av. 36 esquina com

a Rua Exp. do Brasil (8), 1941

do veículo para a execução da compensação.

Esta característica reduz o tempo de

alinhamento para poucos minutos.

O Estradão Auto Center é formado por

equipes qualificadas e treinadas. São 45

funcionários nas três lojas para um melhor

atendimento e segurança aos seus clientes.

O atendimento é personalizado e conta com

a comodidade do sistema “leva e traz”. Um

carro fica disponível para levar o cliente e

depois buscá-lo quando o seu estiver pronto.

O proprietário Heraldo Antônio de Oliveira

destaca que é fundamental a realização

de manutenção preventiva do veículo.

“Verificar os pneus, inclusive o estepe calibragem,

alinhamento e balanceamento,

limpador de para brisa (palheta), suspensão,

amortecedores, escapamento, freios e bateria”,

orienta. Além de todos esses serviços,

a loja oferece diversos modelos de rodas

esportivas e pneus da Bridgestone, Maxxis,

Nexen, Goodyear, Kunho, Pirelli, Michelin

e revenda autorizada da Hankook

O horário de funcionamento é das 7h30

às 18 horas, de segunda a sexta e aos sábados,

das 7h30 às 12 horas.

ESTRADÃO AUTO CENTER

LOJA 1

Rua José do Patrocínio (Estradão), 408

Fone (16) 3333-6000

LOJA 2

Rua Nove de Julho, 1941

Fone (16) 3331-4477

LOJA 3

Av. Francisco Salles Colturato (36)

esq. com a Rua Expedicionários do Brasil

Fone: (16) 3331-4595


ambiente

AQUELA SESSÃO

BEM PARTICULAR

Assistir aos filmes preferidos

no conforto do lar é sempre

uma boa pedida. Veja como

ter um home theater e aproveite

as sessões particulares.

Os auto-falantes do home theater

(Samsung) foram embutidos no forro

de gesso, rebaixado em 15 cm.

Um telão embutido no forro garante boas

sessões de cinema, enquanto os sofás

confortáveis abraçam os convidados.

Integrado ao living, à sala de tevê e ao

jantar, o home theater fica em um amplo

e belo apartamento planejado

A reprodução dos filmes acontece na tevê

ou por meio do projetor embutido no teto,

que é acionado por automação

Um bom home theater depende de quatro

quesitos básicos: iluminação na medida,

boa acústica, móveis confortáveis e equipamentos

de qualidade. Sem eles não há nada.

Ao escolher o ambiente que abrigará o

home, é importante avaliar a incidência de

luz, pois um espaço muito claro e com diversas

aberturas pode prejudicar o conforto.

As cortinas blackout, que barram a luminosidade,

são muito recomendadas. Outra

medida importante é escolher móveis e revestimentos

feitos com materiais que absorvem

o som. Madeira e tecido, em cortinas e

tapetes, ajudam a garantir boa acústica. Em

certos casos, recomenda-se a instalação de

espuma em algumas paredes e no teto, o que

oferece um som mais limpo e uniforme.

O posicionamento dos componentes -

sofá e tela - também consiste em característica

fundamental. Não é recomendado colocar

a tevê muito próximo de onde ficarão os

espectadores. Quanto maior for a tela, mais

longe deverá ficar o sofá. Um modelo de 52

polegadas, por exemplo, tem de ser colocado,

pelo menos, 3 metros distante do móvel.

Já a disposição das caixas de som varia

de acordo com o equipamento escolhido.

Atualmente, o modelo mais procurado é o

5.1 canais, no qual o subwoofer (reprodutor

que expande o som) e uma das caixas ficam

em frente ao projetor. Os outros auto-falantes

são distribuídos nas laterais. Há também

outras opções, variam conforme o objetivo e

a quantidade de canais (caixas de som).

Em todos os exemplos, é possível equipar

o ambiente com recursos de automação,

que controlam a iluminação, a temperatura e

a potência dos equipamentos.


exposição

A ESPERADA MORAR MAIS POR MENOS

Arquitetos da cidade ficam de olho nas novidades da feira de

Goiânia, uma das mais conceituadas do país. Ela vai até o dia

29 de setembro e serve de referência para o mercado.

São 29 ambientes decorados com materiais inovadores, sustentáveis e de preços mais

acessíveis, realmente um luxo

Começou no dia 22 de agosto em Goiânia

a 6ª edição da mostra Morar Mais Por

Menos - O chique que cabe no bolso 2013.

O evento acontece até o próximo dia 29 de

setembro na capital goiana. Para este acontecimento

também se voltam os olhares dos

arquitetos araraquarenses sempre ávidos em

acompanhar as tendências do mercado.

A exibição está montada em um casarão

de 5 mil metros quadrados, onde estão

expostos 29 ambientes decorados

com materiais inovadores,

sustentáveis e de preços mais

acessíveis.

Uma equipe de 50 profissionais,

entre arquitetos, design de

interiores e paisagistas participaram

dos projetos que unem uma

decoração moderna e original

com características que valorizam elementos

da natureza e que garantem um preço

final menor.

Elementos regionais também foram usados,

como pedras de Pirenópolis e acessórios

artesanais.

Além dos ambientes, os visitantes poderão

comprar qualquer produto exposto e

ainda participar de um circuito de palestras

e eventos gastronômicos.


A linha Calçada de

Ipanema é lançamento

da Porcelana Schmidt

e foi produzida por

Francesca Romana

Diana e Lelli de Orleans

e Bragança. A coleção

possui 29 peças que

podem ir ao

micro-ondas

muita atenção as novidades

apresentadas pela

House & Gift Fair, em

sua quadragésima sétima

edição, maior feira

de artigos para casa da América Latina e 5ª

maior do mundo, reunindo 1.300 expositores

do setor de decoração para casas em São

Paulo. Entre os dias 17 e 20 de agosto, fabricantes,

importadores, distribuidores, lojistas

e arquitetos de mais de 50 países acompanharam

lançamentos e demonstração das

principais tendências do mercado.

Além de palestras, a feira foi dividida

em seis salões especializados: Eletro House,

In Domus, In Light, Linea Domus, Supri

Shop e Utility House.

Outro espaço de destaque dentro do pavilhão

foi o Espaço Conceito, que teve curadoria

do Professor Mestre Auresnede Pires

Stephan que mostrou ao público a importância

do desenho do produto.

design

OS LOJISTAS NA

HOUSE & GIFT FAIR

Anualmente nossos lojistas

participam da mais famosa

feira do setor em São Paulo.

Também em 2013 não foi diferente.

Eram os lojistas de Araraquara olhando com

A OU apresenta uma releitura da textura

bico de jaca, que era muito aplicada nas

décadas de 70 e 80 em vidros. A marca

traz a aplicação em peças de acrílico

O medidor Duo tem formato

cônico e pode ser utilizado

dos dois lados. O produto

é de plástico e faz parte da

linha Gourmet da OU


distrito industrial

AS PASSARELAS

QUASE PRONTAS

Um dos principais distritos

industriais da cidade ganha

nova roupagem e passa a

oferecer mais segurança para

a travessia de pedestres.

Com a passarela de pedestre montada

nos pilares de sustentação sobre a Av. Manoel

de Abreu, em frente à empresa Iesa, as

melhorias no sistema viário no III Distrito

Industrial estão prontas. O aporte estadual

de R$ 8 milhões contemplou a construção

de seis quilômetros de acostamento na vicinal

José Barbanti Neto; a duplicação de um

quilômetro e meio na parte fronteiriça da

Iesa, com instalação de barreira New Jersey;

novo dispositivo viário; edificações de bocas

de lobo e drenagens de águas pluviais

e passarela.

Paralelamente às obras do Estado, a Prefeitura

recapeou ruas e avenidas no entorno

da Brado Logística e pavimentou o trecho

de ligação do Jardim Indaiá pela Av. Luiz

Sotratti à Av. Manoel de Abreu, facilitando

o acesso ao III Distrito, à Iesa e à Rodovia

Antonio Machado Sant’Anna, a SP 255.

Proximidades

da IESA

O prefeito Marcelo Barbieri chegou a

comentar que as melhorias no III Distrito

Industrial irão ampliar a segurança e vêm se

juntar ao crescimento econômico no parque

industrial de Araraquara.

Na segunda quinzena de agosto, foram

assinadas três ordens de serviços no valor

R$ 32,9 milhões repassados pelo Governo

do Estado, via DER (Departamento de Estradas

de Rodagem), para obras de acessibilidade

urbana em Araraquara. Uma delas,

do próprio acesso à Randon; as outras duas

ordens de serviços possibilitarão a duplicação

da via de acesso da SP-255 à Avenida

Presidente Vargas, no bairro Quitandinha,

com investimento de R$ 16 milhões, e a duplicação

da via Abdo Najm, que também dá

acesso à SP-255, pela Vila Xavier, na qual

serão investidos R$ 8,1 milhões.

O prazo para a entrega do acesso à Randon

é de seis meses. A duplicação da via

Abdo Najm envolverá um trecho de 2,2

quilômetros e pistas de sete metros de largura

cada e dois de acostamento, entre outras

obras.

A duplicação da via de acesso à Presidente

Vargas, em trecho de três quilômetros,

terá entre outras obras, a construção de um

viaduto no quilômetro 274 da Rodovia Washington

Luís, no entroncamento com a SP-

255.

São regiões da cidade

que serão beneficiadas

em função da expansão

econômica motivada por

seus distritos individuais

ou a chegada de novas

empresas.


parceria

EMPRESÁRIO, VENHA

PARTICIPAR DESTE

ENCONTRO

UMA SESSÃO DE BONS NEGÓCIOS

ACIA e SEBRAE organizam

evento onde os empresários

conhecerão soluções e

propostas para aumentar a

eficiência do próprio negócio

e sua rede de relacionamentos.

O Sebrae-SP Araraquara e a Associação

Comercial e Industrial de Araraquara

(ACIA) realizarão a Sessão de Negócios

Multisetorial de região de Araraquara no

dia 15 de outubro, das 13h às 18h, no Clube

Araraquarense. O evento é uma oportunidade

para reunir empresas do comércio

e de serviços, a fim de trocarem contatos e

informações sobre seus produtos e atuação

no mercado, potencializando a visibilidade

de diversos produtos e serviços dos participantes.

A Sessão de Negócios é um sistema

ágil e dinâmico de reuniões comerciais em

que cada empresário entra em contato direto

com todos os demais compradores e fornecedores.

Cada empresa terá 1 minuto para

sua apresentação e distribuição de material

de divulgação. Neste modelo de encontro,

dez empresários sentam-se à mesa para fazer

uma apresentação rápida e objetiva de

seus produtos e serviços. Várias mesas de

negócios acontecem simultaneamente e, ao

término de cada sessão, os empresários trocam

de mesa, de modo que

ao final do evento todos tenham

entrado em contato.

De acordo com Renato

Haddad, presidente da

ACIA, a ideia é estimularmos

o relacionamento entre

os empresários, aumentando

a rede de contatos e

a carteira de clientes das

empresas, para otimizar a

capacidade de geração de

novos negócios na própria

região. Esse é o nosso trabalho.

Ao término de cada sessão,

haverá o rodízio das empresas

participantes. Ao fim dos rodízios,

todas as empresas terão sido

apresentadas umas às outras. A

Sessão de Negócios foi concebida

como instrumento de estímulo e

fomentação de negócios com o

intuito de atender a uma

necessidade de integração

empresarial entre os segmentos

da indústria, comércio e serviços

de uma mesma região.

Para participar, o empresário deve solicitar

a ficha de pré-inscrição no Escritório

Regional do Sebrae-SP em Araraquara, ou

na ACIA. Serão priorizadas as fichas recebidas

por ordem de chegada. Mais informações

podem ser obtidas pelo telefone

do Sebrae-SP (16) 3332-3590 ou da ACIA

(16) 3322-3633.


A participação do público tem sido

um sucesso no projeto Cinema,

Conversa e Psicanálise

comportamento

A REALIDADE DA VIDA

BUSCADA NAS TELAS

Primeiro rodam o filme; logo

após psicólogos e psiquiatras

da cidade discutem com o

público, questões vivenciadas

sobre o que viram.

Psicólogos e psiquiatras de Araraquara

reúnem-se mensalmente para discutirem

com o público, misto de profissionais de

várias áreas e cidadãos em geral, questões

do comportamento a partir de

um filme exibido momentos

antes.

Assim é o projeto Cinema, Conversa e

Psicanálise, que o Grupo de Estudos em Psicanálise

de Araraquara – GREPA, em parceria

com a Associação Paulista de Medicina

– APM, realiza. O projeto ocorre na Casa do

Médico, em uma sexta-feira de cada mês,

sempre às 19h30 e tem entrada franca aos

interessados.

Esse evento se tornou um importante

espaço de discussão e aprendizado do comportamento

humano, pois os comentaristas,

em sua maioria, são ligados à Sociedade

Brasileira de Psicanálise e abrem espaço

para que todos os presentes possam se ma-

Os organizadores Ana

Carolina Malheiros, Juliana

Salgado Aere, Ana Beatriz

Lupo, Francisco De Carlo e

Fabiane Madureira receberam

o psiquiatra Marcelo Teixeira,

na edição de agosto


Basquiat - Traços de uma Vida (EUA/1996),

o filme a ser debatido na edição do dia 13

de setembro, a partir das 19h30, na Casa

do Médico, com entrada franca

nifestar com perguntas, ideias e percepções

sobre os assuntos abordados nos filmes. O

público participante se beneficia de reflexões

e informações quanto a questões do

universo psicológico, contribuindo para

o auto-conhecimento contínuo e gerando

o entendimento de fatores e dimensões do

comportamento mais divertido. Mas o que

começa hilário e engraçado, no fim se torna

uma obra dramática.

CURIOSIDADES

Uma infinidade de ocorrências recheiam

as memórias de todas as sessões realizadas

até o momento, diz Francisco De Carlo, um

dos organizadores do projeto. Filmes que

chegam em cima da hora, problemas técnicos

que colocam os organizadores em situações

delicadas minutos antes da exibição e,

até, o travamento do equipamento durante a

exibição do filme, provocando muita ansiedade

na equipe até a solução e continuidade

da projeção. A cada edição, um convidado

especial comparece para comentar aspectos

psicológicos temáticos do filme exibido, porém

o público é sempre a grande atração do

evento.

Em uma das sessões, lembra De Carlo,

uma jovem começou a fazer perguntas sobre

comportamentos de inveja nas crianças

e escolhia muito as palavras para se fazer

entendida, talvez duvidando de sua clareza

que era perfeitamente compreensível a todos.

Ela parava procurando uma palavra e

precisava ser auxiliada pelos demais até que

se desse por satisfeita na elaboração de suas

colocações. Em outra ocasião, um rapaz que

trabalha na área da educação, estando muito

empolgado com o tema da noite - sonhos e

desejos, quando conseguiu a palavra simplesmente

monopolizou o espaço dos debates

e o transformou em um diálogo contínuo

com a comentarista, amarrando uma nova

pergunta a cada resposta recebida. Foi preciso

encerrar o evento, em função do horário

avançado, pois todas as tentativas de democratizar

a participação para outros interessados

foram frustradas com o seu pedido de

“só mais alguns segundos!”, completa Francisco

De Carlo.

A psicóloga e psicanalista Josiane Barbosa

Oliveira, da SBPRP, em um dos debates


odontologia

NOVAS TÉCNICAS ODONTOLÓGICAS

MELHORAM QUALIDADE DE VIDA

DAS PESSOAS

Dentes bonitos e um sorriso saudável é o que todos desejam.

E atualmente, as próteses sob implantes apresentam cada vez

mais, melhores resultados estéticos e funcionais.

A perda de um, alguns ou todos os dentes

é um momento delicado na vida das pessoas.

E isso ocorre por vários motivos: cárie,

traumas, porém a mais comum é a doença

periodontal, que é uma infecção da gengiva

e das estruturas que apoiam o dente levando

à perda se não controlada. Essa perda provoca

o encolhimento do osso na região, deslocamento

dos dentes vizinhos e oposto em

direção ao espaço vazio, prejudicando toda

a mordida do paciente.

A Dra. Odilia Liliam Almeida Botelho

da Clínica da Face, é especialista em Reabilitação

Oral, trabalha há 12 anos nessa

área e diz que os implantes dentários têm-se

tornado o tratamento de escolha por muitas

razões; e o de maior significado é a longevidade,

força e estabilidade oferecidos pelos

tratamentos atuais tanto no caso de um único

dente como no de todos. Ela salienta que

um procedimento que tem uma previsibilidade

grande e satisfação dos pacientes é o de

proteses tipo protocolo, que consiste na reabilitaçao

total dos pacientes que perderam

todos os dentes há anos ou apresentam os

dentes perdidos com indicação de extração.

Os implantes, comenta a especialista,

são cilindros de titânio com rosca semelhante

a um parafuso, introduzidos no osso

substituindo as raízes dos dentes perdidos

que servirão para suportar as próteses que reproduzirão

as coroas dos dentes. Desde que

seja feito um bom planejamento qualquer

pessoa adulta com boas condições de saúde

geral pode receber o tratamento que têm pósoperatório

semelhante à extração dental.

Dra. Odilia Liliam

Almeida Botelho

Porém, deve ser realizado em consultório

equipado adequadamente por profissionais

especializados e com todas as condições

de biossegurança.

Dra. Odilia assegura ainda que os implantes

foi um marco na odontologia e na vida das

pessoas, pois ressalta inúmeros casos bem

resolvidos, com satisfação total dos pacientes,

que voltam à ter qualidade de vida, recuperando

bem a função e à estética; e consequentemente

a auto-estima antes perdida.

PROCEDIMENTOS REALIZADOS PELA DRA. ODILIA LILIAM ALMEIDA BOTELHO

Av. XV de Novembro, 895 - Centro

Tel. (16) 3322 9879 / 3332 5025

clinicadaface@hotmail.com

Dra. Odilia Liliam Almeida Botelho

Cirurgiã-dentista, especialista em

prótese e odontologia estética

CROSP - 81331

Dr. Rafael Silveira Faeda

Cirurgião-dentista, mestre doutor

e especialista em implantes

CROSP - 82207


VEJA QUEM AJUDA O ROTARY PARA

ERRADICAR A POLIOMIELITE

Em Araraquara, Damiano Barbiero Neto, presidente da Imagem

Pública do Rotary, Distrito 4540, anunciou em agosto que a

modelo Isabelli Fontana tornou-se embaixadora do clube para

ajudar na erradicação da pólio, campanha que tem perfil mundial.


vacinação

Isabelli

Fontana

A POLIOMIELITE

EM ARARAQUARA

O Rotary - em nossa cidade

são cinco clubes - anuncia a

presença da modelo Isabelli

Fontana em sua campanha,

visando ajudar na erradicação

da pólio em todo o mundo.

Em junho, das 12.296 crianças com até

cinco anos de idade em condições de receber

a dose da vacina em Araraquara, 11.787

foram imunizadas, ou 95,86%, conforme

mostrou o balanço final da campanha, e cuja

segunda etapa foi feita no final de agosto.

Na época, segundo a coordenadora da

Vigilância Epidemiológica, Fabiana do Carmo

Araújo, apesar de ter atingido a meta do

MS, a campanha detectou grande número

de crianças com a carteira de vacinação

desatualizada, ou seja, com o calendário de

aplicações atrasado.

Fabiana acrescentou que a campanha

anti-pólio, realizada no dia 20 de junho, e

durante a última semana do mesmo mês em

Araraquara, acabou provocando a atualização

nas carteirinhas, relativa a outras vacinas

indispensáveis.

A DOENÇA

A poliomielite é uma doença viral, causada

por poliovírus e subdivide-se em três

sorotipos (1, 2 e 3). É altamente contagiosa

e afeta, principalmente, crianças menores de

5 anos de idade. O vírus é transmitido através

de alimentos e água contaminados e se

multiplica no intestino, podendo invadir o

sistema nervoso.

A EMBAIXADORA

Em agosto, Damiano Barbiero Neto,

presidente da Imagem Pública do Rotary

Distrito 4540, do qual Araraquara faz parte,

disse que a modelo Isabelli Fontana se juntou

a uma lista crescente de figuras públicas

e celebridades que participam da campanha

mundial “Falta Só Isto” para a erradicação

da pólio, desenvolvida pelo Rotary. Ela é estrela

de várias campanhas publicitárias, uma

referência no universo fashion, anjo da Victoria

Secret e o rosto da L’Oreal na América

Latina, sendo a primeira embaixadora global

brasileira na campanha “Falta Só Isto”,

à qual ela aplica a mesma ética profissional

que a tornou conhecida no mundo da moda

Os associados de Rotary Clubs do mundo

todo, diz Damiano, contribuíram com

US$1,2 bilhão e inúmeras horas de trabalho

voluntário à erradicação da poliomielite.

Um grande progresso foi alcançado, e

a incidência das infecções caiu de 350.000

casos em 1988 para somente 223 registrados

em 2012. Mais de dois bilhões de crianças

foram imunizadas em 122 países, evitando

a ocorrência de cinco milhões de casos de

paralisia e 250.000 óbitos infantis.

Campanha realizada em junho na cidade

SOBRE O ROTARY

O Rotary é uma rede

de voluntários que se

dedicam para tratar de

ações humanitárias. O

1,2 milhão de sócios dos

Rotary Clubs estão em

mais de 200 países e

regiões geográficas.


saúde dos pés

LUZ DE LED JÁ É USADA COM

SUCESSO NO TRATAMENTO

DE MICOSE EM UNHAS

Procedimento lançado foi

desenvolvido pela USP de

São Carlos, inclusive, em

nossa cidade é realizado

na Clínica Tempropé, pela

podóloga Rosana dos

Santos Silva.

Já se trata de micose de unha com luz

de led. A frase é da podóloga araraquarense

Rosana dos Santos Silva, da Clínica Tempropé,

uma das mais conceituadas da cidade

e região.

Os resultados das primeiras pesquisas

foram mostrados no congresso da Associação

Americana de Dermatologia, realizado

em março último, em San Diego, na Califórnia,

transformando-se em artigo da Revista

Caras, assinado pela dermatologista Patrícia

Rittes, da Faculdade de Ciências Médicas

da Santa Casa de São Paulo. Segundo ela,

a técnica já está sendo usada mundo afora,

com resultados animadores.

Mais conhecida pelos profissionais

da saúde como onicomicose, a micose de

unha é um doença chata e, até com a utilização

de luz de led, é difícil de curar. As

opções de tratamento eram remédios tópicos,

remoção da unha com cirurgia e remédios

orais. A escolha da terapia depende da

gravidade da doença, dos tratamentos que

o paciente já tinha feito e dos remédios que

toma para outras doenças. “Dependia ainda

do médico, da preferência de seu cliente

e dos custos”, diz a podóloga

Rosana dos Santos Silva.

Os remédios tópicos, na

forma de líquido e de pomada,

como disseram os pesquisadores

no congresso e se vê

no dia a dia dos consultórios,

quase não dão resultado porque

não conseguem penetrar

em toda a unha. Os de uso

oral, de outro lado, precisam

ser tomados durante meses. Além de apresentarem

inúmeros efeitos colaterais, nem

todos são eficazes.

O tratamento com luz de led vem mudar

esse quadro. Com pouco tempo, ainda carece

de pesquisas em larga escala, ou seja,

realizadas ao mesmo tempo em vários países

e com grande número de portadores.

Mas vem se mostrando eficaz e até já foi

aprovado pela Administração de Alimentos

e Remédios (FDA) dos Estados Unidos, e

pelos organismos de saúde na Europa.

Também no Brasil já está disponível, inclusive

em Araraquara. As vantagens sobre

as terapias tradicionais são: a) é rápido, sendo

feito em apenas algumas sessões; b) não

causa complicações locais nem sistêmicas;

e c) evita a interação de remédios e não é

tóxico para o fígado e nem para os rins.

A luz de led - pode-se usar o Nd Yag

1064 e o BBL (Broad Band Light) Pulsed

Light - elevam rapidamente a temperatura

na unha a 40 a 42 graus e matam os fungos.

Os procedimentos com luz

de led são utilizados principalmente

em casos assim

O paciente não sente dor. O tratamento dura

no máximo 50 minutos, não danifica a unha

e não apresenta efeitos colaterais. Pesquisa

feita na Universidade de Miami, na Flórida,

com 21 pacientes constatou que, seis meses

depois do tratamento, 20 não tinham mais

nenhum tipo de fungo nas unhas.

A micose de unha, vale relembrar, atinge

mais de 5% da população mundial. Gastouse

com elas em 2010, no planeta, 3,6 bilhões

de dólares. São mais comuns nas unhas dos

pés, mas também ocorrem nas das mãos.

São contraídas por qualquer um que pise

descalço em locais contaminados (praias,

saunas e banheiros), ou ao se usar as mesmas

meias e sapatos por vários dias.

Essas doenças ocorrem em todo mundo,

porém são mais comuns em países tropicais

e subtropicais, cujo clima favorece a proliferação

dos fungos. Não matam, no entanto

incomodam, pelo fato de os fungos alterarem

a cor das unhas, engrossarem-nas e, nas

situações mais graves, até as destruírem.

O ideal, claro, é evitar a contaminação.

Você pode fazer isso com algumas medidas

básicas. Troque de meia diariamente. Faça

revezamento dos sapatos, deixando cada

par descansar, de preferência ao sol, por

24 horas após o uso. Evite pisar descalço

em locais de risco, como saunas e banheiros

mal cuidados. Quem tem onicomicose,

finalmente, precisa tratar-se, porque pode

transmiti-la a terceiros ao compartilhar roupas

(meias, por exemplo) e objetos pessoais

(como tesouras e lixas).


equinte

DANIELA BRIZOLARI

QUALIDADE E SOFISTICAÇÃO EM SEMIJOIAS

Elas são finas, belíssimas e, a

cada estação, se consolidam

como acessórios versáteis e

modernos. São as semijoias que

chegam à cidade com a

assinatura de Daniela Brizolari.

Moderna, sofisticada, climatizada e confortável.

Com essa definição, a loja Daniela

Brizolari Semijoias surgiu da necessidade

de reunir em um só espaço, réplicas de joias

folheadas em ouro 18 k, joias em prata com

banho de ouro 18k e rhodium (ouro branco),

anéis de formatura, alianças em ouro 18k,

pedras naturais, zircônias e bolsas. Danie-

la inaugurou sua loja em 18 de abril deste

ano, para maior comodidade e conforto aos

clientes, depois de uma experiência de 10

anos no segmento de semijoias.

Devido ao seu grande sucesso, Daniela

Brizolari decidiu investir em seu próprio

negócio. “Como já estava no ramo, tenho

parceiros e fornecedores de renome e com

isso, compro direto da fábrica garantindo

um preço mais acessível às minhas clientes,

além de certificado de garantia e excelência

no atendimento”, conta a empresária. A linha

de produtos é grande.

Um verdadeiro mix de peças com design

diferenciado, alta qualidade e beleza,

sempre seguindo as últimas tendências. A

loja também oferece bolsas Niege e a belíssima

coleção Adriane Galisteu.

Uma das inovações da empresa é o

“comprar em casa”, uma forma dos clientes

poderem escolher e comprar no conforto

da sua casa ou trabalho. Para isso, basta

enviar um e-mail ou telefonar, que uma das

atendentes da loja leva as peças solicitadas.

Além de todas essas opções, a Daniela Brizolari

também dispõe de uma linha de peças

masculinas e outra especial para crianças.

Daniela Brizolari Semijoias

Rua Expedicionários do Brasil, 1700

(esquina com Avenida Espanha)

Mais informações pelo telefone

(16) 3461-7767

danibrizolari@hotmail.com

www.danielabrizolari.com.br


aile do empresário

SUCESSO

ABSOLUTO

ACIA e SINCOMÉRCIO uma

vez mais promovem com total

brilhantismo o Baile e Jantar

do Empresário, com o objetivo

de fortalecer a classe.

Os presidentes Toninho Deliza (SINCOMÉRCIO) e Renato Haddad (ACIA), após a mensagem

de agradecimento aos participantes do II Baile do Empresário no Clube Araraquarense

Quem não foi perdeu um grande evento.

Essa era a frase que corria solta pelo salão

de festas do Clube Araraquarense logo que

Emílio Carlos parou de cantar. Até então era

só alegria, motivada pelo clima festivo que

se criou entre as mais de 200 pessoas que

prestigiaram o acontecimento em sua segunda

edição. “Temos que agradecer os associados

que se dispuseram em comparecer

e enaltecer o trabalho das duas entidades”,

dizia o presidente do SINCOMÉRCIO, Antônio

Deliza Neto.

Da mesma forma, Renato Haddad, presidente

da ACIA, não escondia sua satisfação:

“Já começamos a pensar no III Baile

do Empresário de 2014; estamos motivados

pelo sucesso dos dois jantares que organizamos

até aqui. Cada vez mais vamos nos

adaptando aos anseios dos nossos associados

e temos certeza que o encontro em 2014

será melhor ainda”.

O objetivo do evento é de se promover o

congraçamento da classe e proporcionar aos

associados, condições de ver ampliada sua

qualidade de vida, através do lazer.

Foi gratificante ver os associados se divertirem,

argumentou Pedro Paulo Ferrenha

(Nenê Escapamentos), que aproveitou o clima

festivo do começo ao fim, ao lado do seu

sócio Artur Wormhoudt. “Estamos vivendo

uma grande noite; é um excelente começo

para que esse baile se torne tradicional entre

os empresários da cidade”, lembrou.

Fez parte da programação o jantar servido

pelo Buffet Karam, como sempre com

um finíssimo cardápio que agradou a todos.

A animação ficou por conta de Emílio Carlos

e Banda, cuja trajetória musical é plenamente

conhecida em toda a região.

O SINCOMÉRCIO e a ACIA agradecem

os empresários que apoiaram o evento,

o que lhes dá força para uma nova empreitada

visando o engrandecimento comercial

da cidade. “O nosso objetivo é trabalhar pela

união de todos os setores: comércio, indústria

e serviços, tornando a nossa classe mais

unida e participativa”, dizia Renato Haddad.

ALEGRIA É O QUE NÃO FALTOU

A música de Emílio Carlos contagiou Nenê

Ferrenha que não se fez de rogado: tirou

o paletó e foi para o salão mostrar sua

alegria. Não demorou muito para que

muitos o seguissem com o mesmo ímpeto.


O reencontro de empresários da cidade é motivo de alegria para

uma classe que tem necessidade de também curtir o lazer e ampliar

sua qualidade de vida. Assim foi o II Baile do Empresário no Clube

Araraquarense, no dia 17 de agosto.

Os casais Ana e Artur Wormhoudt; Dóris

e Pedro Paulo Ferrenha, por quem temos

grande estima

Manoel Francisco Soffner e Elisa

durante evento no Araraquarense

Edna e Orlando Bonifácio Martins

Eug ênio Lamor éa e Gislaine

A cronista

social

Rosana

Furtado

Tereza e Mário “Fuji” Takatsui


Fúlvia e Eder Magrini com a filha Isadora que mostra

ser uma grande dançarina

Marlei Braghini e a amiga Aparecida Carmona

Isadora Magrini e seus

dotes artísticos

Joacyr

Braghini

Carmo Zingarelli e Tereza

Lucelena

Carvalho

Araraquara vive um dos

momentos mais significativos

do seu desenvolvimento econômico

e essa integração é fundamental

para que o comércio, a indústria e

serviços se integrem cada vez mais.

O objetivo é para que, através da

união, a classe se sinta ainda mais

fortalecida.


O jornalista Geraldo

Polezze que assina o

Jornal de Araraquara,

com o casal de amigos

Sandra-Paulo Andr é

Alves Pinto, da Vilacopos

Parceria da ACIA

e SINCOMÉRCIO

vem acenando para

a decoração dos

nossos corredores

comerciais no fim

do ano.

Henrique Borsari e a esposa Marlene, ela

diretora da Associação Comercial

Roberto Abud, coordenador do setor de

Com ércio da ACIA e a esposa Luzia

Paulo Casale,

gerente do SESC

Araraquara

La ércio Grilli Grande, numa pausa para

dizer que a festa está maravilhosa

Fred Quintão (Hot Sign)

e a esposa Érica


Jornalista

Rita Múcio,

do Jornal de

Araraquara

Damiano Barbiero Neto e Rosa Maria; al ém

de diretor da ACIA, Damiano é presidente

da Imagem Pública 2013 - 2014, Distrito

4540 do Rotary Brasil

Virgilio Quintão, diretor comercial da Rádio

Cultura e esposa Glória

Marcelo de Mattos Frigo (diretor da ACIA) e

a esposa Sônia Maria, por ocasião do Baile

do Empresário

Juliana e Ildemar

Kurmann

D ébora Cristina e Silvio Rabelo, consultor

da Vilage Marcas e Patentes

Marta Marisa e

José Vanderlei

Fernando (diretor

da ACIA)

Reginalda Loreto, Izilda dos Santos e Maria

Aparecida da Silva


Valdir Bittencourt, sua esposa Cidinha; Toninho Deliza e

Ana Paula Micelli; Regina Helena e Egídio Lamor éa

EMÍLIO CARLOS

Não foram poucos os

aplausos para Emílio

Carlos que animou o Baile

do Empresário. Lembramos

do Emílio ainda no início

da sua carreira no antigo

Texas Bar, em 1983. Ele está

comemorando 30 anos na

estrada e na sua lista consta

a abertura de shows para

Gil, Caetano, Djavan,

Chico, Vinicius, Fagner e

tantos outros nomes de

sucesso da MPB.

Isabela Abud e Tamires Milani

Luis Alberto Ferreira e Luciene

Reinaldo Dias de Lima e sua esposa Ana

Cláudia durante o Baile do Empresário

Casal Edes Dalmo de Oliveira e Catharina,

na festa da ACIA / SINCOMÉRCIO

BUFFET KARAM

Não é novidade para

ninguém, mas é importante

ressaltar o sucesso uma

vez mais do Buffet Karam,

comandado pelo Juliano,

durante o Baile do

Empresário realizado no

dia 17 de agosto. Juliano

tem seguido os passos da

sua talentosa e querida

mãe Elza e do pai Jesuíno.

Alarico Aickel Júnior, esposa Cidinha e a filha Isabelle


VEM AÍ O DIA DA CRIANÇA

Comércio araraquarense já se prepara

para viver mais uma data propícia para

boas vendas durante o ano: é o Dia da

Criança, em 12 de outubro. A ACIA e o

SINCOMÉRCIO apostam em resultados

positivos para os nossos lojistas e outros

segmentos que direcionam seus serviços

para o público infantil.

C ésar Nunes, agente do Banco Pan em

nossa cidade e esposa Raquel

O empresário Alexandre Delbon, diretor do

SINCOMÉRCIO e Ivete Cristina Corr êa

Jos é Luiz Alves Pinto, da Vilacopos e sua

esposa Cidinha

Cláudio Paiva, da UNESP Araraquara, e

esposa Suzana

Isabel Cristina e Gilberto Castanhari

Sônia Mori e Fátima Bergamin, uma das

coordenadoras do evento pela ACIA


Maria Regina e

Miguel Passos

Casal Alessandra e Marcos Rogério Eiras

Empresário Carlos Nei Viola e Maria Amália

Isabela Spalato e Thiago

Menezes (Thera)

Paola e Luis

Toloi (Thera)

Maria Barbosa, Toninho Fiscarelli e Vânia

João Carlos Silva e Ivete Masson, da loja

Mário Calçados

Maria In ês e Mário Arrighi Filho

Vanessa e Michel Vanderlei Fernando


A diretoria da ACIA cumprimenta os aniversariantes de setembro

DATA NOME EMPRESA DATA NOME EMPRESA

01/09

01/09

01/09

01/09

01/09

01/09

02/09

02/09

02/09

03/09

03/09

04/09

04/09

04/09

04/09

05/09

05/09

05/09

06/09

07/09

07/09

07/09

07/09

07/09

07/09

08/09

09/09

09/09

10/09

10/09

10/09

10/09

10/09

10/09

10/09

10/09

11/09

11/09

11/09

13/09

13/09

13/09

14/09

14/09

14/09

15/09

15/09

15/09

15/09

16/09

16/09

Eduardo Nogueira Monnazzi

Mariusa Sinabuco

Carlos Dinucci

Nildson Ferri Amaral

Deusedina M. Chiucchi

Aparecido Donizete Bonifácio

Michel Vanderlei Fernando

Henrique Marques Fernandes

João Jorge Alves de Souza

Marilei B. Bolsoni Machado

Maria L. Farizato da Silva

Eduardo Munhoz de Andrade

Ocimar J. Dal Bem Inocente

Vera Antônia Corrêa Wolfarth

Ligiane Ap. Bertti Del’aqua

Marcos Roberto Zafallon

Elson Luiz Carrascossi

Antônio Junquetti

Renata Mascioli

Luis Antônio Alberto

José de Anchieta Martins

Olavo de Aquino

Luiz Carlos Chiva

Marcelo de Mattos Frigo

Ari Francisco Botega

Suelen de Paiva

Sérgio Kazuo Murakami

Silvia Regina Ramos Forini

Aparecida G. Grecco da Silva

José Anesio do Amaral

Luis Henrique Magdalena

Jeferson W. P. Vendrametto

Edir Evangelista Campos

Oscar Zanelatto

Douglas Aziz

Leandro Brizolari

Vera L. de Souza Penha Fiel

Maria Lúcia Antunes

Washington F. Rosa Junior

Águida Grilo Pereira

Carlos Eduardo Massafera

Ayala Gonçalves de Almeida

Annice Pagliarini Brefe

Carlos Armando G. Paschoal

Eliberto de Jorge Carrascosa

Daniel Stoque Pecin

Raul Aderval Leiva

Antônio Herrero

Carlos Francisco Marques

Renato César F. Silvestre

Alvaro Francisco de Souza

Monnazzi e Peruchi Advogados Associados

Sorveteria Biju

Construtora e Comercial Torello Dinucci

Mult Flex

Delta Deusa

Eletrônica Bruck

Fertch

Caravan Conveniências

Armarinhos Fiel

Auto Escola Machado

Depósito Astro Armarinhos

Distribuidora Andrade de Publicações

Rei da Caçamba

Santa Paula

Coplast

Delta Contábil

Chefor Auto Peças

Studio IV

Duraleve

Aracópias

Petrus

Auto Eletro Quitandinha

Com Acessórios

Farmácia Santa Isabel

Bar e Lanchonete do Gaucho

Panfletos & Cia

Depósito Caçula

Ramos Presentes

Olaria Nova

Comercial Amaral

Magdalena Imóveis

Cebrac

Aragesso

Banco do Brasil

Microlins Centro de Formação Profissional

Brizolari Materiais para Construção

Helibombas

Antunes Persianas

Washington Rosa

Móveis Estrela

Lacon

Linge’rio

About Confecções e Com.

Palácio das Borrachas

Rodoviário Marino Carrascosa

Modelo

Dental Life

A Pastelaria

Serralheria Lismar

Beerre Marcas e Patentes

Ótica e Relojoaria Econômica

16/09

16/09

16/09

17/09

17/09

17/09

18/09

18/09

18/09

19/09

19/09

20/09

20/09

20/09

21/09

21/09

21/09

21/09

21/09

21/09

22/09

22/09

22/09

22/09

23/09

23/09

24/09

25/09

25/09

25/09

25/09

25/09

26/09

26/09

26/09

26/09

26/09

26/09

27/09

27/09

27/09

27/09

27/09

27/09

29/09

29/09

29/09

30/09

30/09

30/09

Laor da Costa Leme

José Augusto Torres Garcia

Henrique C. B. Padovani

Patrícia F. Ditódaro

Heloisa S. Cunha Machado

Jeferson Pavan

Maria Ruth L. Giraldi Martins

Iracilda P. Prestes

Maria Cristina P. C. de Figueiredo

Valdir Belinelli

José Maria de Mello Neto

Sérgio José Silveira

André Luiz Orlando

Marcos Duó

Guido Savian Junior

Geraldo Donizeti Franco

Ângelo Fábio Filho

Roberto Abud

Lucimara Aparecida Mistrão

Bruno de Moura

Sueli Junquetti

Maria de Fátima V. Dantas

Gilberto C. Mendes da Silva

Elizete Ap. Pavan

José Roberto Bombardi

Jorge Luiz Saba

Washington Lúcio Andrade

Gerson Ferreira

Valter Romão

Alexandre Mariotini

Antônio Aparecido Soarde

Luiz Carlos Prestes

Ricardo Caldas Barbieri

Mauro Arthur Herszkowicz

Antônio C. de Castro Neto

Luiz Felipe Cabral Mauro

Dário José da Silva

Luiz Carlos Sinzato

Lucas Ferreira

Marcos Miguel Castilho

Maria Irene Oprine Carvalho

Magaly Colombo Caires

Angelita Meire Generoso

Miguel F. Aiello Fonari

Giseli de Souza Neves

Ana Flávia Brassaroto

Rubens Tositto Junior

Fernando Roberto Surian

Elinerce Luiz Laurini

Rui Martins Oliveira

Leme Agrimensura

José Augusto Fotografias

Henrimar

Odontocorpus

Helô Boutique

Água e Arte

Petrus

Renner

Tulipa

Mercafrios

Farmapet

Unidoor

Classic Life

Escritório São Paulo

Embracon Consórcio Nacional

Copling

Ângelo Fabio Filho Araraquara

Acessorium

GM Indústria, Comércio e Manutenção

Águia Frios

Restaurante do Cidinho

Nutrição Dantas

Alinhamento Araraquara

Água e Arte

Supermercado Bombardi

Saba Consultoria de Imóveis

Portal Áfricas

Chaban Indústria e Comércio

Valter Romão

A Favorita Loteria Federal e Estadual

Matel Telecomunicações

Renner

Rimaco

Viação Paraty

Itapuã Rent a Car

Uniara

Olaria Nova

Microcel Informática e Celular

Meias Clark

Mc Áudio

LG

Caco Modas

Ser Único Planos Odontológicos

Escritório Araraquara

Cravo & Canela Roupas e Acessórios

Arte Tintas

Ytoara Engenharia

Digicont

Delta Deusa

Empresa Cruz


crônica

PRIMAVERA

LUIZ CARLOS BEDRAN*

O mês aziago e

sombrio de agosto,

o dos estertores

do inverno,

o dos acontecimentos trágicos que coincidentemente

sempre acontecem no mundo

neste mês, mais aqueles que ocorreram na

cidade, manchada indelevelmente pela deletéria

simbiose entre política e polícia, felizmente

já terminou, faz parte do passado e

virou História.

Agora que estamos em pleno setembro,

o mês do início da primavera, essa estação

do ano que deveria ser permanente, porque

é a mais bonita de todas e não apenas pelo

desabrochar das flores, mas, sobretudo

pela renovação da natureza, é o caso de se

pensar sobre as consequências da rápida

degradação ambiental que tem ocorrido em

nosso país.

Todo mundo quer aproveitar ao máximo

as benesses produzidas pela sociedade

de consumo, como se o nosso planeta

fosse acabar amanhã, e assim desperdiça

abusivamente o que poderia aproveitar de

modo racional. Esquecemo-nos de que,

não somente o mundo não se extinguirá tão

rapidamente, como a natureza é renovável,

mas apenas até certo ponto.

É verdade que a popularização no usufruir

dos bens de consumo que nos atingiu

a todos, nos tornou mais felizes; no entanto,

tudo tem seu preço e esse preço é alto, pois

não conseguimos controlar essa ânsia consumista

e ainda não nos conscientizamos

de que sacrificaremos as gerações posteriores,

as de nossos filhos e netos. Esses

depois nos cobrarão: “- Por que os nossos

pais e avós deixaram acontecer? Por que

eles não pensaram nisso?”.

Desperdício de energia elétrica que nos

obriga a construir mais usinas hidro ou termoelétricas

ou usando dos derivados do

petróleo, cuja exploração tem limites (hoje

sendo substituída (nos EUA) pelo xisto,

mais viável economicamente); alimentos

aproveitáveis jogados ao lixo e este não

sendo reciclável; destruição de florestas

indiscriminadamente, levando a terra à

erosão e à desertificação e ao aumento da

temperatura (nos próximos 100 anos, mais

3 graus, segundo os cientistas).

Tudo isso prezado leitor e querida leitora,

toda essa conversa mole, para dizer que

fiquei chocado com a degradação ambiental

do Rio Taquari, no Mato Grosso do Sul,

que desemboca no Pantanal - de onde vim

recentemente de uma pescaria após uma

ausência de alguns anos - e fui obrigado a

fazer essa inferência entre a primavera e a

natureza.

Um rio que conheço há décadas, que

era muito piscoso, mas já não o é mais, não

somente pelo assoreamento causado pelas

grandes plantações de soja em seu entorno,

como pela construção de barragens pelos

fazendeiros, para o aproveitamento da terra

para o gado, mas, inevitavelmente impedindo

a reprodução de peixes nos baixios.

O pior de tudo foi ver o lixo da cidade

sendo levado pela correnteza, como latinhas

de cerveja, garrafas pet, materiais

não-biodegradáveis, para ir se acumular

eternamente num dos maiores biomas do

planeta, o Pantanal, demonstrando uma absurda

falta de conscientização popular com

relação ao meio ambiente, aliada à completa

ausência de fiscalização pela polícia ambiental

para coibir esse desleixo.

Mas como estamos em setembro, não

devemos nos abater pelo pessimismo; ao

contrário, sejamos otimistas, pois ainda há

esperança de um futuro melhor (um lugar

comum, mas verdadeiro).

Por isso lembro Mário Quintana, na

“Canção da Primavera”:

“Primavera cruza o rio / cruza o sonho

que tu sonhas. / Na cidade adormecida /

Primavera vem chegando.// Catavento enloqueceu,

/ ficou girando, girando. / Em torno

do catavento / Dancemos todos em bando.

// Dancemos todos, dancemos, / Amadas,

Mortos, Amigos, / Dancemos todos até

/ Não mais saber-se o motivo... // Até que

as paineiras tenham / Por sobre os muros

florido!”.

*Sociólogo e articulista da Revista

Comércio & Indústria de Araraquara

More magazines by this user
Similar magazines