Views
4 years ago

Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...

Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...

como resultado

como resultado de uma oposição entre urbano e rural, mas sim como um segmento social em continuidade com o espaço urbano (Wanderley, 2000). Entre as particularidades deste, encontra-se a relação familiar articulada com as relações de trabalho, não havendo separação entre negócio e família (Stolf, 2007). O caso do trabalho da mulher rural é diferente daquele da urbana, pois mesmo havendo para as duas os trabalhos domésticos, a mulher rural ainda é responsável pelas atividades da residência/propriedade, a agricultura de subsistência. Essas questões sobre o trabalho e o trabalho feminino são essenciais para compreensão dos espaços sociais e históricos de trabalhadoras do meio rural. No entanto, ressaltamos outra dimensão, que é a psicológica. Iremos trabalhar com o conceito de produção de sentidos, pois este nos permite analisar os discursos dos sujeitos sobre a vida e trabalho, além do mais, ao estudar o psicológico as demais categorias, com o social e o histórico, emergiram do contexto. Existem muitas abordagens teóricas que estudam as produções de sentidos a partir da psicologia (Tolfo, et. al, 2005), mas foi eleito aqui o construcionismo social. Essa abordagem permite o estudo das produções de sentidos no cotidiano e explica-as como uma construção dialógica entre os sujeitos (Spink, Frezza, 2004). Os sentidos são entendidos a partir de uma construção social “um empreendimento coletivo, mais precisamente interativo, por meio do qual as pessoas [...] constroem os termos a partir dos quais compreendem e lidam com as situações e fenômenos a sua volta” (Spink, Medrado, 2004, p. 41). Para compreender os espaços de um abatedouro, iremos contextualizar esta atividade produtiva. O abate de animais é uma prática sucedida há muito tempo, inicialmente feita de modo artesanal por agricultores ou colonos. No Brasil, somente a partir dos anos 1970, o abate de aves tornou-se um procedimento industrial (Paulilo, 1987), havendo, desde então, significativas modificações no processo de efetuar o abate; a mão-de-obra, a quantidade de animais abatidos, o uso de tecnologias, a quantidade de trabalhadores e as legislações pertinentes ao sistema de vigilância sanitário para o controle de qualidade dos produtos de origem animal (Florit et al., 2006). Quanto aos trabalhadores, Alencar (2005) assinala a atividade em um abatedouro como diferente de outras atividades produtivas, pois o objeto não é um ser inanimado, mas sim um animal: “... o trabalho de produção animal tem um diferencial, uma característica especial a ser considerada: o objeto do trabalho. Descreve-se aqui como um objeto de trabalho um ser vivo, animal que percebe e responde aos comportamentos humanos” (p. 26). O aprofundamento das discussões sobre o trabalho e o objeto do trabalho em um abatedouro esbarra nos panoramas econômicos da atividade, pelo fato desses números ocultarem de um lado a laboriosidade efetuada nessa produção e, por outro lado, revelarem com destaque, os ganhos econômicos para o país, estados brasileiros e para os proprietários. 2

A movimentação econômica coloca o estado de Santa Catarina em segundo lugar em importância no abate de aves, estando o Paraná em primeiro lugar e o Rio Grande do Sul no terceiro. No estado de Santa Catarina, cabe destacar a importância da região Oeste para essa produtividade (Boni, 2005). Na região do Médio Vale do Itajaí 1 , não há a expressividade produtiva do Oeste, pois geralmente os abatedouros são de pequeno e médio porte, esparsos e funcionam com o trabalho familiar (Florit et al, 2006). De maneira que uma dessas pequenas organizações produtoras de carne de aves foi destacada para o nosso estudo. 2. Método Perspectiva teórica e metodológica usada no estudo foi do construcionismo social e, assim, nesta investigação, o foco torna-se a explicação dos processos por meio dos relatos das pessoas, as explicações sobre suas vidas e sobre elas mesmas. Nessa perspectiva, não existe predileção entre os métodos quantitativos ou qualitativos, pois ambos produzem conhecimentos sobre o mundo e podem ser articulados no desenvolvimento da pesquisa (Spink, Menegon, 2004). O estudo envolve mulheres que atuam em um pequeno abatedouro avícola e, por isso, esta pesquisa pode ser compreendida como um estudo de caso. Para Gil (1991), esse estudo seria uma análise de um ou de poucos objetos, que permitem o seu detalhamento, possibilitando um conjunto de informações que descrevam a totalidade do processo social e suas relações internas, bem como culturais. O local selecionado para o estudo foi um abatedouro de inspeção estadual, de pequeno porte, escolhido em decorrência da boa acolhida de pesquisadores nos estudos elaborados pelo Grupo Interdisciplinar de Pesquisa sobre Desenvolvimento e Meio Ambiente. De acordo com Coutinho (2000), a boa acolhida e a abertura da direção da empresa para a realização de pesquisa se constituem fatores relevantes para o desenvolvimento do projeto, nem sempre presentes no desenvolvimento de pesquisas empíricas. Antes da entrada no campo, o projeto de pesquisa foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Santa Catarina. Sendo que os participantes da pesquisa foram oito mulheres que atuam na linha de produção do abatedouro. Os critérios de seleção das entrevistadas foram por estarem em postos de trabalho na linha produtiva e o aceite em participar da pesquisa. 1 A região do Médio Vale do Itajaí compreende treze (13) municípios no estado de Santa Catarina (IBGE) 3

Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis ... - UFSC
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis ... - UFSC
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Entre a casa e a ...
Fazendo Gênero 8 Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder ...
Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência E Poder
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder A mulher sob o ...
Corpo, Violência e Poder - Fazendo Gênero 10 - UFSC
Corpo, Violência e Poder - Fazendo Gênero - UFSC