Jornal PROJECTO 12-15 N.º 1 (PDF - Escola Intercultural

escolaintercultural.pt

Jornal PROJECTO 12-15 N.º 1 (PDF - Escola Intercultural

.

Quem não gosta de desvendar mistérios?

Toda a gente gosta! E é por isso, que no próximo período te vamos apresentar uma

personagem que é um verdadeiro mestre dos enigmas e mistérios. Já adivinhaste de quem estamos a

falar? Elementar, meus caros! Trata-se de um dos mais conhecidos personagens da literatura Inglesa: o

detective Sherlock Holmes.

Sherlock Holmes é uma personagem de ficção da literatura britânica criada pelo médico e escritor Sir

Arthur Conan Doyle. Segundo Conan Doyle, Sherlock Holmes viveu em Londres, num apartamento na 221

B Baker Street, entre os anos 1881 e 1903, onde passou muitos anos na companhia do seu amigo e colega,

Dr. Watson. Hoje esse endereço é um museu dedicado a Sherlock Holmes. O chapéu, a lupa e o cachimbo

são alguns dos elementos que o caracterizavam.

O Halloween vem de Dia de Todos os Santos. Em

inglês, diz-se All Hallows Day e a noite anterior a este dia é

muito importante, por isso Halloween é uma abreviatura de

All Hallows Eve - "Noite de Todos os Santos"!

Acreditava-se que, na Noite das Bruxas, os fantasmas voltavam à Terra em

busca de alimento e companhia para levarem para o outro mundo. Assim, as

pessoas pensavam que se saíssem de casa nessa noite, podiam encontrar

almas penadas. Por isso, para não serem reconhecidas pelos fantasmas,

usavam máscaras quando saíam de casa, para serem confundidas com os

espíritos que andavam à solta a tentarem apanhar almas vivas. E para manter

os espíritos afastados das suas casas, colocavam tigelas de comida à porta para

os satisfazer e os impedir de entrar. Também para se proteger, carregavam

lanternas, porque a luz e os fantasmas não se dão muito bem... Uns são da

noite e das trevas (escuridão e morte) e a luz significa a vida.

A tradição de dar doces, guloseimas e frutas veio dos duendes (e da Irlanda),

que eram considerados maus pelos antigos celtas. Nessa noite, eles gostavam

de pregar partidas ("tricks") aos humanos. Para lhes agradar e evitar as suas

maldades, as pessoas deixavam doces e frutas ("treats") à porta das suas casas.

Daí surgiu a famosa frase "trick ou treat" que dizem as crianças norteamericanas

(e canadianas) quando celebram o Halloween, o Dia das Bruxas, e

pode ser traduzida como "doce ou travessura".

Já reparaste que a história do “Pão por Deus” das crianças portuguesas

pedirem à porta das casas é parecida com a das crianças norte-americanas?

Queres saber mais

sobre Sherlock

Holmes? Como é que

ele desvendava os

mistérios? Então,

não podes perder

nem uma única

aula de Inglês no

próximo período!

O dia começou cinzento e ameaçava estragar as actividades programadas para celebrar o

Halloween no Projecto 12-15. Os alunos assistiram à primeira aula do dia, ao longo da

qual organizaram as suas equipas e definiram estratégias. Empenharam-se em decorar as

suas salas para viver a festividade com pompa e circunstância.

Toca a campainha para dar início ao intervalo e, eis que começa a chover

torrencialmente. Os alunos começam a ficar agitados com a possibilidade dos jogos

previstos para festejar o Halloween não se realizarem. Os professores trocaram algumas

ideias para tentarem encontrar uma solução para evitar o cancelamento dos jogos. Ideia

luminosa! Alguns dos jogos seriam realizados nas zonas exteriores cobertas, debaixo dos

telheiros, e outros seriam realizados dentro das salas.

Os jogos começaram com o “jogo da corda”. Duas equipas tinham de puxar a corda na sua

direcção para fazer com que a equipa adversária ultrapassasse o risco…e

depois…Vitória! A recompensa esperada foi saboreada com muita alegria, o tão desejado

doce. Correram rapidamente para o posto 2, o “jogo da maçã” onde um elemento de

cada equipa tinha de tirar com a boca uma maçã que se encontrava presa por um fio.

Este jogo arrancou muitas gargalhadas e foram poucos os que conseguiram a desejada

maçã. Mais uma corrida e chegámos ao posto 3. Aqui, um elemento da equipa tinha de

conseguir levar o “ovo” (bola de ténis de mesa) até à chegada, sem fazer uma gemada,

e tinha de chegar primeiro que o adversário. Os colegas de equipa incentivavam o seu

representante e até a chuva dava o seu apoio, fazendo cair as suas gotas com uma

intensidade cada vez maior para se fazer ouvir. Para que esta pudesse assistir melhor aos

jogos do Halloween, o posto 4 estava localizado no exterior e implicava uma “corrida de

sacos”. O grande vencedor podia acrescentar mais uns doces à conta da sua equipa.

A animação era evidente e a vontade de doces também! Ai, a conta do dentista! Por

último, os alunos tinham de acertar o passo para uma “corrida a três pés”, uns mais

coordenados do que outros lá conseguiram terminar a prova.

The End…

Para mim, o Projecto 12-15 é uma maneira de respeitar os outros. Eu era muito mal comportado e desde que vim para o 12-15 melhorei muito. Na minha outra

escola, eu faltava muito às aulas e respondia mal às minhas professoras e funcionárias, mas agora melhorei muito porque vim para esta escola.

Eu gosto de estar aqui porque as professoras tratam-me muito bem e as aulas são muito fixes. Em todas as aulas, aprendemos coisas novas. Eu gosto muito de

fazer desenhos, não sei explicar porquê, mas gosto. Às vezes, as professoras chamam-me à atenção por causa de estar a desenhar nas aulas e chego a ir para a rua

sem necessidade nenhuma, mas é bom para eu abrir os olhos, pois tenho de aprender que não se deve desenhar nas aulas. A minha professora favorita é a

professora (…) porque ela é muito simpática.

Fábio Santos - Turma I - Projecto 12-15

Para mim, o Projecto 12-15 é muito fixe (…) gosto da escola, dos monitores, dos

professores, das senhoras do bar, do senhor João e do senhor do portão. E gosto dos

meus colegas. O Projecto 12-15 é giro. (…) Tenho de estudar muito para poder ir para um

curso.

Ariana Portelada – Turma I – Projecto 1215

3

More magazines by this user
Similar magazines