RCIA - ED. 138 - JANEIRO 2017

tvcomercioeindustria

1


2


3


Grupo de Meio Ambiente do

Ciesp volta à ativa neste mês

Iniciativa tem como objetivo promover a troca de informações sobre

assuntos ambientais no meio empresarial

O Grupo de Meio Ambiente (GMA) do Centro

das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp),

que busca fomentar a troca de informações

ambientais junto ao empresariado, promove

no próximo dia 30 de janeiro o primeiro encontro

sob nova coordenação.

Serão realizadas reuniões mensais para discutir

assuntos como licenciamento, poluição do ar e

da água, resíduos sólidos, mudanças climáticas,

solo e áreas contaminadas, ruído e vibrações,

entre outros. Lênin de Matos Silva, engenheiro

ambiental e responsável do GMA da regional

de Araraquara nesta nova fase, explica que o

retorno do grupo trará grandes contribuições

para a região.

“Promover esses encontros é de grande valia

para o empresário e, também, para a sociedade.

Muitas empresas, que não têm um profissional

específico da área, poderão aprender

sobre legislação e outros assuntos que exigem

um pouco mais de conhecimento.

A troca de informações entre os membros do

GMA será fundamental para o crescimento e

desenvolvimento de todos”, afirma. Na coordenação,

junto com Lênin, está também a engenheira

ambiental Ana Paula D’Avoglio.

Para participar das reuniões mensais do GMA

não é necessário ser associado do Ciesp ou

atuar na área ambiental. As inscrições podem

ser feitas na sede da entidade, pelo telefone

ou pelo e-mail.

Serviço

Lançamento do GMA

Data: 30 de janeiro de 2017

Horário: 18 horas

Local: Sesi Araraquara (Av. Octaviano de

Arruda Campos, 686 - Jardim Floridiana)

Inscrições: sede do Ciesp (Av. Prof. Augusto

César, 1090, Centro), pelo telefone

16 3322 1339 ou através do e-mail

eventos@ciespara.com.br

A emissão de Certificado Digital mais

barata do estado de São Paulo.

4

16 3322 1339 I 16 33227823

www.ciesp.com.br/araraquara


5


ÍNDICE

EDIÇÃO N°138 - JANEIRO / 2017

CAPA

Entrevista com Bruno Naddeo

ECONOMIA

Cuidado com o bolso!

POLÍTICA

Quatro anos pela frente

O TROFÉU É DELE

‘Engenheiro do Ano’

10 12

15

21

Pelas palavras de seu coordenador,

conheça as ações e projetos futuros do

Núcleo de Jovens Empreendedores do

CIESP Araraquara.

Especialistas listam dicas de como

equacionar as contas inevitáveis de

todo começo de ano; planejamento

é o principal caminho.

Edinho Silva (PT) é empossado como

novo Prefeito de Araraquara; conheça

também seus doze secretários de

governo.

Autoridade na área, Professor

Coca Ferraz recebe premiação

da Associação Araraquarense de

Engenharia, Arquitetura e Agronomia

Da Redação

07 | Sônia Maria Marques projeta uma

Araraquara melhor em 2017, ano em

que a cidade completa 200 anos.

Sincomercio

40 | Especialista diz como a queda

dos juros de mercado afeta a economia

do País.

Sindicato Rural

46 | Ao lado do Senar/SP e Raízen,

sindicato promove na cidade curso

sobre o uso de agrotóxicos.

Canasol

54|No Clube Araraquarense, fornecedores

e convidados marcaram presença na

confraternização de fim de ano.

Uma última homenagem a Barbieri

Marcelo Barbieri recebeu em dezembro,

mês que marcou o encerramento do seu

mandato de prefeito, o então secretário de

Diretos Humanos e Participação Popular e

também presidente do PV, Fernando César

Câmara (Galo), acompanhado do exsecretário

do Meio Ambiente José Antonio

Delle Piagge, e funcionários de secretarias

municipais ligados ao PV. Marcelo foi

homenageado pelos integrantes do partido

pela confiança e oportunidade dadas a

eles durante a sua gestão. “O PV conseguiu

se consolidar com várias políticas públicas

que tivemos oportunidade de participar

e desenvolver. Pudemos mostrar nosso

trabalho, pois o Marcelo acreditou em

Ex-prefeito homenageado na sua saída

nós”, afirmou Galo. O prefeito também

fez questão de agradecer o trabalho,

a dedicação e o empenho de todos os

funcionários nos anos em que integraram

as diversas secretarias municipais.

Nova cara

O Terminal após a reforma

A Controladoria do Transporte de

Araraquara (CTA) entregou no dia 22 de

dezembro a remodelação do Terminal

Central de Integração na Avenida São

Paulo. Precisam melhorar é o serviço.

6


DA REDAÇÃO

por: Sônia Maria Marques

LUTO

Vá em paz!

38

Araraquara se despede de Nelson

Chinço Cuniyochi, representativo

nome da colônia japonesa na

Morada do Sol.

Pedra Fundamental

56| Prédio próprio da Brasil FM

será construído em área doada pelo

Município na Vila Xavier.

Massafera recebeu título

O deputado estadual Roberto

Massafera foi homenageado

com o título de cidadão Ribeirão

Bonitense no dia 12, na Câmara

Municipal de Ribeirão Bonito. A

homenagem é uma iniciativa da

vereadora Renata Magalhães,

a Salomé, sendo aprovada

por unanimidade. Ao lado

das lideranças políticas locais,

Roberto Massafera tem sido um

dos interlocutores do município

junto ao governo do Estado,

contribuindo para a liberação

de recursos e a implantação

de políticas públicas que visem

o desenvolvimento e o bemestar

para a população. Ele já

liberou mais de R$ 100 mil em

HÁ 50 ANOS

Ferroviária 2 x 2 Cruzeiro

63

Time mineiro, de Tostão e Piazza (foto),

enfrentou a Ferrinha na Fonte em jogo festivo,

que marcou a entrega das faixas de Campeã

da 1ª Divisão do Paulista para a AFE.

Vida Social

72 | Maribel Santos destaca

exposição no Arte 220, da artista

plástica Euzania Andrade.

emendas parlamentares para

a Saúde de Ribeirão Bonito, o

que inclui a conquista de uma

ambulância e um automóvel; R$

300 mil utilizados para recape,

pavimentação, ruas e sarjetas;

além de interceder junto ao

governo em vários pleitos do

município. Massafera foi o mais

votado em 2014 no município de

Ribeirão Bonito, com 745 votos,

13,3% dos válidos. “Essa é uma

homenagem que muito me honra

e redobra meu compromisso

por lutar ainda mais por

Ribeirão Bonito, o que tenho

feito com apoio do governador

Geraldo Alckmin”, agradeceu o

parlamentar.

Sejam bem-vindos os

200 anos da nossa terra

Araraquara acordou neste janeiro com a aparência

de ano inesquecível. Começa a se preparar para as

comemorações dos seus 200 anos de vida, data cheia,

que exige o resgate da história nascida em 1817 e uma

apresentação dos fatos que pontuaram sua trajetória.

Chegando aos tempos atuais, ela se mostra toda garbosa

com características de uma pequena-grande cidade,

sempre avançando no desenvolvimento econômico

por sua posição estratégica e se posicionando no

ranking como lugar ideal para se viver, embora que

nos últimos anos, tenha sofrido o impacto da crise,

vendo o fechamento de muitas empresas. Não foi

apenas o desemprego que fez estremecer seus pilares

de sustentação; sem recursos, as vias públicas ficaram

expostas à necessidade de melhores cuidados com mato

e buracos por todo lado e a saúde não acompanhou

o ritmo de novos postos de atendimento pois faltaram

profissionais e medicamentos. Se no trânsito houve

progresso com a redução de acidentes e número de

vítimas, é verdade que a emergência de novos bairros

causou impacto e desconforto pela `inexistência´ da

infraestrutura. Mas não basta que seja um ano novo; é

preciso que o novo prefeito Edinho Silva também venha

com novas ideias, tenha fôlego e recoloque em ação

sua disposição e ousadia. Esperança é o que não falta

neste caminhar incerto, pois sem recursos, não dá para

transformar água em vinho ou se tirar leite de pedra.

Marcelo Barbieri que o diga.

Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni

Supervisora Editorial: Sônia Marques

Editor: Matheus Vieira (MTB 67.923/SP)

Diretor Comercial: Humberto Perez

Depto. Comercial: Gian Roberto, Silmara Zanardi,

Heloísa Nascimento, Anderson Rovina

Design: Carolina Bacardi, Bete Campos

Tiragem: 5 mil exemplares

Impressão: Grafinew - (16) 3322-6131

A Revista Comércio, Indústria e Agronegócio

é distribuida gratuitamente em Araraquara e região

* COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE

Fone/Fax: (16) 3336 4433

Rua Tupi, 245 - Centro

Araraquara/SP - CEP: 14801-307

marzo@marzo.com.br

Roberto Massafera

ao lado da vereadora

Renata Magalhães,

a Salomé, autora

do projeto que

lhe concedeu a

homenagem na

Câmara Municipal

de Ribeirão Bonito

7


8


EDITORIAL

por: Ivan Roberto Peroni

Em tempos de crise a posse de Edinho

parece ser o boom que a cidade esperava

Mergulhado num cenário político confuso, Edinho Silva já é o prefeito de Araraquara, anunciado

para governar a cidade nos próximos quatro anos. Eleito democraticamente no período mais

tenebroso da sua carreira, enfrentou os vendavais adversários e com sabedoria sensibilizou o

eleitorado, mostrando que com sua experiência poderá tornar Araraquara uma cidade mais

criativa, humana e acima de tudo com perfil econômico predestinado ao desenvolvimento,

gerando empregos e qualidade de vida. Porém, furacões e terremotos o aguardam, pois sua

gestão está apenas começando.

Sem recursos, desprovido do apoio

direto do Governo do Estado e apartado

do esquema político de Michel Temer, o

novo prefeito da cidade, Edinho Silva,

vive drama semelhante ao de Marcelo

Barbieri - oito anos atrás. Peemedebista

juramentado, Barbieri enfrentou

as divergências políticas em São Paulo

e Brasília, dominadas por PSDB e PT,

tendo pouco apoio político e recursos

que podemos considerar semelhantes

aos que todos os municípios brasileiros

receberam dos governantes. Edinho

acaba de receber Araraquara com os

mesmos sintomas, ou seja, enfraquecida

politicamente e economicamente em

situação pouco confortável.

Bom de discurso e diálogo, o novo

gestor anuncia cortes que podem beirar

120 cargos. Isso só será real desde que

não faça uma reposição, por exemplo:

sai João do PMDB e entra José do PT,

pois política desde os ‘tempos do onça’,

tem sido feita assim, de apadrinhamento

e conchavos, ou sob a égide do ‘para os amigos tudo, para os inimigos

o rigor da lei’. Este tipo de proteção, amparo, salvaguarda, tem

custado muito caro aos bolsos da população. A esta altura quando se

anuncia cortes na administração, vem a colocação que qualquer cidadão

consciente gostaria de comentar aos gestores dos tempos modernos:

se está cortando é porque não há necessidade.

Como vereador, prefeito por oito anos, presidente do PT paulista e

ministro, Edinho Silva teve tempo suficiente para aprender e hoje desfrutando

desta experiência, pode até ensinar como administrar uma cidade

com 230 mil habitantes. Se é verdade que a vida ensina, mas também

judia, Edinho comeu nesta trajetória o pão que o diabo amassou. Não

que ele esteja a salvo dos perigos, pois como dissemos, apanha uma

Prefeitura em tempos de crise, cidade com perfil de floresta e ruas esburacadas.

Tem uma Araraquara sem medicamentos em seus postos de

atendimento e saúde oferecendo serviço meia-boca. Contudo, o cenário

que vivemos aqui é o mesmo de milhares de municípios brasileiros, fruto

de uma política administrativa desorganizada, repleta de mazelas e descuidos

que afetam a ética e a moralidade da própria classe.

Nesta sua volta a Araraquara, Edinho Silva deixa transparecer que

haverá mudanças e o tema da sua campanha “resgatar valores perdidos”

parece se encaixar às necessidades da nossa gente. Para isso, é

preciso que haja compreensão, união, entendimento político, pois não

podemos jogar fora a oportunidade de mostrar ao país a grandiosidade

de uma cidade que está comemorando 200 anos de vida.

Av.: Romulo Lupo, 155 - Araraquara • (16) 3331-1857

9


REPORTAGEM DE CAPA

‘O brasileiro precisa

aprender a se planejar’

Frente ao Núcleo de Jovens Empreendedores de Araraquara,

Bruno Naddeo busca a realização de atividades que visam

preparar o ‘novo empresário’ para enfrentar as dificuldades do

mercado. ‘Garanto que 2017 e 2018 serão especiais, com muitas

ações do NJE’, afirma.

Sinônimo de tentar ou realizar, o

verbo transitivo direto empreender

tornou-se um dos sobrenomes do publicitário

araraquarense Bruno Naddeo,

de 32 anos. Afinal, em seu cotidiano,

o empresário do ramo da comunicação

(atuante como diretor operacional

da agência ComTexto) procura dialogar

fortemente com as definições da palavra,

a fim de gerar mais produtividade

a partir de ideias inovadoras e desafiadoras,

sempre com espaço para ações

recheadas de habilidade e criatividade.

Esse seu espírito laborioso alimentou

uma aproximação maior com o

Centro das Indústrias do Estado de São

Paulo (CIESP), maior entidade representativa

do setor industrial na América

Latina, que atua em defesa do setor.

Assim, há três anos, desde sua fundação,

Naddeo coordena o Núcleo de Jovens

Empreendedores de Araraquara,

que conta com outros seis integrantes.

Como ocorre em todo o Estado de

São Paulo, o grupo é formado por jovens

empreendedores, sucessores de

empresas afiliadas e empresários iniciantes.

O projeto existe desde 1992,

porém em 2004, ganhou o status de

diretoria no CIESP. “Atendemos Araraquara

e outras 17 cidades de toda a

Região”, conta.

As ações do núcleo são múltiplas e

podem agregar, ao longo de um ano,

palestras, encontros comerciais (Happy

Business), Congresso Estadual, Feirão

do Imposto, Semana Global do Empreendedorismo

e visitas técnicas em empresas.

Inclusive, até então, uma das grandes

conquistas da unidade local foi a

realização do 13º Congresso Estadual

de Empreendedorismo, em setembro

do ano passado. “O evento foi um sucesso

e ocorreu pela primeira vez no

Interior de São Paulo. Com certeza, foi

uma vitrine”, completa o empresário.

Prometendo muitas atividades para

os próximos dois anos dentro da agenda

do Núcleo de Jovens Empreendedores

de Araraquara, Bruno Naddeo recebeu a

reportagem da Revista Comércio, Indústria

e Agronegócio (RCIA) na sede local

do CIESP para um bate-papo especial.

Com sua postura calma, centrada

e discurso otimista, o empresário de-

Bruno Naddeo,

durante o

Congresso

Estadual de

Empreendedorismo

que o CIESP trouxe

para Araraquara,

sendo considerado

um fato histórico,

pois pela primeira

vez chegou ao

interior

RCIA – Obrigado por nos receber.

Quero começar a nossa conversa falando

sobre a mais importante ação do

Núcleo de Jovens Empreendedores de

Araraquara até então: a realização do

13º Congresso Estadual de Empreendedorismo,

que ocorreu no Centro de Convenções

em setembro de 2016. Foi um

marco, certo?

Naddeo – Com certeza. Nele, tivemos

jovens empreendedores, universitários,

empresários renomados e

formadores de opinião discutindo perspectivas

e caminhos para o empreendedorismo,

mesclando a experiência de

grandes líderes para inspirar os participantes

mais novos.

Também agregamos performances

culturais e exposição de produtos de

empresas locais. Contamos com o apoio

do Sincomercio, ACIA, a Escola Trevisan

de Negócios, enfim. Criou-se uma aliança

unindo a cidade inteira, nos dando

gás para trabalhar ainda mais.

Batalhamos para que tudo fosse gratuito

e sei que fizemos história, porque

esse evento limitava-se apenas a São

Paulo e Santos. O sucesso foi tanto que

animou Botucatu a sediar o evento em

junho deste ano. E Bauru também já se

interessou e fará a atividade em 2018.

Ficamos felizes por trazer algo inédito

para o Interior. O retorno foi fantástico.

RCIA – Como está a agenda do Núcleo

local para este ano que começa?

Naddeo – Todos os coordenadores

(e convidados) se reúnem, mensalmente,

na sede do CIESP, na Avenida Paulista,

para trocar experiências, definir

ações e eventos, networking e assistir

palestras. No mês passado, tivemos um

bate-papo com Maurício de Souza e tesenrolou

detalhes sobre suas ações na

nossa cidade, assim como pincelou algumas

perspectivas para o mercado em

2017. Leia a entrevista na sequência.

10


nho certeza que foi um dos meus maiores

ganhos dentro da minha vida junto

ao CIESP.

O que posso dizer, por enquanto, é

que Araraquara abrigará atividades importantes

nos próximos anos. Não posso

precisar ao certo o que é, mas garanto

que o nosso empenho está grande.

RCIA – Você está na linha de frente

da sua empresa e tem uma intensa

agenda paralela frente ao NJE. Como

consegue conciliar tudo isso?

Naddeo – Conto com o total apoio

do CIESP, que confiou em meu trabalho,

afinal sou uma pessoa de fora que

representa o nome da instituição. Tenho

um relacionamento muito próximo

com a Michele Pelaes (gerente local) e

também com o Ademir Ramos (diretor

regional do CIESP Araraquara). Ambos

me dão um super respaldo em todas

as ações, além da abertura com o Tom

Coelho, diretor titular do Núcleo de Jovens

Empreendedores.

RCIA – Falando um pouco sobre o

mercado, Bruno, em sua opinião, como

um jovem empreendedor enxerga este

momento ruim da economia brasileira.

A hora é de avançar ou de esperar?

Naddeo – Esperar, jamais. Claro

que neste cenário, todo mundo sentiu

algum tipo de impacto. Falo por experiência

própria, pois coloquei alguns

conceitos em prática, como reorganizar

o quadro financeiro, investindo com

muita inteligência e estudo, para assim

encontrar novas saídas.

Por exemplo, eu deixei de fazer alguns

investimentos e reduzi meu salário

e dos outros sócios, e também identifiquei

despesas que poderiam ser cortadas.

Tudo isso para não perder a qualidade

do serviço que minha empresa

presta. Não adianta ficar lamentando ou

culpando este ou aquele político. Crise

é passageira e quando o mercado volta,

destaca-se quem se planejou, focou no

trabalho e colocou a empresa em destaque.

Esses serão lembrados.

RCIA – Criatividade e equilíbrio podem

resumir tudo isso?

Naddeo – Junto ao planejamento.

Isso é extremamente essencial. O brasileiro

não tem planejamento. Muitas empresas

quebraram por isso. Essa crise

estava escrita há algum tempo e quem

O auditório do Centro Internacional de Convenções ficou lotado para o congresso onde os

empresários conheceram o trabalho que vem sendo realizado pelos jovens empreendedores.

As atenções agora se voltam para a próxima edição que será realizada em Botucatu

não se preparou, fechou as portas. Não

é novidade que o Brasil gastava muito e

a conta viria em algum momento. Logo,

faltou para o empresário se informar

mais ou mesmo buscar apoio em associações.

Com união, o mercado vai pra

frente.

RCIA – Você citou uma possível falta

de comunicação no meio. Como ponderar

a ousadia do empresário novo com

aquele mais antigo, que acredita conhecer

o ‘caminho das pedras’?

Naddeo – O correto é balancear

tudo, já que ninguém sabe tudo. Essa

troca de informação é necessária. Por

exemplo, o jovem tem um conhecimento

maior em tecnologia e procura saídas

para aproveitar o máximo dela. Algumas

vezes, uma pessoa experiente prefere

não inovar e acaba tendo um custo

maior para manter suas ferramentas de

trabalho.

Por outro lado, quando tenho dúvidas,

eu procuro ajuda de pessoas mais

vividas para um suporte. Cada um deve

saber seu limite. Se os dois souberem

se ouvir, o resultado virá.

RCIA – Para conseguir crédito, o

perfil jovem apresenta mais dificuldade?

Naddeo – No Brasil, crédito não é

pra micro e pequeno empreendedor,

infelizmente. Os bancos cobram taxas

surreais. Para conseguir algo no BNDES

é uma saga e eles ainda exigem coisas

que alguém que está começando não

consegue cumprir.

Essa é uma reclamação geral e o

crédito tem que ser incentivado para o

jovem empreendedor. Os Estados Unidos

deram show ao investir no pequeno

empresário, que é o que mais emprega

por lá. E aqui também.

Na crise deles, americanos, em

2008, o governo zerou os impostos e os

jovens empreendedores passaram a ter

incentivo de crédito. O MEI (Microempreendedor

Individual) já foi um primeiro

passo, mas ainda é preciso melhorar.

RCIA – Muito obrigado pela entrevista.

Existe algo que queira falar em especial,

Bruno?

Naddeo - Aproveito para convidar

todos os interessados em participar das

nossas ações a procurarem a sede do

CIESP em Araraquara (Avenida Professor

Augusto César, 1090) para mais informações,

deixando sempre claro que o

termo jovem empreendedor está ligado

ao tempo no mercado como empresário

e não a sua idade em si. Estou à disposição

para ajudar nossa cidade a avançar

novos horizontes.

CINCO DICAS PARA QUEM PENSA

EM COMEÇAR UM NEGÓCIO:

1. Planejamento de mercado

(Quem vai consumir meu produto

ou serviço? A cidade que moro

abriga algo do tipo?)

2. Planejamento financeiro

(Quanto eu consigo suportar?)

3. Dois anos sem tirar um tostão

do dinheiro da empresa (Criar

um meu capital de giro)

4. Manter um conselho para

conhecimentos específicos

(Parte jurídica, por exemplo).

11


ACERTO DE CONTAS

Planejar, sempre!

Na avaliação de especialistas, este verbo resume bem todas as

ações possíveis para se equilibrar os gastos do começo de ano.

O Ano Novo, normalmente, é um período

no qual as pessoas adoram fazer

as mais diversas promessas. Colocadas

em prática ou não, a única situação

certa é que o mês de janeiro chega

recheado de contas às casas de todos

os brasileiros.

Falo sobre aquelas despesas que

não há jeito de fugir, como IPVA, IPTU,

material escolar ou mesmo rematrículas.

Normalmente, esse aperto financeiro

estende-se pelo trimestre, visto

que, em muitos casos, o consumidor

empolga-se e acaba gastando mais do

que deve.

Dentro desta esfera, Waldemar Bizelli

Júnior, Coach Corporativo Associado

na CBS Partners e Consultor Organizacional

na Action Plan Consultoria,

afirma que é importante lembrar que,

em muitos casos, não são os grandes

desembolsos os vilões pela perda do

controle financeiro “e sim aqueles pequenos

gastos diários e feitos de forma

automática. Há de se controlar cada

desembolso por menor que seja. Anotar

e criar o hábito de fazer isso diariamente”.

“Antes de tudo, é essencial relacionar

quanto dinheiro você ganha e

quanto, como, onde e no que você gasta.

Elabore uma planilha mensal para

2017. Inclua sua renda líquida, suas

despesas mensais (empréstimos, cartão

de crédito, aluguel, água, luz, taxas,

parcelas da casa própria, eletrodomésticos,

roupas, escolas, alimentos). Faça

uma projeção mensal para todo o ano”,

completa Bizelli.

Assim, estando ciente da situação

financeira, fica mais fácil enxergar e

definir sua meta financeira. “Depois de

definir o que você deseja alcançar, você

precisa quantificá-la e definir quando

pretende atingi-la. Se você não definir

valores (por exemplo, quanto quer economizar

por mês) e quando quer atingi-la

(por exemplo: dezembro 2020), vai ser

mais difícil atingir sua meta. Ao atribuir

um valor e uma data para a realização

da sua meta, você vai se sentir mais motivado

e compromissado para trabalhar

em direção a ela”, contextualiza.

EQUACIONANDO

De acordo com Eduardo Rois Morales

Alves, professor nos cursos de Administração

e Ciências Econômicas na

Universidade de Araraquara (Uniara),

o assunto divide-se em duas situações

distintas.

Quem está endividado deve ter,

como prioridade, equacionar ou quitar

suas contas antes de pensar nos gastos

do mês de janeiro. Dentro disso,

Waldemar Bizelli Júnior, Coach Corporativo Associado

na CBS Partners e Consultor Organizacional na Action

Plan Consultoria

12

“Antes de tudo, é essencial

relacionar quanto dinheiro

você ganha e quanto, como,

onde e no que você gasta.

Elabore uma planilha mensal

para 2017.

Waldemar Bizelli Júnior

destinar parte do 13º salário ou renegociar

os valores pode ser uma saída.

“Esta seria a primeira ação, afinal, os

juros no Brasil são altíssimos e acabam

com qualquer planejamento financeiro”,

pontua.

E para quem está no ‘azul’, o professor

pega carona no discurso de Bizelli

Júnior e ainda recomenda: se você

destinar 40% de seu 13º salário para

os gastos do começo de ano, você pode

caminhar ao encontro de uma saúde financeira

positiva.

“Tenha moderação na hora de comprar,

planeje suas viagens e deixe tudo

dentro de seu orçamento. O momento

econômico do País é um dos piores de

sua história, logo tenha cautela”, recomenda.


SEGUNDO BIZELLI JÚNIOR, RESPONDER AS PERGUNTAS ABAIXO

PODE FACILITAR AS COISAS PARA VOCÊ:

Que meta financeira você gostaria de trabalhar e que melhoraria

sua vida nos próximos anos?

O que poderia ajudá-lo a construir uma vida melhor para você

e para sua família?

Qual o seu objetivo financeiro realista para 2017? Quanto você

gostaria de economizar?

O que você precisa fazer a partir de agora para atingir essa

meta?

Quais gastos deverão ser evitados para alcançar a meta?

Como você vai controlar melhor suas despesas mensais a partir

de agora?

O que pode atrapalhar a meta definida? O que fazer se

isso ocorrer?

O que você fará diferente em 2017 que não fez em 2016 e que te

aproximará da sua meta?

O quão comprometido você está com a definição dessa meta?

Como vai se sentir quando atingir tais metas?

13


MERCADO

‘Novo Código Comercial pode ser salutar

ao crescimento econômico’, diz advogado

Para Jorge Luis Bedran, o

projeto de lei cuja votação

foi adiada duas vezes no

final de 2016, pode aguçar a

competitividade das empresas

nacionais e ainda contribuir

para que o consumidor final

pague preços mais baratos.

Com autoria do Deputado Vicente

Cândido ( PT/SP) teve início na Câmara

dos Deputados, em 14 de junho de

2011, o processo legislativo do Projeto

de Lei da Câmara nº 1572, que visa a

votação de um novo Código Comercial

Brasileiro.

E essa discussão de cinco anos foi

colocada para votação no fim de 2016,

porém suas sessões foram adiadas

duas vezes, sem uma data definida

para este ano. E toda essa suspensão

vai ao encontro da divergência entre

acadêmicos do meio jurídico e parte

do empresariado, que não veem a necessidade

de novas leis para regular o

mercado.

Quem nos explica algumas diretrizes

é o advogado araraquarense Jorge

Luis Bedran, pós graduado em direito

empresarial, que acompanha os passos

deste trâmite. Ele contou à reportagem

da Revista Comércio, Indústria e

Agronegócio que este novo código viria

em substituição ao antigo, que data de

1850, “e está por demais defasado”.

Para Bedran, é inconteste a evolução

do meio digital nos negócios hoje

em dia. “O projeto do novo Código Comercial

pauta, em vários artigos, a alteração

e a regulamentação dos contratos

entabulados de modo digital, bem

como os títulos de crédito deles derivados”,

explica.

Este novo projeto de lei também

versa uma maior efetividade da assinatura

eletrônica; a regulamentação do

comércio eletrônico; uma maior celeridade

e desburocratização na abertura

e no encerramento de empresas dando

maior efetividade às Juntas Comerciais,

além de limitar a responsabilidade dos

sócios por dívidas da pessoa jurídica,

dentre outros avanços.

“De outro lado, uma corrente de

estudiosos sobre o tema e do empresariado,

verbera que o novo Código

Comercial poderá trazer dúvidas e

insegurança jurídica ante o emaranhado

de normas que contém,

em cotejo com as antigas já utilizadas,

podendo trazer um maior

custo e perdas às empresas já

existentes”, pondera.

Porém, na opinião do advogado,

todas essas alterações contribuem

para uma maior competitividade

das empresas nacionais, o

que é salutar para o crescimento econômico,

bem como contribui para que

o consumidor final pague preços mais

baratos, o que será possível com uma

maior desburocratização e extirpação

de dispositivos anacrônicos e dúbios

existentes. “Não há dúvidas que serão

judicializadas algumas celeumas que,

por ventura, ocorrerão até que o Código

seja efetivamente consolidado”, finaliza

Bedran.

Para Bedran, atualmente no Brasil

não existe um código exclusivamente

comercial. As relações empresariais,

em sua maioria, são reguladas por leis

esparsas e pelo Código Civil, de 2002.

14


Edinho em sua posse no dia 1° de janeiro no Centro de Convenção, tendo ao fundo os vereadores que assumiram a Câmara

ESPERANÇA À TERRA DESCE

Edinho Silva é o 17° prefeito da cidade

que comemora 200 anos de fundação

Natural de uma pequena

cidade - Pontes Gestal, Edson

Antonio da Silva jamais

poderia imaginar que por

três vezes seria eleito prefeito

de Araraquara. Ele suplanta

Clodoaldo Medina e Rômulo

Lupo e se iguala a Waldemar

De Santi.

Pontes Gestal, envolvida por Riolândia,

Cardoso, Palestina e Américo de

Campos e menos de 150 quilômetros

de São José do Rio Preto em direção ao

sertão da araraquarense, não tem mais

Rua Maria Pontes Gestal, via principal

da cidade onde nasceu Edinho

que 3 mil habitantes. Cidade de poucas

ruas, sem rádios e jornais, só tem informação

sobre o que acontece por lá

graças às redes sociais.

É lá que nasceu Edinho

Silva, o 17° prefeito de Araraquara;

ele tem o privilégio de

ser o gestor nas comemorações

dos 200 anos da nossa

cidade (1817), como também

foi o prefeito eleito no ano

2000. “Pontes-Gestalense”

de nascimento, ele caminha

para completar 52 anos de

idade em 20 de junho. Seu

envolvimento na política começou em

Araraquara ao se filiar no Partido dos

Trabalhadores em Araraquara que nasceu

no dia 13 de fevereiro de 1980.

Pregando que seu objetivo era ter uma

cidade mais justa e igualitária, Edinho

tornou-se vereador, prefeito, presidente

do PT estadual, deputado, tesoureiro

da campanha de Dilma Roussef que

o convidou para assumir o cargo de

ministro-chefe da Secretaria de Comunicação

Social (Secom), onde permaneceu

até a saída da presidente.

15

Após exercer a vereança, Edinho se

elegeu prefeito em 2001 substituindo

Waldemar De Santi, que então cumpria

seu terceiro e último mandato; após dois

anos de governo, Edinho

deixou o lugar para

Marcelo Barbieri. Ele é

graduado em ciências

sociais na Universidade

Estadual Paulista

(UNESP) de Araraquara

e mestre em engenharia

de produção na Universidade

Federal de

São Carlos.

Nas eleições do ano passado, durante

sua campanha, Edinho Silva disse que

uma das prioridades do seu governo será

lutar pelos empregos da cidade, fazendo

também uma referência à IESA: “Nós temos

que fazer uma força tarefa, unificar

o sindicato dos trabalhadores, os acionistas

e o poder público municipal porque

nós não podemos permitir que o maior

parque de usinagem pesada da América

do Sul, que é a Iesa, seja desmontada”,

disse ele no momento que a empresa

dispensava 354 operários.

No momento, a maior

dificuldade da cidade é

manter o funcionamento

da rede básica de

saúde. Reabastecer os

medicamentos, organizar

programas preventivos

e reabrir o Pronto-

Socorro do Melhado, são

prioridades nessa área.


POLÍTICA

Apresentamos os secretários

do novo governo municipal

Sete pastas são ocupadas por mulheres; Professor Wellington Cyro Almeida Leite retorna ao DAAE.

O terceiro mandato de Edinho Silva

(PT) – os anteriores ocorreram entre

2001 e 2008 - frente à Prefeitura de

Araraquara começa a dar os primeiros

passos por meio da nomeação oficial

de seus doze secretários de governo.

Em seu facebook, através de transmissões

ao vivo, o prefeito que cumprirá

quatro anos de mandato, anunciou

os responsáveis pelas pastas. Das doze

secretarias, sete delas contam com mulheres

no comando. Uma intensa formação

acadêmica e representatividade

são algumas das características em

comum entre os escolhidos, demonstrando

que o prefeito quer qualidade

em gestão. Vale lembrar que Edinho

Silva foi eleito, no ano passado, com

41.220 votos, totalizando 41,71% de

votos válidos.

Por equilíbrio de

contas, novo prefeito

cortará 132 cargos

comissionados

Conheça os escolhidos

Donizete Simioni

(Gestão e Finanças)

Administrador formado

pela Universidade de

Araraquara (Uniara) com

especialização em Gestão

na Unesp.

João Bernal (Secretário

de Obras e Serviços

Públicos)

Formado em Engenharia

Civil e Engenharia de

Segurança do Trabalho

pela Faculdade Logatti,

com especialização na

UFSCar.

Juliana Picoli Agatte

(Planejamento e

Participação Popular)

Economista formada pela

Unesp com mestrado em

políticas públicas pela

Universidade de Brasília.

Maria Eloisa

Velosa Mortatti

(Desenvolvimento

Social)

Formada pela Unesp

Araraquara com mestrado

pela Universidade de São

Paulo (USP).

Clélia Mara Santos

(Educação)

Cientista social que já

atuou no Ministério da

Educação.

Priscila Luiz

(Comunicação Social)

Jornalista com

especialização em

gerências públicas pela

Unesp Araraquara

e especialização em

políticas públicas pela

USP.

Luciana Gonçalves

(Desenvolvimento

Urbano)

Arquiteta e professora

doutora da UFSCar.

Eliana Honain (Saúde)

Funcionária de carreira

e ex-secretária, também

é professora do curso de

medicina da Uniara.

Teresa Telarolli

(Cultura)

Historiadora e cientista

social formada pela

Unesp Araraquara.

16


Secretários

Damiano Barbiero

Neto (Desenvolvimento

Econômico e Agricultura)

Empresário e atual viceprefeito

de Edinho (2017-

2021)

Sérgio Médici (Negócios

Jurídicos)

Integrante do Ministério

Público, professor

universitário e vice-prefeito

de Edinho entre 2001 e

2008.

Everson Miguel

Inforsato, o Dicão

(Esportes)

Cientista social formado

pela Unesp de Araraquara

e ex-jogador da base

afeana.

Guarda Municipal

João Alberto

Nogueira Júnior

(Novo Comandante)

Coronel da Polícia

Militar que durante

muitos anos comandou

a Polícia Rodoviária,

assume a Guarda

Municipal

FUNDART

Gabriela Palombo

Ex-vereadora de

Araraquara (2012 a

2016). É formada em

História pela UNESP

EVENTOS

Manoel de Araújo

Sobrinho

Coordenador Executivo

de Comércio, Turismo e

Serviços de Araraquara,

englobando a Arena

da Fonte e Centro de

Convenções

GESTÃO

DAAE

Wellington Cyro de

Almeida Leite

Professor doutor da Unesp, ele

está de volta à superintendência

do DAEE, onde já serviu no

governo anterior do PT.

Ainda via redes sociais, também em

transmissão ao vivo no facebook, o prefeito

eleito de Araraquara, Edinho Silva,

disse que pretende cortar, no início de

sua gestão, 132 cargos comissionados,

coordenadorias, gerências e oito secretarias.

Segundo ele, essas ações vão

gerar uma economia de R$ 20 milhões

em 4 anos.

O estudo para reduzir o custeio da

administração foi feito paralelamente

ao trabalho da comissão de transição

da Pefeitura. “O objetivo é criar condições

financeiras para enfrentar os

problemas vivenciados pela população

araraquarense”, afirmou.

17


POLÍTICA E ECONOMIA

Novas (e inéditas) responsabilidades com

DAMIANO BARBIERO NETO

Vice-prefeito de Edinho Silva (PT) e Secretário de Desenvolvimento Econômico e Agricultura, Damiano

Neto nos conta detalhes de sua pasta e comenta assuntos de interesse dos setores comercial e industrial.

Aos 57 anos, o empresário araraquarense

Damiano Barbiero Neto (PP)

debuta em um cargo público neste começo

de 2017. E, logo de cara, este desafio

aparece em dose dupla, afinal, ele

agora ocupa a cadeira de vice-prefeito

do governo Edinho Silva (PT) e também

é o responsável pela pasta do Desenvolvimento

Econômico e Agricultura.

Em conversa com a Revista Comércio,

Indústria e Agronegócio, Damiano

explicou que a secretaria é responsável

por três coordenadorias: Economia Social

e Solidária, Agricultura e Indústria e

Tecnologia.

A coordenadoria de Economia Social

e Solidária fará o diálogo com os

grupos organizados ou em fase de

organização das cooperativas, do artesanato,

do comércio ambulante, do

sistema de emprego e capacitação. Já

a Agricultura terá como atribuição intermediar

a oferta de alimentos com

as necessidades do mercado institucional,

pequenos produtores e assentados

da reforma agrária.

Por fim, a coordenadoria de Indústria

e Tecnologia terá atribuições como

a organização da incubadora de empresas,

a relação com as demandas da

indústria, o diálogo com as universidades

e centros de pesquisa e a atração

e recepção dos investidores que aqui

querem fazer seus investimentos, principalmente,

em áreas de interesse do

município como TI (Tecnologia da Informação),

ferroviário, aeronáutico, energia

e sustentabilidade.

“Araraquara é um polo regional de

comércio e as ações serão no sentido

de buscar esse fortalecimento. Porém

é importante frisar que o diálogo frequente

com a indústria e o comercio é

o ponto de partida para a estruturação

das ações”, contextualiza.

Damiano Barbiero Neto,

vice-prefeito de Edinho

Silva e novo secretário de

Desenvolvimento Econômico,

acumulando a Pasta da

Agricultura

Damiano também comentou a iniciativa

do Sindicato Rural e Senar para

implantação da Feira do Produtor. A

ideia de capacitar os produtores, uniformizá-los

e disponibilizar para os consumidores

produtos de qualidade.

“A Feira do Produtor é um sucesso

pois resgata um pouco da nossa história

com sua realização na Estação

Ferroviária, além da Praça Pedro de Toledo,

com oferta de alimentos frescos

direto do produtor para a população,

demonstrando que parcerias com propósitos

específicos, parceiros sólidos e

confiáveis oferecem resultado positivo.

Vamos analisar a proposta e como a

Prefeitura poderá ampliar este importante

projeto”, garante.

18

COMÉRCIO PARALELO

Muitos comerciantes araraquarenses

reclamam do comércio ambulante

(óculos, carteiras, bolsas, móveis, cofres,

flores, frutas, mudas, etc) em nossa

cidade. Segundo Damiano, há uma

legislação específica para isso, inclusive,

algumas que abordam as questões

da saúde como óculos e alimentos, porém,

é necessário reconhecer a busca

das pessoas em alternativas econômicas

para manterem suas famílias e

também a dificuldade operacional de

fiscalização por parte da prefeitura.

“Neste caso específico, há duas

atuações: a orientação para o cumprimento

das legislações, chegando até


Rua Nove de Julho, um dos corredores afetados pelo comércio ambulante

as autuações e a busca de oportunidades

de geração de trabalho, emprego e

renda para que as pessoas sejam inseridas

e não tenham trabalhos alternativos”,

analisa.

Ele completa. “Por exemplo, é necessário

entender que os chamados

carrinhos de lanche são uma cultura

da cidade. Também, neste caso, há legislação

pertinente e neste momento

a Câmara debate aperfeiçoamentos.

Estaremos atentos e reforço o diálogo

para que os possíveis conflitos sejam

minimizados”, pontua o vice-prefeito e

secretário.

CRISE ECONÔMICA

A retração econômica é o grande

problema a ser combatido hoje no Brasil.

Porém, para Damiano, o papel dos

municípios é enxergar as cadeias produtivas

regionais e trabalhar na construção

de uma política econômica que

ofereça condições de enfrentamento à

crise.

“Insisto na importância do diálogo, da

interação e da busca de soluções conjuntas

nas quais a Prefeitura também possa

contribuir, ter um papel de indutor e aglutinação

a fim de que os problemas sejam

solucionados”, finaliza.

PERFIL E CAMINHADA POLÍTICA

Natural de São Paulo, Damiano

Barbiero Neto formou-se em Educação

Artística na Universidade de Guarulhos

(UnG). Desde 1988 adotou Araraquara,

onde mora, na Vila Xavier, com sua

mulher Rosa Maria de Oliveira. Tem

três filhos: Luciana, Bruna e Damiano

Júnior. Ex-diretor da Associação de Pais

e Amigos dos Excepcionais de Araraquara

(APAE), também foi presidente

do Banco Cadeira de Rosas, extensão

do Rotary Carmo e do Rotary Internacional-Distrito

4540.

No meio político, atuou como assessor

político do vereador Dr.Lapena (PP).

Deixou o cargo para disputar uma cadeira

na Câmara, porém seu plano foi

anulado, visto que Damiano tornou-se

o escolhido pelo Partido Progressista

(PP) para ser o vice de Edinho.

Damiano, Governador Assistente do Rotary

Distrito 4540 que reúne 78 clubes de serviço

Grande envolvimento com as ações sociais,

sendo ex-diretor da APAE

Casais Damiano Barbiero Neto-Rosa e

Dóris-Pedro Paulo Ferrenha no Jantar das

Celebridades, organizado pela APAE

19


A FORÇA DA JUVENTUDE

Bancada Jovem da Câmara

tem três novos vereadores

Thainara Faria (PT), Rafael de

Angeli (PSDB) e Roger Mendes

(PP) ocupam o cargo pela

primeira vez.

Dentro da nova composição da Câmara

Municipal de Araraquara, onze

das dezoito cadeiras existentes são

compostas por vereadores em primeiro

mandato. Dentro desta parcela, três deles

chamam atenção pela pouca idade,

no caso Rafael de Angeli (PSDB), Roger

Mendes (PP) e Thainara Faria (PT).

Entre os três, a mais nova é Thainara

Faria, de 22 anos. Ela foi eleita

com 1.572 votos. Em seu facebook, escreveu.

"Fomos diplomados, povo que

acredita que a igualdade é um sonho

possível. Espero que a população participe

do mandato, que é nosso! ", relatou

em sua página pessoal.

Muito ativo nas redes sociais, Rafael

de Angeli também mandou seu

recado. "Vamos começar um grande

trabalho pela nossa querida cidade de

Araraquara", informa o vereador, que

recebeu 1.177 votos.

Roger Mendes, eleito pela intenção

de 648 araraquarenses, escreveu em

recente postagem no facebook. "Sintome

honrado em poder representar os

cidadãos de nossa cidade na Câmara

Municipal.

LISTA COMPLETA

As outras quinze cadeiras são ocupadas

pelos seguintes vereadores:

Gerson da Farmácia (PMDB), Toninho

do Mel (PT), Pastor Raimundo Bezerra

(PRB), Juliana Damus (PP), Magal

(PMDB), Porsani (PSDB), Tenente San-

Roger Mendes, Thainara Faria e Rafael de

Angeli

tana (PMDB), Edio Lopes (PT), Elias

Chediek (PMDB), Zé Luiz - Zé Macaco

(PPS), Paulo Landim (PT), Jéferson

Yashuda Farmacêutico (PSDB), Edson

Hel (PPS) e Lucas Grecco (PSB) - 812

votos. Gerson da Farmácia foi o mais

votado da última eleição, com 1.934.

Seguindo acordo entre as bancadas,

Jéferson Yashuda foi eleito presidente

da Câmara Municipal.

20


Momento da entrega do diploma ao engenheiro Coca Ferraz no Salão de Festas da Associação de Engenharia

PREMIAÇÃO

Coca Ferraz, o Engenheiro

do Ano em Araraquara

Antonio Luis Roçafa, presidente da

Associação Araraquarense de Engenharia,

Arquitetura e Agronomia em sua saudação

ao Engenheiro do Ano

Considerado um dos maiores

especialistas do país nas áreas

de Engenharia de Transportes,

Engenharia de Tráfego e

Segurança no Trânsito, Antonio

Clóvis Pinto Ferraz, o Professor

Coca Ferraz, recebeu em

dezembro da Associação

Araraquarense de Engenharia,

Arquitetura e Agronomia, o

Prêmio de Engenheiro do Ano.

A vida profissional do professor

Coca Ferraz sempre esteve ligada a

abordagem que envolve fundamentos

sobre acidentes no trânsito, fatores de

riscos associados aos acidentes, fatores

associados à severidade, quantificação

e qualificação da acidentalidade,

engenharia na segurança de trânsito,

técnicas de avaliação de conflitos de

tráfego e auditoria de segurança viária.

“O que faço, é o que eu gosto”, diz.

21

Na verdade, possuir profundo conhecimento

sobre esta área de atividade

tem lhe dado projeção e notoriedade,

fortalecendo seu prestígio como

Professor titular da Universidade de

São Paulo, onde foi Chefe de Departamento,

Coordenador de Pós-Graduação

e orientador de inúmeras dissertações

de mestrado e teses de doutorado,

Coca Ferraz é especialista nas áreas de

Engenharia de Transportes, Engenharia

de Tráfego e Segurança no Trânsito,

tendo ministrado cursos e palestras,

apresentado trabalhos em congressos,

publicado artigos em jornais e revistas

especializadas e atuado como consultor,

tanto no Brasil como no exterior.

É autor (em alguns coautor) dos livros:

“Segurança no Trânsito”, “Transporte

Público Urbano”, “Escritos sobre

Transporte, Trânsito e Urbanismo”,

“Lições de Mecânica para Jovens Enamorados”

e “Os Homens que Fizeram a

História do Futebol em Rincão”.

SEGUE


Antonio Luis

Roçafa, presidente

da Associação

Araraquarense

de Engenharia,

Arquitetura e

Agronomia, o

homenageado Coca

Ferraz e Walter Corbi

O presidente da Câmara Municipal,

Elias Chediek, na abertura do evento

destacou que todos os anos, um profissional

da área é homenageado: “Coca

conseguiu melhorar o trânsito de Araraquara.

Ele enxerga sempre o lado

positivo das pessoas. Quero agradecer

o trabalho fenomenal que tem feito na

nossa cidade e deixar aqui também o

nosso reconhecimento aos engenheiros

do município”, comentou Chediek.

Clóvis Eduardo Pinto Ferraz, filho do

homenageado, leu o currículo do pai e

falou da importância em sua vida. Em

seguida, as palavras foram do deputado

estadual Roberto Massafera. “Quando

fui prefeito de Araraquara em 1993,

a cidade tinha 150 mil habitantes e nós

fizemos o terminal de integração, ideia

do Coca. Hoje você precisa de muito

mais trabalho e competência para organizar

o trânsito e por isso você está

recebendo essa homenagem de engenheiro

do ano pelo que fez não só aqui,

como também em Jaú, São Carlos e

São José do Rio Preto.”

Representando o prefeito Marcelo

Barbieri, a então secretária de Trânsito

e Transportes, Maria Emília de Oliveira

Souza Taddei também discursou. “Foi

meu antecessor na Secretaria e não

é possível separar o professor Coca

da sua trajetória como secretário de

Transportes. Tocados com seu entusiasmo,

aprendemos a valorizar o que

é essencial.”

Segundo o presidente da Associação

Antonio Luis Roçafa, “o que ele fez

aqui no município já vale toda essa homenagem.

Desde a época de escola,

nos identificamos muito e nunca perdemos

o contato. Conseguimos ter, em

um município pequeno, uma pessoa

que espelha tudo aquilo que o Brasil

precisa, que é a honestidade”.

“A homenagem que se presta a ele

valoriza a premiação e deixa evidente o

nosso interesse em destacar a atividade

exercida pelo associado”, comentou

o dirigente.

A promoção realizada anualmente

tem se fortalecido e criado uma expectativa

em torno dos nomes indicados

para o recebimento da premiação. Toninho

Roçafa comentou que “a associação

não é uma instituição tão grande,

porém, sabe reconhecer o papel que a

classe exerce na comunidade”.

Coca agradeceu as palavras de todos

os presentes e completou: “Sou

engenheiro por uma vocação natural,

mas também por professores de matemática

que me incentivaram tanto

em Rincão como em Araraquara, pelo

Elias Chediek, presidente da

Câmara Municipal

22

Luiz Roberto Sega,

presidente da FAEASP

Egydio Angerami Filho,

diretor financeiro da MUTUA


Além de apresentar o currículo do pai, Clóvis Eduardo Pinto Ferraz fez

uma emocionante saudação ao ilustre homenageado

apoio do Massafera e por ter conhecido

a escola de engenharia de São Carlos.

Eu aceito essa homenagem como uma

homenagem à engenharia, pelo amor

que tenho pela profissão. Eu gostava de

tudo. Acabei optando por Transportes e

acredito que consegui fazer muito para

a sociedade brasileira”.

O homenageado também falou sobre

os últimos quatro anos como viceprefeito.

“Agradeço a oportunidade de

ter participado dessa última administração

do Marcelo Barbieri. Conseguimos

colocar muita

coisa em prática

em Araraquara e

evitar que aproximadamente

70

pessoas morressem

e 300 se ferissem gravemente no

trânsito. E tudo isso está sendo reconhecido,

mas é a nossa Araraquara que

está sendo elogiada.”

De autoria do vereador Elias Chediek,

a lei que instituiu a data comemorativa

– 11 de dezembro – foi aprovada

O deputado Roberto Massafera que também é engenheiro civil,

destacou as qualidades de Coca Ferraz, como político e profissional

pela Câmara Municipal em Sessão Ordinária

do dia 1º de fevereiro de 2005

e promulgada pelo prefeito em 28 de

fevereiro do mesmo ano. O evento foi

realizado no salão de festas da Associação

Araraquarense de Engenharia,

Arquitetura e Agronomia.

23


Coca Ferraz abraçado com

a mãe e a esposa, demais

familiares durante o evento:

Rita (irmã), Jaime (irmão),

Tete (filha), Nancy (mãe),

Nice (cunhada), Coca,

Celinha (esposa), Júlia

(nora) e Tato (filho)

O abraço do amigo

Joel Salgueiro

Coca com o casal Cristina

e Roberto Massafera, que

disse ao homenageado:

“Eu o incentivei a

deixar o futebol para se

transformar num grande

profissional da engenharia

Antônio Gabriel, Ivan Roberto Peroni e Lineu

Carlos de Assis, na noite em que Coca Ferraz

foi homenageado como Engenheiro do Ano

Roberta e o marido Vitor Moura

Coca e o mestre de cerimônias

Wagner Luís

Francisco Malta Cardoso, Clóvis Ferraz (Tato)

e Jaime, irmão de Coca

Coca Ferraz com os amigos João e Lívia,

ambos advogados

24


Reconhecimento ao trabalho

do brilhante professor Coca

A secretária de Trânsito e Transporte em Araraquara, Maria

Emília de Oliveira Souza Taddei, diz que não é possível separar

o professor Coca da sua admirável trajetória também como

Secretário

Maria

Emília

Foi com compreensível sentimento

de alegria, mas também de preocupação,

que recebi o honroso convite do

Prefeito Municipal de Araraquara, Marcelo

Fortes Barbieri para estar aqui, e

homenagear, em seu nome, o ilustre

Vice-Prefeito, Livre Docente, Professor

e Engenheiro Antonio Clóvis Pinto Ferraz,

o Coca.

Assim, o sentimento de alegria e satisfação

se justifica, pois é sempre gratificante

poder falar sobre um professor

da gente, um, que foi especial.

Mas, ele foi também o meu antecessor

na Secretaria de Trânsito e Transportes

e é justamente daí que vem a

preocupação, porque é delicada a tarefa

de selecionar e condensar alguns

aspectos de relevo do Coca, quando

tenho a noção muito clara de que todos

eles são igualmente significativos. Não

é possível separar o Professor Coca, da

sua admirável trajetória também como

Secretário. Agradeço a você, Coca,

pela generosidade em compartilhar

conosco, eu e o Lico, coordenador de

trânsito, seu pensamento vivo, sua capacidade

acadêmica e inteligência, sua

sabedoria intelectual e existencial.

Procurei, professor, frente à Secretaria,

dar continuidade ao seu trabalho

agindo com muita cautela e responsa-

bilidade para implementar ações estratégicas,

com respeito à Legislação

vigente, ao interesse público e com

transparência.

Professor, tocados por seu entusiasmo

e didática ímpares, aprendemos a

valorizar o que é essencial e a ter compromisso

permanente com o rigor técnico.

Acabamos assim, sob sua orientação,

a desvendar nossos próprios

talentos.

25


26


ETERNO MESTRE

Sérgio Russi recebe o título de Professor

Emérito da Faculdade de Odontologia

Conceituado na odontologia

brasileira, o professor é

homenageado em Araraquara.

O Professor Sergio Russi, da Faculdade

de Odontologia de Araraquara

– Unesp, nasceu em 22 de junho de

1936, em Ibitinga, região de Araraquara,

sendo filho de Olívio Russi e Vivência

Marotti Russi. Os primeiros estudos

foram feitos em sua cidade natal e São

Carlos e cursou o colegial e o Curso

Técnico de Comércio (Contabilidade).

Em 1956 ingressou, como aluno na

Faculdade de Farmácia e Odontologia

de Araraquara, um instituto isolado do

Sistema Estadual do Ensino Superior.

Em 1959, veio prestar serviços técnicodidáticos

como Auxiliar de Ensino no

Departamento de Prótese do Curso de

Odontologia desta faculdade.

Durante todo o seu tempo nesta

instituição, que perdura até hoje, pois

continua a atuar como Professor Colaborador,

nunca deixou de se preocupar

Membros da Congregação da FOAR-UNESP durante o evento

A Diretora Professora Elaine Massucato,

o Professor Emérito Sergio Russi e o vice-

Diretor Professor, Edson Alves de Campos,

fazem a entrega do prêmio ao ilustre

homenageado

com sua formação e com a divulgação

do seu saber profissional e de vida.

Suas qualidades o projetam aos

olhos de toda a comunidade. Além da

indiscutível aptidão para o trabalho

didático, exemplar disciplina, grande

assiduidade e eficiência no desempenho

de suas funções, estão sua ilibada

idoneidade moral e ética, particularidades

que construíram seu caráter de

homem.

Orgulho para sua família, para o Departamento

de Materiais Odontológicos

e Prótese e para toda a Faculdade de

Odontologia de Araraquara, o Professor

Sergio Russi foi indicado para receber

o Título de Professor Emérito por esta

faculdade e no dia 12 de dezembro,

houve a cerimônia de entrega, numa

Sessão Solene da Congregação com

a presença do Vice-Reitor da Unesp,

Professor Eduardo Kokubun e da Pró-

Reitora de Pós-graduação, Professora

Lourdes Aparecida Martins dos Santos

Pinto e de toda a comunidade, familiares

e amigos desse querido professor.

Este título é uma homenagem da

Faculdade e de todos que o reconhecem

como um ser humano insuperável,

ímpar, com uma imensa capacidade de

afeto para com os outros. Um homem

que nunca se deixou seduzir por benesses,

mas sempre se fez marcar pela postura

digna e correta em todas as suas

ações e comportamentos na vida profissional

e pessoal. Uma pessoa incapaz

de, a cada passo, fugir do nosso olhar,

do nosso aperto de mão, de um caloroso

abraço, desejando um “bom dia”.

Parabéns e gratidão, querido Professor

Sergio Russi! Você está marcado na

história da Faculdade de Odontologia

de Araraquara-Unesp que o reverencia.

27


HOMENAGEM

PEIXE NA CUMBUCA ERA A ESPECIALIDADE DA CASA

Os tempos românticos da

cidade, no “Dom Manoel”

Já era madrugada e o pessoal

da mesa 04 ainda estava

lá. Quase todas as noites

era assim: eles se juntavam

e ficavam horas e horas,

cumprindo um ritual que

começou no Bar do Freitas,

na Praça Newton Prado, em

frente a estação ferroviária em

1948. Dalí a família Freitas se

transferiu 20 anos depois, indo

para a Estação Rodoviária que

acabara de ser inaugurada.

Araraquara no final dos anos 40 não

tinha mais que 50 mil habitantes e a

cidade também acontecia em frente

a estação ferroviária depois da meia

noite, com a passagem dos trens da

Paulista que vinham de São Paulo ou

a saída das composições da EFA que

invadiam os sertões da araraquarense.

O movimento na Praça Newton Prado

se revezava com a ida dos passageiros

que seguiam para São Paulo.

Manoel de Freitas, dono do bar, tinha

vindo de Motuca para Araraquara

em 1939, trazendo a esposa Rosa e os

filhos Moacyr, Maurílio, Luiz e Matilde,

fixando residência na rua Itália onde o

primeiro armazém da família foi instalado,

uma espécie de minimercado. Algum

tempo depois nasceram mais dois

filhos: Manoel e Germano.

O armazém mudou para a avenida

São Paulo, entre as ruas Gonçalves

Dias e Nove de Julho, e em seguida a

família comprou o famoso bar da avenida

São Paulo, esquina com a Antônio

Prado, onde ficou estabelecida por 20

anos, lembra Moacyr de Freitas, recentemente

homenageado merecidamente

pela Câmara Municipal com o diploma

de “Honra ao Mérito”.

Natural de Motuca, ele nasceu em

1933, estudou na Escola Antônio Joaquim

de Carvalho (ANJOCA), fez o científico

no IEBA e se formou professor de

desenho na Escola de Belas Artes de

Araraquara. Trabalhou por 11 anos na

White Martins, emprego que deixou

para se dedicar ao Bar do Freitas, passando

a ajudar o pai Manoel. Foi casado

com Maria Helena com quem teve

os filhos Moacir, Gustavo e Natalia.

O Bar do Freitas a partir de 1950

tornou-se referência para os profissionais

que chegavam em nossa cidade,

Manoel de

Freitas com os

filhos Germano,

Maurílio, Moacyr e

o neto Maurílio de

Freitas Júnior, na

inauguração do Dom

Manoel em 1968. Ao

fundo foto da cidade,

então com 60 mil

habitantes e a Matriz

sem a cúpula

principalmente os médicos que deixavam

lá informações sobre suas especialidades

e locais de atendimento. “As

pessoas desembarcavam na estação e

passavam pelo bar buscando as mais

diversas orientações”, comenta Moacyr.

Quando não, os estudantes que

se hospedavam nos hotéis das proximidades

davam o Bar do Freitas como

ponto de referência para entrega de

cartas, livros e revistas científicas. Mas

Os filhos de Rosa e Manoel de Freitas na sua

chegada em Araraquara: Mathilde Rosa Freitas

Torres, Luiz Gonzaga de Freitas, Germano de

Freitas Neto, Manoel Eurico de Freitas, Moacyr

de Freitas e Maurílio de Freitas (atrás)

28

Manoel de Freitas ou Dom Manoel


Por 20 anos a família Freitas

manteve um bar na rua

Antônio Prado esquina da

avenida São Paulo, na Praça

Newton Prado, em frente

a estação ferroviária. Além

do mais saboroso Baurú

da cidade, o bar oferecia o

peixe no papel celofane e

com a ida para a estação

rodoviária, se transformou no

peixe ensopado na cumbuca

era lá também que alguns políticos da

cidade e as pessoas se encontravam,

apreciando o movimento e discutindo a

rotina da cidade, saboreando ainda um

Baurú que era especialidade da casa.

A VIDA COMEÇA A MUDAR

Antes de 1968, era na avenida

Portugal pouco acima da rua São Bento

que os ônibus da Viação Cometa e

Empresa Cruz estacionavam para o

embarque e desembarque de passageiros.

Também na Praça Nilton Prado

paravam as companhias intermunicipais

como “Queijinho”, que partia daqui

para Guarapiranga e outras pequenas

localidades. Atento ao desconforto dos

passageiros e visitantes, o prefeito Rômulo

Lupo decidiu construir a partir do

seu segundo mandato em 1964, uma

estação rodoviária e pediu aos arquitetos

Luiz Ernesto do Valle Gadelha e

Jonas Faria que elaborassem o projeto,

considerado ousado para a época: dois

pórticos com a utilização da técnica de

concreto protendido, sustentando uma

base que acolhia os usuários do transporte

rodoviário. Os ônibus vindos pela

avenida 7 de Setembro estacionavam

embaixo desta base, fazendo manobras

com auxílio de um pequeno balão,

porque a Via Expressa ainda não havia

chegado até a avenida Portugal. Com a

construção da rodoviária, a avenida São

Paulo eliminou a ponte sobre o córrego

e construiu anexo ao piso superior da

estação, um pequeno pontilhão sobre a

Expressa que praticamente nascia ali.

Foi neste cenário que a família

Freitas embarcou, deixando a Praça

Newton Prado para ocupar três boxes

da nova estação rodoviária, havendo

uma concorrência para bares e restaurantes

interessados em explorar aquele

prédio público antes mesmo da conclusão

da obra. Um dos bares interessados

era da dona Tereza, a japonesa do

Bar do Mixirica, em frente a Matriz.

Estava criado em 1968 o Bar e Restaurante

Dom Manoel levando para o

novo espaço, final do mandato de Rômulo

Lupo, a experiência adquirida no

bar da praça Newton Prado, principalmente

do peixe assado no papel celofane.

Foi alí que “o peixe da família Freitas”

começou a ganhar adéptos como

Adhemar de Barros, que veio especialmente

de São Paulo para se encontrar

com os trabalhadores da EFA, no horto

florestal, em um apreciado almoço. Ele

saboreou um “dourado” de 25 quilos

pescado em Motuca por Orlando Ribaldi,

que vendia os peixes para Manoel.

Inauguração do Dom

Manoel: José Benedito de

Souza (Espingardinha),

prefeito Rômulo Lupo,

Procópio de Oliveira,

Paulo Silva (O Imparcial) e

participante não identificado,

sentados; Valdomiro

Custódio de Lima, Agostinho

Toscano, Arnaldo Palamone,

Ovidio Delphini, Pérsio de

Paula, Celso Almeida Leite,

Wennis Dias Macieira, José

Ziliolli, Rudney Brunetti,

Manoel de Freitas e Geraldo

Moreira (O Diário da

Araraquarense), em pé

29


Nas cumbucas da feijoada

surgiu o peixe à moda da casa

O sucesso do peixe no

celofane fez Moacyr sugerir

ao pai o “peixe ensopado na

cumbuca” provado e aprovado

pelo pessoal da mesa 04 já

na Estação Rodoviária. O

peixe era pescado sempre um

dia antes no Mogi, em sua

passagem por Motuca.

“Conversei com o meu pai e fizemos

uma experiência. Deu certo e

criamos no cardápio o peixe à moda

da casa, que ganhou notoriedade”,

lembra Moacyr. Mas, até hoje ele tem

a receita trancada a sete chaves, dizendo

apenas que o segredo está no uso

das ervas para o tempero dos peixes

normalmente usados como piapara,

piracanjuba, dourado, pacú, enviados

através da via férrea por um pescador

de Motuca (Ribaldi). Eles eram sempre

pescados no dia anterior, conta Moacyr.

Famoso e comentado pelos cronistas

esportivos de São Paulo que vinham

cobrir os jogos da Ferroviária, o

o Dom Manoel que começara sua nova

vida num espaço com 22 mesas nos

boxes 16, 17 e 18, os três primeiros

para quem entrasse na rodoviária pela

avenida Portugal. No mesmo pavimento

havia um local para a Polícia Militar

que mantinha plantão dia e noite, varejão,

lanchonete do Malarinha, guichês

para venda de passagens e sanitários.

Em 1980, o Bar e Restaurante Dom

Manoel ficou maior ainda pois com a

inauguração da nova rodoviária no final

da Via Expressa, Moacyr de Freitas

decidiu levar o seu negócio onde estavam

os guichês das empresas de ônibus,

passando a ter 64 mesas. Embora

estivesse em uma Estação Rodoviária,

seu ambiente sempre foi tipicamente

familiar.

A FAMOSA MESA QUATRO

Desde os tempos do Bar do Freitas,

perto da estação ferroviária, alguns

clientes fidelizaram o fim de noite. Além

de amigos, eles apreciavam uma boa

O peixe servido no Dom Manoel seguia os

padrões de um ensopado inigualável que

atraía clientes de vários pontos do Estado.

O segredo do tempero é guardado com

carinho por Moacyr até hoje.

Manoel e Rosa, aniversário de casamento

conversa sobre a cidade que aparecia

como emergente no interior paulista.

O romatismo era pontuado pelos passageiros

que desembarcavam ou embarcavam

nos trens noturnos da EFA e

Paulista e o bar, se transformava num

pedaço do céu com a entrada e saída

das pessoas.

A imagem de alguns deles ainda é

guardada com carinho no velho bar por

Moacyr: Walter Zaniolo, Rubens Arruda,

Adayl Torquato (“Três”), Paschoal

Meaulo e Itaboray (Receita Federal). No

empreendimento da estação rodoviária

outros clientes se tornaram assíduos

na tradicional mesa 04: Darcy Paschoalato,

Pedro Fornazari, Everton Aievoli,

“Tola Malara”, Hélio La Laina, Cláudio

Malkomes e Zachi Stéfano, levados por

30


Walter Zaniolo. Também se juntavam a

ele, juízes, promotores e professores

que davam aula na Faculdade de Direito

do São Bento.

“Na verdade, meu pai não se conformava

em ver um cliente jantando sozinho,

muitas vezes ia lá puxar assunto e

na maioria das vezes, fazia uma grande

amizade e as pessoas passavam a frequentar

o local”, conta Oswaldo Romio

Zaniolo, filho de Walter.

Num desses dias, diz Zaniolo, estava

um senhor sentado com seu filho, e

meu pai foi lá. Conversa vai, conversa

vem, este senhor lhe comunicou que o

seu filho havia passado no exame para

a Magistratura e vinha assumir uma

das Varas Cíveis desta Comarca. Este

homem falou tudo, até o que não devia,

como por exemplo: “ - Dr. Walter, o meu

filho é muito estudioso, teve muita experiência

como funcionário do Cartório lá

em Ribeirão; vai ser um bom Juiz. Mas

ele é um moço ainda, impetuoso como

todos os jovens; por favor cuide do meu

menino. Foi o bastante. Daquele dia em

diante e até o dia em que o menino assumiu

uma vaga no Tribunal de Justiça

do Estado, meu pai não o largou, até

mesmo quando ele foi preso por ter brigado

com um cidadão que jogava lixo na

rua. – “Mas, preso?! Por que você não

se identificou?” Para não dar “carteirada”,

foi a resposta. O Desembargador

ainda comenta: Tenho muita saudade

do véio, referindo-se a Walter Zaniolo,

que se tornou padrinho de casamento

de Moacyr e levado para a maçonaria a

convite do filho, Osvaldo Zaniolo.

COISAS QUE

ACONTECEM

Em outra ocasião, Walter Zaniolo ao

chegar no restaurante, viu que uma

confusão estava armada. O Germano

havia chamado a Polícia porque um

jovem, havia jantado e na hora de

pagar a conta disse-lhe: “ – Olha, eu

saí da penitenciária agora e esqueci a

minha carteira e todos os documentos.

Por favor espere que eu vou buscálos.

Meu pai vendo aquela confusão

Moacyr e o pai Manoel escreveram uma das

histórias mais belas da culinária araraquarense

durante os 30 anos de permanência na estação

rodoviária; outros 20 anos foram vivenciados

no Bar do Freitas. A casa participou da vida

boêmia da cidade no seu importante período

de desenvolvimento econômico.

foi ter com ele que lhe explicou:

Meu nome é Luiz Arnaldo Setti,

sou o engenheiro responsável pela

Construsam que está construindo

a Penitenciária. Saí correndo e

esqueci carteira e documentos. Meu

pai pagou a conta e nasceu uma

boa amizade. O avô dele era um

professor e poeta que respondia as

cartas do Governador Laudo Natel

que ao saber do ocorrido também

pediu: Dr. Walter cuida do meu

menino.

31


DEMERVAL SIMÕES

O seu nome

está no balão

Aquilo que até ontem era

chamado de “balão” agora

se transforma em dispositivo

viário.

Ato solene da inauguração do dispositivo

Foi inaugurado o dispositivo viário

“Demerval Simões”, na Rua José Barbieri

Neto, confluência com a Avenida

Antônio Carvalho Neto, no acesso aos

bairros Chácara Flora e Parque Planalto,

na zona norte de Araraquara.

O investimento é oriundo de convênio

estadual. O empreendimento se

soma as melhorias realizadas na via

de ligação com o Distrito de Bueno

de Andrada, desde a duplicação do

trecho entre a Represa das Cruzes e

o Parque Planalto, o recapeamento

asfáltico da vicinal até Silvânia e o nivelamento

do acostamento, além das

instalações de defensas metálicas.

Demerval Simões (1922-2001)

nasceu em Bariri e com a esposa Carmem

Vargas da Silva Simões teve os

filhos Demerval José, Renato Simões,

Paulo Roberto, Ubirajara, Irnério e Gisele

Maria. Radicado em Araraquara

desde 1945, Demerval participou da

construção do Posto Morada do Sol,

manteve programa de música caipira

na Rádio Cultura, exerceu a vereança

nos anos 1950 e 1960, e militou na

advocacia nos fóruns de Araraquara e

Américo Brasiliense, inclusive na Junta

de Conciliação. Teve intensa participação

nas ações sociais da cidade.

FATOS & FOTOS

OS GANHADORES DO EXPORTA SÃO PAULO

A Associação Comercial de

São Paulo e a Federação

das Associações Comerciais

do Estado de São Paulo

realizaram em dezembro

a 12ª edição do “Exporta

São Paulo”, prêmio que tem

o objetivo de reconhecer o

trabalho dos exportadores

paulistas ao longo do ano.

O prêmio foi criado em 2005

para estimular produtores

paulistas a se engajar em

operações de exportação

e reconhecer seus esforços

num setor que tem ajudado

o Brasil a sobreviver à

crise. O “Exporta São Paulo” avalia o

desempenho de exportadoras de cada

uma das 20 regiões administrativas da

FACESP, abrangendo assim todo o território

paulista. A avaliação leva em conta, além

de critérios econômicos, o trabalho das

empresas nas áreas de responsabilidade

social e ambiental. Em dezembro de

2005, o empresário Ademar Ramos da

FORA DA LISTA

Nenhuma empresa de Araraquara aparece

neste ano no ranking dos vencedores do

Exporta São Paulo, organizado pela FACESP

e Associação Comercial de São Paulo.

São Carlos conseguiu premiação através

da APRAMED, empresa especializada em

aparelhos médicos.

LIXO VIRA TCC

Nos dias atuais, em que o consumo e o

desperdício aumentam no mundo todo,

a questão do tratamento do lixo assume

importância indiscutível. Esse fato motivou

um grupo de estudantes do último ano do

curso de Administração Pública da Unesp

de Araraquara, a se debruçar sobre o

tema para a conclusão de um trabalho

acadêmico. É preciso que o resultado do

TCC seja do conhecimento dos profissionais

da área, bem como dos políticos, via de

regra desconhecedores da área.

Os maestros Valdemir Pedroso, Israel Souza,

Marcelo Silva, Humberto Brasil, Luiz Ribeiro

e Emerson Souza, se revezaram no palco

32

Ademar Ramos, da Alumínio

Ramos, vencedor em 2005

Silva, da Alumínio Ramos, foi escolhido

para receber o Prêmio Exporta São

Paulo. Era presidente da ACIA na época,

Valter Merlos. Em dezembro de 2015, o

araraquarense João Carlos Costa, da Geo

Clean, também foi vencedor do Exporta São

Paulo, por desenvolver produtos químicos

para nutrição e proteção de plantas. Era

presidente da ACIA, Renato Haddad.

SUBINDO

Abertura da Smart Fit

na Avenida 36, antigo

prédio da empresa do

Tite Catapani, mostra

o crescimento do

setor em Araraquara.

Em apenas cinco

anos, o número de

academias teve um

salto de 133%; isso

significa que são mais

de 30 academias

de pequeno, médio

e grande portes. A

principal razão deste

crescimento está na

busca de qualidade

de vida das pessoas.

Investimentos chegam

aos 200 mil reais.

João Carlos Costa, da Geo Clean

vencedor em 2015

DESCENDO

UM SHOW DE BANDAS

Escolas de samba

de Araraquara e os

blocos não devem

esperar muito do

Poder Público pra

caírem na passarela

do samba este ano.

Previsto para o dia 28

de fevereiro (terça),

a nova secretária

de Cultura, Teresa

Telarolli, terá pouco

tempo para ajeitar

a casa e liberar

recursos. No silêncio,

dirigentes de escolas

e blocos aguardam

com ansiedade o

anúncio sobre o

quanto vão receber.

Aconteceu em dezembro no auditório da UNIP

o primeiro Encontro de Bandas de Música da

Polícia Militar em comemoração aos 185 anos

da PM no Estado de São Paulo. Músicos das

corporações de Sorocaba, Campinas, Ribeirão

Preto e Araraquara se uniram e apresentaram

canções nacionais e internacionais. O cabo PM

Alexandre interpretou hits de Tim Maia.


FRASE

Enfim, o que eu sempre

imaginei e torci, cada

secretaria com o

profissional da área

com qualificações

para tal, e não simples

apadrinhamentos ou

Edi Frediani

dívidas de promessas,

ou quebra galhos por incompetência

administrativa. Edinho, parabéns!

Declaração de Edi Frediani, candidata a uma

das cadeiras da Câmara Municipal em outubro

passado, pelo PSDB, partido que lançou Edna

Martins (prefeita) e Coca Ferraz (vice). Edi que

atua na área da comunicação teve 471 votos. A

democracia é importante principalmente quando

usada para reconhecer o valor do adversário.

MUDANÇA EM MARÇO

Embora não seja mais prefeito, Marcelo Barbieri

até março será o presidente do Comitê da Bacia

Hidrográfica do Tietê-Jacaré, formado por Ibitinga,

Itaju, São Carlos, Ribeirão Preto, Pederneiras, Jaú,

Lençóis Paulista, Macatuba, Mineiros do Tietê, Nova

Europa, Ribeirão Bonito, São Carlos, São Manuel,

Tabatinga, Torrinha e Trabiju. A população total da

bacia é de 1.462.855 habitantes.

A UPA DO SELMI DEI

Descerramento da placa em dezembro

Com 957m² de construção em uma área de

quase oito mil m², a UPA “Nefália de Oliveira

Lauar” foi inaugurada no Selmi Dei, em

dezembro. A unidade deve receber mais de

cinco mil famílias e realizar, aproximadamente,

150 atendimentos diários. Essa UPA foi a

terceira entregue pelo prefeito Marcelo Barbieri

e beneficia a população, assim como as mais

de 330 obras realizadas em sua gestão. A

construção custou dois milhões de reais ao

Governo Federal e 500 mil reais ao município.

Em seu discurso, o médico, ex-vice-prefeito,

ex-secretário da Saúde e esposo da falecida

homenageada, Anuar Mahmud Lauar disse:

“Essa homenagem à minha esposa me traz

muita emoção, recordações e saudades dos

momentos de companheirismo vividos com

Nefália, durante quase 56 anos de casamento.

Ela foi um exemplo de mãe, filha, esposa e

cidadã”.

33


ELEIÇÃO I

SINCOAR tem novo presidente:

EDUARDO BONIFÁCIO MARTINS

Com graduação em Ciências

Contábeis pela UNICEP de

São Carlos, Eduardo Bonifácio

Martins cumprirá mandato

de três anos no Sindicato dos

Contabilistas de Araraquara.

Filho de Edna Frajacomo e Orlando

Bonifácio Martins, Eduardo está assumindo

o Sindicato dos Contabilistas de

Araraquara em janeiro. Com 41 anos,

casado com Andréia Eiko de Freitas,

Eduardo tem dois filhos: Murilo e Mateus,

sendo sócio proprietário do Escritório

Visão. Ele fez o Ensino Fundamental

e Ensino Médio no EEBA, graduação

em Ciências Contábeis na UNICEP em

São Carlos e Pós-Graduação em Auditoria

Contábil pela Universidade de Araraquara,

em 2016.

SINCOAR

TRIÊNIO 2017/2019

DIRETORIA

Presidente: Eduardo Bonifácio Martins

Vice: Ronaldo Paganini de Oliveira

1º Secretário: Orlando Bonifácio Martins

2° Secretário: Vítor Luís Tampellini

1° Tesoureiro: Roberto Aiello Fonari

2° Tesoureiro: Marcos Cristiano Martins

1° Diretor Social: Geraldo Luís Tampellini

2° Diretor Social: Valter Renato Moraes

1° Diretor Cultural: Luiz Carlos Velludo

2º Diretor Cultural: Paulo Luiz Pecin

SUPLENTES DA DIRETORIA

Marcos Henrique Duó

José Roberto de Castro

Marcelo Fais

Geraldo Stivanatto

Júlio Fernando Pascoal Basso

José Antonio da Silva

Maria Regina Fonari Moura

Wladimir Carlos Bersanetti Rodrigues

Donizete Fuzari

Benedito Salvador Carlos

Eduardo Bonifácio Martins, presidente

do SINCOAR. Ele substitui Geraldo Luís

Tampellini que cumpriu brilhante mandato

CONSELHO FISCAL

Marcos César Garrido

Paulo Roberto de Andrade

Francisco José Formariz

SUPLENTES CONSELHO FISCAL

Rita de Cássia Servidoni Sperafico

Roberto Mantegassi

José Antonio Ioca

DELEGADOS REPRESENTANTES

Eduardo Bonifácio Martins

Orlando Bonifácio Martins

Suplentes de Delegados Representantes

Ronaldo Paganini de Oliveira

Geraldo Luís Tampellini

34


ELEIÇÃO II

AESCAR elege novo presidente:

DANIEL STOQUE PECIN

Formado em Ciências

Econômicas pelo Centro

Universiário de Araraquara,

Daniel Stoque Pecin

permancerá na AESCAR nos

próximos três anos.

Daniel comemora no mês de fevereiro

20 anos de carreira. Hoje é sócio

no Escritório Modelo de Assessoria

Contábil. Filho de Vera Lúcia Stoque e

Paulo Luiz Pecin, é casado com Débora

Cristina Manduca Ferreira e pai de

Júlia Liz e Clarissa. Fez o Fundamental

no Progresso e o Ensino Médio na Coeducar;

cursou Técnico de Contabilidade

no SENAC e Ciências Econômicas na

UNIARA. Sua Pós-Gradução ocorreu na

UFSCAR de São Carlos, em Gestão Organizacional

e Recursos Humanos.

AESCAR

TRIÊNIO 2017/2019

DIRETORIA

Presidente: Daniel Stoque Pecin

Vice: Wladimir Carlos Bersanetti Rodrigues

1º Secretário: Valter Renato Moraes

2º Secretário: Paulo Henrique Girasol

1º Tesoureiro: Luiz Carlos Velludo

2º Tesoureiro: Marcos Cristiano Martins

1º Diretor Social: Marcos Henrique Duó

2º Diretor Social: Ronaldo Paganini Oliveira

1º Diretor Adjunto: Vitor Luiz Tampellini

2º Diretor Adjunto: Thaís Formariz Marques

SUPLENTES DA DIRETORIA

Paulo Luiz Pecin

Roberto Aielli Fonari

Denilson Altemari

José de Paula Trindade

Cristiane Zavitoski Conceição

José Roberto de Castro

Marcio Antonio Brambilla

Júlio Fernando Pascoal Basso

Donizete Fuzari

Paulo Henrique Pradelli Bonavina

Daniel Stoque Pecin, presidente da AESCAR.

Ele substitui Marcos Henrique Duó que

realizou excelente gestão

CONSELHO FISCAL

Geraldo Luís Tampelini

José Antonio Ioca

João Paulo Marconato

SUPLENTES CONSELHO FISCAL

Maria Zilda Scotton

Paulo Roberto de Andrade

Marcelo Fais

A AESCAR é uma entidade que congrega

as empresas de serviços contábeis

em Araraquara e região. Ela foi

fundada em 17 de janeiro de 1990.

35


LETRAS

Excelência na arte de ensinar

Up To You e Criar Redação,

da empresária e professora

Julia Gorla, formam alunos

de diferentes faixas etárias,

com distintas necessidades

de aprendizagem.

Sob o princípio de “escrever bem é

consequência de pensar bem”, o polo

de educação Julia Gorla forma seus alunos

para os desafios que a vida moderna

impõe por meio de seus dois braços

de atuação, que funcionam no mesmo

prédio, na charmosa Rua 5: o ensino

de língua inglesa, da Up To You, e do

português e humanidades com o Criar

Redação.

CRIAR - 10 ANOS

Com direção da professora e empresária

Julia Gorla e coordenação de Marcelo

Góes, o espaço caracteriza-se por

sua excelência, com aulas dinâmicas,

interdisciplinares e intertextuais, sempre

de olho nas exigências do mercado

de trabalho

“Nossa equipe de professores é

especializada e experiente. E todo material

didático é próprio e exclusivo,

atualizado semestralmente e complementado

semanalmente de acordo

com os acontecimentos mais atuais”,

relata Julia.

A empresária e professora Julia Gorla

Corpo de professores do Criar Redação

Dentro disso, os educadores buscam

a individualidade de cada um, com

suas particularidades e necessidades

de aprendizagem. A expansão das habilidades

e do repertório cultural também

está em pauta.

“Tudo isso visa ao desenvolvimento

de uma consciência crítica, capaz de

interpretar os textos e o mundo a sua

volta. Nossos alunos têm sido premiados

com nota 10 na Fuvest, o vestibular

mais concorrido do País e com nota

1000 no Enem, por exemplo”, completa

a professora.

“Composto por aulas de redação,

linguagens e códigos, gramática, obras

literárias e atualidades, rece também

plantões individuais para correção de

textos e elucidação de dúvidas. Além

disso, promove palestras, seminários,

exposições, simulados, pesquisas e

atividades que aliam cultura, conhecimento

e troca de ideias”, finaliza Julia

Gorla.

UP TO YOU - 38 ANOS

Atuante na cidade desde 1978, o curso

da Up To You oferece aulas de Inglês

para todos os níveis e idades, a partir de

10 anos. Os cursos de inglês são presenciais,

para que o aluno não perca o contato

humano. Conta também com aulas

e exercícios on-line. Sempre focado na

excelência da língua inglesa, privilegiando

a interatividade e o vivenciamento da

cultura, o Up To You é coordenado por

Julia Gorla e Rosiane Shuenker.

36


REMODELAÇÃO

Teatro de Arena

passa por reformas

estruturais

Obras custaram R$ 161 mil;

novo camarim foi batizado

com o nome do cantor

Edeogenes Mingoti.

Entre os serviços executados estão

reparos no prédio, instalações de corrimões

e guarda-corpo, saídas de emergência

e pintura geral. Todas as melhorias

visam proporcionar maior conforto

e segurança aos artistas e ao público

espectador. As adequações também

atendem as normas do Corpo de Bombeiros.

E agora, o camarim do teatro

chama-se Edeogenes Mingoti.

Edeogenes Mingoti nasceu em Ibitinga,

em 4 de outubro de 1931, filho

de Rômulo Mingoti e Regina Crescente

Mingoti. Em 1941, sua família se mudou

para Araraquara, onde mora até os

dias de hoje.

Sempre dedicado à música e considerado

um bom cantor, ele estava sempre

presente nas serestas A Caminho

do Sol e nos bailes de Carnaval da cidade.

Edeogenes casou-se com Yvone

Bellasalma e teve três filhas - Elaine,

Márcia Regina e Luciene Adriana, que

faleceu em 7 de outubro de 2014.

Um dos símbolos da cultura araraquarense,

o Teatro de Arena Prefeito

Benedito de Oliveira, localizado no Bairro

do Melhado, está de cara nova. É

que o espaço passou por uma reforma,

cuja obra somou um investimento de

R$ 161 mil.

O projeto foi assinado pela Prefeitura

por meio da Secretaria de Obras Públicas

e contrapartida da construtora

Avelar Couto. A solenidade de entrega

foi liberada pelo ex-prefeito Marcelo

Barbieri (PMDB) no fim de dezembro de

2016.

O patrono Benedito de Oliveira nasceu em 17 de fevereiro de 1907 e faleceu em 19 de

abril de 1983; conhecido como “pai dos pobres”, foi prefeito de Araraquara em 1960

37


Para organizar uma festa no

Céu, Nelson Chinço Cuniyochi

foi chamado às pressas. Deus

tinha as melhores referências

sobre o que ele já havia feito

no seu paraíso, a Chácara

39, no Parque Tropical.

Bastaram então a Nelson

menos de uma semana para

afivelar as malas e partir sem

muitas despedidas, levando

na bagagem as amizades

conquistadas e um tempo só

de trabalho.

O PARAÍSO EM FESTA

(kazoku / família)

Em 1974, após ser transferido para

trabalhar no antigo Banespa em São

Paulo, Nelson Chinço Cuniyochi e sua

esposa Rosa, tinham um sonho: retornar

tão logo o marido completasse o

período para requerer a aposentadoria.

Onze anos depois, a iniciativa ganhava

um formato sempre lembrado com muito

carinho, pois Nelson adquiria uma

área no praticamente desabitado Parque

Tropical e começava a construir um

verdadeiro paraíso, com a única intenção

de morar e curtir a família.

1998. Nelson se aposenta e volta,

passando a residir na chácara que se

transformaria mais tarde num dos locais

mais aprazíveis de Araraquara,

considerado até mesmo em ponto turístico

pelo próprio capricho da natureza.

Já com um belíssimo salão de festas

que hoje comporta cerca de 400 pessoas,

ampla cozinha para manipulação

de alimentos e uma esposa que sempre

gostou de preparar pratos deliciosos,

principalmente a culinária oriental

(sushi, tempurá, yakisoba, sukiyaki e

outros), Nelson Cuniyochi foi incentivado

pelos amigos, a transformar o recanto

num local de reuniões para famílias

e empresas.

A esta altura, ele também já estava

totalmente envolvido com a Nipo, sendo

vice-presidente de Tatsuko Sakima

em 1999 e presidente do conceituado

clube no período de 2001/2004, valendo

pelo seu trabalho, o apelido de Nelson

da Nipo.

Não demorou muito tempo para que

a chácara se tornasse uma referência

para a realização de eventos empresariais

e até de casamentos, oferecendo

quando solicitada, sua estrutura familiar,

pois Nelson reunia a esposa Rosa

Dakuzaku e os filhos Rogério, Reinaldo

e Fabiana, além da mãe (Linda),

irmã (Regina) e o cunhado Chohan e

a cunhada Rosa, que assim completavam

uma equipe de profissionais do

mais alto nível.

Nelson sempre orgulhoso, além de

mostrar que a chácara era e é um belo

pedaço da natureza, apresentava tam-

38

Nelson, a esposa Rosa

e os filhos Rogério,

Fabiana e Reinaldo na

lindíssima Chácara 39

Em 2008, Nelson

Cuniyochi com

Mauro Shinzato e

Shitoku Touma, então

presidentes da Nipo

e Associação Okinawa

de Araraquara

Colônia japonesa perde em Araraquara

o seu mais expressivo representante

Em sua chácara sempre aberta para grandes

festas, Nelson fazia questão de propagar a

cultura e os costumes orientais


ém seu lado empreendedor, promovendo

grandes eventos, principalmente

com características sociais, beneficiando

inúmeras entidades.

O empresário de festas e da gastronomia

ganhou notoriedade com seu

trabalho na antiga Associação Cultural

Nipo Brasileira e depois na Associação

Okinawa de Araraquara. Se aproximou

de entidades beneficentes nos tempos

do FISA - Fundo das Instituições Sociais

de Araraquara, para promover parcerias

que beneficiavam as entidades, a

última delas, através do Grupo Amigos

da Fé para auxiliar a família da araraquarense

Elisangela Cristina Mendes

da Silva que tem o marido e os dois

filhos com ostepsatirose, doença rara,

conhecida como ossos de vidro.

Porém, dizia que o maior orgulho

era ter popularizado a cozinha oriental,

através do yakisoba, introduzido no

tradicional Tanabata Matsuri, na década

de 90, festival de cultura japonesa

para celebrar o encontro das estrelas

Veja e Altair. Na Nipo, Nelson foi vicepresidente

e com o renascimento da

Foto utilizada por Nelson na campanha

eleitoral que participou em 2008

do PPS), com 978 votos; em 2008, com

817 votos, Nelson chegou entre os 35

mais votados, agora pelo PSB.

SUAS CINZAS

Com 65 anos de idade, o Nelson da

Nipo e também da Okinawa foi internado

no dia 7 de dezembro, uma quartafeira,

no Hospital São Paulo, vítima de

um AVC (Acidente Vascular Cerebral),

permanecendo na UTI. Os médicos tentaram

reverter o quadro com uma cirurgia,

porém, ele não suportou, falecendo

nas primeiras horas do dia 13. Velado

na Fonteri e cremado em Ribeirão Preto,

suas cinzas permanecerão no jazigo

da família, no Cemitério São Bento em

Araraquara.

Para a família o importante também

é a partir de agora, continuar

com o projeto iniciado pelo fundador

da Chácara 39, como melhor forma de

homenageá-lo, por sua luta e trabalho.

Okinawa - seguindo seus traços de okinawano

- ele tornou-se presidente no

período de 2009/2012.

Na política, ele disputou duas eleições

como candidato a vereador ficando

como suplente em ambas: em

2004, foi o 25° mais votado (o terceiro (Adeus, amigo Nelson.)

39


ECONOMIA

Com a queda da

taxa de juros, o

acesso ao crédito

é mais barato

A pesquisadora Délis

Magalhães, do Núcleo de

Economia do SINCOMERCIO,

trabalhando em parceria

com Núcleo de Extensão

em Conjuntura e Estudos

Econômicos da UNESP

Araraquara, em artigo especial

para a nossa revista, avalia a

situação econômica do país

com a queda de juros no

mercado financeiro.

A taxa básica de juros (SELIC) é o

principal instrumento de controle utilizado

pelo Banco Central para manter a

inflação dentro dos limites da meta ou

estimular um aquecimento econômico.

Dessa forma, com taxas de juros menores,

a população tem acesso a crédito

mais barato e maiores possibilidades

de consumo. Porém, caso o mercado interno

não esteja preparado para suprir

esse aumento de demanda em forma

de consumo, será gerada uma pressão

sobre o preço dos bens que resultará

em uma inflação mais alta. Para controlar

esse aumento do preço dos bens,

o Banco Central acaba aumentando a

taxa de juros, inibindo o consumo e o

investimento gerando uma desaceleração

econômica e consequentemente

uma desaceleração dos preços.

No caso brasileiro, a política de juros

baixos voltados para o consumo de

massa acabou custando mais do que

o esperado. Nos últimos anos, vimos o

resultado disso numa inflação sólida e

persistente, que acabou corroendo parte

da renda dos consumidores. Não restando

outra saída, o aumento da taxa

de juros para segurar esse aumento

persistente dos preços acabou gerando

uma forte queda da atividade econômica

e grande dificuldade de acesso ao

crédito, a corrosão da renda dos brasileiros

e a queda nos investimentos produtivos

acabaram se aprofundando.

Nos últimos meses, a inflação finalmente

começou a dar sinais mais

concretos de desaceleração, trazendo

MAR/10

Evolução da taxa de juros (SELIC) - % a.a

10,16 11,17

AGO/10

JAN/11

12,42

JUN/11

Elaboração Sincomercio. Dados: Banco Central

40

NOV/11

9,65

ABR/12

SET/12

7,14

FEV/13

Délis Magalhães, pesquisadora do Núcleo

de Economia do Sincomercio Araraquara

Durante a crise de 2008, o papel

da expansão do crédito para

consumo foi um dos principais

fatores que garantiu a sensação

de distância da crise.

novamente o debate sobre rumos da

política monetária e da queda da taxa

de juros. Em outubro a taxa de juros registrou

a primeira queda, passando de

14,25% para 14%. O fator decisivo para

a queda na SELIC foi a melhora nas

condições de inflação e nas previsões

futuras para a mesma. Porém, esperase

que as reduções na taxa continuem.

8,4

JUL/13

Série 1

10,9

DEZ/13

MAI/14

12,15

OUT/14

MAR/15

AGO/15

14,15

JAN/16

14

JUN/16


A maior parte dos bancos comerciais

vem registrando quedas expressivas

nas carteiras de crédito, principalmente

causadas pelas altas taxas de

inadimplência e pelo próprio recuo da

demanda. Dessa forma, os bancos adotaram

uma postura defensiva na concessão

de crédito, limitando o alcance

dos empréstimos e financiamentos, e

até do cartão de crédito. A retomada do

crédito para investimento e consumo

Crédito para consumo – Oferta observada

0,2

0,1

0

-0,1

-0,2

-0,3

1º Trim. 2011

-0,4

-0,5

-0,6

-0,7

3º Trim. 2011

1º Trim. 2012

3º Trim. 2012

1º Trim. 2013

3º Trim. 2013

Elaboração Sincomercio. Dados: Banco Central

será mais lenta e contida, diferente de

outros momentos nos quais o crédito

foi fator fundamental como motor de recuperação

econômica. Durante a crise

de 2008, o papel da expansão do crédito

para consumo foi um dos principais

fatores que garantiu a sensação de distância

da crise. As quedas expressivas

na oferta de crédito para consumo a

partir de 2015 acabaram limitando as

decisões do consumidor.

1º Trim. 2014

Série 1

3º Trim. 2014

1º Trim. 2015

3º Trim. 2015

1º Trim. 2016

3º Trim. 2016

Endividamento das famílias com o Sistema Financeiro Nacional

Inicialmente, as famílias acabaram

aumentando suas dívidas, uma vez que

as taxas de juros ficaram cada vez maiores

e as dificuldades do mercado de

trabalho reduziram ainda mais a renda

disponível. Em 2016, os consumidores

começaram a aumentar sua consciência

em relação à crise e ao comprometimento

de sua renda e os níveis de

endividamento, apesar de ainda altos,

apresentaram sinais de melhora. No cenário

atual, é essencial que as famílias

prestem mais atenção ao orçamento

familiar a fim de equilibrar as despesas

e evitar ao máximo a necessidade dos

empréstimos bancários. Inicialmente,

as famílias acabaram aumentando suas

dívidas, uma vez que as taxas de juros

ficaram cada vez maiores e as dificuldades

do mercado de trabalho reduziram

ainda mais a renda disponível. Em 2016,

os consumidores começaram a aumentar

sua consciência em relação à crise

e ao comprometimento de sua renda, e

os níveis de endividamento, apesar de

ainda altos, apresentaram sinais de melhora.

No cenário atual, é essencial que

as famílias prestem mais atenção ao orçamento

familiar a fim de equilibrar as

despesas e evitar ao máximo a necessidade

dos empréstimos bancários.

50

45

40

35

30

25

20

15

10

5

0

JAN/08

JUN/08

NOV/08

ABR/09

SET/09

FEV/10

JUL/10

DEZ/10

MAI/11

OUT/11

MAR/12

AGO/12

JAN/13

JUN/13

NOV/13

ABR/14

SET/14

FEV/15

JUL/15

DEZ/15

MAI/16

Elaboração Sincomercio. Dados: Banco Central

Série 1

41


CONFRATERNIZAÇÃO

Um ‘cafezinho’

com a imprensa

Atividade promovida pelo

Senac Araraquara contou com

workshop do barista Leandro

Moeda Dias, de Marília.

Em uma tarde agradável, o Senac

Araraquara abriu suas portas para receber

profissionais de imprensa da

cidade com um workshop do barista

Leandro Moeda Dias, diretamente de

Marília/SP. O encontro ocorreu no dia

1º de dezembro.

“Queríamos algo que fosse do gosto

dos jornalistas. Após cogitar outras

possibilidades, pensamos: nada melhor

que o café. Acho que acertamos”,

brincou a anfitriã e mais nova diretora

da unidade local, Maria Júlia Mascaro.

Em seu bate-papo, Dias, que também

é consultor na área de cafés, fez

um panorama da história da bebida no

Maria Júlia Mascaro, nova diretora do Senac;

País, desde o plantio até as diferentes

maneiras de preparo. O barista falou

ainda sobre os tipos de pós disponíveis

para venda no Brasil, dos benefícios

à saúde e pontuou algumas curiosidades.

“Aos poucos os brasileiros estão começando

a ter um contato maior com

cafés diferentes, muito por conta da

venda de pós em casas especializadas,

além da invasão das cafeteiras com pequenos

sachês, cujos preços estão mais

acessíveis”, analisou Dias, que ao final

do bate-papo, preparou um café especial

para todos os participantes, que foi

degustado com queijo e bolachas.

Leandro Dias durante sua palestra

GRANDE PÚBLICO

Para comemorar o aniversário de

70 anos, o Senac Araraquara também

ofereceu, no dia 10 de dezembro, uma

programação repleta de atividades

como oficinas, palestras, atendimentos,

workshops e exposições. Tudo foi gratuito

e aberto para toda a população.

42


SERVIÇOS

Artesão das cordas

Com clientes dos mais diversos

gêneros musicais, o araraquarense

Danilo Bortolani é hoje referência

na arte da luthieria na cidade

e região.

O luthier é um parceiro indispensável

na carreira de um músico profissional.

Seu trabalho também tem

grande valor para aqueles entusiastas

da arte que fazem questão de

cuidar com carinho de seus instrumentos.

De origem europeia, a luthieria

carrega intensas cargas de artesanato,

nas quais o capricho e a dedicação

avançam os limites técnicos.

Logo, ganham espaço habilidades

como sensibilidade musical, capacidade

de organização, além de detalhismo

e criatividade para pintar, regular e até

dar vida a uma peça nova. E em Araraquara,

um desses artesãos é Danilo

Bortolani, de 34 anos, especializado

em cordas.

Com um público cativo na cidade

e região, que vai do heavy metal ao

sertanejo, Bortolani atua hoje em sua

Em sua própria

oficina, Bortolani

realiza diversas ações

de manutenção de

instrumentos, como

regulagens, pinturas,

entre outros serviços;

ele também

arrisca-se na

composição de peças

exclusivas

própria oficina, no centro da cidade.

Ele engatinhou neste universo na época

que trabalhava em lojas de música,

também em Araraquara.

“Comecei no meio da luthieria como

curioso, procurando melhores saídas e

serviços para meus próprios instrumentos.

Assim, passei a estudar e me dedicar,

mergulhando fortemente neste

mundo. Tudo isso em paralelo ao cargo

de vendedor em estabelecimentos

locais”, revela.

Depois veio a especialização com

cursos e workshops, como o “B&H –

Escola de Luthieria – módulos básicos

e intermediários”. “Aprendi muita coisa

nesses últimos anos, porém nunca

deixo de procurar novidades. Há um

Bortolani atende na Avenida São Geraldo,

770, Centro, ou através do celular

(16) 99204.8818

ano e meio tenho meu espaço e, graças

à Deus, tenho uma clientela feliz e

satisfeita”, pondera.

DIFERENCIAL

Bortolani tem um vasto conhecimento

didático em muitos instrumentos,

mas sua grande paixão é, desde

1998, a guitarra, na qual ele mostra

um domínio acima do normal. E essa

fusão músico/luthier soma ao seu

serviço um tempero diferente e único.

“Acredito que consigo captar todas

as necessidades que o cliente pede,

chegando bem perto do que eles julgam

ideal. Consigo sentir o que cada

um quer do seu som. Acho isso uma

vantagem. Araraquara é um celeiro de

excelentes músicos, com os quais

troco experiências e aprendo todos os

dias”, finaliza Danilo Bortolani.

43


MUNDO ANIMAL

Cuide

Capitaneada pelo doutor Alessandro

Galhardo, médico veterinário há duas

décadas com especialização e mestrado

na Espanha e mestrado na UNESP

em Jaboticabal, a clínica É o Bicho! destaca-se

na cidade quando o assunto é

diagnóstico veterinário de alta tecnologia.

Também com uma vasta carta de

vacinas disponível e um atendimento

com outros quatro profissionais, o espaço

inicia 2017 com a aquisição de

equipamentos diferenciados, no caso o

analisador hematológico ProCyte Dx e o

analisador químico Catalyst One.

Por exemplo, o analisador hematológico

realiza exames com resultados

em dois minutos para 26 parâmetros

sanguíneos. Também apresenta uma

avançada contagem de cinco partes da

série branca, além da seleção absoluta

de reticulócitos e detecção de neutrófilos

imaturos. O material ainda executa,

com rapidez e precisão, três metodologias:

citometria de fluxo a laser, fluobem

deles!

A Clínica É o Bicho!

disponibiliza para seu

pet exames nos melhores

equipamentos do mercado.

Dr. Alessandro Galhardo, Dra. Juliana de

Araújo, Dr. Wellington Favero e a secretária

Amanda Frushio

rescência óptica e impedância de fluxo

laminar.

Já o analisador químico proporciona

exames bioquímicos e eletrólitos

em tempo real. Os resultados aparecem

em oito minutos, todos a partir de

uma única amostra. “Ambos promovem

uma integração com o mais alto nível

de confiabilidade. Assim, aqui na clínica,

realizamos todos os procedimentos,

de consultas, passando por exames e

até cirurgias mais complexas”, explica

a Dra. Flávia Eiras Dela Coleta (doutora

especializada em análises clínicas

veterinárias).

Sala de cirurgia

O analisador bioquímico (esquerda) e hematológico são algumas das novidades do local

44


AGRO

N E G Ó C I O S

INFORMATIVO

edição janeiro | 2017

Festa de Confraternização dos

associados do Sindicato Rural

“Quem produz tem identidade”. Este foi o foco da confraternização do final de ano do Sindicato

Rural de Araraquara, empenhado em propagar a força da classe produtora e promover a união

e o companheirismo entre todos. O encontro festivo aconteceu no Espaço Quiosque, na Via

Expressa, com cerca de 400 convidados.

Diretores do Sindicato Rural de Araraquara na confraternização de 2016

Nicolau de

Souza Freitas

O ano recém terminado, para o

Sindicato Rural de Araraquara, foi

marcado por inúmeras realizações,

pontuando uma trajetória de 52

anos que começa a ser vivida a partir

de agora. Além de fazer crescer a

representatividade da instituição

que defende os interesses da classe

produtora junto à Federação da

Agricultura do Estado de São Paulo

(FAESP), o sindicato se empenhou

na organização de cursos de

capacitação para os pequenos

produtores rurais, estendendo sua

prestação de serviços em parceria

com o SENAR-SP até empresas de

grande porte como os grupos Raízen

(Usina Zanin), São Martinho (Usina

Santa Cruz) e Fischer. O esforço da

atual diretoria do sindicato mostra seu

interesse em desenvolver e intensificar

cada vez mais este trabalho que

tem característica social, disse em

sua saudação durante a festa de

confraternização, o presidente Nicolau

de Souza Freitas.

Para ele, o encontro teve o objetivo

de mostrar paralelamente, o

crescimento do sindicato e valorizar o

desempenho da classe produtora em

2016, com a perspectiva de um ano

favorável ao agronegócio.

45


DEFENSIVOS AGRÍCOLAS

Sindicato Rural, SENAR-SP e Raízen

realizam curso de capacitação

Com o rápido crescimento da

população, veio a necessidade

de se produzir mais alimentos.

Para atender ao aumento da

produção agrícola, houve a

exigência de se desenvolver

novas tecnologias, desde o

preparo do solo até a colheita

e beneficiamento dos produtos.

Em novembro, durante três dias,

aconteceu na Raízen - polo de Araraquara

- a capacitação dos colaboradores

que atuam no campo na aplicação

de agrotóxicos com pulverizador de barras.

A Raízen é uma das maiores empresas

do país em faturamento e uma

das mais competitivas na área de energia

sustentável do mundo, daí seu interesse

em capacitar adequadamente

seus profissionais, conta Mário Porto,

coordenador do SENAR-SP, que mantém

parceria com o Sindicato Rural.

Segundo Celso Nogueira, engenheiro

agrônomo e engenheiro de segurança

no trabalho, novas tecnologias para

o aumento da produção agrícola vêm

sendo aplicadas. Dentre essas tecnologias,

está a aplicação de agrotóxicos,

que pode variar de alta a baixa toxicidade.

“É de extrema importância que para

Pesquisa realizada pela Universidade do Estado de São Paulo (USP) no ano passado, mostrou

que o uso dos agrotóxicos previne a perda de 10 a 40% da produção agrícola mundial

usarmos esses produtos, tenhamos o

conhecimento dos aspectos quanto à

sua escolha, preparo de calda e aplicação.

O uso inadequado dos agrotóxicos

nas lavouras vem causando prejuízos

econômicos, à saúde humana e ao

meio ambiente. Esse fato mostra a necessidade

de levarmos o conhecimento

aos pequenos produtores e trabalhadores

rurais quanto ao uso correto dos

agrotóxicos”, justifica o agrônomo.

Ele também lembra que com as técnicas

corretas, são reduzidos os danos

à saúde do aplicador, à preservação

ambiental, além de melhorar a qualidade

dos produtos hortifrutigranjeiros

e aumentar a produtividade. Para Celso

Nogueira, que durante três dias organi-

O PASSO A PASSO DA APLICAÇÃO

O produto a ser colocado na bomba Adicionamento do produto na água Levantamento correto da bomba A bomba nas costas

46


Celso Nogueira, instrutor do curso, ao lado

de Mário Porto, coordenador do SENAR-SP

em Araraquara

zou o curso, é de suma importância a

capacitação de mão-de-obra, para que

os trabalhadores rurais obtenham melhores

resultados em suas atividades

profissionais, atuando corretamente,

de acordo com as normas vigentes.

Já Mário Porto considera que a profissionalização,

por sua vez, proporciona

ao trabalhador rural o preparo para

a atuação profissional e a competitividade

no mercado de trabalho, estando

apto para desempenhar as tarefas referentes

à sua ocupação.

Devido à toxicidade

presente nos defensivos,

é fundamental a proteção

da pessoa que estiver

executando sua aplicação

para evitar prejuízo

à saúde dos seres

humanos. Equipamentos

de Proteção Individual na

aplicação de agrotóxicos,

são importantíssimos,

pois se os agrotóxicos

causam danos a insetos

e outras pragas, também

podem causar algum

prejuízo à saúde dos

seres humanos. Nesse

sentido, os equipamentos

de proteção individual

são imprescindíveis no

manuseio de agrotóxicos.

A VISÃO DO SENAR-SP

O SENAR/SP oferece anualmente

cursos e treinamentos de Formação

Profissional Rural que possibilitam a

profissionalização ao trabalhador rural.

Com isto, pode oferecer melhor serviço

e, consequentemente, bons resultados,

tanto no aspecto pessoal quanto financeiro,

proporcionando benefícios ao homem

do campo.

O curso de aplicação de agrotóxicos,

por exemplo, tem por objetivo

conscientizar o trabalhador sobre os

riscos e a prevenção de acidentes du-

Trabalhador parte para o serviço

Profissionais da Raízen que participaram do curso em novembro

rante a manipulação e a aplicação do

produto. “Todo trabalhador que estiver

manipulando o produto está em exposição

direta, mesmo que esteja utilizando

os equipamentos de proteção individual.

Esta definição está no item 31.8.1

alinea “a” da Norma Regulamentadora

31”, enfatiza o coordenador.

Durante o curso, são abordados os

aspectos sobre a definição de agrotóxicos

de acordo com a Lei 7802 de julho

de 1989, desde a sua fabricação até

a comercialização, a classificação dos

agrotóxicos quanto a sua finalidade e

classificação toxicológica, o uso correto

dos Equipamentos de Proteção Individual,

os Riscos que o trabalhador está

exposto, como: Físicos, Químicos, Ergonômicos

e Acidentes e a utilização do

equipamento. É demonstrada também

a forma correta do uso do equipamento,

a sua higienização e a maneira de

vestir e retirar o EPI. Tudo isso, com o

objetivo de assegurar que o trabalhador

esteja consciente quanto ao uso de

agrotóxicos.

Todo agrotóxico, finaliza Celso Nogueira,

tem risco para a saúde humana

e dos animais; se usado de forma

correta, na dose correta e na cultura

certa, o risco para a população é muito

pequeno. O grande problema é que a

população de maneira geral não sabe

utilizar os agrotóxicos, podendo acarretar

riscos em relação à saúde, além de

causar danos ao meio ambiente. Deve

ser utilizado da forma correta e no lugar

certo, conforme orientações da bula.

47


SINDICATO RURAL DE ARARAQUARA

FESTA DE CONFRATERNIZAÇÃO

Família Porto reunida:

Filipe, Marina, Renata,

Lucia, Fernando,

Mario, Mario (Filho),

Fabio e Camila

Padre Nelson da Silva Ramos, da Igreja Nossa Senhora

Aparecida, foi convidado pelo Sindicato Rural para

proceder a benção aos diretores e convidados na Festa

de Confraternização. Um momento de muita emoção

que fecha o ano de atividades da instituição.

Casal Maria Aparecida e José

Carlos Ciomino

Juliano Gentili, Nair Antoneli, Pedro Henrique

Gentili, Valdir Januskiewisk e Lavínia

Daniel, Érika, Lavínia e Maria Aparecida

vivendo a alegria de mais um encontro dos

produtores rurais

Matias Viana e Diva; Iracema Pereira Lozano,

Elizabete Viana, Antônio Carlos e Edivanda

Luís Henrique com o pai Jaime Alberto

de Vasconcelos; o jornalista Ivan Roberto

Peroni e a esposa Viviane

O diretor do sindicato

Jorge Luiz Piquera

Lozano, Felipe, Daniela,

Neiri, Fernando e

Laura; Carla e Beatriz

Wellington Rossi e Maria

Cândida; Luiz Otávio e

Hélio Segnini

Ana Alexandra e os casais Norma-Jarbas Malheiro

de Carvalho Lima e Wadya-Tufick Haddad

Nicolau de Souza Freitas e Iracema; Luís Henrique Scabello de Oliveira e Janaina;

Hilário Souza Freitas e o filho Júnior; Luiz Marcelo de Freitas e Mariana; Eduardo

Abbud, esposa Fernanda com a filha Valentina no colo; João Henrique de Freitas

e a sobrinha Laís

48


João Pedro e Ana Carolina com os pais Cristiane e

Mário Celso Gouvea

Beatriz, Priscila, Nélio, Donizeti, Nereide, Ana Júlia e Marcos

Marlene e Reginaldo Benedette; Ricardo Silva, Priscila Borges, Daiane Benedette, Renata Baú e

Daniel Meireles

Maria Helena e Alcino aproveitando a

festa de confraternização no melhor estilo

Regina e Edna Berta, Sueli e Amanda

Cássia e Neri Tomazetto

Enzo Peroni na

chegada do

Papai Noel

Família Magnani: Tais, Igor, Caroline, Ricardo, Márcia, Ricardo Magnani e TIciana

49


Marcelo Xavier Benedette, esposa Daniela

e a filha Mikaela

Reinaldo Tanuri Félix e a esposa Sueli, aniversariante em

dezembro

João Henrique de Freitas, diretor

do Sindicato Rural

O casal Irani-Celso Falcão Mendes e

Mário Porto, diretor do Sindicato Rural e

coordenador do SENAR-SP em Araraquara

Luiz Antonio Franciscato, o americano Loyd Hill, Nivaldo Castanharo, Tais Freitas, João Scotton

e Heleneide

Casal Clarice e José Benedito Falcão curtindo

as delícias de mais um encontro do sindicato

Os filhos André e Augusto com

os pais Marcos Peiró e Bete (na

frente); ao fundo, Paulo Bonavina

com o filho Paulinho e a esposa

Márcia

Gilmar Argiona e o neto Pablo

Maiara Yamashiro e Altair José Lote na

recepção aos participantes da festa

Gustavo Torres Félix e sua namorada

Flávia Ramos

50

Sérgio Campos Leite, a esposa Tatiana

e os filhos Gabriel e Giulia


PRODUCÃO ARTESANAL

Confecção de produtos

de higiene e limpeza

Dada a importância da higiene e limpeza para a saúde humana,

o Sindicato Rural e o SENAR-SP enfatizam que o aprendizado

e o trabalho com produtos caseiros geram melhoramentos na

comunidade, nos aspectos econômicos e na qualidade dos

produtos oferecidos.

Roberta e o processo de manipulação da soda cáustica

Por dois dias em novembro,

20 pessoas inscritas

no curso organizado pelo

Sindicato Rural e SENAR-SP

aprenderam confeccionar

produtos de higiene e limpeza.

Na lista dos produtos

estavam sabão em barra

e pasta, detergente e detergente

amoniacal e amaciante.

Os itens no entanto

são mais extensos: sabão

canforado, líquido e alcalino,

repelente de insetos,

lava-roupas líquido e o alvejante

à base de cloro.

Ministrado pela engenheira de Alimentos

Roberta Zavoneli Rossini, o

curso atingiu níveis surpreendentes de

apreciação e aproveitamento, segundo

Mário Porto, coordenador do SENAR-

-SP em Araraquara. Segundo ele, os

produtos de higiene e limpeza desempenham

um papel de relevante importância,

tanto dentro como fora de casa.

São indispensáveis para a conservação

adequada dos bens pessoais e combatem

a proliferação de germes e doenças,

quando associados à prática de

higiene habituais e regulares.

Roberta Rossini lembrou que um

dos principais objetivos da produção

caseira é dar destino ao óleo que seria

descartado na natureza de forma incorreta.

Este aproveitamento torna-se um

meio de produção que traz benefícios

às pessoas e ao meio ambiente, contudo,

quem produz deve conhecer a

legislação sobre produtos de higiene e

limpeza.

O primeiro passo é preparar

adequadamente com

equipamentos de proteção

quem for manipular os produtos,

bem como preparar

o local para a confecção,

para evitar riscos e acidentes.

A partir daí, com o uso

de ingredientes específicos,

tem início a produção.

Aprendizes na preparação do sebo

A soda cáustica já dissolvida num recipiente

O presidente do Sindicato Rural de

Araraquara, Nicolau de Souza Freitas,

ao analisar o relatório de atividades de

2016, considera que a entidade atingiu

seus objetivos: “A parceria com o SE-

NAR-SP nos deu força e condições de

capacitarmos cerca de 1500 pessoas

em 2016. Houve uma contribuição social

de imprescindível valor, pois são

produtores que poderão tirar proveito

destes benefícios, com economia nos

seus negócios ou ampliando sua renda

familiar”.

Um dos grandes objetivos do Sindicato

Rural e SENAR-SP em 2017, é a

capacitação dos produtores para a Feira

do Produtor Rural em parceria com o

município.

Mário Porto, do Sindicato Rural/SENAR-SP, a instrutora do

SENAR-SP Roberta Rossini e seu assistente Diego Ramos

O sabão comum em barra é uma

mistura de gordura com soda

cáustica destinado à limpeza em

geral, onde há necessidade de

ação por longo tempo

51


ORQUÍDEAS

Motivos não faltam para o cultivo

dessa flor de beleza delicada

Com o curso de capacitação

oferecido pelo SENAR-SP e o

Sindicato Rural, o nível técnico,

social e econômico do homem

do campo pode sofrer uma

grande transformação, pois

através do aprendizado se

tornam empreendedores no

cultivo de orquídeas, hoje

uma atividade importante no

agronegócio do país.

Consideradas joias raras trabalhadas

pela natureza, as orquídeas durante

muitos anos se tornaram privilégio

dos mais abastados. A negociação por

exemplares podia alcançar grandes valores.

Os próprios colecionadores mais

antigos comentam que, décadas atrás,

havia quem desse até mesmo um carro

em troca de alguma matriz exclusiva.

Em nossa cidade, o Sindicato Rural

e o SEBRAE-SP, compreendendo que o

cultivo de flores é uma atividade econômica

muito importante, decidiram investir

no aprendizado do plantio e manejo

da orquídea, ensinando o produtor rural

e pessoas interessadas na criação de

um bom negócio.

52

Engenheiro

agrônomo

Luis Roberto

Y Goya

Participantes do curso enalteceram o trabalho do instrutor Luis Roberto Y Goya e o apoio do

SENAR e Sindicato Rural de Araraquara

Para isso, o instrutor do SENAR-SP,

engenheiro agrônomo Luis Roberto Y

Goya, instalou um curso inédito com o

objetivo de proporcionar aos trabalhadores

e produtores rurais, um aprendizado

simples das práticas agro-silvo-pastoris

e do uso correto das tecnologias mais

apropriadas para o aumento da sua produção

e produtividade.

Realizado em novembro no Sindicato

Rural, o curso mostrou de acordo com

Goya, que a orquídea é uma das flores

mais tradicionais e de maior apelo junto

ao consumidor final. Mas não é só, disse

ele: “O cultivo de orquídeas começa

a assumir feições de um bom negócio e

se tornar mais uma opção de atividade

econômica em várias regiões do país, inclusive

a região de Araraquara”.

Talvez pelo fato de ocupar lugar de

destaque no estilo de vida inglês - povo

que tem a jardinagem e o cultivo em estufas

entre seus hobbies prediletos -, foi

na Inglaterra que o interesse por essa

planta tropical ganhou impulso. Do Reino

Unido, o cultivo de orquídeas se disseminou

pelo mundo. Por aqui, lugar com

temperatura adequada para o desenvolvimento

da flor, quem tinha condições,

contratava profissionais com bom faro

para descobrir belas espécies.

AMBIENTES ÚMIDOS SÃO

OS MAIS APROPRIADOS

Em anos mais recentes, as orquídeas

se popularizaram. Pesquisas sobre

o manejo de espécies e sobre hibridação

baratearam e ampliaram as

possibilidades de plantio, abrindo também

espaço para atender a uma procura

crescente pelos exemplares.

Com o desenvolvimento de híbridos e

de técnicas de propagação por sementes

a partir dos anos 80, as orquídeas começaram

a frequentar floriculturas e lojas

especializadas com preços mais acessíveis.

Hoje, são cerca de 35 mil espécies

catalogadas, além de aproximadamente

65 mil variedades resultantes de diferentes

cruzamentos. No Brasil estão catalogadas

cerca de 2.700 espécies.


Cattleya, a brasileírissima

RELATÓRIO DE CURSOS

E ATIVIDADES SENAR/SP

PROGRAMAS E

Nº DE PARTICIPANTES

• TURISMO RURAL - ARARAQUARA

19 PARTICIPANTES

• TURISMO RURAL - ASSENTAMENTO

18 PARTICIPANTES

• OLERICULTURA ORGÂNICA

20 PARTICIPANTES

AS MAIS MAIS

DAS ORQUÍDEAS

FORMAÇÃO

PROFISSIONAL

• Nº DE CURSOS - 47

• Nº DE PARTICIPANTES - 840

PROMOÇÃO SOCIAL

• Nº DE CURSOS - 7

• Nº DE PARTICIPANTES -114

Mormodes rolfeana

EVENTOS

• Nº DE EVENTOS - 2

• Nº DE PARTICIPANTES - 492

cattleya araguaiensis

PROJETOS REALIZADOS

ATÉ NOVEMBRO/2016

• MÓDULOS DE PROGRAMAS - 32

• FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 47

• PROMOÇÃO SOCIAL - 7

• EVENTOS - 2

• TOTAL = 88

Clowesia Rebecca Northen

Nº DE PARTICIPANTES

1.503 PARTICIPANTES

REALIZAÇÕES:

Coordenador SENAR/SP Araraquara:

Mário Roberto Porto

Cycnoches egertonianum

Mormodes lawrenceana

53


NOTÍCIAS

CANAS L

EDIÇÃO

JANEIRO | 2017

Confraternização de fim de ano da Canasol reúne

fornecedores e convidados no Clube Araraquarense

Fechando o ano em grande

estilo, a Canasol reuniu

cerca de seiscentas pessoas

entre fornecedores de cana e

convidados, no Salão de Festas

do Clube Araraquarense, na noite

do dia primeiro de dezembro.

A confraternização foi marcada

pela apresentação do Coral

Uniara, cantando belíssimas

canções natalinas e também

por um delicioso jantar. Na

oportunidade, o presidente Luís

Henrique Scabello de Oliveira,

em nome da Diretoria, desejou a

todos os presentes, um Feliz Natal

e Próspero Ano Novo.

Diretores da Canasol: Zinho, Jorge, Tatiana, Álvaro, Nicolau, Luís Henrique e Olavo, no

encontro realizado no Clube Araraquarense

Coral Uniara valorizou a noite festiva da Canasol sob a regência do maestro

Rogério Toledo

Luís Henrique Scabello de Oliveira, Pedro Sanzovo

(ASSOCICANA/JAÚ), Tatiana Caiano Teixeira Campos

Leite e Paulo Leal (vice presidente da FEPLANA)

Maria do Carmo,

Janaina e Luís

Henrique Scabello

de Oliveira

Tatiana e Sergio

Campos Leite

54


Festa mostra a pujança da Canasol em 2016

Associados e convidados no Salão do Clube Araraquarense

Olavo, Angélica e Carolina

Luís Henrique, Elias e Guilherme

Álvaro e Maria Amélia

Nicolau e Iracema

Jorge Luiz Piquera e Neiri

Letícia e Toni

Rodrigo e Zinho

55


PEDRA FUNDAMENTAL

Fundada pelo jornalista Ivan

Roberto Peroni e o publicitário

Lineu Carlos de Assis, a Rádio

Brasil FM passou a ter uma

nova diretoria. Cresceu e

agora começa a construir seu

prédio próprio na Vila Xavier.

Dia bonito, manhã agradável e muitos

amigos. Esse era o prenúncio de que o lançamento

da “Pedra Fundamental” do novo

prédio da Rádio Brasil FM - 104,9 Mhz, de

Araraquara, seria um grande sucesso.

Com a presença de autoridades e de

convidados, o ato aconteceu no dia 13 de

dezembro, na Rua Cândido Portinari esquina

com a Avenida Cientista Frederico de

Marco, na Vila Xavier, onde será edificada

a emissora.

Prédio da Brasil FM

será construído na Vila

O Bispo Fernando Fraga, Presidente

de honra da emissora,

afirmou que esse é um grande

momento para a radiodifusão

de uma forma geral, pois viabiliza a possibilidade

de um alcance maior para a

emissora mais popular de Araraquara.

Citando a palavra de Deus em Mateus

afirmou: “Vamos edificar a rádio em

alicerce firme, sobre rochas. Pode cair

a chuva, transbordar os rios, soprar os

ventos com ímpeto contra essa construção,

que não cairá, porque foi edificada

sobre a rocha. Não apenas as paredes

físicas, mas uma emissora plural e firme

em seus propósitos de representar

a comunidade, comprometida com a

cidadania e para trabalhar pelo bem de

todos. ”

A Brasil FM pertence a

Associação Central de

Araraquara, fundada no

final dos anos 90

A equipe que hoje compõe a emissora,

Marcos Pena, Zezé Belini, Joel

Sanches, Carol Santos, Odair Petta,

Wagner Luiz, Elídio Pinheiro, Cláudio

Bido, Luis Palombo, Sérgio Yamamoto,

Andrea Fraga, Elias Carmo, Nhô Zélio,

Wilson Luiz, Walter Fraga e Kiko Camargo,

acompanhou os pronunciamentos

das autoridades que enfatizaram o

quão importante é a Rádio Brasil 104,9

como meio de comunicação da cidade.

O vereador Aluísio Braz, o Boi, por

exemplo, destacou a audiência da

emissora, que classifica como “uma rádio

que consegue falar a linguagem do

56


Marcelo Barbieri Bispo Fernando Fraga Lineu Carlos de Assis Ivan Roberto Peroni

público e se vê o resultado na prática. É

uma audiência consolidada e reconhecida

pela prestação de serviço e pela

credibilidade”.

O então prefeito Marcelo Barbieri

destacou a cobertura jornalística da

Brasil FM. Todas as manhãs o Grande

Jornal da Brasil noticia as coisas de

Araraquara com profissionalismo e seriedade.

“Criticam quando tem que criticar,

isso é muito bom, pois temos que

melhorar sempre, mas reconhecem as

coisas boas que são feitas na cidade.

Isso é jornalismo sério e imparcial. Até

pelo caráter comunitário que tem, a

Brasil FM é muito respeitada na cidade

e merece esse carinho de todos nós“,

afirmou.

O Vereador José Carlos Porsani,

representando a Câmara Municipal,

lembrou do trabalho desenvolvido pela

rádio nos últimos anos. “A Rádio Brasil

FM sempre foi uma parceira das causas

sociais e nós muitas vezes usamos

destes microfones para divulgar as

boas novas para o povo. “

Coca Ferraz, vice-prefeito de Araraquara,

falou da amizade que nutre pela

equipe e pela diretoria da rádio, afirmando

que “sempre pudemos contar

com a Brasil e com essa nova estrutura

que será aqui erguida, bons ventos soprarão.


Documentos constando os nomes

daqueles que possibilitaram essa conquista

para a rádio, tanto autoridades,

quanto colaboradores que fazem a Brasil

FM hoje ou já deram a contribuição

para seu crescimento, foram lacrados

na caixa do ato simbólico do lançamento

da pedra fundamental. Parabéns à

sua direção.

57


NOSSOS FILHOS ESTAVAM LÁ

Araraquara nos Jogos Olímpicos

Seis pratas da casa marcaram

presença nas Olimpíadas e

Paraolimpíadas do Rio de

Janeiro; conheça alguns

atletas locais que participaram

desta festa do mundo esportivo

em outras edições.

Durante os meses de agosto e setembro

de 2016, o Brasil foi o destino

dos melhores atletas do mundo por

conta da realização dos Jogos Olímpicos

e também das Paraolimpíadas na

cidade do Rio de Janeiro/RJ.

Nas Olimpíadas, o nosso País alcançou

sua melhor colocação, terminando

em décimo terceiro lugar, com 19 medalhas,

sendo sete delas de ouro e seis

de prata e de bronze. O sucesso foi ainda

maior nas Paraolimpíadas, na qual

a comitiva brazuca somou 72 condecorações.

Assim, nossos representantes

conseguiram a oitava posição, com 14

conquistas de ouro.

E Araraquara tem sua parcela de

participação em tudo isso, afinal seis

esportistas araraquarenses viajaram

para defender as cores verde e amarela.

Nos Jogos Olímpicos, foram três:

Beatriz Zaneratto (futebol feminino),

Eder Antonio de Souza (110m com

barreira – atletismo) e Fabrício Cândido

Maia (comissão técnica do futebol

feminino).

Willian Gabriel Felício (técnico do tênis

de mesa), João Paulo Borin (preparador

físico do futebol de cinco) e Lauro

Chaman (ciclismo) levaram a bandeira

da cidade para as competições dos Jogos

Paraolímpicos.

“Os atletas cumpriram seus papéis

e representaram muito bem a cidade

e também o Brasil. Todos iniciaram

suas vidas esportivas por aqui. É um

orgulho”, conta Fábio Reina, gerente de

eventos da Secretaria local de Esportes.

BALANÇO

Com a seleção brasileira feminina de

futebol, Beatriz Zaneratto e Fabrício Cândido

Maia chegaram à semifinal, perdendo

nos pênaltis para a Suécia. No atletismo,

Eder Antonio de Souza conseguiu

ótimas marcas, classificando-se (também)

para a semifinal em sua categoria

(110m com barreira).

Willian Gabriel Felício entrou para história,

pois esta foi a primeira participação

da equipe de tênis de mesa numa Paraolimpíada.

João Paulo Borin participou da

conquista de um ouro no futebol de cinco.

Por fim, o ciclista Lauro Chaman conquistou

as inéditas medalhas de bronze e

prata para o Brasil.

João Paulo Borin, preparador físico do futebol

de cinco

Beatriz Zaneratto, do futebol feminino

Fabrício Cândido Maia, integrante da

comissão técnica do futebol feminino

Lauro Chaman, do ciclismo, foi um dos

grandes destaques nacionais

Willian Gabriel Felício, técnico do tênis de

mesa

58

Eder Antonio de Souza, atleta dos 110m com

barreira


GALERIA

Além dos feitos de Beatriz Zaneratto,

Eder Antonio de Souza, Fabrício Cândido

Maia, João Paulo Borin, Willian Gabriel Felício

e Lauro Chaman, outros atletas araraquarenses

também levaram o talento da

Morada do Sol para as Olimpíadas.

Por exemplo, o ciclista Anésio Argenton,

um dos maiores ícones do esporte

nacional, esteve em duas Olimpíadas:

em 1956, em Melbourne, Austrália, e em

1960, em Roma, na Itália. Lá, obteve o

melhor resultado do Brasil na história das

Olimpíadas em provas de pista (5º lugar),

recorde que permaneceu intacto por 20

anos. Por conta de um câncer no intestino,

Argenton faleceu aos 80 anos no dia 3 de

outubro de 2011.

Atleta do basquete, Rosa Branca ganhou

duas medalhas de bronze nos Jogos

Olímpicos em Roma, Itália (1960) e Tóquio,

Japão (1964). O ex-jogador chegou

a atuar como pivô, ala e armador. Ele morreu

aos 68 anos vítima de uma parada

cardíaca.

Ainda no mesmo esporte, Roseli do

O ciclista Anésio

Argenton

Carmo fez história na seleção feminina

ao ganhar a medalha de prata nos Jogos

Olímpicos de Atlanta (1996). Atualmente,

Roseli trabalha no Projeto Roseli do Basquete,

que conta com uma equipe de

professores e ex-jogadores que ministram

aulas nas dependências das escolas estaduais

e municipais da cidade.

Sete vezes eleita a melhor levantadora

da Superliga e com quatro Olimpíadas

na bagagem, a jogadora de vôlei feminino

Fernanda Venturini conseguiu a meda-

A jogadora de

vôlei feminino,

Fernanda

Venturini

lha de bronze em Atlanta, nos Estados

Unidos, 1996. Aposentada das quadras,

Fernanda participa como comentarista

convidada em programas esportivos e faz

eventos corporativos.

Por fim, fecha a seleta galeria de atletas

olímpicos da cidade o cavaleiro Roberto

Macedo, que esteve em Sydney, na

Austrália (2000).

59


SEU NOME ESTÁ NA RUA

TEXTO: SAMUEL BRASIL BUENO

JOAQUIM BENTO SANTORO

Uma lenda na trajetória do Banco

Commercial de São Paulo na cidade

A vida do velho Santoro se

resumiu em família, trabalho,

na convivência com os

amigos e ativa participação

nos movimentos sociais de

Araraquara. Jamais escondeu

sua paixão pelo Palmeiras e

com seus quatro filhos, formou

uma das mais conceituadas

famílias da cidade.

Alfredo e sua esposa Sada, em 1920, grávida

da filha Olga

Joaquim Bento Santoro nasceu na

Fazenda Cerrito, que na época pertencia

ao distrito de Américo Brasiliense,

município de Araraquara, no dia 21

de agosto de 1906. Filho de Caetano

Santoro e Isabella Filador, imigrantes

italianos, que se estabeleceram, inicialmente

em Santa Lúcia e posteriormente

em Américo Brasiliense, na Fazenda

Cerrito.

De família numerosa Joaquim Bento

teve os irmãos: Serafina Santoro Rossi-

Toda família reunida com o símbolo de união; o garoto da primeira fila é Chico Santoro

ni, Maria Antonia Santoro Labruna, Leticia

Santoro Surasi, Theodoro Santoro,

Rosa Santoro Martiniano de Oliveira e

José Antonio Santoro.

Ele cursou o grupo escolar em Américo

Brasiliense; concluindo o primário,

seguiu para estudar em Campinas

onde se formou Contador pela Escola

de Comércio “Lyceu Salesiano Nossa

Senhora Auxiliadora”, em 30 de novembro

de 1927.

Voltando para Araraquara em 1928,

foi trabalhar na Fábrica de Meias Lupo,

ali permanecendo por pouco tempo,

para ingressar no Banco Commercial do

Estado de São Paulo. Com a vida profissional

definida, Joaquim Bento Santoro

casou-se em 11 de julho de 1931 com

Casamento de Joaquim Bento Santoro com

Orlanda (Yolanda) em 1931

60

Orlanda (Yolanda) Liberata Nosdeu, filha

de Francisco Nosdeu e Annunciata

Francica Nosdeu. Desse casamento

nasceram os filhos: Neusa Therezinha,

professora; Ari Bento (falecido na primeira

infância), Francisco José (Chico

Santoro), arquiteto e urbanista e Maria

Isabel, bibliotecária, hoje residente em

Campinas. Isabela e Fernando Santoro

Brunetti, são seus dois netos.

Sua vida profissional foi toda dedicada

ao Banco Commercial do Estado

de São Paulo, agência de Araraquara,

onde era muito querido e respeitado.

Neste estabelecimento bancário exerceu

os cargos de Contador, Sub-gerente

e Gerente da Agência de Araraquara

e Sub-gerente das Agências do Interior

do Estado de São Paulo.

Santoro alcançou sua aposentadoria

trabalhando no Banco Comercial,

porém, pela sua capacidade e dedica-


Fevereiro de 1966, Santoro, o primeiro da direita para a esquerda, atrás do prefeito Rômulo

Lupo, recém eleito em Araraquara. Ao lado do prefeito, o amigo Fausto Fagundes Lavras

Em maio de 1968, inauguração da SATIS

Comércio Indústria Ltda, Santoro aparece

ao lado do ministro Dr. José Romeu

Ferraz e Marzel Sachs. Sua presença nos

acontecimentos sociais era permanente em

função do relacionamento com a comunidade

ção, permaneceu por mais algum tempo

trabalhando, totalizando 40 anos ou

mais de bons serviços prestados. Santoro

era muito participativo na comunidade.

Dedicou grande parte de seu

tempo ao Asilo de Mendicidade, como

membro das diretorias.

Durante muitos anos, fez parte do

corpo de jurados do Judiciário local, o

que lhe dava muita satisfação. Participava

anualmente da “Comissão de

Festeiros” das igrejas Matriz e Nossa

Senhora do Carmo, nas realizações das

“famosas quermesses”. Santoro tinha

grande atividade social na cidade. Era

sócio dos clubes Araraquarense e Náutico,

torcedor apaixonado pelos times

da cidade, em suas respectivas épocas,

Paulista Futebol Clube, depois ADA

(Associação Desportiva Araraquara) e

mais tarde AFE (Associação Ferroviária

de Esportes). Na capital seu time do

coração foi sempre a Sociedade Esportiva

Palmeiras. Santoro gostava de conversar

com os amigos, principalmente

após o jantar e defronte à Charutaria

Paratodos. Um churrasco acompanhado

de um chopp era sempre bem vindo.

Junto com seus parentes Alfredo,

Benedito, Edson, Heraldo e Gilberto, a

caça e a pesca, na época permitidas,

eram seu lazer na Fazenda Cerrito. Depois

da caça e da pesca, Dona Yolanda,

a esposa, como gostava de ser chamada,

se encarregava de preparar as codornas,

pacas e capivaras.

Santoro colecionou muitos amigos

durante sua vida terrena dentre outros

citamos: Jamil Frem, Geraldo Masiero,

José Nogueira Silveira, Paulo Elias Antonio,

Otavio Micelli, Tiller Pirola, Dalvo

(Gerente do Banco Moreira Salles, na

época) e também os não menos amigos,

os colegas do Banco, como o inesquecível

Dr. Fausto Clovis Fagundes

Lavras, Augusto Balducci, Romeu Camarani,

Salvador Vescovi Marzel Sachs,

Jovaldo, Giovani, João, Marilda e Enio

de Souza Leão, entre muitos que pela

casa de crédito passaram.

A lealdade que devotava aos amigos

era uma das forças suprema de seu caráter

bem formado. Ele teve a sua vida

totalmente dedicada à família, aos amigos

e ao Banco Comercial.

Faleceu no dia 24 de maio de 1985,

poucos meses antes de completar 80

anos de idade e está sepultado no Cemitério

São Bento.

Seu nome está na rua através do

Decreto nº 5.295, de 12 de julho de

1985, que denomina Rua Joaquim Bento

Santoro, a via pública localizada na

Chácara Velosa, que tem seu início na

Rua Manuel de Abreu e seu término na

divisa da propriedade de Celso Falcão

Mendes.

Diretores e funcionários do banco em 1950

Rua Joaquim

Bento Santoro

na Chácara Velosa

61


SAÚDE

Tecnologia de ponta,

privacidade e comodidade

Estas são algumas das

características do atendimento

do Instituto de Patologia

Cirúrgica e Citopatologia

(IPC) Dr. Nicolino Lia Neto,

especializado em diagnósticos

de análises clínicas e anatomia

patológica.

Equipado com instrumentos de última

geração, amplo espaço e um grande

estacionamento externo, o Instituto

de Patologia Cirúrgica e Citopatologia

Dr. Nicolino Lia Neto, o IPC, tornou-se

referência na cidade em diagnósticos

de análises clínicas e anatomia patológica,

sempre com um trabalho a serviço

da vida.

O local foi construído na bela Avenida

Bento de Abreu e, para atender

confortavelmente o público, apresenta

três pavimentos: inferior (laboratório e

contabilidade), térreo (atendimento ao

público) e superior (escritório de microscopia).

No comando de tudo isso

está o casal de médicos e empresários

Nicolino Lia Neto (CRM 79436) e Cristiana

Cury Lia (CRM 79404).

No IPC, os exames são realizados

com mais privacidade em salas exclusivas

para prolongadas coletas seriadas,

acomodando de forma confortável o paciente.

O espaço ainda conta com nove

saletas individualizadas e climatizadas

para coleta de sangue e secreções.

E fora o escritório de microscopia

(que reúne sala de reunião, recepção,

bancada citotécnica e quatro salas de

Os médicos e empresários Nicolino Lia Neto

(CRM 79436) e Cristiana Cury Lia (CRM

79404) estão à frente do IPC

leitura de lâminas para patologistas),

outro destaque do instituto fica por

conta dos laboratórios de patologia e

análises clínicas.

Lá, todos os procedimentos são realizados

por uma equipe técnica qualificada,

que atua em equipamentos específicos

de hematologia, bioquímica,

processamentos, inclusão, microtomia

e leitura microscópica.

“É importante destacar que estudos

intraoperatórios (congelação), biologia

molecular, citologia em meio líquido e

Imuno-histoquímica são frequentemente

realizados”, finaliza Dr. Nicolino Lia.

Laboratório de

hematologia

Sala de microtomia

62


LEMBRANÇAS

Na Fonte,

um duelo

de titãs

Há 50 anos, o Cruzeiro,

vencedor da Taça Brasil de

1966, fez amistoso com a

Ferroviária no dia da entrega

das faixas de Campeã da 1ª

Divisão do Paulista ao time

da cidade; o araraquarense

Reinaldo Polito estava na

arquibancada e nos conta

como foi o jogo.

Um dos maiores clubes do País e

praticamente responsável por boa parte

da torcida em Minas Gerais, o Cruzeiro

jogou três vezes em Araraquara. As

duas últimas foram contra o Palmeiras

(2016 e 2012), que mandava jogos na

Arena da Fonte por conta de impasses

em seu estádio, o primeiro por punição

do STJD e o outro por conta de um show

nas dependências do Allianz Parque.

Porém, a primeira vez que a equipe

mineira pisou por aqui foi há cinco décadas,

no dia 29 de janeiro de 1967;

na Fonte Luminosa, os cruzeirenses entraram

para a história da Ferroviária ao

disputar um amistoso no qual as faixas

de campeã da 1ª Divisão do Campeonato

Paulista foram entregues ao time

da cidade. O convite partiu da Prefeitura

local.

Para o jogo, a delegação recebeu

12 milhões de cruzeiros novos, ficando

hospedada na Estância Uirapuru.

À época, o Cruzeiro era o campeão da

Taça Brasil 1966 (equivalente ao Campeonato

Brasileiro) com uma grande

campanha: em 30 jogos, conseguiu 25

vitórias, 4 empates e perdeu apenas

uma vez.

Neste dia, o Comendador Humberto

D’Abronzo, rico empresário da Caninha

Tatuzinho, veio de Piracicaba até Araraquara

para entregar o troféu à equipe

Antes do jogo, da esquerda para a direita: Dr. José Welington Pinto, Aldo Comito, Bazani (AFE), o árbitro

da partida Juan de La Passion, Wilson Piazza (Cruzeiro) e o Comendador Humberto D’Abronzo, presidente

do XV de Piracicaba, que a Ferroviária venceu um mês antes e ganhou acesso à Divisão Especial

grená. E para a felicidade de todos os

afeanos, a locomotiva brigou bravamente

durante toda a partida, arrancando

um empate em 2 a 2 com o esquadrão

azul comandado pelo craque

da seleção brasileira Tostão.

O araraquarense Reinaldo Polito,

mestre em ciências da comunicação,

lembra com carinho deste dia. Ele estava

no estádio, sentado ao lado do hoje

comentarista do SporTV, Marco Antônio

Rodrigues, que também é nascido em

nossa cidade.

“A Ferroviária dava uma enorme alegria

a sua torcida, pois voltava à Divisão

Especial depois de se sagrar campeã

da Primeira Divisão em 1966. Eu, garotão,

não perdi a oportunidade e compareci

à Estância Uirapuru quase todos os

dias para bater uma bola com Tostão,

Evaldo e companhia”, revela.

Polito completa. “A partida foi

63

realizada numa tarde de domingo

bastante ensolarada. O estádio estava

lotado com 24.870 torcedores, e

uma renda, em dinheiro da época, de

CR$ 37.680,00. Era uma grana preta”,

avalia.

BOLA ROLANDO

A Ferrinha foi a campo com Machado,

Belluomini, Fernando, Rossi e Joãozinho;

Bebeto e Bazani; Passarinho, Maritaca,

Téia e Pio. No decorrer do jogo,

Maritaca deu lugar para Djair e Pulga

entrou no lugar de Pio.

Do outro lado, o elenco azul celeste,

de grande reconhecimento nacional,

era encabeçado pelo goleiro Raul,

que se tornou comentarista esportivo.

Depois vinham Pedro Paulo, Vavá, Procópio

e Neco; Piazza e Dirceu Lopes;

Natal, Evaldo, Tostão e Hilton Oliveira.

Cláudio, Zé Carlos e Wilson Almeida

também participaram da partida.

Logo aos 10 minutos do primeiro

tempo, Tostão abriu o placar. “Fiquei

arrepiado e morrendo de medo, pois

tudo indicava que seria uma carnificina.

Nossa faixa corria o risco de ser

batizada com uma goleada”, conta

Polito.

Reinaldo Polito conheceu os craques do Cruzeiro

na Estância Uirapuru, onde a delegação se

hospedou

CONTINUA NA PÁGINA SEGUINTE


O alívio veio no fim do primeiro tempo,

com o gol de empate da AFE marcado

por Pio. “Foi um golaço, aos 43 minutos.

Fiquei rouco de tanto gritar gol”.

E a virada grená veio aos 24 minutos

do segundo tempo, com Téia, de falta.

“Precisei me beliscar para acreditar no

que estava vendo”, completa Polito.

Porém, aos 39 minutos, quando parecia

que os campeões brasileiros sairiam

derrotados, a torcida ficou muda:

Tostão voltava a marcar, deixando tudo

igual no marcador: 2 a 2.

“Que jogo! Que emoção! Até hoje

me lembro do Passarinho driblando

meio time, deixando Neco, que estava

na lateral esquerda, sentado, sem pai

nem mãe”, finaliza Polito.

FERROVIÁRIA

NO DECORRER DOS MESES

O ano de 1967, que marcou o retorno

da Ferroviária à elite do futebol paulista,

tornou-se muito especial, afinal

ele foi o primeiro da trinca do tricampeonato

do Interior. Na campanha, a Ferrinha

ficou apenas atrás dos cinco gran-

Da esquerda para direita: o roupeiro Zé Katira, o massagista Dobrada, Belluomini, Fernando,

Bebeto, Rossi, Joãzinho e Machado; Agachados: Passarinho, Maritaca, Téia, Bazani e Pio

des clubes do Estado. Logo, o sexto

lugar no Paulistão a credenciou como

a melhor equipe do interior do Estado.

Segundo o blog Ferroviária em Campo,

aquela campanha somou 24 pontos.

Téia e Almeida despontaram na artilharia

afeana com 5 gols cada. Valdir

assinalou 4; Leocádio, 3; Bazani e Maritaca,

2; Bebeto, Nei, Chiquinho e Rubinho,

1. Houve um gol contra, de João

64


Carlos (do São Bento de Sorocaba).

Ainda na bagagem, a locomotiva

grená foi campeã de quatro torneios:

Ribeirão Preto/SP, Goiânia/GO, Recife/

PE e Londrina/PR.

O Cruzeiro também teve uma boa

temporada, vencendo o Campeonato

Mineiro pela décima quarta vez. No

Brasileiro de 1967, à época denominado

Torneio Roberto Gomes Pedrosa (ou

Robertão), o time mineiro ficou em terceiro

do Grupo A, atrás de Corinthians e

Internacional. Apenas dois avançavam

de fase.

CRUZEIRO

FICHA TÉCNICA

Ferroviária 2 x 2 Cruzeiro

29/01/1967 - amistoso -

Fonte Luminosa (Araraquara/SP)

Público: 24.870 (Ncr$ 37.680.000,)

Árbitro: Juan de La Passion/MG, Valdemar

Agneli/SP e Bento Santos/SP)

Gols: Tostão 10’ (1-0), Pio 43’ (1-1), Teia

(falta) 69’ (1-2), Tostão 84’ (2-2)

Ferroviária: Machado; Belluomini,

Fernando, Rossi e Joãozinho; Bebeto e

Bazzani; Passarinho, Maritaca (Djair),

Téia e Pio (Pulga). T: Manga.

Cruzeiro: Raul; Pedro Paulo, Vavá

(Cláudio), Procópio e Neco; Piazza e Dirceu

Lopes (Zé Carlos); Natal (Wilson Almeida),

Evaldo, Tostão e Hilton Oliveira. T: Airton

Moreira.

NATAÇÃO

Os peixinhos

estão brilhando

Natação de Américo

Brasiliense ganha destaque

regional no final do ano.

No período de 2 a 4 de dezembro,

a equipe da Academia Água Viva de

Américo Brasiliense, participou da

X Copa São Paulo de Natação para

atletas vinculados, organizada pela

Federação Aquática Paulista, terminando

em 9° lugar no quadro geral

de medalhas, no total de 52 equipes

de todo o Estado.

Não é de hoje que a equipe da

Água Viva vem obtendo importantes

resultados, melhorando cada vez

mais suas marcas e aprimorando a

qualidade dos seus atletas.

Equipe reunida comemora o grande feito

O Cruzeiro chegou na quinta-feira cedo na Estância Uirapuru para o jogo de domingo contra a

Ferroviária. A equipe só não teve o zagueiro Willian, substituído por Vavá. Eis o time, em pé, da

esquerda para a direita: Pedro Paulo, Piazza, Neco, Vavá, Procópio e o goleiro Raul; agachados:

Natal, Tostão, Evaldo, Dirceu Lopes e Hilton Oliveira

Foi nesta ala da Estância Uirapuru, dos irmãos

Bento e Vicente Michetti que a delegação do

Cruzeiro ficou hospedada em 1967

“Não lembro bem de detalhes

deste jogo, já faz 50 anos. Mas

lembro bem que foi contra a

Ferroviária, um time que estava

em boa fase naquela época, e

que fiz dois gols. Foi um amistoso

muito importante.”

Tostão em entrevista ao portal Super FC

65

Allan Victor Santos, foi um dos destaques

da equipe, conquistando duas medalhas de

ouro, uma de prata e uma de bronze (com

destaque para o bi campeonato na prova

dos 100 metros borboleta)


Rodrigo num dos seus

momentos de convívio com

a família e os companheiros

Luana e Luke

Rodrigo Torres Valério Troca,

segundo consta em relatórios, teria

usado o revólver calibre 38 da

SAP – Secretaria de Administração

Penitenciária para atirar no peito

após assumir o posto de trabalho

na Penitenciária de Araraquara,

na noite de sexta-feira, dia 8 de

julho. O agente do Estado cometeu

suicídio no mesmo dia em que

reassumiu o cargo na muralha,

após um período em tratamento

médico. A orientação da Secretaria

de Administração Penitenciária

é que, em casos de tratamento

psiquiátrico, o profissional seja

acompanhado por uma equipe

da unidade. Ele voltou e deram o

armamento na mão dele.

No dia 11 de julho passado o

Núcleo de Perícias Criminalísticas

de Araraquara assegurou em laudo

que os exames residuográficos feitos

nas mãos de Rodrigo apontaram

resultado negativo, tanto na direita,

quanto na esquerda.

COMPORTAMENTO

O trem parte levando

gente que não quer partir

A morte de Rodrigo Torres

Valério Troca para seus

familiares continua sendo um

mistério e eles ainda buscam

maiores esclarecimentos sobre

os detalhes em que ela teria

ocorrido na Penitenciária em

Araraquara.

Quando o escrivão de polícia Luiz

Carlos Valério Troca nos procurou em

outubro, distante de polemizar uma

situação que parece estar consumada

pelas autoridades policiais, ele como

pai, demonstrava apenas interesse em

homenagear o filho por suas qualidades

pessoais e profissionais.

Formado em Direito, o jovem de 32

anos parecia viver a mais importante

fase de sua vida. Feliz ao lado da esposa

Patrícia, Rodrigo comemorava sua

aprovação no XVII Exame da Ordem dos

Advogados do Brasil, antes mesmo de

completar o último ano do curso de Direito

na Uniara.

Tal fato, levou o professor Fernando

Passos, Chefe do Departamento de

Ciências Jurídicas e Coordenador do

Curso de Direito da Uniara, a enviar

aos pais de Rodrigo, Edna e Luiz Carlos,

uma singela mensagem.

“É com esse sentimento misto de

professor e amigo que hoje escrevo

estas linhas sobre o Rodrigo. Aluno e

amigo de saudosa memória, Rodrigo

transferiu-se para o Curso de Direito

66

da Uniara em 2011 e está entre os que

se destacaram desde o início em sala

de aula, seja por sua dedicação acadêmica,

seja por sua generosidade como

pessoa. Sempre foi um aluno perspicaz,

inteligente e cordato com todos,

obtendo médias elevadas nas avaliações

das disciplinas. Também soube

conciliar os estudos com o trabalho de

forma exemplar, conquistando uma alta

porcentagem de presença, dedicação e

disciplina que ficam evidentes não apenas

nos resultados registrados no seu

histórico escolar, mas também na aprovação

ainda em 2015 no XVII Exame da

Ordem dos Advogados, quando Rodrigo

conquistou a aprovação no exame da

OAB, não tinha ainda concluído o último

ano do Curso de Direito”.


Dia 7 de junho de 1984. Em um dos

apartamentos da Santa Casa de Misericórdia,

está estendida na porta, uma

camisa da Ferroviária. Era apenas o começo

de uma vida que ficou pela metade.

Já aos 3 anos foi para a Escolinha

Branca de Neve, depois passou para o

Colégio Progresso e Objetivo; fez inglês

no Yázigi e em 2009, após ser aprovado

em concurso estadual como agente

penitenciário, foi trabalhar em Franca,

onde aproveitou para iniciar o curso de

Direito na FDP (Faculdade de Direito de

Franca).

O pai Luiz Carlos conta que sendo

transferido para Araraquara, Rodrigo

seguiu seus estudos na Uniara e como

agente trabalhava na Penitenciária. O

jovem queria ir mais adiante: foi aprovado

em concurso para Analista de Promotoria

(2015) que exigia o curso de

Direito.

A convivência com o meio penitenciário

deu a ele experiência e segurança

para a monografia apresentada

como exigência parcial para obtenção

do título de Bacharel em Direito, sendo

seu orientador o professor doutor José

Eduardo Melhen.

Curiosamente, por ser agente penitenciário,

a monografia versou sobre

“Garantismo Penal e o Direito Penal

Atual”; no resumo do trabalho, Rodrigo

diz ainda que em contraste com o clamor

popular, o Estado deve se empenhar

para que sejam respeitados os direitos

e garantias individuais dos seres

humanos, angariados durante séculos.

Em algumas oportunidades, Rodrigo

se mostrou mais enfático dentro do

tema que abraçara: “O Estado Democrático

de Direito coíbe a opressão estatal

quanto a aplicação de seu direito

penal e processual penal, sem respeitar

direitos e garantias e o devido processo

penal seja no âmbito do formal

ou material”.

O agente penitenciário, aconselhado

pelo pai, já poderia ter abandonado

o emprego, contudo continuou insistindo

em fazer prevalecer o que aprendera

na linha do Direito: “O neoconstitucionalismo

reza que toda lei deve ter

um conteúdo material justo, ético e é

nessas linhas que o Garantismo Penal

ampara os indivíduos sujeitos às sanções

penais”.

Luiz Carlos, que já fora escrivão de

polícia, conta que as orientações dadas

ao filho para não estabelecer enfrentamentos

jurídicos, não o demoveram da

ideia de agir de forma justa nas suas téses.

Posso garantir, conclui Luiz Carlos,

que ele cumpriu seu papel com dignidade

e respeito, buscando se firmar cada

vez mais com a teoria do Garantismo

Penal em defesa dos oprimidos.

Rodrigo, além dos pais Luiz Carlos e

Edna, deixa a esposa. Desde 2012 era

casado com Patrícia, fruto de um relacionamento

nascido no ano anterior.

Rodrigo em 1998, na festa de formatura

da 8ª Série no Colégio Objetivo; quatro

anos depois mostrava sua aptidão

pelo esporte: foi atleta juvenil no

basquetebol da Uniara na época do

treinador Tom Zé, praticou natação no

Piscinão, tênis de mesa na Fundesport e

tênis de campo na Ferroviária, Melusa

e Clube Araraquarense. Paralelamente,

ele se dedicava a proteção animais,

uma adoração que trazia desde os

tempos de criança. Para isso também

contava com a ajuda da esposa Patrícia.

Quando criança em um dos seus momentos

de intensa alegria ao lado de coleguinhas

e familiares para comemorar cinco anos

de vida, mostrando em seus pensamentos,

sonhos e a fantasia de um mundo que se

tornou incompleto

67


Com amplo

estacionamento, o

local é aconchegante

e arejado

Os empresários Luciana Capuzzo e Renato Bressan

LAZER

Que tal um

happy hour?

Nós Em Cena Deck Bar abre

suas portas em Araraquara

com ambiente ideal para

relaxar e encontrar amigos

após um dia de trabalho.

Recém-inaugurado em uma das

mais nobres regiões da Morada do

Sol, o Nós Em Cena Deck Bar pede

passagem para levar ao cotidiano do

araraquarense um espaço familiar,

aconchegante e arejado. Tudo isso com

estacionamento amplo e cardápio diferenciado.

Quem faz o convite é a empresária

Luciana Capuzzo, proprietária do local

ao lado do marido, Renato Bressan.

“Queremos que o bar seja uma extensão

da casa de nossos

clientes, um lugar bacana

para um happy hour com

amigos para descansar

após um longo dia de trabalho”,

pontua Luciana.

E para deixar esse encontro

ainda mais especial,

o bar conta com chopp

geladíssimo, uma vasta

carta de cervejas, drinks

especiais, porções bem servidas, além

do tradicional lanche de pernil. “Começamos

esse atendimento a partir das

17h”, informa.

Porém, o expediente do ‘Nós Em

Cena’ começa bem mais cedo, com almoço

a partir das 11h30. Na gama de

opções, a partir de R$ 12, a casa oferece

pratos executivos/kids e também

marmitex. “Temos sabores para todos

os paladares”, finaliza.

Casa também oferece opções de almoço, a partir das 11h30

68


TURISMO

Viajar é sempre bom

Localizada no centro de Araraquara, a loja Latam Travel

oferece pacotes completos com diversos serviços exclusivos

para seus clientes.

Segurança, atratividade, rentabilidade

e prazer de trabalhar no mercado

de turismo. Estes são alguns dos princípios

da franquia Latam Travel, união

das operadoras Tam Viagens e Lantours.

Com unidades espalhadas por

toda a América do Sul, uma das lojas

no Brasil fica em Araraquara, no centro

da cidade.

Em atividade desde janeiro de

2014, ela foi trazida para a

Morada do Sol por iniciativa

da empresária Érica Garutti

e seu sócio, Semi Assal. Lá,

os clientes podem fechar viagens

completas pelo mundo

todo, com todos os passos

pré-determinados em roteiros

personalizados ou prontos.

Na agência, você pode determinar

todos os detalhes de seu roteiro

“A Latam Travel tem o mesmo mecanismo

de funcionamento de uma

agência normal, porém prioriza o transporte

aéreo da Latam (fusão da brasileira

TAM e a chilena LAN), referência

na América do Sul. Com isso, podemos

conseguir acessos exclusivos com preços

únicos”, informa Érica Garutti.

E por falar em vantagens, Érica conta

que a loja apresenta pagamentos

flexíveis, que podem ser feitos via boleto,

ou mesmo em 10x no cartão. Há

também uma parceria para descontos

aos funcionários Santander, advogados

afiliados à OAB, médicos e funcionários

da Unimed Araraquara, entre outros.

“Temos outros benefícios para nossos

clientes, como a cada R$ 2 em compras,

acumula-se 1 ponto no programa

Multiplus de milhas, que podem ser

utilizadas em viagens, posteriormente.

Inclusive, orientamos os interessados

em saber detalhes de todo esse trâmite,

afinal muita gente tem dúvida. Também

temos uma central de apoio 24h”,

finaliza Garutti.

araraquara@agentetamviagens.com.br

Passagens Aéreas

Pacotes de Viagens Nacionais

e Internacionais

Cruzeiros Marítimos

Seguro Viagem

LATAM Travel é a nova marca

69

VIAGENS


MOVIMENTE-SE

Você em

primeiro lugar

Com sistema exclusivo de

treinamento e desenvolvido por

professores mestres e doutores,

o Centro de Treinamento

Bradhon chega em Araraquara

com programas voltados à

aptidão física.

A fim de atender aqueles que não

se identificam com o modelo vigente

nas academias e clínicas, a Bradhon

abre suas portas em Araraquara, com

um sistema inovador de treinamento.

Quem nos conta esta novidade é Cássio

Mascarenhas, professor doutor em

educação física e proprietário do local,

luxuosamente instalado próximo ao Teatro

Municipal.

Em entrevista, ele nos disse que

para a Bradhon, a aptidão física implica

na transformação do indivíduo em uma

pessoa apta a realizar tarefas motoras

(como aquelas do cotidiano motor comum

a todos), motoras laborais (uma

simples postura mantida por horas) e

de lazer.

Os atendimentos ocorrem em grupos

de 2 a 6 pessoas, com aulas de

15 a 40 minutos, com programas individualizados,

todos com um modelo de

acompanhamento integral do aluno, o

qual representa uma ruptura brusca

nos atuais paradigmas do setor,

“Dessa forma, há necessidade de

aprimoramento daquilo que consideramos

os três pilares da aptidão física: as

capacidades motoras condicionantes

(força muscular, resistência muscular,

velocidade muscular e flexibilidade articular),

as capacidades motoras coordenativas

(coordenação motora grosseira,

de múltiplos membros e fina, coordena-

Diretor do Centro de Treinamento, o professor

doutor em educação física Cássio Mascarenhas

é um dos mais respeitados profissionais do ramo

em todo o País

ção espaço-tempo, equilíbrio, ritmo etc)

e as habilidades motoras fundamentais

(andar e correr em variadas direções,

lançar, receber, rebater, quicar, chutar,

girar, saltar)”, conta Mascarenhas.

Para ele, tudo isso é requerido na

realização de todas as tarefas motoras

cotidianas e expande as oportunidades

de engajamento em jogos, brincadeiras

e diversões. “Nosso sistema exclusivo

de treinamento privilegia a transferência

dos aprendizados para a vida

cotidiana, de tal forma que se possa

brincar, jogar espontaneamente, ou

seja, explorar de maneira mais abrangente

as possibilidades de lazer motor,

aproximando as pessoas por meio do

exercício. Nós queremos as famílias se

reunindo em torno do exercício. Isto é

aptidão para a vida”, pontua.

MÉTODO

O Centro Especializado em Aptidão

Física e Saúde da Bradhon conta com

programas de treinamento direcionados

às suas demandas físicas. Estes

métodos reúnem um elevado rigor

técnico-científico, pois foram elaborados

por uma equipe composta por professores

mestres e doutores, além de

especialistas em cada uma das áreas

técnicas.

Os programas oferecidos são: aptidão

física básica, joelho, coluna, modalidades

esportivas (futebol, basquete,

tênis e voleibol), hipertensão, diabetes,

DPOC, artrite reumatoide, câncer, reabilitação

cardíaca, idosos, desenvolvimento

motor em crianças, entre outros.

70

O sistema Bradhon privilegia a

diversão e os jogos recreativos em

suas rotinas de treino


MÚSICA

Araraquarense Liniker

canta um ‘Adoniran inédito’

Sucesso no país, Liniker empresta sua voz para ‘O

Barzinho’ em disco de músicas inéditas do sambista,

batizado de ‘Se Assoprar, Posso Acender de Novo’.

Não há pessoa que melhor represente

todo o folclore do samba paulistano

que João Rubinato, ou Adoniran

Barbosa, nome de um de seus personagens

da época de rádio. Poeta suburbano

do Bixiga e amante das charmosas

noites da capital, o sambista volta

às prateleiras com um material inédito

após 34 de sua morte. Adoniran também

imortalizou, em suas músicas, o

Jaçanã, com o Trem das Onze.

Em novembro, com organização do

produtor Cassio Pardini, o CD duplo “Se

Assoprar, Posso Acender de Novo” reuniu

14 novas canções do artista, que ficaram

por décadas apenas em partituras.

O lançamento conta com imagens

da gravação, assim como curiosidades,

todas registradas em DVD.

E entre os principais intérpretes do

material está o araraquarense Liniker,

líder da banda Liniker e os Caramelows,

febre no Brasil com sua nova MPB que

dialoga com amores e desamores. O

prata da casa canta “O Barzinho” (a letra

pode ser vista ao lado), uma parceria

entre o próprio Adoniran e o compositor

Renato Luiz.

Além dele, integram o projeto Ney

Matogrosso, Criolo, Fernanda Takai,

Kiko Zambianchi, Simoninha, entre outros.

O disco pode ser encontrado em

lojas de todo o Brasil.

SUCESSO

A carreira musical de Liniker Barros

(22) pode ser resumida como um conto

de fadas. Afinal, há menos de dois

anos, ele era apenas um jovem artista

que batalhava por lugar ao sol.

Hoje, Liniker (ao lado da banda os

Caramelows) é apontado por público e

imprensa como um dos emergentes nomes

da MPB. Após estourar com o EP

‘Cru’ nas redes sociais, a trupe traçou

um caminho cauteloso, conquistando

seu espaço aos poucos, lançando em

setembro do ano passado seu primeiro

disco completo, ‘Remonta’.

Com produção de Márcio Arantes,

o material foi financiando pelos próprios

fãs, através da plataforma ‘Catarse’.

Com o Prêmio Multishow na categoria

“Revelação” na bagagem, o grupo

tem agenda lotada.

Referindo-se a si mesmo como ele

e também como ela, Liniker também

ganhou relevância no País ao discutir

a liberdade de gênero através da

mistura de turbantes, brincos, batons

e vestidos com seu bigode e sua voz

grossa, que adora brincar com falsetes

aqui ou acolá. “Sou uma artista

desta geração que se expressa assim

(referindo-se às roupas e postura).

Um dos meus maiores desejos é:

O intérprete (sob o olhar de J.R. Duran) e o autor

bote para fora quem você é, não tem

problema”, disse Liniker em recente entrevista

ao canal GNT. Inclusive, um trecho

de sua música mais famosa, ‘Zero’,

faz parte de uma das séries do canal,

‘Liberdade de Gênero’.

Capa do CD em que aparece o araraquarense

Liniker de turbante

‘O Barzinho’

Adoniran Barbosa e Renato Luiz

Naquele bar da Tupi, a qualquer hora do dia.

Ou da noite, de manhã ou de tarde. Que alegria.

Tinha artistas e cantores, pessoal da televisão

Da rádio e das novelas, que embalavam o coração

Parecia que a turma estava na própria casa

Quanto olhar se espalhava e a gente se arrastava

Rádio Tupi e Difusora, lembranças do Sumaré

Para ver tudo de novo, eu ia, até ia a pé

E não sou do Tatuapé...Pois é

71


VIP

VIDA SOCIAL por Maribel Santos

Feliz

2017!

Caríssimos leitores, brindemos 2017! Por mais

dificuldades que tenhamos, a vida segue,

caminhar é preciso, sonhar idem, fazer planos,

defender nossos direitos, lutar pelo que é justo,

digno, correto, buscar o equilíbrio para que

possamos ter sabedoria, para vivermos melhor

e em paz. A vida é valiosa e precisamos lutar

por ela com dignidade, palavra tão esquecida.

No horóscopo chinês, 2017 é o ano do galo.

A dica é ter muita diplomacia, exercitar o bom

senso e evitar discussões infundadas. Energia,

otimismo, autoconfiança e honestidade são

palavras de “ordem” para o novo ano. Deseja

um ótimo 2017? Mude suas atitudes, renove o

seu vocabulário com palavras amorosas e de

otimismo, seja mais leve, mais solidário, olhe

nos olhos das pessoas, abrace afetuosamente

quando encontrar um amigo, esqueça um

pouco o WhatsApp, o Facebook, o Twitter,

saia das redes sociais e venha para o mundo.

Valorize as pessoas da sua família, do seu

convívio social, do seu trabalho. Elogie, estenda

sua mão, seja generoso, sorria e quando

precisar de ajuda, seja humilde e peça colo.

E sabe o que eu desejo a você? Um ano

abençoado, com muita saúde, paz, harmonia,

e prosperidade. E quando desejar repostas para

suas dúvidas, lembre-se que elas estão dentro

de você. Namastê!

Rose Alves com a irmã Meire Alves

e o cunhado Marcio Cabrera

Adriana Carrascosa com a fofa Isabelle

Carrascosa Cardoso

Sempre elegantes Soninha Almeida

e Roberta Bentancor

Geovana Braga com

as filhotinhas Ludmila

Santos Braga e

Lorraine Santos Braga

A beleza de Isabella Silva

72


73


VIPS

EM DESTAQUE

Na telinha!

Liniker Barros é sinônimo de sucesso.

Em 2015, formou a banda Liniker e

os Caramelows, com quem lançou

despretensiosamente o EP, Cru, com o

primeiro single, Zero. Explodiu em 2016

e seus vídeos ganharam milhões de

visualizações. Lançou seu álbum de estreia,

intitulado Remonta, gravado com ajuda

dos fãs através do financiamento coletivo

no Catarse. O disco teve repercussão

internacional, ganhando atenção da

imprensa estrangeira. Em 2017, Liniker fará

participação especial na série global Mr.

Brau, ao lado dos protagonistas da série, Lázaro Ramos e Taís Araújo. Lacrou, lindeza!

GEART

Receitas da Vovó

A gerente de cursos do Senac,

Roseli Ferrari de Pinho foi

prestigiar a delícia de exposição

do querido amigo e artista

plástico, Lauro Monteiro.

A artista plástica Euzania Andrade

recebeu no Arte 220, na última

reunião de 2016 do GEART (Grupo

de Estudos da Arte), o talentoso

arquiteto Guilherme Cuoghi. O grupo

é formado por artistas plásticos,

arquitetos e produtores de arte da

cidade. Tenho orgulho em fazer parte

dessa trupe!

74


75


VITRINE

João Ferraz, um dos mais

talentosos profissionais da

fotografia na região

Noite agradável no Nós em Cena Deck Bar

Mariana Sacconi e Érica Garutti, da

Business Class, conceituada agência de

viagens em nossa cidade

Dr. Alessandro Galhardo (clínica É o Bicho!) com

seus clientes João Fernando e Reginaldo Queiroz

Momento de descontração para

Lurdinha e Adair Longhini

Renato Haddad depois de uma intensa

campanha política, traça novos planos

para 2017

Daniela e Neiri Lozano, durante evento

organizado pela Canasol

Renato Chediek e Luís Henrique Scabello

de Oliveira, presidente da Canasol

Em ritmo de férias, Paulo Sérgio Sassi,

diretor do Senai Araraquara

Aniversário de Rogério Margonar, um

dos mais conceituados profissionais da

Odontologia foi comemorado em alto

estilo em dezembro, reunindo familiares e

amizades mais chegadas

76


ANIVERSÁRIOS

JANEIRO|2017

A diretoria do SINCOMERCIO cumprimenta todos os aniversariantes

DATA

NOME

EMPRESA

DATA

NOME

EMPRESA

01/01

01/01

02/01

02/01

04/01

04/01

04/01

05/01

05/01

06/01

07/01

07/01

08/01

10/01

12/01

14/01

14/01

15/01

15/01

15/01

Célia Maria Gorla

David José H. Vilela Braga

Teresina Barcelos de Abreu Silva

Vitor Hugo Lollato

Célia Oyafuso

Fabrício Marques da Silva

Natale Dalla Vecchia

Emiliano Rodrigo Barros Arruda

Márcia Schmidt Néglia Armenini

Suzana Fátima C. Conrado

Adriano Aparecido Freire

Vitor Cesar de Moura

Emerson Regolão

Sérgio Eduardo Mendonça

João Antônio Zanella A. Braga

Nga Chou Yang

Sandra Regina Marino Braz

Amalfi Mori

Emília Kassumi S. Matsuda

Maria Helena Palhares Viana

Up To You

Colégio Anglo

Magah Beach Wear

Ventluz Material

Drogaria União

Mark’s Tintas

Lojas Cem

Bem Viver

Gordo Calçados

Casa Du Óculos

Lubrara

Minas Queijos

Móveis Estrela

Acessórios Brecadinha

Química Santa Rita

Real Mania I

Fórum

Mori Auto Peças

Perfumaria Emy

Realvi

16/01

16/01

16/01

19/01

20/01

20/01

21/01

22/01

25/01

25/01

26/01

26/01

27/01

28/01

28/01

31/01

Celia Regima de Lima Pereira

Edson José Cavalli

Neide Fátima Palombo Girasol

Liana Maria Pini Zenatti

Francisco Carlos Servo

Giuseppe Morvillo Júnior

Cláudio Shigueru Matsuda

Alex Mendonça Silva

Adriano Penna Gonçalves Filho

Weiner Maria Soubhia Delbon

Fabiana Maria Delbon

Raul Alves Ferreira

Paulo Marcos Viola

Estela Mazutti de Oliveira

Márcia Valmira Zago Lopes

Marie Tcherichin Agazarian

Supermercado Central

Ótica A Lojinha

Girassol Modas

Lian Modas

Casa Móveis e Decorações

Hidromor

Perfumaria Emy

Dental e Equipamentos

Penna Madeiras

Bazar Sensação

Bazar Sensação

Colégio Neruda

Carneval

Palácio dos Pneus

Fetiche

Via Armênia

77


Luís Carlos

Feliz 2017

Mais um ano a se enfrentar; menos

um que já se vai tarde, porque o que

aconteceu não tem mais volta, não tem

jeito, faz parte do passado, nem adianta

ficar a relembrá-lo. Talvez para alguns,

o que resta apenas (embora nem sempre),

seja a lembrança dos felizes acontecimentos;

os outros ruins não importam,

a não ser que se tenha um espírito

sofredor ou então movido a arrependimentos,

como “se eu tivesse feito isso”,

“se eu tivesse feito aquilo”, tal não teria

acontecido.

Essas obviedades são tão banais,

tão acacianas, que você prezado leitor e

querida leitora, não vão deixar de intimamente

sorrir ou de pensar que estecronista

está pouco ou nada inspirado a criar

algo, sabe-se lá por quais razões, talvez

as mais inconfessáveis, como a preguiça,

justamente na primeira crônica do ano

que supostamente deveria — como manda

a antiga tradição —, fazer as clássicas

promessas, “vou ter de emagrecer”, “não

vou beber mais”, “não fumarei”, e tantas

outras falsas, que, não por coincidência,

geralmente são idênticas às que foram

prometidas no ano anterior e que, também

conforme manda a tradição, jamais

serão cumpridas. Talvez em 2018...

O que demonstra que não temos palavra

mesmo. Fácil falar, não é mesmo?

O difícil é agir. A teoria é uma coisa; a

prática, outra. Vocês devem imaginar

que este cara está enrolando, enrolando,

até terminar o espaço da coluna que o

prezado amigo editor Ivan — breve recuperação!

—reservou para ele. Nem

BEDRAN

Sociólogo e articulista da Revista Comércio,

Indústria e Agronegócio de Araraquara

tanto, nem tanto...

Mas confessa que há um pouquinho

de verdade nisso, consequência quase

que inevitável dos abusos cometidos antes

e depois do réveillon, pois ele de vez

em quando tenta seguir à risca os sábios

conselhos do eminente filósofo Lin Yutang

em sua obra “A importância de viver”,

quando recomendava que “o excesso

ocasional é saudável”.

Com esse mesmo espírito, porém não

mais o subjetivo, o pessoal, mas sim o

objetivo, geral, desejar e esperar que

o País consiga, aos poucos, sair dessa

dolorosa crise (mas sem sacrificar tanto

a nossa gente) e, no mundo, que haja

maior tolerância entre as nações, entre

todos os seres humanos.

Esses são os augúrios — os bons,

sempre reiterados, ano após ano, mas

muito importantes —, porque faz com

que devamos ser solidários com os nossos

semelhantes, como também exige

proverbial costume. Não meras previsões

futurísticas, porém aspirações, desejos,

os melhores possíveis, que os seres pensantes,

na passagem dos anos, sempre

esperam ser realizados. O que é extremamente

válido. Não custa nada e faz

bem.

Vocês têm alguma razão em supor

que este cronista não pretende estragar

o seu (o nosso) começo de ano para ficar

a recordar as desgraças ocorridas

no último, que não levam a nada. Não

relembrar o passado, muito menos prever

o futuro. Talvez alimentar algumas

esperanças, o que não deixa de ser uma

grande coisa, mas que, também, na verdade,

essa pretensão se equivale tanto

ao que já aconteceu como aquilo que

acontecerá. Ou seja, nada.

Esse pensamento não é novo, não é

original. Longe disso. Começou há “pouco

tempo”, mais ou menos uns 500 anos

antes de Cristo, estendeu-se por mais

outros cinco séculos e até mesmo atualmente

tem sido objeto de reflexão dos

pensadores ocidentais que ainda tentam

encontrar uma fórmula melhor para que

possamos ser ou continuar a ser sempre

felizes.

Pois foram os estoicos, como Epicteto,

Marco Aurélio, Sêneca, além de vários

outros, que começaram a refletir sobre

isso. Mas também há os mais modernos,

como Spinoza e Nietzsche. Aqueles

disseram que é bobagem ficar a sonhar

com “as coisas dolorosas que provavelmente

te aconteceram”, porque elas nem

existem mais (ainda bem). Assim como

ter medo do porvir. Ambos não nos dizem

respeito. O que devemos lembrar é

de que “cada um de nós só vive no momento

presente, no instante. O resto é

passado, ou o obscuro futuro.” (Sêneca).

O budismo tibetano aproxima-se do

estoicismo. Diz que “esquecemos que

não há outra realidade além da que é

vivida aqui e agora, e que essa estranha

fuga para adiante nos faz com certeza

falhar”. É o que diz um célebre provérbio

budista: “é preciso aprender a viver

como se o instante mais importante da

vida fosse aquele que você está vivendo

no exato momento, e as pessoas que

mais contassem fossem as que estão

diante de você”. (Dados extraídos do

livro do filósofo Luc Ferry, “Aprender a

viver”, “Editora Objetiva”, 2006).

Então meus amigos, tentemos esquecer

os males do passado, do ano

que se foi e não nos preocupemos com

o futuro.

Feliz 2017!

78


Responsável técnico: Dr. Woe Tong Chan CRM nº 86.953

Hospital São Francisco. Tratamento humanizado

que faz diferença no seu bem-estar.

O Hospital São Francisco é um centro médico respeitado em todo país pela qualidade dos procedimentos

de alta complexidade em diversas especialidades médicas como cardiologia, neurologia, ortopedia, cirurgia geral

e oncologia. É um hospital com mais de 70 anos dedicados à saúde, onde a alta tecnologia e as modernas

instalações se completam com o acolhimento e cuidados da equipe médica no tratamento de seus pacientes.

0800 777 90 70 Um grupo de saúde diferente

saofrancisco.com.br

porque faz diferença na sua vida.

são francisco

79


80

More magazines by this user
Similar magazines