METODOLOGIA INTERATIVA PARA O ENSINO DA CARTOGRAFIA ...

diaadiaeducacao.pr.gov.br

METODOLOGIA INTERATIVA PARA O ENSINO DA CARTOGRAFIA ...

METODOLOGIA INTERATIVA PARA O ENSINO DA CARTOGRAFIA

Ensino da Cartografia através da Animação Digital

1

Manoel Duque da Costa 1

Resumo. A cada dia estamos descobrindo que aliar a Educação às novas

tecnologias, pode melhorar o ensino/ aprendizagem. Atualmente, não podemos

negar que a inclusão digital passou a ser uma necessidade. Por esta razão, quanto

mais cedo os alunos tiverem acesso aos recursos tecnológicos, mais preparados

estarão para acompanhar os avanços do século XXI. A criança possui uma

capacidade extraordinária para assimilar novos conhecimentos, principalmente

quando ensinados de forma lúdica. Assim sendo, foi desenvolvido uma Seqüência

Didática com atividades interativas de Cartografia de forma lúdica, através de

animação digital, com o objetivo de motivar e despertar o interesse dos alunos, não

apenas para conhecer, mas saber utilizar a Linguagem Cartográfica. Para tanto,

foram utilizados os conteúdos básicos do Plano Curricular de Geografia da 5ª série

do Ensino Fundamental. O trabalho é um relato de experiência, o levantamento dos

dados e as observações feitas serviram de base para analisar a viabilidade de se

utilizar ou não a metodologia proposta. Após a aplicação do projeto, concluímos que

houve uma melhora significativa no ensino/aprendizagem. Pode-se observar

também, que a Metodologia Interativa, se mostrou eficaz, uma vez que motivou e

despertou o interesse dos alunos para o ensino da Cartografia.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem Cartográfica, Metodologia de Ensino, Ensino de

Geografia, Novas Tecnologias.

ABSTRACT. Every day we have been discoverying that to ally the Education to the

new technologies, it can improve the teaching / learning. Now, we cannot deny that,

the digital inclusion became a need. For this reason, the sooner the students have

access to the resources technological, the more prepared they will be to accompany

the progresses of the century XXI. The child possesses an extraordinary capacity to

assimilate new knowledge, mainly when taught in playful way. Thus a Didactic

Sequence was developed with interactive activities of Cartography in playful way,

through digital animation, with the objective of motivating and to waking up the

students' interest, not just to know, but to know to use the Cartographic Language.

Whereas, the basic contents of the curriculum plan of Geography for a group of the

5th series of elementary school were used. As the work is a report of experience, the

1 Professor de Geografia e História. Colégio Estadual Olavo Bilac – EFM. Graduado em Geografia pela

Faculdade de Ciências e Letras de Campo Mourão - FECILCAM. Campo Mourão–PR. Especialista na

Prática de Ensino de História: Cultura, Sociedade e Meio Ambiente, pela Faculdade Estadual de

Ciências e Letras de Campo Mourão. Integrante da Segunda Turma do Programa de Desenvolvimento

Educacional – PDE – da Secretaria de Estado da Educação. Governo do Estado do Paraná.


ising of the data and the done observations served as base to analyze the viability of

using or not the proposed methodology. After the application of the project, we

concluded with base in the presented data, that there was a significant improvement

in the teaching / learning. It can also be observed, that the Interactive Methodology,

has shown effective, once it motivated and it woke up the students' interest for the

teaching of the Cartography.

KEY WORDS. Cartographic language. Teaching Methodology, Geography

Teaching, New Technologies

INTRODUÇÃO

O mundo está evoluindo numa velocidade nunca antes visto, a todo instante

estamos sendo bombardeados por uma infinidade de informações que não param de

chegar, quando pensamos que estamos dominando determinada tecnologia, esta já

está ultrapassada.

No século XXI, aquele que não souber utilizar um computador, acessar a

internet, será considerado “analfabeto do futuro”, e a falta desse tipo de

conhecimento, certamente contribuirá para exclusão social. Por essa razão, quanto

mais cedo os alunos tiverem acesso aos recursos tecnológicos, mais preparados

estarão para acompanhar os avanços tecnológicos do século XXI.

O presente trabalho procura mostrar que é possível utilizar os recursos de

informática no ensino da Geografia, visto que, além de estimular a atenção, a

abstração e o raciocínio, contribui também para o desenvolvimento intelectual,

cognitivo e social da criança.

O lúdico faz parte do imaginário das crianças, estudos como, por exemplo, os

de Teruya, mostram que as crianças aprendem mais principalmente quando

ensinadas a partir das atividades lúdicas. Por esta razão, foi desenvolvida uma

Metodologia Interativa, através de um software, ou seja, um programa de

computador, com atividades lúdicas de Cartografia, utilizando animação digital.

Para tanto, foram utilizados os conteúdos básicos do Plano Curricular de

Geografia da 5ª série do Ensino Fundamental. O Conteúdo Estruturante escolhido

2


para desenvolver as atividades da Seqüência Didática foi a “Dimensão Política do

Espaço Geográfico” e o conteúdo básico “As Diversas Regionalizações do Espaço

Geográfico”. Foi observado, no desenvolvimento das atividades, a abordagem

teórico Metodológica do Plano Curricular, onde menciona que ”para o entendimento

do espaço geográfico, faz-se necessário o uso dos instrumentos de leitura

cartográfica e gráfica, compreendendo signos, legenda, escala e orientação” ( DEB ,

2007).

Assim sendo, oportunizar atividades lúdicas através do uso de novas

tecnologias no ensino da Geografia, visando não apenas motivar, mas despertar

nos alunos um maior interesse pelo estudo da Cartografia, é o que se propõe com

esse trabalho.

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO ENSINO DA CARTOGRAFIA

Os avanços na área da informática estão provocando uma verdadeira

revolução na educação. As novas tecnologias aplicadas à educação têm contribuído

para melhorar o ensino-aprendizagem.

No mundo contemporâneo, tanto a informática como os recursos de

multimídia são importantes para desenvolver as habilidades intelectuais. Segundo

Teruya (2006, p. 82) “[...] as tecnologias da comunicação e informação têm um

poder de sedução e encantamento, por isso não é mais possível ignorar tais

recursos no processo educativo da escola”.

Quase tudo que se tem hoje de mais avançado foi construído a partir de

programas de computador. Por esta razão, ter conhecimento de informática passou

a ser imprescindível.

A inclusão digital é uma necessidade no mundo atual, visto que, a falta de

conhecimentos tecnológicos, certamente contribuirá ainda mais para a exclusão

social.

Os recursos da informática serão necessários nos sistemas de ensino, na

formação da cidadania, para reduzir o processo de exclusão social. [...] A

informática viabiliza a comunicação imediata e mais ágil. A falta de acesso

aos instrumentos da informática, gera uma camada marginal da sociedade.

(TERUYA, 2006, p. 100-101).

3


Os avanços tecnológicos caminham a passos largos. Quando pensamos que

estamos dominando determinada tecnologia, essa já está ultrapassada. Segundo

Preto (1999, p.126), “[...] os novos símbolos criados a partir da cultura tecnológica

aponta o analfabeto do futuro. Será aquele que não souber ler as imagens geradas

pelos meios eletrônicos”. Por esta razão, quanto mais cedo os alunos tiverem

acesso aos recursos tecnológicos, mais preparados estarão para se adaptarem aos

avanços tecnológicos do século XXI.

Segundo Belloni (1999), a tecnologia, como meio complementar de ensino,

oferece aos estudantes acesso a uma grande variedade de informações. Informa

também, que tal tendência é mundial em todos os níveis de educação, contribuindo

para a eficiência do processo de ensino-aprendizagem. Também Vieira (2001),

menciona que através das novas tecnologias está surgindo uma nova cultura,

apoiada nos recursos audiovisuais.

No ensino da Geografia, o recurso de informática, aliado ao ensino da

cartografia, tem produzido bons resultados. De acordo com Pazini & Montanha

(2005, p.1331), “As atividades cartográficas promovem o desenvolvimento de

esquemas mentais que auxiliam na aprendizagem e na autonomia intelectual do

aluno reafirmando a importância de se aliar essas atividades com novas

possibilidades de interação oferecidas pelas inovações tecnológicas.”

O aluno somente estará apto a reconhecer representações mais complexas,

com maior nível de abstração, após se apropriar da linguagem cartográfica (SEED,

2006).

A Cartografia é muito importante no ensino da Geografia. Um indivíduo que

domina esta área do conhecimento é capaz de interpretar mapas, fazer

representações e buscar novas tecnologias para processar informações sob uma

perspectiva espacial (VIEIRA, 2001).

De acordo com Melo & Menezes (2003), é possível através das ferramentas

de multimídias, ensinar conceitos cartográficos como: escala, projeções e outros

assuntos relacionados à Cartografia. Estas “ferramentas” ampliam habilidades de

aprendizagem multi-sensorial do educando, estimulando-o a ser um participante

ativo.

Entende-se por multimídia a integração de texto, vídeo, áudio, animações,

desenhos ou mesmo realidade virtual, com o objetivo de transmitir informação. Essa

não precisa necessariamente ser interativa, no entanto, sempre que possível,

4


ecomenda-se o uso de multimídia interativa na escola, uma vez que a interatividade

é o ponto chave na construção do conhecimento (SAUSEN, 2008).

Para Delazari & Oliveira (2002), os mapas interativos ou que possuam

elementos de multimídia, possibilitam representações mentais, o que não é possível

nos mapas em papel, por representar um mundo estático e imutável. Assim, é

compreensivo que mapas com uma visão estática sejam desinteressantes. Ainda

segundo Delazari & Oliveira (2002, p. 85), mencionam que: “As pessoas querem

“entrar” no mapa, espacial e conceitualmente; querem explorá-lo em um nível mais

profundo. A interação é hoje, a chave para a formação do conhecimento”.

A criança possui uma capacidade extraordinária para assimilar novos

conhecimentos, principalmente quando ensinados de forma lúdica. Para Johan

Huizinga (1872-1945), teórico holandês e grande pensador lúdico do século XIX, a

palavra lúdico tem origem no latim “Ludus” que etimologicamente significa “jogo. Já

para Feijó (1998), a definição de lúdico deixou de ser o simples sinônimo de jogo e

passou a ser reconhecido como um traço essencial do comportamento humano.

Segundo Teruya apud Papert (1986, p. 74), (...) “o computador conquista o

universo pedagógico como fonte do saber e da sabedoria. Ele é inserido no

processo de ensino-aprendizagem como elemento eficiente na construção do saber

de forma espontânea, lúdica e livre”.

Atualmente, muitos programas de computador estão sendo usados para

melhorar o ensino-aprendizagem. Recursos de multimídia com animação digital têm

ajudado a estimular aquisição de novos conhecimentos. Segundo Tavares (2005, p,

5) “Na medida em que interage com a informação, o estudante está construindo seu

conhecimento, ele faz conexões importantes entre significados e desse modo,

possibilita a sua aprendizagem significativa”.

Segundo Bettlheim (2002), é através de uma brincadeira de criança que

podemos compreender como ela vê e constrói o mundo. Pela brincadeira, ela

expressa o que teria dificuldade de colocar em palavras.

Para Tavares (2005), a brincadeira tem uma função significativa no processo

do desenvolvimento infantil. Ela é responsável pela criação de “uma zona de

desenvolvimento proximal”, justamente porque, através da imitação realizada na

brincadeira, a criança internaliza regras de conduta, valores, modos de agir e pensar

de seu grupo social. No contexto escolar, a brincadeira deveria ser valorizada e

estimulada, já que tem uma importante função pedagógica.

5


É através da construção e reconstrução, continuamente das estruturas

cognitivas, que o indivíduo se torna cada vez mais apto ao equilíbrio. As crianças

passam por diferentes estágios de desenvolvimento chamados de sensório-motor,

pré-operacional, operacional-concreto e operacional formal (PIAGET, 1974).

Na faixa dos 08 aos 12 anos, de acordo com a teoria de Piaget, a criança

encontrar-se no estágio Operatório-Concreto, visto que, ainda depende do mundo

concreto para chegar à abstração. Por esta razão, seria importante trabalhar com

estes alunos com atividades lúdicas, para que pudessem aprender de forma

descontraída.

Assim, a utilização de recursos de informática no ensino da Geografia, de

maneira interativa e lúdica, através de animação digital, é uma forma extremamente

interessante para a melhoria e o aprimoramento do processo de ensino-

aprendizagem.

METODOLOGIA DA PESQUISA

O Projeto foi aplicado no Colégio Estadual “Olavo Bilac”, Ensino Fundamental

e Médio, no município de Peabiru – PR, em duas salas de 5ª séries do Ensino

Fundamental, em ambas as séries foram trabalhados os mesmos assuntos,

variando apenas a metodologia aplicada, em uma 5ª série os assuntos de

Cartografia foram trabalhados através da metodologia Tradicional, utilizando o livro

didático público; já na outra a metodologia utilizada foi a Interativa, desenvolvida

através de um programa de computador, com atividades lúdicas de Cartografia.

O trabalho teve início com uma pesquisa interativa ( fig. 1 – A ), para verificar

o conhecimento prévio dos alunos sobre informática. Após essa primeira parte,

foram apresentadas as atividades a serem realizadas no laboratório de informática

por um período determinado.

No laboratório de informática, os alunos tiveram acesso a um programa

específico de computador (Software), que possibilitou a realização de uma série de

atividades interativas relacionadas ao ensino da Cartografia, por meio de animação

digital.

6


As atividades Interativas foram desenvolvidas através de uma Sequência

Didática em cinco módulos e distribuídos da seguinte forma: módulo I – Projeções

Cartográficas ( fig. 2 ); módulo II – Escala ( fig. 3 ); módulo III – Orientação ( fig. 4 );

módulo IV - Convenções Cartográficas ( fig. 5 ) e módulo V – Tipos de Mapas ( fig.

6 ); duas pesquisas interativas ( fig. 1- A,B ); e uma avaliação interativa ( fig. 7 ) .

Durante as aulas, foram feitas algumas observações e registros que

pudessem demonstrar o grau de envolvimento dos alunos nas atividades. Foi

observado principalmente o nível de interesse e as dificuldades apresentadas pelos

alunos ao desenvolverem as atividades.

Ao final do período, uma nova pesquisa foi realizada para saber qual a

impressão que os alunos tiveram da nova metodologia aplicada ( fig.1 – B ). E após,

foi dada uma avaliação para verificar o grau de apropriação dos conteúdos ( fig. 7 ).

A análise da metodologia proposta, foi feita com base nos dados das

pesquisas interativas, nas observações feitas pelo professor no laboratório de

informática e na avaliação da aprendizagem dos alunos. Os dados levantados foram

tabulados e transformados em gráficos e serviram de base para demonstrar a

viabilidade de se utilizar ou não a metodologia proposta.

PESQUISA INTERATIVA

As pesquisas interativas foram aplicadas aos alunos no laboratório de

informática, uma antes de iniciar os módulos e outra após o término dos módulos,

ambas eram compostas por cinco questões objetivas.

A primeira pesquisa interativa ( fig. 1 – A ) teve por objetivo fazer uma

sondagem, para saber o grau de conhecimento dos alunos sobre informática. Estas

informações foram úteis para definir quais procedimentos preliminares seriam

necessários à aplicação dos módulos.

A segunda pesquisa interativa ( fig. 1 – B ) teve por objetivo saber o grau de

aceitação dos alunos, tanto nas atividades desenvolvidas quanto na metodologia

proposta. Ambas as pesquisas podem ser observadas nas figuras abaixo:

7


Figura 1 – Visão da tela do computador das pesquisas interativas. A – Primeira Pesquisa Interativa;

e B – Segunda Pesquisa Interativa

MÓDULOS DA SEQÜÊNCIA DIDÁTICA

Ao iniciar cada módulo, o professor fez uma explanação sobre o tema

proposto. Em seguida, os alunos leram um texto sobre o assunto que estava sendo

tratado em cada módulo. Após a leitura, foi aberto aos alunos um espaço de tempo

para que pudessem tirar suas dúvidas.

Em cada módulo foi colocado um link, para que os alunos pudessem acessar

a Internet e buscar informações suplementares sobre o assunto estudado. Após

pesquisarem na internet, os alunos fizeram algumas atividades interativas sobre o

objeto de estudo de cada módulo.

Quanto às atividades propostas nos módulos, os alunos poderiam refazê-las

se achassem necessário, mas, só poderiam mudar de atividade se respondessem

corretamente o exercício. No final de cada módulo, foi colocada uma atividade

recreativa para os alunos fazerem, sobre localização espacial.

As imagens das telas do computador, com as atividades dos cinco módulos

podem ser observadas nas figuras abaixo:

A B

8


MÓDULO I - PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS

A B

C

E

D

F

9


Figura 2 – Visão da tela do computador das imagens das atividades do módulo I. A – Introdução à

Cartografia; B – Abertura do Módulo I: Projeções Cartográficas; C – Primeira Atividade Interativa:

escrever o nome das projeções cartográfica; D – Segunda Atividade Interativa: marcar a alternativa

correta; E – Terceira Atividade Interativa: relacionar as projeções cartográficas; F - Quarta Atividade

Interativa: arrastar o nome da projeção cartográfica; G – Resultado do Módulo I; e H – Atividade

Recreativa: pintar o mapa múndi.

MÓDULO II – ESCALA

G

A

10

H

B


C

E

G

Figura 3 – Visão da tela do computador das imagens das atividades do módulo II. A – Abertura do

Módulo II: Escala; B – Primeira Atividade Interativa: relacionar a escala numérica ( em centímetros )

com o seu correspondente em quilômetros; C – Segunda Atividade Interativa: marcar as alternativas

corretas sobre escala; D – Terceira Atividade Interativa: identificar as diferenças existentes entre

mapas com escalas diferentes; E – Quarta Atividade Interativa: calcular a distância em quilômetros,

entre os pontos indicados no mapa do Brasil; F - Resultado do Módulo II; e G – Atividade Recreativa:

localizar os países da América do Sul.

11

D

F


MÓDULO III - ORIENTAÇÃO

A

C

B

12

D


Figura 4 – Visão da tela do computador das imagens das atividades do módulo III. A – Abertura do

Módulo III: Orientação; B – Primeira Atividade Interativa: indicar a posição dos pontos cardeais e

colaterais na rosa-dos-ventos; C – Segunda Atividade Interativa: localizar os Estados do Brasil

através da orientação dos pontos cardeais e colaterais; D – Terceira Atividade Interativa: encontrar

os pontos, seguindo a orientação da rosa-dos-ventos; E – Resultado do Módulo III; e F – Atividade

Recreativa: localizar e pintar as regiões do Brasil.

MÓDULO IV - CONVENÇÕES CARTOGRÁFICAS

E

A

F

B

13


C D

E

Figura 5 – Visão da tela do computador das imagens das atividades do módulo IV. A – Abertura do

Módulo IV: Convenções Cartográficas; B – Primeira Atividade Interativa: pintar o mapa dos limites do

município de Peabiru, conforme a legenda; C – Segunda Atividade Interativa: marcar pontos no mapa

utilizando símbolos das convenções cartográficas; D – Terceira Atividade Interativa: arrastar os

símbolos até os nomes das convenções cartográficas; E – Resultado do Módulo IV; e F – Atividade

Recreativa: pintar o mapa das regiões do Paraná, conforme a legenda.

F

14


MÓDULO V – TIPOS DE MAPAS

A

C D

B

15


Figura 6 – Visão da tela do computador das imagens das atividades do módulo V. A – Abertura do

Módulo V: Tipos de mapas; B – Primeira Atividade Interativa: identificar os principais tipos de mapas;

C – Segunda Atividade Interativa: responder a cruzadinha, com base nos elementos que fazem parte

dos mapas; D – Terceira Atividade Interativa: encontrar as palavras que se relacionam com os

elementos que compõem os mapas; E – Resultado do Módulo V; e F – Atividade Recreativa: montar

o quebra-cabeça do mapa da Microrregião Doze.

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

E F

A avaliação da Seqüência Didática foi contínua e diagnóstica. Contou com

duas pesquisas interativas, uma aplicada no início e outra no final dos módulos, com

as observações e registros feitos pelo professor no laboratório de informática e com

uma avaliação interativa ( fig. 7 ), contendo 20 questões, sendo cinco de cada

módulo estudado, conforme podemos observar nas figuras abaixo:

16


AVALIAÇÃO INTERATIVA

Figura 7 – Visão da tela do computador das imagens da avaliação interativa. A – primeira parte da

avaliação; B – segunda parte da avaliação; C - terceira parte da avaliação e D – quarta parte da

avaliação.

ANÁLISE DOS RESULTADOS

A

D

C D

Ao mesmo tempo em que iniciarmos a intervenção pedagógica do Projeto

Metodologias Interativas para o Ensino da Cartografia, em uma turma de 5ª série do

Ensino Fundamental, trabalhamos com outra turma de 5ª série de forma tradicional

com o livro didático público, os mesmos assuntos utilizados para criar as atividades

do software, ou seja, do programa de informática para o ensino da Cartografia.

B

17


Na turma da 5ª série onde foi aplicado o Projeto Metodologias Interativas para

o Ensino da Cartografia, iniciamos os trabalhos com uma pesquisa interativa.

Na primeira questão, perguntamos aos alunos se eles tinham algum

conhecimento sobre computação. Para a nossa surpresa, constatamos que 58% dos

alunos não tinham a menor noção, não sabiam nem ligar o computador, apenas

42% dos alunos sabiam usar o computador ( fig. 8 – A ).

Na segunda questão, perguntamos se os alunos tinham computador em

casa. Dos alunos pesquisados, 64% nos disseram que não tinham computador em

casa, dos que tinham computador, apenas 28% tinham o computador em casa

( fig. 8 – B ).

Na terceira questão, perguntamos aos alunos onde eles mais utilizavam o

computador. A maior parte dos alunos, ou seja, 58% responderam que não

utilizavam o computador, 15% disseram que era em casa e 21% na Lan Hause,

apenas 6% responderam na escola ( fig. 8 – C ).

Na quarta questão, foi perguntado aos alunos com que finalidade eles mais

utilizavam o computador. Dos alunos pesquisados, apenas 4% responderam que

utilizavam o computador para estudar e 58% responderam que não utilizavam o

computador ( fig. 8 – D ).

Na quinta questão, perguntamos qual a opinião dos alunos sobre estudar

pelo computador. A maior parte dos alunos, 74% acharam excelente e apenas 4%

não souberam opinar ( fig. 8 – E ).

Os resultados da primeira pesquisa interativa podem ser observados nos

gráficos abaixo:

PRIMEIRA PESQUISA INTERATIVA

Questão 1 – Que conhecimento você

possui sobre computação?

A

Questão 2 – Você tem computador em

casa?

B

18


Questão 3 – Onde você mais utiliza o

computador?

Questão 5 – Qual a sua opinião sobre

estudar pelo Computador?

Assim que os alunos terminaram a primeira pesquisa interativa, foram

orientados a fazerem três vezes cada módulo. Na primeira vez, percebemos que as

dificuldades foram maiores, muitos alunos nunca tinham usado um computador, mas

na medida em que iam praticando, as dificuldades foram desaparecendo.

Antes de iniciarem os módulos, os alunos foram orientados a clicarem em um

link colocado na página inicial de cada módulo, que dá acesso a uma página na

internet, para que pudessem pesquisar sobre o assunto que seria trabalhado.

Os alunos que apresentaram maior dificuldade na resolução das atividades

foram justamente aqueles que não seguiram essa orientação, ou seja, pesquisar o

assunto na internet. Felizmente foram poucos, estes tiveram que voltar para fazer o

que não haviam feito com a devida atenção.

C

E

Questão 4 – Com que finalidade você

mais utiliza o computador?

Figura 8 – Gráficos da Primeira Pesquisa Interativa. A – Primeira Questão: se os alunos possuíam

algum conhecimento sobre computação; B – Segunda Questão: se os alunos tem computador em

casa; C – Terceira Questão: em que lugar os alunos mais utilizam o computador; D – Quarta

Questão: com qual finalidade os alunos mais utilizam o computador; E – Quinta Questão: opinião

dos alunos sobre estudar pelo computador.

Após o último módulo, os alunos foram orientados a fazerem a segunda

pesquisa interativa. Esta pesquisa foi elaborada para saber qual foi à impressão dos

D

19


alunos quanto às atividades propostas: se eles gostaram, se encontraram

dificuldades, etc.

Na primeira questão, perguntamos aos alunos, qual foi o assunto que eles

mais gostaram, 31% dos alunos nos disseram que foi Orientação e somente 10%

falaram ter sido Escala ( fig. 9 – A ).

Na segunda questão, foi perguntado o que os alunos acharam de estudar

Geografia através de um programa de computador, 75% dos alunos acharam

excelente e apenas 2% acharam ruim ( fig. 9 – B ).

Na terceira questão, perguntamos se na opinião dos alunos o computador

ajuda na aprendizagem, 72% acharam que sim e apenas 3% disseram que não

ajuda na aprendizagem ( fig. 9 – C ).

Na quarta questão, perguntamos se os alunos encontraram dificuldades para

resolver as atividades no laboratório de informática, 67% falaram que não, 15%

tiveram um pouco e 18% disseram que tiveram dificuldades ( fig. 9 – D ).

Na quinta questão, foi perguntado que nota os alunos dariam para as

atividades interativas de Cartografia, 63% disseram que dariam de 9 a 10 pontos e

apenas 3% dariam nota de 0 a 2 pontos ( fig. 9 – E ).

Os resultados da segunda pesquisa interativa podem ser observados nos

gráficos abaixo:

SEGUNDA PESQUISA INTERATIVA

Questão 1 – Entre os módulos, qual foi

o assunto que você mais gostou?

A B

Questão 2 – O que você achou de

estudar Geografia através do Programa

de Informática?

20


Questão 3 – Em sua opinião, o

computador ajuda na aprendizagem?

Questão 5 – Que nota você daria para

as atividades interativas de Cartografia ?

Questão 4 – Você encontrou dificuldades

para resolver as atividades no laboratório de

informática?

C D

Figura 9 – Gráficos da Segunda Pesquisa Interativa. A – Primeira Questão: entre os módulos, qual foi

o assunto que os alunos mais gostaram; B – Segunda Questão: o que os alunos acharam de estudar

Geografia através de um programa de computador; C – Terceira Questão: se o computador ajuda na

aprendizagem; D – Quarta Questão: se os alunos encontraram dificuldades para resolver as

atividades no laboratório de informática; E – Quinta Questão: que nota os alunos dariam para as

atividades interativas de Cartográfia.

Duas avaliações foram aplicadas, uma na turma de 5ª série, onde os

conteúdos de Cartografia, foram trabalhados utilizando a Metodologia Tradicional

( fig. 10 – A ) e outra na turma de 5ª série, onde os conteúdos de Cartografia foram

trabalhados utilizando a Metodologia Interativa ( fig. 10 – B ).

Em ambas as avaliações foram elaboradas 20 questões objetivas, contendo

perguntas sobre os assuntos que foram estudados, ou seja: projeções cartográficas,

escalas, orientação, convenções cartográficas e tipos de mapas. Para cada questão,

foi estipulado valor 0,5 ponto, totalizando 10,0 pontos à somatória das 20 questões.

Participaram das avaliações 35 alunos de cada turma de 5ª Série.

As avaliações foram aplicadas para que pudéssemos obter elementos para

confrontar os resultados entre duas metodologias de ensino.

E

Os resultados das avaliações podem ser verificados nos gráficos abaixo:

21


AVALIAÇÃO TRADICIONAL

Figura 10 – Resultado das Avaliações: A – avaliação tradicional; e B – avaliação interativa.

Ao fazer a confrontação dos dados da primeira avaliação, feita em sala de

aula, cujo método utilizado no ensino/aprendizagem foi o Tradicional, com a

segunda avaliação, realizada após a intervenção do projeto, onde o método utilizado

foi o Interativo, constatamos, ao menos com estas duas turmas, que o Método

Interativo para o ensino da Cartografia, foi mais eficaz, visto que, os alunos

apresentaram rendimento superior ao esperado.

A AVALIAÇÃO INTERATIVA

Utilizando a metodologia interativa, observamos que 48% dos alunos

obtiveram notas entre 9 a 10 pontos e apenas 3% tiraram notas entre 0 a 2 pontos

( fig. 10 – B ); já utilizando a metodologia tradicional verificamos que apenas 4% dos

alunos tiraram notas entre 9 a 10 pontos, a maior parte dos alunos, ou seja 45%,

obtiveram notas entre 3 a 4 pontos ( fig. 10 – A ). Observe o gráfico abaixo:

Gráfico Comparativo

Figura 11 – Gráfico Comparativo: metodologia tradicional e metodologia interativa.

B

22


CONCLUSÃO

Comparando os resultados das avaliações, não restaram dúvidas quanto à

eficácia da Metodologia Interativa. O rendimento dos alunos da 5ª série onde foi

aplicada a Metodologia Interativa foi bem superior, ao da outra 5ª série, onde a

metodologia utilizada foi a Tradicional.

Um outro ponto importante, que só pôde ser verificado, através das

observações feitas pelo professor no laboratório de informática, foi o entusiasmo, a

dedicação, o comprometimento, a alegria e a vontade de aprender dos alunos. As

atividades interativas encantaram tanto os alunos, ao ponto de não perceberem a

hora passar.

Diante do exposto, concluímos com base nos dados apresentados nas

avaliações e nas observações feitas no laboratório de informática, que a

Metodologia Interativa, não só pode como deve ser aplicada no ensino, uma vez

que, despertou o interesse dos alunos para o ensino da Cartografia, motivando-os à

aprender cada vez mais, fazendo com que obtivessem um rendimento superior ao

esperado.

Hoje os recursos tecnológicos estão presentes em todos os lugares, os

alunos querem mais do que o quadro e o giz, por esta razão, é importante que os

professores busquem formas diferentes de ensinar, tragam para dentro das escolas

os recursos tecnológicos que possam auxiliar e enriquecer as suas aulas. Mas, não

podemos nos esquecer que só dará certo se os professores não se eximirem do seu

papel de ensinar. A tecnologia ajuda, mas não substitui o bom professor.

REFERÊNCIAS

ALFLEN, André A;. et al. Geografia-Ensino Médio. Curitiba: SEED-PR, 2006.

BELLONI, Maria Luiza. Educação a Distância. Campinas: Autores Associados,

1999.

23


BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos Contos de Fadas. Rio de Janeiro: Paz e

Terra, 2002.

CURTY, Marlene G.; CRUZ, Anamaria da C. Apresentação de Trabalhos

Científicos: guia para alunos de cursos de especialização. Maringá: Dental Press,

2000.

DEB – Itinerante. Quadro de Conteúdos Básicos, Sistematizados pelo

Departamento de Educação Básica. – Eventos de formação continuada. Estado do

Paraná, 2007 e 2008.

DELAZARI, Luciene S. & OLIVEIRA, Leonardo C. Reflexões sobre Atlas

Eletrônicos. Curitiba, v.8, nº 2, p. 79-91, 2002.

FEIJÓ, Olavo G. Psicologia para o Esporte-Corpo e Movimento. Rio de Janeiro:

Shape,1998.

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ, SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E

SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares da Rede Pública de

Educação Básica do Estado do Paraná . Diretrizes curriculares de Geografia para

a Educação Básica. Curitiba: SEED, 2006.

HUIZINGA, J. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 1938.

MELO, Adriany de Ávila Melo & MENEZES, Paulo Márcio Leal de. Atlas Eletrônicos

e Interatividade. Múltiplas possibilidades de ensino-aprendizagem da Geografia.

Caminhos de Geografia – Revista on line – Programa de Pós-graduação em

Geografia. 2003.

MARINA, Lúcia; RIGOLIN, Túrcio. Geografia. São Paulo: Ática, 2002.

MOREIRA, Igor; AURICCHIO, Elizabeth. Construindo o Espaço Humano.

Construindo o espaço humano. 3º ed. São Paulo: Ática, 2007.

PAPERT, S. LOGO: Computadores e Educação. 2. ed. São Paulo: Brasiliense,

1986.

PAZINI, Dulce L.Garcia & MONTANHA, Enaldo Pires. Geoprocessamento no

Ensino Fundamental: utilizando SIG no ensino de geografia para alunos de 5ª a

8ª série. In: XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Goiânia, 2005.

PIAGET, Jean. Formação do Símbolo na Criança. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.

PRETTO, Nelson de Luca. Uma escola Sem/Com Futuro. Campinas: Papirus,

1999.

SAUSEN, Tânia Sausen. Cartografia na Escola. PGM 5 – Cartografia e novas

tecnologias. Salto para o futuro/TV Escola. In: WWW.tvebrasil.com.br/salto. Acesso em

08/05/2008.

24


TAVARES, Romero. Animações Interativas e Mapas Conceituais. In:XVI Simpósio

Nacional de Ensino de Física. Rio de Janeiro, 2005.

TERUYA, Teresa Kazuko. Trabalho e Educação na Era Midiática: um estudo

sobre o mundo do trabalho na era da mídia e seus reflexos na educação. Maringá,

Pr: Eduem, 2006.

VIEIRA, E.F.C. Produção de Material Didático Utilizando Ferramentas de

Geoprocessamento: Monografia (Curso de Especialização em Geoprocessamento)

– Universidade Federal de Minas Gerais, 2001.

25

More magazines by this user
Similar magazines