Views
5 years ago

Santa da Ladeira - Fazendo Gênero - UFSC

Santa da Ladeira - Fazendo Gênero - UFSC

sociais além dos

sociais além dos religiosos. A atitude de participação ativa das irmãs e irmãos nos rituais e na manutenção da estrutura do Santuário da Ladeira parece estar enfatizando valores sociais como fraternidade, solidariedade e união em torno do carisma e poder sobrenatural da mãe Maria, em detrimento de uma postura mais consumista e hierarquizada que seria vivenciada provavelmente na instituição. É possível constatar também que a consagração e o movimento devocional em torno da Santa da Ladeira se opõe ao formalismo, precisões e rigorosas cristalizações de uma teologia dogmática (mesmo sendo institucionalizado pela Igreja Ortodoxa) e se aproximam mais das práticas de uma religiosidade popular marcada por distintividade pública e festiva (permeando o sagrado e o profano), espontaneidade e criatividade coletiva, explosão de afetividades subjetivas, cerimônias coletivas, participação igualitária (mesmo observando diferenças) de todas as pessoas, além da possibilidade de valorização daqueles que seriam geralmente excluídos na instituição, como é o caso das mulheres e formação de novas lideranças (especialmente femininas). Portanto, observar o processo de consagração e o movimento devocional em torno de uma santa viva, possibilitou refletir sobre religiosidade, mas também sobre relações de poder (entre pessoas e instituições) e adentrar num complexo sistema de trocas simbólicas, de jogos de interesse, na dinâmica da oferta e da procura e deparar-se com um sistema sócio-cultural e religioso, permanentemente redesenhado a partir dos contextos socio-históricos e conjunturais. Bibliografia citada ANASTÁCIO, M. A Fé nas Aparições – Realidades sobre as Aparições de N. S. com Factos Miraculosos e Conceitos Diversos vistos à Luz da Tradição. Cascais: Associação para o Desagravo da Imaculada, 1986. AUTOR ANÔNIMO. Ladeira do Pinheiro – Tesouro de Amor Eucarístico: continuação do mistério de Fátima, renovação dos Tabernáculos do Mundo. S.l, s.e., 1975. CARVALHO, A. C. O Triângulo Místico Português – Fátima, Tomar, Ladeira do Pinheiro. Viseu: Guerra, 1980. CHRISTIAN JR, Willian. Religiosidad Popular en la España de Felipe II. Madrid: Nerea, 1991. _____________ Religious Apparitions and the cold war in southern Europe. In: WOLF, Eric R. Religion, Power and Protest in Local Communities – the northern of the meditarrean. Berlin/New York/Amsterdan: Mouton, 1984. ENES, Maria Fernanda. Reforma Tridentina e religião vivida (os Açores na Época Moderna). Ponta Delgada: Signo, 1991. ESPIRITO-SANTO, M. Comunidade Rural ao Norte do Tejo. Seguido de Vinte Anos Depois. Lisboa: FCSH/UNL, 1999. GROSSI, M. Identidade de gênero e sexualidade. Antropologia em Primeira Mão. Florianópolis: PPGAS/UFSC, 1998.

LISBÔA, M.R.A. Refletindo o Conceito de Gênero. Trabalho apresentado ao Doutorado Interdisciplinar em Ciências Sociais. Florianópolis: CFH/UFSC, 2003. PERDIGÃO, Teresa. E o que acontece quando os ex -votos se destinam a santos vivos. In: QUINTAIS, L. et al. Milagre que Fez. Coimbra: Museu Antropológico da Universidade de Coimbra, 1998. MARTIN, Eloísa. “Religiosidade popular: revisando um concepto problemático a partir de la bibliografia Argentina”. Estúdios sobre Religion – 15/3. junio 2003. MATTA, Roberto da. “Treze pontos riscados em torno da cultura popular” in: Anuário Antropológico 92. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994. RITO, M.T.P.S.O. A Construção Social de um Culto – génese e desenvolvimento do Movimento Devocional da Ladeira do Pinheiro. Dissertação em Literatura e Cultura Portuguesas. Lisboa: FCS/DEP/UNL,1992. SANCHIS, Pierre. Arraial: Festa de um Povo. As Romarias Portuguesas. Lisboa: Dom Quixote, 1983. SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, vol. 20, n.02, 1995. Porto Alegre. SOIHET, Rachel. História das mulheres e relações de gênero: debatendo algumas questões. Publicado no site http://www.comciencia.br , acesso em 10/12/2003. SOUZA, Sandra D. de. Revista Mandrágora: gênero e religião nos estudos feministas. In: Revista Estudos Feministas, vol. 14, número especial. Florianópolis: 2004. Notas 1 Doutoranda em Antropologia Social na Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil), realizou estágio doutoral entre set/05 e mai/06 junto à Universidade Nova de Lisboa (Portugal) com bolsa do PDEE/CAPES (Brasil). Email: taniawelter@yahoo.com.br 2 Comunicação apresentada no Seminário Temático número ST24 “Gênero e Religião”, coordenado por Maria José Fontelas Rosado Nunes e Maria Regina Azevedo Lisbôa, realizado durante o Seminário Internacional Fazendo Gênero 7 – “Gênero e Preconceitos” entre 28 e 30 de agosto de 2006 na Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis (Brasil). 3 Alertas apontados, por exemplo, por Matta (1994), Martin (2003) e Sanchis (1983). Como alternativa, Christian (1991) sugere refletir a religiosidade a partir de sua faceta local. 4 Sobre esta categoria ver Grossi (1998) e Scott (1995). Para reflexão e polêmicas, ver Lisbôa (2003) e Soihet (2003). 5 Além de Rito, encontrei apenas três trabalhos sobre este movimento. O primeiro (Carvalho,1980) dedica-se a encontrar uma característica comum entre três centros de peregrinação localizados no centro de Portugal (Fátima, Tomar e Ladeira do Pinheiro), e afirma que esta característica é o culto da Virgem. Além deste, encontrei dois depoimentos particulares sobre este culto - Anastácio (1986) e autor anônimo (1975). 6 Mais tarde, dedicou-se a criar diversos filhos órfãos e os considerou como filhos. 7 O culto à Maria em Portugal (denominada de Senhora) passou por um processo de popularização, especialmente a partir da década de 20 do século XX (Estado Novo), numa aliança entre a Igreja Católica Romana e o Estado e fundamentada na luta contra as “forças do mal” (Revolução Francesa, Maçonaria, Republicanos, Marxistas, Anarquistas, Comunismo). O processo português foi amplamente refletido por Sanchis (1983), Rito (1992), Espirito Santo (1999) e Enes (1991) e o processo europeu, por Christian (1984). 8 Apenas neste momento contou que tinha visões com anjos, santos e Deus desde os sete anos, mas sua mãe a amedrontava e nunca permitiu que contasse sobre elas a qualquer pessoa.

Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero 10 - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Escrevendo a história no feminino - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
MEMÓRIA E ORALIDADE: - Fazendo Gênero - UFSC
Da vitimização às lutas por reconhecimento - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero 10 - UFSC
Giorgia de M. Domingues - Fazendo Gênero 10 - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero 10 - UFSC
Corpo, Violência e Poder - Fazendo Gênero 10 - UFSC
Escrevendo a história no feminino - Fazendo Gênero - UFSC
Corpo, Violência e Poder - Fazendo Gênero - UFSC
Arthur Grimm Cabral - Fazendo Gênero 10 - UFSC
1 Simpósio Temático 01 - Fazendo Gênero - UFSC