Revista Recap 121 março 2021

recap

Ano 2021 - Edição 121
janeiro, fevereiro e março
www.recap.org.br

REVISTA

1° TRI 2021 - EDIÇÃO 121

O ANO DA VACINA

CHEGOU COM AINDA MAIS DESAFIOS


NESTA EDIÇÃO

04

EDITORIAL

Precisamos nos

fortalecer

12

FIQUE ATENTO

Recap mantém

cursos online em 2021

26

GIRO

Vendas de combustíveis

caem em 2020

06

PERFIL

Seus dados

estão protegidos?

16

CAPA

Chegamos

no vermelho

28

TENDÊNCIA

Como atrair e

fidelizar clientes?

10

NOVIDADE

Uma nova

Revista Recap

24

CAMPANHA

Recap lança ação

de conscientização

30

ARTIGO

Prioridades: As

deles e as nossas

EXPEDIENTE

RECAP - Sindicato do Comércio

Varejista de Derivados de

Petróleo de Campinas e Região.

SP COMBUSTÍVEIS

Associação dos Revendedores

do Comércio Varejista de

Derivados de Petróleo e Afins

no Estado de São Paulo.

www.recap.org.br

Rua José Augusto César, 233

Jd. chapadão, Campinas-SP

CEP: 13070-062

Fone/Fax: (19) 3284-2450

DIRETOR RESPONSÁVEL

Flávio Campos

EDITORES

Caio Augusto

Flávio Lamas

REPORTAGENS

Gláucia Franchini

Rosemeire Guidoni

DESIGN GRÁFICO

Daniele Constantino

Gláucia Franchini

DEPARTAMENTO COMERCIAL

José Maria dos Santos

(11) 98724-9650

revistarecap@gmail.com

IMPRESSÃO

Lince - Gráfica e Editora

TIRAGEM

10.000 exemplares

As opiniões dos artigos assinados e

informações dos anúncios não são

responsabilidade da Revista Recap.

Fechamento: 22 de março de 2021.


Editorial

PRECISAMOS NOS FORTALECER E

FOCAR NA RAIZ DOS PROBLEMAS

Flavio Martini de Souza Campos

Presidente do Recap

O ano da vacina que

significava, para muitos, a

retomada, o deixar para

trás as adversidades e os

desafios, veio com ainda

mais questões a se encarar.

A Covid-19 continua sendo

uma grande preocupação

do mundo todo e

2021, além de vir com essa

carga, chegou com o setor

de combustíveis em destaque,

com repercussões e a-

ções que afetam a economia

nacional e, de forma

direta, a revenda no Brasil:

os preços nas bombas assustam

à sociedade e a nós,

revendedores.

Apesar do impacto disso

tudo, estamos aprendendo

cada vez mais que é preciso

lidar com os problemas e

encontrar nas crises, oportunidades,

ou pelo menos,

formas de encará-las.

Se em 2020 tivemos que

nos reinventar, agora é o

momento em que precisamos

nos fortalecer. E é isso

que o Recap vem fazendo

enquanto instituição que

representa e defende os legítimos

interesses de sua

categoria.

Aproveitamos este momento

para estar ainda

mais ao lado da revenda e

da sociedade, mostrando

os reais problemas de nosso

setor.

Por isso, o Recap vem

fazendo diversas ações e

campanhas, levando informações

claras e objetivas

sobre o que ocorre no mercado

de combustíveis, além

de destacar as medidas necessárias

e urgentes a serem

tomadas.

Defendemos a reforma

tributária diante do peso

que os impostos têm no valor

final dos combustíveis.

Isso, alias, deve vir junto ao

combate à sonegação fiscal,

além de competitividade e

concorrência saudáveis em

todos os elos da cadeia.

Essa campanha foi lançada

no mês de fevereiro, já

com repercussões muito

positivas. As peças e mais

informações poderão ser

conferidas nas páginas desta

edição.

Esta primeira Revista

Recap de 2021 reúne informações

que impactam diretamente

o nosso setor e

consequentemente a população

de forma geral, com

as ações do presidente da

república na gestão da Petrobras

e em temas que envolvem

a questão dos impostos

e dos preços dos

combustíveis.

Também trazemos um

alerta importante neste novo

mundo mais digital. Se

os aplicativos e as ações de

fidelização são relevantes

para fomentar os negócios,

o cuidado com os dados

pessoais e das empresas

precisa ser reforçado, para

evitar situações de vazamentos

de informações, como

o que foi registrado neste

início de ano.

Que a vacinação contra a

Covid-19 ganhe o ritmo necessário,

junto à uma maior

conscientização de todos e

que na economia, as ações

cheguem aos elos onde, de

fato, estão as raizes dos

problemas.

04 RECAP


O C O M B U S T Í V E L A N D A C A R O , N É ?

S A B E P O R Q U Ê ?

O P R O B L E M A N Ã O É O P O S T O .

O P R O B L E M A É O I M P O S T O !

Mas, por que temos uma carga

tributária tão alta?

O Brasil perde bilhões de reais

todos os anos com sonegação fiscal

nos combustíveis.

QUEM PAGA SOMOS NÓS.

Sindicato do Comércio Varejista de Derivados

do Petróleo de Campinas e Região

www.recap.org.br


Perfil

SEUS DADOS E OS DE SEUS CLIENTES

ESTÃO PROTEGIDOS?

Lucas Warner, professor do Instituto de Computação da Unicamp e

PHD em Ciência da Computação pela Universidade da Califórnia.

06 RECAP


LUCAS WARNER

O recente megavazamento

de dados, que expôs o

CPF de 223 milhões de brasileiros

e o CNPJ de 40 mil

empresas, mostra o quanto

o Brasil está atrasado (e vulnerável)

no que diz respeito

à privacidade.

Mesmo com a entrada em

vigor da LGPD (Lei Geral de

Proteção de Dados Pessoais),

em setembro do ano

passado, muitas empresas

ainda não se deram conta

da necessidade de fazer o

tratamento adequado das

informações e garantir a

privacidade dos clientes.

Em paralelo, pessoas físicas

também não se preocupam

tanto quanto deveriam.

O resultado é a maior

exposição a ações criminosas.

"O problema começa

quando, além do CPF, o

criminoso consegue outros

registros, como endereço,

número de contas bancárias,

senhas e cartão de

crédito”, explica o professor

do Instituto de Computação

da Unicamp, Lucas Warner.

Ele é PHD em Ciência da

Computação pela Universidade

da Califórnia e conversou

com a reportagem

sobre os riscos dos vazamentos

de dados, seja para

o titular (dono das informações),

seja para quem os

mantém armazenados.

O que o megavazamento

de dados traz como lição?

Esse não foi o primeiro

grande vazamento de informações,

mas ganhou destaque

pelo volume de pessoas

(físicas e jurídicas) envolvidas.

É preciso considerar

que grande parte dos

supostos dados vazados

são públicos, como os CPFs

e CNPJs.

O problema acontece

quando golpistas conseguem

outras informações e

juntam o quebra-cabeças,

aumentando a vulnerabilidade.

Por exemplo, um dos

principais crimes é o roubo

de identidade, ou seja,

quando alguém se passa

por você (ou por sua empresa)

e faz dívidas em seu

nome. Com dados pessoais,

é possível contratar um serviço,

fazer uma compra ou

até mesmo abrir conta bancária

em nome de terceiros

- conhecidos como “laranjas”.

No caso de uma compra

ou contratação de serviços,

o criminoso faz a transação

no nome da vítima e

não paga. Com isso, a pessoa

passa a receber cobranças

de compras que não fez

e pode até ter o nome negativado

indevidamente. Esse

é apenas um dos exemplos

de fraude envolvendo uso

indevido de dados pessoais.

Quem vendeu o produto ou

serviço também tem responsabilidade

nisso?

Esse é um aspecto legal que

demanda maiores esclarecimentos.

Quem vende deveria

se responsabilizar pela checagem

dos dados. Mas, isso é

muito fácil de burlar. Ao fazer

uma conta num e-commerce,

por exemplo, a pessoa precisa

de uma autenticação, que

é feita por meio de SMS ou e-

mail. Quem garante que o

criminoso não está utilizando

um e-mail ou número de

telefone falso? Aliás, foi assim

que muitos golpistas conseguiram

sacar parte do FGTS

de terceiros, que foi liberado

pela Caixa como parte das

medidas de auxílio à crise

econômica causada pela pandemia.

Bastava o golpista cadastrar

o CPF e fazer a autenticação

com um e-mail qualquer

para transferir ou utilizar

o recurso.

O responsável deve ser

quem armazena o dado?

Esse tema é muito novo no

Brasil mas, entendo que em

qualquer caso de vazamento

de dados, a responsabilidade

é de quem deveria tê-los protegido.

Aliás, é isso o que diz a

LGPD, que prevê multas elevadas

para empresas que

não protegerem dados dos

clientes.

07 RECAP


Perfil

No setor de combustíveis,

muitas vezes o cliente paga

com aplicativo de fidelidade

da distribuidora. Se

esses dados vazam, quem

é o responsável?

Entendo que é quem se

beneficia com o armazenamento

dos dados, ou seja, a

distribuidora ou mesmo a

empresa que criou o aplicativo.

Além do roubo de identidade,

quais outros crimes

podem ser praticados a

partir do acesso a dados?

O criminoso pode montar

um quebra-cabeças e acessar

muitas informações. Pode

descobrir segredos industriais

e vender para a

concorrência, pode rastrear

pessoas (não apenas no

ambiente digital, mas no físico)

e descobrir endereços

e status econômico - o que

motivaria outros crimes.

Além disso, há o risco de

vazamento de fotos ou informações

de localização,

que podem resultar em

chantagem. Um criminoso

que invade um sistema pode

ter acesso a fotos privadas

e chantagear seu dono,

dizendo que vai expô-las a

terceiros. Ou, ainda, os dados

de localização (de aplicativos

como Waze e GPS)

podem tanto ser motivo de

É importante ter em mente que o

sistema corporativo utilizado também

pode ter fragilidades e precisa de

proteção. Afinal, além de todos os

problemas decorrentes de um

eventual vazamento, as multas são

pesadíssimas.

extorsão, quanto dar indícios

de por onde a pessoa

circula e quais os momentos

mais vulneráveis para

um roubo ou sequestro.

O que fazer para evitar

esses riscos?

Para pessoas físicas é importante

manter softwares

atualizados, o que evita vulnerabilidades,

além de sistemas

de dupla checagem de

senhas, não usar senhas

iguais em serviços distintos,

não deixar o número do

cartão de crédito cadastrado

em e-commerces e ter

cuidado com redes públicas.

Para as empresas, não é

diferente. É importante ter

em mente que o sistema

corporativo utilizado também

pode ter fragilidades e

precisa de proteção. Atualizar

todos os softwares é essencial,

além de ferramentas

que protejam os dados

dos clientes. Afinal, além de

todos os problemas decorrentes

de um eventual vazamento,

as multas são pesadíssimas

- R$ 50 milhões ou

2% do faturamento. Elas serão

aplicadas a partir do 2° semestre

deste ano mas, consumidores

que se sentirem

lesados já podem denunciar.

Como o cliente pode saber

onde houve o vazamento

de dados?

Isso é bastante difícil, na

prática. Porém, é importante

destacar que as empresas devem

fazer a sua parte. Por

exemplo, em um posto de

combustíveis, há a necessidade

de deixar o número do

cartão do cliente salvo ou seu

CPF? Claro que muitas organizações

usam informações

para marketing, analisando

seus hábitos e preferências.

No posto, informações como

a placa do veículo, preferência

por gasolina ou etanol, data

da troca de óleo, fazem sen-

08 RECAP


LUCAS WARNER

tido. Mas será que é preciso

armazenar outros registros

que possam trazer maior

vulnerabilidade? É importante

pensar em tudo isso

ao definir as estratégias e

objetivos de registrar informações

de terceiros.

Além disso, é primordial

que todos os dados sejam

protegidos por criptografia.

Vamos supor que o posto

utilize um sistema de gestão

remota, acessado pelos

sócios e gerentes, a partir

de diferentes dispositivos.

Cada pessoa que acessar

precisa fazer sua autenticação

e é fundamental que

exista um sistema de proteção

que impeça a cópia das

informações. Um gerente

em home office, por exemplo,

que acessar o sistema,

não deveria poder copiar

para o seu dispositivo (seja

smartphone ou computador)

dados dos clientes, por

mais que precise deles para

Esse, aliás, foi um dos

grandes problemas do

trabalho remoto.

Muita gente acessando

o mesmo sistema

aumenta sua

fragilidade.

o envio de boletos de pagamento,

por exemplo. Isso

porque a empresa não tem

como garantir que o equipamento

do colaborador está

protegido.

Esse, aliás, foi um dos

grandes problemas do trabalho

remoto. Muita gente

acessando o mesmo sistema,

remotamente, aumenta

sua fragilidade.

Assim, o ideal é que cada

colaborador tenha uma autenticação

específica e só tenha

acesso à parte dos registros,

sem que haja a possibilidade

de download.

Os antivírus ajudam?

Ajudam mas, não resolvem

o problema. Os sistemas

de proteção precisam

ser mais sofisticados. Especialmente

quando há acesso

remoto.

E se, mesmo com todos os

cuidados, ocorrer o vazamento

de dados?

As empresas devem informar

publicamente que sofreram

algum ataque. A

transparência é fundamental,

para que os clientes saibam

o que houve e alterem

senhas, número de cartão

de crédito.

Quais outros cuidados os

postos de combustíveis de-

vem ter com os dados de

seus clientes? Quais as suas

recomendações?

Além de investir em sistemas

de segurança e ter cuidado

com os próprios dados, é

preciso cautela ao lidar com

informações dos clientes.

Vale a pena avaliar quais

registros devem, de fato, ser

armazenados, se eles fazem

alguma diferença para o negócio.

Se forem importantes,

o cliente, titular dos dados,

deve ter ciência do armazenamento.

Essas informações

precisam ser protegidas e, se

o consumidor desejar, devem

ser excluídas.

Outro detalhe fundamental

é o treinamento dos colaboradores

que têm acesso ao

sistema. Essas pessoas precisam

entender a importância

da atualização dos softwares e

usar os dispositivos com responsabilidade.

Vale alertar

para os golpes de phishing

(iscas digitais), navegação insegura,

entre outros.

Uma dica é ter duas redes

distintas. Se um colaborador

se logar na rede da empresa

a partir de um celular antigo e

desatualizado, por exemplo,

pode abrir uma porta para

ações criminosas. Então, vale

a pena ter uma rede wi-fi para

os funcionários e clientes e

outra para operações da organização.

09 RECAP


Novidade

UMA NOVA

REVISTA RECAP

A Revista Recap ganha neste ano de 2021 um novo layout, junto com uma

nova proposta editorial, integrando os canais de comunicação do sindicato,

a fim de levar informação de forma clara, objetiva, com análises de grandes

nomes do mercado e da sociedade.

O Recap está sempre

conectado com as principais

tendências de mercado,

alinhado às necessidades

da revenda e por isso,

neste ano de 2021, traz

mais novidades em seus

meios de comunicação. O

destaque é para a Revista

Recap que ganha uma nova

diagramação e uma nova

proposta editorial.

O principal objetivo é,

além de tornar a publicação

mais moderna e atrativa, levar

as informações de modo

mais objetivo e com a integração

com outros canais

do sindicato. Essa nova forma

de comunicar, traz ainda

mais possibilidades.

A Revista Recap continuará

com sua equipe de

jornalismo já reconhecida no

setor, nas versões impressa

e online. Além disso, passa a

ter links com outras mídias

e canais, que trazem informações

exclusivas, em plataformas

diversas, com conteúdos

que poderão ser

conferidos, por exemplo,

em áudio e vídeo.

Confira as mudanças e

comece a aproveitá-las nesta

edição!

10 RECAP


QR-Code

A partir de agora, o conteúdo

da Revista Recap

passa ter links com diversos

canais do sindicato. Essa ligação

entre as plataformas

traz ainda mais informações,

que podem ser acessadas

quando e onde o leitor

e internauta quiserem.

Nossa equipe de comunicação

facilita esse processo

indicando nas reportagens

das edições da revista, os

assuntos que são repercutidos

em outros canais do

Recap e portais. Para acessá-los,

basta mirar a câmera

do celular para os QR-Codes

indicados nas páginas,

Novas possibilidades

Através dessa mescla de

plataformas, o leitor poderá

instantaneamente se tornar

internauta, acessando com

apenas um clique, o site do

Recap, vídeos e entrevistas

disponíveis no canal do

Youtube, informações sobre

programas e ações de parceiros,

além de conteúdos

extras aos já abordados na

revista. Aproveite!


Fique atento

RECAP MANTÉM

CURSOS ONLINE EM 2021

Os cursos online, que vieram

como uma alternativa

diante da Covid-19, tiveram

grande aprovação e por isso,

neste ano, os treinamentos

realizados por parceiros

do Recap continuarão

na modalidade digital.

“Além da facilidade, integração

e toda tecnologia,

ainda temos a circulação

do vírus. Por isso, as aulas

remotas continuam sendo

a forma mais segura para a

capacitação, mantendo a

qualidade dos cursos”, ressalta

o gerente executivo

do Recap, Caio Augusto.

Experimente uma

vez. Talvez você

desconheça as

vantagens e

oportunidades

que ele traz.

Algumas datas já foram

definidas, bem como as temáticas

de cursos ministrados

pelo especialista em

Postos e Lojas de Conveniência,

Marcelo Borja.

As capacitações já programadas

para este ano são:

Formação de Gerente (março);

Gestão de Lojas (junho);

Técnico em Lubrificação (setembro);

Formação de Frentistas

(novembro).

Todas serão realizadas

em plataforma online, facilmente

acessada pelos dispositivos

eletrônicos, com

opções de turmas e descontos

especiais para os associados

ao Recap.

"Estabelecemos que este

ano será a consolidação do

modelo de treinamento à

distância, ao vivo. Ele mantém

toda a segurança necessária

para este momento,

sem que haja o comprometimento

da qualidade dos

dos cursos presenciais", explica

Borja.

A Borja Treinamentos e o

Recap mantêm parceria no

desenvolvimento de cursos

há quase 14 anos, sempre

buscando atualizações e a-

daptações para atender as

necessidades da revenda.

O especialista deixa um

convite. "Experimente ao

menos uma vez o treinamento

online. Talvez, por

nunca ter feito um curso ao

vivo, você desconheça as

vantagens e a oportunidade

que ele traz de aumentar

seus conhecimentos e depois

colocá-los em prática,

mudando o resultado do

seu Posto, Troca de Óleo e

Loja de Conveniência."

Confira o

calendário!

12 RECAP


ANP ELABORA MINUTA DE RESOLUÇÃO

QUE PREVÊ TUTELA DA FIDELIDADE À BANDEIRA

No início de março, a

Agência Nacional do Petróleo

(ANP) informou que,

cumprindo a Agenda Regulatória

para o Biênio 2020-

2021, abriria o procedimento

de consulta e audiência

públicas para tratar da

revisão da Resolução ANP

41/2013, sobre atividades

da revenda de combustíveis.

Entre os temas está a

tutela regulatória de fidelidade

à bandeira. Na ocasião,

a minuta de revisão da

resolução e a Nota Técnica

de Análise de Impacto Regulatório

(AIR) estavam em

fase de consulta interna.

Após essa fase, a versão

final da minuta e a AIR são

submetidas à aprovação da

diretoria colegiada, para então

abrir o processo de consulta

e audiência públicas.

Sobre a tutela regulatória

de fidelidade à bandeira,

(que abrange 45% da revenda),

as normas vigentes determinam

que revendedores

que tenham optado por

exibir marca do distribuidor

só armazenem, comprem e

vendam combustíveis dele,

com o objetivo de impedir

que o consumidor seja induzido,

por meio de publicidade

enganosa, ao erro de

adquirir produto de outro

distribuidor.

A Agência trata o tema como

"sensível, uma vez que

os limites regulatórios para

sua flexibilização estão fortemente

relacionados à necessidade

de proteção do direito

do consumidor", mas reforçou

o compromisso com os

temas da Agenda Regulatória,

afirmando que em breve deverá

convocar a sociedade

para o processo regulatório

em Consulta e Audiência Públicas,

quando então, se tornará

público o entendimento

da ANP e serão recebidos novos

subsídios .

Ainda no âmbito da revisão,

serão tratados outros temas,

como a proposta de elevar requisitos

autorizativos a novos

entrantes no mercado regulado,

a regulamentação do

serviço de delivery de combustíveis

e a mudança da disposição

de preços nas bombas.

MTR PASSA A SER OBRIGATÓRIO

PARA TODOS OS GERADORES DE RESÍDUOS

Desde 1° de janeiro está

vigente o MTR (Manifesto

de Transporte de Resíduo),

do Ministério do Meio Ambiente,

que foi instituído pela

Portaria 280 de 2020,

passando a ser obrigatório

para todos geradores de resíduos

sujeitos à elaboração

do Plano de Gerenciamento

de Resíduos Sólidos.

Para estabelecimentos do

estado de São Paulo, a declaração

pode ser feita pelo

Sistema Estadual de Gerenciamento

On-line de Resíduos

Sólidos, o SIGOR, da

Cetesb, que já está integrado

ao sistema nacional (SINIR).

Acesse no QR-Code, através

da câmera do celular!

13 RECAP


Fique atento

BOMBAS: REGULAMENTO DO INMETRO

EM FASE FINAL

O Inmetro está articulando

ações com outros órgãos

para intensificar a fiscalização

nas bombas medidoras

de combustíveis.

A medida foi anunciada

após o presidente Jair Bolsonaro

criticar o Instituto,

mencionando que a averiguação

efetuada não é satisfatória.

Além disso, o Inmetro a-

nunciou que, depois de várias

discussões envolvendo

fornecedores, distribuidoras

e os representantes da revenda,

o regulamento técnico

que prevê a certificação

digital de bombas de combustíveis

está em fase final

de implantação.

Assim, a certificação passará

a ser feita por assinatura

digital no pulser, que é

um componente da bomba

que integra o transdutor. A

ideia é que esse dispositivo

faça a medição da quantidade

de energia consumida

em cada abastecimento, para

confirmar se é compatível

com o volume de combustível

que está sendo entregue

ao consumidor.

O cliente, por sua vez,

poderá conferir isso através

de um aplicativo de celular.

A mudança visa coibir

fraudes eletrônicas que geram,

por ano, mais de R$ 20

bilhões de perdas aos cofres

públicos. A adequação

do parque de bombas será

gradual, sem a necessidade

de substituição de equipamentos

em uso, salvo casos

em que há fraude comprovada

ou obsolescência.

Até fechamento desta

edição, não havia data para

o início da mudança.

PERCENTUAL MÍNIMO DE BIODIESEL PASSA PARA 13%

Desde 1° de março deste

ano, o percentual mínimo

de mistura obrigatória do

biodiesel ao diesel A, para

formação do óleo diesel B,

passou para 13%. Até então,

o mínimo era de 12%.

A elevação no percentual

segue cronograma do CNPE

(Conselho Nacional de Política

Energética), do Ministério

de Minas e Energia, segundo

artigo 2º da Resolução

16, de 29 de outubro de

2018. As próximas mudanças

estão previstas para 1°

de março de 2022 (14%) e

para 1° de março de 2023

(15% - limite máximo).

A adoção do novo percentual

ocorre em março, coincidindo

com o início da safra

da soja, que é a principal

matéria-prima.

O Ministério reforça que

a produção de biodiesel estimula

a industrialização do

farelo de soja no Brasil, a-

gregando valor ao produto

nacional.

14 RECAP


PANDEMIA VOLTA A IMPACTAR DOAÇÕES DE SANGUE

As doações de sangue

voltaram a ser impactadas

neste ano, com o agravamento

da Covid-19 e o colapso

no sistema de saúde

em diversas cidades, que levaram

a restrições mais severas.

Por isso, em apoio ao

Hemocentro da Unicamp, o

Recap lançou mais uma a-

ção para incentivar a doação

de sangue, contando

com os postos de combustíveis

para divulgação.

Saiba mais

e agende sua

doação!


Capa

CHEGAMOS NO VERMELHO!

O ano que era esperado por todos chegou! As expectativas em torno

da vacina contra a Covid-19 vieram ao encontro de doses do

imunizante, mas a vacinação começou lenta no Brasil e o vírus não

deu trégua. Junto a isso, a situação do setor de combustíveis tomou

os notíciários, com aumento dos preços, sufocamento da revenda e

diversas reações, inclusive, da presidência da república.

16 RECAP


2021 não começou como

era esperado. Uma nova

onda da Covid-19 colapsou

o sistema de saúde em diversas

cidades de todo o

país, com UTI's lotadas e a

necessidade de ações ainda

mais severas.

A expressão "chegamos

no vermelho" não é mera

metáfora, já que vários estados

decretaram "fase vermelha"

para tentar conter a

pandemia que se alastra

em uma velocidade diferente

da que é registrada no

processo de vacinação contra

a doença no país.

Vale lembrar que ao longo

do ano passado, a Revista

Recap trouxe diversas

análises econômicas, sendo

que grandes nomes da economia,

reforçavam que a recuperação

do país está totalmente

ligada ao avanço

do coronavírus, à descoberta

da vacina e, agora, com

os imunizantes aprovados e

sendo aplicados, depende

da agilidade da aplicação

das doses.

"Mesmo com a melhora

do cenário internacional,

caso a gente não tenha um

plano de vacinação estruturado

- o auxilio emergecial

com certeza não virá na

mesma magnitude que foi

em 2020 - dificilmente teremos

um crescimento robusto

do PIB brasileiro em

2021", ressaltou Marco Antônio

Rocha, professor do

Instituto de Economia da

Unicamp, em entrevista ao

Recap Podcast, no início de

fevereiro.

Ele completou que "é

necessário que o plano de

vacinação ande da forma

mais rápida possível, porque

há setores que não têm

como funcionar com a pandemia

do jeito que está".

Além de toda a questão

da Covid-19 e os impactos

na economia, 2021 veio

com o setor de combustíveis

em evidência, diante

das altas sucessivas nos

preços, principalmente da

gasolina e do diesel.

Nas próximas páginas,

nós reunimos os principais

assuntos que foram pautas

neste primeiro trimestre

envolvendo o setor de combustíveis,

além do posicionamento

do Recap em

campanha para conscientizar

a população.

O Recap Podcast

está disponível no

site do sindicato.

Acesse com o celular

pelo QR-Code.

17 RECAP


Capa

(crédito André Ribeiro / Agência Petrobras)

MUDANÇA DE COMANDO DA PETROBRAS

PREOCUPA O MERCADO

A indicação de um novo presidente para Petrobras foi uma das

ações do governo para tentar conter a alta dos combustíveis.

A intervenção, todavia, causa receios.

Em 19 de fevereiro deste

ano, após críticas à gestão

da Petrobras, o presidente

da república, Jair Bolsonaro,

indicou o general Joaquim

Silva e Luna para a presidência

da empresa, substituindo

o economista Roberto

Castello Branco.

Essa decisão depende de

uma assembleia extraordinária

de acionistas, sendo

que sua realização foi aprovada

pelo conselho em 23

de fevereiro, mas até o fechamento

desta edição, a

data não tinha sido definida.

A legislação prevê o prazo

de pelo menos 30 dias, a

partir da convocação.

Se essa indicação se confirmar,

Luna será o primeiro

militar a assumir a Petrobras

desde 1989, quando o

oficial da Marinha Orlando

Galvão Filho deixou o cargo.

Enquanto o tema não é

definido, a Petrobras apresentou

ao mercado os resultados

financeiros de 2020,

destacando um lucro líquido

de R$ 7,1 bilhões. Segundo

alguns analistas, a perspectiva

também é positiva

para 2021.

Interferência desvaloriza

Logo após a indicação, o reflexo

foi sentido, com recuo

das ações da Petrobras.

No primeiro dia útil após

o anúncio, a queda chegou

a 21,5%, sendo que com isso,

a perda de valor da companhia,

em dois pregões da

Bolsa de Valores, chegou a

R$ 102,5 bilhões.

O Instituto Brasileiro de

Petróleo (IBP) fez um pronunciamento,

em nota, no

qual defendeu "um mercado

aberto, competitivo, dinâmico,

ético, com segurança

jurídica e previsibilidade

regulatória".

Ainda de acordo com o

Instituto, "somente com es-

18 RECAP


sas premissas o segmento

será capaz de atrair novos

atores e investimentos, de

médio e longo prazo, em infraestrutura

logística, produção

de combustíveis e derivados,

além da garantia do a-

bastecimento nacional”.

Desinvestimentos em risco

Além dessas análises, com

a mudança um dos grandes

riscos, para a Petrobras, é a

interrupção do processo de

venda das refinarias. Isso

porque, esta troca de comando

pode despertar incertezas

no mercado.

Esse, aliás, é um ponto importante

que deve estar no

radar de atenção da revenda,

já que alguns estudos

apontam que a venda de

determinadas refinarias pode

levar à formação de monopólios

regionais.

Um dos estudos que faz

esse alerta foi encomendado

ao CBIE pela Fecombustíveis.

Além dele, um outro

traz essa mesma questão e

foi elaborado pela PUC-RJ, a

pedido da Federação Brasilcom,

que representa 46 distribuidoras

regionais de pequeno

e médio portes.

No início deste ano de

2021, Paulo Miranda Soares,

que é o presidente da Fecombustíveis,

já havia dito que

este seria um tema importante

ao longo do ano e que

por isso, a revenda deveria

ficar atenta às repercussões,

justamente para que não sofresse

as consequências de

eventuais monopólios regionais.

Assim, agora, com a quase

certa mudança na gestão da

Petrobras, é possível que haja

o retrocesso no plano de desinvestimentos

da empresa

petrolífera.


Capa

NOVO DECRETO OBRIGA POSTOS A DETALHAR

PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS

A disparada dos preços

dos combustíveis e ameaças

de greve de caminhoneiros

levaram o presidente

Jair Bolsonaro a fazer intervenções

na Petrobras (conforme

reportagem na página

18) e a tomar medidas como

a do o Decreto 10.634

de 22 de fevereiro, que determina

que os postos de

combustíveis detalhem a

composição do valor cobrado

ao consumidor. O prazo

para o cumprimento é de

30 dias após a publicação

no Diário Oficial, com vigência

a partir de 24 de março.

Embora a revenda veja

com bons olhos a possibilidade

de esclarecer o peso

dos tributos nos combustíveis,

a medida gerou a-

preensão, pois os postos

são substituídos tributariamente.

Ou seja, os impostos

são descontados nos

elos anteriores da cadeia de

comercialização.

“Não são os postos que

recolhem os impostos, eles

incidem na fonte. São recolhidos

pela Petrobras, distribuidoras

e usinas”, explica o

presidente da Fecombustíveis,

Paulo Miranda. Para e-

20 RECAP

le, o ideal seria que o governo

obrigasse também que

as distribuidoras enviassem

essa informação na nota fiscal

de compra do produto

pelo posto, destacando o

preço pago à refinaria, percentual

de tributos, margem

desse segmento e o custo

do transporte.

Sobre os painéis

Pelo decreto, os postos

passam a ter a obrigatoriedade

de afixar, em local visível,

painéis que detalhem a

formação do preço dos combustíveis

contendo tais informações:

valor médio regional

no produtor ou no importador;

preço de ICMS (pauta);

valor do ICMS e os valores do

PIS/ Pasep, Cofins e Cide.

No caso dos postos que

aceitam pagamento via aplicativo

e fazem a divulgação

do mesmo, também é necessário

que haja, em uma placa

específica, as informações referentes

ao valor da devolução

de crédito (cashback) ou

do desconto aplicado.

Modelo de placa de preços disponível pela Agência

Nacional do Petróleo (ANP)


Reinvidicações

A Fecombustíveis (Federação

Nacional do Comércio

de Combustíveis e de Lubrificantes),

representando o

Recap e outros sindicatos

do país, solicitou uma reunião

com o presidente Jair

Bolsonaro, para tratar sobre

o decreto, sendo que

no documento enviado ao

Gabinete Civil da Presidência,

a Federeção destacou a

necessidade da audiência

para mostrar que os postos

são substituídos tributariamente

e que, portanto, a

informação sobre os tributos

não estava disponível.

Outra dificuldade relatada

foi a de informar a tarifa

promocional dos programas

de fidelidade, já que

em alguns casos, os postos

não têm acesso à informação,

por ser a fidelização feita

pela companhia.

A entidade recorreu ainda

ao Departamento de Combustíveis

Derivados de Petróleo,

do Ministério da Justiça

e Secretaria Nacional do

Consumidor, destacando os

principais pontos que mostram

a necessidade de aprimoramento

para evitar autuações

indevidas em virtude

da dificuldade em obter

informações:

1) Prorrogar o prazo de início

da vigência por ao menos

60 dias até que o decreto

seja aprimorado;

2) Dados relativos à tributação

deverão ser informados

na nota fiscal pelas distribuidoras

para o posto transfirir

os valores para o painel;

3) Atualização quinzenal do

painel nos dias 1 e 16 de cada

mês, acompanhando o

Os modelos de painéis

estão disponíveis no

site a ANP.

O link do QR-Code

também vem sendo

atualizado com dados

e informações para o

preenchimento

correto.

Ato Cotepe/ PMPF;

4) Retirar do painel o PMPF,

informando somente o valor

por litro do ICMS, para não

gerar dúvidas ao consumidor,

que pode confundir o preço

de pauta com o de bomba;

5) Excluir do painel os preços

promocionais de aplicativos

das distribuidoras, tendo em

vista que as condições não

são ofertadas pelo posto, e

sim pela companhia.

As mobilizações propiciaram

reuniões e workshops

dos órgãos envolvidos, com a

ANP trazendo atualizações

diárias sobre os painéis, com

dados e orientações sobre o

preenchimento dos mesmos.


Capa

GOVERNO ZERA IMPOSTOS FEDERAIS

NO DIESEL E GÁS DE COZINHA POR 60 DIAS

Em 1° de março, o presidente

Jair Bolsonaro, editou

o decreto zerando as

alíquotas dos impostos federais

do PIS e da Cofins

incidentes no óleo diesel A,

válido para o período de

março e abril. Essa medida,

vale destacar, não zerou, todavia,

os tributos federais

no biodiesel, que está inserido

na mistura do diesel B

que é o comercializado pelos

postos.

O decreto 10.638 foi

publicado em edição extra

do Diário Oficial da União,

sendo válido também para

o gás de cozinha.

O assunto teve diversas repercussões

e foi comentado

pelo presidente do Recap,

Flávio Campos. "Essa ação

vai ter impacto, claro, mas

boa parte dessa redução será

absorvida pelos aumentos

da Petrobras".

Campos também ressaltou

que o fato de ser uma

medida com prazo para terminar,

acaba não trazendo

uma solução definitiva.

"Vai ajudar, mas não vai

resolver o problema. É algo

válido por 60 dias, então, a

gente teme pelo que vai a-

contecer em um futuro próximo".

Orientações à revenda

O Recap detalha pontos que

são de grande importância

considerando este decreto:

- Os postos revendedores são

substituídos tributariamente

no recolhimento dos impostos

incidentes sobre os combustíveis.

Ou seja, os impostos

(PIS/ COFINS/ CIDE/ ICMS)

são recolhidos pelos elos anteriores

(refinarias, importadores

e distribuidoras);

- O decreto reduziu a zero a

incidência do PIS/ COFINS sobre

o óleo diesel A (vendido

pelas refinarias e/ou importadores

às distribuidoras).

22 RECAP


- O óleo diesel B, vendido

nos postos, é uma mistura

de 87% de óleo diesel A e

13% de biodiesel, que é tributado.

Assim, na verdade,

o PIS/ COFINS do diesel não

zerou, pois ainda continua

incidindo nos 13% de biodiesel

que é misturado ao

diesel. Ou seja, ao considerar

a carga tributária do diesel

comercializado nas bombas,

13% correspondem ao biodiesel

(Decreto 10.527/2020),

que significa R$ 0,01924/litro.

LEVAM CONSUMIDORES

AO ERRO SOBRE DECRETO 10.638

Além dessas orientações,

o Recap realizou um importante

trabalho para combater

as Fake News que circularam

pelas redes sociais referentes

ao Decreto 10.638

do Governo Federal.

Essa medida foi necessária

diante de vídeos que

circularam em plataformas

como Whatsapp, com informações

totalmente equivocadas

de que o decreto

também seria válido para a

gasolina e o etanol, o que

além de desinformar, estava

induzindo o consumidor

ao erro, chegando a gerar

transtornos para postos de

combustíveis junto aos seus

clientes.

Por isso, o Sindicato dos

Postos de Combustíveis de

Campinas e Região preparou

um material para que

os estabelecimentos disponibilizassem

aos clientes em

casos de dúvidas.

Saiba mais e acesse os

materiais pelo

QR-Code.

Foram feitos comunicados

explicativos para publicação

nas redes sociais e também

um documento para ser impresso,

com a sugestão de

que o mesmo fosse afixado

nos postos para o acesso dos

consumidores.

23 RECAP


Campanha

RECAP LANÇA AÇÃO DE CONSCIENTIZAÇÃO

SOBRE SETOR VOLTADA À SOCIEDADE

No dia 21 de fevereiro, o Recap lançou

uma importante campanha publicitária para

esclarecer à sociedade sobre como, de

fato, funciona o mercado de combustíveis.

Prezando por uma informação objetiva

e clara, as peças foram veiculadas em órgãos

de imprensa de grande alcance nas

regiões de abrangência do sindicato. Entre

os veículos estão Rádio CBN Campinas, Rádio

Cidade de Jundiaí, além dos jornais Cor-

reio Popular de Campinas, Gazeta de Piracicaba

e Exemplo de Indaiatuba.

A ação está focada em mostrar aos consumidores

onde estão os problemas: carga

tributária, sonegação fiscal, além da competitividade

- no Brasil são cerca de 41 mil

postos de combustíveis, enquanto que nos

outros elos, há monopólio e concentração.

A campanha também gerou mídias espontâneas,

com reportagens repercutindo

o assunto e o posicionamento da revenda.

As peças publicitárias

As peças da campanha foram criadas

com a identidade visual do Recap, textos

curtos e frases de impacto, passando a

mensagem de que "o problema não é o

posto", com versões em vídeos que podem

ser conferidas no canal "Recap Campinas"

no Youtube e em aúdios (spots) em rádios

da região.

O compartilhamento da campanha nas

redes sociais dos postos é de grande importância,

por isso todo material está disponível

em diversos formatos e tamanhos,

para serem compartilhados em mídias

como Instagram e Facebook.

24 RECAP


Como acessar e participar!

Todas as mídias podem ser utilizadas

pela revenda e pela população em geral.

As peças foram reunidas em uma página

do portal sindicato (www.recap.org.br),

com os arquivos e os links de cada ação.

Neste espaço, também estão disponíveis

reportagens e os anúncios nos jornais.

Mire a câmera do

celular e acesse o

material completo.

25 RECAP


Giro em Notícias

Vendas de combustíveis

caem em 2020

As vendas de combustíveis por distribuidoras

no Brasil em 2020 caíram 6% em

relação à 2019 e totalizaram 131,8 bilhões

de litros (menor volume em oito anos).

Reportagem do portal UOL ressaltou os

impactos do recuo no consumo de querosene

de aviação, etanol e gasolina com a

pandemia, conforme dados da ANP. Entre

maio e agosto, as vendas chegaram a cair

8%. O maior impacto foi no querosene de

aviação, com queda de quase 50%. O etanol

recuou 14,6%, a gasolina 6% (menor

volume desde 2011) e o diesel ficou praticamente

estável, com alta de 0,3%.

Carros conectados: Ford

firma parceria com Google

Em janeiro, após comunicar o fechamento

de fábricas no Brasil, a Ford anunciou

uma parceria com o Google. Segundo

a CNN, a montadora quer investir em carros

conectados e impulsionar a inovação,

melhorando a experiência do cliente, modernizando

o desenvolvimento de automóveis.

Para isso, foi criado um grupo colaborativo

misto (Team Upshift) para aproveitar

a expertise de profissionais dos dois

lados do mercado.

Com prazo inicial de seis anos, a partir

de 2023, todos os veículos da Ford e de sua

subsidiária de luxo, a Lincoln, passarão a

ter Android embarcado, permitindo que os

principais aplicativos do Google estejam

dentro dos carros da fabricante, como o

Assistente, Maps e Play. O custo do contrato

não foi divulgado.

Petrobras fecha 2020 com

produção recorde

A Petrobras fechou 2020 com produção

recorde de petróleo e gás natural, mostrando

que superou “consideráveis desafios”

diante da pandemia de Covid-19, ao

atingir seu melhor desempenho operacional,

conforme reportagem do Estadão.

As exportações permitiram geração de

caixa e evitaram perdas. Em abril, auge da

crise, foram exportados 1 milhão de barris

por dia. 2021 começou com “ótima performance”,

com mais um recorde de 19,3

milhões de barris exportados, no terminal

de Angra dos Reis. O recorde anterior

(maio/2020) foi de 18,7 milhões de barris.

Parceria mira F. Assado e

Pizza Hut em postos Shell

A Raízen (joint venture entre Cosan e

Shell) e a IMC (dona de marcas como Frango

Assado e Pizza Hut no Brasil) fecharam

um acordo comercial em fevereiro para a

abertura de unidades do Frango Assado

em postos de rodovias da Shell.

Segundo o jornal Valor Econômico, o

acordo inclui a migração de postos da IMC

para a marca Shell. Hoje, a IMC tem 19

postos com bandeiras BR Petrobras, Ipiranga

e Ale.

As inaugurações de restaurantes do

Frango Assado devem ocorrer inicialmente

nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, com

uma previsão de 50 novas unidades nos

próximos cinco anos. Atualmente, são 25

unidades. Há possibilidade de inauguração

de Pizza Hut também nessas áreas, mas

não foram divulgadas estimativas.

26 RECAP


BR anuncia parceria com

Lojas Americanas

No final de fevereiro, a BR Distribuidora

anunciou uma parceria com a Lojas Americanas,

passando a focar no negócio de

conveniência dentro e fora dos postos de

combustíveis. Segundo a Reuters, ela envolverá

as redes de lojas Local e BR Mania.

Para isso, há a criação de uma nova sociedade,

na qual cada empresa terá 50%.

Nela, foi considerada a avaliação (enterprise

value) de até R$ 995 milhões, incluindo desembolso

da Americanas de até R$ 305

milhões (a quantia deve ser dividida desta

forma: aporte na nova empresa de R$ 252

milhões e pagamento de até R$ 53 milhões

de parcela variável à BR, com base em

metas pré-estabelecidas).

Atualmente, a BR tem aproximadamente

1.200 lojas da BR Mania no país que são

operadas por franqueados. Já as Lojas

Americanas têm um total de 55 lojas da

Local, que funcionam com operação própria.

Com a parceria, a marca BR Mania será

mantida nas lojas dos postos e as externas

usarão a marca Local. O modelo prevê

lojas franqueadas e de operação própria.

Ambev eletrifica frota de

caminhões

A Ambev anunciou no começo de março,

uma grande operação de retrofit que prevê

converter 102 caminhões com motores a

diesel em modelos movidos à eletricidade.

A informação foi divulgada pela Revista

Automotive Business.

Esse processo se dará através de uma

parceria, iniciada em 2020, com a Enel X

(divisão da distribuidora de energia que a-

tua no setor de soluções de energia avançada)

e a Eletra (fabricante nacional de ônibus

elétricos, híbridos e trólebus).

Em fase experimental, dois caminhões

foram convertidos e rodaram entre os

cen-tros de distribuição da empresa na

zona sul de São Paulo, com resultados

positivos.

O caminhão convertido emite 0,05 kg de

CO2 por viagem que, na prática, representa

emissão zero. O consumo médio é de 1

kWh por quilômetro, que significa economia

de custo superior a 70% na comparação

com o veículo similar com motor de

combustão interna. Outra vantagem é a

redução da manutenção e a viabilidade de

entregas em determinados locais por conta

da ausência de ruído dos caminhões.


Tendência

COMO ATRAIR

E FIDELIZAR CLIENTES?

Diante de tantos desafios a serem enfrentados e superados, atrair e fidelizar

clientes são importantes ações para os negócios. Por isso, o Recap reuniu

dicas que podem ser aplicadas, inclusive, nos postos de combustíveis e lojas

de conveniência, com base em informações do Sebrae.

O Sebrae (Serviço Brasileiro

de Apoio às Micro e

Pequenas Empresas), em o-

rientações para a atração e

a fidelização de clientes, ressalta

que "somente ter um

bom produto não basta! É

necessário gerar valor" ao

negócio. Esse valor, aliás,

precisa ser sentido e reconhecido

pelo cliente. Por isso,

com base em informações

da entidade, a Revista

Recap selecionou estratégias

que podem ser usadas

nos mais diversos segmentos,

entre eles, a revenda de

combustíveis. Confira!

28 RECAP

1 – Identificar e entender

a "dor" do cliente

A proposta é que o empresário

reflita: por que os

clientes estão te procurando?

É importante visualizar

qual a motivação por trás

da compra de um produto

ou serviço. Além disso, é

preciso saber como o consumidor

está indo atrás

deste objetivo.

Por fim, reconhecendo a

necessidade do cliente, deve

se questionar: o que sua

empresa vende ou faz acaba

com a dor do seu público

alvo?

2 – Vendas consultivas

Já ouviu esse termo? Pois

bem, o Sebrae o coloca como

uma maneira de evitar

que o cliente se arrependa

de uma compra ou não volte

a comprar com você.

"O desespero em vender

prejudica o desempenho da

sua empresa, não oferece

uma experiência agradável

e única ao cliente e ainda

faz com que ele se arrependa."

Então, entram as negociações

consultivas, baseadas

em entender o cliente.

Algumas questões devem

ser respondidas:


- Qual problema ele tem?

- Quais vantagens ele terá ao comprar com

a sua empresa?

- Como oferecer alternativas para atendêlo

de forma mais adequada?

- Quais trocas beneficiam ambos?

Em resumo, não se trata "apenas de

produtos e serviços, mas sim em alternativas

que beneficiem o potencial cliente" e

que, consequentemente, irá atraí-lo para o

seu negócio.

3 – Seja diferente!

Neste ponto, o Sebrae destaca que a "diferenciação

está em oferecer alternativas e

vantagens que seus concorrentes não possuem,

o que envolve, atendimento, qualidade

do produto ou serviço, experiência

de compra e por aí vai". Reflita e aposte na

diferenciação: o que você tem oferecido de

diferente? O que pode começar a oferecer?

Como suas ações têm sido divulgadas para

o seu consumidor?

garantia de atendimento exclusivo e estimúlo

aos feedbacks (avaliações).

– Cross selling: Maneira efetiva de aumentar

vendas e melhorar os serviços oferecidos,

visando a satisfação do cliente. Prevê

que a empresa ofereça um serviço ou produto

complementar ao que o consumidor

já está acostumado a consumir/usar.

– Up Selling: Na explicação do Sebrae, "é

feito com o intuito de oferecer um serviço

ou produto 'avançado' em relação ao que

o cliente compra". Assim, ele melhora sua

compra, pagando mais por isso.

4- Fidelização de clientes

A fidelização é tida pelo Sebrae como "a

grande responsável por dar estabilidade à

sua empresa". Isso porque, principalmente

nos tempos de crise, as pessoas tendem a

ser mais cautelosas, gastando apenas em

"serviços básicos e com aquilo que faz parte

de sua rotina". Por isso, a retenção de

clientes é tão importante. Dentro desse

quesito de fidelização, há estratégias que

podem ser utilizadas.

- Onboarding (Integração): Ao integrar o

cliente à empresa, há um processo de a-

presentação em que as expectativas são

alinhadas. Entre os tópicos a serem considerados

estão: monitoramento do cliente,

29 RECAP


Artigo

PRIORIDADES:

AS DELES E AS NOSSAS

Políticos, principalmente os

mais populistas e carismáticos,

têm uma habilidade ímpar em

pintar todos os assuntos, decisões

e discussões como se fossem

sobre política, e mais especificamente

sobre eles próprios,

e convencer um grande

número de pessoas disso. Vacina?

Assunto político. Empregos?

Assunto político? Inflação?

Assunto político.

Mais do que isso, toda a classe

política, unida em uníssono,

consegue sempre colocar

suas prioridades à frente

das prioridades de toda a população,

começando pelo sem

fim de privilégios a que só eles

têm direito e passando pela

manutenção destes privilégios,

mesmo nos momentos mais

duros para os outros brasileiros.

Estão aí a manutenção

dos fundos eleitoral e partidário

e os aumentos dos salários

de políticos, no ano passado,

que não me deixam mentir.

Por fim, os políticos fazem

sempre com que os assuntos

de seus interesses furem a fila

das decisões que o país precisa

tomar - e muitas vezes, são

tomadas por eles mesmos. Assim,

todas as decisões importantes

no Congresso estão paralisadas

há meses, primeiro

em função das eleições municipais

e, mais recentemente,

pelas disputas pelas presidências

e cargos-chave na Câmara

dos Deputados e no Senado.

Pois bem, agora que os políticos

já cuidaram da parte

que interessa a eles, é hora de

exigirmos que foquem no que

importa para nós, a população,

avançando imediatamente em

projetos fundamentais para

melhorar a vida dos brasileiros,

a começar por:

-Reforma Administrativa - para

eliminarmos privilégios e liberarmos

recursos para programas

de auxílio aos mais necessitados

e para não termos de

pagar ainda mais impostos;

-Independência do Banco Central

- para reduzirmos a taxa

de juros e o custo do dinheiro

para todos os brasileiros;

-Privatizações - para pouparmos

recursos públicos, abatermos

dívida pública, limitarmos

a corrupção e melhorarmos a

qualidade dos serviços para a

população;

-Reforma Federativa - abolindo

municípios que não se sustentam,

liberando para Saúde,

Educação e Segurança recursos

que hoje vão para prefeituras

e câmaras de vereadores;

-Reforma Tributária - para simplificar

nosso manicômio tributário,

reduzindo custos administrativos

e barateando produtos

e serviços no país;

-Prisão de condenados em segunda

instância – para reduzir

a impunidade no país, que deve

crescer após a extinção da

força-tarefa da Lava-Jato, no

Paraná;

-Reforma Política – começando

pela extinção dos fundos partidário

e eleitoral, redirecionando

recursos para Saúde, Educação

e Segurança;

-Reforma do Judiciário – acabando

com a indicação política

de juízes do STJ e STF.

Só há uma forma desta

agenda de interesse dos brasileiros

tornar-se prioridade

também dos políticos: se os

eleitores, em massa, cobrarem

isso dos políticos, deixando claro

que não reelegerão ninguém

que não lutar por ela.

Será que os brasileiros estão

dispostos a lutar para fazer

com que as nossas prioridades

tornem-se também prioridades

dos políticos? Ou continuaremos

deixando-nos dividir e

manipular por eles, enquanto

eles defendem seus próprios

interesses, ao invés dos nossos?

Ricardo Amorim, autor do

bestseller "Depois da Tempestade",

apresentador do Manhattan

Connection, economista mais influente

do Brasil segundo a Forbes

e Influenciador nº 1 no LinkedIn.

30 RECAP

More magazines by this user