01_TNSC_T20-21_La-Wally_Programa-Digital

saocarlos

#SÃO

CARLOS

VOLTA A

SUA CASA

EDIÇÃO ARQUIVO 2020-21

TRANSMISSÃO ONLINE

31 JAN 2021 às 16H

Ópera

LA WALLY

de ALFREDO

CATALANI

SAOCARLOS.PT

#CULTURAÉIMAGINAÇÃO

Ópera

gravada a

14 OUT 2020


04

FICHA ARTÍSTICA

05

DE RELANCE

08

A MINHA VIDA

DAVA UMA ÓPERA

ITALIANA

Sérgio Azevedo

21

LIBRETO

143

BIOGRAFIAS


LA WALLY

Alfredo Catalani

[1854–1893]

DRAMA MUSICAL EM 4 ATOS

VERSÃO DE CONCERTO

Música ALFREDO CATALANI

Libreto LUIGI ILLICA [1857–1919]

O libreto é baseado no romance, Die Geier-Wally,

de Wilhelmine Von Hillern [1836-1916].


DIREÇÃO MUSICAL

Antonio Pirolli

WALLY

Zarina Abaeva

GIUSEPPE HAGENBACH

Azer Zada

VINCENZO GELLNER

Luis Cansino

WALTER

Joana Seara

STROMMINGER

Luiz-Ottavio Faria

AFRA

Patrícia Quinta

ALMOCREVE

Nuno Dias

Coro do Teatro

Nacional de

São Carlos

MAESTRO ASSISTENTE

Kodo Yamagishi

Orquestra

Sinfónica

Portuguesa

MAESTRINA TITULAR

Joana Carneiro

DIRETOR DE ESTUDOS MUSICAIS

E DRAMATURGIA

João Paulo Santos

MAESTROS CORREPETIDORES

Joana David

Nuno Margarido Lopes

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

4


LA WALLY

De Relance


ATO I

ATO II

Tra la la! Bravo Gellner!

(GELLNER, STROMMINGER, CORO)

“Canzone Dell'Edelweiss”:

Un di, verso il Murzoll

(WALTER, GELLNER, STROMMINGER, CORO)

Coro: Son cacciator che tornan!

(CORO)

Su per l'erto sentier

(WALTER, HAGENBACH, GELLNER

STROMMINGER, CORO)

Coro: Entro la folla che

intorno s’aggira

(WALTER, HAGENBACH, GELLNER,

ALMOCREVE, CORO)

Quarteto: No! Coll' amor tu

non dei scherzar

(WALTER, AFRA, HAGENBACH, ALMOCREVE)

Eccola qua! La bella

creatura!

(WALLY, WALTER, AFRA, HAGENBACH,

ALMOCREVE, CORO)

Chi osò levar sul padre mio

la mano?

(WALLY, HAGENBACH, STROMMINGER, CORO)

Hagenbach? L'aborro!

(WALLY, GELLNER, STROMMINGER)

Aria: Ebben? … Ne andrò

lontana

Sei tu?! Son io

(WALLY, GELLNER)

Che brami, Wally?

(WALLY, WALTER, AFRA, HAGENBACH, CORO)

Ländler: Gia il canto fervido

(WALLY, HAGENBACH, ALMOCREVE, GELLNER,

CORO)

(WALLY)

Ad ora così tarda

(WALLY, WALTER, CORO)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

6


ATO III

ATO IV

PRELÚDIO

PRELÚDIO

Fa cor, Wally!

(WALLY, WALTER, ALMOCREVE, GELLNER)

Luogo sicuro questo non è più

(WALLY, WALTER)

L'Hagenbach qui?

(WALLY, GELLNER)

Eterne a me d'intorno

(WALLY, WALTER)

Buio è il sentier

(WALLY, AFRA, HAGENBACH, GELLNER, CORO)

Wally! Wally!

(WALLY, HAGENBACH)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

7


A MINHA

VIDA DAVA

UMA ÓPERA

ITALIANA

Sérgio Azevedo

MUSICÓLOGO


A carreira musical de Alfredo Catalani (1854-1893), cortada

cerca aos 39 anos, pela «doença do século», a tuberculose,

foi um acumular de má sorte, por um lado,

e de algo que, tal como o Destino (e até isso é sorte, ou

azar), não se pode prever nem controlar: o talento ao

invés do génio.

Má sorte pela doença, que o terá impedido de deixar

obras-primas, embora na idade em que faleceram,

Schubert (31 anos), Mozart (35 anos), e Chopin (39 anos),

nos tenham deixado centenas de obras incomparáveis,

má sorte por ter sido conterrâneo e contemporâneo

de Puccini (ambos de Lucca, sendo Puccini apenas 4

anos mais novo), má sorte por Ricordi, o pré-equivalente

italiano de Diaghilev na descoberta e manutenção

de reputações operáticas, o ter abandonado ao mesmo

tempo que defendia, com o seu faro quase infalível, um

jovem Puccini ainda não evidentemente genial (apoio

que seria decisivo para a carreira de Puccini), má sorte

por estar entalado entre Wagner e Verdi, de um lado, e

Puccini do outro, com os «veristas» no meio, e má sorte

ainda por a sua estética não ser nem verista nem moderna,

mas algo indefinido, algures entre um neo-romantismo

germanizante, e um italianismo vernacular,

mas algo serôdio que, ainda assim, é inseparável de todos

estes compositores, pesem as influências que na

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

9


altura chegavam a Itália, não só a de Wagner, mas também

a da escola francesa moderna, começando com

Bizet e passando por Massenet, mais tarde com Charpentier

e até com Debussy.

A somar a esta má fortuna, do homem errado na altura

errada, Catalani é a estranha soma de um talento musical

evidente e uma técnica orquestral inegável, com

uma impotência terrível no mundo da ópera tradicional:

a sua incapacidade de escrever uma – ao menos

uma! – ária icónica. Os seus contemporâneos, exceto

Puccini (e já não falo do velho Verdi, nem sequer de

Wagner que, mesmo contando com o seu estilo vocal

mais «arioso» e semi-orquestral, nos deixou, ainda assim,

muitas belíssimas e memoráveis melodias!), sofreram,

de certa forma, do mesmo mal. Quer Ponchieli,

quer Mascagni ou Leoncavallo, foram autores de uma

única ópera bem-sucedida, e de apenas uma (vá lá,

duas) ária memorável. Mas essa única ária foi suficiente

para assegurar a pelo menos uma das suas obras, um

lugar permanente no repertório. Alguém hoje se lembra

de mais alguma coisa de Leoncavallo a não ser da

pungente «vesti la giubba» da ópera Pagliacci? De todas

as árias consideradas como pilares do repertório operático,

e pese embora a sua beleza, «Ebben! Ne andrò

lontana», de La Wally, a única ópera de Catalani que se

pode considerar ainda válida nos palcos de hoje em

dia, é, talvez, a menos conhecida de todas, e desafio a

maioria dos amantes de ópera a lembrarem-se sequer

de como começa. Porém, todos assobiamos as árias da

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

10


Carmen, ou de La bohème… e podemo-nos lembrar aqui

do que dizia Mozart, esse grande melodista e compositor

de óperas geniais, sobre a importância da melodia,

comparando-a com a sabedoria de quem só conhece

as regras do contraponto (=técnica académica) mas é

incapaz de escrever belas árias:

«A melodia é a essência da música. Comparo um

bom melodista com um bom cavalo de corrida, e

os contrapontistas a velhas pilecas; assim […] não

te esqueças do velho provérbio italiano: Chi sa più,

meno sa – Quem mais sabe, menos sabe»

De tal forma era Catalani escravo deste bloqueio melódico

que mesmo «Ebben?... Ne andrò lontana» teve de

ser repescada de uma sua canção anterior («Chanson

Groënlandaise», 1878), pois se não, La Wally corria o risco

de nem sequer uma ária principal conter.

Este handicap de Catalani, que tinha tudo para ser

bem-sucedido, arrastou-se ao longo dos seus 39 anos

de vida, tempo mais que suficiente para escrever seis

óperas e várias obras sinfónicas, o que invalida a tese

de que o compositor «não teve tempo de expandir os

seus talentos» (ideia de Toscanini que foi extremamente

chegado a Catalani, e um dos poucos a batalhar

– ingloriamente – pela sua obra). Também não se

pode atribuir a falta de melodia à influência de Wagner,

visível sobretudo nos interlúdios sinfónicos (in-

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

11


fluência ainda assim mitigada, que tanto pende para

Wagner como para Verdi), e na escolha dos temas e

locais do enredo (a Natureza, na forma das montanhas

do Tirol, os elementos físicos, como a neve, o

carácter intimista e, por vezes, místico, a importância

da orquestra, tudo características do Romantismo

alemão que já se encontram em Beethoven e Weber…).

Não. Como disse uma vez um musicólogo (de quem

não recordo o nome) «La Wally é a obra-prima de Catalani,

mas não é uma obra-prima».

Então, valerá ainda a pena ouvir esta obra? A resposta

é «sim», e este sim prende-se com o facto de, na realidade,

a música ser realmente muito boa, a orquestração

imaginativa e funcional, a escrita vocal e coral plenamente

entusiasmantes, e o todo revelar porque foi

Catalani considerado, durante algum tempo, a maior

promessa da ópera italiana no período pós-Verdi, que

já se adivinhava no horizonte. A ação e a música que a

acompanha raramente falham no propósito de agarrar

o ouvinte, e mesmo a tão citada dificuldade de

encenar esta ópera devido à espetacular morte da

protagonista na avalancha final não pega hoje em dia

como dissuasor da levada à cena de La Wally, quando

temos meios multimédia, trabalho de iluminação,

projeções digitais e toda uma parafernália técnica que

facilmente resolvem essa questão cénica. Ou seja, enquanto

ouvimos, e vemos a ópera, tudo corre bem, e as

suas duas horas passam depressa.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

12


É quando saímos do teatro que percebemos que, de

todas as belezas que ouvimos, nenhuma praticamente

ficou na memória. Não saímos a trautear, ainda entusiasmados

pelo que escutámos, «Toréador, en garde,

toréador, l’amour l’amour t’attend», mas saímos antes

com a sensação de que passámos duas horas a ouvir

boa música e um bom espetáculo que, «hélas», não nos

deixará memórias específicas e duradouras. De um

ponto de vista que retire árias icónicas da equação, La

Wally é muito superior a, por exemplo, Pagliacci ou a La

Gioconda, e até ganha, a meu ver, em ser feita em versão

de concerto, pois concentramo-nos mais na música e

menos na «distração» cénica.

Porém, o público não se importa de esperar meia-

-hora por «Vesti la giubba» e de estar sentado mais

outra meia-hora sem nada de muito mais relevante

para ouvir em Pagliacci. O fascínio da ária na ópera

italiana é fulcral para o sucesso desta, e Ricordi, o

editor e ex-protetor de Catalani, sabia-o bem, e foi

(provavelmente) por perceber essa incapacidade de

Catalani segurar o seu público com esse momento de

catarse melódica que o abandonou à sua sorte.

Se, porém, a música de Catalani padece dessa falta de

sentido do entretenimento popular, já a sua relação

com Ricordi, Toscanini e, principalmente, a sua relação

com o odiado rival Puccini, daria uma boa ópera verista,

ou uma boa tragicomédia italiana, na linha de um

Totò. Ou talvez Fellini, na linha do seu amargo Ensaio de

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

13


Orquestra, a pudesse ter filmado!

O ódio a Puccini parece ter sido unilateral, e tardio,

uma vez que ambos se frequentaram amigavelmente

na juventude, e que Puccini declarou várias vezes o seu

interesse pela obra do colega mais velho, então a grande

esperança da ópera italiana. Sobre a ópera Dejanice,

de Catalani, escreveu Puccini numa carta para casa:

«O público em geral não entra em êxtase no que

toca a esta ópera, mas penso que, artisticamente

falando, é uma bela obra, e se a repetirem, irei

ouvi-la novamente»

A deterioração das relações deu-se após os primeiros

sucessos de Puccini e o abandono de Catalani por

Ricordi, e foi, compreensivelmente (ou não tem sido a

ópera, desde sempre, o terreno mais fértil para todas

as intrigas, paixões, invejas e ciúmes?), motivado pelo

sucesso mais rápido de um colega mais novo, nascido

na sua própria terra, e pela doença fatal que lhe amargava

o coração (pois não era apenas de Puccini que

Catalani se queixava e sentia ciúmes, embora este, por

ser o mais bem-sucedido de todos os colegas, fosse o

alvo preferencial).

Os ciúmes de Catalani, que acusou várias vezes Puccini

de o plagiar (e é certo que este foi buscar, como todos os

compositores, algumas ideias a outros colegas, incluin-

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

14


do Catalani, mas Catalani e os seus amigos exageraram

fortemente as insinuações que fizeram) também terão

tido alguma relação com os elementos comuns a ambos

os compositores, nomeadamente, e segundo Mosco

Carner (na sua excelente biografia de Puccini datada de

1958) a propensão dos dois toscanos para uma melancolia

supostamente típica da sua terra natal. E todos sabemos

que não há guerra pior do que a de entre irmãos:

«[…] esta melancolia, evidente na sua povera faccia

– tão bem conhecida dos seus íntimos – na velada

e distante mirada dos seus olhos e nos cantos

descaídos dos seus lábios. Tem sido sugerido que

esta é a característica tristeza Toscana, la mestizia

Toscana. O seu amigo e conterrâneo de Lucca,

[Alfredo] Catalani, mostrava-a também – no seu

semblante e na sua música, a qual é marcada por

uma expressão de delicado desespero.»

As opiniões de Catalani sobre Ricordi e mesmo sobre

o velho Verdi, ambos apoiantes de Puccini como o «sucessor»

do grande mestre, não deixaram de magoar

alguém que, até há pouco tempo, era considerado o

futuro da arte da ópera em Itália, pedestal que rapidamente

caiu com o advento do «Verismo» e com a estrela

fulgurante de Puccini. Confessa-se desta forma Catalani

numa carta a um amigo íntimo:

«Estou a dizer-te estas coisas em confidên-

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

15


cia, porque és meu amigo íntimo; mas de ti,

meu caro, não consigo esconder a amargura

que sinto no coração quando vejo o que está

a acontecer, e assusta-me o meu futuro, agora

que só existe um editor [Ricordi], e que esse

editor não quer saber de mais ninguém a não

ser de Puccini. Sabias que até o próprio Verdi

[…] interveio, de modo a que Edgar [a 2.ª ópera

de Puccini] fosse repetida este ano no La

Scala […]? Tudo isto me parece absurdo…; mas

é evidente que tem de ser assim, porque nestes

nossos dias, as “dinastias” reinam mesmo no

âmbito da arte, e eu sei que Puccini “tem” de

ser o sucessor de Verdi… o qual, como um Bom

Rei, convida o “Príncipe Herdeiro” para jantar!

Oh, que comédia é o Mundo, e que horrorosa

comédia! E como estou farto disto tudo!»

Uma das últimas cartas de Catalani, escrita já às portas

da morte, a propósito do primeiro grande sucesso

de Puccini, Manon Lescaut, termina a «tragicomédia» de

forma pungente:

«Milão, 28 de fevereiro de 1893:

O ar daqui está saturado de um entusiasmo extraordinário

por Puccini [“Puccinianismo”]. Todos

os jornais e todos os teatros estão a seu favor. Sortudo

do Puccini, que soube plantar firme os seus

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

16


pés na terra. Eu, ainda não o consegui. La Wally

devia ter sido cantada em Brescia este ano, mas

em vez disso… Juro-te que só me queixo da parcialidade

mostrada por Ricordi. Devia haver espaço

para todos neste mundo, mas não é essa a visão

da Casa [Ricordi].»

Podemos então, agora que todos os intervenientes estão

mortos, e o tempo que passou já é suficiente para

termos ideia do valor intrínseco das obras, tentar avaliar

os méritos relativos e absolutos de La Wally e de

Alfredo Catalani. Toscanini, que também respeitava

Puccini, foi no entanto o grande defensor de Catalani,

que possivelmente considerava o melhor dos dois. Não

obstante o seu fervor prosélito (que o levou a chamar

a sua primeira filha de «Wally»…), gravou apenas alguns

interlúdios orquestrais das óperas, e se bem que tenha

conseguido levar La Wally ao palco do Met em 1909,

nunca conseguiu garantir a sua permanência no mesmo,

e somente em 1952 gravou excertos dessa ópera.

Também Mahler mostrou grande entusiasmo por Dejanice

(1883), tendo, aliás, sido o primeiro grande nome

do meio musical a reconhecer o potencial de Catalani.

Então, e além da já mencionada falta de habilidade melódica

do compositor, da sua doença, e da competição

do «Verismo» e de Puccini (não suficientes para, só por

si, o deixarem cair no esquecimento), o que é que correu

mal? Penso que a resposta é a que Catalani já dera

a si próprio: Ricordi.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

17


Como Diaghilev mais tarde nos Ballets Russes (lembremo-nos

da competição Stravinski / Prokofiev), o empresário

italiano podia fazer e desfazer reputações a

seu bel-prazer, e manter uma carreira à tona ou afundá-la,

sendo, para mais, o maior, e quase omnipotente,

editor italiano de ópera.

Recordemos que uma ópera é um empreendimento

perigoso para um compositor. Necessita de vários

colaboradores, demora meses a escrever, a ensaiar e

a montar, o custo de fazer os materiais é alto e, ontem

como hoje, não era nada fácil conseguir os favores do

palco no meio da feroz competição da época. Na verdade,

uma casa editora e um teatro que montam uma nova

ópera, ou um estúdio que lança um filme de grande

orçamento, correm um grande risco. Se, depois de tanto

trabalho e dinheiro gasto na produção, esta não se

mantém mais do que dois ou três dias em cena e o seu

insucesso afasta outros potenciais interessados em a

montar, se a crítica a arrasa, e o público se desinteressa,

uma casa editora pode ruir somente com o passivo

acumulado de uma ou duas más produções, mesmo

uma casa poderosa como já era a Ricordi.

Não haveria também, certamente, muitos fundos de reserva

para apostar em simultâneo em vários compositores,

a maioria dos quais, pela estatística da história

da ópera, não seriam mais do que fracassos ou meios-

-sucessos. Assim, é natural que o «faro» quase infalível

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

18


de Ricordi, a que se juntou a boa opinião (bastante rara)

de Verdi sobre esse jovem promissor que era Puccini,

convergissem para que Catalani, que até aí somente

conseguira semi-êxitos ou fracassos, fosse abandonado

em favor de Puccini que, acertadamente, veio a dominar

a música italiana de entre o final do século XIX e

as primeiras duas décadas e meia do século XX. E isso

foi o fim de Catalani, como o foi de Franco Alfano, de

Riccardo Zandonai e de tantos outros que tentaram a

sua sorte, por vezes unicamente, nesse que é o género

mais ingrato de todos: a ópera.

Hoje em dia, estamos mais conscientes das virtudes

e dos defeitos de La Wally, e das restantes óperas de

Catalani, e da comparação que podemos fazer com

as obras suas contemporâneas, para recolocar este

quase ignorado compositor no lugar que lhe é devido.

Se, como vimos, a melodia «fácil de lembrar», o hit

melódico não era o seu forte, se inclusive precisou

de repescar a sua melodia mais conhecida para La

Wally, também é certo que os quatro prelúdios orquestrais

desta ópera são de uma extrema delicadeza

de expressão, numa linha que, vinda de Verdi,

vai passar por Puccini e continua em tempos mais

recentes na obra de compositores de cinema, como

Nino Rota ou Ennio Morricone, para quem estes antecessores

são a máxima inspiração. Também me

parece evidente que a escrita coral, o movimento

das cenas, a continuidade e o interesse musical são

constantes, e que tudo isso assegura um bom espe-

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

19


táculo, mesmo sem a profusão melódica que Mozart,

Puccini, Bizet ou Verdi conseguiam obter.

A orquestração é sempre clara e eficaz, e evita – dada

a influência de Verdi e Wagner – aquele som amorfo

de «acompanhamento» que tantas vezes «humilha» as

possibilidades da orquestra em favor unicamente do

esplendor das vozes, algo que sucede mesmo nas primeiras

óperas de Verdi, e que se torna confrangedor

em tantas obras veristas ou naquelas que exaltam o

conceito do Bel Canto.

La Wally não é a obra-prima com que Catalani terá

sonhado um dia escrever para derrotar Puccini e

os «veristas», mas é decerto mais, bem mais, do que

simplesmente uma ópera quase desconhecida, cuja

mais-valia parece apenas consistir numa única

ária bonita, mas não tão «assobiável» como as suas

congéneres mais populares.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

20


LA WALLY

Libreto


LA WALLY – ALFREDO CATALANI

22 LA WALLY – ALFREDO CATALANI

23



ATTO PRIMO

ATO I

SCENA UNICA

CENA ÚNICA

L’HOCHSTOFF

ALDEIA DE HOCHSTOFF

Largo piazzale ingombro da tavole.

A sinistra la casa dello

Stromminger; a destra l’alpestre

paesaggio sparso di case e di pini.

Nel fondo le altre case

dell’Hochstoff in mezzo alle

quali serpeggiando passa la

strada; poi, più alto, un ponte

che unisce due rupi gigantesche

dominanti l’abisso profondo dove

scorre l’Ache. A capo del ponte

un grande crocifisso dinanzi

al quale pende una lampada. Un

sentiero tortuoso, per curve ora

dolci, ora aspre, tracciato fra

i massi che lo frastagliano,

sale alto, ora scomparendo,

ora apparendo improvvisamente,

e si smarrisce fra le ardite

ineguaglianze del paesaggio.

Nell’ultimo fondo le altissime

vette del Murzoll e del Similaun

coperte di neve. È il vespro.

Um grande largo repleto de mesas.

À esquerda a casa de Stromminger;

à direita a paisagem alpestre com

algumas casas e pinheiros dispersos.

Ao fundo, as outras casas de

Hochstoff por entre as quais

serpenteia uma rua; mais acima,

uma ponte que liga dois penhascos

gigantescos dominando o abismo

profundo onde corre o rio Ache. No

topo da ponte, um grande crucifixo

diante do qual pende uma lanterna.

Uma vereda tortuosa, com curvas

ora suaves, ora acidentadas,

seguindo por entre os rochedos

que o cercam, conduz ao cimo,

ora desaparecendo, ora surgindo

inesperadamente, e desaparece

por entre as irrregularidades

alcantiladas da paisagem. Em

último plano, os cumes altíssimos

do Murzoll e do Similaun cobertos

de neve. É a hora do crepúsculo.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

24


Lo Stromminger festeggia il suo

settantesimo anno; beve in mezzo

ad alpigiani, cacciatori, pastori

e contadini suoi ospiti.

Tavole imbandite, sparse pe ‘l

piazzale. Nel fondo un bersaglio;

Vincenzo Gellner lo abbatte in

onore dello Stromminger con

un ardito colpo di carabina.

Nel fondo del piazzale danzano

allegramente fanciulle e

cacciatori. Gruppi di contandine

stanno loro intorno.

Stromminger festeja os seus

setenta anos, bebe na companhia

de montanheses, caçadores, pastores

e camponeses seus convidados.

Mesas bem servidas, distribuídas

pelo largo. Ao fundo um alvo;

Vincenzo Gellner abate-o em

honra de Stromminger com um

certeiro tiro de espingarda.

Ao fundo do largo raparigas

e caçadores dançam alegremente.

Grupos de camponeses

rodeiam-nos.

Lo Stromminger all’alzarsi della

tela, è seduto; egli è allegro

e un po’ alticcio.

Stromminger ao erguer do pano

está sentado; está alegre

e um pouco «tocado».

STROMMINGER (all’ardito colpo

di Vincenzo Gellner si leva dalla

poltrona e corre a lui abbracciandolo)

Bravo mio Gellner!

STROMMINGER (perante o tiro certeiro

de Vincenzo Gellner, levanta-se da

poltrona e corre a abraçá-lo)

Bravo, caro Gellner!

ALCUNI (sentenziando)

Bel colpo davvero!

ALGUNS (com apreço)

Belo tiro realmente!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

25


STROMMINGER (ironico)

Ho inteso dir che a Sölden v’abbia

un tale che si vanta il più destro

cacciatore...

(indica sorridendo il bersaglio

atterrato da Gellner)

E sdegna alter que’ facili bersagli!

STROMMINGER (irónico)

Ouvi dizer que em Sölden há alguém

que se gaba de ser o mais hábil dos

caçadores...

(aponta sorridente para o alvo

derrubado por Gellner)

E que desdenha alvos fáceis!

GELLNER (cupo)

Sì... l’Hagenbach!

GELLNER (sombrio)

Eu sei... o Hagenbach!

STROMMINGER (ridendo più

fortamente)

Lui proprio... or mi ricordo ch’io ne

conobbi il padre... un orgoglioso...

(vedendo Gellner abbuiarsi in volto,

tronca il suo discorso)

Al diavol l’Hagenbach e quei di

Sölden!

(trascina Gellner a bere

e beve primo)

A te, mio Gellner!

STROMMINGER (rindo mais alto)

Esse mesmo... Agora me lembro que

conheci o pai dele...

Um orgulhoso...

(vendo a expressão sombria do rosto

de Gellner, muda de conversa)

O Hagenbach que vá para o diabo

mais os de Sölden!

(leva consigo Gellner para beberem e

bebe ele primeiro)

À tua, caro Gellner!

ALCUNI (attorniandoli e bevendo)

Bevi!...

ALGUNS (rodeando-os e bebendo)

Bebe!...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

26


ALTRI

Evviva Gellner!

OUTROS

Viva Gellner!

(Un giovanetto entra dalla destra.

È Walter, suonatore di cetra, cantore

di fole e di leggende.)

(Um rapaz entra vindo da direita.

É Walter, tocador de cítara, cantador

de histórias e de lendas.)

STROMMINGER (vedendolo)

Che cerchi, piccol Walter?

STROMMINGER (avistando-o)

Que procuras, meu pequeno Walter?

WALTER (avanzandosi)

La tua Wally...

WALTER (avançando)

A tua Wally...

STROMMINGER (crollando le spalle)

E chi può dirti ov’ella si

nasconda?

Se nella valle... oppur pe’ gli alti

greppi... sovra il ramo d’un pino

o in una tana?

Che brami tu di lei?

STROMMINGER (encolhendo os ombros)

E quem poderá saber onde ela se

esconde?

Se no vale... se nos penhascos dos

cimos... num ramo de um pinheiro

ou numa toca?

Que queres tu dela?

WALTER

Cantiamo insieme.

WALTER

Cantarmos juntos.

STROMMINGER

È un bel mestiere per seccar la

gente!

STROMMINGER

É uma boa função para maçar as

pessoas!

(alcuni ridono)

(alguns riem-se)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

27


WALTER (piccato)

Eppur, se udiste, una canzon

conosco... una canzon sì bella...

WALTER (picado)

E, no entanto, se ouvissem uma canção

que eu conheço… uma canção tão bonita…

DONNE (a Walter pressandolo

da vicino)

Walter, cantala!

MULHERES (para Walter,

incentivando-o, à volta dele)

Walter, canta-a!

WALTER (continuando)

... dell’Edelweiss è la canzone!

È un jodler

mesto, soave, blando...

come un bacio.

WALTER (continuando)

… é a canção do Edelweiss!

É um iodelei

triste, suave, delicado...

como um beijo.

DONNE

Canta!

MULHERES

Canta!

FANCIULLE (pregando)

Canta!

STROMMINGER

Pettegole, tacete!

(a Walter con fare seccato)

Ebben, udiam, codesta meraviglia!

RAPARIGAS (suplicando)

Canta!

STROMMINGER

Calai-vos, tagarelas!

(para Walter com um ar aborrecido)

Pois então, ouçamos essa maravilha!

(Tutti circondano Walter; chi

siede, chi si appoggia alle tavole;

alcuni a gruppi; altri in disparte

soli; Stromminger seduto nella sua

poltrona; Gellner a cavalcioni di una

panca. Walter leva la cetra e canta.)

(Todos rodeiam Walter; que se senta,

apoiando-se numa mesa, formam-se

grupos; outros, mantêm-se à parte

isolados; Stromminger sentado na sua

poltrona; Gellner escarranchado num

banco. Walter pega na cítara e canta.)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

28


WALTER

Un dì, verso il Murzoll, una fanciulla,

per un erto sentiero,

movea il piè leggiero;

lenta ascendendo la montagna

brulla! Giù sussurrava il vento;

parea un lontano pianto tornava

allegro canto

e finiva in lamento!...

Co’ raggi intanto l’avvolgeva il sole

ed ella ognor salia

la solitaria via.

Stavano intorno a lei le nubi sole!

E poiché giunta

fu su l’alto monte

presso alla neve bianca...

la pellegrina stanca...

(Gellner, turbato, si scuote; si allontana

cangiando posto)

(continuando)

Quando fu giunta su, ne’ l’alto

monte presso alla neve bianca...

WALTER

Um dia, pelo Murzoll, uma rapariga,

por uma vereda íngreme,

seguia em passo ágil;

devagar subindo a montanha

agreste!

Ao fundo sussurrava o vento;

mais parecia um pranto distante

tornava-se em alegre canto

e acabava num lamento!...

Já o sol com os seus raios a envolvia

e ela continuava a subir

o caminho solitário.

Em torno dela nada mais que nuvens!

E assim que chegou ao cimo do monte

junto da neve branca...

a peregrina cansada...

(Gellner, perturbado, agita-se; afastase

mudando de lugar)

(prosseguindo)

Quando chegou ao cimo, no alto monte

junto à neve branca...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

29


GELLNER (con voce soffocata)

(Nuova questa canzon, non torna a

me! Altra volta il mio cor per lei batté!)

GELLNER (com voz sufocada)

(Nova esta canção? Não me parece!

Já fez em tempos bater meu coração!)

WALTER

... la pellegrina stanca

sciolse le treccie e chinò il bianco

fronte.

E disse: «O figlia candida di dio,

risplender t’ho veduta giù da la valle

muta,

non l’aspro m’atterrì

lungo pendio!

A te qui son venuta;

esser siccome te, bella desio!»

Ed ecco intorno a lei

livide e strane figlie apparir,

larve sovrumane!

Candide gocce la baciaron in fronte...

e la valanga scosse il vecchio monte!

No, non piangete sulla triste sorte

della sua morte...

Là, della neve ascosa nel candor,

vive mutata la fanciulla in fior!

WALTER

... a peregrina cansada

soltou as tranças e inclinou a fronte

clara.

E disse: «Ó pura filha de Deus,

resplender te vi

do fundo do vale emudecido,

não me demoveu a áspera

e longa encosta!

Quis vir aqui ter contigo;

ser como tu, assim bela, desejo!»

E eis que à volta dela jovens

estranhas e lívidas começam

a surgir, espíritos sobrenaturais!

Gotas imaculadas beijam-lhe a fronte...

e a avalanche sacode o velho monte!

Não, não choreis a triste sorte

da sua morte...

Aí, pela neve oculta na alvura,

vive a donzela transformada em flor!

STROMMINGER

Non c’è che dire!... È veramente bella!

STROMMINGER

Não há que negar!... É realmente bela!

TUTTI

Bella è davver!

TODOS

É bela de verdade!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

30


WALTER (ridendo)

(a Stromminger)

Ebben... È di Wally!

WALTER (rindo-se)

(para Stromminger)

Pois bem... É da Wally!

STROMMINGER (sorpreso)

Toh! Di mia figlia, un canto così

mesto?!

Giammai l’avrei creduto!...

STROMMINGER (surpreendido)

Ná! Da minha filha, uma canção

assim triste?!

Não posso acreditar!...

WALTER (sorridendo trionfante)

Eppur è suo!

WALTER (sorrindo triunfante)

E no entanto é dela!

GELLNER

(Non m’ingannai!... era il suo canto!...

Ohimè, freddo è il tuo cor come la

neve o Wally!)

GELLNER

(Não me enganava!... era a canção

dela!... Ai de mim,

como a neve, frio é o teu coração, Wally!)

(Dal fondo oltre il piccolo ponte,

echeggiano suoni di corni da caccia e

si leva lontano un canto di cacciatori.)

(Do fundo, além da pequena ponte,

ecoam os sons de trompas de caça

e ouve-se ao longe uma canção de

caçadores.)

CACCIATORI (intornamente,

avvicinandosi alla strada

dell’Hochstoff)

Su, cacciator ritorna! Cade il sol

all’orizzonte.

Le nubi l’aquila fende col vol e riede

al monte.

Di roseo colora l’alpe d’intorno.

Echeggi il corno!

CAÇADORES (ao longe, em direção à

rua de Hochstoff)

Vamos, caçador regressa!

Cai já o sol no horizonte.

A águia fende as nuvens com seu voo

e volta ao monte.

A luz rosada tinge

os montes em redor.

Faz soar a tua trompa!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

31


LA WALLY – ALFREDO CATALANI

32 LA WALLY – ALFREDO CATALANI

33



DONNE (allegre)

Odi i corni echeggiar.

MULHERES (alegres)

Ouve-se soar as trompas.

UOMINI

Son cacciatori che tornano!

HOMENS

São os caçadores que regressam!

STROMMINGER (colla voce rauca

dell’avvinazzato, sempre seduto)

Ben vengano!

STROMMINGER (com voz rouca de

ébrio, continuando sentado)

Bem-vindos!

DONNE

Di Sölden

sono di certo! Allegro è il loro canto!

MULHERES

São de Sölden certamente!

É alegre a canção deles!

(i cacciatori appaiono a capo del

ponte)

(os caçadores surgem no topo da

ponte)

UOMINI

Eccoli là! Vengono qua!

HOMENS

Ei-los! Vêm para aqui!

DONNE

Già il ponte varcano!

MULHERES

Atravessam já a ponte!

(i cacciatori varcano il ponte, e si

avvicinano all’Hochstoff)

(os caçadores atravessam a ponte, e

aproximam-se de Hochstoff)

TUTTI

È l’Hagenbach!

TODOS

É o Hagenbach!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

34


STROMMINGER (si lascia sfuggire un

gesto di disprezzo, ma volto il capo

e vedendo i cacciatori venirsene

all’Hochstoff, brontola con voce

chioccia)

Colmi i bicchier!

STROMMINGER (deixa escapar um

gesto de desprezo, mas ao voltar

a cabeça e vendo os caçadores

aproximando-se de Hochstoff, ordena

com voz roufenha:)

Esses copos cheios!

CACCIATORI

Ritorna, cacciatore! Il camoscio

abbandona già la vallata, il corno

suona all’impazzata!

Il tramonto colora l’alpe rosea d’intorno.

Echeggi il corno!

CAÇADORES

Volta, caçador! A camurça abandona

já o vale, a trompa soa endoidecida!

O pôr do sol tinge de cor rosada

os montes em redor.

Faz soar a tua trompa!!

(Alla testa dei cacciatori procede

un giovane ardito. Come un trofeo

costui porta, avvoltolata intorno alla

canna della carabina, una pelle di

orso ancora gocciante sangue.

È Giuseppe Hagenbach di Sölden.)

(À frente dos caçadores avança um

jovem de ar ousado. Como um troféu,

traz em volta do cano da espingarda

uma pele de urso ainda a gotejar

sangue. É Giuseppe Hagenbach,

de Sölden.)

STROMMINGER (levandosi con

sforzo e andando loro incontro)

Salute cacciatori!

STROMMINGER (levantando-se com

esforço e caminhando ao encontro deles)

Viva, caçadores!

HAGENBACH, CACCIATORI

E a voi salute!

HAGENBACH, CAÇADORES

As nossas saudações!

STROMMINGER

E fu buona la caccia?

STROMMINGER

E foi boa a caça?

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

35


CACCIATORI (mostrando allo

Stromminger la pelle sanguinolente

dell’orso)

Buona assai...

CAÇADORES (mostrando a

Stromminger a pele ensanguentada

do urso)

Muito boa...

HAGENBACH

Guardate qua!

HAGENBACH

Veja isto!

STROMMINGER (da conoscitore)

Chi fece il bel colpo?

STROMMINGER (em tom de conhecedor)

De quem foi este belo tiro?

CACCIATORI

Chi, e lo chiedete?

L’Hagenbach soltanto può tai

colpi menar!

CAÇADORES

Quem? Ainda pergunta?

Só o Hagenbach

consegue disparar tiros destes.

HAGENBACH

Un solo! Al cuore!

HAGENBACH

Um só! Direito ao coração!

(Stromminger guarda muto e

immusonito il segno del colpo,

mentre intorno a lui un mormorio di

ammirazione erompe da tutti.)

(Stromminger observa mudo

e carrancudo a marca do tiro,

enquanto à sua volta um murmúrio

de admiração irrompe de todos os

presentes.)

TUTTI

Degli uccisori d’orsi il premio hai

vinto!

TODOS

Merece o prémio do melhor caçador

de ursos!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

36


ALTRI

Son circa venti bei fiorini d’oro!

OUTROS

São uns belos vinte florins de ouro!

HAGENBACH (siede a cavalcioni di

una tavola volgendo in parte le spalle

senza accorgersene allo Stromminger;

e narra:)

Su per l’erto sentier lentamente

salia...

e me tentava nella lunga via della

caccia il pensier!

Quand’ecco un urlo fendere

l’aer nevoso e, ritto,

a me dinante ecco apparir

codesto orso gigante!

ALCUNI

E allor?

DONNE

Spavento!

ALTRI

Sul sentier?

TUTTI

E allora?

HAGENBACH (senta-se escarranchado

numa mesa de costas voltadas para

Stromminger sem se aperceber disso;

e conta:)

Subia a vereda íngreme

lentamente...

e tentava-me no longo caminho

o pensamento da caça!

Quando de repente um urro fende

o ar nevado e diante de mim

vejo surgir, levantado,

este urso gigante!

ALGUNS

E depois?

MULHERES

Que horror!

OUTROS

Na vereda?

TODOS

E depois?

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

37


HAGENBACH

M’arresto! Guato!

L’abisso ho a manca

ed a destra un fossato

e la montagna bianca!

Dunque forza è lottare per la vita

ché già l’orso s’avanza!

E me rafforza e incita la suprema

speranza!

Snudo il coltello m’avvinghio all’irto

vello!

(descrive col gesto e colle parole)

Così! In un laccio

d’un lungo abbraccio!

Colle zanne ei m’afferra ed avido

le affonda

e già il sangue m’inonda...

e già quasi m’atterra...

TUTTI

O supremo momento! E allor?

E allora?...

HAGENBACH (rivolgendo le parole alla

pelle sanguinosa)

O bruno re, perché alla selva oscura

rivolgi il guardo quasi a un mesto

addio?

Perché in un lungo ed ultimo desìo

la tua pupilla si scolora e oscura?...

Va per le valli un urlo di dolor!

HAGENBACH

Paro! Atento!

O abismo à minha esquerda

e à direita um fosso

e a montanha branca!

É pois forçoso lutar pela vida

que já o urso avança!

Mas dá-me forças e me incita

a suprema esperança!

Tiro a faca

e agarro-me àquele pêlo crespo!

(descreve com gestos e com palavras)

Assim! Com o laço

de um apertado abraço!

Ele aferra-me com as presas

e enterra-as com avidez

e já o sangue me inunda...

e já quase me derruba...

TODOS

Ó momento terrível! E depois?

E depois?...

HAGENBACH (dirigindo-se à pele

ensanguentada)

Ó pardo rei, porque volves para a

selva escura

o teu olhar como que num triste adeus?

Por que numa longa e derradeira ânsia

a tua pupila se descora e se tolda?...

Corre pelos vales um urro de dor!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

38


Rantola l’orso e ne’ l’abisso muor!...

(sorride sprezzante, canticchiando un

brano di vecchia canzone)

Non è l’oro, no, che tenta ai perigli il

cacciator... è la gloria che cimenta

gli ardimenti alti del cor!

Arqueja o urso e no abismo morre!...

(sorri desdenhoso, cantarolando um

trecho de uma canção antiga)

Não é o ouro, não,

que atrai ao perigo o caçador...

é a glória que alimenta

a ousadia do coração!

TUTTI

Evviva l’Hagenbach!

TODOS

Viva Hagenbach!

STROMMINGER (interrompendo e

provocante)

Ma si direbbe che gli orsi fur creati

sol per voi!

STROMMINGER (interrompendo e

provocante)

Mas até parece que os ursos foram

criados só para si!

HAGENBACH (volgendosi)

Che dir volete?

HAGENBACH (voltando-se)

Que quer dizer com isso?

STROMMINGER

Che v’è un uom che s’ebbe

molte di queste glorie,

e men iattanza!

STROMMINGER

Que há um homem que ganhou

muitas dessas glórias,

e com menos jactância!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

39


LA WALLY – ALFREDO CATALANI

40 LA WALLY – ALFREDO CATALANI

41



HAGENBACH (calmo)

E chi è costui?

HAGENBACH (calmo)

E quem é ele?

STROMMINGER (picchiando colla

mano sul suo petto)

Stromminger!

STROMMINGER (batendo com a mão

no peito)

Stromminger!

HAGENBACH (sorride, sorriso che

finisce coll’esasperare completamente

lo Stromminger che urla)

HAGENBACH (sorri. Um sorriso que

acaba por exasperar completamente

Stromminger que berra:)

STROMMINGER

Sebben vecchio

alla lotta ed alla caccia

polsi e braccia ho forti ancor.

A voi dica la mia faccia l’ardimento

che ho nel cor!

(volgendosi all’Hagenbach e

picchiandogli colla mano sulla spalla)

Ho un consiglio a darti...

STROMMINGER

Mesmo velho

para a luta e a caça

tenho ainda pulsos e braços fortes.

Que vos diga a minha cara

a coragem que tenho no coração!

(dirigindo-se a Hagenbach e dando-lhe

uma palmada no ombro)

Tenho um conselho a dar-te...

HAGENBACH

E qual?

HAGENBACH

E qual é?

STROMMINGER

Non ridere!

Potrei farti arrossir! Se avesser

labbra le spalle di tuo padre potrian

dirti di Stromminger qualcosa...

STROMMINGER

Não te rias!

Poderia fazer-te corar! Se tivessem

lábios, as costas do teu pai poderiam

dizer-te alguma coisa sobre

Stromminger...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

42


HAGENBACH (impallidendo)

Ah! Voi mentite!

HAGENBACH (empalidecendo)

Ah! Está a mentir!

STROMMINGER (fuori di sé gli si

avventa contro urlando)

Dio mi danni! Nessun ha osato

ancora dirmi così!

STROMMINGER (fora de si atira-se a

ele berrando)

Diabos me levem! Nunca ninguém

ousou dizer-me tal

HAGENBACH (afferra lo Stromminger

e lo caccia violentemente sotto di sé a

terra urlando alla sua volta)

Sarò io il primo!

HAGENBACH (agarra Stromminger

e atira-o violentamente ao chão

berrando por sua vez:)

Serei eu o primeiro!

CACCIATORI (quelli dell’Hochstoff

con Gellner accorrono in difesa

dello Stromminger: i cacciatori di

Sölden si frappongono in soccorso

dell’Hagenbach gridando minacciosi)

Guai a chi lo tocca!

Guai!...

CAÇADORES (os de Hochstoff e Gellner

acorrem em defesa de Stromminger;

os caçadores de Sölden interpõem-se

em socorro de Hagenbach gritando

ameaçadores:)

Ai de quem

puser as mãos nele! Cuidado!...

DONNE

Ciel! Che avverrà?

MULHERES

Meu Deus! Que irá acontecer?

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

43


(Ad un tratto una strana creatura

irrompe violentamente in mezzo

a quella folla, urtando gli uni,

ricacciando gli altri. È una bizzarra

fanciulla, bizzarramente vestita; ha i

lunghi capelli disordinatamente sciolti

e intrecciati di edelweiss; le braccia

forti, completamente ignude; gli occhi

larghi e profondi pieni di fuoco:

è la Wally!

Vedere suo padre

a terra presso all’Hagenbach,

afferrare costui alle spalle e cacciarlo

con forza lontano così da farlo

barcollare, è un colpo solo.)

(De repente uma singular criatura

irrompe violentamente pelo meio

daquela multidão, empurrando

uns, repelindo outros. É uma

estranha rapariga, bizarramente

vestida; tem cabelos compridos

desordenadamente soltos e enfeitados

com flores de edelweiss; os braços

fortes, completamente desnudados;

os olhos grandes e profundos estão

flamejantes: é Wally! Ao ver o seu

pai no chão aos pés de Hagenbach,

agarra este pelas costas e de um só

golpe empurra-o com força para

longe fazendo-o vacilar.)

WALLY

Chi osò levar sul padre la mano?

WALLY

Quem ousou levantar a mão contra o

meu pai?

HAGENBACH (furioso si volge; ma

vedutosi di fronte una fanciulla,

resta sorpreso dapprima, poi quasi

vergognoso balbetta:)

Primo ei m’offese!

(la Wally ha riconosciuto l’Hagenbach!

Una profonda sensazione di dolcezza

passa nei suoi sguardi; impallidisce e

rimane immobile, muta, sorpresa, gli

occhi suoi fissi nel volto di lui)

HAGENBACH (volta-se furioso; mas

vendo-se diante de uma rapariga,

começa por ficar surpreendido, e

depois quase envergonhado balbucia:)

Ele ofendeu-me primeiro!

(Wally reconhece Hagenbach! Uma

profunda sensação de doçura passa

no seu olhar; empalidece e permanece

imóvel, muda, surpreendida, os olhos

fixos no rosto dele)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

44


STROMMINGER (che si è intanto

rialzato, furioso dice all’Hagenbach:)

Va’ via, accatta brighe!

(ai cacciatori di Sölden)

Non c’è più vin per voi!

STROMMINGER (que entretanto se

levantou, furioso, diz a Hagenbach:)

Vai-te daqui, só arranjas brigas!

(aos caçadores de Sölden)

Não há mais vinho para vós!

HAGENBACH (guardando bieco la

Wally)

Strana creatura!

HAGENBACH (observando Wally de

viés)

Estranha criatura!

CACCIATORI (cercando di condurre

via l’Hagenbach)

Vientene via...

CAÇADORES (procurando arrastar

com eles Hagenbach)

Vamos embora…

STROMMINGER (all’Hagenbach)

Tu?... Non temer! T’aspetta ben più

d’un orso!

STROMMINGER (dirigindo-se a

Hagenbach)

Tu?... Não te aflijas! Espera-te bem

pior que um urso!

HAGENBACH (allontanandosi

trascinato via dai suoi)

Maledetto vecchio che m’hai

costretto a un atto così vile!

HAGENBACH (afastando-se arrastado

pelos amigos)

Maldito velho que me obrigou a uma

ação assim tão vil!

WALLY (con un gesto ferma

l’Hagenbach che si volge sorpreso. La

voce della Wally non è più minacciosa,

ma trema così che si direbbe un

singhiozzo)

Non dir così! Sei giovane... la balda

giovinezza più a perdonar che

all’odio e al maledir è avvezza...

WALLY (com um gesto detém

Hagenbach que se volta surpreendido.

A voz de Wally não é já ameaçadora,

mas treme de tal modo que se diria

um soluço)

Não fales assim! És jovem...

a juventude corajosa

é mais dada a perdoar

do que a odiar e amaldiçoar...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

45


STROMMINGER (adirato)

Che nenia è questa? Taci Wally!

(la spinge verso casa)

STROMMINGER (furioso)

Que treta é essa? Cala-te Wally!

(empurra-a em direção a casa)

CACCIATORI (trascinano via

l’Hagenbach)

Andiamo!

CAÇADORES (arrastando com eles

Hagenbach)

Vamos!

UOMINI

È fuor di sé lo Stromminger!

HOMENS

Está fora de si, o Stromminger!

DONNE

Torniamo...

Torniam! È sera!

MULHERES

Vamos para casa...

Vamos para casa! É noite já!

(E uomini e donne se ne vanno, chi

da una parte, chi dall’altra. La Wally

immobile sulla porta di casa ha

veduto allontanarsi l’Hagenbach

seguendolo co’ gli occhi scomparso,

è rapidamente entrata in casa

Gellner solo è rimasto presso allo

Stromminger.)

(Homens e mulheres saem, uns para

um lado, outros para outro.

Wally imóvel à porta de casa observa

Hagenbach que se afasta, seguindo-o

com o olhar até ele desaparecer, e

depois rapidamente entra em casa.

Apenas Gellner permanece junto a

Stromminger.)

STROMMINGER (come se rispondesse

ad uno sguardo di Gellner)

L’Hagenbach?... L’aborro!

STROMMINGER (como que

respondendo a um olhar de Gellner)

O Hagenbach?... Detesto-o!

GELLNER (strisciandogli vicino)

Che val l’odio del padre... allor che i

figli...

GELLNER (aproximando-se dele)

De que vale o ódio do pai... quando

os filhos...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

46


STROMMINGER

I figli?...

STROMMINGER

Os filhos?...

GELLNER

Non vedeste?

GELLNER

Não viu?

STROMMINGER

Non comprendo!

STROMMINGER

Não compreendo!

GELLNER

Che vostra figlia è innamorata pazza

dell’Hagenbach!

GELLNER

Que a sua filha está loucamente

enamorada do Hagenbach!

STROMMINGER (scosso, livido)

Tu scherzi?

STROMMINGER (chocado, lívido)

Estás a brincar?

GELLNER

O non l’udiste?

Nella sua voce dianzi v’eran lacrime.

GELLNER

Ou não ouviu?

Na voz dela há pouco havia lágrimas.

STROMMINGER

È ver! Che così fosse or mi ricordo!

STROMMINGER

É verdade! Agora me lembro que sim!

GELLNER (con impeto)

Il sol pensier che vostra figlia sposa

esser possa di lui

m’è tal martirio

che maggior non v’ha.

GELLNER (com veemência)

Só a ideia de a sua filha poder ser

mulher dele

é para mim tal martírio

que maior não há.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

47


STROMMINGER (sghignazzando

ironicamente)

Tu mi fai ridere.

Mia figlia? Sposa a lui?

Prima ch’ei l’abbia!

(ad un tratto interrompendosi, colpito

da nuova e subita idea, si avvicina a

Gellner, lo fissa in viso e gli dice:)

Vedo! Comprendo!... Tu l’ami!

(prima che Gellner abbia potuto dire

una parola, il vecchio Stromminger

grida verso la sua casa, chiamando:)

Wally! Wally!...

(la Wally appare sulla porta)

Vincenzo Gellner t’ama!... Sei sua

sposa!

E dentro il mese si faran le nozze.

(lentamente si allontana lasciandoli

soli)

STROMMINGER (sorrindo

ironicamente)

Não me faças rir.

A minha filha? Esposa dele?

Primeiro tem de a vir buscar.

(calando-se de repente, por lhe ocorrer

uma nova ideia repentina, aproxima-se

de Gellner, fixa-o nos olhos e diz-lhe:)

Estou a ver! Já percebi!... Tu ama-la!

(antes que Gellner possa dizer uma

palavra, o velho Stromminger grita em

direção a sua casa, chamando:)

Wally! Wally!...

(Wally aparece à porta)

O Vincenzo Gellner ama-te!… És

noiva dele!

E dentro de um mês estarão casados

(lentamente afasta-se, deixando-os

a sós)

WALLY (calma a Gellner)

Sei tu che domandata hai la mia man?

WALLY (calma, dirigindo-se a Gellner)

Foste tu que pediste a minha mão?

GELLNER (co’ gli occhi a terra)

Ei mi lesse nel core il mio desio...

GELLNER (de olhos no chão)

Ele leu-me no coração esse desejo…

WALLY (avvicinandoglisi)

Gellner ti prego...

WALLY (aproximando-se dele)

Gellner, peço-te…

GELLNER (immobile)

Parla!...

GELLNER (imóvel)

Fala!...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

48


WALLY

Tu sei buono

e un amico ti credo...

WALLY

Tu és bom

e tenho-te por amigo…

GELLNER

Ebben?...

GELLNER

E então?...

WALLY

Rinunzia a me!...

WALLY

Renuncia a mim!...

GELLNER

Perché?

GELLNER

Porquê?

WALLY

Non t’amo!

WALLY

Eu não te amo!

GELLNER

Ebben... che importa?...

T’amo ben io!...

E sei dentro al mio core così

che tutto tuo è il mio pensiero!

(quasi piangendo)

Mi avvolge come un’onda,

un’onda affannosa, Wally, è amor!

A me freme d’intorno un’ebbrezza

profonda!

A questa voce ardente che ci chiama,

o Wally, l’anima tua, deh, schiudi, ed

ama!

E una lunga carezza

e un’ebbrezza infinita

d’eterna giovinezza

sarà la nostra vita!

GELLNER

E então... isso que importa?...

Amo-te eu muito!… E estás no meu

coração de tal modo que a ti pertencem

todos os meus pensamentos!

(quase chorando)

Envolve-me como uma onda,

uma onda anelante, Wally, assim

é o amor!

Tudo à minha volta freme

num êxtase profundo!

A esta voz ardente que nos chama,

Wally, abre a tua alma, ah, e ama!

E uma longa carícia

e um êxtase infinito

de eterna juventude

será a nossa vida!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

49


WALLY (lo guarda negli occhi, fredda,

altera, spiccano le parole)

Non t’amerò giammai... giammai,

m’intendi?

WALLY (olha-o nos olhos, fria, altiva,

destacando as palavras)

Não te amarei jamais... jamais, estás

a ouvir?

GELLNER (stendendo le braccia a lei e

con voce piena di singhiozzi)

Ascolta, Wally...

m’ascolta... ancor ti prego...

GELLNER (estendendo os braços para

ela e com voz soluçante)

Ouve, Wally... ouve-me… volto a

pedir-te…

WALLY

Non t’amerò giammai!

WALLY

Não te amarei jamais!

GELLNER

Ebben ti voglio!

Devi esser mia!

GELLNER

Mas eu quero-te!

Tens de ser minha!

WALLY

Giammai giammai... son libera come

la luce e il vento.

Le tue minacce, o Gellner, non mi

fanno spavento!

Come la rupe d’Oetz è fermo il mio

voler!

WALLY

Jamais, jamais... sou livre

como a luz e o vento.

As tuas ameaças, Gellner,

a mim não me assustam!

Como os rochedos de Oetz,

é firme o meu querer !

STROMMINGER (rientra dal fondo e si

avanza tranquillamente)

Ebbene, o mie colombe?

STROMMINGER (entra pelo fundo e

avança tranquilamente)

E então, meus pombinhos?

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

50


WALLY

Udite, o padre!

Non l’amo e non lo voglio!

WALLY

Oiça, meu pai!

Não o amo e não o quero!

STROMMINGER

Non lo vuoi?

STROMMINGER

Não o queres?

WALLY

No ‘l voglio!

WALLY

Não o quero!

STROMMINGER

Wally bada!

STROMMINGER

Wally, atenção!

WALLY

Non lo voglio!

Sgozzarmi sull’altar, più facil cosa a

voi sarebbe.

(con fierezza)

Immutabile son io!

No, non m’avrà giammai!

WALLY

Não o quero!

Sacrificar-me no altar, seria

para si mais fácil.

(com altivez)

Sou inabalável!

Não, jamais serei dele!

STROMMINGER (minacciandola)

Wally!

STROMMINGER (ameaçando-a)

Wally!

WALLY

Giammai!

WALLY

Jamais!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

51


LA WALLY – ALFREDO CATALANI

52 LA WALLY – ALFREDO CATALANI

53



(passa fra questi tre personaggi

un momento di silenzio,

lungo, profondo. Il vecchio Stromminger

questa volta sa frenarsi. Rivolto alla

figlia, le dice)

(instala-se entre estas três

personagens, um momento de silêncio,

longo, profundo. O velho Stromminger

desta vez consegue dominar-se. Volta-se

para a filha e diz-lhe:)

STROMMINGER

Vedi? Già cade il dì!

Pria che rintocchi l’Ave Maria ti

accingi ad obbedir!

Oppur... tu te ne andrai!

La casa mia si chiuderà per te...

(a Gellner)

Gellner, vien via!

(entrano in casa)

STROMMINGER

Vês? Cai já o dia! Antes que soe

a Avé Maria prepara-te para

obedecer!

Senão... vai-te daqui! A minha casa

estará fechada para ti...

(para Gellner)

Gellner, vem daí!

(entram em casa)

WALLY (rimane un po’ pensierosa,

poi si scuote, si guarda intorno)

Ebben? Andrò... andrò sola e lontana,

come va l’eco della pia campana...

là, fra la neve bianca!...

Là fra le nubi d’or!

Laddove appar la terra come una

ricordanza...

ove anche la speranza

è un rimpianto o un dolor...

O della madre mia casa gioconda,

la Wally se ne va lontana assai, e

forse a te non farà più ritorno,

né più la rivedrai!

WALLY (permanece um pouco

pensativa, depois reage, olha à sua

volta)

Pois bem. Partirei... irei só e para longe,

como vai o eco do sino sagrado...

além, entre a neve branca!...

Além, entre as nuvens de ouro!

Aí onde a terra

parece como uma recordação...

onde mesmo a esperança

é um pesar ou uma dor...

Ó alegre casa de minha mãe,

a Wally deixa-te e vai para longe,

e talvez que a ti não volte mais,

e não mais a verás!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

54


Ma fermo è il piè! Già la campana pia

suona, partiam che lunga è la mia

via.

Mas é firme o meu passo! Já o

sino sagrado se ouve, vamos que o

caminho é longo.

(Dal fondo scendono, avviandosi

alla chiesula dell’Hochstoff, Pastori e

Contadini, Vecchi e Vecchie. Con loro

è Walter. Nell’attraversare il piazzale

costoro si imbattono nella Wally.)

(Do fundo descem, dirigindo-se para

a igrejinha de Hochstoff, pastores e

camponeses, velhos e velhas. No meio

deles está Walter. Ao atravessarem o

largo cruzam-se com Wally.)

CONTADINE (vedendo la Wally, sola,

tutti si fermano sorpresi)

Ad ora così tarda e così sola,

Wally, dove vai?

CAMPONESAS (vendo Wally, sozinha,

param todos, surpreendidas)

A hora tão tardia e tão sozinha,

Wally, onde vais?

WALLY

Mio padre m’ha cacciata!

WALLY

O meu pai expulsou-me!

WALTER, CONTADINI, CONTADINE

(maggiormente sorpresi)

Tuo padre ti ha cacciata?

WALTER, CAMPONESES, CAMPONESAS

(extremamente surpreendidos)

Teu pai expulsou-te?

WALLY

Vuol ch’io sposi

Vincenzo Gellner...

WALLY

Quer que eu me case

com Vincenzo Gellner...

WALTER, CONTADINI, CONTADINE

Dove te n’andrai?

WALTER, CAMPONESES, CAMPONESAS

Para onde vais tu?

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

55


WALLY (fieramente, co’ la fronte alta, e

colla mano ferma,

additando)

Lassù! Sull’erte vette

andrò lontana,

come va l’eco della pia campana...

WALLY (altiva, de cabeça levantada,

e com mão firme apontando para a

montanha)

Lá para cima! Sobre os cimos

escarpados irei para longe,

como vai o eco do sino sagrado...

CONTADINI,CONTADINE

Resta con noi stanotte...

partirai col sole domattina...

CAMPONESES, CAMPONESAS

Fica connosco esta noite... partirás

com o sol pela manhã...

WALLY

Io vuò partire

col sole che tramonta...

Ne l’ardente agonia rimpianta dalle

squille di questa avemmaria...

Ho fretta d’arrivar

laddove stende la libertà

ver me le braccia...

Addio!

WALLY

Quero partir

com o pôr do sol...

Na ardente agonia dolente

dos sinos desta Avé Maria…

Tenho pressa de chegar

aonde a liberdade

me estende os braços...

Adeus!

WALTER

Sola non partirai! No! Tuo compagno

sarò!...

Farem la strada insieme!... Insieme

farem la via!

E canteremo. Addio!

WALTER

Sozinha não partirás! Não! Serei teu

companheiro!...

Faremos juntos o caminho!...

E cantaremos.

Adeus!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

56


(Le campane suonano ancora

l’Ave Maria! È la notte! La Wally e

Walter s’allontanano pe ‘l sentiero.

Pe ‘l piazzale pastori e contadini si

inginocchiano a pregare! La Wally

e Walter scompaiono dietro le case

dell’Hochstoff. Si sentono le loro voci

intuonare la canzone dell’Edelweiss,

perdersi a poco a poco pe ‘l silenzio

della notte. Sul ponte, la lampada del

Cristo è accesa e gitta una tremula

luce rossastra intorno a sè.)

(Os sinos continuam a tocar as

Avé-Marias! É noite! Wally e Walter

afastam-se pelo caminho. Na praça

pastores e camponeses ajoelham-se

a rezar! Wally e Walter desaparecem

por trás das casas de Hochstoff.

Ouvem-se as vozes deles entoar a

canção do Edelweiss, que a pouco e

pouco se perde no silêncio da noite.

Na ponte, a lanterna votiva de Cristo

está acesa e lança em torno uma luz

trémula avermelhada.)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

57


ATTO SECONDO

ATO II

SCENA UNICA

CENA ÚNICA

LA PIAZZA DI SÖLDEN

A PRAÇA DE SÖLDEN

Nel fondo la chiesa alla

quale si accede per un’ampia

gradinata.

Da una parte all’altra,

traversalmente corrono striscie

di tela colorata che ricoprono

la piazza in parte (la parte

riservata alle danze pubbliche).

L’osteria dell’Aquila è a destra.

Le finestre, la porta,

le tavole, le panche, tutto

vi è coperto ed ornato di rami

frondosi e di fiori. Anche

dalle finestre e dai ballatoi

pendono drappi a colori, fronde,

ghirlande. È tutto un paese

vestito di festa! È il Corpus

Domini. La piazza è gremita

di gente; chi va e chi viene;

chi si dà al discorrere; chi

saluta e passa; chi ride; chi si

trattiene a crocchi.

Ao fundo a igreja a que se acede

através de uma ampla escadaria.

De uma ponta à outra,

transversalmente estão

estendidas faixas de tela

colorida recobrindo parte da

praça (a parte reservada ao

baile público). A Estalagem da

Águia fica à direita. As janelas,

a porta, as mesas, os bancos,

tudo está coberto e enfeitado

com ramos e flores. Também das

janelas e das varandas das

casas pendem colchas coloridas,

ramos, grinaldas. É toda uma

aldeia vestida de festa! É o dia

do Corpo de Deus. A praça está

repleta de gente; uns passeando

de um lado para o outro; uns

a conversar, cumprimentam-se e

passam; outros a rirem; outros

que se juntam em pequenos grupos.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

58


Tutti i variopinti e pittoreschi

costumi del Tirolo vivono e si

muovono nella piccola piazza.

Ecco là, il Pedone di Schnals

già seduto davanti ad una enorme

tazza di birra, in mezzo a un

crocchio di giovanotti, che

beve, ride, discute e qualche

volta alla bell’Afra tutta in

faccende (la padrona dell’osteria

dell’Aquila) mormora parole che

eccitano la facile allegria

dei suoi ascoltatori! Là, in

disparte, c’è anche Gellner,

anch’egli vestito a festa, ma

triste, sinistro, taciturno.

Come egli è cambiato in un anno!

(Poiché è passato già l’anno

dalla sera che all’Hochstoff, fu

respinto dalla Wally e costei del

padre messa alla porta.)

Vêem-se todos os trajos garridos

e pitorescos do Tirol passeando

pela pequena praça.

Aí está o Almocreve de Schnals,

já sentado diante de uma enorme

caneca de cerveja, no meio de um

grupo de jovens, que bebem riem,

discutem e, de vez em quando,

sussurram algumas palavras à

atarefada e bela Afra (patroa da

Estalagem da Águia), provocando

o riso espontâneo de quem as

ouve. Mais além, à parte, está

Gellner, também com roupas de

festa, mas triste, abatido,

taciturno. Como mudou num ano!

(Pois que passou já um ano

desde a noite em que foi

repelido por Wally e que

ela foi expulsa de casa

pelo pai.)

ALCUNE FANCIULLE (attraversando

la piazza e sussurrano fra loro)

Entro la folla che intorno s’aggira,

ne’ dì di festa, è bello passeggiar.

ALGUMAS RAPARIGAS (atravessando

a praça e sussurrrando entre si)

Pelo meio da multidão que gira em

volta, nos dias de festa, é um prazer

passear.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

59


ALTRE FANCIULLE (si succedono

gaiamente ridendo)

Là v’è garzon che per me sospira!

OUTRAS RAPARIGAS (vão passando

rindo alegremente)

Olha ali um rapaz que suspira por

mim!

FANCIULLE (additando)

Là ve n’è un altro che mi sta a

guardar!

RAPARIGAS (apontando)

Olha ali outro que está a olhar para

mim!

(al passare delle fanciulle avanti alla

tavola dove siede, beve, sogghigna e

fuma il pedone di Schnals)

(as raparigas passam diante da mesa

onde está sentado, bebe, graceja e

fuma o Almocreve de Schnals)

GIOVANOTTI (osservando)

Ah, inver, s’io mi dovessi ammogliar,

di queste mogli affé non ne vorrei!

Son volubili troppo nell’amar

e una fraschetta in casa non terrei!

RAPAZES (observando)

Ah, a sério, se tivesse de casar,

tais mulheres não queria, juro!

São volúveis de mais no amor

e uma leviana em casa não suporto!

VECCHIE (attraversano la piazza e

si avviano alla chiesa, sogguardano

brontolando le belle ragazze)

Già le campane suonano

e le preghiere echeggiano...

esse dio non ascoltano

ma ridono e cinguettano...

e a nulla, a nulla pensano

che al sol piacer, le frivole...

ed alle vesti e ai bindoli

che intorno a lor svolazzano!

VELHAS (atravessam a praça e

dirigem-se para a igreja, olhando

de viés as belas raparigas e

resmungando)

Já os sinos tocam…

e se ouvem as orações…

Estas não ouvem Deus…

Mas riem e tagarelam…

Em nada pensam, em nada…

senão nos prazeres, e frivolidades…

em vestidos e nos mariolas

que giram à volta delas!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

60


BORGHESI (sorridendo malignamente)

O nonne sagge e venerate…

perché con tanta furia

alla chiesa ne andate?

Tanti anni son passati,

che le colpe e i peccati ...

di vostra gioventù

perfin lo stesso iddi...

già non ricorda più!

BURGUESES (sorrindo maliciosos)

Ó asisadas e veneradas avós…

porquê tanta fúria

a caminho da igreja?

Tantos anos passaram já,

que as faltas e pecados…

da vossa juventude

nem o próprio Deus…

se lembra já deles!

FANCIULLE

Suona la squilla mattutina!

È il dì di festa!

E i bei garzoni veston gai corsetti

e portano berretti...

piumati sulla testa!

RAPARIGAS

Soam os sinos matutinos!

É dia de festa!

E os belos rapazes vestem coletes alegres

e usam barretes… emplumados na

cabeça!

(le vecchie frettolose si avviano alla

chiesa)

(as velhas pressurosas dirigem-se

para a igreja)

UOMINI

Suona la squilla mattutina!

È il dì di festa!

E le ragazze di nastri e d’orpelli

intrecciano i capelli... se ne ornano

la testa!

HOMENS

Soam os sinos matutinos!

É dia de festa!

E as raparigas entrançam no cabelo

fitas e adornos… enfeitam a cabeça!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

61


PEDONE (fumando in una lunga pipa

di porcellana e rivolgendosi ai vicini)

Or, per la via,

ne ho incontrate assai brigate

allegre

e giovinette belle!

ALMOCREVE (fumando um grande

cachimbo de porcelana e falando

para os que estão a seu lado)

Há pouco, pelo caminho, encontrei,

muitos ranchos alegres de

lindas raparigas!

UOMINI (alzandosi)

Giorno è per noi di festa e d’allegria!

Ed è nostro piacere, in compagnia,

ber del buon vin...

le belle corteggiar...

antar... danzar... e amar!

HOMENS (levantando-se)

É para nós dia de festa e de alegria!

É para nós um prazer, em boa

companhia,

beber um bom vinho... as belas cortejar...

cantar... dançar... e amar!

PEDONE (a un tratto si leva, guarda

per la piazza e addita Walter

che tutto in fronzoli se ne viene

occhieggiando, curioso

e un po’ spavaldo, le donne)

Vedetelo venir il piccol Walter

tutto vestito a festa.

ALMOCREVE (levanta-se de repente,

corre a praça com os olhos e aponta

para Walter, que todo engalanado

se aproxima lançando olhares entre

curiosos e atrevidos às mulheres)

Olhai ali vem o pequeno Walter

todo vestido de festa.

VECCHIE, FANCIULLE (scontrandosi

con Walter mentre s’avviano alla

chiesa)

Oh! Il bel corsetto!

VELHAS, RAPARIGAS (cruzando-se

com Walter quando se dirigem para

a igreja)

Oh! Que lindo colete!

UOMINI (beffardi)

Oh! Il piccol seduttore!

HOMENS (trocistas)

Oh! O pequeno sedutor!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

62


PEDONE (ironico a Walter)

O che già fate l’occhietto

moribondo a maritate?

ALMOCREVE (irónico para Walter)

Ai já fazes olhinhos

às casadas?

WALTER (stizzito al Pedone)

Ognun fa quel che più gli piace!

A voi il ber? A me le belle donne e

amar!

WALTER (agastado, para o Almocreve)

Cada qual faz o que mais lhe agrada!

A você beber? A mim as lindas

mulheres e amar!

PEDONE

Or or la tua padrona io m’ho

incontrata che a Sölden se ne vien...

ALMOCREVE

Ainda há pouco encontrei a tua ama

que vinha para Sölden...

WALTER (punto)

Non ho padrone!

WALTER (ofendido)

Eu não tenho amos!

PEDONE (sogghignando)

Eh, via!

Vo’ dir, colei che così ricche vesti ti diè!

ALMOCREVE (com um sorriso trocista)

Ouve lá! Estou a falar daquela que

essas ricas roupas te deu!

WALTER (furente)

La Wally è sol mia amica!

(s’allontana)

WALTER (furioso)

Wally é só minha amiga!

(afasta-se)

(Intanto Hagenbach si è seduto

ad una tavola avanti all’osteria

dell’Aquila. Afra accorre sorridente,

felice. Tutti si fanno intorno

all’Hagenbach; chi gli stringe la mano,

chi lo saluta, chi beve con lui.)

(Entretanto Hagenbach sentou-se a uma

mesa diante da Estalagem da Águia.

Afra acorre sorridente, feliz. Todos

rodeiam Hagenbach; uns apertam-lhe

a mão, outros cumprimentam-no, outros

bebem com ele.)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

63


GIOVANOTTI (continuando il discorso

col Pedone)

Avrem la Wally?

RAPAZES (continuando a conversa

com o Almocreve)

Vem aí a Wally?

PEDONE

Sì;

(con mistero)

ora che il diavolo

ha via portato seco

il vecchio Stromminger,

essa corre le feste e si diverte!

ALMOCREVE

Sim.

(em tom misterioso)

Agora que o diabo

levou consigo

o velho Stromminger,

ela corre as festas a divertir-se!

GELLNER (lanciando un’occhiata

sinistra all’Hagenbach)

(La sciagurata!... qui ne vien per lui!...)

GELLNER. (lançando um olhar sinistro

a Hagenbach)

(A desgraçada!... Vem cá por causa dele!...)

(gli sfugge un gesto di minaccia, poi a

tratto si leva e si perde nella folla)

(esboça um gesto de ameaça, depois

de repente levanta-se e perde-se entre

a multidão)

PEDONE (continua, aizzando i

giovanotti)

Avanti giovanotti!... È un bel partito?...

La mano della Wally è una cuccagna!

ALMOCREVE (continua, incitando os

rapazes)

Força, rapazes!... É um belo partido!…

A mão da Wally vale uma fortuna!

HAGENBACH (con disprezzo)

No! Una moglie così

non la vorrei!

Co lei non per l’amor...

per l’odio è fatta!

HAGENBACH (com desdém)

Não! Uma tal mulher não a queria

para mim!

Aquela não foi feita para o amor...

mas para o ódio!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

64


ALCUNI GIOVANOTTI

(scimiotteggiando Hagenbach)

No! Una moglie così

non la vorrei!...

ALGUNS RAPAZES (macaqueando

Hagenbach)

Não! Uma tal mulher não a queria

para mim!...

PEDONE (malizioso, rimbeccandoli)

L’ho udita dire e ridir che nessun

uomo un bacio sapria torle...

ALMOCREVE (malicioso, retorquindo-lhes)

Ouvi-a dizer e redizer que homem

nenhum consegue um beijo dela...

GIOVANOTTI

L’orgogliosa!

RAPAZES

A orgulhosa!

HAGENBACH (con fatuità)

Vuò rivederla

e... vuò con lei danzar!

HAGENBACH (com presunção)

Quero voltar a vê-la

e... quero dançar com ela!

(Intanto le vecchie e le fanciulle sono

entrate in chiesa.Gli uomini, tornati a

sedersi alle tavole dell’osteria, bevono

e giuocano.)

(Entretanto as velhas e as raparigas

entraram na igreja. Os homens, de

novo sentados às mesas da estalagem,

bebem e jogam.)

AFRA (facendo vicina all’Hagenbach

con voce carezzevole)

No! Coll’amore tu non déi scherzar.

Invan resiste al suo voler il cuor!

Il pianto a ogni pupilla sa

strappar.

No, tu non déi scherzar coll’amor!

AFRA (aproximando-se de Hagenbach

com voz cariciosa)

Não! Com o amor não deves brincar.

Em vão resiste à sua vontade o coração!

Lágrimas a todos os olhos sabe

arrancar.

Não, não deves brincar com o amor!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

65


HAGENBACH

Ah! Rider mi fate! Io tremar?...

È troppo fermo entro il mio petto il

cuor!

Colle orgogliose piacemi scherzar

ma il core ho chiuso alle malie

d’amor!

HAGENBACH

Ah! Fazes-me rir! Eu tremer?...

Tenho muito firme no peito o

coração!

Gosto de brincar com as orgulhosas,

mas fechei o coração aos males de

amor!

WALTER (che è ritornato, udendo parlare

della Wally, esclama in atto di sfida:)

Nessuna saprà la Wally far piegar,

né al labbro un bacio sol torle d’amor!

Ma alle malie d’amor chiuso è il suo

cuor!

Essa ha vaghezza solo di celiar!

WALTER (que voltou, e ao ouvir falar de

Wally, exclama em tom de desafio:)

Ninguém conseguirá fazer ceder a

Wally, nem aos lábios roubar-lhe um

só beijo de amor!

Aos males de amor fechou o coração!

Seu único desejo é divertir-se!

PEDONE (facendo della filosofia)

Ai giovanotti piace lo scherzar!

Badate, ohimè! Che assai scaltro è

amor!

Se alle donna la testa fa girar,

l’uomo che inebria impazza di furor!

ALMOCREVE (pondo-se a filosofar)

Agrada aos jovens brincar!

Cuidado, ai!, que é muito astuto o amor!

Se à mulher dá volta à cabeça,

ao homem que inebriar enlouquece

de furor!

(frattanto, dalle tavole ove ferve il

giuoco, scoppiano lunghe e tumultuose

risate, troncate bruscamente dalla

esclamazione)

(entretanto, nas mesas de jogo

animadas, rebentam risadas

estrondosas, interrompidas

bruscamente pela exclamação:)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

66


WALTER, AFRA, PEDONE

Eccola qua!

WALTER, AFRA, ALMOCREVE

Aí vem ela!

(infatti è la Wally! A questo grido

di sorpresa ne segue un altro di

ammirazione)

(de facto é Wally! A este grito de

surpresa segue-se um outro de

admiração:)

GIOVANOTTI (mormorando)

La bella creatura!

RAPAZES (murmurando)

Que linda ela é!

AFRA (all’Hagenbach che

studiatamente non si volge a

guardare)

E che arie da regina...

E che bel vezzo di perle intorno

al collo!

AFRA (para Hagenbach que

deliberadamente não se volta para a

ver)

E que ares de rainha... E que belo

colar de pérolas

no pescoço!

(la Wally è superbamente bella e

superbamente vestita di una ricca

veste di velluto, ed ha uno splendido

vezzo di perle al collo. Alcune amiche

l’accompagnano)

(Wally está extraordinariamente

bonita e magnificamente vestida

com um belo traje de veludo, e

um esplêndido colar de pérolas.

Acompanham-na algumas amigas)

WALTER (movendole incontro)

Alfin sei giunta!

WALTER (indo ao encontro delas)

Finalmente chegaste!

WALLY (a Walter)

Sei tu, mio Walter?

WALLY (para Walter)

És tu, caro Walter?

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

67


GIOVANOTTI (alzandosi)

Benvenuta, Wally, se per danzar tu

vieni...

RAPAZES (levantando-se)

Bem-vinda, Wally, se vens para

dançar...

WALLY (interrompendoli)

E perché no?

WALLY (interrompendo-os)

E porque não?

(Ad un suo cenno, Afra si toglie

dall’Hagenbach e rientra portando

una tazza alla Wally, poi ritorna

presso a Giuseppe. La Wally la segue

coll’occhio, si avvede della presenza

dell’Hagenbach e depone senza bere

la tazza.)

(A um sinal seu, Afra afasta-se de

Hagenbach e regressa com um copo

para Wally, depois volta para junto

de Giuseppe. Wally segue-a com o

olhar, apercebe-se da presença de

Hagenbach e poisa o copo sem o

beber.)

ALCUNI

Dì!... Danzerai con me?

ALGUNS

Diz!... Dançarás comigo?

ALTRI

Poi con me pure?

OUTROS

E também comigo?

WALLY

Io danzerò con chi vorrà il capriccio

pe ‘l piacer di danzar!

WALLY

Dançarei com quem quiser pelo

prazer de dançar!

PEDONE (intervenendo)

Anche la danza del bacio?

ALMOCREVE (intervindo)

Mesmo a dança do beijo?

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

68


WALLY (provocante)

So che le fanciulle vostre

nascondon la voglia che han di baci

nell’uso di tal danza!...

Io, no!... E poi...

WALLY (provocante)

Eu sei que as raparigas daqui

disfarçam o desejo de beijos

com essa dança!... Eu, não!... E

depois...

PEDONE

E poi?

ALMOCREVE

E depois?

WALLY

Non facil cosa saria forse strapparmi

un solo bacio!

WALLY

Não seria coisa fácil arrancar-me

um único beijo!

PEDONE (insistente)

E se ciò fosse?

ALMOCREVE (insistente)

E se fosse?

WALLY

Finor non m’han baciata

che i rai del sol e il vento,

la rugiada imperlata,

le stelle in firmamento;

m’ebbi il bacio del fiore;

m’ebbi il bacio del prato;

della neve il candore

il bacio suo m’ha dato;

mi dier baci coll’ali

gli augelli del signor...

solo baci immortali

la Wally ebbe finor.

WALLY

Até agora não me beijaram

senão os raios do sol e o vento,

as pérolas do orvalho,

as estrelas do firmamento;

recebi o beijo das flores;

recebi o beijo dos prados;

a brancura da neve

deu-me o seu beijo;

deram-me beijos alados

os anjos do Senhor...

só beijos imortais

recebeu até hoje a Wally.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

69


(accesa nel volto e negli occhi, rimane

come assorta; poi, a un tratto, la

sua fronte candida si abbuia. Il suo

sguardo corre ad Afra e Giuseppe!

Parlano... non si curano di lei. Un

lampo vibra nella sua pupilla, ed è

quasi in atto di sfida che ai Giovanotti

lancia queste parole così piene di

disprezzo:)

Così prezioso don qual uomo mai

potria rubarsi?

(a expressão e os olhos brilhantes,

fica como que absorta; depois,

subitamente, a expressão parece

toldar-se. O seu olhar passa de Afra

para Giuseppe! Falam sem prestar

atenção a Wally. Passa um fulgor

pelos olhos dela e é quase em tom de

desafio que dirige aos rapazes estas

palavras plenas de desprezo:)

Um presente assim tão precioso,

que homem o poderia roubar?

PEDONE

E se alcuno il potesse?

ALMOCREVE

E se algum conseguisse?

WALLY

Quell’uom?... Sarebbe mio!

(prende il braccio di Walter e

si allontana. Passando vicino

all’Hagenbach, lo guarda prima

con civetteria, poi con uno sguardo

profondo così che egli è scosso)

WALLY

Um tal homem?... Seria o meu!

(toma Walter pelo braço e afasta-se.

Ao passar por Hagenbach, olha-o

primeiro com ar sedutor, depois

com um olhar profundo que o deixa

perturbado)

PEDONE (con ironia)

Su! giovanotti!

Coraggio dunque!

Il bacio di Wally val la cuccagna!

ALMOCREVE (com ironia)

Vá! Rapazes!

Coragem, então! O beijo de Wally

vale uma fortuna!

(dalle porte aperte della chiesa si ode

la lenta armonia dell’organo)

(das portas abertas da igreja ouve-se

a arrastada melodia do órgão)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

70


ALCUNI

È l’ora della messa!

In chiesa andiam...

ALGUNS

Vai começar a missa!

Vamos para a igreja...

ALTRI

Andiam... poscia alla danza ci

rivedremo!

OUTROS

Vamos... Vemo-nos depois no baile!

(I giovanotti s’avviano tutti

lentamente alla chiesa. Afra rientra

nell’osteria.)

(Os rapazes dirigem-se todos devagar

para a igreja. Afra entra de novo na

estalagem.)

HAGENBACH (alzando tutto

turbato, e avviandosi egli pure

in chiesa)

(Ancora quel suo sguardo!)

(Walter e la Wally che si è attardata

co’ le sue amiche per acconciarsi il

velo, stanno pure per entrarvi, quando

da una viuzza di destra sbuca fuori

Gellner il quale impedisce loro il

passo.

Wally si ferma, fa segno a Walter di

voler rimaner sola.)

HAGENBACH (levantando-se muito

perturbado, e dirigindo-se também

para a igreja)

(Outra vez aquele olhar!)

(Walter e Wally, que ficou para trás

com as amigas para compor o véu,

estão para entrar na igreja, quando

de uma pequena vereda à direita

surge Gellner, que lhes impede a

passagem.

Wally detém-se, faz sinal a Walter que

quer ficar a sós.)

WALLY (freddamente rivolgendosi

Gellner)

Sei tu?!

WALLY (com frieza, dirigindo-se a

Gellner)

És tu?!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

71


LA WALLY – ALFREDO CATALANI

72 LA WALLY – ALFREDO CATALANI

73



GELLNER

Son io...

GELLNER

Sou eu...

WALLY

Da che son la padrona

tu sol, dei miei,

non sei venuto a me...

WALLY

Desde que sou eu a patroa,

és tu o único dos meus

que não veio ver-me...

GELLNER

Io non l’osai...

GELLNER

Não ousei fazê-lo…

WALLY

Non t’ho dimenticato!

Un dì tu fosti sordo a’ preghi miei

ed a’ miei pianti... fui per te cacciata...

orben, oggi io te caccio!

Però... ingrata esser non vuò...

(gli stende una borsa di denaro)

Prendi!... È denaro! E vanne!

WALLY

Não te esqueci!

Um dia foste surdo aos meus pedidos

e aos meus prantos… e recusaste

ouvir-me…

Pois bem, hoje sou eu a recusar-te

mas… não quero ser ingrata...

(estende-lhe uma bolsa com dinheiro)

Toma!... É dinheiro! Vai-te daqui!

GELLNER

Nulla voglio da te...

(con un gesto allontana la borsa che

Wally gli porge, e poi risoluto)

Io t’amo ancora

e più di prima io t’amo!

Deh!... mi guarda come io per te mi

struggo in desideri...

GELLNER

Não quero nada teu...

(com um gesto rejeita a bolsa que

Wally lhe estende, e depois decidido:)

Amo-te ainda.

Mais do que antes te amo!

Ah!... Vê como eu por ti morro

de desejo...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

74


WALLY (torturandolo femminilmente)

Cantava un dì mia nonna questa

strana canzone:

«Fatto il mondo è così:

non v’ha più fiera voluttà in amore

che odiare l’uom che v’ha dannato il

cuore.

Piangi, garzone? E tu bel cavaliero,

perché si triste e cupo è il tuo

pensiero?

(beffardamente)

Nerina si rifiuta alla tua brama ti deride,

se soffri, la tua dama?

Fatto il mondo è così:

amore al riso sempre il pianto unì!»

(ride, provocandolo)

WALLY (atormentando-o de modo feminil)

A minha avó costumava cantar esta

estranha canção:

«Assim é feito o mundo:

não há maior deleite no amor

que odiar o homem que nos destruiu

o coração.

Choras, meu rapaz? E tu belo cavaleiro,

porque são tristes

e sombrios os teus pensamentos?

(trocista)

Nerina não quer ouvir teus apelos,

ri-se de ti, se sofres, a tua dama?

Assim é feito o mundo:

o amor junta sempre o riso e o pranto!»

(ri-se, provocando-o)

GELLNER (co’ gli occhi pieni di lacrime

e la voce piena di preghiere)

Non ridere!

GELLNER (com os olhos cheios de

lágrimas e a voz implorante)

Não te rias!

WALLY (ride provocandolo)

Oggi sono allegra assai!

WALLY (ri-se, provocando-o)

Hoje estou muito alegre!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

75


GELLNER (fissandola in viso)

No... Non lo dir!

GELLNER (olhando-a nos olhos)

Não... Não é verdade!

WALLY (tornando seria e turbata)

Che ne sai tu?

WALLY (ficando séria e perturbada)

Que sabes tu?

GELLNER

Rispondi...

perché, così selvaggia un dì,

ti adorni ora di perle e per le fiere

corri!

Dietro all’amor tu corri...

GELLNER

Responde...

Porque é que tu, selvagem como

eras, te enfeitas agora com pérolas e

corres todas as festas?

Corres atrás do amor...

WALLY (interrompendolo impetuosa)

Non è vero!

WALLY (interrompendo-o impetuosa)

Não é verdade!

GELLNER (implacabile, investendola)

Menti! Il tuo cor per me non ha

segreti...

(le si avvicina, ed abbassando la voce

sussurra:)

Sai tu perché ti ottenni da tuo

padre?

Perché gli dissi che Giuseppe

amavi!

GELLNER (implacável, com veemência)

Mentes! O teu coração para mim não

tem segredos...

(aproxima-se dela, e baixando a voz

sussurra:)

Sabes porque me deu a tua mão o

teu pai?

Porque lhe disse que amavas

Giuseppe!

WALLY (con impeto selvaggio e feroce,

come una imprecazione)

Ed è per me un’ebbrezza il

tormentarti!

WALLY (com ímpeto selvagem e feroz,

como uma imprecação:)

E é para mim um prazer

atormentar-te!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

76


GELLNER

Mi fai pietà!

(la sua voce è grave eppur dolce)

Se tu, Wally, sapessi dimenticare!

Ah... vivere felici!

(interrompe il discorso, e con immenso

slancio)

Schiavo de’ tuoi begli occhi ai piedi

ti starei

e, pregando a ginocchi,

come si prega iddio, t’adorerei!

(si inginocchia baciandole la veste,

poscia, con immenso trasporto)

E una lunga carezza,

e un’ebbrezza infinita eterna

giovinezza

sarà la nostra vita!

GELLNER

Fazes-me pena!

(a voz dele é grave, no entanto doce)

Se tu soubesses, Wally, esquecer!

Ah... viver feliz!

(interrompe-se, e com grande

veemência:)

Escravo dos teus belos olhos

a teus pés ficaria

e, suplicando de joelhos,

como se reza a Deus, te adoraria!

(ajoelha-se beijando-lhe o vestido,

depois, com grande arrebatamento:)

E uma longa carícia

e um êxtase infinito

de eterna juventude

seria a nossa vida!

WALLY

Suvvia... Ti leva!... A che pregar?...

Non t’amo.

È ver.

(dopo un momento di silenzio e di

riflessione)

Giuseppe io l’amo...

WALLY

Vá... Levanta-te!… De que vale

suplicar?... Não te amo.

É verdade.

(depois de um momento de silêncio e

de reflexão)

É Giuseppe que eu amo...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

77


GELLNER (levandosi con impeto; fuori

di sé)

Maledetta!

Ma non l’avrai. Che già vicino è il

giorno della sue nozze!

(ride quasi in uno spasimo

di ferocia)

WALLY

Ah, no! Gellner, tu menti!

Per torturarmi menti!...

GELLNER

Alla bella Afra chiedilo dunque.

(Wally, colpita, impalladisce, le forze

a un tratto le mancano e si appoggia

barcollando ad una tavola)

Ed or?... Perché non ridi?...

WALLY (angosciata, ripensando)

Eran poc’anzi là!

Stretti a colloquio sorridevan fra

loro, e le lor teste

si toccavan così... che

(vergin santa)

si saria detto...

(un singhiozzo le strozza la voce)

che scambiasser baci!...

GELLNER (levantando-se, impetuoso;

fora de si)

Maldita!

Mas não será teu. Pois está próximo o

dia do casamento dele!

(ri-se, como que num espasmo de

ferocidade)

WALLY

Ah, não! Gellner, mentes!

Para me atormentar, mentes!...

GELLNER

Pergunta então à bela Afra.

(Wally, abalada, empalidece, sente de

repente que a abandonam as forças e

apoia-se vacilante a uma mesa)

E agora?... Porque não ris?...

WALLY (angustiada, refletindo)

Estavam ali há pouco! Muito chegados

a conversar sorrindo um para o

outro, e as cabeças

tocando-se de um modo... que

(Virgem santa)

parecia que…

(com um soluço na voz)

estavam a beijar-se!…

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

78


GELLNER (ironicamente)

Cantava un dì mia nonna questa

strana canzone...

«Fatto è il mondo così...

(beffardamente)

Nerina si rifiuta alla tua brama?

Ti deride, se soffri, la tua dama?

Fatto il mondo è così!»

GELLNER (ironicamente)

A minha avó costumava cantar esta

estranha canção...

«Assim é feito o mundo...

(trocista)

Nerina não quer ouvir teus apelos?

Ri-se de ti, se sofres, a tua dama?

Assim é feito o mundo!»

WALLY (con forza)

(minacciando)

Ma ancor sue moglie Afra non è...

Sì ed io l’amo! E nessun può legger

nel destino.

WALLY (com força)

(ameaçando)

Mas Afra ainda não é mulher dele…

Sim, e eu amo-o! E ninguém pode ler

o destino.

(È fuori di sé: acciecata, pazza, batte

sulla tavola dove sta ancora la tazza

che Afra le aveva portata. Afra

accorre. La Wally è così agitata che

non si avvede che già dalla chiesa

esce la gente e che la piazza ritorna

piena di voce e di moto.)

(Está fora de si: desvairada, louca,

bate na mesa onde ainda se encontra

o copo que Afra lhe levara. Afra

acorre. Wally está tão agitada que

não se apercebe que as pessoas estão

já a sair da igreja e que a praça

está de novo cheia de vozes e de

movimento.)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

79


AFRA

Che brami, Wally?

AFRA

Porque gritas, Wally?

WALLY (afferrando la tazza la getta

violentamente contro terra, così

imbrattarle la vesta e grida:)

In vero che tal broda

solo i tuoi ganzi posson trangugiar!

WALLY (agarrando o copo atira-o

violentamente ao chão sujando o

vestido de Afra e grita:)

Realmente uma tal porcaria

só os teus amantes a podem tragar!

AFRA (prorompe in lagrime)

Ahimè!

AFRA (rompendo em lágrimas)

Ai de mim!

WALTER, CORO (circondando

Afra e Wally)

Che avvenne, Wally? parla...

WALTER, CORO (rodeando

Afra e Wally)

Que se passa, Wally? Fala...

WALLY

Nulla...

(ad Afra)

Ed or perché tu piangi? Non temere!...

Come s’asciughin gli occhi alle

fantesche io so!

(leva dalla borsa una moneta,

e la lascia cadere ai piedi di Afra,

dicendole:)

Toh!... Ridi!

WALLY

Nada...

(para Afra)

Porque choras agora? Não tenhas

medo!... Eu sei como secar as

lágrimas aos criados!

(tira da bolsa uma moeda, e deixa-a

cair aos pés de Afra,

dizendo-lhe:)

Toma!... Ri-te!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

80


HAGENBACH (che ha veduto, non visto,

questa scena, si avanza lentamente,

si avvicina ad Afra, si abbassa e

raccoglie la moneta d’oro e la getta ai

suonatori girovaghi)

È la ricca padrona dell’Hochstoff che

vi paga... or su!

Un ländler de’ più gai!

HAGENBACH (que viu, sem que o

vissem, toda esta cena, avança

lentamente, aproxima-se de Afra,

baixa-se, apanha a moeda de ouro e

atira-a aos músicos ambulantes)

Quem paga é a rica patroa de

Hochshoff…

Vá lá, um ländler dos mais alegres!

TUTTI

Evviva l’Hagenbach!

TODOS

Viva Hagenbach!

WALLY

(Povera me... Vincenzo ha detto il

vero!)

(ma, calma, altera, sorridente in viso,

essa si avvicina a un crocchio

dove sta Walter)

WALLY

(Pobre de mim... O Vincenzo disse a

verdade!)

(mas, calma, altiva, de expressão

sorridente, aproxima-se de um grupo

onde se encontra Walter)

HAGENBACH (ad Afra consolandola)

Non pianger, Afra... Ti vendicherò!

HAGENBACH (para Afra, consolando-a)

Não chores, Afra... Hei de vingar-te!

GIOVANOTTI (all’Hagenbach)

Vieni a danzare...

RAPAZES (para Hagenbach)

Vem dançar…

HAGENBACH (ai giovanotti)

Sì... Danziam...

ma pria facciamo una scommessa...

HAGENBACH (para os rapazes)

Sim... Dancemos... mas primeiro

façamos uma aposta...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

81


GIOVANOTTI

Qual? Sentiamo!

RAPAZES

Qual? Diz lá!

HAGENBACH

Dieci fiorini d’oro che alla Wally un

bacio strapperò!

HAGENBACH

Dez florins de ouro em como a Wally

um beijo arrancarei!

GIOVANOTTI (ridendo)

Scommessa strana!

RAPAZES (rindo)

Estranha aposta!

HAGENBACH

Ebben?

HAGENBACH

Então?

GIOVANOTTI

Sia pur! Teniamo!

RAPAZES

Seja, então! Apostamos!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

82


LA WALLY – ALFREDO CATALANI

83 LA WALLY – ALFREDO CATALANI

84



(La piazza, in un batter d’occhi, si è

mutata quasi in una immensa sala

da ballo. Le tavole riunite servono

da palco pei suonatori. Sulle panche,

disposte a collana, seggono i vecchi,

le vecchie, i borghesi. Le fanciulle

prendono il braccio del giovanotto che

le invita.

L’Hagenbach, levatosi il cappello,

ne toglie la penna d’aquila e ve la

rimette, ma al rovescio, il che significa

nei costumi di Sölden che qualunque

giuramento, qualunque promessa,

qualunque parola, se la penna è al

rovescio non ha valore. Nessuno se

n’è accorto, eccettuato Gellner che,

confuso nella folla, presso al palco

dei suonatori, non ha mai staccato lo

sguardo dall’Hagenbach.)

(A praça, num abrir e fechar de

olhos, quase se transformou num

imenso salão de baile. As mesas

juntas servem de palco aos músicos.

Nos bancos, dispostos em círculo,

sentam-se os velhos, as velhas, os

burgueses. As raparigas tomam o

braço dos rapazes que as convidam.

Hagenbach, tirando o chapéu, retira-lhe

a pena de águia e volta a colocá-la

ao contrário, o que segundo os usos

de Sölden significa que nenhum

juramento, nenhuma promessa,

nenhuma palavra têm valor quando

a pena está ao contrário. Ninguém se

apercebeu disso, excepto Gellner, que,

misturado na multidão, junto ao palco

dos músicos, nunca tirou os olhos de

Hagenbach.)

GELLNER (vedendo l’Hagenbach

attraversare la piazza alla volta della

Wally, si avvicina a lei rapidamente,

sussurrandole all’orecchio:)

Bada, Wally!

GELLNER (vendo Hagenbach

atravessar a praça em direção a

Wally, aproxima-se dela rapidamente,

sussurrando-lhe ao ouvido:)

Cuidado, Wally!

(si allontana)

(afasta-se)

HAGENBACH (con galanteria)

Danzar con te da tempo desiavo...

HAGENBACH (com galanteria)

Há muito tempo que desejava dançar

contigo...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

85


WALLY (lusingata)

Se il vero dici!

WALLY (lisonjeada)

Será que isso é verdade?

HAGENBACH (come se giurasse)

È il ver!

HAGENBACH (como se jurasse)

É verdade!

WALLY (guardando dubbiosa)

Pure i tuoi occhi mi guardano con

foschi e strani sguardi!

(con tristezza)

L’ingannarmi crudel saria...

WALLY (fitando-o duvidosa)

Porém vejo nos teus olhos

um estranho e sombrio olhar!

(com tristeza)

Enganar-me seria uma crueldade...

HAGENBACH (trascinando dolcemente

la Wally)

Danziamo!

HAGENBACH (arrastando Wally com

doçura)

Dancemos!

(Comincia il ländler. Altre coppie di

danzatori irrompono. Walter pure vi

si avventa con una bella valligiana.

Al momento di lanciarsi si ferma; la

Wally sorpresa lo guarda.)

(Começa o ländler. Surgem outros

pares a dançar. Walter aparece

também com uma bela rapariga

dos vales. No momento de começar,

Hagenbach detém-se; Wally

surpreendida fita-o.)

HAGENBACH

M’odi, Wally!

HAGENBACH

Ouve-me,Wally!

WALLY

Che brami ancora?

WALLY

Que mais queres ainda?

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

86


HAGENBACH

Bramo con te danzar

la danza del bacio.

WALLY

Quale capriccio!

HAGENBACH

Quero dançar contigo

a dança do beijo.

WALLY

Que capricho!

HAGENBACH

Agil tu sei e forte... bramo con te

lottare... ed esser vinto.

HAGENBACH

És ágil e forte... quero lutar contigo...

e ser vencido.

WALLY

Quale capriccio... qui!

WALLY

Que capricho... este!

HAGENBACH

Hai tu paura?

(sorridendo la trascina con sé

danzando)

HAGENBACH

Tens medo?

(sorrindo arrasta-a consigo

dançando)

CORO

Già il canto fervido vola per l’aere;

come di rondin, leggiero ha il vol,

e i trilli modula, dell’usignol.

Agili, rapide, le corde fremono...

i fiori o lezzano fremon nell’aure,

inni d’amor.

CORO

Já a canção ardente voa pelos ares;

das andorinhas, tem o voo ligeiro,

e os trilos modulados do rouxinol.

Ágeis, rápidas, as cordas fremem...

As flores rescendem e estremecem

na brisa hinos de amor.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

87


LA WALLY – ALFREDO CATALANI

88 LA WALLY – ALFREDO CATALANI

89



(La lotta del bacio ferve ancora

accanita nel fondo. Ad un bacio

colto, risa, applausi. Risate lunghe

accolgono la vittoria di Walter. Ogni

bacio dato è una coppia di danzatori

che scema. Ormai pochissime

continuano. Ma l’attenzione del

Pedone e dei giovanotti che hanno

udita la scommessa è per l’Hagenbach

e la Wally, attenzione stuzzicata dai

due pe ‘l loro contegno. Si direbbe che

danzino senza accorgersene e spesso

cessano di danzare per parlarsi,

qualsiché l’armonia che li conduce

non sia già quella degli instrumenti,

ma quelle che esce dalle loro labbra.)

(Ao fundo, a luta do beijo ferve ainda

acirrada. A cada beijo colhido, risos,

aplausos. Grandes risadas saudam a

vitória de Walter. A cada beijo dado

há um par de dançarinos que sai. Já

são pouquíssimos os que continuam.

Mas a atenção do Almocreve e dos

rapazes que ouviram o desafio foca-se

em Hagenbach e Wally, atenção essa

que a atitude dos dois mais atiça.

Dir-se-ia que dançam sem darem

por isso e frequentemente param de

dançar para falarem um com o outro,

como se a melodia que os conduz não

fosse já a dos instrumentos, mas a que

sai dos lábios deles.)

HAGENBACH (ad un tratto eccitato da

alcune parole della Wally, cessa di

danzare, e turbato le dice:)

No!... Parla!... Parla!... Vuò saper!...

Dicevi?

HAGENBACH (subitamente espicaçado

por qualquer palavra de Wally, cessa de

dançar, e num tom perturbado diz:)

Não!... Fala!... Fala!... Quero saber!...

Que disseste?

WALLY (continuando il discorso quasi

suo malgrado)

Posar sovra il tuo petto...

scordare il mondo e dio...

sempre al tuo cor vicina...

questo era il sogno mio,

e la torva miseria de la mia breve vita

eternar de’ tuoi baci coll’ebbrezza

infinita.

WALLY (continuando a falar como que

contrariada)

Encostar-me ao teu peito…

esquecer o mundo e Deus...

sempre junto ao teu coração...

era esse o meu sonho,

e a triste pobreza da minha breve vida

eternizar com o infinito êxtase dos

teus beijos.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

90


HAGENBACH (sorpreso e commosso)

Or chi detto m’avria che nel tuo cuor,

fanciulla, vi fosse un paradiso. Io vi

ho creduto il nulla!

HAGENBACH (surpreendido e comovido)

Agora que me disseste o que tinhas no

teu coração, é como se fosse o paraíso.

Eu pensava que não havia aí nada!

WALLY (continuando)

M’hanno detto un giorno che odiata

ero da te...

WALLY (continuando)

Disseram-me um dia que tu me

odiavas...

HAGENBACH (turbato, con calore,

interrompendola)

Non t’ho odiata mai... lo giuro... Credi a me!

(riprendono la danza)

HAGENBACH (perturbado, com calor,

interrompendo-a)

Nunca te odiei... juro... Crê em mim!

(retomando a dança)

PEDONE

Arte è malvagia, il bacio aescar colla

parola.

ALMOCREVE

Arte amaldiçoada esta, a de

arrancar um beijo com palavras.

GIOVANOTTI

Al dolce giuoco vincer dée la danza

sola!

RAPAZES

Neste doce jogo, só a dança vence.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

91


VECCHIE

No, non è ver! Diritto d’ognun è la

favella!

È l’arma più cortese che fa la lotta

bella!

VELHAS

Não, não é verdade! Todos têm

direito a usar as palavras!

É a arma mais gentil que torna a luta

bonita!

HAGENBACH (ad un tratto si arresta

nuovamente; questa volta egli cerca di

scioglersi dalle braccia della Wally; è

pallidissimo, con stanchezza)

No! Non vuò più danzar!

HAGENBACH (detém-se subitamente

mais uma vez; desta vez procura

libertar-se dos braços de Wally; está

extremamente pálido, com ar fatigado)

Não! Não quero dançar mais!

WALLY (trattenendolo e continuando

a parlargli, scherzosa, eccitandolo:)

Al mio labbro di rosa non giunge il

labbro timido di bocca paurosa...

WALLY (retendo-o e continuando a

falar-lhe, travessa, excitando-o:)

Nos meus lábios rosados não tocam

lábios tímidos de boca temerosa...

HAGENBACH (ancora più turbato e

tremante)

Cessiam! Da te son vinto!

HAGENBACH (ainda mais perturbado

e estremecendo:)

Paremos! Venceste-me!

WALLY

Perché allor, m’hai sfidata?

E la gloria hai bramato d’avermi tu

baciata?

WALLY

Então porque me desafiaste?

E te gabaste da glória de me

beijares?

(il ländler si è fatto affannoso; nel

fondo della scena si danza ancora)

(o ländler tornou-se mais vivo; ao

fundo do palco continuam a dançar)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

92


HAGENBACH (con impeto, stringendosi

alla Wally)

Perché?... Perché domandi?...

Perché Wally sei bella...

Perché hai profondi sguardi...

Soave la favella...

Nei candidi tuoi denti v’è una malia

ascosa...

V’è la vita e l’amor sul tuo labbro di

rosa!

Ah Wally... In nodo ferreo l’anima

allaccia

questa tua treccia morbida, che a te

stretto m’abbraccia!

HAGENBACH (num impulso, cingindo

Wally)

Porquê?... Perguntas porquê?...

Porque és bela, Wally...

Porque o teu olhar é profundo...

Suave a tua voz...

Nos teus dentes alvos esconde-se

um feitiço secreto…

Há vida e amor nos teus lábios de

rosa!

Ah Wally... Os teus cabelos macios

enlaçam a minha alma

com um nó de ferro, que a ti me

prende!

(A questo punto il Pedone si stacca

dal gruppo dei giovanotti che si

interessano alla lotta fra l’Hagenbach

e la Wally, e portandosi nel fondo

stuzzica anche la curiosità delle

donne narrando loro la scommessa.

A poco a poco tutti si avvicinano ai

due amanti circondandoli.)

(Nesta altura o Almocreve destaca-se

do grupo dos rapazes que seguem

a luta entre Hagenbach e Wally,

e dirigindo-se ao fundo desperta

também a curiosidade das mulheres

contando-lhes a aposta. A pouco e

pouco todos se avizinham dos dois

namorados rodeando-os.)

WALLY

No!... Taci! Taci!... Udir più non voglio...

Tu menti!...

WALLY

Não!… Cala-te! Cala-te!… Não te quero

ouvir mais... Estás a mentir!...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

93


HAGENBACH (arrestandosi

bruscamente, colle lagrime agli occhi)

Lo giuro!...

HAGENBACH (detendo-se

bruscamente, com lágrimas nos olhos)

Juro!...

WALLY (con impeto)

Non giurare!...

WALLY (com ardor)

Não jures!...

HAGENBACH

Lo giuro, è il vero senti!...

HAGENBACH

Juro, é o que sinto de verdade!...

WALLY (livida in viso)

Ad altra fanciulla il tuo amore hai

giurato... e giuri?...

Tutto io so, sei già il suo fidanzato.

WALLY (lívida)

A outra rapariga amor juraste...

e juras?... Eu sei tudo, já estás noivo

dela.

HAGENBACH

Ah, tu, da un’ora, Wally,

con tormenti d’inferno mi torturi!

M’uccidi!...

Di me ti prendi scherno!

HAGENBACH

Ah, tu, Wally, há uma hora, que com

tormentos do inferno me torturas.

Matas-me!…

Escarneces de mim!

WALLY (co’ le lagrime agli occhi)

Scherno di te?... Non vedi che t’amo

e in te rapita tutta ne’ tuoi accenti

vivo una nuova vita...

WALLY (com lágrimas nos olhos)

Escarnecer de ti?... Não vês que te

amo e que seduzida por ti com a tua

voz vivo uma vida nova...

HAGENBACH (affascinato, tremante)

Ma allor... perché mi nieghi d’un

bacio tuo l’ebbrezza?

(abbracciandola con violenza)

HAGENBACH (fascinado, trémulo)

Mas então... porque me negas o

arroubo de um beijo teu?

(abraçando-a com força)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

94


WALLY (con un lamento)

Ohimè!... Tu mi fai male!...

WALLY (com um lamento)

Ai!... Estás a magoar-me!…

HAGENBACH (sussurrando con

violenza)

Del tuo bacia m’inebria!...

Così! Così ti voglio! Mia Wally...

sempre!...

HAGENBACH (sussurrando com

veemência)

Inebria-me o teu beijo!…

Assim! É assim que te quero! Minha

Wally... sempre!...

WALLY (con un sospiro si abbandona

a lui)

Prendimi!

WALLY (com um suspiro abandona-se

nos braços dele)

Beija-me!

(L’Hagenbach la bacia sulla bocca.

Un urlo confuso di applausi, di gride

beffarde, di risa scoppiano come un

uragano intorno.)

(Hagenbach beija-a na boca. Um

alarido confuso de aplausos, de gritos

de troça, de risos estala à volta deles

como um furacão.)

PEDONE, DONNE, GIOVANOTTI,

BORGHESI

La Wally fu baciata! Ed Afra è

vendicata!

ALMOCREVE, MULHERES, RAPAZES,

BURGUESES

A Wally foi beijada! E Afra foi

vingada!

(i giovanotti circondano l’Hagenbach,

che li guarda come trasognato,

ricordando la scommessa)

(os rapazes rodeiam Hagenbach,

que os olha como que aturdido, ao

lembrar-se da aposta)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

95


WALLY (scossa a quelle risa, guarda

l’Hagenbach, non comprendendo)

Che dicon mai costoro? E perché ridono?

WALLY (abalada com os risos,

fita Hagenbach, sem compreender)

Que dizem eles? E porque se riem?

(i giovanotti trascinano l’Hagenbach

verso l’osteria)

(os rapazes arrastam Hagenbach em

direção à estalagem)

GELLNER (avvicinandosi alla Wally)

Disgraziata! Perché non m’hai

creduto?

GELLNER (aproximando-se de Wally)

Desgraçada! Porque não acreditaste

em mim?

WALLY

Ah fu crudel vendetta! Ei m’ingannò?

WALLY

Ah que cruel vingança! Ele enganou-me?

GIOVANOTTI

A bere!

RAPAZES

Vamos beber!

PEDONE

A bere!

ALMOCREVE

Vamos beber!

GIOVANOTTI

Afra, il miglior tuo vino!

RAPAZES

Afra, traz o teu melhor vinho!

(La Wally, gli occhi vitrei, livida, senza

lacrime, guarda avanti a sé. Gellner

e Walter la circondano; ma ella non

vede che uno. Un uomo che le volge le

spalle. Quasi spera ancora! Ed ecco

invece le vecchie, le fanciulle, tutte le

donne di Sölden che la attorniano,

beffarde, sogghignando.)

(Wally, com os olhos vítreos, lívida,

sem lágrimas, com o olhar parado.

Gellner e Walter rodeiam-na; mas ela

não vê mais do que um homem que

lhe volta as costas. Como que ainda

à espera! Mas em vez disso só restam

as velhas, as raparigas, todas as

mulheres de Sölden que a circundam,

trocistas, que se riem.)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

96


DONNE DI SÖLDEN

Se un marito torrai, tu pure a lui

Wally un bacio porterai,

che dio non benedì!

MULHERES DE SÖLDEN

Se um marido encontrares, Wally,

levas-lhe também um beijo,

que Deus não abençoou!

(Gellner e Walter circondano la Wally)

(Gellner e Walter rodeiam Wally)

GELLNER

Su! Vieni! Andiam!

(additandogli l’Hagenbach che cerca

di stordirsi bevendo)

Guardalo là! Lo vedi?

GELLNER

Vá! Vem daí! Vamos embora!

(apontando para Hagenbach que

procura aturdir-se bebendo)

Olha para ele! Estás a vê-lo?

PEDONE (toccando la sua colla tazza

dell’Hagenbach)

Non v’è maggior piacer d’un ben

colmo bicchier.

Ah sì! credete a me,

(vuotando la tazza)

altro non v’è!

Io bevo all’Hagenbach!

ALMOCREVE (tocando o seu copo no de

Hagenbach)

Não há maior prazer

do que um copo bem cheio.

Ah, sim, podeis crer,

(esvaziando o copo)

outro não há!

Bebo a Hagenbach!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

97


GIOVANOTTI

Evviva l’Hagenbach!

RAPAZES

Viva Hagenbach!

WALLY (co’ gli occhi fissi sull’Hagenbach,

afferra Gellner e gli dice)

Mi vuoi tu ancora?

WALLY (com o olhar fixo em

Hagenbach, agarra Gellner e diz-lhe:)

Ainda me queres?

GELLNER (con slancio)

Sì!

GELLNER (com fervor)

Sim!

WALLY (sempre co’ gli occhi

sull’Hagenbach e con voce ferma)

Lo voglio morto!

WALLY (continuando a fixar

Hagenbach e com voz firme:)

Quero vê-lo morto!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

98


ATTO TERZO

ATO III

SCENA UNICA

CENA ÚNICA

L’HOCHSTOFF

ALDEIA DE HOCHSTOFF

La scena è divisa. A destra

la casa dello Stromminger

(ora della Wally); sul davanti

l’interno della camera da letto

della Wally. Dall’altra parte una

via dell’Hochstoff fiancheggiata

a sinistra da case. Dalla via si

entra nella camera della Wally da

una piccola porta. Due finestre

stanno ai lati di questa porta.

Nell’estremo orizzonte, come nel

primo atto, ma da un diverso

punto di vista, il Murzoll, il

Similaun. Il ponte rimane assai

più vicino agli spettatori, e il

sentiero che vi conduce non è

che una continuazione della via

dell’Hochstoff. Cade la sera.

Davanti al crocifisso la lampada

è accesa.

O palco está dividido em duas

partes. À direita, a casa de

Stromminger (agora de Wally);

à frente o interior do quarto

de Wally. Na outra parte uma

rua de Hochstoff ladeada

de casas à esquerda. Da rua

entra-se no quarto de Wally

através de uma pequena porta.

A cada lado desta porta há uma

janela. No horizonte, tal como

no primeiro ato, mas de um ponto

de vista diferente, vê-se o

Murzoll e o Similaun. A ponte

continua bastante próxima dos

espectadores, e o caminho que a

ela conduz não é mais do que a

continuação da rua de Hochstoff.

É o cair da noite. Diante do

crucifixo a lanterna está acesa.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

99


LA WALLY – ALFREDO CATALANI

100 LA WALLY – ALFREDO CATALANI

101



Nella camera della Wally:

la camera è immersa in una

profonda oscurità.

No quarto de Wally:

O quarto está mergulhado em

profunda escuridão.

Nella strada:

ritornano a gruppi quelli

dell’Hochstoff che sono andati

alla festa di Sölden. Tornano

a coppie di quattro, di sei,

Uomini, Donne; se ne vengono

lentamente pe ‘l ponte, e

silenziosi rincasano.

Ultima si vede tornare la Wally,

accompagnata dal piccolo Walter.

La Wally è ancora vestita della

splendida veste di velluto ma

i fiori che l’adornavano sono

tutti strappati. Essa è assorta

in pensieri che l’addolorano, e

affannosamente cammina, quasi

inconscia di sé, seguendo il

piccolo Walter.

Na rua:

Regressam em grupos os

habitantes de Hochstoff que

foram à festa de Sölden. Voltam

em grupos de quatro, de seis,

homens, mulheres; atravessam

lentamente a ponte, e em

silêncio recolhem a casa. A

última que se vê regressar é Wally,

acompanhada do pequeno Walter.

Wally está ainda vestida com

o magnífico traje de veludo,

mas as flores que a enfeitavam

foram todas arrancadas. Wally

está absorta em pensamentos que

a entristecem, e caminha com

esforço, quase inconsciente,

seguindo o pequeno Walter.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

102


WALLY, WALTER

Nella camera della Wally:

(Walter apre la porta della camera e

vi lascia passare la Wally, seguendola;

poi richiude la porta e accende una

lampada. La Wally rimane immobile

in mezzo alla stanza.)

WALLY, WALTER

No quarto de Wally:

(Walter abre a porta do quarto e

deixa passar Wally, seguindo-a

depois. Volta a fechar a porta e

acende uma luz. Wally permanece

imóvel no meio do quarto.)

WALTER

Fa’ core, Wally!

WALTER

Anima-te, Wally!

WALLY (sempre pensierosa)

Hai tu veduto Gellner?

WALLY (continuando pensativa)

Viste o Gellner?

WALTER

No! Forse a Sölden passerà la notte.

WALTER

Não! Talvez passe a noite em Sölden.

WALLY

Non l’hai veduto dunque?

WALLY

Então não o viste?

(si leva il vezzo di perle, e lo guarda

sorridendo amaramente; poi con un

gesto di disprezzo lo getta sopra una

tavola, e siede annodandosi i capelli

che disordinatamente le scendono

sulle spalle)

(tira o colar de pérolas, e observa-o

sorrindo amargamente; depois,

com um gesto de desprezo atira-o

para cima de uma mesa, e senta-se

enrolando os cabelos que lhe caem

desordenados sobre os ombros)

WALTER (addolorato guardando la Wally)

Wally!

WALTER (entristecido observa Wally)

Wally!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

103


WALLY (interrompendo)

Taci...

Che è questo? Ascolta!

WALLY (interrompendo-o)

Cala-te…

Que é isto? Escuta!

WALTER (apre una delle finestre

e sta ad ascoltare, poi richiude)

È un ubriaco che canta...

WALTER (abre uma das janelas e fica

à escuta, depois fecha-a de novo)

É um bêbado a cantar…

WALLY (che si è alzata, agitata,

ad ascoltare, ritorna a sedere

mormorando)

È ver! Pareami un lamento!

WALLY (que se levantou, agitada,

à escuta, volta a sentar-se,

murmurando:)

É verdade! Parecia-me um gemido!

WALTER (con affetto e quasi

supplichevole)

Vuoi che te co rimanga questa sera?

WALTER (com afeto e quase suplicante)

Queres que fique junto a ti esta

noite?

WALLY

No, voglio restar sola... te ne prego...

WALLY

Não, quero ficar só... peço-te…

(Walter bacia Wally ed esce per una

porta interna a destra. La Wally è

agitatissima; ad ogni istante paurosa

tende l’orecchio; vorrebbe pregare, ma

non può. Finalmente dà in un pianto

dirotto, e, la testa fra le mani, si lascia

cadere in ginocchio a piè del letto.)

(Walter despede-se com um beijo de

Wally e sai por uma porta interior

à direita. Wally está agitadísima; a

cada momento fica temerosa à escuta,

quereria rezar, mas não consegue.

Finalmente desata em lágrimas, a

cabeça entre as mãos, cai de joelhos

junto à cama.)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

104


(la Wally a un tratto si scuote!

Le sue mani corrono ai suoi occhi,

incredula del suo dolore, quasi a

convincersi che essa ha pianto!)

(Wally recompõe-se subitamente.

Leva as mãos aos olhos! Não quer

crer no seu sofrimento, como que a

convencer-se de que chorou!)

(Nella strada:

Vincenzo Gellner viene dal fondo,

passa lentamente per la via

dell’Hochstoff, ed entra in una delle

case che la fiancheggiano. La notte è

scesa oscurissima.)

(Na rua:

Vincenzo Gellner surge do fundo,

caminha lentamente pela rua de

Hochstoff, e entra numa das casas

que a ladeiam. A noite caiu por

completo escuríssima.)

(dietro il ponte della Ache si ode

avvicinarsi poco a poco una canzone.

È il Pedone di Schnals, mezzo

ubbriaco, che canta)

(do outro lado da ponte do Ache

ouve-se uma canção que se avizinha

pouco a pouco. É o Almocreve de

Schnals, meio bêbado, que canta)

PEDONE (traversa il ponte, e se ne

viene a sghimbescio verso l’Hochstoff)

Non v’è maggior piacer d’un bel

colmo bicchier.

Ah sì! credete a me, altro non v’è!

ALMOCREVE (atravessa a ponte, e

avança vacilante em direção a Hochstoff)

Não há maior prazer

do que um copo bem cheio.

Ah, sim, podeis crer, outro não há!!

(Gellner, all’udire la voce del Pedone

esce dalla casa ove era entrato

poc’anzi ne chiude la porte con gran

precauzione, poi, quasi strisciando

per la via, va a porsi allo sbocco del

sentiero.)

(Gellner, ao ouvir a voz do Almocreve

sai da casa onde tinha entrado pouco

antes e fecha a porta com grande

cuidado; depois, quase deslizando

pela rua, vai colocar-se à saída do

caminho.)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

105


PEDONE (scendendo il sentiero)

Così sempre giocondo

è questo falso mondo...

se l’amore t’inganna garzon, canta e

tracanna!

Ah sì! credilo a me, altro non v’è!

ALMOCREVE (descendo pelo caminho)

Assim sempre aprazível

é este falso mundo...

Se o amor te engana, rapaz, canta e

bebe!

Ah sim! Podeis crer, outro não há!

(allo sbocco del sentiero, là dove questo

si congiunge alla strada dell’Hochstoff,

Gellner arresta il Pedone, ponendogli

una mano sulla spalla)

(no fim do caminho, no sítio onde

se junta à rua de Hochstoff, Gellner

detém o Almocreve, pondo-lhe uma

mão no ombro)

GELLNER (sottovoce, rapidamente)

Ebben... dunque?

GELLNER (em voz baixa, rapidamente)

Diz lá... e então?

PEDONE (lasciando sfuggire un

comico gesto di paura)

Ah! Siete voi? Pe ‘l ciel, m’avete fatto

paura...

ALMOCREVE (deixando escapar um

gesto cómico de susto)

Ah! É você? Até me assustei…

(Gellner impaziente scuote il Pedone)

(Gellner impaciente sacode o

Almocreve)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

106


PEDONE

Io là rimasi fino a sera,

quando ad un tratto l’Hagenbach

disparve.

ALMOCREVE

Fiquei lá até ser noite,

quando de repente o Hagenbach

desapareceu.

GELLNER

Disparve?

GELLNER

Desapareceu?

PEDONE

Me ne uscii; era già notte.

Allor decisi di tornare...

un uom scendeva lento il sentier

dell’Ache...

ALMOCREVE

Saí de lá, era já noite.

Então decidi voltar…

Um homem descia devagar o

caminho do Ache…

GELLNER

L’Hagenbach forse?

GELLNER

O Hagenbach talvez?

PEDONE

Egli in persona!

ALMOCREVE

Ele mesmo!

GELLNER

Parla sommesso... Ebben?

GELLNER

Fala baixo... E então?

PEDONE

Lo riconobbi.

(sulla strada)

Costui è certo un

uomo di coraggio...

ALMOCREVE

Reconheci-o.

(prosseguindo pela rua)

Aquilo é realmente

um homem de coragem...

GELLNER

Perché?

GELLNER

Porquê?

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

107


LA WALLY – ALFREDO CATALANI

108 LA WALLY – ALFREDO CATALANI

109



PEDONE

Venir qui solo, e a notte tarda! Per lui

già piange Sölden...

Là si teme che qui si voglia...

vendicar la Wally!

ALMOCREVE

Vir aqui sozinho, a altas horas da noite!

Em Sölden já choram por ele...

Há lá quem tema que alguém queira...

vingar Wally!

GELLNER (ridendo)

Ohibò! pazzie!

(dandogli del denaro)

Però non si sa mai. Vanne a dormir

lontano...

Mala notte è questa

per l’Hochstoff...

GELLNER (rindo)

Ora! Tolices!

(dando-lhe dinheiro)

Mas nunca se sabe. Vai dormir longe

daqui...

Esta noite é uma noite má

para Hochstoff…

PEDONE (strizzando l’occhio)

Non mi ci piglia!

ALMOCREVE (piscando o olho)

Aqui não me apanha!

(parte dal fondo a sinistra,

scomparendo dietro la casa dello

Stromminger, zuffolando)

(sai pelo fundo à esquerda, e

desaparece atrás da casa de

Stromminger, assobiando)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

110


GELLNER

L’Hagenbach qui? Egli all’Hochstoff?

Ohibò!

Ubriaco è il Pedon...

non è possibile!

(dopo una pausa)

E se ciò fosse? Se...

(arrestandosi e guardando d’intorno)

La notte è oscura...

e una sventura

può toccare a tutti...

la lampada lassù...

potrebbe spegnersi...

impetuoso è il vento...

(esitando)

Perché tremo? perché tremo?

Ahimè! mi guarda

il crocifisso nero!

(riavendosi)

Gellner, su via! Si tratta di Wally!

GELLNER

O Hagenbach aqui? Em Hochstoff?

Ora!

O Almocreve está bêbado...

não é possível!

(depois de uma pausa)

E se fosse? Se...

(detendo-se e olhando em volta)

A noite está escura...

e uma desgraça pode acontecer a

qualquer um...

A luz ali em cima...

poderia apagar-se...

o vento está forte...

(hesitando)

Porque tremo? Porque tremo?

Ai de mim! O crucifixo negro está-me

a ver!

(recompondo-se)

Gellner, ânimo! Está em causa a Wally!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

111


(Si caccia su pe ‘l sentiero scrutando

nell’oscurità, e tendendo le orecchie

per ascoltare il più piccolo rumore.

Più che camminare, egli striscia

su pe ‘l sentiero. Arrivato al ponte,

si ferma quasi diffidente; guarda

ancora intorno a sé, poi lo varca. Si

avvicina al crocifisso, e con grande

destrezza ne spegne la lampada. Il

vento soffia più che mai impetuoso.

Gellner scompare nell’oscurità dietro

il ponte e aspetta. La scena rimane

completamente immersa nel buio.)

(Segue pela vereda perscrutando

a escuridão, e de ouvidos atentos

ao mínimo ruído. Mais do que

caminhar, Gellner arrasta-se pela

vereda. Ao chegar à ponte, detémse

como que desconfiado; continua

a olhar em volta, depois atravessa.

Aproxima-se do crucifixo, e com grande

agilidade apaga a lanterna. O vento

sopra cada vez mais impetuoso.

Gellner desaparece na escuridão

atrás da ponte e fica à espera. O

palco permanece completamente

mergulhado em escuridão.)

WALLY (nella camera, con un gesto

risoluto si dà a pregare sul letto. Si

toglie di dosso il corsetto di velluto.

Poi si inginocchia, fa il segno di

croce e prega. Ma a un tratto si

alza esclamando contristata e

dispettosa:)

Né mai dunque avrò pace?

E da pensieri sempre feroci o tristi

la mia mente sarà turbata?

Ohimè! solo una celia

io fui per lui, e del mio ardente

bacio egli si rise?...

(con accento d’odio)

Ebben, morrai, crudele!

WALLY (no quarto, com um gesto

decidido prepara-se para rezar

em cima da cama. Despe o corpete

de veludo. Depois ajoelha-se, faz o

sinal da cruz e reza. Mas de repente

levanta-se, exclamando contristada

e despeitada:)

Será que nunca terei descanso?

E terei sempre pensamentos

horríveis e tristes a perturbar-me?

Ai de mim! Não passei de uma

brincadeira para ele,

e do meu ardente beijo se riu?...

(num tom de ódio)

Pois bem, hás de morrer, cruel!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

112


LA WALLY – ALFREDO CATALANI

113 LA WALLY – ALFREDO CATALANI

114



(con raccapriccio prima, poi con

isconforto)

Misera me, che l’amo, l’amo!

La giovinezza coi suoi sogni ardenti,

or crudeli tormenti,

tutta sola mi lascia;

e già s’accascia

nel triste ricordare la persona,

e la speranza fugge e m’abbandona!

In un suo bacio v’era la mia vita,

in un suo bacio la speranza tutta!

E m’ha quel bacio la vita distrutta!

Pur... gli perdono; io non vo’ la sua

vita...

a Gellner voglio dir che pazza fui...

(apre la porta per iscendere nella via,

ma si arresta sulla soglia spaventata

dall’oscurità)

Che tetra notte! Come fischia il

vento...

(guardando verso il ponte)

Spento è il lume laggiù!

Giuseppe, certo, a Sölden è rimasto;

per stanotte

nulla ha a temer...

doman l’avvertirò!

(richiude la porta e più tranquilla si

accinge a coricarsi)

(com horror primeiro, depois com

desânimo)

Pobre de mim, que o amo. Amo-o!

A juventude com os seus sonhos

ardentes,

ou cruéis tormentos,

deixa-me completamente só;

e já o meu ser se resigna

às tristes recordações,

e a esperança foge e me abandona!

No beijo dele se foi a minha vida,

no seu beijo toda a minha esperança!

Porém... eu o perdoo; não quero a

vida dele...

Vou dizer a Gellner que estava louca...

(abre a porta para descer à rua, mas

detém-se no limiar assustada com a

escuridão)

Que noite terrível! Como assobia o

vento...

(olhando em direção à ponte)

Está apagada a luz lá em baixo!

Giuseppe, certamente, terá ficado

em Sölden.

Com uma noite destas nada há a

temer... amanhã o avisarei!

(volta a fechar a porta e mais

tranquila prepara-se para se deitar)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

115


HAGENBACH (compare dietro il ponte;

egli cammina a tentoni nell’oscurità)

Buio è il sentier...

la lampada è spenta...

ma che m’importa?

Ai piedi di Wally

il rimorso e l’amor mi guideranno.

HAGENBACH (surge do outro lado da

ponte; caminha às apalpadelas na

escuridão)

Que escuro o caminho...

a lanterna está apagada...

mas que me importa? Aos pés de Wally

o remorso e o amor me guiarão.

(Sta per passare il ponte, quando

Gellner gli è addosso, e lo fa

precipitare dal piccolo parapetto.

L’Hagenbach getta un urlo terribile.

Gellner scende rapidamente, quasi

fuggendo. Poi, giunto allo sbocco del

sentiero, rallenta il passo e fa per

rientrare in casa sua. Ma vendendo

la finestra della camera della Wally

ancora rischiarata da un lume, vi si

avvicina.)

(Está prestes a passar a ponte,

quando Gellner se atira a ele, e

o empurra por cima do pequeno

parapeito. Hagenbach solta um grito

terrível. Gellner desce rapidamente,

quase fugindo. Depois, junto ao

fim do caminho, abranda o passo

e prepara-se para entrar em

sua casa. Mas ao ver a janela do

quarto de Wally ainda iluminada,

aproxima-se dela.)

WALLY (sobbalzando)

È strano! intorno a me solo lamenti

odo stanotte.

WALLY (sobressaltada)

É estranho! À minha volta só oiço

gemidos esta noite.

GELLNER

È desta ancora la selvaggia

e aspetta!

(batte sommessamente ai vetri

d’una finestra)

GELLNER

E ainda está acordada esta

desvairada e está à espera!

(bate cauteloso no vidro da janela)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

116


WALLY

Oh ciel! chi batte?

(con spavento)

È Gellner! Che vorrà?

WALLY

Meu Deus! Quem bate?

(com medo)

É Gellner! Que quer ele?

(atterrita, corre come una pazza alla

porta, l’apre ed esce nella via)

(aterrorizada, corre como louca para

a porta, abre-a e sai para a rua)

(da questo punto l’azione si svolge

tutta nella via dell’Hochstoff)

(a partir daqui, a ação decorre toda

na rua de Hochstoff)

GELLNER

Se vuoi vederlo morto... giù nell’Ache

discendi e lo vedrai.

GELLNER

Se queres vê-lo morto... lá em baixo

no Ache desce e podes vê-lo.

WALLY

No, non è vero!

WALLY

Não, não é verdade!

GELLNER

Oh come vero iddio...

giù dal ponte

or ora l’ho precipitato.

GELLNER

Oh tão verdade como Deus é

verdade... Lá em baixo. Atirei-o

agora mesmo da ponte.

WALLY (afferrandolo convulsa per il

collo)

Vile!

WALLY (agarrando-o agitada pelo

pescoço)

Cobarde!

GELLNER

Taci... che fai?

GELLNER

Cala-te… Que fazes?

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

117


WALLY (trascinando verso il ponte)

Vieni con me...

WALLY (arrastando-o para a ponte)

Vem comigo...

GELLNER (dibattendosi)

Mi lascia...

GELLNE (debatendo-se)

Larga-me…

WALLY

Vieni! Laggiù noi due insieme! In

fondo a quell’abisso, e presso al

corpo suo.

Là v’è l’altare delle nostre nozze.

(trascina Gellner sin presso al ponte,

quando dall’abisso sorge un lamento.

Ascolta trepidante. Le sue braccia

lasciano sfuggire Gellner. Un altro

lamento s’ode distintamente. Con

impeto di gioia)

Dio! vive ancor!

(scende precipitosa nella via,

urlando e picchiando a tutte

le porte)

A me, a me, soccorso! A me!

(si schiudono alcune finestre, si

aprono le porte delle case; uomini e

donne compaiono)

WALLY

Vem! Lá em baixo estaremos juntos

os dois! No fundo daquele abismo, e

junto ao corpo dele.

Será ali o altar do nosso noivado.

(arrasta Gellner até junto da ponte,

quando do abismo se eleva um

gemido. Escuta tremente. Os seus

braços deixam escapar Gellner.

Ouve-se distintamente outro gemido.

Com um assomo de alegria)

Meu Deus! Está vivo!

(desce precipitadamente ao longo

da rua, gritando e batendo a todas

as portas)

Acudam, acudam, socorro! Acudam!

(entreabrem-se algumas janelas,

abrem-se portas; surgem homens e

mulheres)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

118


LA WALLY – ALFREDO CATALANI

119 LA WALLY – ALFREDO CATALANI

120



ABITANTI DELL’HOCHSTOFF

Che avvenne?

HABITANTES DE HOCHSTOFF

Que se passa?

WALLY

Un uom nell’Ache...

WALLY

Um homem no Ache..

ABITANTI DELL’HOCHSTOFF

Morto?

HABITANTES DE HOCHSTOFF

Morto?

WALLY

Presto!

È l’Hagenbach... ei vive... lo

salviamo!

WALLY

Rápido!

É Hagenbach... está vivo... Vamos

salvá-lo!

(La scena è invasa da uomini, da

donne; chi porta torce, chi corde e

scale. Gellner è scomparso.)

(O palco enche-se de homens,

mulheres; uns trazem tochas,

outros cordas e escadas. Gellner

desapareceu.)

ABITANTI DELL’HOCHSTOFF

Presto alle corde... i nodi

stretti! Ben stretti i nodi...

HABITANTES DE HOCHSTOFF

Depressa cordas, com nós

apertados! Apertem bem os nós...

WALLY

Stretti...

WALLY

Apertem...

ABITANTI DELL’HOCHSTOFF

Ora allacciamo!

HABITANTES DE HOCHSTOFF

Agora atem!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

121


(Dall’altra parte del ponte intanto si

vedono venire a frotte quei di Sölden

con armi e torcie; fra essi è Afra.)

(Do outro lado da ponte entretanto

vêem-se chegar em bandos os

habitantes de Sölden com armas e

tochas; entre eles encontra-se Afra.)

WALLY

Siam pronti; andiam!

WALLY

Estejam prontos; vamos!

ABITANTI DI SÖLDEN

(minacciosi)

Dell’Hagenbach cerchiamo...

Dov’è? Dov’è? Rispondi!

HABITANTES DE SÖLDEN

(ameaçadores)

Procuramos Hagenbach...

Onde está? Onde está? Respondei!

(un gran silenzio; nessuno osa

rispondere)

(grande silêncio; ninguém ousa

responder)

AFRA (scoppiando in lacrime)

Ah! l’hanno ucciso!

AFRA (desfazendo-se em lágrimas)

Ah! Mataram-no!

(Quei di Sölden stanno per iscagliarsi

contro quelli dell’Hochstoff; la Wally

s’interpone gridando:)

(Os de Sölden estão prestes a

atirar-se contra os de Hochstoff;

Wally interpõe-se gritando:)

WALLY

Morto non è... No!

(ad Afra)

Spera... lo riavrai!

WALLY

Não está morto... Não!

(para Afra)

Espera... Será teu de novo!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

122


ABITANTI DI SÖLDEN

E DELL’HOCHSTOFF

Oh! audacia!

HABITANTES DE SÖLDEN

E DE HOCHSTOFF

Oh! Que audácia!

(Rapidamente Wally si apre un

passaggio tra la folla, e corre verso

il precipizio. Tutti la seguono co’ lo

sguardo. La Wally, senza esitare, per

un piccolo sentiero scende nell’abisso.

Meravigliati, quasi atterriti del suo forte

atto di coraggio, gli uomini con le torcie

alla mano, si affacciano al precipizio.

Le donne s’inginocchiano in disparte

e pregano.)

(Rapidamente, Wally abre caminho

por entre a multidão, e corre para

o precipício. Todos a seguem com o

olhar. Wally, sem hesitar, desce ao

precipício por uma pequena vereda.

Espantados, quase aterrorizados pelo

grande ato de coragem, os homens

empunhando as tochas, abeiram-se

do precipício. As mulheres

ajoelham-se à parte e rezam.)

ABITANTI DELL’HOCHSTOFF

Oh! Spavento! Oh! Terror!

Signor, la proteggete!

Salva ce la rendete!

Caliam le corde...

(sbigottiti)

L’abisso è profondo...

ascoltiamo in silenzio... Nulla s’ode...

HABITANTES DE HOCHSTOFF

Oh! Que medo! Oh! Que terror!

Senhor, protegei-a!

Salvai-a!

Desçam as cordas...

(aterrorizados)

O abismo é profundo...

Silêncio!… Não se ouve nada...

WALLY (dal fondo dell’abisso, con

gioia)

Vive!

WALLY (do fundo do abismo, com

alegria)

Está vivo!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

123


AFRA, ABITANTI DI SÖLDEN

E DELL’HOCHSTOFF

(si affannano all’abisso)

Forza alle corde, all’opra su!

Su issa! ohè! all’opra su!

AFRA, HABITANTES DE HOCHSTOFF

E DE SÖLDEN

(afadigados, junto ao abismo)

Puxai as cordas, força!

Puxai! Vá! Puxai bem!

(Dopo pochi minuti di un’ansia

spaventevole, la Wally compare

tenendo legato e stretto a sé il corpo

dell’Hagenbach, privo di sensi.)

(Depois de alguns minutos de terrível

ansiedade, Wally surge trazendo

atado e ligado a si o corpo de

Hagenbach, sem sentidos.)

AFRA, ABITANTI DI SÖLDEN

E DELL’HOCHSTOFF

È salvo!

AFRA, HABITANTES DE HOCHSTOFF

E DE SÖLDEN

Está salvo!

(gli amici prendono Giuseppe e lo

adagiano per terra)

(os amigos agarram Giuseppe e

estendem-no chão)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

124


WALLY (in uno stato di suprema

esaltazione, dall’alto della rupe,

additando alla folla che le si

accalca attorno il corpo del giovane

cacciatore, esclama:)

Sì, vive ancora!

(ad Afra)

È dio che te ‘l ridona e tuo lo vuole,

per mia man salvato.

(sempre ad Afra con grande

commozione)

Così... pur la mia casa... e i campi,

e i prati,

Afra son tuoi...

(un singhiozzo le tronca la parola;

scoppia in lagrime e s’inginocchia

presso Giuseppe baciandolo in volto e

mormorando:)

Addio!

(poscia si scosta rapidamente da lui,

e pretendo nelle sue mani di Afra, le

dice a voce alta per modo che tutti

possano udire:)

Allor che gli occhi riaprirà alla luce,

gli dirai che il bacio che mi tolse,

ora gli ho reso!

WALLY (num estado de extrema

exaltação, do alto do rochedo,

dirigindo-se à multidão reunida à

volta dela e apontando para o corpo

do jovem caçador, exclama:)

Sim, está vivo!

(para Afra)

É Deus que to devolve e quer que seja

teu, salvo por minhas mãos.

(continuando a dirigir-se a Afra com

grande emoção)

E também... a minha casa...

os campos, os prados,

Afra, são teus...

(um soluço interrompe-a, e desfeita

em lágrimas ajoelha-se junto a

Giuseppe beijando-lhe o rosto e

murmurando:)

Adeus!

(depois afasta-se bruscamente dele, e

prendendo nas suas as mãos de Afra,

diz-lhe em voz alta de modo que todos

possam ouvir:)

Assim que os olhos dele se abrirem,

dir-lhe-ás que o beijo que me

roubou, devolvi-lho eu agora!

AFRA, ABITANTI DI SÖLDEN

E DELL’HOCHSTOFF

O pia creatura, generosa e santa!

AFRA, HABITANTES DE HOCHSTOFF

E DE SÖLDEN

Ó piedosa criatura, generosa e santa!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

125


ATTO QUARTO

SCENA UNICA

ATO IV

CENA ÚNICA

SUL MURZOLL

NA MONTANHA DE MURZOLL

Stanca, non lontana dalla sua

capanna stava un giorno Wally

seduta sopra una delle più alte

cime del Murzoll. La scena che

l’attorniava somigliava nel

triste e livido dicembre un

cimitero sparso di tumuli di

neve, co’ le fronde bizzaramente

foggiate dal ghiaccio in croci,

coi cespugli di fiori alpestri

trasformati in tombe trasparenti

e candide come il marmo. Sotto

a’ suoi piedi si stendeva il

mare di ghiaccio, desolato,

infinito, coi suoi riflessi

verdastri e con le sue onde

irrigidite che si prolungavano

sino all’altro versante della

montagna. L’orizzonte co’ le sue

innumerevoli catene di monti era

avvolto nei fantastici vapori del

meriggio. Il Similaun, accanto

a Wally, era accarezzato da una

piccola nuvola, e la ragazza,

appoggiata la testa nelle mani,

ne seguiva macchinalmente gli

ondeggiamenti.

Um dia, cansada, não longe da

sua cabana Wally sentada num

dos cimos mais altos do Murzoll.

A paisagem que a rodeava

assemelhava-se, naquele triste e

lívido dezembro, a um cemitério

semeado de túmulos de neve,

com os ramos bizarramente

modelados em cruz pelo gelo,

com os maciços de flores alpestres

em redor transformados em campas

transparentes e alvas como mármore.

Aos seus pés estendia-se o mar de

gelo, desolado, infinito, com

os seus reflexos esverdeados

e com as suas ondas abruptas

que se prolongavam até à outra

vertente. O horizonte com as

suas inumeráveis cadeias de

montes estava envolto nas brumas

extraordinárias do meio dia.

Uma pequena nuvem acariciava o

monte Similaun, junto a Wally, e

a rapariga, com a cabeça entre

as mãos, seguia maquinalmente

os seus movimentos sinuosos.

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

126


LA WALLY – ALFREDO CATALANI

127 LA WALLY – ALFREDO CATALANI

128



Dalla sinistra, per un piccolo

ad ascoso sentiero, sale

faticosamente Walter sino alla

capanna, e si avvicina a Wally.

Vindo da esquerda, por uma

pequena vereda oculta, Walter

sobe com esforço até à cabana,

e aproxima-se de Wally.

WALTER

Luogo sicuro questo non è più!

Le valanghe distruggono i sentier!

(la Wally si scuote; guarda d’intorno

attentamente, poi ritorna a meditare

come prima. Walter l’abbraccia e

la costringe affettuosamente ad

alzarsi)

Wally, torniamo!

WALTER

Este lugar já não é seguro!

As avalanches destruíram os caminhos!

(Wally como que desperta; olha à sua

volta atentamente, depois volta ao

mesmo estado de meditação. Walter

abraça-a e afetuosamente força-a a

levantar-se)

Wally, voltemos!

WALLY

Se è scritto ch’io non debba più

veder la terra dove ho amato

e pianto tanto il mio destin si

compia!

WALLY

Se está escrito que eu não deva

voltar a ver a terra onde amei

e chorei, cumpra-se então o meu

destino!

WALTER

L’inverno è desolato...

WALTER

O inverno é desolador...

WALLY

Più non soffro

pene di questo mondo!

WALLY

Já não me fazem sofrer

as penas deste mundo!

WALTER

È già il Natale,

Wally, torniamo!

WALTER

É já Natal,

Wally, voltemos!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

129


WALLY

Non ho più famiglia...

WALLY

Já não tenho família...

WALTER

Torniamo a riudir le allegre squille

delle campane della chiesa nostra

che cantano la pace...

WALTER

Voltemos a ouvir o alegre repicar

dos sinos da nossa igreja

cantando a paz...

WALLY (con abbandono)

La mia pace?

È perduta per sempre! Tu ritorna,

alla casa, alla vita, all’amore!...

Walter, ritorna ed ama!

WALLY (com abandono)

A minha paz?

Para sempre a perdi! Volta tu, para

casa, para a vida, para o amor!...

Walter, volta e ama!

WALTER

Senza te!

WALTER

Sem ti!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

130


WALLY (traendo dal seno il vezzo di

perle che portava il dì della festa di

Sölden e porgendolo a Walter, con un

sorriso d’amara tristezza)

Prendi, fanciullo... serbala! questa

memoria pia,

questa, che un dì fu orgoglio della

bellezza mia.

Son queste le mie lagrime dal duolo

irrigidite,

i ricordi soavi

dell’affranto mio cuor,

le parole d’amore

che ho detto e che ho sentite...

A te prendila, Walter!

È tutto il mio tesor!

(con immensa rassegnazione)

Ed or, fanciullo, vanne.

È già il Natale!

WALTER (piangendo)

Torna con me!

WALLY (tirando o colar de pérolas

que trazia na festa de Sölden e

estendendo-o a Walter, com um

sorriso de amarga tristeza)

Toma, meu amigo... guarda

esta lembrança piedosa,

daquilo que um dia

foi o orgulho da minha beleza.

São estas as minhas lágrimas

de dor cristalizadas,

as doces recordações

do meu triste coração,

as palavras de amor

que eu disse e que ouvi...

É para ti, toma, Walter!

É o meu único tesouro!

(com imensa resignação)

E agora, meu rapaz, vai.

É já Natal!

WALTER (chorando)

Volta comigo!

WALLY (melanconicamente)

Riudrai le allegre squille

delle campane della chiesa nostra

che cantano la pace...

WALLY (com melancolia)

Ouvirás de novo o alegre repicar

dos sinos da nossa igreja

cantando a paz...

WALTER

Wally deh! torna! Wally!

WALTER

Wally vá lá! Volta! Wally!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

131


WALLY

Fanciullo, no. Soltanto una preghiera.

(soavemente a Walter indicando il

ghiacciaio)

Allor che avrai varcato il periglioso

mare di ghiaccio canta, oh, canta

ancora la mesta cantilena del mio

jodler!

WALLY

Não, meu rapaz. Só um pedido.

(docemente, apontando para o gelo)

Assim que tiveres passado o

perigoso

mar de gelo, canta, ah, canta mais

uma vez

a minha triste canção!

(Le lacrime le impediscono di più

proseguire. Ella abbraccia con

gran tenerezza Walter, e dolcemente

lo spinge sul sentiero del ritorno.

Walter piangendo si allontana e

scompare dal sentiero a sinistra.

Appena sola la Wally si accascia

presso la sua capanna. Il cielo,

dapprima sereno, va lentamente

coprendosi di nubi. Essa si guarda

intorno.)

(As lágrimas impedem-na de

prosseguir. Abraça com ternura

Walter, e suavemente dirige-o para o

caminho de regresso. Walter chorando

afasta-se e desaparece pelo caminho

à esquerda. Mal se vê sozinha, Wally

deixa-se cair junto à sua cabana. O

céu, antes sereno, começa lentamente

a cobrir-se de nuvens. Wally olha à

sua volta.)

WALLY

Eterne a me d’intorno piange la neve

lacrime!

Qui lagrima da secoli eterno

pianto il giorno!

Fra la densa caligine laggiù

la terra appar mugghiante fra

le tenebre un desolato mar.

Funesto mare dell’umana vita!

WALLY

Chora a neve à minha volta

lágrimas eternas!

Chora aqui há séculos

o dia um eterno pranto!

Entre a densa névoa lá em baixo

a terra parece um mar desolado

a bramar nas trevas.

Funesto mar da vida humana!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

132


Un giorno sciolte le sue vele al

vento sfidava la mia nave

l’onda ardita,

e dentro la mia nave, alta,

orgogliosa la giovinezza mia

cantava forte

canti d’amor sovra flutti di rosa,

(cupa)

quei canti lieti

or son nenie di morti!

Em tempos, de velas soltas ao vento

desafiava o meu barco as ondas

com ousadia, e dentro do meu barco,

altiva e orgulhosa,

a minha juventude

cantava alto

cantos de amor sobre vagas rosadas,

(sombria)

esses cantos alegres são agora

litanias de morte!

WALTER (da lontano)

E il vento iva lontan

poi le venia vicin...

Quando fu giunta sovra l’alto monte

presso la neve bianca

la pellegrina stanca

sciolse le treccie e chinò il bianco

fronte.

(la voce di Walter va a poco a poco

perdendosi)

WALTER (ao longe)

E o vento ia para longe

depois para junto dela...

E assim que chegou ao cimo do monte

junto da neve branca

a peregrina cansada

soltou as tranças e inclinou a fronte

clara.

(a voz de Walter a pouco e pouco

deixa de se ouvir)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

133


WALLY (con esaltazione)

Sì, come te, fanciulla del mio canto

l’amore fu dolor, la vita pianto.

Sì, come te morir deve la Wally...

(getta il mantello di pelle, si scioglie

le chiome che le inondano le spalle,

s’inginocchia, e come assorta in

dolcissima estasi canta:)

O neve, o figlia candida di dio,

risplender t’ho veduta

dalla vallata muta,

né l’aspro m’atterrì lungo pendio,

e a te ne son venuta.

Esser pari a te bella desio!

WALLY (com exaltação)

Sim, como para ti, rapariga do meu canto

o amor foi dor, a vida pranto.

Sim, como tu assim deve morrer a Wally...

(tira o abrigo de peles, solta os cabelos

que se espalham pelos seus ombros,

ajoelha-se, e como que mergulhada

em suavíssimo êxtase, canta:)

Ó neve, ó alva filha de Deus,

via-te resplender

no vale emudecido

e sem temer o áspero e longo

caminho, vim para junto de ti.

Ser bela como tu é o meu desejo!

(Lo jodler che segue, la Wally lo canta

con immensa passione, quasi nel

delirio; ed è durante questo suo canto

che ha del dolore fantastico, che da

lunge si sente la voce dell’Hagenbach

chiamare: «Wally! Wally!» voce che si fa

sempre più distinta.)

(A canção que se segue é cantada por

Wally com imensa paixão, quase em

delírio; e é durante o seu canto no qual

se adivinha uma dor extrema, que ao

longe se ouve a voz de Hagenbach

chamando: «Wally! Wally!», uma voz

que se torna cada vez mais clara.)

HAGENBACH

Wally! Wally!

HAGENBACH

Wally! Wally!

WALLY

Come sei triste, o vento,

tu somigli al mio pianto.

WALLY

Como és triste, ó vento,

assemelhas-te ao meu pranto.

HAGENBACH

Wally!

HAGENBACH

Wally!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

134


WALLY

Sei l’ultimo lamento,

sei l’ultimo mio canto.

WALLY

És o derradeiro lamento,

és o meu último canto.

HAGENBACH (più distintamente)

Wally!

HAGENBACH (mais claramente)

Wally!

WALLY (impaurita)

Una voce mi chiama! Chi mi vuole?

(ascoltando, ma tutto è silenzio)

No, m’ingannai.

WALLY (assustada)

Uma voz a chamar! Quem me chama?

(põe-se à escuta, mas está tudo silencioso)

Não, foi engano.

HAGENBACH (più vicino)

Wally!

HAGENBACH (mais perto)

Wally!

WALLY

E ancora... Chi mi chiama?

(agitata dallo spavento)

Ah sono, ohimè, le fanciulle beate!

(grido)

Ah! dei lividi ghiacciai

sono le fate!

(coprendosi gli occhi colle mani per

non vedere la spaventosa visione)

Già la lugubre schiera ecco s’avanza,

ed agitan su me l’orribil velo e

intreccian d’intorno a me la danza,

vêr me tendendo le braccia di gelo!

(cade a terra ansante dallo spavento)

WALLY

Outra vez... Quem me chama?

(agitada pelo terror)

Ah são, ai de mim, as donzelas benditas!

(grito)

Ah! São as fadas dos lívidos

glaciares!

(tapando os olhos com as mãos para

não ver a visão assustadora)

Já avança a sinistra turba,

e agita sobre mim o horrível véu,

cercando-me com a sua dança,

estendendo para mim os braços de gelo!

(cai por terra arquejando de terror)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

135


(Dal sentiero di destra appare

Hagenbach che s’inerpica

appoggiandosi a un bastone

ferrato. Egli si ferma penosamente

impressionato a vedere i segni che i

partimenti hanno impresso sul volto

della Wally, e dolcemente la chiama:)

(Do caminho à direita surge

Hagenbach que sobe com esforço

apoiado a um bastão ferrado.

Detém-se penosamente,

impressionado ao ver as marcas que

o isolamento deixou no rosto de Wally,

e chama-a com voz suave:)

HAGENBACH

Oh Wally!

HAGENBACH

Oh Wally!

WALLY (drizzandosi e vedendo

Giuseppe)

Vergine santa! Egli è Giuseppe!

Perché sei tu venuto?

WALLY (endireitando-se e deparando

com Giuseppe)

Virgem santa! É Giuseppe!

Porque vieste cá?

HAGENBACH

M’hai salvato,

hai voluto obliar l’offesa mia

e tu mi chiedi perché son tornato?

(con trasporto)

A te ne vengo come a un santo altare!

HAGENBACH

Tu que me salvaste,

que perdoaste a minha ofensa

ainda perguntas porque vim?

(com arrebatamento)

Venho a ti como a um santo altar!

WALLY (con emozione)

(È la sua voce!)

WALLY (com emoção)

(É a voz dele!)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

136


HAGENBACH

Oh! come furon lunghi i dì

lontan da te, e come dentro

mi struggeva il desio di rivederti!

Tu nel tormento dell’ore

infinite a me apparivi bella

e innamorata!

Poi, la visione dolce si mutava

e come la madonna del dolore

ai miei piè ti vedevo addolorata,

mentre a lavarvi l’oltraggio del bacio,

dagli occhi tuoi sulla tua scarna gota

vi sgorgava un’amara onda di pianto.

HAGENBACH

Oh! como foram longos os dias longe

de ti, e como dentro de mim me

torturava o desejo de te voltar a ver!

Eras tu que no tormento das horas

sem fim me aparecias bela e

namorada!

Depois, essa doce visão transformava-se

e como a Virgem das dores via-te

sofredora a meus pés, enquanto para

lavar o ultraje daquele beijo,

dos teus olhos nas faces descarnadas

corria uma amarga onda de lágrimas.

WALLY (con voce appena intelligibile e

rotta dalla commozione)

Ah! l’armonia delle sue parole

m’uccide!

WALLY (com uma voz que quase não

se ouve e entrecortada pela comoção)

Ah! A melodia das suas palavras

mata-me!

HAGENBACH (continuando con più

passione il racconto)

Poi m’han detto un dì: la Wally non è

più qui tu più non la rivedrai!

Ma la speranza non m’hai mai

lasciato,

e t’ho, fanciulla bella, ritrovata.

(rimane in lunga contemplazione

davanti alla Wally, tremante)

Io t’amo, Wally!

HAGENBACH (prosseguindo, com maior

emoção)

Depois um dia disseram-me: a Wally

já cá não está, nunca mais a verás!

Mas a esperança nunca me

abandonou

e aqui, minha bela, te vim encontrar.

(fica em demorada contemplação

diante de Wally, tremendo de emoção)

Amo-te, Wally!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

137


WALLY (spaventata, agitata, dubbiosa

ancora della felicità che viene a lei nel

momento appunto che ella la credeva

per sempre perduta, e giudicando

male dei sentimenti

che animano Giuseppe gli dice con

amarezza, allontanandosi:)

Ebben, se t’ho salvato,

perché mentir?

Non s’ama per pietà

Afra tu amavi ed ami.

WALLY (assustada, agitada, duvidando

ainda da felicidade que lhe surge

precisamente no momento em que

se julgava perdida para sempre, e

interpretando mal os sentimentos

que animam Giuseppe, diz-lhe com

amargura, afastando-se:)

Então, se te salvei,

porque me mentir?

Não se ama por piedade.

E tu amavas Afra e ainda a amas.

HAGENBACH

Afra tu dici?

Mi guarda! È una menzogna!

No, Wally. Credetti odiarti,

ma il mio cor ti amava.

(lentamente si avvicina alla Wally, così

che le loro teste quasi si toccano)

Quando a Sölden provocatrice balda

tu m’apparisti, allora io, la credei una

sfida crudel!

Pur già lottavo contro incanto

della tua persona che dolcemente

m’attraeva a sé!

(con estrema passione)

No, credi, Wally!

È inebriato e pazzo

nel caro abbraccio,

alle ardenti parole che vile fui;

ma il bacio che ti presi sulla tua

bocca era bacio d’amore...

HAGENBACH

Afra, dizes tu?

Olha para mim! É mentira! Não, Wally.

Pensava odiar-te, mas o meu coração

amava-te.

(lentamente aproxima-se de Wally, até

que as duas cabeças quase se tocam)

Quando em Sölden surgiste

provocadora e altiva,

julguei ser uma cruel afronta!

Mas já então lutava

contra o teu encanto

que docemente me atraía para ti!

(com extrema paixão)

Não, acredita em mim, Wally!

Foi inebriado e louco

naquele doce abraço, de palavras

ardentes, que eu fui vil;

mas o beijo que roubei da tua boca

era um beijo de amor...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

138


WALLY (rapita dall’incanto soave delle

parole di Giuseppe:)

(Oh dolce incanto! O paradiso nuovo!)

WALLY (dominada pelo encanto suave

das palavras de Giuseppe:)

(Oh doce encanto! Oh novo paraíso!)

HAGENBACH (continuando)

... e appena a sera, pieno

di rimorsi io volli rivederti e ai piedi

tuoi cadere.

Tempestosa era la notte,

e dio vegliava sulla colpa mia!...

giù nell’abisso mi perdetti...

HAGENBACH (prosseguindo)

... e ao chegar a noite, cheio de

remorsos quis voltar a ver-te e cair

aos teus pés.

Era uma noite tempestuosa,

e Deus estava atento à minha culpa!...

No fundo do abismo me perdi…

(Wally impallidisce. La memoria del

suo delitto le ritorna in tutto il suo

orrore)

(Wally empalidece. Volta-lhe a

lembrança do seu delito, com todo o

seu horror)

WALLY (con voce rauca

interrompendolo)

Dio?

Non dio... ma un uom! Gli avevan

detto: «uccidilo»!

Ei t’attendeva.

(non può più continuare)

WALLY (com uma voz rouca,

interrompendo-o)

Deus?

Não Deus... mas um homem! Tinham-lhe

dito: «mata-o»!

Ele estava à tua espera.

(não consegue continuar)

HAGENBACH

Un uom?

HAGENBACH

Um homem?

WALLY

Questa crudele

gli avea sussurrato: «va’ e l’uccidi»!

(con raccapriccio)

Amami adunque ancor, se puoi...

WALLY

Esta cruel

tinha-lhe sussurrado: «vai e mata-o»!

(com repulsa)

Ama-me então agora, se podes...

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

139


(Wally si copre disperatamente il

volto colle mani, e rimane così, ritta

dinanzi a Giuseppe; questi commosso

la guarda, le si avvicina, e dolcemente

le dice:)

(Wally cobre o rosto com desespero,

e permanece assim em pé diante

de Giuseppe; este olha-a comovido,

aproxima-se dela e diz-lhe docemente :)

HAGENBACH

Io t’amo...

HAGENBACH

Amo-te…

(La stringe teneramente al

suo cuore. Intanto il cielo si è

coperto di nubi; una caligine densa

sale, sale minacciosa avvolgendo i

picchi circostanti del Murzoll; fra

poco anche la capanna della Wally

sarà avvolta in questa tenebria

spaventosa delle Alpi.

Comincia a soffiare il vento. Ma

i due amanti, felici, strettamente

abbracciati, sembrano di nulla

accorgersi, e si sussurrano all’orecchio

parole d’amore.)

(Aperta-a ternamente contra

o peito. Entretanto, o céu cobriu-se

de nuvens; uma bruma densa

levanta-se ameaçadora envolvendo

os picos do Murzoll em volta deles;

daí a pouco também a cabana de

Wally ficará envolta nestas terríveis

trevas das montanhas.

Começa a soprar o vento. Mas os

dois amantes, felizes, estreitamente

abraçados, parecem não dar por

nada, e sussurram um ao outro

palavras de amor.)

WALLY, HAGENBACH

(Wally ripete mormorando)

Vieni, vieni; una placida vita

noi vivremo in un mondo ignorato!

Peregrini a una piaggia fiorita

chiederemo un asilo incantato.

Là, sui prati, fra rose e viole,

noi vivremo una placida vita!

WALLY, HAGENBACH

(Wally repete murmurando:)

Vem, vem; uma vida tranquila

viveremos num mundo ignorado!

Como peregrinos, a uma praia florida

pediremos um asilo encantado.

Aí, nos prados, entre rosas e violetas,

viveremos uma vida tranquila!

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

140


WALLY (guardandosi intorno)

Giuseppe, ove siamo noi?

WALLY (olhando à sua volta)

Giuseppe, onde estamos?

HAGENBACH

Sei sul mio cor...

Qual cupa oscurità...

HAGENBACH

Estás no meu coração…

Que negra escuridão.

WALLY

Rugge il Murzoll...

Amor mio, sola qui non mi lasciar...

WALLY

O Murzoll ruge…

Meu amor, não me deixes sozinha.

HAGENBACH

Fra le tenebre dense vo cercando

il desiato sentiero del ritorno...

(Giuseppe scompare giù nel sentiero

pel quale è venuto)

Wally!

HAGENBACH

Na densa neblina, procuro em vão

o caminho de regresso.

(Giuseppe desaparece pelo caminho

por onde tinha vindo)

Wally!

WALLY

Mi chiama!

T’odo...

WALLY

Chama por mim…

Oiço-te!

HAGENBACH

Il sentiero è scomparso... fa cor!

Discendi per le rocce... e.... la valanga!

(odesi lo schianto terribile della

valanga. Subito dopo un profondo

silenzio. La Wally si

trascina sino al ciglio del precipizio)

HAGENBACH

O caminho desapareceu. Coragem!

Desce pelos penhascos e… a avalanche!

(ouve-se um estrondo tremendo.

Um silêncio de morte.

Wally arrasta-se até

ao precipício)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

141


WALLY

Giuseppe!

M’odi, Giuseppe!

Cupo silenzio!

La morte è laggiù!

(stendendo con esaltazione le mani,

grida:)

O neve! O candido destino mio,

ecco la sposa di Giuseppe.

Anima cara, aprimi le tue braccia!

(si getta nel precipizio)

WALLY

Giuseppe!

Ouves-me, Giuseppe?

Horrível silêncio,

a morte está lá em baixo!

(estendendo os braços, exclama

exaltada:)

Ó neve, cândido meu destino,

eis a esposa de Giuseppe.

Meu amor, abre-me os teus braços!

(atira-se para o precipício)

LA WALLY – ALFREDO CATALANI

142


BIOGRAFIAS


ANTONIO PIROLLI

< DIREÇÃO MUSICAL

E MAESTRO CONVIDADO PRINCIPAL

ZARINA ABAEVA

< SOPRANO

Natural de Roma, licenciou-se em Piano,

Composição, Música coral e Dire ção de

orquestra na Academia de Santa Cecília.

Aperfeiçoou-se com Zoltán Peskó, Vladimir

Delman e Rudolf Barshai, tendo ganho o 3.º

prémio no Concurso Arturo Toscanini de

Parma. De 1995 a 2001 foi diretor musical

no Teatro de Ópera de Ancara, ocupando,

de 2001 a 2005, o mesmo cargo na Ópera Estatal

de Istambul. Dos compromissos passados

e mais recentes destacam-se Lucia

di Lammermoor em Buenos Aires e Bari; La

Gioconda em Santander; Andrea Chénier em

Berlim e na Catânia; Macbeth em Lisboa;

Aida em Copenhaga e Caracalla; Il trovatore,

Anna Bolena e Ernani na Catânia;

Tosca em Florença e Bari; Turandot em Copenhaga,

Verona e Catânia; Aroldo em Bilbau;

Il barbiere di Siviglia em Tóquio,

Valência e Verona; Carmen em Copenhaga e

Avenches; La bohème em Tóquio e Santander;

Un ballo in maschera em Salerno e Lisboa;

Madama Butterfly em Ancona; Medea

no circuito As.Li.Co.; Norma em Trapani

e Spalato; Attila em Lecce e Roma; Otello

em Lisboa; Manon Lescaut em Torre del

Lago; Nabucco em Caracalla e Lisboa; Rigoletto

em Tóquio, Falstaff em Xangai e La

forza del destino em Lisboa. É atualmente

maestro convidado principal da Orquestra

Sinfónica Portuguesa.

Natural de Vladikavkaz (Rússia). Em 2012,

apresentou-se como solista na Ópera de

Perm e, desde 2019, tem sido convidada

frequente do Moscow Theater «New Opera».

No seu repertório incluem-se papéis em

óperas de Tchaikovski como Iolanta (Iolanta),

Tatyana (Evgeni Onegin), Maria

(Mazepa), Agnès Sorel (A Dama de Orleans);

de Puccini, como Mimì (La bohème),

Cio-Cio-San (Madama Butterfly); e, ainda,

Virgem Maria (Jeanne d’Arc au bûcher/Honegger)

e Micaëla (Carmen/Bizet).

A cantora apresentou-se, por diversas

vezes, em concertos para interpretar, entre

outros, o papel titular da Suor Angelica e

da Aida, bem como Katya (Passenger/Weinberg),

Blanche de la Force (Dialogues des

Carmélites/Poulenc), Gorislava (Ruslan

and Lyudmila/Glinka), Ninette (L’amour

des trois oranges/Prokofiev). Já colaborou

com encenadores como Romeo Castellucci,

Philippe Himmelmann e Katerina

Evangelatos. Foi nomeada para o concurso

russo de Jovens Solistas (Lipetsk, 2010)

e para o «Minsk International Christmas

Vocal Competition» em 2016, no qual ficou

em 3.º lugar. Em 2015, foi nomeada para

o prémio «Russian National Golden Mask»

pela sua interpretação de Antonia em

Les contes d’Hoffmann de Offenbach. Entre

os seus compromissos futuros destacam-se

Madama Butterfly em Nápoles e Il trovatore

no Teatro Régio de Parma.

144


AZER ZADA

< TENOR

LUIS CANSINO

< BARÍTONO

Graduou-se em Canto, em 2010, pelo Conservatório

de Baku, no Azerbeijão. Em

2015, estreou-se no Teatro alla Scala de

Milão no papel de Mensageiro em Aida dirigido

por Zubin Mehta. Dois anos mais

tarde, diplomou-se pela Accademia di Alto

Perfezionamento per Cantanti Lirici del

Teatro alla Scala e venceu o concurso

«Voci Verdiane di Busseto». No mesmo ano,

interpretou Don José (Carmen) em Novara,

e Rodolfo (La bohème) em Ascoli Piceno,

Fano e Chieti. Na temporada de 2018-2019

estreou-se no Teatro la Fenice, em Veneza,

como Rodolfo em La bohème e Pinkerton

em Madama Butterfly. Voltou a interpretar

o papel de Don José (Carmen) no Teatro

Lírico de Cagliari e no Luglio Musicale

Trapanese. Mais tarde, foi Cavaradossi em

Tosca no Festival de Sanxay, Alfredo em

La traviata no Teatro Petruzzelli de

Bari, e Rodolfo em La bohème no Teatro

Municipale de Piacenza, com encenação de

Leo Nucci, papel que voltou a desempenhar

no Teatro Bolshoi em Moscovo, dirigido

por T. Sokiev. Mais recentemente, estreou-se

como Turiddu em Cavalleria rusticana, em

Ravenna, sob a batuta de Riccardo Muti.

Dos seus compromissos futuros destacam-se

Cavaradossi (Tosca) no Teatro Bolshoi e

Don José (Carmen) na sala Bunka Kaikan em

Tóquio.

Barítono de origem galega, é convidado para

importantes temporadas internacionais de

ópera, destacando-se a sua interpretação

em papéis como Sulpice (La fille du régiment),

Dulcamara (L’elisir d’amore), Luna

(Il trovatore), Germont (La traviata),

Monforte (I vespri siciliani), Carlo (La

forza del destino), Amonasro (Aida), Iago

(Otello), Barnaba (La Gioconda), Sharpless

(Madama Butterfly), Scarpia (Tosca), Michonnet

(Adriana Lecouvreur), Roque (Marina),

Juanillo (El gato montés) ou os papéis

titulares de Nabucco, Macbeth, Rigoletto,

Simon Boccanegra e Falstaff. Participou

nas estreias mundiais de El canto de los

volcanes e La marimba arrecha, ambas de

Álvarez del Toro, Fuenteovejuana (Muñíz) e

La casa de Bernarda Alba (Ortega), bem como

na recuperação de Ezio (Händel), La Dolores

(Bretón), El sueño de una noche de verano

(Gaztambide) e Rénard the fox (Stravinski).

Destacado intérprete de Zarzuela, recebeu

em 2015 o prémio de Carreira da Associação

Espanhola de Amigos da Ópera. Foi galardoado

pela Associação Músico-Cultural «Pedro

Lavirgen», pelo Departamento de Cultura do

México, pela Fundação Arte Lírica de Bogotá

e pela Associação Romanza-Ópera de Lima. Foi

prémio «Revelação Lírica» no México em 1993,

participou nos eventos comemorativos da Independência

das Filipinas (1998), na Gala

do 150.º aniversário do Teatro da Zarzuela

em Madrid (2006) e no Concerto Nobre, em

Bruxelas, aquando da presidência espanhola

da União Europeia (2010). Em 1990, venceu o

Concurso de Canto «Francisco Alonso».

145


JOANA SEARA

< SOPRANO

LUIZ-OTTAVIO FARIA

< BAIXO

Estudou na Guildhall School of Music and

Drama, em Londres, e começou a sua carreira

em 2004, interpretando Zerlina, na

Holanda. Desde então, tem pisado grandes

palcos nacionais e internacionais com

obras de Monteverdi à atualidade, sob a

batuta de Ton Koopman, Lawrence Foster,

Simone Young, Marcos Magalhães, Vladimir

Jurowsky, Julia Jones, Donato Renzetti,

Mathew Halls, Enrico Onofri, Massimo

Mazzeo, Christoph König, Pedro Amaral,

Jan Wierzba, João Paulo Santos, Nicholas

Kraemer, Jorge Matta e Miguel Jalôto.

No Teatro Nacional de São Carlos, interpretou,

entre outros papéis, Susanna (Le

nozze di Figaro), Tebaldo/Voce dal Cielo

(Don Carlo), Flora (La traviata), Frasquita

(Carmen) e Lucia (The Rape of Lucretia).

De nacionalidade brasileira, o baixo internacional

Luiz-Ottavio Faria é formado

pela prestigiada The Juilliard School

of Music e venceu importantes concursos e

prémios de canto dos quais se destacam o

23.º Concurso Nacional «Carmen Gomes», o

prémio «Guilherme Damiano», uma bolsa de

estudo da The Juilliard School, o prémio

da «William Randolph Hearst Foundation»,

«Die Meistersinger» (Aims) na Aústria,

«Opera Index», «YWCA Vocal Competition»,

«Great Buffalo Opera Competition», «New

Jersey State Opera Vocal Singing Competition»,

o «Lola Hayes Vocal Competition»,

bem como o «William Matthews Sullivan Foundation

Award». A sua estreia em ópera foi

como Tommaso em Un ballo in maschera, ao

lado do lendário tenor Carlo Bergonzi, no

Theatro Municipal de São Paulo e, desde

então, tem-se apresentado em alguns dos

maiores teatros de ópera do mundo que incluem

o La Scala em Milão, Arena de Verona,

Teatro Real em Madrid, Musikverein em Viena

e Carnegie Hall em Nova Iorque. É dono

de um repertório versátil e eclético que

inclui Grande Inquisitore (Don Carlo),

Zaccaria (Nabucco), Oroveso (Norma), o papel

titular em Mefistofele, Banco (Macbeth),

Commendatore (Don Giovanni), Osmin (Die

Entführung aus dem Serail), Silva (Ernani),

Sparafucile (Rigoletto), Alvise (Gioconda),

Fiesco (Simon Boccanegra), Sarastro (Die

Zauberflöte), Procida (I vespri siciliani),

Timur (Turandot) e Heinrich der Vogler

(Lohengrin).

146


PATRÍCIA QUINTA

< MEIO-SOPRANO

Diplomada em Lied e Oratória pela Universidade

de Música e Artes do Espetáculo

de Viena (2007) na classe de Charles

Spencer e Margit Klaushofer. Bacharel em

Canto Teatral pelo Conservatório Superior

de Música de Gaia (2002), na classe de

Fernanda Correia. Recentemente foi Madame

Giry na primeira produção portuguesa do

musical Fantasma da Ópera de A. L. Webber.

Interpretou o papel de Aufseherin na

ópera Elektra de R. Strauss, de Marquesa

de Berkenfield na ópera La fille du régiment

de G. Donizetti e Old Lady na versão

concerto de Candide de L. Bernstein, todas

produções do Teatro Nacional de São

Carlos. Tem realizado vários concertos e

recitais destacando-se o repertório de G.

Mahler, R. Wagner e R. Strauss, e as produções

da Orquestra Sinfónica do Porto

Casa da Música e do Centro Cultural de

Belém. Frequentou classes de aperfeiçoamento

com Elsa Saque, Laura Sarti, Rudolf

Piernay, Grace Bumbry, Hilde Zadek,

e Christa Ludwig, com quem trabalha até

à atualidade. É licenciada em Psicologia

pela Faculdade de Psicologia e Ciências

da Educação da Universidade do Porto

(2002). Professora de Canto na Academia

de Música de Vilar do Paraíso e no Fórum

Cultural de Gulpilhares.

NUNO DIAS

< BAIXO

É licenciado em Canto pela Universidade

de Aveiro, na classe de Isabel Alcobia,

onde foi docente assistente no ano letivo

2013/14. Desenvolveu os seus estudos posteriormente

com Alan Watt, Tom Krause e

Michael Rhodes. É bolseiro da Fundação

Calouste Gulbenkian para o projeto ENOA

(European Network of Opera Academy). Fez

parte da Academia de Ópera do Festival de

Verbier 2013 onde trabalhou com Barbara

Bonney, Claudio Desderi, Tomas Quastoff e

Tim Caroll, tendo-se destacado com o prémio

«Jovem Promessa Thierry Marmod». Como

solista, em Oratória, tem-se apresentado

em concerto com diversas orquestras nacionais

e internacionais, cantando obras de

referência do repertório coral-sinfónico.

No campo da ópera interpretou, no Teatro

Nacional de São Carlos, ao longo das últimas

temporadas, diversas personagens do

repertório lírico, abrangendo obras de

compositores consagrados tal como G. Puccini,

G. Donizetti, G. Rossini, G. Bizet,

entre outros. Do seu repertório, noutros

palcos nacionais e internacionais, fazem

também parte compositores como G. Verdi,

W. A. Mozart, F. Busoni, I. Stravinski,

B. Briten. Da sua discografia, destaca-se

o disco Canções Pagãs, inteiramente

dedicado ao cancioneiro de Luiz Goes,

trabalho esse com reconhecimento de

Utilidade Cultural pelo Ministério

da Cultura. Foi cantor residente no

Stadttheatre Bern, Suiça, durante a temporada

2014/15. Atualmente, faz parte do

Coro do Teatro Nacional de São Carlos.

147


CORO DO TEATRO NACIONAL

DE SÃO CARLOS

O Coro do Teatro Nacional de São Carlos,

criado em 1943 sob a titularidade de

Mario Pellegrini, tem atuado sob a

direção de importantes maestros (Pedro

de Freitas Branco, Votto, Serafin, Gui,

Giulini, Klemperer, Zedda, Solti, Santi,

Rescigno, Navarro, Rennert, Burgos,

Conlon, Christophers, Plasson, Minkowski,

entre outros) e colaborado com marcantes

encenadores (Pountney, Carsen, Vick).

Entre 1962 e 1975, o Coro colaborou nas

temporadas da Companhia Portuguesa de

Ópera (Teatro da Trindade), tendo-se

deslocado com a mesma à Madeira, aos

Açores, a Angola e a Oviedo. O conjunto

tem regularmente abordado o repertório

de compositores nacionais (Alfredo Keil,

Augusto Machado) e tem participado em

estreias mundiais de óperas de Fernando

Lopes-Graça, António Victorino d’Almeida,

António Chagas Rosa, Nuno Côrte-Real.

Em 1980 formou-se um primeiro núcleo

coral a tempo inteiro e três anos depois

assumiu-se a profissionalização plena,

sob a direção de Antonio Brainovitch.

A partir de 1985 a afirmação artística

do conjunto foi creditada a Gianni Beltrami

e o titular seguinte foi João Paulo

Santos. Sob a responsabilidade destes

dois maestros o Coro registou marcantes

êxitos internacionais: Grande Messe des

morts de Berlioz (1989 – Turim); Requiem de

Verdi (1991 – Bruxelas); Concerto Henze/

Corghi (1997 – Festival de Granada).

Giovanni Andreoli assumiu o cargo em

2004. Sob a sua direção, o Coro averbou

êxitos num vasto e variado repertório:

Iphigénie en Tauride, Alceste, Trilogia

Popular verdiana, Don Carlo, Macbeth, La

forza del destino, Turandot, The Rake’s

Progress, Dialogues des Carmélites.

Sucessos foram ainda as incursões no

repertório lírico espanhol: El gato montés;

Los diamantes de la corona. Em 2005, o

coro foi convidado pela Ópera de Génova

para participar em récitas da ópera Billy

Budd de Britten, convite que se repetiu

em 2015.

148


ORQUESTRA SINFÓNICA

PORTUGUESA

KODO YAMAGISHI

< MAESTRO ASSISTENTE DO CORO DO TNSC

Natural do Japão, começou os seus estudos

de Piano e Teoria da Música aos 7 anos.

Entre 1988 e 2002 viveu em Viena, onde estudou

Direção orquestral no Conservatório

de Viena e na Universidade de Música de

Viena. É, desde 2009, assistente convidado

no Departamento de Música da Universidade

de Évora e, desde 2015, diretor da

Orquestra da Universidade. De 2003 a 2004

foi maestro correpetidor e Kapellmeister

no Pfalztheater em Kaiserslautern (Alemanha).

Desde a temporada de 2004/05 que

desempenha as funções de maestro assistente

do Coro do Teatro Nacional de São

Carlos, que dirigiu e acompanhou a piano

em vários concertos. Já dirigiu orquestras

sediadas em Viena, Oradea, Cairo,

Szombathely e São Paulo, além da Orquestra

Sinfónica Portuguesa e da Orquestra

Sinfónica do Ginásio Ópera, da qual foi

maestro titular. Na Áustria, colaborou em

montagens de óperas como Gianni Schicchi

(1997), L’isola disabitata e Armida (1998

e 1999) e Turandot e Tosca (2001 e 2002).

Em 2000, dirigiu L'enfant et les sortilèges

em Tübingen (Alemanha); e, em 2009,

dirigiu o Coro do Teatro de Ópera de Istambul,

Devlet Opera ve Balesi.

Criada em 1993, a Orquestra Sinfónica

Portuguesa (OSP) é um dos corpos artísticos

do Teatro Nacional de São Carlos e tem

vindo a desenvolver uma atividade sinfónica

própria, incluindo uma programação regular

de concertos, participações em festivais de

música nacionais e internacionais. No âmbito

de outras colaborações, destaque-se também

a sua presença nos seguintes acontecimentos:

8.º Torneio Eurovisão de Jovens Músicos

transmitido pela Eurovisão para cerca

de quinze países (1996); concerto de

encerramento do 47. o Festival Internacional

de Música e Dança de Granada (1997);

concerto de gala da Abertura da Feira do

Livro de Frankfurt; concerto de encerramento

da Expo’98; Festival de Música Contemporânea

de Alicante (2000) e Festival de Teatro

Clássico de Mérida (2003). Colabora

regularmente com a Rádio e Televisão

de Portugal através da transmissão dos

seus concertos e óperas pela Antena 2,

designadamente a realização da tetralogia

O Anel do Nibelungo, transmitida na RTP2,

e da participação em iniciativas da própria

RTP, como no Prémio Pedro de Freitas Branco

para Jovens Chefes de Orquestra, no Prémio

Jovens Músicos-RDP e na Tribuna Internacional

de Jovens Intérpretes. No âmbito das

temporadas líricas e sinfónicas, a OSP

tem-se apresentado sob a direção de notáveis

maestros, como Rafael Frühbeck de Burgos,

Alain Lombard, Nello Santi, Alberto Zedda,

Harry Christophers, George Pehlivanian,

Michel Plasson, Krzysztof Penderecki,

Djansug Kakhidze, Milán Horvat, Jeffrey

Tate e Iuri Ahronovitch, entre outros. A

discografia da OSP conta com dois CD para a

etiqueta Marco Polo, com as Sinfonias n. os

1, 3, 5 e 6 de Joly Braga Santos, que gravou

sob a direção do seu primeiro maestro

titular, Álvaro Cassuto, e Crossing borders

(obras de Wagner, Gershwin e Mendelssohn),

149


sob a direção de Julia Jones, numa gravação

ao vivo pela Antena 2. No cargo de maestro

titular, seguiram-se José Ramón Encinar

(1999-2001), Zoltán Peskó (2001-2004)

e Julia Jones (2008-2011); Donato Renzetti

desempenhou funções de primeiro maestro

convidado entre 2005 e 2007. Atualmente,

a direção musical está a cargo de

Joana Carneiro.

150


FOTOGRAFIAS DE ENSAIO

©SUSANA CHICÓ

(pp.22, 40, 88, 108, 119-120, 127-128)

©BRUNO FRANGO

(pp.32,52,72,83,100, 113-114)

FOTOGRAFIAS BIOGRAFIAS

Azer Zada por ©TATIANA MAZZOLA

Patrícia Quinta por ©MARLENE SOARES

FOTOGRAFIA NESTA PÁGINA (WALLY)

Zarina Abaeva por ©SUSANA CHICÓ

TRADUÇÃO DO LIBRETO

José Lima

/

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO OPART

Presidente CONCEIÇÃO AMARAL

Vogais ANNE VICTORINO D’ALMEIDA E ALEXANDRE SANTOS

Diretora Artística do TNSC ELISABETE MATOS


Siga as nossas páginas

de Facebook, Instagram

@SAOCARLOS

e Youtube e subscreva

/SAOCARLOS

@SAOCARLOS1793

a nossa newsletter para

SAOCARLOS.PT

acompanhar todas as

iniciativas da sua casa

de Ópera, em sua casa.

O IDEALISTA APOIA O TNSC

PARCEIRO PARA A COMUNICAÇÃO

SAOCARLOS.PT

#CULTURAÉIMAGINAÇÃO

More magazines by this user
Similar magazines