02.10.2019 Views

Revista Dr Plinio 259

Outubro de 2019

Outubro de 2019

SHOW MORE
SHOW LESS

You also want an ePaper? Increase the reach of your titles

YUMPU automatically turns print PDFs into web optimized ePapers that Google loves.

Infatigável<br />

arauto de Maria


Gratidão, amor<br />

e fidelidade<br />

Daniel A.<br />

Não encontro palavras suficientes para agradecer<br />

a Nossa Senhora o favor de haver vivido<br />

desde os meus primeiros dias, e de<br />

morrer, como espero, na Santa Igreja, à qual votei,<br />

voto e espero votar até o último alento absolutamente<br />

todo o meu amor. De tal sorte que todas as pessoas,<br />

instituições e doutrinas que amei durante minha<br />

vida, e atualmente amo, só as amei ou amo porque<br />

eram ou são segundo a Igreja. Igualmente, jamais<br />

combati instituições, pessoas ou doutrinas senão porque<br />

e na medida em que eram opostas à Santa Igreja<br />

Católica.<br />

Agradeço da mesma forma a Nossa Senhora –<br />

sem que me seja possível encontrar palavras suficientes<br />

para fazê-lo – a graça de me haver consagrado<br />

a Ela como escravo perpétuo. Nossa Senhora<br />

foi sempre a Luz de minha vida, e de sua clemência<br />

espero que seja Ela minha Luz e meu Auxílio<br />

até o último momento da existência.<br />

Agradeço ainda a Ela, e quão comovidamente,<br />

haver-me feito nascer de Dona Lucilia. Eu<br />

a venerei e amei em todo o limite que me era<br />

possível e, depois de sua morte, não houve dia<br />

em que não a recordasse com saudades indizíveis.<br />

Também à alma dela peço que me assista até<br />

o último momento com sua bondade inefável. Espero<br />

encontrá-la no Céu, na coorte luminosa das almas<br />

que amaram mais especialmente a Nossa Senhora.<br />

Depois da morte espero, junto a Maria Santíssima,<br />

rezar por todos, ajudando-os assim de modo<br />

mais eficaz do que na vida terrena. A todos e a cada<br />

um peço entranhadamente e de joelhos que sejam<br />

sumamente devotos de Nossa Senhora durante<br />

toda a vida.<br />

(Excertos do Testamento de <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong>, 10/1/1978)<br />

Imaculado Coração de Maria - Basílica Nossa<br />

Senhora do Rosário de Fátima, Cotia, Brasil


Sumário<br />

Vol. XXII - Nº <strong>259</strong> Outubro de 2019<br />

Infatigável<br />

arauto de Maria<br />

Na capa, <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong><br />

no ano de 1986.<br />

Foto: Arquivo <strong>Revista</strong><br />

As matérias extraídas<br />

de exposições verbais de <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong><br />

— designadas por “conferências” —<br />

são adaptadas para a linguagem<br />

escrita, sem revisão do autor<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong><br />

<strong>Revista</strong> mensal de cultura católica, de<br />

propriedade da Editora Retornarei Ltda.<br />

ISSN - <strong>259</strong>5-1599<br />

CNPJ - 02.389.379/0001-07<br />

INSC. - 115.227.674.110<br />

Diretor:<br />

Roberto Kasuo Takayanagi<br />

Editorial<br />

4 Brasil, grande nação missionária<br />

Piedade pliniana<br />

5 Súplica pela intervenção do<br />

Anjo da Guarda<br />

Dona Lucilia<br />

6 O Anjo da Guarda de Dona Lucilia<br />

Conselho Consultivo:<br />

Antonio Rodrigues Ferreira<br />

Carlos Augusto G. Picanço<br />

Jorge Eduardo G. Koury<br />

Redação e Administração:<br />

Rua Antônio Pereira de Sousa, 194 - Sala 27<br />

02404-060 S. Paulo - SP<br />

E-mail: editoraretornarei@gmail.com<br />

Impressão e acabamento:<br />

Northgraph Gráfica e Editora Ltda.<br />

Rua Enéias Luís Carlos Barbanti, 423<br />

02911-000 - São Paulo - SP<br />

Tel: (11) 3932-1955<br />

De Maria nunquam satis<br />

10 Uma devoção de luta<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> comenta...<br />

13 O ideal de Cavalaria,<br />

plenitude do espírito católico - I<br />

Reflexões teológicas<br />

18 Da arquetipia ao sobrenatural<br />

Calendário dos Santos<br />

24 Santos de Outubro<br />

Preços da<br />

assinatura anual<br />

Comum............... R$ 200,00<br />

Colaborador........... R$ 300,00<br />

Propulsor.............. R$ 500,00<br />

Grande Propulsor....... R$ 700,00<br />

Exemplar avulso........ R$ 18,00<br />

Serviço de Atendimento<br />

ao Assinante<br />

editoraretornarei@gmail.com<br />

Hagiografia<br />

26 Franqueza e métodos diretos<br />

Luzes da Civilização Cristã<br />

31 Arquetipização<br />

Última página<br />

36 Modelo supremo e fonte da Contra-Revolução<br />

3


Editorial<br />

Brasil, grande nação missionária<br />

Ociclo das navegações é apreciado, pela maior parte dos compêndios, apenas em seus resultados econômicos<br />

e políticos. De nada ou quase nada tem valido que historiadores do melhor quilate hajam<br />

demonstrado coisa diversa. Acumulam-se as provas de que o primeiro móvel da alma lusa na aventura<br />

das navegações foi apostólico; que os desbravadores de oceanos que o pequenino Portugal deitou pela<br />

vastidão dos mares tinham almas de cruzados e não de mascates. Para a História corrente, manipulada e deformada<br />

segundo as conveniências da irreligião, a glória de Portugal continua privada do esplendor sacral e<br />

heroico dos ideais religiosos, e reduzida ao mérito sem panache das realizações materiais da vida burguesa.<br />

Nada disso, porém, altera a evidente realidade dos fatos. O Brasil deve à ação missionária do luso<br />

a suprema graça de pertencer à Igreja. Era bom que se lembrasse isto no mês das Missões: o Brasil<br />

nasceu como uma realização missionária.<br />

Portugal não encerrou o ciclo de seus feitos religiosos com as navegações. A Providência Divina confiou<br />

ao povo português outra grande obra missionária. Querendo falar ao mundo, Nossa Senhora escolheu<br />

três pequeninos portugueses como seus arautos. Em Fátima, Nossa Senhora fez revelações de um<br />

alcance universal. Toda a crise contemporânea e suas raízes profundas de impiedade e pecado, os cataclismos<br />

universais que dela vão nascer, tudo o que mais a fundo interessa à humanidade inteira nas terríveis<br />

convulsões de hoje Nossa Senhora o confiou a três pastorinhos portugueses, para que dos lábios<br />

desses pequeninos pendesse para o mundo orgulhoso e abatido a terrível e maravilhosa mensagem.<br />

É impossível não ver que Nossa Senhora concedeu à antiga nação missionária uma grande tarefa<br />

histórica a realizar. Os que eram ontem arautos de Cristo são acrescidos de mais um título: arautos<br />

da Virgem. As nações de língua portuguesa juntamente com Portugal têm a incumbência de pregar a<br />

todos os povos o grande fato religioso do século XX, que são as aparições de Fátima.<br />

Este mês missionário tem duas grandes festas de Maria: Nossa Senhora do Rosário e Nossa Senhora<br />

de Fátima.<br />

Fruto de um esforço missionário, o Brasil foi sempre ardente devoto de Maria Santíssima. A festa<br />

de Fátima tem para nós um especialíssimo significado, pois lembra de modo muito especial que estamos<br />

no momento de produzir, para a dilatação do Reino de Cristo, os frutos que as inúmeras graças<br />

e dons sobrenaturais e naturais de que fomos cumulados nos obrigam a dar ao mundo.<br />

Nosso imenso País entra para a primeira plana da vida internacional precisamente em uma quadra na<br />

qual o esforço missionário é mais necessário do que nunca. Não se trata só de conduzir ao redil de Jesus<br />

Cristo as nações do Oriente. É no Ocidente, no próprio grêmio da Cristandade em ruínas que se instalou um<br />

paganismo mil vezes pior do que o antigo. O neopaganismo contemporâneo não tem a explicação tantas vezes<br />

cabível quanto aos pagãos orientais: a ignorância. No paganismo ocidental fermenta a apostasia, o pecado<br />

contra o Espírito Santo, o amor deliberado e satânico ao erro e ao mal. É contra os hereges de hoje, que<br />

perderam suas últimas tintas de Cristianismo, que o esforço missionário do Brasil se torna necessário.<br />

O Brasil tem de ser o grande arauto da realeza de Jesus Cristo. E para cumprir sua missão, é preciso<br />

que ele atenda ao apelo marial de Fátima, torne-se um pregoeiro infatigável da devoção a Nossa Senhora.<br />

As devoções marianas são as estradas reais pelas quais se chega a Nosso Senhor Jesus Cristo.<br />

Em Fátima, Nossa Senhora recomendou duas devoções, de modo todo particular. A elas há de se apegar<br />

o Brasil com o maior fervor. Uma é a do Coração Imaculado de Maria. Outra é a do Santo Rosário.<br />

Se o Brasil quiser ser a grande nação de cruzados e missionários, é por meio de uma ardente piedade<br />

marial que conseguirá essa graça. E se quiser essa graça, há de implorá-la pelos meios que a<br />

própria Virgem indicou.*<br />

* Excertos do artigo “Fátima” em O Legionário, 7/10/1945.<br />

Declaração: Conformando-nos com os decretos do Sumo Pontífice Urbano VIII, de 13 de março de 1625 e<br />

de 5 de junho de 1631, declaramos não querer antecipar o juízo da Santa Igreja no emprego de palavras ou<br />

na apreciação dos fatos edificantes publicados nesta revista. Em nossa intenção, os títulos elogiosos não têm<br />

outro sentido senão o ordinário, e em tudo nos submetemos, com filial amor, às decisões da Santa Igreja.<br />

4


Piedade pliniana<br />

Arquivo <strong>Revista</strong><br />

Gabriel K.<br />

São Rafael Arcanjo<br />

(coleção particular)<br />

Súplica pela intervenção<br />

do Anjo da Guarda<br />

Meu Santo Anjo da Guarda, sei que dentro dos planos divinos deveis, pelos desígnios<br />

de Nossa Senhora, ter especial papel no tocante à realização de minha missão. Também<br />

vós, Anjos, tendes uma missão altíssima no referente à luta contra a Revolução.<br />

Em nome do vínculo que essas circunstâncias estabelecem honrosamente de mim para<br />

convosco, eu vos peço: obtende da Rainha do Céu que vossa ação tome toda a intensidade<br />

proporcionada com minhas debilidades, infidelidades, mas também com meu desejo de servir<br />

inteiramente a Causa da Santa Igreja Católica e da Civilização Cristã.<br />

Suplico-vos, portanto: intervinde o quanto antes em mim de maneira que, liberto da ação<br />

do demônio, a qual hoje atingiu um auge, eu possa vos pertencer inteiramente e ser vosso<br />

guerreiro na luta que se aproxima.<br />

(Composta em 4/12/1980)<br />

5


Dona Lucilia<br />

O Anjo da Guarda<br />

de Dona Lucilia<br />

Um Anjo cheio de misericórdia, de um atendimento pronto, meigo<br />

a todos os pedidos, sabendo ter pena até o fundo. Mas também<br />

um Anjo de grande discernimento: o que é verdade é verdade,<br />

o que é erro é erro, o que é bem é bem, o que é mal é mal.<br />

Para ver Dona Lucilia com os<br />

olhos com que eu via, tenho a<br />

impressão de que é preciso tomar<br />

muito em consideração um certo<br />

ponto fundamental de equilíbrio<br />

que dá propriamente a “fisionomia”<br />

da alma como ela é vista por Deus.<br />

Porque Ele não vê a alma apenas nesta<br />

ou naquela atitude, mas na própria<br />

fonte de todas as atitudes, naquilo<br />

que há no homem de estável e que dita<br />

a pluralidade de suas atitudes.<br />

Firme na doçura e<br />

doce na firmeza<br />

J.P.Ramos<br />

Alguém dirá: “Mas o homem nunca<br />

é tão coerente assim. Os homens<br />

incoerentes o que têm de estável?<br />

Parece que eles não são estáveis.”<br />

É o contrário, eles têm uma estabilidade<br />

intencionalmente quebrada,<br />

de onde todo o resto sai errado. Mas<br />

esta estabilidade, ainda que seja no<br />

quebrado, no errado, existe.<br />

Assim, para se formar uma hipótese<br />

de como seja o Anjo da Guarda correlato<br />

a cada pessoa é preciso procurar<br />

cada uma naquela estabilidade. Mais<br />

ainda, como seria essa estabilidade se<br />

a pessoa fosse como deveria ser. Aí se<br />

6


Arquivo <strong>Revista</strong><br />

Arquivo <strong>Revista</strong><br />

Acima, Dona Jesuína Ribeiro<br />

dos Santos, avó paterna de<br />

Dona Lucilia. À direita, Dona<br />

Gabriela e <strong>Dr</strong>. Antônio Ribeiro dos<br />

Santos, pais de Dona Lucilia<br />

têm os elementos para uma hipótese de<br />

como é o Anjo da Guarda de alguém.<br />

Nesta perspectiva, tenho a impressão<br />

de que o Anjo da Guarda dela deveria<br />

ser visto como um Anjo de uma<br />

espécie de serenidade sobrenatural,<br />

que importa numa convicção formada:<br />

é a Fé; numa atitude tomada: é o<br />

estilo da vida dela; e num passado coerente<br />

com essa atitude até o último<br />

momento. Firme na doçura e doce na<br />

firmeza até o fim.<br />

Aí se pode ter uma ideia de como<br />

seria esse Anjo: cheio de misericórdia,<br />

de um atendimento pronto,<br />

meigo a todos os pedidos, sabendo<br />

ter pena até o fundo. Mas, também,<br />

um Anjo de grande discernimento: o<br />

que é verdade é verdade, o que é erro<br />

é erro, o que é bem é bem, o que é<br />

mal é mal, e daí não se sai.<br />

Creio que sabendo compensar essas<br />

coisas e pô-las bem na linha se<br />

tem uma noção de como seria o Anjo<br />

da Guarda de Dona Lucilia.<br />

Todo mundo fala, e com muita razão,<br />

da missão protetora que tem cada<br />

Anjo. Mas está realçada muito –<br />

porque é mais fácil de imaginar e é<br />

autêntica, existe – a proteção do Anjo<br />

no que diz respeito ao corpo. Contudo,<br />

não está devidamente ressaltada<br />

a proteção do Anjo no referente à<br />

alma. Ora, esse é o elemento principal.<br />

Nós estamos aqui na Terra para<br />

dar glória a Deus, servi-Lo e amá-Lo,<br />

mas também para salvar as nossas almas,<br />

que é o meio de dar glória a Ele.<br />

Nessas condições, é bem evidente<br />

que o Anjo deseja para nós, mais do<br />

que tudo, a perseverança e a santificação.<br />

E nós devemos ver, sobretudo,<br />

como o Anjo terá agido em relação<br />

à alma de Dona Lucilia.<br />

Um mero corisco<br />

transformado em luz<br />

Conheço de um modo não satisfatório<br />

o passado remoto da sua família.<br />

Sei que um bisavô dela era um<br />

português o qual lutou contra o exército<br />

de Junot, general de Napoleão<br />

que invadiu Portugal. Como Junot<br />

tomou conta de Portugal, esse bisavô<br />

de mamãe teve sua casa no Porto<br />

destruída e sua família foi morta, e<br />

ele veio para o Brasil, onde se casou<br />

com uma senhora de família tradicional,<br />

que veio a ser minha trisavó.<br />

Entretanto, tenho uma ideia muito<br />

vaga sobre o passado da família<br />

em Portugal, não sei qual é a mentalidade,<br />

o estado de espírito e, sobretudo,<br />

o que mais importa: qual a<br />

posição religiosa desses antepassados<br />

portugueses. Mas, através de alguma<br />

coisa que ela contou, julgo vislumbrar<br />

que havia em sua avó paterna,<br />

e depois em seu pai, alguma coisa<br />

que preparava o caminho para<br />

ela, fazendo pressentir esse estilo de<br />

alma de que acabo de falar.<br />

General Jean Andoche Junot<br />

Henri Félix Emmanuel Philippoteaux (CC3.0)<br />

7


Arquivo <strong>Revista</strong><br />

Dona Lucilia<br />

Não estou dizendo com isso que<br />

o pai e a avó dela corresponderam<br />

inteiramente. Digo apenas que parecem<br />

ter recebido graças na mesma<br />

direção. E isso tem alcance para<br />

considerar como seu Anjo da Guarda<br />

agiu na alma dela, porque se vê<br />

que mamãe nasceu num ambiente<br />

onde essa luz estava presente, e<br />

ela participou dessa luz mais do que<br />

seus antecessores. Aquilo que era<br />

um corisco antes dela, com ela tomou<br />

muito mais porte e dimensão.<br />

Dentro desse ambiente familiar, ela<br />

estava enlevadíssima com essa luz,<br />

e fazendo disso um caminho para<br />

Deus.<br />

No Sagrado Coração de Jesus ela<br />

via a plenitude inimaginável e indiscernível<br />

de todas as virtudes, entre as<br />

quais esta que ela conhecia por coriscos<br />

humanos, por fulgurações assim.<br />

Creio que a grande provação da<br />

vida dela se desenvolveu da seguinte<br />

maneira: tenho a impressão de que<br />

ela formava uma ideia um tanto ingênua<br />

de que todas as pessoas eram,<br />

pensavam, sentiam e se queriam assim,<br />

e que todas as famílias, em suas<br />

casas, viviam desse jeito, os senhores<br />

eram do estilo do pai dela e as senhoras<br />

como ela via a mãe. Com isso,<br />

ela concebia o mundo como uma<br />

espécie de antessala do Céu.<br />

Dissabores permitidos<br />

pela Providência<br />

Com o tempo, naturalmente, vieram<br />

as decepções: este e aquele não<br />

eram assim, ingratidões para com ela,<br />

enfim, toda espécie de dissabores.<br />

Ela me contava este caso característico:<br />

Uma senhora rica, de boa família,<br />

cliente de meu avô, era isolada<br />

no mundo, não tinha quem a apoiasse<br />

e, de repente, adoeceu. Meu avô<br />

precisou tratar com ela de um negócio<br />

qualquer, soube que ela estava<br />

doente e mandou que as filhas dele<br />

a visitassem. Viram, então, o abandono<br />

em que ela se encontrava, numa<br />

casa grande, rica, mas no meio<br />

de criadas que não tinham zelo por<br />

ela. Meu avô, desde logo, decretou:<br />

“Ela vai ficar morando em nossa casa<br />

durante o tempo que quiser e minhas<br />

filhas vão cuidar dela.”<br />

Minha mãe era moça e essa senhora,<br />

portanto, bem mais velha do<br />

que ela. E logo se prontificou a ajudá-la.<br />

Mesmo tarefas que poderiam<br />

ser confiadas a uma criada, ela, por<br />

amabilidade, fazia. Entretanto, começou<br />

a notar que quando prestava<br />

a essa senhora toda espécie de serviços,<br />

ela os recebia como se minha<br />

mãe não estivesse senão cumprindo<br />

a mais elementar das obrigações.<br />

Por outro lado, ao aparecer uma outra<br />

pessoa da família que quase não<br />

ia lá – porque pensava na sua própria<br />

vida e não queria ter essa paciência<br />

–, a hóspede sorria muito comprazida<br />

e dizia: “Fulana, como você<br />

tem sido boazinha para comigo.<br />

Muito obrigada!”<br />

A pessoa da família, objeto dessa<br />

gratidão, olhava para minha mãe<br />

e dizia:<br />

— Não seja boba, Lucilia. Você<br />

deve fazer como eu: mande as criadas<br />

da casa servirem a ela, e uma vez<br />

cada dois ou três dias você aparece<br />

para fazer uma visitinha, e ela fica<br />

encantada.<br />

8


Arquivo <strong>Revista</strong><br />

Arquivo <strong>Revista</strong><br />

Conferência realizada em Belo Horizonte<br />

por <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong>, em outubro de 1961<br />

Minha mãe respondia:<br />

— Não, coitada, ela está doente,<br />

sofrendo, e eu quero prestar-lhe<br />

todo o auxílio, pois papai assim nos<br />

mandou.<br />

— Olhe, você vai ver como no dia<br />

em que essa senhora sarar e sair de<br />

casa, ela vai agradecer a mim o serviço<br />

que você fez.<br />

Foi dito e feito. Na hora da despedida,<br />

a hóspede agradeceu efusivamente<br />

à outra e, para mamãe, disse<br />

apenas: “Lucilia, até logo.”<br />

A criatura humana tem torpezas<br />

dessas, mas nesse caso Nossa Senhora<br />

permitia para ir abrindo os olhos<br />

de mamãe a respeito das coisas.<br />

Foi-lhe pedido<br />

desapegar-se de tudo<br />

Eu mesmo presenciei várias situações<br />

semelhantes, por onde ela<br />

ia compreendendo que, em face da<br />

bondade dela, as pessoas, na sua<br />

grande maioria, ficariam indiferentes.<br />

Entretanto, ela mantinha sua<br />

posição por amor de algo infinitamente<br />

mais alto, quer dizer, de Deus<br />

Nosso Senhor.<br />

Ao longo da vida, ela foi constatando<br />

que essa atitude das pessoas<br />

não era apenas uma falha, mas quase<br />

se poderia dizer o contrário, que<br />

dentro do homem a bondade constitui<br />

um lapso, ou seja, de vez em<br />

quando acontece de ser bom. Mas<br />

se não for fiel à graça, e por razões<br />

religiosas, o ser humano é estável e<br />

continuamente ruim. Portanto, esta<br />

vida, essas criaturas humanas terrenas<br />

que ela se preparava para querer<br />

tanto não eram senão o contrário<br />

do que ela esperava, das quais recebia<br />

apenas decepção e ingratidão; e<br />

isso entre os mais próximos...<br />

Compreende-se bem como isso<br />

ia maturando a alma dela para fazer<br />

o seguinte balanço: “Ou minha vida<br />

foi vivida toda para Deus – e então<br />

se explica –, ou se não tivesse sido vivida<br />

para Ele, teria sido o maior erro<br />

que se possa imaginar, porque passei<br />

minha existência dando-me, dando-<br />

-me, dando-me e recebendo dos homens<br />

essa retribuição...”<br />

Pequenas circunstâncias fortuitas<br />

levaram a que, em determinado<br />

momento, mesmo a meu respeito,<br />

ela tivesse algumas provações. Por<br />

exemplo, eu percebia que ela tinha<br />

uma certa dificuldade em compreender<br />

a razão pela qual eu dedicava<br />

tanto tempo ao nosso Movimento,<br />

deixando-a sozinha. O que eu,<br />

no meio de mil carinhos, fazia inexoravelmente<br />

por saber ser a minha<br />

obrigação.<br />

Em certa ocasião, quando nos encontramos<br />

fortuitamente num corredor<br />

de nosso apartamento, ela me<br />

disse: “Meu filho, eu só tenho você,<br />

mas a você eu tenho inteiramente!”<br />

Vê-se que depois a Providência começou<br />

a exigir dela, até disso, um<br />

certo desapego: “Não pense em mais<br />

nada, nem em ninguém. Pense só em<br />

Deus.”<br />

Quando, em seus últimos instantes,<br />

ela sentiu a morte chegar, fez<br />

um grande Sinal da Cruz, juntou as<br />

mãos e morreu. Esse amplo Nome<br />

do Padre tem evidentemente o caráter<br />

de uma grande aceitação, uma<br />

grande resolução e uma grande confirmação:<br />

“É o que eu queria, é nisso<br />

que eu creio!”<br />

v<br />

(Extraído de conferência de<br />

16/1/1981)<br />

9


De Maria nunquam satis<br />

Teodoro Reis<br />

Uma devoção<br />

de luta<br />

O Rosário confere à meditação da vida<br />

de Nosso Senhor a nota marial por<br />

excelência, tendo por detrás a grande<br />

verdade de Fé a qual devemos anelar, do<br />

fundo de nossa alma, que se torne um<br />

dogma: a Mediação Universal de Maria.<br />

Dada a grandeza da festa do<br />

Santo Rosário, é importante<br />

dizermos uma palavra sobre<br />

esta devoção que consiste na meditação<br />

dos mistérios gaudiosos, dolorosos<br />

e gloriosos da vida de Nosso<br />

Senhor Jesus Cristo feita em três terços,<br />

cada qual com cinco mistérios.<br />

so Senhor existem na Igreja. Nós temos,<br />

por exemplo, a meditação feita<br />

segundo os Exercícios Espirituais de<br />

Santo Inácio. Essa técnica inaciana<br />

pode aplicar-se a cada um dos mistérios<br />

do Rosário. Existe outra devoção<br />

que medita os mistérios dolorosos<br />

magnificamente: a Via-Sacra.<br />

Portanto, embora seja o Rosário<br />

uma devoção muito importante,<br />

considerado na sua última coerência<br />

ele não é senão uma outra apresen-<br />

A pessoa verdadeiramente<br />

piedosa reza pelo menos<br />

um terço por dia<br />

Sem dúvida, é magnífico meditar<br />

a respeito dos mistérios da vida de<br />

Nosso Senhor. Ademais, os mistérios<br />

ali apontados, naquela enumeração,<br />

embora não sejam os únicos,<br />

estão muito bem concatenados e expostos,<br />

e podemos facilmente compreender<br />

o proveito que as almas<br />

têm com essa meditação.<br />

Entretanto, devemos reconhecer<br />

que outros métodos de meditação<br />

dos mistérios da vida de Nos-<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> em 1993<br />

Arquivo <strong>Revista</strong><br />

10


tação de estilos de meditação e atos<br />

de piedade que a Santa Igreja, no<br />

seu empenho materno, multiplica<br />

de várias formas.<br />

E, por causa disso, fica<br />

sem uma explicação<br />

muito clara a seguinte<br />

questão: Por que todos<br />

os inimigos da<br />

Igreja detestam tanto<br />

o Rosário? Detestam-no<br />

e combatem-no<br />

mais do<br />

que todas as devoções<br />

congêneres.<br />

Por que também,<br />

de outro lado,<br />

o Rosário é<br />

objeto de uma<br />

predileção especial<br />

dos verdadeiros<br />

filhos de Nossa<br />

Senhora e da Igreja,<br />

de maneira que tenham<br />

eles um grande<br />

apreço, não só ao método,<br />

mas a alguns imponderáveis<br />

ligados ao próprio<br />

objeto de piedade usado continuamente<br />

como uma espécie<br />

de garantia de bênção, de favor de<br />

Nossa Senhora, a ponto de, por exemplo,<br />

não se conceber uma pessoa verdadeiramente<br />

piedosa que não tenha<br />

sempre consigo seu terço e que não<br />

reze pelo menos um terço por dia? E<br />

não se concebe um membro do nosso<br />

Movimento que não reze o Santo<br />

Rosário, isto é, os três terços todos os<br />

dias; ou que, não o podendo fazer por<br />

justas razões, não tenha por isso um<br />

grande pesar e uma viva esperança de<br />

retornar a rezar o Rosário.<br />

Uma das belezas da<br />

Igreja Católica<br />

Nossa Senhora do Rosário - Mosteiro<br />

de São Pelayo de Antealtares,<br />

Santiago de Compostela,<br />

Espanha<br />

São numerosas as Ordens Religiosas<br />

que usam o Rosário como elemento<br />

integrante de seu hábito. É<br />

generalizado o costume de enterrar<br />

os defuntos com um Rosário entrelaçado<br />

nas mãos. Ou seja, para esperar<br />

a ressurreição dos mortos, o verdadeiro<br />

católico não se contenta em<br />

ir para a sepultura com um crucifixo,<br />

mas vai também com o Santo Rosário.<br />

As indulgências com as quais os<br />

Papas cobriram o Rosário são sem-<br />

-número. A invocação de Nossa Senhora<br />

do Rosário é generalizadíssima:<br />

catedrais, dioceses, famílias religiosas,<br />

pessoas usando o nome “Rosário”<br />

em várias nações.<br />

De todos os lados o Rosário goza<br />

de uma influência, de uma aceitação<br />

da parte dos bons comparável<br />

apenas ao ódio que experimenta<br />

da parte dos maus. Há vários fatos<br />

que narram como o demônio,<br />

procurando atormentar esta ou<br />

aquela alma, recua quando a pessoa<br />

atormentada acena para ele com o<br />

Rosário. Todo mundo que tem<br />

mau espírito odeia o Rosário,<br />

subestima-o ou diretamente<br />

o combate. Por<br />

exemplo, os jansenistas<br />

o odiavam, os protestantes<br />

o odeiam.<br />

Poderíamos, então,<br />

nos perguntar<br />

a razão dessa<br />

glória tão especial<br />

do Rosário para<br />

a qual, afinal de<br />

contas, não encontramos<br />

um fundamento<br />

quando<br />

analisamos a última<br />

substância do<br />

Rosário, que é a<br />

meditação dos mistérios<br />

da vida e Paixão<br />

de Nosso Senhor<br />

Jesus Cristo.<br />

Parece-me que, de<br />

início, devemos reconhecer<br />

ser esta uma das belezas<br />

da Igreja Católica. Sendo<br />

ela enormemente precisa<br />

no seu pensamento teológico, é,<br />

entretanto, cheia de imponderáveis,<br />

os quais, por alguns aspectos, constituem<br />

o suco da devoção.<br />

Flavio Lourenço<br />

Mediação Universal de<br />

Maria Santíssima<br />

Tomemos como exemplo a devoção<br />

admirável da Via-Sacra. Nela se encontra<br />

algo da ternura de São<br />

Francisco de Assis, e seus imponderáveis<br />

convidam a uma<br />

meditação enternecida, comovida<br />

da Paixão de Nos-<br />

Rodrigo C.B.<br />

11


De Maria nunquam satis<br />

Teodoro Reis<br />

so Senhor Jesus Cristo e de sua morte<br />

sacratíssima, de um modo especial.<br />

Há um espírito que flutua em torno da<br />

Via-Sacra que constitui, talvez, o melhor<br />

de sua eficácia. É uma graça específica<br />

ligada a essa forma de devoção.<br />

Também os Exercícios Espirituais<br />

de Santo Inácio são um modo não propriamente<br />

de devoção, mas de meditação<br />

que traz consigo uma graça especial<br />

de lógica, de energia, de honestidade<br />

de consciência e de generosidade ao<br />

pôr-se o fiel diante dos problemas relacionados<br />

com sua salvação eterna.<br />

No Rosário, a grande fonte de inspiração<br />

de nossa meditação e o alvo<br />

imediato de nossa oração é a Santíssima<br />

Virgem. A meu ver, é por causa<br />

dessa focalização muito especial de<br />

Nossa Senhora que o Rosário constitui<br />

a devoção marial por excelência,<br />

tendo por detrás a grande verdade<br />

de Fé que devemos anelar do fundo<br />

de nossa alma que se torne um dogma:<br />

a Mediação Universal de Maria.<br />

O sistema de rezar o Rosário apelando<br />

para Nossa Senhora em tudo,<br />

rezando Ave-Marias enquanto se considera<br />

algum episódio, ora relacionando<br />

a oração com aquele fato, ora concentrando<br />

o principal da atenção no<br />

mistério, ora na Ave-Maria, em todo<br />

caso, sempre numa união contínua<br />

com Nossa Senhora, eis o caráter marial<br />

que, a meu ver, constitui o suco<br />

do Rosário, pois esta devoção não teria<br />

sentido se a Mediação Universal de<br />

Maria não fosse verdadeira.<br />

Por representar um prelúdio de toda<br />

a teologia de São Luís Maria Grignion<br />

de Montfort, da verdade de Fé referente<br />

à Mediação Universal, o Rosário<br />

é tão odiado pelo demônio. E é por<br />

causa desse imponderável que nós nos<br />

devemos agarrar muito ao Rosário.<br />

Em suma, por causa da nota marial<br />

que o Rosário confere à meditação da<br />

vida de Nosso Senhor, é um sinal de<br />

predileção de Nossa Senhora o fato de<br />

alguém ter uma devoção especial ao<br />

Santo Rosário. Também é um sinal de<br />

que Ela ama alguém o fato de, através<br />

do Rosário, levar a alma a amar uma<br />

posição que só se justifica em face da<br />

Mediação Universal. Portanto, o Rosário<br />

é o verdadeiro símbolo da devoção<br />

do fiel a Nossa Senhora, daquele<br />

que quer pertencer a Ela plenamente.<br />

Que Nossa Senhora<br />

faça de nós lutadores<br />

inteiramente d’Ela<br />

Isso se confirma pelo ódio do demônio<br />

e dos maus a essa devoção. Por<br />

vezes eles são mais perspicazes do que<br />

os bons; e quando odeiam muito algo,<br />

nós já podemos ter a certeza de que<br />

aquilo é muito bom.<br />

A razão pela qual, ao decorarmos<br />

nossa sede principal, colocamos<br />

na porta da capela um Rosário pendente<br />

de uma espada, é para chamar<br />

a atenção para duas verdades ou<br />

dois pensamentos que devem marcar<br />

quem ali entra: antes de tudo, a fidelidade<br />

ao Rosário e, através dele, a<br />

essa devoção omnímoda a Nossa Senhora,<br />

que é, afinal de contas, a da<br />

Mediação Universal. Depois, a espada<br />

que nos lembra o espírito de luta.<br />

Não é por mero enfeite que aquilo<br />

está lá, mas foi colocado de propósito,<br />

daquele jeito, para chamar a atenção<br />

daqueles que entram e marcar como<br />

um prefácio, preparando por uma<br />

espécie de golpe na mentalidade de<br />

quem entra o espírito com o qual deve-<br />

-se estar dentro daquela<br />

capela. Esse simbolismo<br />

é um estímulo contínuo<br />

que nós quereríamos dar<br />

para que, cada vez mais,<br />

praticássemos a devoção<br />

ao Santo Rosário.<br />

Fica, então, este pensamento<br />

para nos lembrar<br />

de que o Rosário<br />

é uma devoção de luta<br />

e nós estamos numa<br />

época de batalhas. Peçamos,<br />

pois, a Nossa Senhora<br />

que faça de nós<br />

autênticos lutadores inteiramente<br />

d’Ela. Não<br />

conheço melhor pedido<br />

para ser feito através do<br />

Santo Rosário. v<br />

(Extraído de conferência<br />

de 6/10/1966)<br />

12


Château de Versailles enligne (CC3.0)<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> comenta...<br />

O ideal de Cavalaria,<br />

plenitude do espírito católico - I<br />

O principal elemento do ideal de Cavalaria é o alto sentido<br />

pelo qual o cavaleiro combate: a Santa Igreja Católica e a<br />

Civilização Cristã. Pelo senso católico o verdadeiro cavaleiro<br />

discerne a necessidade mais preeminente da Igreja e luta por<br />

ela. Um dos traços mais característicos do cavaleiro é o gosto<br />

pelo risco que o faz, por assim dizer, tocar em Deus.<br />

Apalavra “Cavalaria” traz consigo<br />

uma série de ressonâncias<br />

heroicas e brilhantes. Ao<br />

falar sobre ela temos a impressão de<br />

ouvir o tropel de vários cavalos que<br />

seguem garbosamente rumo à aventura<br />

e ao adversário.<br />

Um homem que atingiu<br />

a sua plenitude<br />

Por cima do cavalo, naturalmente,<br />

o cavaleiro. Nós o imaginamos um<br />

homem que realiza o seguinte estado<br />

de espírito: atira-se sobre desco-<br />

nhecidos, em direção à luta e aos riscos.<br />

Está encantado com o que faz,<br />

embora possa lhe ocorrer as piores<br />

coisas: ser ferido, morto, ficar estropiado<br />

a vida inteira. Entretanto, vai<br />

alegre para essa aventura, porque<br />

deseja a vitória de um ideal e alme-<br />

13


<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> comenta...<br />

Painting by J.J. Dassy (CC3.0)<br />

ja ser cercado de uma grande glória.<br />

O cavaleiro nos parece, debaixo desse<br />

ponto de vista, o homem que atingiu<br />

a sua plenitude.<br />

Há uma forma de admiração pelo<br />

cavaleiro que não se tem por todas<br />

as outras plenitudes que o homem<br />

possa realizar. Por exemplo, a<br />

plenitude da sabedoria de quem alcança<br />

uma grande ciência, do senso<br />

diplomático, do tato político, do gosto<br />

artístico ou da oratória. Nenhuma<br />

dessas plenitudes parece ter importância<br />

quando as comparamos com a<br />

do cavaleiro que parte para a Cruzada<br />

tendo marcado o peito com uma<br />

cruz, a cabeça protegida pelo elmo<br />

de metal prateado e encimado por<br />

um penacho, portando o escudo e<br />

cingindo a espada, e sobre quem bate<br />

o Sol enquanto ele avança para a<br />

luta. Este parece realizar a plenitude<br />

humana de um modo insuperável!<br />

O ideal da Cavalaria:<br />

a Igreja Católica<br />

Poderíamos nos perguntar o que<br />

há de tão extraordinário no ideal de<br />

Cavalaria para entusiasmar tantos<br />

homens ao longo da História. Ainda<br />

hoje, quando se quer fazer o elogio<br />

de alguém, afirmar que é um homem<br />

completo, no sentido mais nobre da<br />

palavra, diz-se ser um perfeito cavaleiro.<br />

Ou seja, ele é ao mesmo tempo<br />

corajoso e cortês, condescendente,<br />

amável, cheio de bondade, mas valente,<br />

audacioso e seguro de si.<br />

Poder-se-ia dizer que a noção de<br />

Cavalaria está para nós como o penacho<br />

para o elmo de um cavaleiro.<br />

O elmo pode ser o mais bonito, mas<br />

sem o penacho flutuando ao vento<br />

ele não realiza toda a sua beleza. Assim,<br />

também, todos os nossos ideais<br />

podem ser comparados a um elmo.<br />

Entretanto, o penacho é o ideal do<br />

cavaleiro.<br />

O que é, precisamente, o ideal de<br />

Cavalaria? Seu principal elemento é<br />

o alto sentido pelo qual o cavaleiro<br />

combate. Ele é antes de tudo um católico<br />

apostólico romano, vive para a<br />

causa da Igreja e quer que ela vença.<br />

Porém, não se trata de um querer<br />

sob qualquer aspecto. Não é, por<br />

exemplo, como um missionário, um<br />

pregador, um indivíduo que se preocupe<br />

com a arte sacra. Todas essas<br />

coisas são excelentes para a causa<br />

da Igreja, mas o cavaleiro é aquele<br />

que considera a maior das necessidades<br />

dela no presente momento e<br />

a atende.<br />

Assim, no tempo das Cruzadas,<br />

vemos que a luta contra os maometanos<br />

constituía uma necessidade<br />

primordial. De que valeria ter universidades,<br />

construir catedrais, castelos,<br />

fazer uma civilização esplêndida,<br />

se os maometanos entrassem e<br />

derrubassem tudo? Não teria adiantado<br />

de nada. Ou seja, as lutas contra<br />

os mouros era um ponto de importância<br />

tal que todo o resto dependia<br />

disso. Se nessa luta os católicos<br />

vencessem, tudo poderia se<br />

esperar; se não vencessem, tudo se<br />

perdia.<br />

O cavaleiro é dotado de uma particular<br />

forma de senso católico que<br />

o leva a tratar da causa essencial, ir<br />

diretamente ao mais importante, ao<br />

mais exato e ali aplicar os seus recursos.<br />

É um homem que se dedica<br />

à salvação pública e ao que é supereminente<br />

dentro da causa católica.<br />

O gosto pelo risco e<br />

pelo sacrifício<br />

Outro elemento essencial dentro<br />

da Cavalaria é o gosto pelo risco. O<br />

cavaleiro luta por sua vida, mas não<br />

hesita em expô-la pela causa à qual<br />

serve. É o herói católico que vai de<br />

encontro à morte para defender a<br />

Igreja e a Civilização Cristã naqui-<br />

14


lo que ela mais precisa. Tem-se, assim,<br />

a ideia de Cavalaria inteiramente<br />

posta. Essa noção de gosto pelo<br />

risco, pelo sacrifício precisa ser especialmente<br />

acentuada, porque nela<br />

encontramos o traço mais característico<br />

do cavaleiro.<br />

De si, o homem tem pânico do<br />

risco. O instinto de conservação e<br />

o bom senso levam-no a poupar-se.<br />

Qualquer pessoa colocada diante<br />

de um perigo tem medo e razoavelmente<br />

procura fugir. Alguém com<br />

muito heroísmo pode até enfrentar<br />

o adversário ou o perigo com<br />

resignação. Por exemplo, durante<br />

uma epidemia de meningite, cuidar<br />

de pessoas que contraíram essa<br />

doença contagiosa é um ato de coragem,<br />

porque a moléstia pode matar<br />

quem está tratando dos outros.<br />

Apesar disso, a pessoa pode ir resignadamente<br />

tratar dos atingidos pela<br />

meningite.<br />

Um cavaleiro vai resignadamente<br />

para a guerra? Não. Mais do que<br />

uma resignação, ele tem euforia, alegria!<br />

Qual o fundo dessa euforia do<br />

cavaleiro com o risco? Como um perigo<br />

pode transformar-se numa alegria<br />

para um homem?<br />

Todo homem sente em si a condição<br />

de criatura contingente e sabe<br />

que vai morrer. A morte é inerente<br />

à natureza humana, assim como respirar,<br />

comer, dormir. O homem precisa<br />

morrer, e nisto há um ditame<br />

da Sabedoria Divina. Por natureza,<br />

Adão e Eva eram mortais. Deus concedeu-lhes<br />

a graça da imortalidade<br />

por um dom gratuito. Quando, em<br />

punição pelo pecado, o Criador retirou<br />

deles esse dom, passaram a estar<br />

sujeitos à morte. O primeiro homem<br />

que morreu foi Abel, assassinado<br />

por Caim. Depois, os outros começaram<br />

a morrer por doenças, acidentes<br />

e por tudo quanto morrem os<br />

homens.<br />

Se Adão e Eva não tivessem pecado,<br />

como teria sido o fim da vida deles?<br />

Teria sido, ao pé da letra, uma<br />

apoteose, uma glorificação. Eles<br />

iriam subindo de virtude em virtude,<br />

e quando tivessem alcançado perfeição<br />

para a qual foram criados, Deus<br />

os chamaria a Si para o Céu, e eles<br />

se elevariam aos olhos de todos os<br />

descendentes numa festa paradisíaca<br />

extraordinária, e passariam do Paraíso<br />

terreno para o celeste.<br />

World Imaging (CC3.0)<br />

No fim da vida, todo ser<br />

humano deve deixar esta<br />

Terra e ir para o Céu<br />

15


<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> comenta...<br />

Podemos imaginar essa apoteose<br />

da seguinte maneira: Adão, por<br />

exemplo, com novecentos anos, tendo<br />

chegado ao ápice de sua virtude,<br />

iria se tornando cada vez mais luminoso,<br />

elevado, mais unido a Deus<br />

que, em determinado momento, o<br />

avisaria: “Tu, agora, vais deixar o<br />

mundo.” Adão convocaria todo o gênero<br />

humano em torno dele, centenas<br />

ou milhares de descendentes que<br />

povoariam o Paraíso. Então, do alto<br />

de uma montanha, começaria a subir<br />

lentamente. Os homens glorificando-o<br />

e ao mesmo tempo ouvindo<br />

cantos dos Anjos descendo para chamá-lo<br />

até Deus. Assim o primeiro<br />

homem subiria até o Céu. Seria uma<br />

verdadeira maravilha.<br />

Entretanto, mesmo sem morrer,<br />

Adão teria de deixar esta Terra e tudo<br />

quanto é dela, e ir para o Céu.<br />

Glória: o efeito que se volta<br />

para a própria causa<br />

Que princípio está por detrás disto?<br />

Como explica São Tomás de<br />

Aquino, o movimento perfeito é<br />

aquele cujo ponto terminal volta à<br />

própria causa. Assim, a criatura atinge<br />

sua perfeição quando, percorrendo<br />

todo o seu périplo, retorna à Causa<br />

que a produziu. Nesta volta do<br />

efeito à sua própria causa encontra-<br />

-se a definição de glória.<br />

Por exemplo, uma bela escultura<br />

é a expressão do talento do escultor,<br />

e nisso há uma glória, porque<br />

aquela obra, a seu modo, louva<br />

quem a fez. Isso se dá com ainda<br />

mais propriedade nas criaturas<br />

racionais. Assim, também o homem<br />

criado por Deus deve voltar a Ele<br />

para glorificá-Lo.<br />

Por este princípio, se Deus não tivesse<br />

dado a imortalidade a Adão no<br />

Paraíso e, sem ter pecado, ele tivesse<br />

de morrer, ainda assim seria muito<br />

bonito. Debaixo de certo ponto de<br />

vista, talvez tivesse uma beleza maior,<br />

apesar do lado sinistro da morte. Se-<br />

ria a bela atitude<br />

do homem<br />

que, terminada<br />

sua<br />

trajetória na<br />

Terra, compreende<br />

que precisa<br />

passar por uma<br />

destruição, isto<br />

é, a separação entre<br />

alma e o corpo,<br />

e por esse meio dar<br />

glória a Deus. Ele<br />

imerge nessa destruição<br />

por um ato de adoração<br />

e diz: “Ó Deus,<br />

sois tão perfeito, tão celeste,<br />

numa palavra só,<br />

tão divino, que quero me<br />

unir a Vós, mesmo tendo<br />

de passar por esse vale profundo.<br />

Já que me criastes,<br />

mereceis a minha destruição.<br />

Eu a aceito em louvor a Vós,<br />

meu Criador! Sei que sobreviverei<br />

à minha própria destruição<br />

e ressuscitarei, e me unirei a Vós<br />

por toda a eternidade.”<br />

Há, portanto, uma espécie de<br />

gosto nessa destruição que é o voltar<br />

para nossa Causa e dar glória<br />

a Ela, compreendendo a sublimidade<br />

desse ato pelo qual o homem,<br />

por amor e para a glória<br />

de Deus, aceita ser destruído. E,<br />

no ato de destruição, ele é como<br />

que assumido, colhido e levado<br />

por Deus.<br />

Por pior e mais triste que seja,<br />

a morte do homem em estado<br />

de graça é uma coisa sublime.<br />

Podemos imaginar tudo: a saúde<br />

que vai se retirando, os sentidos<br />

desaparecem, os suores finais, a última<br />

agonia... Morreu, a alma é colhida<br />

por Deus e levada ao Céu. Há<br />

o fim espetacularmente belo, embora<br />

o meio para chegar a ele seja tremendo.<br />

Mas o homem que tem<br />

Fé conhece a beleza desse<br />

fim e imerge na morte com<br />

decisão.<br />

A morte é o mais<br />

belo lance da vida<br />

Eu conheço a morte de uma senhora<br />

que foi assim. Ela estava extremamente<br />

idosa, o estado de saúde<br />

dela por um fio, movimentos indecisos.<br />

Quando ela sentiu que a hora<br />

da morte se aproximava, fez o<br />

Nome do Padre com toda a decisão<br />

de uma pessoa sadia. Morreu,<br />

Deus colheu a sua alma.<br />

Aceitar essa separação,<br />

compreendendo que é<br />

uma sublimação e uma<br />

Divulgação (CC3.0)<br />

16<br />

Godofredo de Bouillon<br />

Coudenberg, Bruxelas


elevação para o Céu, há nisto um ato<br />

de adoração a Deus e de plenitude<br />

do homem que faz da morte o mais<br />

belo lance da vida. Então, mais belo<br />

do que viver é morrer. A morte é o<br />

ápice. É isto que está no alto da noção<br />

de Cavalaria.<br />

O cavaleiro que caminha a todo<br />

tropel rumo ao adversário para libertar<br />

o Santo Sepulcro sabe que pode<br />

ser morto, mas compreende que<br />

ele atinge a sua finalidade morrendo<br />

em holocausto a esse Deus que lhe<br />

deu a vida. Assim ele é colhido por<br />

Ele, entra na glória e se une a Deus<br />

por toda a eternidade.<br />

A beleza desse salto no escuro e<br />

no desconhecido para encontrar do<br />

outro lado a luz eterna, a lógica e a<br />

clareza de entendimento com que a<br />

pessoa se atira têm uma força que é<br />

a mais bela ação do homem na vida.<br />

Essa alegria do homem no morrer e,<br />

portanto, no risco é propriamente o<br />

que dá dignidade à Cavalaria.<br />

Um cruzado paraquedista<br />

que luta e se imola por Deus<br />

Quando o homem sabe que está<br />

correndo risco com esta finalidade,<br />

o perigo é como que raspar pela<br />

Divindade, sentir-se envolto já em<br />

Deus por todos os lados para eventualmente<br />

ser colhido por Ele de qualquer<br />

forma e a qualquer momento.<br />

Eis o modo pelo qual o homem se<br />

eleva acima de todo o contingente e<br />

transitório, e compreende que a única<br />

coisa válida é Deus e aquilo que é<br />

eterno. Esse estado de espírito é de<br />

uma altura, uma pureza, uma nobreza<br />

que não se compara com nada.<br />

Pode-se entender, por estas considerações,<br />

a beleza do que seria um<br />

paraquedista cruzado em nosso século.<br />

Abre-se a porta do avião, vinte<br />

homens pulam no vácuo. O paraquedista<br />

fica esperando o paraquedas<br />

abrir – há casos em que não abre<br />

–, e vai descendo para o abismo. Por<br />

baixo, veem-se os tiros de metralhadora<br />

e os jatos de luz para focalizá-<br />

-lo e matá-lo. Ele está sobre um fio<br />

e a morte o cerca, assim como o vento,<br />

com aquele ar muito puro das alturas,<br />

o inunda por todos os lados.<br />

Nesse momento ele sente que está<br />

em contato com Deus, quase raspando<br />

n’Ele.<br />

A beleza fundamental disso está<br />

nessa espécie de “vizinhança” de<br />

Deus, que quase o colhe, e o paraquedista<br />

vai dizendo: “Sim, sim,<br />

sim!” Ele sabe que está realizando<br />

dois atos sublimes: lutando e imolando-se<br />

por Deus. Esse herói é uma<br />

vítima nas mãos do Criador. Do alto<br />

do Céu os Anjos acompanham os<br />

movimentos da luta e do corpo dele,<br />

vão sorrindo e cantando, dando<br />

glória a Deus pela decisão que esse<br />

valente tem de aceitar a morte. Se<br />

morrer, ele é levado para o alto; se<br />

não morrer, ele como que já transpôs<br />

os umbrais da vida e poderá dizer<br />

para os seus descendentes: “Meninos,<br />

eu já estive perto da morte!”<br />

Isso tem uma majestade! Equivale a<br />

dizer: “Eu estive perto de Deus!”<br />

De outro lado, há uma beleza especial<br />

nesse correr o risco: às vezes a<br />

pessoa pressente que Deus não quer<br />

que ela morra. Ela quereria, estaria<br />

disposta a ceder a sua vida, mas como<br />

não é a vontade divina, ela mesma<br />

sente aquela espécie de confiança<br />

de que, em meio a mil perigos,<br />

Deus vai protegê-la. Este misto de<br />

risco e proteção, este sentido de que<br />

a pessoa está nas mãos de Deus e de<br />

que Ele a ajuda é ainda uma forma<br />

de tocar no Criador.<br />

Tanto no perigo quanto na morte<br />

toca-se em Deus. Entretanto, no<br />

primeiro “raspamos”, como que tocamos<br />

com a mão n’Ele, sem entrar<br />

definitivamente em seu seio. Mas, de<br />

qualquer forma, para o verdadeiro<br />

católico o risco e a morte são meios<br />

de nossa alma se elevar esplendidamente<br />

a Deus. São estados de alma<br />

de grande união com Ele. Aí está<br />

exatamente a beleza do risco e da<br />

morte.<br />

v<br />

(Continua no próximo número)<br />

(Extraído de conferência de<br />

3/8/1974)<br />

Andrevruas (CC3.0)<br />

17


Reflexões teológicas<br />

Arquivo <strong>Revista</strong><br />

Da arquetipia ao<br />

sobrenatural<br />

A obra-prima da inteligência dá-se quando ela chega ao píncaro<br />

de sua própria capacidade de arquetipizar. É uma forma de<br />

inteligência na qual o indivíduo vê, tão longe quanto ele<br />

possa, a perfeição das coisas. O homem sacral deseja sempre<br />

ir mais além, pois possui um espírito ascensional infatigável.<br />

Interior da Catedral de<br />

Colônia, Alemanha<br />

Arquivo <strong>Revista</strong><br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> em 1986<br />

Quando o homem chega ao<br />

último ponto que a inteligência<br />

alcança, ao último<br />

impulso do senso do ser no desejo<br />

de arquetipia, onde ele atinge?<br />

E a que grau de arquetipia se<br />

prestam as coisas da natureza?<br />

A obra-prima da<br />

inteligência: o píncaro<br />

da capacidade de<br />

arquetipizar<br />

São, portanto, coisas diferentes:<br />

até que ponto eu, <strong>Plinio</strong>, levando<br />

adiante tanto quanto é<br />

possível em mim a arquetipia,<br />

há um limite além do qual eu, por minha<br />

natureza, não posso conceber a<br />

perfeição? Nesse limite eu paro. Eu<br />

acho até, diga-se de passagem, que o<br />

píncaro da inteligência é o píncaro da<br />

concepção da arquetipia.<br />

No mais agudo sentido, a obra-<br />

-prima da inteligência é quando ela<br />

chega ao píncaro de sua própria capacidade<br />

de arquetipizar. A obra<br />

criadora do homem não é o tirar<br />

uma coisa como que do nada e compor,<br />

mas é conceber, a partir do criado,<br />

a criatura em seu máximo grau<br />

de perfeição.<br />

Quer dizer, é uma forma de inteligência<br />

na qual o indivíduo vê, tão<br />

longe quanto ele pode, a perfeição<br />

18


das coisas. No que entra a inteligência,<br />

entra o acréscimo que a vontade<br />

dá à inteligência. A vontade, cheia<br />

de amor pela arquetipia natural – estou<br />

falando da natureza –, tende e<br />

dilata as fronteiras de sua inteligência.<br />

Por outro lado, a coisa bem compreendida<br />

aumenta as fronteiras da<br />

vontade. Há um dueto entre a inteligência<br />

e a vontade a caminho da<br />

máxima perfeição. Quando chega ao<br />

último grau que o homem pode alcançar<br />

em matéria de arquetipia, ele<br />

atingiu a fronteira de si mesmo. Esse<br />

homem, se não fosse o sobrenatural,<br />

poderia cantar o Nunc dimittis 1 .<br />

Quando eu deixar esta vida, queria<br />

apresentar-me a Deus e a Nossa<br />

Senhora tendo levado a minha possibilidade<br />

de arquetipizar tão longe<br />

quanto possível. Não gostaria de<br />

morrer antes de ter visto isto assim.<br />

Espero comparecer perante Deus<br />

com todo o grau de excelência que<br />

Ele, na ordem natural, possa ter querido<br />

para mim. Isto então é o píncaro<br />

da coisa vista em mim mesmo. E<br />

desejo também levar todos aqueles<br />

que me foram confiados aos respectivos<br />

píncaros. Nesse sentido, nossa<br />

vida é um convite contínuo para essa<br />

arquetipização.<br />

Luis C.R. Abreu<br />

Até onde algo pode<br />

ser arquetipizado?<br />

A Virgem e o Menino - Portal da Catedral de Colônia, Alemanha<br />

Outra consideração a fazer seria:<br />

até que ponto a coisa, em si, se presta<br />

a ser arquetipizada? Ela tem uma<br />

fronteira e, objetivamente, não pode<br />

ser sublimada além de um certo<br />

limite.<br />

Por exemplo, uma xícara. Eu seria<br />

capaz de imaginar a xícara ideal?<br />

Eu julgaria interessante organizar<br />

um museu com uma coleção de<br />

todas as xícaras que houve no mundo<br />

e que foram dignas de serem vistas...<br />

Como se visita um museu assim?<br />

É perguntando-se, antes de entrar,<br />

o seguinte: Como seria a xícara<br />

arquetipizada, perfeitíssima? Depois,<br />

outra pergunta que seria muito<br />

interessante: Para a xícara arquetípica,<br />

qual a colherzinha ideal?<br />

De fato, este seria o epílogo da alma<br />

e o sentido da velhice de um homem<br />

de pensamento, quando, por<br />

exemplo, ele se aposenta, passa a<br />

tarde lendo jornal, conversando um<br />

pouco com um amigo, enfim, fazendo<br />

de tudo e nada, e dão a ele a<br />

oportunidade de arquetipizar o panorama<br />

geral da vida que teve. Isso,<br />

repito, é na ordem da natureza.<br />

Eu gostaria, muito de passagem,<br />

de deixar assinalado esse conceito<br />

de inteligência. Não é compreender<br />

depressa, nem a fundo. É compreender<br />

no alto. Por exemplo, conheci<br />

alguém que não tinha a inteligência<br />

assim. Essa pessoa procurava<br />

sempre o prático, o concreto e o meticuloso.<br />

Ora, é preciso arquetipizar!<br />

19


Reflexões teológicas<br />

Dennis Ludlow (CC3.0)<br />

Brego (CC3.0)<br />

Ulrich Oestringer (CC3.0)<br />

Aspectos de Rothenburg, Alemanha<br />

A arte popular é a atitude do camponês<br />

que arquetipiza o mundo dele.<br />

E não é fazer o mundo de um conde,<br />

é produzir a arte popular. Linda, esplêndida!<br />

A cidade de Rothenburg,<br />

por exemplo. Há museus para esse<br />

gênero de arte. Tudo que se chama<br />

artesanato tende a isso. Ninguém<br />

compreenderá a Idade Média se não<br />

tiver estas noções bem postas dentro<br />

da alma.<br />

Outro exemplo: o indivíduo que<br />

inventou a ogiva vale mais do que<br />

Colombo que descobriu a América,<br />

nem há comparação. Não se sabe<br />

quem é, é um anônimo. Mas um homem<br />

que primeiro arquetipizou uma<br />

janela para daí sair a ogiva e partindo<br />

dessa coisa quadrada – aliás, a<br />

Renascença adorou a janela em ângulo<br />

reto – pensou na ogiva, é um gênio,<br />

um gigante. Eu gostaria de me<br />

ajoelhar diante dele, se ele foi um<br />

santo.<br />

Outro ponto é a questão dos limites<br />

da arquetipização na própria coisa.<br />

Porque, por exemplo, não parece<br />

que se possa fazer de uma janela<br />

uma forma mais bonita do que uma<br />

ogiva. Neste gênero, a ogiva parece<br />

ter chegado ao fim do caminho. É<br />

mesmo ou haveria mais?<br />

Da arquetipia à graça<br />

Há uma coleção de arquetipias<br />

possíveis, mas somando, reunindo<br />

todas elas, fica uma figura vaga de<br />

algo que Deus não criou, que mais<br />

ou menos existirá, provavelmente no<br />

Céu Empíreo, e nos deixará inteiramente<br />

sem saber o que dizer.<br />

Quando o homem chega a esse<br />

ponto, a sua alma não está satisfeita.<br />

Pelo contrário, ele localiza uma zona<br />

dela que estava na bruma, dormindo,<br />

e que era para ele, por causa disso,<br />

uma fonte de mal-estar medonho<br />

– porque a alma quando dorme cansa,<br />

e quando trabalha descansa –, algo<br />

por onde ele tendo arquetipizado<br />

tudo, chega à conclusão: “Está perfeito,<br />

mas há mais! Eu não me farto<br />

com isso. Eu alcancei tudo, e mais<br />

uma vez cheguei a um píncaro. Anseio<br />

por mais, entretanto, verifico<br />

que na natureza não há mais.”<br />

Aí é a hora da graça. Porque nessa<br />

hora a alma conhece aquilo que ela<br />

desejava sem encontrar na ordem da<br />

natureza. Ela não sabia, mas ela varou<br />

a ordem da natureza à procura de<br />

algo mais alto do que a natureza pode<br />

dar. Esta coisa mais elevada é a graça.<br />

Quando, então, a pessoa recebe<br />

uma graça, obtém qualquer coisa em<br />

que ela entende que seu papel está<br />

alterado: não é mais ela que vai à<br />

procura do píncaro, é o píncaro que<br />

vai se afundando dentro dela. É um<br />

píncaro voltado para baixo, que vai<br />

entrando nela. É a caminhada dela<br />

para subir para o píncaro que desce,<br />

20


à maneira da estalagmite e estalactite<br />

que tendem a se unir.<br />

Neste caso é muito mais a receptividade<br />

do alto da estalagmite para<br />

encontrar a estalactite do que o<br />

contrário. Inicia-se uma via na qual,<br />

através da oração e do pedido incessante<br />

e humilde, a pessoa pede para<br />

receber aquilo que ela não pode puxar,<br />

que é a estalactite até embaixo,<br />

mas que ela pode atrair.<br />

É interessante que quando a graça<br />

toca no homem, ela vai embebendo<br />

toda a “estalagmite”. A graça não<br />

é como no fenômeno natural – a estalagmite<br />

e a estalactite são consolidações<br />

do mesmo líquido que pinga<br />

–, ela é a ponta do dedo de Deus.<br />

A estalagmite miserável é a pontinha<br />

do dedinho do homem. São coisas<br />

completamente diferentes. A graça<br />

vai impregnando cada vez mais o homem.<br />

Tudo quanto ele viu antes sob<br />

o mero aspecto da natureza vai tomando<br />

para ele consonâncias sobrenaturais<br />

maravilhosas. Na ponta disso<br />

ele está pronto para o Céu.<br />

Uma sublime preparação<br />

para a morte<br />

Um de meus desejos com o que foi<br />

exposto é fazê-los compreender como<br />

devem ser, em nossa família de al-<br />

Catedral de Bayonne, França<br />

Flávio Lourenço<br />

Ivan Aivazovsky (CC3.0)<br />

Chegada de Colombo à América (Coleção particular)<br />

mas, os últimos anos da vida de um<br />

homem e o seu repouso final. Seria<br />

um deslumbramento contínuo – com<br />

as noites escuras, as cruzes e as dores<br />

– até a “toilette” final da alma, que é<br />

feita por Deus, como um rei mandaria<br />

enfeitar a sua noiva do modo como<br />

ele desejasse, para estar à altura<br />

de se casar com ele. O soberano daria<br />

as joias, os tecidos, as ideias, as diretrizes,<br />

e as mandaria cumprir. Assim<br />

também faz Deus com nossas almas.<br />

21


Reflexões teológicas<br />

Eu acho que isto é profundamente<br />

católico. Lamento muito que as<br />

preparações para a velhice e para a<br />

morte não se façam em função desse<br />

ponto de vista. Só essa perspectiva<br />

dá ao homem a resignação de<br />

envelhecer e a esperança de ressuscitar.<br />

Em última análise, para resumir<br />

tudo numa palavra só, a perfeição<br />

natural prepara o conhecimento da<br />

transcendência e tende para ela. A<br />

transcendência é um abismo, um infinito,<br />

pois o seu objeto é Deus. Mas<br />

para lá tende o homem com toda a<br />

sua alma.<br />

Sacralidade e sobrenatural<br />

Agora, o que é a sacralidade? Há<br />

um estado da natureza vagamente<br />

análogo ao sobrenatural. Donde<br />

se pode dizer, por analogia, de uma<br />

coisa natural que ela tem algo de sacral.<br />

Um grandioso panorama pode<br />

dar a impressão de algo sacral. O<br />

termo “sacral”, em seu sentido próprio<br />

corresponde ao sobrenatural;<br />

no sentido analógico é uma excelência<br />

tão grande do natural que faz<br />

pensar no sobrenatural.<br />

O homem sacral é aquele cuja<br />

mentalidade está toda impregnada<br />

desse conhecimento transcendente<br />

ao qual me referi acima, desse amor<br />

e dessa força ascendente rumo ao<br />

sobrenatural. Porque não basta ele<br />

imergir nas águas do sobrenatural, é<br />

preciso querer ir mais além. Este é o<br />

homem sacral, dotado de espírito ascensional<br />

infatigável.<br />

O que é o homem sagrado? É<br />

quem recebeu um sacramento da<br />

Igreja que de modo particular o ligou<br />

com a ordem sobrenatural, deu-<br />

-lhe poderes dentro dela e se apossou<br />

dele para fazê-lo um instrumento<br />

ministerial dessa ordem. E, portanto,<br />

ainda que não queira, ele tem<br />

na sua alma elementos pelos quais,<br />

tocando-se nele, toca-se no sobrenatural.<br />

Entretanto, esse homem poderá<br />

ter muito mais se ele se der inteiramente<br />

a essa transcendência.<br />

A Igreja Católica é a<br />

sagrada fonte da sacralidade<br />

A Igreja é de tal maneira sagrada,<br />

a tal ponto escachoa toda espécie de<br />

sacralidades, que ela é a fonte de to-<br />

Vicente Torres<br />

Library of Congress (CC3.0)<br />

Catedral de Colônia em 1900<br />

22<br />

São Francisco de Assis - Igreja de São<br />

Francisco de Assis, Ouro Preto, Brasil


das as sacralidades. Ela é sacral em<br />

tão alto grau que a palavra “sacral”<br />

fica para ela meio apagada, e tendemos<br />

a dizer que ela é sagrada. Não<br />

porque ela não possua a sacralidade,<br />

nem por esta não lhe ser apropriada,<br />

mas porque é característico dela um<br />

estado tão eminente, que é, em certo<br />

sentido, um gênero maior na sacralidade.<br />

A Igreja é então sagrada porque<br />

foi revestida de todos os dons sobrenaturais<br />

por Deus. Mas é sagrada<br />

também nisto: na ordem do sagrado,<br />

os dons a colocaram sumamente elevada<br />

e lhe deram o caráter de fonte,<br />

quase um papel parecido com o<br />

de Deus na Criação: a Igreja é, em<br />

certo sentido, o motor imóvel, o fim<br />

último. Como fonte, ela seria como<br />

que a criadora de todo sagrado existente<br />

na Terra, de maneira que pousando<br />

n’Ela o olhar, a pessoa conclui:<br />

“Cheguei a meu ponto, embo-<br />

Flávio Lourenço<br />

ra aí dentro ainda possa subir.” É o<br />

mais alto concebível. São os degraus<br />

por onde se chega ao Céu.<br />

Por isso a palavra “sacral” torna-<br />

-se um pouco, ou bastante, fraca para<br />

a Igreja, quase inadequada, como<br />

se dissesse: “Tal rei é bem-educado.”<br />

Estala a palavra. Embora o rei, de<br />

fato, seja bem-educado, não se pode<br />

compreender um rei mal-educado.<br />

Aliás, deve ser o modelo da boa<br />

educação.<br />

Portanto, perguntar se o vocábulo<br />

“sacral” é um monopólio da ordem<br />

temporal, não é. Seria um monopólio<br />

da Igreja se esta não estalasse a<br />

palavra. Mas o termo convém inteiramente<br />

a ela. A Igreja é a sagrada<br />

fonte da sacralidade.<br />

Sacralidade e ordem<br />

temporal<br />

Pico das Agulhas Negras, Rio de Janeiro, Brasil<br />

Pelo contrário, a sacralidade convém<br />

à ordem temporal como o seu<br />

mais alto adorno. Assim como se diz<br />

que a Igreja é a sagrada fonte da sacralidade,<br />

deve-se dizer que a ordem<br />

temporal é toda embebida de algo<br />

mais alto do que ela e reluz da vida<br />

sobrenatural da qual ela não é fonte,<br />

mas um receptáculo. Ela cintila<br />

e deflui, não como o alto da montanha<br />

onde nasce uma fonte, mas como<br />

as encostas por onde baixam as<br />

águas nascidas no píncaro. O alto da<br />

montanha é a Igreja. A ordem temporal<br />

é a parte mais alta em torno do<br />

cume, e de onde tudo defluiu para<br />

baixo. Daí o caráter sacral da ordem<br />

temporal.<br />

Há dois modos de alguém se deixar<br />

penetrar pelo sacral. Um é a vocação<br />

de renunciar a tudo quanto é<br />

terreno, mas completamente, até o<br />

limite do inconcebível, para servir<br />

inteiramente a Deus. Então, renunciar<br />

até àquilo que é legítimo possuir.<br />

Outro é, pelo contrário, utilizar-se<br />

daquilo que Deus deu de um<br />

modo tão santo, que se santifique<br />

em alto grau no uso daquelas coisas.<br />

Dois exemplos característicos seriam<br />

São Luís, Rei da França e São<br />

Francisco de Assis. São Francisco de<br />

Assis levou ao extremo os despojamentos<br />

da pobreza; São Luís, pelo<br />

contrário, foi santo num píncaro da<br />

ordem temporal. São vocações distintas.<br />

v<br />

(Extraído de conferência de<br />

14/11/1986)<br />

1) Referência ao Cântico de Simeão:<br />

“Deixai, agora, vosso servo ir em<br />

paz...” (Lc 2, 29-32).<br />

J.P. ramos<br />

São Luís Rei - Igreja Nossa Senhora<br />

da Assunção, Caussade, França<br />

23


Flávio Lourenço<br />

C<br />

alendário<br />

1. Santa Teresinha do Menino Jesus,<br />

virgem e Doutora da Igreja<br />

(†1897).<br />

Beato Luís Maria Mónti, religioso<br />

(†1900). Fundador da Congregação<br />

dos Filhos da Imaculada Conceição.<br />

Morreu na casa para órfãos por<br />

ele instituída em Saronno, Itália.<br />

2. Santos Anjos da Guarda.<br />

Beato Antônio Chevrier, presbítero<br />

(†1879). Fundou em Lyon, França, a<br />

Obra da Providência do Prado.<br />

3. Bem-aventurados André de Soveral,<br />

Ambrósio Francisco Ferro, presbíteros,<br />

e companheiros, mártires (†1645).<br />

Santo Hesíquio, monge (†s. IV).<br />

Discípulo de Santo Hilarião e seu<br />

companheiro de peregrinação, morreu<br />

em Mayuma, Palestina.<br />

4. São Francisco de Assis, religioso<br />

(†1226).<br />

Santa Áurea, abadessa (†c. 666).<br />

Designada por Santo Elígio para ser<br />

superiora do mosteiro por ele fundado<br />

em Paris segundo a regra de São<br />

Columbano.<br />

5. São Benedito, o Negro, religioso<br />

(†1589).<br />

dos Santos – ––––––<br />

Santa Flora, virgem (†1347). Religiosa<br />

da Ordem de São João de Jerusalém.<br />

Dedicou-se à assistência aos enfermos<br />

pobres no Hospital de Beaulieu, França.<br />

6. XXVII Domingo do Tempo Comum.<br />

São Bruno, presbítero e eremita<br />

(†1101).<br />

Beata Maria Rosa Durocher, virgem<br />

(†1849). Fundou em Longueuil,<br />

Canadá, a Congregação das Irmãs<br />

dos Santos Nomes de Jesus e Maria.<br />

7. Nossa Senhora do Rosário. Ver<br />

página 10.<br />

Beato Martinho Cid, abade<br />

(†1152). Fundou o mosteiro de Bellafuente,<br />

em Valparaíso, Espanha, e o<br />

agregou à Ordem Cisterciense.<br />

8. Santo Hugo, religioso (†a. 1233).<br />

Após ter prestado serviço militar na<br />

Terra Santa, foi designado Mestre da<br />

Encomenda da Ordem de São João<br />

de Jerusalém na cidade de Gênova,<br />

Itália, onde se destacou pela sua bondade<br />

e caridade com os pobres.<br />

9. São Dionísio, bispo, e companheiros,<br />

mártires (†s. III).<br />

São João Leonardi, presbítero<br />

(†1609).<br />

Santo Abraão, patriarca. Atendendo<br />

ao chamado de Deus, partiu de<br />

Ur dos Caldeus em busca da terra<br />

prometida.<br />

10. Beato Eduardo Detkens,<br />

mártir (†1942). Sacerdote<br />

polonês morto na<br />

câmara de gás, em Linz,<br />

Áustria.<br />

11. São Meinardo, bispo<br />

(†1196). Monge alemão que,<br />

já em avançada idade, partiu<br />

para evangelizar a Letônia,<br />

onde foi ordenado Bispo.<br />

12. Solenidade de Nossa Senhora<br />

da Conceição Aparecida.<br />

São Calisto I<br />

São Félix IV, Papa (†530). Transformou<br />

dois templos do Foro Romano<br />

na basílica dedicada aos Santos Cosme<br />

e Damião.<br />

13. XXVIII Domingo do Tempo Comum.<br />

São Rômulo, bispo (†s. V). Cheio<br />

de ardor apostólico, morreu durante<br />

uma visita pastoral aos povoados rurais<br />

de sua diocese de Gênova, Itália.<br />

14. São Calisto I, Papa e mártir<br />

(†c. 222).<br />

Beato Diogo Kagayama Haito,<br />

mártir (†1619). Nobre samurai e governador<br />

da cidade. Morreu decapitado<br />

em Kokura, Japão, enquanto rezava<br />

com um crucifixo na mão.<br />

15. Santa Teresa de Jesus, virgem e<br />

Doutora da Igreja (†1582).<br />

São Severo de Tréveris, bispo<br />

(†s. V). Foi companheiro de São Germano<br />

de Auxerre na luta contra a heresia<br />

pelagiana na Bretanha e pregou<br />

aos Germanos o Evangelho. Morreu<br />

em Tréveris, Alemanha.<br />

16. Santa Edwiges, religiosa (†1243).<br />

Santa Margarida Maria Alacoque,<br />

virgem (†1690).<br />

Beato Agostinho Thevarparampil,<br />

presbítero (†1973). Sacerdote da<br />

eparquia sírio-malabar de Palai, no Estado<br />

de Kerala, consagrou sua vida ao<br />

apostolado com os dalit, ou “intocáveis”.<br />

Arquivo <strong>Revista</strong><br />

24<br />

Santo Inácio<br />

de Antioquia


––––––––––––––– * Outubro * ––––<br />

17. Santo Inácio de Antioquia, bispo<br />

e mártir (†107).<br />

Beato Tiago Burin, presbítero e<br />

mártir (†1794). Exerceu clandestinamente<br />

seu ministério pastoral durante<br />

a Revolução Francesa. Foi fuzilado<br />

quando celebrava Missa em Laval,<br />

tendo em suas mãos o Sagrado Cálice.<br />

18. São Lucas, Evangelista.<br />

19. São João de Brébeuf, Isaac Jogues,<br />

presbíteros, e companheiros,<br />

mártires (†1642-1649).<br />

São Paulo da Cruz, presbítero<br />

(†1775).<br />

20. XXIX Domingo do Tempo Comum.<br />

Santa Adelina, abadessa (†c. 1125).<br />

Primeira superiora do mosteiro de<br />

Mortain, em Savigny, França, que<br />

fundou com a ajuda de seu irmão São<br />

Vital.<br />

21. São Pedro Yu Tae-ch’ol, mártir<br />

(†1839). Tendo sido preso com apenas<br />

13 anos exortava seus companheiros<br />

de cativeiro a suportar os suplícios.<br />

Foi morto em Seul, Coreia do<br />

Sul, por estrangulamento, após ser<br />

cruelmente flagelado.<br />

22. São Moderano, abade (†c. 720).<br />

Foi Bispo de Rennes, França, e depois<br />

abade do mosteiro de Berceto,<br />

Itália. Destacou-se por seu amor à solidão<br />

e devoção aos lugares santos.<br />

23. São João de Capistrano, presbítero<br />

(†1456).<br />

Santo Inácio, bispo (†877). Perseguido<br />

e exilado por repreender o imperador<br />

Bardas pelo repúdio de sua<br />

legítima esposa. Por intervenção do<br />

Papa Nicolau I, foi restituído à sua sede<br />

patriarcal de Constantinopla.<br />

24. Santo Antônio Maria Claret,<br />

Bispo (†1870). Ver página 2.<br />

25. Santo Antônio de Sant’Ana<br />

Galvão, presbítero (†1822).<br />

São Frutos, eremita (†c. 715). Distribuiu<br />

seus bens aos pobres e passou<br />

a levar vida eremítica num rochedo<br />

perto de Segóvia.<br />

26. Santos Luciano e Marciano,<br />

mártires (†c. 250). Queimados vivos<br />

em Izmit, Turquia, por ordem do procônsul<br />

Sabino.<br />

27. XXX Domingo do Tempo Comum.<br />

Beato Bartolomeu de Breganza,<br />

bispo (†1270). Frade dominicano que<br />

instituiu a Milícia de Jesus Cristo em<br />

Vicenza, Itália, onde foi Bispo.<br />

28. São Simão e São Judas Tadeu,<br />

Apóstolos.<br />

São Ferrúcio, mártir (†c. 300). Abandonou<br />

o serviço militar para servir melhor<br />

e mais livremente a Cristo. Foi<br />

martirizado em Mogúncia, Alemanha.<br />

29. São Zenóbio, presbítero<br />

(†s. IV). Coroado com a palma do<br />

martírio em Sidon, Líbano, enquanto<br />

exortava seus companheiros a dar sua<br />

vida por Cristo.<br />

Santo Abraão, presbítero e eremita<br />

(†366). Ver página 26.<br />

30. Santa Eutrópia, mártir (†c. s. III).<br />

Sofreu cruéis tormentos em Alexandria,<br />

Egito, por negar-se a renegar a Cristo.<br />

31. Beato Cristóvão de Romanha,<br />

presbítero (†1272). Frade menor enviado<br />

pelo próprio São Francisco de<br />

Assis para pregar na Aquitânia. Morreu<br />

centenário em Cahors, França.<br />

Flávio Lourenço<br />

Encontro de Abraão com Melquisedeque<br />

25


Hagiografia<br />

Franqueza e<br />

métodos diretos<br />

Sabendo sempre jogar a cartada franca na hora certa,<br />

apesar de passar por diversos dissabores, Santo Abraão<br />

conseguiu converter uma cidade pagã destruindo todos<br />

os ídolos ali existentes. Que Maria Santíssima faça chegar<br />

logo o dia em que o ídolo da Revolução possa ser derrubado<br />

por nós. Mesmo que sejamos lapidados, Nossa Senhora<br />

nos restaurará para fazermos as obras que Ela deseja.<br />

Flávio Lourenço<br />

Chegaram ao meu conhecimento<br />

alguns dados sobre a interessante<br />

vida de um Santo do século<br />

IV chamado Abraão, que evidentemente<br />

não deve ser confundido com<br />

Abraão, patriarca do povo de Israel.<br />

Durante a festa de casamento,<br />

foge para uma gruta<br />

Ele era da cidade de Edessa, nascido<br />

de uma família nobre e rica.<br />

Quando os pais, que deitavam muita<br />

Festa na cidade - Museu Rolin, Autun, França<br />

esperança em seu futuro, viram-no<br />

ficar moço, deliberaram casá-lo com<br />

uma moça igualmente nobre e rica<br />

para o realce da família. Na realidade,<br />

ele não tinha vontade de se casar<br />

e fez muitas insistências neste sentido,<br />

mas a família exerceu tão grande<br />

pressão que ele, cedendo, contraiu o<br />

casamento.<br />

As bodas se deram em meio a<br />

grandes pompas e festividades, as<br />

quais, à maneira oriental, duraram<br />

uma semana inteira e deveriam culminar<br />

com uma grande festa no último<br />

dia, depois da qual começava a<br />

vida conjugal entre os nubentes.<br />

Eles já estavam casados no religioso,<br />

e naquele tempo o casamento<br />

religioso produzia os efeitos civis<br />

com todos os vínculos estabelecidos.<br />

Após cada dia de festa ele ficava<br />

mais contrariado com o rumo que tinha<br />

tomado, até que fugiu de casa<br />

26


Divulgação (CC3.0)<br />

Santo Abraão - Biblioteca do Vaticano<br />

discretamente, indo localizar-se num<br />

lugar completamente ermo, mais ou<br />

menos a duas milhas de distância de<br />

sua cidade.<br />

Então os pais, a esposa e toda sua<br />

família começaram a procurá-lo por<br />

todos os lados. Foram primeiro aos<br />

lugares de prazer; não o encontrando,<br />

procuraram-no nos locais de trabalho,<br />

principalmente no Fórum,<br />

que naquele tempo não era como<br />

hoje, ou seja, um lugar onde se distribui<br />

a justiça, mas uma espécie de<br />

imensa praça pública na qual se tratavam<br />

os negócios, havia mercado,<br />

faziam compras e vendas, era o centro<br />

da vida da cidade. Entretanto, ali<br />

também ele não estava. Então, ordenaram<br />

uma busca sistemática nos arredores<br />

da cidade e, afinal de contas,<br />

encontraram-no numa gruta que<br />

ele mesmo tinha murado do lado de<br />

dentro, de maneira a deixar apenas<br />

um pequeno quadrilátero por onde<br />

passar pão e água.<br />

Os parentes o descobriram lá, interpelaram-no<br />

e ele explicou ter<br />

se casado contra a própria vontade,<br />

e que o matrimônio, não tendo<br />

sido consumado, fora nulo. Como<br />

Abraão insistia que não queria saber<br />

do casamento, a moça teve que desistir,<br />

e ele ficou na gruta. É um bonito<br />

exemplo de homem que se subtrai<br />

à ação do contexto.<br />

Ordenado sacerdote<br />

Nessa gruta ele permaneceu durante<br />

muitos anos e ali recebeu a notícia<br />

de que seus pais tinham morrido<br />

deixando-lhe uma imensa fortuna,<br />

da qual ele podia dispor. Porém,<br />

ele não queria essas riquezas,<br />

porque dentro do isolamento em<br />

que vivia bastavam-lhe um manto,<br />

uma túnica e um recipiente de barro<br />

no qual recolhia a água que corria<br />

na própria gruta onde morava.<br />

Entretanto, sendo precavido, constituiu<br />

um parente seu como procurador<br />

para administrar a fortuna. Deu<br />

ordem para distribuir a metade para<br />

os pobres, e não indicou o que devia<br />

ser feito com o resto.<br />

Continuou a viver durante muitos<br />

anos na gruta e tornou-se um<br />

homem muito admirado pelo povo<br />

que, de vez em quando, ia lá para visitá-lo.<br />

Certo dia apareceu o bispo diocesano<br />

querendo falar com ele.<br />

Abraão, muito humilde, declarou ao<br />

prelado que não podia compreender<br />

como um homem de tal categoria<br />

dignava-se ir ter com ele, um simples<br />

eremita que vivia na sua gruta,<br />

isolado.<br />

O bispo disse ter um assunto muito<br />

grave para tratar com ele. Toda aque-<br />

27


Hagiografia<br />

la zona já estava convertida, com exceção<br />

de uma cidade de bom tamanho<br />

e importante que havia nas proximidades,<br />

a qual ainda era completamente<br />

pagã, rejeitava e matava todos<br />

os sacerdotes que iam se estabelecer<br />

lá. Não sabendo mais o que fazer,<br />

pareceu conveniente ao prelado conferir<br />

a ordenação sacerdotal ao eremita<br />

Abraão, que gozava de tal fama de<br />

santidade, e convidá-lo a se transferir<br />

para a cidade, onde seria vigário, assumindo<br />

a responsabilidade pelo culto.<br />

O eremita, pelas instâncias do<br />

bispo, percebeu que era vontade de<br />

Deus e concordou em deixar sua ermida<br />

para ser ordenado sacerdote,<br />

dirigindo-se depois para a cidade,<br />

onde assumiu corajosamente a função<br />

de vigário.<br />

Os pagãos o lapidaram,<br />

deixando-o quase morto<br />

Entrou sozinho e ignorado na cidade<br />

hostil. Ali chegando, ajoelhou-<br />

-se no chão diante do povo, e pediu a<br />

Deus que convertesse aquela cidade.<br />

As pessoas, andando de um lado para<br />

outro, não ligaram para ele.<br />

Santo Abraão estudou uma técnica<br />

de apostolado que lhe parecia<br />

mais própria a trazer a si os infiéis.<br />

Havia na cidade um templo pagão<br />

que passava toda a noite aberto.<br />

Quando anoiteceu, o santo sacerdote<br />

entrou com cuidado numa hora<br />

em que não havia ninguém, pegou<br />

todos os ídolos, jogou-os no chão reduzindo-os<br />

a cacos, varreu e levou<br />

tudo embora. No dia seguinte, ao<br />

raiar da aurora, ele ficou esperando<br />

o resultado.<br />

Logo de manhã, os primeiros que<br />

foram adorar os ídolos não os encontraram<br />

e notaram, por alguns sinais,<br />

que tinham sido quebrados. Percebendo<br />

ter sido o padre quem se ocupara<br />

disso, foram até ele e o lapidaram,<br />

deixando-o quase morto.<br />

Pelo fim do dia, Santo Abraão<br />

restabeleceu-se um pouco e, com os<br />

restos de voz e de saúde que ainda<br />

conservava, começou a increpar o<br />

povo contra os ídolos e a exortá-lo à<br />

conversão. Contudo, os infiéis não se<br />

converteram. Pelo contrário, indignaram-se,<br />

deram-lhe uma sova vigorosa,<br />

e o maltrataram fortemente.<br />

Santo Abraão, que gostava das táticas<br />

diretas, dirigiu-se então a Deus,<br />

dizendo: “Meu Deus, Vós me fizestes<br />

nomear vigário nesta cidade, e eu<br />

apanho todos os dias… Que solução<br />

há para este caso?! Dai-me saúde!”<br />

A oração de um Santo move montanhas.<br />

Ele rezou por si mesmo, levantou-se<br />

em perfeito estado de saúde<br />

e começou a pregar. A população<br />

da cidade ficou meio impressionada<br />

com o milagre, mas não se converteu.<br />

Cumprida a missão,<br />

regressa para a gruta<br />

Em certo momento, eles tiveram<br />

um caso muito complicado de interesse<br />

comum e não havia meio de<br />

solucionar. Um deles disse: “Olha,<br />

quem deve saber resolver esse assunto<br />

é o padre. Ele é inteligente<br />

e, ademais, precisamos reconhecer<br />

que desde quando está entre nós não<br />

tem feito senão dar exemplos muito<br />

bons, ajudar todo mundo que ele<br />

pode e distribuir esmolas. Os nossos<br />

ídolos, afinal de contas, o que eram?<br />

Ele os quebrou e não se salvaram a si<br />

próprios. O padre, entretanto, curou<br />

a si mesmo. Por que havemos de estar<br />

ainda acreditando nesses ídolos?<br />

Não tem propósito nossa conduta<br />

com ele; devemos procurá-lo e começar<br />

por pedir-lhe perdão de nosso<br />

mau procedimento, e então rogar<br />

um conselho para resolver a situação<br />

dentro da qual nos encontramos.”<br />

Assim, foram todos a Santo<br />

Abraão que os recebeu muito benignamente.<br />

Evidentemente, quando<br />

resolveram procurá-lo já estavam<br />

abalados na sua infidelidade e propensos<br />

a uma conversão. Durante a<br />

conversa declaram que queriam con-<br />

CeeGee (CC3.0)<br />

verter-se. Começou, então, o trabalho<br />

enorme da conversão da cidade:<br />

batizar, orientar todas as pessoas,<br />

até a população inteira mudar. Nessa<br />

ocasião, Santo Abraão aproveitou<br />

o dinheiro que ele tinha com o primo<br />

para mandar construir uma igreja<br />

na cidade. Vemos como tudo é feito<br />

com método, direito.<br />

Construída a igreja, todos estariam<br />

no direito de esperar que as<br />

coisas continuassem bem. O vigário<br />

orientaria o povo, tudo correria perfeitamente.<br />

Entretanto, numa bela<br />

manhã vão procurá-lo, mas ele não<br />

estava na igreja. Tinha fugido mais<br />

uma vez... Assim como fugira da esposa,<br />

ele fugiu também da paróquia<br />

e voltou para a gruta.<br />

Para lá se dirigiu o bispo, acompanhado<br />

de uma grande parte do clero,<br />

28


a fim de pedir ao santo eremita que<br />

reassumisse as funções de vigário. Porém,<br />

este declarou que a missão que<br />

recebera do prelado estava cumprida,<br />

pois a cidade se convertera. Agora,<br />

ele pedia o consentimento do bispo<br />

para permanecer como eremita na<br />

gruta; ao que o prelado acedeu.<br />

Educa uma sobrinha,<br />

que depois caiu numa<br />

vida devassa<br />

Depois de algum tempo, ele recebe<br />

um emissário da cidade contando-lhe<br />

que seu irmão tinha morrido,<br />

deixando uma grande fortuna, cuja<br />

herdeira universal era uma menina,<br />

a respeito da qual o falecido deixara<br />

a recomendação de que fosse educada<br />

pelo santo eremita.<br />

Grutas na Turquia<br />

Santo Abraão considerou ter responsabilidade<br />

para com essa menina<br />

e, portanto, era obrigado a fazer alguma<br />

coisa por ela. Sendo, até o fim<br />

da vida, amigo dos processos diretos,<br />

ele disse: “Pois bem, mandem vir a<br />

menina que eu a educo.”<br />

Chegada a sobrinha, ele mandou<br />

murar outra parte da gruta, mantendo<br />

um orifício na parede pelo qual,<br />

em certas horas do dia, ele ensinava<br />

para ela tudo quanto uma menina<br />

daquele tempo precisava saber.<br />

Passaram-se os anos, e a menina<br />

correspondia bem à educação recebida.<br />

Entretanto, uma circunstância<br />

qualquer a levou a decair na vida espiritual<br />

e dizer a ele que queria sair. Por<br />

fim, ela acabou fugindo para a cidade.<br />

Como a jovem já estivesse em sua<br />

maioridade, Santo Abraão considerou<br />

que não tinha mais nada a fazer.<br />

Porém, começou a receber notícias<br />

de que a sobrinha vivia em condições<br />

miseráveis, e caíra moralmente<br />

tão baixo que estava praticamente<br />

perdida.<br />

Então ele considerou que era desígnio<br />

da Providência tomar outra<br />

atitude enérgica, audaciosa, um<br />

tanto surpreendente, dessas atitudes<br />

que os santos adotam, e a respeito<br />

das quais a Igreja diz que se deve<br />

admirar, mas não imitar. Atitudes<br />

que, de si, intrinsecamente falando,<br />

não são pecados, mas podem<br />

constituir ocasião próxima de pecado,<br />

à qual ninguém pode se expor,<br />

a menos que movido por uma ação<br />

da graça. Nesta hipótese, então, com<br />

garantias e auxílios sobrenaturais especiais,<br />

a pessoa vai enfrentar aquela<br />

ocasião. Mas é muito delicado, só<br />

mesmo quando ela tem certeza de<br />

estar sustentada por uma graça especial<br />

pode expor-se a isso.<br />

Santo Abraão mandou vir a indumentária<br />

de um soldado e, apesar de<br />

estar velho, foi à cidade e entrou no<br />

estabelecimento onde a sobrinha levava<br />

uma vida devassa. Ela estava<br />

oferecendo um banquete, e a certa<br />

altura apareceu vestida com um luxo<br />

indecente, imoral, e não reconheceu<br />

o tio. A conversa seguia o seu curso,<br />

mas como ele era um homem muito<br />

inteligente e dotado, ela achou graça<br />

na prosa dele. As outras pessoas presentes<br />

foram, aos poucos, pelo movimento<br />

natural das coisas, afastando-se<br />

e deixando os dois conversando<br />

sozinhos.<br />

Quando os dois estavam a sós, ele<br />

tirou o elmo de soldado e disse:<br />

— Minha sobrinha, você me reconhece?<br />

Ela teve um choque, caiu de joelhos,<br />

baixou os olhos e disse:<br />

— Eu não ouso olhar-vos.<br />

— Por quê?<br />

— Porque sinto que caí num pecado<br />

muito profundo e que não sou<br />

digna de vossa presença.<br />

29


Hagiografia<br />

— Largue tudo isso e vamos para<br />

a gruta!<br />

Ela se levantou, ficou em pé durante<br />

algum tempo hesitando, e ele<br />

continuou:<br />

— Deixe todos esses trapos com<br />

que você está vestida, tome uma roupa<br />

simples e fuja comigo.<br />

Como se vê, ele era especialista<br />

em fugas para o Céu!<br />

A sobrinha concordou e disse:<br />

— Mas o que vou fazer desses trajes<br />

preciosos?<br />

— Pouco importa, deixe-os abandonados.<br />

Salve a sua alma!<br />

Sucesso da ação direta,<br />

franca, clara e positiva<br />

Ela voltou para a gruta com ele,<br />

fez penitência a vida inteira. Ele ainda<br />

ficou até o fim da vida com ela na<br />

gruta, e assim terminou a história<br />

dos dois. Não sei se ela foi canonizada.<br />

Ele é venerado pela Igreja com o<br />

nome de Santo Abraão.<br />

É uma linda vida que nos situa<br />

num ambiente de franqueza e retidão,<br />

onde o povo, por mais degradado<br />

que estivesse, suportava as verdades<br />

e os métodos diretos.<br />

Esses pagãos indecentes eram<br />

assassinos horrorosos, pois só faltou<br />

matarem o padre. Se não fosse<br />

o milagre que ele fez, restaurando<br />

por ação sobrenatural a sua própria<br />

saúde, seu apostolado teria cessado.<br />

No afã de fazer apostolado,<br />

ele quebrou os ídolos, enfrentou<br />

aquela gente, mas alcançou o objetivo<br />

que tinha em vista. Ele padeceu<br />

por amor à verdade, mas foi direto<br />

ao ponto. Resultado: converteu as<br />

pessoas.<br />

Isso feito, vemos o desapego dele.<br />

Tendo convertido aquela gente, Santo<br />

Abraão poderia ter levado uma vida<br />

tranquila, dormindo sobre os louros<br />

conquistados. Porém, estando a<br />

obra acabada e consolidada, ele foi<br />

embora. De fato, a Fé ficou estabelecida<br />

no lugar, foi possível implan-<br />

tar um clero, uma religiosidade normal.<br />

Então, ele fugiu porque fizera<br />

tudo para a glória de Deus e de Nossa<br />

Senhora.<br />

Tendo voltado para sua gruta, de<br />

lá saiu novamente para salvar a sobrinha,<br />

mas por um método direto<br />

também.<br />

Notamos como ele, jogando sempre<br />

a cartada franca na hora certa,<br />

passou por dissabores que um poltrão<br />

qualificaria de insucessos, mas<br />

uma pessoa que considera o todo<br />

de sua vida não pode deixar de reconhecer<br />

como sucessos admiráveis.<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> em 1974<br />

Santo Abraão morreu admiravelmente<br />

bem sucedido. É o sucesso da<br />

ação direta, franca, clara e positiva.<br />

Peçamos a Maria Santíssima que<br />

faça chegar o dia em que também o<br />

ídolo da Revolução possa ser derrubado<br />

por nós com igual franqueza. É<br />

possível que sejamos lapidados, mas<br />

saberemos exercer o direito de legítima<br />

defesa. Nossa Senhora nos restaurará<br />

para fazermos por Ela as<br />

obras que Ela deseja. v<br />

(Extraído de conferência de<br />

27/12/1974)<br />

Arquivo <strong>Revista</strong><br />

30


Luzes da Civilização Cristã<br />

Luis C.R. Abreu<br />

Arquetipização<br />

Uma nota muito importante da escola de <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> é a<br />

arquetipização, ou seja, a busca da perfeição de todas as coisas.<br />

Esta tendência do senso do ser leva a pessoa continuamente a um<br />

desejo de elevação. Aplicando esse princípio à consideração de<br />

ambientes, <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> analisa o estilo grego, românico e gótico.<br />

Na Igreja do Sagrado Coração de Jesus está difusa<br />

pelo ar uma impressão de aconchego e de proteção<br />

muito grande, mas também de muita sabedoria,<br />

tranquilidade e bondade. No fundo, o que é isso?<br />

Uma operação eminentemente religiosa<br />

Quando entramos em algum ambiente, o que por excelência<br />

causa impressão, mais do que qualquer objeto,<br />

é a pessoa que encontramos ali ou a quem, de algum modo,<br />

aquele ambiente e os objetos nele contidos nos reportam.<br />

Lembro-me de ter visto um quadro representando o<br />

Lago Titicaca, na Bolívia, de um azul e um prateado lindíssimos!<br />

Tinha-se a impressão de uma imensa asa de<br />

borboleta que ondulava ao sopro do vento. Embora esse<br />

lago não seja uma criatura humana, nem foi ideado por<br />

um artista, ao vê-lo tem-se uma impressão parecida com<br />

a que se teria no convívio com uma pessoa que nos causasse<br />

análogo efeito.<br />

Assim também, quando ao contato da graça sentimos<br />

uma determinada impressão sobre um objeto, de fato temos<br />

a sensação de como se estivéssemos com Deus. Na<br />

31


Luzes da Civilização Cristã<br />

Nesta página e na precedente, interior<br />

do Santuário do Sagrado Coração<br />

de Jesus, São Paulo, Brasil<br />

Fotos: Luis C.R. Abreu / J.P. ramos<br />

Igreja do Coração de Jesus nós não vemos a Deus, mas<br />

sentimos a impressão que teríamos se estivéssemos com<br />

Ele, mostrando-Se sob aquele aspecto. A impostação de<br />

que Deus Se nos faz conhecer, sem que nós O vejamos, é<br />

o principal na Igreja do Coração de Jesus.<br />

Essa impressão, portanto, é um como que ver a Deus.<br />

Creio que esse ponto é absolutamente capital para compreendermos<br />

o que são as arquetipizações. Porque embora numa<br />

arquetipização possa não estar presente uma graça tão<br />

grande quanto à do Coração de Jesus, e se possa conceber<br />

uma arquetipização no plano apenas natural e sem presença<br />

nenhuma da graça, é fato que a verdadeira arquetipização<br />

conduz a uma ideia de como seria uma determinada<br />

coisa se ela fosse ainda mais semelhante a Deus.<br />

É, portanto, um ver a Deus em todas as coisas que<br />

constitui a alma verdadeiramente católica. Isso não significa,<br />

por exemplo, que olhando para uma cadeira estou<br />

imaginando o Padre Eterno sentado ali. Não tem propósito!<br />

Mas aquela cadeira, se eu a arquetipizo, vejo melhor<br />

o por onde ela se parece com o Criador. Logo, buscar<br />

a arquetipia de todas as coisas é procurar ver melhor<br />

a Deus nelas, e constitui uma operação eminentemente<br />

religiosa, ainda que no plano natural.<br />

A isso dou muita importância para se compreender o<br />

que é vida interior, o recolhimento notadamente na nossa<br />

escola. Porque na escola comum seria, por exemplo,<br />

ao ver uma coroa, faço o seguinte raciocínio: coroa é sím-<br />

32


olo do poder; então, como é belo o poder que Deus instituiu.<br />

Sem dúvida, é uma via muito boa. Mas faz parte do<br />

nosso espírito olhar a coroa e vê-la como um símbolo<br />

– na ordem natural e na sobrenatural – mostrando a<br />

Deus nesse sentido da arquetipização, isto é, um modo<br />

de compor como seria a figura de Deus a partir dessa coroa.<br />

Esse meu gosto de arquetipia é, no fundo, um anseio<br />

de Deus, mas ainda não explícito. É um desejo imediato<br />

de ver uma coisa mais excelente do que a coroa, o qual,<br />

de ponto em ponto, me conduzirá a Deus.<br />

Tendência do senso do ser à perfeição<br />

Então, no próprio modo de considerar a coroa entrou<br />

um certo estilo de ver a beleza que subconscientemente<br />

já está orientado para Deus.<br />

O trabalho do subconsciente aqui eu acho muito importante,<br />

porque se foi feito com o mero consciente, sem um<br />

movimento da sensibilidade mais ou menos simultâneo, a<br />

coisa não se fez como eu estou dizendo. É o livre curso do<br />

impulso do senso do ser que tende naturalmente para a excelência<br />

do ser. Propriamente a palavra “subconsciente”<br />

aqui é um termo tão emaranhado que prefiro me exprimir<br />

assim: é o livre curso do impulso do senso do ser rumo à<br />

perfeição de todas as coisas no seu próprio gênero.<br />

Essa tendência do senso do ser à perfeição das coisas leva<br />

continuamente a um desejo de elevação e, portanto, deve<br />

conduzir a pessoa a querer que existam na ordem humana<br />

os mais altos representantes dos mais elevados graus que<br />

chegam mais perto da perfeição do ser. Por isso, a hierarquia<br />

é uma necessidade. Pelo que o senso do ser é eminentemente<br />

contrarrevolucionário, porque enquanto o revolucionário<br />

quer arrasar todos os seres que representam, dentro<br />

da hierarquia, escalas para a perfeição, o contrarrevolucionário<br />

tem empenho em que a ordem social e a ordem eclesiástica<br />

vão destilando pessoas, e que haja cargos por onde<br />

elas vão se aproximando cada vez mais de uma determinada<br />

altura, a qual é a plenitude que nos fala mais de Deus.<br />

O estilo grego e o românico<br />

Mas voltando à consideração de ambientes, ao compararmos<br />

um edifício em estilo românico com um do esti-<br />

ogwen (CC3.0)<br />

Lago Titicaca<br />

Divulgação (CC3.0)<br />

33


Luzes da Civilização Cristã<br />

Sharon Mollerus (CC3.0)<br />

Tribuna das Cariátides, Atenas, Grécia<br />

lo grego, que diferença notamos? Uma coisa curiosa, pode<br />

haver razões técnicas para isso, eu não discuto, mas<br />

as construções gregas têm uma solidez suficiente de maneira<br />

a não dar a impressão da fragilidade que preocupa,<br />

inquieta, isto é certo. Entretanto, elas não possuem<br />

o aspecto de fortaleza e não brilham pela força. Dir-se-<br />

-ia quase que o grego tem a preocupação de fazer esconder<br />

a força do prédio sob o aspecto da ligeireza, da leveza,<br />

da elegância.<br />

Então, por exemplo, a coluna grega é, o quanto possível,<br />

esguia, lembrando o tronco de uma palmeira, etc. As<br />

colunas e todo o prédio românico são pesadões. O edifício<br />

tem algo das paredes de uma fortificação, e dá ao espírito<br />

uma ideia de luta que de nenhum modo está presente<br />

no aspecto da perfeição do universo que o prédio<br />

grego quer sustentar e manifestar.<br />

Olhando para o Parthenon, por exemplo, ninguém pode<br />

dizer: “Oh, que luta!” Ou exclamar<br />

ao ver a Tribuna das Cariátides: “Quanto<br />

heroísmo!” Sou entusiasta dessa tribuna,<br />

mas isso não se pode afirmar. Aliás,<br />

desconfio que as colunas delimitavam<br />

uma espécie de periferia e que o<br />

templo era um quadradão de alvenaria<br />

por dentro. É preciso dizer, desde logo,<br />

um quadradão de tal maneira sem graça<br />

que, se não fossem o teto e as colunas,<br />

seria a coisa menos interessante que poderia<br />

haver. Provavelmente, dentro era<br />

meio obscuro, mas uma obscuridade inteiramente<br />

diferente da existente no românico.<br />

Ao se considerar uma construção românica<br />

tem-se a impressão de um homem<br />

que carrega um peso sério, preocu-<br />

pações difíceis, mas que estão na altura<br />

dele. E que ele tem força, porque é um<br />

gigante, para entestar com aquilo e tocar<br />

para a frente. Esse é o lado românico.<br />

Vê-se também que as qualidades dele<br />

são de uma pessoa muito preocupada.<br />

Há uma atmosfera difusa de preocupação<br />

na obscuridade do templo romano.<br />

Mas nasce o vitral, o qual introduz em<br />

tudo isso uma certa forma de beleza, de<br />

pulcritude, que completa aquela carranca<br />

do prédio românico com algo que não<br />

é propriamente a louçania. O edifício românico<br />

é muito “pensativo”, muito “preocupado”.<br />

As cores do vitral românico não<br />

são tais que falem da alegria, da satisfação.<br />

Elas falam de uma espécie de doce<br />

maravilhoso, de maravilhosa doçura, que se compagina<br />

bem com aquilo e que é a meditação em Deus, do homem<br />

cansado. Do homem que não vai cantar o Gloria in excelsis<br />

Deo, o Magnificat, mas que também não vai gemer como<br />

Jó em cima de seu monturo; entretanto ele encontra um<br />

certo consolo no meio da sua tristeza, que é propriamente<br />

o bem-estar da consolação, o consolo cristão.<br />

A esperança do Céu começa a<br />

iluminar: nasce o gótico<br />

Quando se inicia a Idade Média, isso vai tomando,<br />

com a ogiva, um caráter diferente, porque a esperança<br />

do Céu vai iluminando aquilo que não está muito<br />

presente no românico. O românico parece mais dizer:<br />

“Deus te ajuda na Terra. Confia em Deus.” E o gótico<br />

parece mais afirmar: “É verdade, Deus te ajuda na Ter-<br />

Igreja de Nossa Senhora, a Grande - Poitiers, França<br />

TwoWings (CC3.0)<br />

34


Daniel A.<br />

Sainte-Chapelle, Paris, França<br />

ra, mas isso não é tão importante. O melhor é que Ele te<br />

ajuda no Céu. Pensa no Céu! Volta-te para lá! Lá tu terás<br />

a explicação de tudo.”<br />

Essa posição, que parece ser a perfeita, começa a fazer<br />

desabrochar a leveza dentro da seriedade e da atmosfera<br />

de uma igreja que continua com certos traços<br />

de fortaleza. Aí sim, os vitrais começam a ter louçania.<br />

Também a altura dos templos parece dar um caráter festivo<br />

e cheio de esperança, o que se reflete no modo de realizar<br />

o culto, os paramentos se tornam esplendorosos,<br />

etc. Assim, a partir de um determinado momento a esperança<br />

do Céu se acentua mais do que a esperança da ajuda<br />

nesta Terra. Para mim, o auge disso e o contrário do<br />

românico é a Sainte-Chapelle. É uma maravilha!<br />

Mas também fala muito nesse sentido aquele tipo de<br />

coluna gótica que se abre como uma palmeira. Aquilo é<br />

muito bonito e já fala de um mundo em que a seriedade<br />

se tornou leve, de tal maneira ela venceu a dor e a aflição<br />

sem ter fugido. Na ordem do espírito, aquele guarda-sol<br />

é quase o primeiro precursor da aeronáutica, pois<br />

faz pensar um pouquinho numa ligeireza que nos vai levar<br />

para o Céu, vai girando e conduzindo nossas almas<br />

para regiões azuis que elas devem contemplar.<br />

Nesse sentido, o gótico aparece menos consolante do<br />

que o românico. Para o homem desolado que entra em<br />

um edifício deste estilo, o românico parece dizer afetuosamente:<br />

“Sente-se, sofra, eu vou ajudá-lo no seu sofrimento.”<br />

O gótico é outra coisa. Ele como que diz o contrário:<br />

“Tome rápido contato comigo que seu sofrimento<br />

passa logo. Eu o levo para as regiões do Céu.” São os<br />

braços de Deus que se baixaram para elevar o homem. É<br />

um pouquinho como um pai ou uma mãe que se inclina<br />

sobre uma criancinha com dificuldade de andar e a suspende.<br />

Assim é o gótico conosco.<br />

v<br />

(Extraído de conferência de 7/11/1986)<br />

Pedro Morais<br />

35


João Carlos V.V.<br />

Modelo supremo<br />

e fonte da<br />

Contra-Revolução<br />

Nossa Senhora é para nós o exemplo<br />

de santidade. Se nos modelarmos<br />

inteiramente segundo<br />

Ela, alcançaremos a perfeita semelhança<br />

com Nosso Senhor Jesus Cristo. Imitar<br />

a Santíssima Virgem é tê-La em vista em<br />

todas as ações que praticamos.<br />

Ela é o modelo supremo e a fonte da<br />

Contra-Revolução. Portanto, imitá-La é<br />

ser, na perfeição, contrarrevolucionário.<br />

São Luís Grignion de Montfort nos<br />

propõe a imitação de três principais virtudes<br />

de Maria: a fé, a humildade e a pureza.<br />

Ora, se formos cheios de fé, de humildade,<br />

ou seja, de senso hierárquico, e de<br />

pureza, então seremos os contrarrevolucionários<br />

por excelência.<br />

Assim, devemos pedir a Nossa Senhora,<br />

com todo o empenho, a graça de uma profunda<br />

compreensão de suas altíssimas virtudes,<br />

as quais havemos de imitar. Além<br />

disso, que Ela nos comunique a plenitude<br />

de suas forças. Maria é a Virgem forte e<br />

combativa, intransigente e absolutamente<br />

inflexível diante do demônio, do mundo e<br />

da carne. Supliquemos a Ela essa intransigência,<br />

antes de tudo contra o que há de<br />

mal em nosso interior; em segundo lugar,<br />

contra o que há de mal fora de nós.<br />

O maior auxílio que Maria Santíssima<br />

pode nos prestar é o de nos conceder o espírito<br />

de sua santidade, a perfeição de suas<br />

vias, a autenticidade de suas virtudes e a<br />

vitória contra o demônio, tudo em ordem<br />

à nossa própria santificação.<br />

(Extraído de conferências de<br />

23/5/1963 e 26/5/1972)<br />

Nossa Senhora das Mercês - Quito, Equador

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!