14.10.2016 Views

Revista Dr Plinio 121

Abril de 2008

Abril de 2008

SHOW MORE
SHOW LESS

You also want an ePaper? Increase the reach of your titles

YUMPU automatically turns print PDFs into web optimized ePapers that Google loves.

Publicação Mensal Ano XI - Nº <strong>121</strong> Abril de 2008<br />

Há quarenta<br />

anos...


“<br />

Empregai-vos em eleger para mim um sucessor zeloso, que não procure senão a<br />

glória do Salvador e que não tenha outro interesse aqui embaixo senão a honra<br />

da Santa Sé Apostólica e o bem da cristandade” — disse o Papa São Pio V, antes<br />

de morrer, aos cardeais que escolheriam um novo Pontífice.<br />

Palavras supremas de um chefe genuíno, que dirige, que protege, que nutre um amor à<br />

verdade até a audácia. No mais elevado degrau da Igreja Católica era ele uma alma sublime,<br />

um autêntico pastor disposto a dar a vida pelas suas ovelhas.<br />

(Extraído de conferência em 4/5/1967)<br />

S.Hollmann<br />

Papa São Pio V –<br />

Igreja de<br />

Notre-Dame de<br />

Bordeaux, França


Sumário<br />

Publicação Mensal Ano XI - Nº <strong>121</strong> Abril de 2008<br />

Ano XI - Nº <strong>121</strong> Abril de 2008<br />

Há quarenta<br />

anos...<br />

Na capa, Dona Lucilia<br />

em março de 1968,<br />

um mês antes de<br />

seu falecimento<br />

Foto: J.S.Dias<br />

As matérias extraídas<br />

de exposições verbais de <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong><br />

— designadas por “conferências” —<br />

são adaptadas para a linguagem<br />

escrita, sem revisão do autor<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong><br />

<strong>Revista</strong> mensal de cultura católica, de<br />

propriedade da Editora Retornarei Ltda.<br />

CNPJ - 02.389.379/0001-07<br />

INSC. - 115.227.674.110<br />

Editorial<br />

4 No décimo aniversário da “<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong>”,<br />

40 anos de um “até breve”<br />

Ec o fidelíssimo d a Ig r e j a<br />

6 Vida interior e eficácia no apostolado<br />

Diretor:<br />

Antonio Augusto Lisbôa Miranda<br />

10 Calendário dos Santos<br />

Conselho Consultivo:<br />

Antonio Rodrigues Ferreira<br />

Carlos Augusto G. Picanço<br />

Jorge Eduardo G. Koury<br />

Redação e Administração:<br />

Rua Santo Egídio, 418<br />

02461-010 S. Paulo - SP<br />

Tel: (11) 2236-1027<br />

E-mail: editora_retornarei@yahoo.com.br<br />

Impressão e acabamento:<br />

Pavagraf Editora Gráfica Ltda.<br />

Rua Barão do Serro Largo, 296<br />

03335-000 S. Paulo - SP<br />

Tel: (11) 6606-2409<br />

Preços da<br />

assinatura anual<br />

Comum .............. R$ 85,00<br />

Colaborador . . . . . . . . . . R$ 120,00<br />

Propulsor ............. R$ 240,00<br />

Grande Propulsor ...... R$ 400,00<br />

Exemplar avulso ....... R$ 11,00<br />

Serviço de Atendimento<br />

ao Assinante<br />

Tel./Fax: (11) 2236-1027<br />

Do n a Lucilia<br />

12 Compaixão e serenidade<br />

até o fim<br />

“R-CR” e m p e r g u n ta s e r e s p o s ta s<br />

20 Atitudes erradas em face<br />

dos “slogans” da Revolução<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> c o m e n ta ...<br />

22 A Santa Igreja, espelho<br />

das virtudes de Maria<br />

O Sa n t o d o m ê s<br />

26 Santa Catarina de Siena<br />

e o zelo pela causa da Igreja<br />

Lu z e s d a Civilização Cr i s t ã<br />

30 Florão no cajado do Pastor<br />

Últ i m a p á g i n a<br />

36 Fonte de nossa coragem<br />

3


Editorial<br />

No décimo aniversário da “<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong>”,<br />

40 anos de um “até breve”<br />

Há dez anos, em abril de 1998, vinha a lume a<br />

primeira edição da revista “<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong>”, destinada<br />

a dar a conhecer a vida e ensinamentos<br />

de <strong>Plinio</strong> Corrêa de Oliveira, sua vida, como também sua<br />

vasta obra de varão católico, apostólico e plenamente romano.<br />

Apesar de nos encontrarmos na publicação deste <strong>121</strong>º<br />

número, em meio ao abundante tesouro do pensamento<br />

e das explicitações de <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong>, continua ainda o embaraço<br />

da escolha...<br />

Profundamente reconhecidos, pois, pelo infalível amparo<br />

da Santíssima Virgem que até aqui nos tem assistido,<br />

de toda a alma esperamos que este significativo marco<br />

editorial se multiplique pelos tempos vindouros.<br />

*<br />

Por uma particular concordância de datas, este décimo<br />

aniversário coincide com os 40 anos do passamento<br />

de Dona Lucilia, mãe de <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong>, à qual ele tributou<br />

entranhado amor de filho, tendo-a como exemplo de alma<br />

cristã e como apoio no quotidiano de seu apostolado.<br />

Naquela manhã de 21 de abril de 1968, após fazer um<br />

grande Sinal da Cruz, Dona Lucilia — como mais tarde diria<br />

alguém — “saía com majestade de uma vida que soube<br />

levar com honra”. Conservou em seus últimos instantes a<br />

mesma serenidade com que, durante nove décadas, arrostara<br />

muitos sofrimentos, sem surpresa nem inconformidade.<br />

Para <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong>, a despedida não significou propriamente<br />

um adeus, pois a sentiu sempre presente junto a si,<br />

conforme ele mesmo se comprazia em frisar:<br />

“Na hora do corpo de mamãe deixar a casa em direção<br />

ao cemitério, comecei a sentir que o apartamento estava<br />

todo impregnado da presença dela, como se ainda estivesse<br />

lá. Essa ação de presença suave, essa forma de tranqüilidade<br />

post mortem que ela me comunicou, dentro da existência<br />

e das condições comuns do dia-a-dia, tudo tão normal,<br />

tão corrente, tão autêntico, representa para mim uma<br />

fonte de contínua alegria.<br />

“Eu peregrinei dentro do olhar<br />

dela, feito de doçura, desde os<br />

Majestosa<br />

e maternal<br />

misericórdia<br />

Paixão de Cristo,<br />

confortai-nos!<br />

Publicação Mensal Ano IX - Nº 102 Setembro de 2006<br />

Publicação Mensal Ano XI - Nº 120 Março de 2008<br />

meus primeiros olhares de criança<br />

recém-nascida, até o derradeiro<br />

olhar do último ‘boa noite’,<br />

depois do qual não nos vimos<br />

mais em vida. Eu, que<br />

tanto amei essa doçura, que<br />

tanto fiz dela um gáudio,<br />

uma razão de bem-estar<br />

para minha vida, sinto-a<br />

pairar ainda a todo momento<br />

na casa, que é dela,<br />

não minha.<br />

“Dona Lucilia se foi, mas<br />

nunca deixei de sentir sua presença<br />

junto a mim, como a<br />

sentia quando era viva. E, devo<br />

dizer, durante o nosso convívio<br />

terreno, esse sentimento<br />

se enriquecia por uma peculiar<br />

consonância entre o espírito<br />

de mamãe e a atmosfera<br />

da igreja do Coração de Jesus.<br />

Não posso me esquecer de quando, durante a<br />

Missa ou uma visita ao Santíssimo Sacramento, ajoelhava-me<br />

ao lado dela e, observando-a, notava como se embebia<br />

daquela atmosfera da igreja, quase como se fosse<br />

uma segunda natureza.<br />

“De tal maneira que, ao retornarmos à casa, um ambiente<br />

digno, porém sem a espiritualidade própria ao<br />

4


Fotos: Arquivo revista<br />

Dona Lucilia<br />

aos 91 anos<br />

edifício sagrado, eu<br />

pensava: ‘É pena que<br />

minha casa não possa<br />

ser como a igreja’. Contudo,<br />

ao ver mamãe caminhar<br />

de um lado para outro, eu<br />

me dava conta: ‘Bem, mas é como<br />

se um raio de luz da igreja reluzisse por<br />

aqui...’<br />

“E é interessante que, quando eu precisava me ausentar<br />

em viagens curtas ou longas, separando-me de Dona Lucilia,<br />

consolava-me a idéia de que a lembrança dela e a do<br />

ambiente da Igreja do Sagrado Coração de Jesus me acompanhariam.<br />

E que assim eu conservaria na minha memória<br />

uma espécie de presença dela, tão grata, tão afim comigo,<br />

que não representaria para mim propriamente uma separação.<br />

“Nesse caso, o<br />

provérbio francês tão<br />

adequado — partir, c’est<br />

mourir un peu 1 — não se<br />

aplicava. Partir era apenas tomar<br />

distância. E no outro extremo<br />

da distância estava ela e, sobretudo, a<br />

Igreja do Sagrado Coração de Jesus...” 2<br />

*<br />

Com as vistas postas no benefício espiritual que essas e<br />

outras tocantes recordações propiciarão às almas de nossos<br />

leitores, rendemos nestas páginas uma penhorada homenagem<br />

a <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> e à sua querida mãe, Dona Lucilia.<br />

1) Partir é morrer um pouco.<br />

2) Conferências em 7/5/1977, 21/4/1981 e 22/4/1983.<br />

Dec l a r a ç ã o: Conformando-nos com os decretos do Sumo Pontífice Urbano VIII, de 13 de março de 1625 e<br />

de 5 de junho de 1631, declaramos não querer antecipar o juízo da Santa Igreja no emprego de palavras ou<br />

na apreciação dos fatos edificantes publicados nesta revista. Em nossa intenção, os títulos elogiosos não têm<br />

outro sentido senão o ordinário, e em tudo nos submetemos, com filial amor, às decisões da Santa Igreja.<br />

5


Ec o f i d e l í s s i m o d a Ig r e j a<br />

Vida interior<br />

e eficácia<br />

no apostolado<br />

Líder mariano e guia do movimento<br />

católico nos idos de 30 e 40, <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> sempre se preocupou com<br />

o progresso espiritual dos seus seguidores, bem como com a<br />

fecundidade de seu apostolado. No intuito de melhor orientá-los,<br />

ofereceu-lhes, em diversas ocasiões, conselhos de vida interior<br />

e piedade, como estes aqui transcritos.<br />

Aobra da Redenção não se fez para um pequeno<br />

número de aristocratas do espírito. Pelo contrário,<br />

o anelo de Nosso Senhor é que “todos<br />

fossem um”, isto é, que todos os povos, sem distinção,<br />

fossem beneficiados com os frutos do Santo Sacrifício da<br />

Cruz.<br />

Apostolado e caridade não<br />

conhecem limites<br />

Não há, pois, ponto do globo que não deva ser atingido<br />

pelos pregadores da Boa Nova. Não há classe social,<br />

não há setor de opinião, não há grupo, corrente,<br />

facção ou partido para o qual não se deva voltar a solicitude<br />

evangélica. “Todos” devem ser evangelizados.<br />

E o apostolado católico — o da Ação Católica inclusive<br />

— deve ter necessariamente essa imensa extensão.<br />

O apostolado só conhece um limite: o do mundo. E a<br />

caridade para com o próximo, nem ante esse limite se<br />

contém, pois que ainda se estende, como torrente caudalosa<br />

e benéfica, sobre os que, tendo deixado a vida<br />

terrena, ainda expiam no Purgatório os pecados cometidos.<br />

Pio XI disse certa vez que, se se devesse aliar ao próprio<br />

demônio para conquistar as almas para a Igreja, ele<br />

o faria. Essa deve ser a norma do apostolado da Ação Católica:<br />

todos os apoios, todos os recursos, todas as simpatias<br />

que encontrar em seu caminho devem ser por ela minuciosamente<br />

aproveitadas até o último ponto. E, no dia<br />

do Juízo Final, cada membro da Ação Católica será responsável<br />

pelo que, por preguiça, indolência ou mal compreendida<br />

intransigência, tiver deixado de aproveitar.<br />

Quanto mais intensa a vida interior,<br />

maior a fecundidade apostólica<br />

Como se vê, a característica de um apostolado bem<br />

desenvolvido deve ser uma grande largueza de movimentos,<br />

e um imenso descortínio no encarar os problemas sugeridos<br />

pela atividade evangelizadora. Neste sentido, há<br />

lacunas imensas a preencher. E a preencher logo, porque<br />

caritas Christi urget nos.<br />

6


Isto posto, perguntamos: como chegar a tão almejado<br />

resultado?<br />

A resposta, a meu ver, só pode ser uma: pela seleção<br />

precedida por uma boa formação.<br />

Mil circunstâncias conspiram para apagar, mal<br />

grado nosso, a noção fundamental que deve presidir<br />

a todas as obras de apostolado, e é que a eficiência<br />

deste está na razão direta da vida interior de<br />

quem serve à Santa Igreja de Deus.<br />

Todos os povos do globo devem<br />

ser atingidos pelos pregadores<br />

da Boa Nova, e cumpre ao<br />

apostolado católico ter essa<br />

imensa extensão<br />

À esquerda: <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> quando presidente da<br />

Ação Católica de São Paulo; abaixo: ele (o 5º da<br />

esquerda para a direita) na sede do “Legionário”<br />

Fotos: Arquivo revista<br />

7


Ec o f i d e l í s s i m o d a Ig r e j a<br />

Enquanto o leigo que faz apostolado não se persuadir<br />

de que é um mero reservatório da graça divina, que deve<br />

transmiti-la depois aos outros, enquanto ele não estiver<br />

ciente de que a conversão não é obra dele, mas de Deus,<br />

e que portanto, como mero instrumento que ele é, deve<br />

ter Deus presente em si para irradiá‐lo aos outros, seu<br />

apostolado será ineficaz.<br />

A este respeito, ainda, gostaríamos de enumerar alguns<br />

princípios fundamentais:<br />

I ‐ Quem converte é Deus. A pessoa que faz apostolado<br />

não é senão um veículo da graça. Mas essa graça,<br />

Deus não a dá senão àqueles que têm uma vida interior<br />

autêntica;<br />

II - Quanto mais intensa a vida interior, tanto maior<br />

a fecundidade do apostolado; em razão inversa, quanto<br />

menos intensa a vida interior, tanto menos eficaz o apostolado.<br />

Sem vida interior os dons<br />

naturais serão inúteis<br />

III ‐ A inteligência, a cultura, a habilidade, são qualidades<br />

pessoais que podem e devem ser aproveitadas para o apostolado<br />

como preciosos dons de Deus. Mas todos esses<br />

dons naturais serão inúteis sem a vida interior.<br />

E, pelo contrário, uma vida interior intensa<br />

pode suprir a ausência desses dons.<br />

IV ‐ Aplicando a outro campo o<br />

mesmo princípio, uma associação pode<br />

e deve munir‐se de todos os recursos<br />

naturais para a perfeição do seu<br />

apostolado. Mas deve lembrar‐se<br />

sempre de que obras perfeitíssimas<br />

a esse respeito têm fracassado<br />

miseravelmente, porque<br />

não havia em seus promotores<br />

verdadeira vida interior. E<br />

que, inversamente, Nosso Senhor<br />

tem dado triunfos brilhantes<br />

a algumas associações<br />

privadas de tais recursos naturais,<br />

mas em cujas fileiras estuava<br />

e superabundava a vida interior.<br />

Pensar como a<br />

Igreja pensa e agir<br />

como ela manda<br />

V ‐ A vida interior não significa só prática<br />

assídua dos Sacramentos, mas prática viva,<br />

sincera e esclarecida, que gera na inteligência<br />

uma perfeita conformidade<br />

com a doutrina católica,<br />

uma aptidão maravilhosa<br />

para discernir entre tudo<br />

que é e não é católico, e um<br />

zelo vivo para manter sempre<br />

exatas essas fronteiras.<br />

Na vontade, essa vida interior<br />

deve gerar um amor intenso<br />

por tudo aquilo que<br />

a Igreja manda, um zelo de<br />

obediência que se manifesta<br />

não apenas nos atos, mas<br />

nos sentimentos, não apenas<br />

nas linhas gerais, mas<br />

nas minúcias, não apenas<br />

nos conselhos, mas sobretudo<br />

no exemplo. Pensar como<br />

a Igreja pensa, sentir como<br />

a Igreja sente, agir como<br />

Fotos: S. Hollmann / T. Alarcón<br />

8


a Igreja manda, e depois reconhecer em tudo isto a obra de<br />

Deus em nós, eis o ideal da vida interior;<br />

A vida interior valoriza as<br />

qualidades naturais<br />

VI ‐ Longe de diminuir a própria aptidão das faculdades<br />

e qualidades naturais para o apostolado, a vida interior<br />

as valoriza imensamente. Se São Tomás foi tão sábio,<br />

deve‐o em grande parte ao fator de ter sido imensamente<br />

ativo no sentido intelectual. Ativo, diligente e metódico.<br />

Ele aplicou em seu estudo todas as suas qualidades<br />

naturais com o máximo de sua intensidade. E se o fez,<br />

foi porque a vida interior exigiu isto dele. Se Santo Inácio<br />

de Loyola foi tão ativo, deve‐o em grande parte ao fato<br />

de ter a vida interior valorizado nele todas as suas qualidades<br />

naturais, sua energia incomparável, sua penetração<br />

de espírito soberana, sua combatividade sem reservas.<br />

Essas qualidades naturais, elevadas ao auge pelo zelo,<br />

e coroadas pelas virtudes que só vêm da vida sobrenatural,<br />

constituem a realização da obra da vida interior.<br />

A vida interior não é só a valorização das qualidades<br />

naturais, nem sequer é principalmente isto. Mas é também<br />

isto.<br />

Autenticidade do espírito: razão<br />

do progresso no apostolado<br />

Elevadas ao auge pelo zelo e<br />

coroadas pelas virtudes que<br />

só vêm da vida sobrenatural,<br />

as qualidades naturais<br />

constituem a realização da<br />

obra da vida interior<br />

Acima: São Tomás de Aquino – Museu de<br />

Sevilha (Espanha); na página 8: Santo Inácio<br />

de Loyola – Catedral de Santiago do Chile<br />

Se quisermos ter apóstolos enérgicos, zelosos, prudentes,<br />

ativos, inteligentes, hábeis, queiramo‐los real e<br />

sinceramente piedosos. Todas as qualidades naturais e<br />

sobrenaturais, postas a serviço da santificação das almas,<br />

é este o ideal do apóstolo;<br />

VII ‐ Com esta autenticidade de espírito católico,<br />

o apostolado pode ter uma maravilhosa liberdade de<br />

movimentos. Mas, sem este espírito, qual a qualidade<br />

que não corre o risco de uma pronta transformação<br />

em defeito? Qual a habilidade que não se transforma<br />

facilmente em perfídia? Qual a caridade que não<br />

se transforma em vã complacência? Qual a concessão<br />

que não se transforma em capitulação?<br />

VIII ‐ Se, pois, a Ação Católica quer progredir, ela<br />

deve velar primordialmente pela autenticidade do espírito<br />

em seus membros. Que cada um deles renuncie realmente<br />

às seduções do mundo, às insinuações do demônio,<br />

às exigências da carne, e siga Nosso Senhor Jesus<br />

Cristo com a cruz às costas. O mais virá por acréscimo,<br />

que Nosso Senhor prometeu aos que O amam. v<br />

(Extraído do “Legionário” de 30/4/1939.<br />

Título e subtítulos da redação.)<br />

9


Ca l e n d á r i o d o s Sa n t o s<br />

1. São Celso de Armagh (Irlanda),<br />

Bispo, 1080-1129. Desenvolveu<br />

importante papel na reforma<br />

da Igreja na Irlanda, no séc. XII,<br />

especialmente através de um concílio<br />

convocado em 1111, ao qual<br />

compareceram o rei, 50 bispos, 300<br />

sacerdotes e 3000 eclesiásticos.<br />

2. São Francisco de Paula, eremita<br />

e fundador, 1416-1507. Originário<br />

da Calábria, fundou os “Mínimos”,<br />

dedicados a viverem só de<br />

esmola, sem possuir bens, além de<br />

observarem o ano inteiro um jejum<br />

semelhante ao da Quaresma.<br />

3. São José, o Himnógrafo, assim<br />

chamado pelos seus célebres<br />

hinos sacros, 816-886. Nascido<br />

na Sicília, foi abade de<br />

Santa Sofia em Constantinopla.<br />

1595. Morto em York, por ter sido<br />

ordenado sacerdote no exterior (o<br />

que naquela época era considerado<br />

traição, na Inglaterra).<br />

8. Santo Ágabo, Profeta. O novo<br />

Martiriológio Romano lhe atribui a<br />

categoria de profeta, no Novo Testamento.<br />

Como narram os Atos dos<br />

Apóstolos, “por aqueles dias desceram<br />

alguns profetas de Jerusalém a<br />

Antioquia. Um deles, chamado Ágabo,<br />

levantou-se e deu a entender pelo<br />

Espírito que haveria uma grande fome<br />

em toda a Terra. Esta, com efeito,<br />

veio no reina- do de Cláudio. Os<br />

V. Domingues<br />

9. São Libório, Bispo de Le<br />

Mans, na Gália (atual França),<br />

séc. IV.<br />

10. São Beda, o Jovem, monge,<br />

+ 883.<br />

11. São Felipe, Bispo de Górtina,<br />

na Ilha de Creta, séc. II. Defendeu<br />

a fé contra os pagãos no tempo do<br />

imperador Antonino Vero.<br />

12. Santo Alfério, Abade em Salerno<br />

(Itália), + 1050. Discípulo de<br />

Santo Odilon de Cluny.<br />

13. São Sabas Reyes Salazar. Mártir<br />

na perseguição mexicana, + 1927.<br />

14. São Pedro González,<br />

(chamado São Telmo),<br />

sacerdote dominicano,<br />

+ 1246.<br />

4. Santo Isidoro de Sevilha,<br />

Bispo e Doutor da<br />

Igreja, 505-636. O último<br />

dos padres latinos.<br />

Discípulo de<br />

seu irmão, São Leandro,<br />

sucedeu a<br />

este como Bispo de<br />

Sevilha. Formou-se<br />

com a leitura de Santo<br />

Agostinho e São Gregório<br />

Magno.<br />

5. São Gerardo, Abade<br />

de Saint-Sauve (França),<br />

+ 1095.<br />

6. São Pedro de Verona, sacerdote<br />

dominicano e mártir, +1253.<br />

Beato Miguel Rua, 1837-1910. Discípulo<br />

de Dom Bosco e seu sucessor<br />

à frente da Congregação Salesiana.<br />

7. Santo Henry Walpole, sacerdote<br />

jesuíta e mártir inglês, 1558-<br />

Beato Miguel Rua<br />

discípulos resolveram, cada um conforme<br />

as suas posses, enviar socorro<br />

aos irmãos da Judéia” (At 11, 27-29).<br />

15. Santos Mártires<br />

Mercedários Redentores<br />

da África, + 1393.<br />

Foram capturados<br />

no mar pelos muçulmanos<br />

e mortos<br />

após terríveis<br />

torturas.<br />

16. São Bento José<br />

Labre, Peregrino,<br />

1748-1783. Morreu após<br />

viver 13 anos peregrinando<br />

na França e na Itália.<br />

Costumava dizer: “Nesta<br />

vida todos somos peregrinos<br />

para o Céu”.<br />

17. São Pedro, diácono, e Hermógenes,<br />

seu servo, mártires em Melitene,<br />

na antiga Armênia.<br />

18. São João Isauro, monge da<br />

Ilha Égina, defendeu o uso das imagens<br />

contra os iconoclastas.<br />

10


* Ab r i l *<br />

G. Kralj<br />

Aragão e Catalunha (Espanha) e<br />

da Inglaterra (cuja bandeira leva<br />

sua cruz, junto à de Santo André).<br />

Santo Anselmo<br />

Bem-Aventurada Maria da<br />

Encarnação (Barbara Avrillot),<br />

+ 1618. Carmelita Descalça. Foi<br />

pioneira em introduzir na França o<br />

Carmelo reformado por Santa Teresa,<br />

pelo que é chamada “Mãe e<br />

Fundadora do Carmelo na França”.<br />

19. São Leão IX, Papa, 1002-<br />

1154.<br />

20. Santo Aniceto, Papa, + 166.<br />

Recebeu São Policarpo, discípulo de<br />

São João Evangelista, em Roma.<br />

21. Santo Anselmo de Canterbury,<br />

+ 1109.<br />

22. São Leônidas, mártir em Alexandria,<br />

no Egito, sob o Imperador<br />

Septimio Severo, + 204.<br />

23. São Jorge, mártir na Palestina,<br />

padroeiro dos militares, de<br />

24. São Fidelis de Sigmaringa,<br />

capuchinho e mártir, + 1622. Morto<br />

por ódio a fé pelos hereges na Suíça.<br />

25. São Marcos, Evangelista.<br />

Discípulo de São Paulo Apóstolo e,<br />

posteriormente, de São Pedro, sob<br />

cuja inspiração escreveu o segundo<br />

Evangelho.<br />

26. São Pascásio Radberto,<br />

abade na Néustri (hoje,<br />

França), + 865. Expôs<br />

a verdade sobre a Sagrada<br />

Eucaristia.<br />

27. São Lourenço<br />

Nguyen Van Huong, mártir<br />

no Vietnã, + 1856.<br />

28. São Luís Maria Grignion<br />

de Montfort, sacerdote,<br />

fundador e pregador pontifício,<br />

+ 1716. O arauto da devoção<br />

a Nossa Senhora, e autor<br />

do Tratado da Verdadeira Devoção<br />

à Santíssima Virgem.<br />

29. Santa Catarina de Sena,<br />

Virgem e Doutora da Igreja, séc.<br />

XIV. (Ver artigo na página 26.)<br />

São Severo, Bispo de Nápoles,<br />

grande amigo de Santo Ambrósio.<br />

30. São Pio V, Papa, + 1572.<br />

Sumo Pontífice que, após empreender<br />

importantes reformas na<br />

Igreja, contribuiu de modo decisivo<br />

para a vitória da esquadra cristã<br />

na Batalha de Lepanto.<br />

São Marcos<br />

Evangelista<br />

F. Boulay / G. Kralj


Do n a Lucilia<br />

Compaixão e<br />

serenidade até o fim<br />

Ao celebrarmos o 40º aniversário<br />

da passagem de Dona Lucilia para a<br />

eternidade, nada melhor do que evocar,<br />

pelas próprias palavras de <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong>,<br />

alguns aspectos da bondade de sua mãe,<br />

manifestada ao longo de uma edificante<br />

existência, até o derradeiro sinal da<br />

Cruz com que se despediu deste mundo.<br />

Talis vita, finis ita: tal como foi sua vida,<br />

repassada de fé e compaixão, tal se<br />

apresentou a Deus.<br />

Um dos predicados morais<br />

de Dona Lucilia que mais<br />

me tocava e estreitava minha<br />

união com ela era sua compaixão.<br />

Em diversos episódios e circunstâncias<br />

me era dado notar a ternura<br />

de mamãe para comigo e o modo como<br />

considerava as necessidades de<br />

uma criança, máxime sendo filho dela.<br />

A fragilidade daquele ser pequenino<br />

despertava em seu coração materno<br />

um desejo de proteção, ao lado<br />

de uma compreensão íntima, pormenorizada<br />

e delicada das carências<br />

próprias às condições<br />

de um menino.<br />

Compassiva nas<br />

doenças do filho<br />

Ela percebia bem como eu mesmo<br />

sentia as minhas debilidades, e<br />

me acompanhava com um olhar solícito,<br />

como quem diz: “Essa é a trajetória<br />

de todo homem. Mas, é natural<br />

que um homem tenha uma mãe, e<br />

12


Fotos: Arquivo revista / J. S. Dias<br />

Dona Lucilia aos 91 anos;<br />

à esquerda, ela com seu<br />

filho <strong>Plinio</strong> em 1909<br />

13


Do n a Lucilia<br />

que esta seja toda ternura para ele. É<br />

conforme à lei da vida que as coisas<br />

se passem assim; você deve se sentir<br />

compreendido em tudo e não ter nenhuma<br />

espécie de amor próprio falso<br />

que lhe faça esconder de mim a<br />

sua debilidade. Pelo contrário, coloque-a<br />

em minhas mãos, que eu tratarei<br />

dela”. Essa disposição me era<br />

manifestada com um sorriso cumulado<br />

de afeto, e da promessa de que<br />

ela atravessaria comigo aquele caminho<br />

semeado de dificuldades.<br />

De maneira especial, a compaixão<br />

de Dona Lucilia se mostrava<br />

inteira quando eu adoecia. Nessas<br />

circunstâncias, seu desvelo e<br />

seu carinho eram levados ao extremo,<br />

com uma preocupação inteira<br />

por causa de minha doença. Eu,<br />

sempre observador, não deixava de<br />

considerar sua atitude ao entrar no<br />

“A compaixão de mamãe<br />

para comigo se manifestou<br />

invariável, ao longo de<br />

toda a vida dela”<br />

Dona Lucilia aos 50 anos; acima,<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> em fins da década de 30<br />

meu quarto nas pontas dos pés, sorrindo,<br />

com um copo de remédio de<br />

homeopatia nas mãos, e dizer-me:<br />

“Filhinho, chegou a hora de tomar<br />

o medicamento”. Na verdade, era a<br />

consolação de minha alma tê-la ali<br />

perto, e a presença dela compensava<br />

a dor que eu sofria.<br />

14


Como se sabe, as analogias na cabeça<br />

de uma criança são vivazes, e<br />

eu fazia correlação entre o refrigério<br />

da água com que eu tomava o remédio<br />

e a bondade de mamãe. Pensava:<br />

“Ela é para mim o que esta água é<br />

para meu corpo doente — um refrigério.<br />

Sinto o meu espírito refrigerado<br />

na companhia dela”.<br />

O mesmo desvelo na<br />

maturidade de <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong><br />

Essa compaixão manifestou-se invariável<br />

ao longo de toda a vida dela.<br />

Por exemplo, quando eu já era<br />

homem feito e formado, morávamos<br />

numa casa na Rua Itacolomi, onde<br />

tive uma indisposição física muito<br />

forte. Mamãe, num tom afetuoso<br />

e inquiridor de quem havia percebido,<br />

me perguntou:<br />

— Filhão, você está indisposto,<br />

não é?<br />

— Meu bem, realmente estou,<br />

mas prefiro não recorrer aos seus<br />

médicos. Eu não gostaria de dizer<br />

“não” à proposta da senhora de chamar<br />

algum deles, mas sobretudo não<br />

quero dizer “sim”.<br />

Ela, com sua calma característica,<br />

aproximou-se de mim e colocou<br />

a mão sobre minha testa, e<br />

só aquele contato o frescor de sua<br />

mão me transmitiu alívio e tranqüilidade.<br />

Disse-me: “Você está<br />

com febre”. E eu pensei: “Agora<br />

ela vai colocar o termômetro e este<br />

indicará 38°, 39°. Mamãe ficará<br />

preocupada e eu vou me meter em<br />

uma engrenagem que não me agrada<br />

em nada”. Ela pôs o termômetro<br />

e, após alguns minutos, verificou<br />

a temperatura.<br />

— Não é nada. O que você quer<br />

fazer meu filho?<br />

— Meu bem, quero ganhar tempo,<br />

deitado e tranqüilo.<br />

Então, ela trouxe uma cadeira do<br />

quarto, colocou-a próximo à minha<br />

cama, sentou-se e começou a rezar.<br />

Ali permaneceu durante horas, até<br />

“Se minha doença se agravasse, o desvelo de<br />

Dona Lucilia se desdobraria até o fim; se eu<br />

morresse, ela não sobreviveria por<br />

muito tempo...”<br />

anoitecer. Em certo momento, eu<br />

disse:<br />

— Meu bem, estou com muita fome<br />

e a senhora vai querer que eu coma<br />

algo.<br />

— Diga o que você quer que sua<br />

mãe traz.<br />

Ela mesma foi preparar o que eu<br />

pedi, serviu-me, conversamos um<br />

pouco, e quando nos despedimos ela<br />

Dona Lucilia no início da década de 60<br />

me disse, no mesmo tom de carinho<br />

e solicitude: “De outras vezes, você<br />

não esconda nada de sua mãe, porque<br />

ela percebe e não vai lhe impor<br />

coisa alguma”.<br />

Só então eu percebi como ela não<br />

considerava bagatela aquela minha<br />

indisposição. Entretanto, a rogos de<br />

Nossa Senhora, a Providência me favorecera<br />

com boa saúde e na manhã<br />

15


Do n a Lucilia<br />

seguinte eu já estava recuperado. Assim<br />

que me levantei, fui ao quarto de<br />

mamãe para cumprimentá-la, tranqüilizá-la<br />

e agradecê-la pelos cuidados<br />

da véspera. E retomamos a vida<br />

comum de todos os dias.<br />

Porém, ficara-me a certeza de<br />

que, se a doença se agravasse, o desvelo<br />

dela se desdobraria até o fim. E,<br />

provavelmente, se eu morresse, ela<br />

não sobreviveria por muito tempo.<br />

Acolhida à sombra da<br />

árvore que plantara<br />

É interessante constatar como essa<br />

compaixão de mamãe para comigo,<br />

embora se manifestasse sempre<br />

que as circunstâncias a despertavam,<br />

ia adquirindo feições novas ao longo<br />

de minha vida. Quando eu era menino,<br />

ela inteira se debruçava sobre<br />

mim para me amparar. Mais tarde,<br />

no período de constituição do meu<br />

caráter, a solicitude dela se fez sentir<br />

em relação à luta que eu era obrigado<br />

a travar, como adolescente, para<br />

a minha própria formação. Quando<br />

homem maduro, eu notava nela<br />

uma espécie de legítima ufania, à<br />

semelhança de quem construiu um<br />

barco e se compraz ao vê-lo navegar:<br />

“Deixe-o singrar, alegra-me ver<br />

como ele enfrenta as ondas; sinto satisfação<br />

por ter feito isso, em ter tido<br />

um filho e o haver formado para<br />

que depois enfrentasse a vida de peito<br />

aberto!”. Essa era a alegria dela.<br />

E quando se aproximavam seus<br />

últimos anos de vida, a missão protetora<br />

e formadora da compaixão dela,<br />

enquanto mãe, ia cessando. Ela sentia<br />

esse compreensível minguamento<br />

e, por sua vez, passou a como que<br />

“se encostar” na minha compaixão<br />

para com ela. Portanto, deu-se uma<br />

nobre e natural inversão da situação<br />

antiga, ela veio se acolher à sombra<br />

da árvore que ela mesma tinha plantado.<br />

Presença sempre<br />

enternecedora<br />

Seja como for, já com seus 91<br />

anos, a presença dela continuava<br />

sempre enternecedora, cumulandome<br />

de agrado. Durante toda a vida,<br />

a conversa de mamãe foi agradável,<br />

mas sua presença era ótima, pelo fato<br />

de sua pessoa irradiar algo muito<br />

mais valioso do que a palavra humana<br />

possa exprimir, e de comunicá-lo<br />

com doçura, suavidade, alegria,<br />

ao mesmo tempo com tanto recolhi-<br />

“Deu-se uma<br />

natural inversão<br />

da situação<br />

antiga: mamãe,<br />

por sua vez, passou<br />

a se encostar na<br />

minha compaixão<br />

para com ela”<br />

Dona Lucilia e <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> em 1959<br />

16


“A presença dela<br />

permaneceu sempre<br />

enternecedora,<br />

cumulando-me de<br />

agrado e jamais me<br />

saciando de tê-la<br />

junto a mim”<br />

Dona Lucilia aos 80 anos;<br />

abaixo, o escritório de <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong><br />

com a cadeira de balanço que<br />

sua mãe costumava usar<br />

Assim transcorreu nosso convívio,<br />

até alguns meses antes de ela falecer.<br />

Na véspera da morte,<br />

calma e serenidade<br />

Em fins de 1967, comecei a notar<br />

os primeiros sintomas da doen-<br />

mento, tanta dignidade e seriedade,<br />

que eu jamais me saciava de estar<br />

perto dela.<br />

Lembro-me de que, às vezes, estando<br />

eu trabalhando no meu escritório,<br />

ela entrava, sentava-se na cadeira<br />

de balanço que ali havia e permanecia<br />

quieta ao meu lado, desfiando<br />

seu rosário. Quiçá, movida<br />

pela generosidade materna, ela encontrasse<br />

algum entretenimento na<br />

minha presença, mas a recíproca era<br />

inteiramente verdadeira, e eu me<br />

comprazia de modo prodigioso em<br />

estar com Dona Lucilia: dizia-lhe algo<br />

afetuoso, fazia-lhe um carinho, e<br />

a deixava contente.<br />

17


Do n a Lucilia<br />

ça que haveria de me prostrar durante<br />

semanas, culminando numa operação<br />

1 . Quando retornei do hospital,<br />

mamãe ainda estava viva, mas havia<br />

envelhecido muito. Acredito que ela<br />

não tenha percebido que eu estive<br />

fora tanto tempo, ou ao menos não<br />

se manifestou a esse respeito.<br />

A convalescença me obrigava a<br />

permanecer com a perna estendida<br />

durante todo o tempo, numa posição<br />

bastante incômoda e desagradável.<br />

Após esse período de penosa recuperação,<br />

quando eu apenas começava<br />

a poder andar com o auxílio de<br />

muletas, afirmaram-me que a saúde<br />

de mamãe se agravara de modo alarmante:<br />

ela caminhava para o fim.<br />

Recordo-me que na véspera da<br />

morte dela, mamãe se achava muito<br />

pior do coração, e por isso passei o<br />

dia inteiro no quarto dela. A falta de<br />

ar a oprimia de tal maneira que a impedia<br />

de conversar, e ela sofria muito<br />

com o mal-estar e a agonia que a asfixia<br />

traz consigo. Entretanto, mantinha-se<br />

calma, tranqüila, serena.<br />

Um grande Sinal da<br />

Cruz antes de partir<br />

Eu formara a idéia de que seria<br />

melhor, nas minhas condições, que<br />

mamãe não morresse durante a noite,<br />

pois a dificuldade de me locomover,<br />

somada a outros incômodos, não<br />

me possibilitariam de dar-lhe toda a<br />

assistência que eu gostaria de oferecer<br />

a ela nesse supremo momento.<br />

Quisera, antes, que fosse de manhã,<br />

depois de eu ter dado as orientações<br />

necessárias ao desenvolvimento do<br />

nosso apostolado naquele dia, e assim,<br />

poder estar ao lado dela quando<br />

Deus a chamasse a Si. Contudo,<br />

não imaginei que esse passamento se<br />

desse tão logo.<br />

No dia seguinte, 21 de abril, acordei<br />

e perguntei por mamãe. Disseram-me<br />

que o estado dela permanecera<br />

mais ou menos o mesmo. Trouxeram-me<br />

o lanche da manhã e o jornal.<br />

Ora, mal acabara de lê-lo, o médico<br />

que a assistia entra no meu quarto<br />

e me diz: “<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong>, venha depressa.<br />

Dona Lucilia está morrendo!”<br />

Tão rápido quanto me era possível<br />

naquelas condições eu me dirigi<br />

ao quarto dela, e assim que entrei, o<br />

médico me disse: “Ela já morreu”.<br />

Contou-me, então, que a respiração<br />

de mamãe tornara-se cada vez mais<br />

ofegante, mas ela não quis me chamar.<br />

Quando ele percebeu que eram<br />

seus últimos instantes, foi me avisar<br />

e, ao voltar, a viu fazer um grande<br />

Nome do Padre e, em seguida, estender<br />

as mãos ao longo do corpo.<br />

Entregara sua alma a Deus.<br />

Tristeza envolta<br />

em suavidade<br />

Apesar dos meus 60 anos, à vista<br />

de mamãe morta, chorei copiosamente,<br />

e em altos soluços, entremeados<br />

com frases de gratidão e de amor<br />

para com ela. Na desolação profunda<br />

em que me encontrava, repetia<br />

que ela era a luz dos meus olhos, o<br />

que havia de mais precioso para mim<br />

na vida. Lamentei não ter podido vêla<br />

no derradeiro momento, e rezei<br />

muito por sua alma.<br />

Depois disso, era preciso que eu<br />

me aprontasse, e dei as recomendações<br />

necessárias para se preparar o<br />

velório e o sepultamento. Curiosamente,<br />

enquanto fazia minha toilette,<br />

não obstante a imensa tristeza<br />

que me confrangia, senti-me tomado<br />

de uma tranqüilidade suave e distendida,<br />

de maneira que o peso trágico<br />

do fato deixou de acabrunhar a minha<br />

alma. Assim me foi possível estar<br />

o tempo inteiro ao lado do corpo<br />

de mamãe, até a hora em que seria<br />

levado para o cemitério.<br />

Era minha intenção acompanhála<br />

até à beira da sepultura. Porém,<br />

a ferida cirúrgica no meu pé ainda<br />

não estava inteiramente cicatrizada,<br />

de um lado; de outro, era-me muito<br />

penoso vê-la pela última vez no caixão,<br />

e este em seguida ser depositado<br />

no fundo da cova, coberto de terra...<br />

Não tive coragem. Permaneci no meu<br />

automóvel, à porta do cemitério.<br />

No restante do dia passei recebendo<br />

os cumprimentos de parentes<br />

e amigos. Na manhã seguinte, atendendo<br />

aos conselhos dos médicos que<br />

cuidavam de minha recuperação, di-<br />

18


igi-me a uma fazenda que nosso movimento<br />

possuía no interior de São<br />

Paulo e ali fiquei até retornar para a<br />

Missa do Sétimo Dia de mamãe.<br />

Um sorriso do Céu...<br />

Uma última recordação. Como<br />

se sabe, segundo a doutrina católica,<br />

mesmo almas que praticaram a virtude<br />

neste mundo podem passar pelo<br />

Purgatório, a fim de se purificarem<br />

de alguma imperfeição. Se, conforme<br />

se lê em relatos de certas visões, até<br />

mesmo almas de grandes santos tiveram<br />

de pagar esse tributo, era natural<br />

que eu me perguntasse se a de mamãe<br />

não estaria ainda ali, purgandose<br />

de qualquer defeito. Essa idéia me<br />

incomodava, e eu, com confiança na<br />

misericórdia divina, pedi a Nossa Senhora<br />

que me desse um sinal de que<br />

a alma de Dª Lucilia já estivesse na<br />

bem-aventurança eterna.<br />

“Veio-me a certeza de que aquele<br />

raio de luz era o sinal que eu havia<br />

pedido: mamãe estava no Céu!”<br />

Dona Lucilia aos 91 anos; coroa<br />

de flores depositada por<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> na sepultura de sua mãe<br />

Com essa esperança, dirigi-me à<br />

Igreja de Santa Teresinha, no bairro<br />

de Higienópolis, onde seria celebrada<br />

a Missa do Sétimo Dia. Ocupei<br />

um lugar no primeiro banco, junto<br />

com pessoas de minha família, e<br />

notei que nos degraus do presbitério<br />

havia sido colocada uma mortalha<br />

feita de rosas vermelhas, tendo no<br />

entroncamento dos dois braços da<br />

cruz um lindo buquê de orquídeas.<br />

Ora, no momento da Consagração,<br />

surpreendo-me com este fato<br />

extraordinário: pela fenda aberta<br />

num dos vitrais da igreja passou um<br />

raio de sol que incidiu exatamente<br />

sobre a cruz de rosas, deslocando-se<br />

de modo lento até se fixar no buquê<br />

de orquídeas. Mas, iluminou-o com<br />

tanta intensidade que a luz parecia<br />

penetrar as pétalas das flores e fazêlas<br />

refulgir por dentro.<br />

Ao término da Consagração, o<br />

raio de luz deslizou em direção à<br />

porta oposta à sacristia e desapareceu.<br />

Porém, moveu-se de um tal jeito<br />

que me fez lembrar o andar de<br />

Dª Lucilia, e então me veio o pensamento,<br />

senão a certeza, de que aquele<br />

era o sinal que eu havia pedido:<br />

“ela está no Céu!” Essa idéia muito<br />

me consolou, e saí da igreja aliviado.<br />

Sem dúvida, podem as almas do<br />

Purgatório rezar pelas que estão na<br />

Terra. A de mamãe, se lá estivesse,<br />

estaria pedindo por mim. Mas, que<br />

alegria saber que ela já o fazia na visão<br />

beatífica, inundada daquela felicidade<br />

eterna que um dia, pela misericórdia<br />

de Nossa Senhora, nos inundará<br />

a todos nós!<br />

v<br />

(Extraído de conferências<br />

em 11/1/1982 e 20/4/1991)<br />

1) Em dezembro de 1967, em conseqüência<br />

de uma grave crise de diabetes, <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong><br />

teve gangrena no seu pé direito, sendo<br />

submetido a uma cirurgia no Hospital<br />

Sírio-Libanês, em São Paulo, para<br />

debelar a infecção. Cf. “<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong>” nº<br />

117, pp. 4-5.<br />

19


“R-CR” e m p e r g u n ta s e r e s p o s ta s<br />

Atitudes erradas<br />

em face dos “slogans”<br />

da Revolução<br />

Reafirmando a necessidade de se combater a Revolução como esta<br />

age em concreto junto à opinião pública, <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> alerta os contrarevolucionários<br />

sobre o triste equívoco de se apresentarem sob uma<br />

luz “simpática e positiva”, esquivando-se de atacar o adversário.<br />

Com essa atitude, adverte-os, a Contra-Revolução só tende a perder<br />

em conteúdo e dinamismo.<br />

O mais importante para combater a Revolução é ler muitos<br />

livros?<br />

“O esforço contra-revolucionário não deve ser livresco,<br />

isto é, não pode contentar-se com uma dialética com<br />

a Revolução no plano puramente científico e universitário.<br />

Reconhecendo a esse plano toda a sua grande e até<br />

muito grande importância, o ponto de mira habitual da<br />

Contra-Revolução deve ser a Revolução tal qual ela é<br />

pensada, sentida e vivida pela opinião pública em seu<br />

conjunto. E neste sentido os contra-revolucionários<br />

devem atribuir uma importância muito particular à refutação<br />

dos ‘slogans’ revolucionários” (p. 119).<br />

Sem polêmica, diminui a reação<br />

contra-revolucionária<br />

Não seria mais eficaz eliminar os aspectos polêmicos<br />

da ação contra-revolucionária?<br />

“A idéia de apresentar a Contra-Revolução sob uma<br />

luz mais ‘simpática’ e ‘positiva’, fazendo com que ela<br />

20


não ataque a Revolução, é o que pode haver de mais tristemente<br />

eficiente para empobrecê-la de conteúdo e de<br />

dinamismo” (p. 119).<br />

Poderia desenvolver este ponto?<br />

“Quem agisse segundo essa lamentável tática mostraria<br />

a mesma falta de senso de um chefe de Estado que,<br />

em face de tropas inimigas que transpõem a fronteira, fizesse<br />

cessar toda resistência armada, com o intuito de cativar<br />

a simpatia do invasor e, assim, paralisá-lo. Na realidade,<br />

ele anularia o ímpeto da reação, sem deter o inimigo.<br />

Isto é, entregaria a pátria...” (p. 120).<br />

O exemplo do Divino Mestre<br />

Mas às vezes não é necessário empregar uma linguagem<br />

matizada?<br />

“Não quer isto dizer que a linguagem do contra-revolucionário<br />

não seja matizada segundo as circunstâncias.<br />

O próprio Divino Mestre<br />

matizou sua linguagem segundo<br />

as circunstâncias: mais candente<br />

junto aos fariseus; menos<br />

polêmica e mais docente, junto ao<br />

povo simples da Galiléia<br />

“Deixai vir a Mim os pequeninos” –<br />

Carmelo de Lisieux, França<br />

“O Divino Mestre, pregando na Judéia, que estava<br />

sob a ação próxima dos pérfidos fariseus, usou<br />

de uma linguagem candente. Na Galiléia, pelo contrário,<br />

onde predominava o povo simples e era menor<br />

a influência dos fariseus, sua linguagem tinha um<br />

tom mais docente e menos polêmico” (p. 120) 1 . v<br />

1) Para todas as citações: Revolução e Contra-Revolução, Editora<br />

Retornarei, São Paulo, 2002, 5ª edição em português.<br />

S. Hollmann<br />

21


<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> c o m e n ta ...<br />

A Santa Igreja,<br />

espelho das<br />

virtudes<br />

de Maria<br />

Fotos: S. Hollmann<br />

Ao comentar os<br />

ardorosos louvores que<br />

Santo Agostinho dirige<br />

a Nossa Senhora,<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> tece um<br />

paralelo entre os<br />

excelsos predicados de<br />

Maria e a Santa Igreja<br />

Católica Apostólica<br />

Romana — virgem<br />

na sua perfeição<br />

sem mácula, e mãe<br />

de todos homens<br />

nela batizados e<br />

engendrados como<br />

filhos de Deus.<br />

22


Ogrande Santo Agostinho<br />

deixou-nos esse belo texto<br />

a propósito das virtudes de<br />

Nossa Senhora:<br />

Ó Maria, cumpristes perfeitamente<br />

a vontade do Pai Celeste. Vossa<br />

maior honra, vossa maior felicidade<br />

não foi de ter sido a Mãe, mas a<br />

discípula de Cristo. Bem‐aventurada<br />

sois por terdes ouvido o Verbo de<br />

Deus e conservado [sua palavra] em<br />

vosso coração. Vós guardastes a verdade<br />

de Cristo em vossa inteligência,<br />

mais ainda que sua carne em vosso<br />

seio. Não se saberia comparar‐vos<br />

às mulheres do Antigo Testamento,<br />

a Ana, a Suzana. A que alturas não<br />

vos elevastes acima delas? Aqui ainda<br />

não falamos na santa virgindade;<br />

vossas outras virtudes, ó Maria, há no<br />

mundo alguém que as ignore?<br />

Maria, “beleza e<br />

dignidade da Terra”<br />

Para exemplo e ensinamento para<br />

todas as mulheres, convém somente<br />

não esquecer vossa santa e admirável<br />

modéstia.<br />

Cumpre ressaltar que, na linguagem<br />

católica, modéstia não significa<br />

acanhamento, nem a pessoa estar de<br />

olhos baixos, apagada, sumida. Trata-se<br />

de ter boas maneiras, compostas<br />

e elevadas, de acordo com a virtude<br />

cristã. Prossegue o comentário<br />

de Santo Agostinho:<br />

Vós fostes julgada digna de conceber<br />

o filho do Altíssimo e, entretanto,<br />

permanecestes a mais humilde de todas<br />

as criaturas; porque fizestes sem<br />

cessar a vontade de Deus, sois segundo<br />

a carne e o espírito, a Mãe de Cristo,<br />

sua Mãe e sua irmã, mulher única,<br />

mãe e virgem, e o sois corporal e espiritualmente.<br />

Mãe da nossa cabeça, que é o Salvador,<br />

sois também, e perfeitamente,<br />

mãe de todos os membros de Cristo,<br />

porque cooperastes, por vossa caridade,<br />

para o nascimento dos fiéis na<br />

Igreja.<br />

A Virgem e o Menino - Sainte Chapelle, Paris;<br />

na página 20, Imagem alegórica da Igreja<br />

Católica – Catedral de Strasbourg, França<br />

23


<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> c o m e n ta ...<br />

Única entre todas as mulheres sois,<br />

ainda uma vez, mãe e virgem. Mãe de<br />

Cristo e virgem de Cristo. Foi por vós,<br />

ó Mãe do Senhor, que a dignidade virginal<br />

começou sobre a Terra. Por Vós,<br />

ó Maria, que merecestes ter um filho,<br />

mas que o merecestes sem deixar de<br />

ser virgem. Para honra do Salvador<br />

Jesus, o pecado não se aproximou de<br />

Vós. Sabemos que para vencer o pecado,<br />

e vencê-lo por completo, foi dada<br />

a graça abundante à criatura digna de<br />

conceber e de cuidar do Impecável.<br />

A beleza e a dignidade da Terra sois<br />

Vós, ó Virgem, que fostes sem cessar a<br />

figura da Santa Igreja. Por uma mulher,<br />

a morte; por uma mulher, a vida.<br />

E essa última sois Vós, ó Mãe de<br />

Deus.<br />

Assim como Nossa<br />

Senhora, a Igreja<br />

é virgem e mãe<br />

Desse lindo trecho de Santo Agostinho<br />

parece-me oportuno salientar<br />

o pensamento final, quando ele se<br />

refere a Nossa Senhora como sendo<br />

a figura perfeita da Santa Igreja<br />

Católica. Se ousarmos aprofundar<br />

a idéia do insigne autor, poderíamos<br />

nos perguntar em que sentido a<br />

Igreja, assim como Nossa Senhora, é<br />

igualmente virgem e mãe, tornandose,<br />

por sua vez, imagem magnífica de<br />

Maria Santíssima.<br />

A Igreja é virgem no sentido de<br />

que manifesta uma santidade inteira,<br />

sem nenhuma forma de condescendência<br />

para com o mal. Por causa<br />

disso, nela não se acha mácula alguma<br />

e é, portanto, intacta como uma<br />

virgem consagrada a Deus.<br />

Por outro lado, ela é mãe, pois<br />

todos os homens nascem para a vida<br />

espiritual de dentro da Igreja;<br />

no seio desta são batizados e engendrados<br />

como filhos de Deus e irmãos<br />

de Nosso Senhor Jesus Cristo.<br />

E ela procede como uma mãe em relação<br />

a seus rebentos, nutrindo-os<br />

com os sacramentos, propiciandolhes<br />

os dons sobrenaturais da graça,<br />

formando-os por meio de seu magistério<br />

infalível e os guiando em bom<br />

caminho por meio da autoridade da<br />

hierarquia eclesiástica. Dessa forma,<br />

ela exerce junto a cada católico<br />

todos os ofícios e misteres que uma<br />

boa mãe dedica a seu filho.<br />

Estabelecido esse paralelo, podese<br />

aplicar à Esposa Mística de Cristo<br />

a mesma afirmação — repassada de<br />

beleza e de veracidade — que se faz<br />

de Nossa Senhora: ninguém é mais<br />

virgem do que a Igreja, e ninguém<br />

mais do que ela é mãe, pois entre todas<br />

as instituições e todas as mães<br />

da Terra, nenhuma teve uma mater-<br />

nidade mais copiosa do que a Igreja<br />

Católica. Desde o momento em<br />

que foi fundada, até o fim do mundo,<br />

a maioria dos homens que se salvarem<br />

serão gerados em seu grêmio<br />

e por ela conduzidos à bem-aventurança<br />

eterna.<br />

Remédio para as<br />

dificuldades espirituais<br />

Daí se compreende como o<br />

amor à Igreja Católica é uma fonte<br />

de todas as virtudes. Quem a considera<br />

e a ama como à melhor das<br />

mães, alcança graças e forças para<br />

se santificar.<br />

24


Não raro, ouço lamentações de<br />

pessoas que sentem dificuldade em<br />

perseverar na prática dos Mandamentos<br />

ou em progredir na vida espiritual.<br />

Ora, uma das muitas solu-<br />

Eucaristia, a confissão<br />

e o Papado — três<br />

esplendores da Igreja,<br />

dignos de nosso amor e<br />

entusiasmo<br />

Confessionário e imagem do Papa<br />

São Pio X – Catedral de Montréal,<br />

Canadá; no centro, âmbula com a<br />

Sagrada Eucaristia- São Paulo<br />

ções — pois a Igreja é a cidade da<br />

salvação onde para toda doença há<br />

diversos remédios — é exatamente<br />

aumentar nosso amor a ela. Crescendo<br />

nesse amor, nossa determinação<br />

para praticar o bem e repudiar o<br />

mal também aumentará.<br />

Fixemos, então, esse pensamento<br />

valioso: a Igreja é a figura de Nossa<br />

Senhora, ela é resplandecente e bela<br />

na Terra, e devemos procurar amála<br />

como desejamos amar a Santíssima<br />

Virgem hoje e no Céu. Amemos<br />

a Igreja acima de todas as coisas no<br />

mundo, na sua hierarquia, nos seus<br />

mil aspectos autenticamente<br />

divinos.<br />

Fotos: F. Boulay / G. Kralj<br />

Três elementos da<br />

beleza da Igreja<br />

Por exemplo, evoquemos apenas<br />

três elementos da Igreja, dignos de<br />

nosso amor e de nosso entusiasmo.<br />

Primeiro, a infalibilidade pontifícia:<br />

a figura de um homem infalível, governando<br />

a todos e ensinando à humanidade<br />

o caminho da salvação.<br />

Nunca se concebeu, em matéria de<br />

autoridade e orientação, algo mais<br />

belo e mais nobre do que o Papado.<br />

Admiremos, por outro lado, a Eucaristia.<br />

Sob as espécies consagradas,<br />

de modo misteriosamente oculto, está<br />

Nosso Senhor Jesus Cristo, realmente<br />

presente entre nós, em corpo,<br />

alma e divindade. E é a Igreja que<br />

oferece essa possibilidade de o homem<br />

estabelecer com Deus um convívio<br />

tão íntimo e até insondável. O<br />

Criador vem ao homem e como que<br />

se faz um com este. Pode-se imaginar<br />

algo mais esplêndido do que o<br />

Onipotente condescender em ter tal<br />

familiaridade com cada um de seus<br />

filhos?<br />

Por fim, pensemos no sacramento<br />

da Penitência. Difícil seria conceber<br />

nossa existência neste vale de<br />

lágrimas se não nos fosse dado abrir<br />

sobre os nossos pecados e não tivéssemos<br />

a certeza do perdão de Deus<br />

através da absolvição ministrada pelo<br />

sacerdote no confessionário. Um<br />

confessionário: que obra-prima de<br />

sabedoria e de discrição, com a inviolabilidade<br />

do segredo de consciência<br />

nunca traído!<br />

Então compreendemos melhor<br />

quão maravilhosa é a Igreja e quão<br />

digna de nosso amor. Meditemos<br />

nessas verdades e, com o misericordioso<br />

auxílio da Virgem Mãe, encontraremos<br />

em nós maior resolução<br />

para combater nossos defeitos e praticar<br />

a virtude.<br />

v<br />

(Extraído de conferência<br />

em 24/9/1969)<br />

25


O Sa n t o d o m ê s<br />

Santa Catarina de Siena<br />

e o zelo pela causa da Igreja<br />

F. Lecaros<br />

Sobressaindo na fé, esperança e<br />

caridade numa época semeada<br />

de provações para a Igreja,<br />

Santa Catarina de Siena tornouse<br />

modelo de alma fervorosa e<br />

batalhadora, envidando todos<br />

os esforços para ver a Esposa<br />

Mística de Cristo triunfar sobre<br />

suas adversidades. Razão pela<br />

qual <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> no-la apresenta<br />

como a padroeira de todos<br />

aqueles que trabalham e lutam<br />

pela causa católica.<br />

Ao celebrarmos a memória de Santa Catarina de<br />

Siena, virgem e Doutora da Igreja, cuja festa<br />

transcorre no dia 29 de abril, parece-me oportuno<br />

evocarmos a seguinte passagem de sua vida, narrada<br />

por um biógrafo:<br />

Aproximava-se o Natal, primeiro que Catarina passava<br />

em Roma. Quando menina, sempre gostara de presentear<br />

seus amigos nessa santa comemoração, com flores e cruzes.<br />

Agora, porém, que dispunha de prestígio, era conseguindo<br />

indulgências e concessões da Igreja que proporcionava alegria<br />

aos amigos.<br />

26


S. Hollmann<br />

Grande mística,<br />

favorecida por<br />

visões de Nosso<br />

Senhor, Santa<br />

Catarina<br />

escrevia<br />

suas cartas<br />

e conselhos<br />

inspirada por<br />

tais revelações<br />

Santa Catarina de Siena –<br />

Igreja de Notre-Dame<br />

de Bordeaux, França;<br />

na página 26: ela em<br />

afresco na Igreja de Santa<br />

Catarina, Siena (Itália)<br />

Cinco laranjas para o Papa<br />

Não se esqueceu do Papa, e enviou-lhe cinco laranjas<br />

que ela mesma dourara, acompanhando o presente com essas<br />

linhas expressivas: “Sede uma árvore de amor enxertada<br />

sobre a á rvore da Vida, Cristo, o doce Jesus. Desta árvore<br />

nascerá uma flor brotada de vossa vontade, o pensamento<br />

das virtudes e os seus frutos amadurecerão para a maior<br />

honra de Deus e salvação de vosso rebanho. Esse fruto parece<br />

amargo a princípio, ao ser mordido pela boca do santo<br />

desejo, mas tornar-se-á doce, desde que a alma se resolva<br />

a sofrer até a morte pelo Cristo crucificado e pelo amor<br />

do bem.<br />

“Assim se dá com a laranja, que se põe na água a fim de<br />

lhe retirar o amargor, açucarando-a em seguida e dourando-a<br />

por fora. E agora, onde lhe ficou o azedume? Na água<br />

e no fogo. O mesmo se passa, Santíssimo Padre, com a alma<br />

que concebe o amor da virtude. O que a princípio lhe<br />

parece amargo, provém de sua imperfeição. O remédio está<br />

no sangue de Cristo crucificado, que proporciona a água<br />

da graça, purificando-a do amor próprio e sensual, que enche<br />

a alma de tristeza.<br />

“E como o sangue está ligado ao fogo, pois que foi derramado<br />

com o fogo do amor, podemos dizer, na verdade,<br />

que o fogo e a água purificam a alma do amor próprio e<br />

dela extraem o azedume [das ofensas feitas a Deus] que<br />

a princípio continha, enchendo-a de força pela perseverança<br />

e paciência, e adocicando-a pelo mel de uma humildade<br />

profunda.<br />

“Assim preparado o fruto, este é então dourado, simbolizando<br />

o ouro da pureza e o ouro reluzente da caridade, que<br />

se manifesta por uma verdadeira paciência no serviço do<br />

próximo, suportado com imensa ternura de coração.<br />

Suscitada para servir a Igreja<br />

numa difícil conjuntura<br />

Florido, rico em idéias e simbolismos, esse texto sobre<br />

Santa Catarina de Siena nos remete à época em que<br />

ela viveu, marcada por graves acontecimentos na história<br />

da Igreja.<br />

Santa Catarina de Siena pertenceu à Ordem Terceira<br />

dominicana, e desde seus 15 anos de idade consagrouse<br />

às obras de caridade, a uma intensa vida de piedade e<br />

mortificação. Distribuía abundantes esmolas aos pobres,<br />

servia os doentes, visitava os prisioneiros e consolava os<br />

desafortunados. Como sói acontecer com as almas particularmente<br />

queridas por Deus, a Providência permitiu<br />

que fosse afligida desde cedo por doenças crônicas, que<br />

não fizeram senão se agravar no decorrer de sua breve<br />

existência, vindo a falecer aos 33 anos, em Roma.<br />

Dirigida pelo bem-aventurado Raimundo de Cápua<br />

— que, além de seu confessor, foi também seu biógrafo,<br />

autorizado por ela a publicar o conteúdo de suas visões<br />

e revelações — Catarina de Siena se santificou e se tornou<br />

um dos mais luminosos florões do catolicismo no século<br />

XIV.<br />

27


O Sa n t o d o m ê s<br />

Porém, como dissemos, nessa época a situação da<br />

Igreja não era o que se poderia desejar como ideal. Pelo<br />

contrário, a barca de Pedro era então ameaçada por<br />

toda espécie de ondas nefastas que procuravam pô-la a<br />

fundo. Sinais de decadência da fé e de relaxamento dos<br />

costumes se faziam notar um pouco por toda a parte, nos<br />

mais variados ambientes católicos. Até mesmo nos mosteiros<br />

e conventos, que deviam proporcionar aos seus religiosos<br />

a tranqüilidade e a estabilidade que trazem o desapego<br />

dos bens terrenos, instalara-se um desejo de luxo<br />

e opulência oposto aos ideais evangélicos.<br />

Como se tal não bastasse, a sede do Papado se transferira<br />

de Roma para Avignon, feudo que os Pontífices romanos<br />

possuíam na França, e ali viviam sobre o domínio<br />

dos soberanos franceses. Ora, aqueles germens de decomposição<br />

moral atingiram também as fileiras do clero<br />

secular, disseminando um espírito de revolta contra a autoridade<br />

do Vigário de Cristo e outros desmandos. Donde<br />

se estabelecer, por volta de 1378, uma situação de cisma<br />

dentro da Igreja, com o Papa legítimo, Urbano VI, e<br />

um ilegítimo eleito apenas por cardeais franceses.<br />

Em meio a essa confusão, as almas retas lamentavam a<br />

ausência dos Papas de Roma, e desejavam ardentemente<br />

que a Cidade Eterna voltasse a ser o centro da Cristandade,<br />

e a paz, a dignidade da fé e o bom aroma da virtude<br />

reinasse novamente no orbe católico.<br />

Uma dessas almas foi Santa Catarina de Siena, suscitada<br />

por Deus para, através de suas célebres cartas e admoestações<br />

dirigidas às autoridades eclesiásticas — sobretudo<br />

à maior delas, o próprio Papa — reconduzir as<br />

ovelhas de Cristo a serem outra vez um só rebanho sob a<br />

égide de um só pastor. Grande mística, favorecida por visões<br />

de Nosso Senhor Jesus Cristo, ela escrevia essas missivas<br />

inspirada por tais revelações, e acabou granjeando<br />

influência e admiração entre os que aceitavam seus conselhos.<br />

Contribuiu, dessa forma, para sustentar a nau da<br />

Igreja em sua conturbada trajetória, embora não chegasse<br />

a presenciar em vida o fim do chamado grande cisma<br />

do Ocidente, que se deu trinta anos depois de sua morte.<br />

Seja como for, confiante na infinita solicitude de Nosso<br />

Senhor Jesus Cristo por sua Esposa Mística, Santa Catarina<br />

rezou e se sacrificou até o derradeiro suspiro pela<br />

salvação e reunificação da Igreja. Nessas disposições entregou<br />

a alma a Deus, no dia 27 de abril de 1380.<br />

Não há flores sem cruzes,<br />

nem cruzes sem flores<br />

D. Domingues<br />

É essa Santa Catarina que se comprazia em dar presentes<br />

de Natal aos seus amigos. Percebe-se nessa peculiaridade<br />

o espírito ameno, alegre (no bom sentido da<br />

palavra) e afável de uma religiosa tão penitente e mortificada.<br />

Mas, os presentes que ela oferecia eram simbólicos.<br />

Quando menina, ela dava flores, de que o solo italiano<br />

é fecundo, e cruzes, de que a vida do católico é também<br />

fecunda.<br />

Essa idéia de oferecer flores e cruzes parece-me muito<br />

equilibrada, pois o Natal é uma época de felicidade<br />

e convém externar esse júbilo por meio do colorido das<br />

flores. Contudo, para o católico não há flores sem cruzes,<br />

e por isso sempre será oportuno, na hora do júbilo florido,<br />

lembrar a alma que ela deve se preparar para os sofrimentos.<br />

Eu diria mais: também não há cruzes sem flores. Pois<br />

o católico sabe aceitar as provações como algo valioso<br />

para a sua santificação e para uni-lo a Nosso Senhor e<br />

Nossa Senhora. Razão pela qual a cruz é por ele recebida<br />

com alegria, como se adornada de flores, a exemplo<br />

de Nosso Senhor ao abraçar a cruz que Ele deveria levar<br />

até o alto do Calvário. Segundo piedosa crença, no momento<br />

em que Lhe impingiram o instrumento de seu suplício,<br />

o Divino Redentor o osculou afetuosamente antes<br />

de carregá-lo nos ombros, porque era o meio para a realização<br />

da missão que O trouxera ao mundo, isto é, a redenção<br />

do gênero humano.<br />

Advertências salutares<br />

Quando alcançou notoriedade, dotada de prestígio<br />

junto aos Papas, Santa Catarina de Siena passou a dar<br />

28


ela na noite de Natal, um documento do Papa concedendo<br />

tais e tais indulgências. Com um detalhe interessante<br />

de notar. É que por meio dessa forma amena de agradar<br />

o próximo, envolta no bimbalhar dos sinos natalinos<br />

e sob o invólucro do perdão, Santa Catarina não deixava<br />

de lhe dizer uma importante verdade: “Não se esqueça<br />

de que você tem contas a pagar. Essas indulgências serão<br />

suficientes para cobri-las? Examine sua alma, abra os<br />

olhos e pense em como se comportará doravante.”<br />

Havia, portanto, subjacente ao gesto de afeto e amizade,<br />

uma salutar advertência para a vida espiritual do seu<br />

conhecido.<br />

Um lindo modo de estimular o<br />

Papa à prática da virtude<br />

Até o último suspiro, Santa<br />

Catarina rezou e se sacrificou<br />

para sustentar a nau de<br />

Pedro em meio ao mar agitado<br />

no qual singrava; de modo<br />

especial rogava a Deus pelo<br />

Sumo Pontífice<br />

Santa Catarina de Siena e o Papa – Roma<br />

presentes mais elevados, quer dizer, obtinha para seus<br />

favorecidos certas indulgências concedidas pelo Pontífice<br />

e outros dons espirituais.<br />

Para compreendermos o valor de uma indulgência<br />

cumpre considerar que as almas de quase todos os fiéis<br />

defuntos passam pelo Purgatório, onde se purificam e<br />

expiam as penas devidas às faltas cometidas nesta vida.<br />

Ora, pelos méritos das indulgências, uma alma consegue<br />

abreviar seu período de expiação no Purgatório, ou<br />

até mesmo eliminá-lo de todo.<br />

Podemos imaginar, então, com que felicidade os amigos<br />

de Santa Catarina de Siena recebiam, mandado por<br />

Há ainda o pitoresco fato de ela ter mandado cinco<br />

laranjas de presente para o Papa. Entende-se que Santa<br />

Catarina fez uma compota, “dourando” os frutos no açúcar<br />

e no fogo, o que lhe inspirou a bela comparação que<br />

expressou nas linhas dirigidas ao Vigário de Cristo.<br />

Na verdade, encontrara um modo gracioso e igualmente<br />

ameno de estimular o Pontífice à prática da virtude,<br />

à paciência, ao desapego das coisas materiais, ao<br />

amor à cruz e ao espírito de penitência, quão mais necessários<br />

naquele que era o guia e modelo de todos os católicos<br />

do mundo. Então se refere ao amargor que a fruta<br />

apresenta num primeiro momento, para depois tornarse<br />

doce e agradável ao paladar: assim como a virtude, a<br />

princípio amarga para o homem ainda presa de suas imperfeições<br />

e apegos; em seguida suave e deleitosa, pelo<br />

sofrimento unido ao de Cristo e abraçado com perseverança<br />

e humildade<br />

Padroeira dos que trabalham<br />

e lutam pela Igreja<br />

Concluo esses comentários salientando um ponto<br />

que me parece muito oportuno. Uma vez que Santa Catarina<br />

de Siena distinguiu-se por seu zelo e fervor no<br />

serviço da Esposa Mística de Cristo, posto que ela tanto<br />

trabalhou para reerguer a Igreja no tempo dela, não<br />

será despropositado tomá-la como padroeira de todos<br />

aqueles que igualmente trabalham e lutam pelos interesses<br />

católicos.<br />

E, portanto, é de extrema conveniência que a ela elevemos<br />

nossas preces, rogando seu auxílio e sua intercessão<br />

junto a Maria Santíssima e ao Sagrado Coração de<br />

Jesus, a fim de que possamos, nós também, conquistarmos<br />

em nossa época grandes vitórias para a Igreja. v<br />

(Extraído de conferência em 30/4/1971)<br />

29


Lu z e s d a Civilização Cr i s t ã<br />

Fotos: G. Kralj / D. Domingues / V. Toniolo<br />

Florão no cajado<br />

do Pastor<br />

30


Desde as minhas primeiras<br />

impressões a respeito<br />

do garbo e da beleza dos<br />

trajes com que certas corporações<br />

militares se apresentavam outrora,<br />

transformei-me numa espécie de colecionador,<br />

em minha memória, dos<br />

vários e lindos tipos de uniforme que<br />

conheci ao longo dos anos.<br />

De maneira particular me entusiasmei<br />

quando, pelos idos de 1950,<br />

fui convidado a assistir uma cerimônia<br />

de canonização na Basílica de<br />

São Pedro, em Roma, e, em meio à<br />

pompa toda particular e grandiosa<br />

dessa solenidade, pude considerar<br />

de modo mais minucioso o uniforme<br />

da Guarda Suíça do Papa. A<br />

meu ver, concebido com extremo<br />

Regimento da Guarda<br />

Suíça postado na Praça<br />

de São Pedro, em Roma;<br />

ao fundo, o célebre<br />

balcão onde aparecerá<br />

o Sumo Pontífice<br />

31


Lu z e s d a Civilização Cr i s t ã<br />

Uniforme concebido<br />

com extremo<br />

bom gosto, cujo<br />

esplendor culmina<br />

no capacete<br />

prateado, ornado<br />

de plumas vermelhas<br />

ou brancas<br />

Cerimônias de Juramento da<br />

Guarda Suíça: abaixo, na Sala<br />

Paulo VI; na página 33, no Pátio<br />

de São Dâmaso, Vaticano<br />

bom gosto e, no seu conjunto, manifestando<br />

um esplendor que culmina<br />

no seu capacete prateado, superiormente<br />

adornado por plumas vermelhas<br />

ou brancas.<br />

Quando os vi, veio-me logo o desejo<br />

de comprar um daqueles capacetes<br />

a fim de trazê-lo para casa, como<br />

recordação desse maravilhamento<br />

que senti ao contemplá-los no<br />

meio dos fulgores de uma cerimônia<br />

de canonização.<br />

De fato, antes de retornar ao Brasil<br />

procurei o comando da Guarda<br />

Suíça, onde fui atendido de forma<br />

muito amável pelo comandante,<br />

na época um fidalgo da Suíça alemã.<br />

Após nos cumprimentarmos, expuslhe<br />

o motivo de minha visita e o meu<br />

intuito de adquirir um dos seus capacetes.<br />

Ele sorriu, conservando a sua<br />

nobre cortesia, e me disse: “Professor,<br />

eu lamento, mas não temos senão<br />

os capacetes necessários para<br />

nosso uso, porque são de prata”.<br />

Pelo que consta, todo o traje da<br />

Guarda Suíça fora desenhado pelo<br />

próprio Michelângelo, o que o tornava<br />

ainda mais valioso. À medida<br />

que o comandante ia falando, aumentava<br />

meu desejo de ter o capacete.<br />

Como argumento mais persuasivo,<br />

ele acrescentou: “O senhor pode<br />

bem compreender que são quase<br />

peças de museu, e não sairia a preço<br />

acessível para qualquer um. Além<br />

disso, se eu lhe vendesse, desfalcaria<br />

o uniforme de um dos meus soldados”.<br />

O meu nobre interlocutor percebeu<br />

que a explicação não me convencia<br />

inteiramente, e então arrematou:<br />

“Caso o senhor deseje comprová-lo<br />

pessoalmente, seria um prazer<br />

32


33


Lu z e s d a Civilização Cr i s t ã<br />

Acima: a Guarda Suíça vela sobre<br />

as dependências do Vaticano: à<br />

esquerda e na página 35: outros<br />

aspectos da cerimônia de Juramento<br />

levá-lo até a sala de armas e ali poderá<br />

cotejar o número de capacetes<br />

com o de soldados que servem o Sumo<br />

Pontífice”.<br />

A proposta me pareceu interessante,<br />

pois se não me era possível<br />

adquirir um dos capacetes, ao menos<br />

os contemplaria todos juntos, de<br />

perto. Aquiesci com gentileza à oferta<br />

do comandante e descemos juntos<br />

à sala onde, numa prateleira, os capacetes<br />

se achavam enfileirados. Realmente,<br />

não sobrava nenhum...<br />

Essa reminiscência vem a propósito<br />

para salientar a beleza e a importância<br />

da instituição da Guarda<br />

Suíça. Esta é, na verdade, um rico<br />

florão na ponta desse fabuloso cajado<br />

que é um Papa. Chamado a velar<br />

sobre as dependências do Vaticano,<br />

a preservar seus tesouros eclesiásticos,<br />

a manter a ordem e guiar as multidões<br />

de fiéis na Praça de São Pedro,<br />

sobretudo disposto a dar a vida<br />

em defesa do Pontífice, o guarda suíço<br />

está à altura — com seu belo uniforme<br />

e seu heroísmo militar — da<br />

dignidade do Vigário de Cristo e<br />

Pastor Supremo da Santa Igreja Católica.<br />

v<br />

(Extraído de conferências em<br />

4/4/1990 e 2/2/1993)<br />

34


35


Virgem e o Menino –<br />

Igreja de São Tiago,<br />

Reims (França)<br />

Incomparavelmente mais perfeita<br />

que a mais perfeita das mães,<br />

de Nossa Senhora podemos esperar<br />

o socorro indizível, a proteção<br />

inefável, a solução inimaginável para<br />

todas as nossas dificuldades espirituais<br />

e temporais. N’Ela confiando, temos<br />

sobejos motivos para nunca desanimar<br />

e jamais desfalecer na coragem.<br />

Por meio d’Ela, alcançaremos as<br />

graças mais insignes, maior força de<br />

alma e de vontade, lograremos a constante<br />

perseverança na virtude e um<br />

crescente amor a seu Divino Filho.<br />

(Extraído de conferência<br />

em 31/7/1988)<br />

S. Hollmann<br />

Fonte de nossa coragem

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!