Views
1 year ago

GAZETA DIARIO 288

30 Viver Saúde Foz do

30 Viver Saúde Foz do Iguaçu, segunda-feira, 22 de maio de 2017 NOVA ABORDAGEM Trinta milhões de brasileiros sofrem de enxaqueca A doença é mais comum entre as mulheres, fatores hormonais favorecem, entenda os motivos Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a enxaqueca é a 10ª doença mais incapacitante e acomete em torno de 15% da população mundial. No Brasil são aproximadamente 30 milhões de pessoas que sofrem da doença. E não faltam motivos que podem desencadear o problema: estresse, obesidade, sono inadequado, jejum, alguns alimentos, cheiros fortes, tempo seco, entre outros. A enxaqueca ainda é mais comum entre as mulheres, pois além de fatores ambientais e emocionais, elas têm também os fatores hormonais. Na enxaqueca, a dor ocorre geralmente em um dos lados da cabeça, é latejante ou pulsátil, dura de 4 a 72 horas e pode vir acompanhada de náuseas e/ ou vômitos, tonturas, intolerância à luz (fotofobia), barulho (fono- fobia), cheiros (osmofobia) e movimentos (cinetofobia). Problemas da automedicação Mas esse cenário já está mudando. Novos tratamentos chegam ao país para combater um dos erros mais comuns de quem sofre com a enxaqueca: a automedicação. A neurologista Dra. Célia Roesler explica que há diversos tipos de tratamentos disponíveis no país de acordo com o estágio da doença e o perfil de cada paciente. “o uso abusivo de analgésicos sem prescrição médica pode transformar uma dor de cabeça que era episódica em enxaqueca crônica com dores de cabeça quase diárias”, completa a especialista. Além de analgésicos, anti-inflamatórios e vasoconstritores isolados ou associados para abortar a dor, entre os tratamentos disponíveis atualmente no Brasil estão o uso da toxina botulínica e a neuromodulação, que permitem uma melhora na qualidade de vida das pessoas com enxaqueca, diminuindo o uso de medicamentos. Neuromodulação como alternativa Quando se fala em enxaqueca, a mais recente novidade é a neuromodulação. Um novo aparelho em formato de arco que, ao ser colocado na cabeça, gera pequenos estímulos elétricos ao nervo trigêmeo, principal causador das dores de cabeça, e por meio desses impulsos, altera a forma que a dor é assimilada. O método não invasivo e sem efeitos colaterais, é ideal para quem possui dores de cabeça e crises de enxaqueca frequentes como: enxaqueca comum, enxaqueca com aura, enxaqueca oftálmica, enxaqueca episódica, enxaqueca crônica, enxaqueca menstrual, sinusite, dor na região anterior da cabeça e dor de cabeça crônica. Com duas opções focadas ao tratamento das cefaleias, a primeira deve ser utilizada no momento da crise, voltada a melhora dos sintomas reduzindo a intensidade da dor, já o segundo programa atua na prevenção de enxaqueca e o uso do aparelho deve ser diário, com sessões de cerca de 20 minutos, pois seu uso frequente induz a uma diminuição da quantidade, intensidade ou até mesmo o desaparecimento das dores. Os efeitos são sentidos cerca de um ou dois meses depois. “Seu uso só deve ser feito com acompanhamento médico”, sinaliza a Dra. Célia. Dra. Célia Roesler Membro Titular da Academia Brasileira de Neurologia, Membro e Diretora da Sociedade Brasileira de Cefaleia e Membro da International Headache Society. Música faz bem à saúde física e emocional. Entenda A música é uma das mais belas artes dadas por Deus ao homem de norte ao sul do globo, ela atingiu todos os cantos e povos, culturas e religiões. Os seus encantos embalam os sonhos e recheiam os corações de milhares de pessoas. Cada nota, cada som, faz a transformação de uma vida necessitada de amor, de carinho, de atenção. Embora a maioria dos estudos refira os benefícios da música clássica, a verdade é que qualquer género musical pode ter influência no bem- -estar, dependendo dos gostos pessoais. O importante é escolher as músicas com as quais mais nos identificamos e nos trazem maiores benefícios a nível físico e mental. Incorpore a música no seu dia a dia e sinta os seus benefícios: Os principais benefícios da música para a saúde: Melhora a qualidade do sono Reduz ansiedade e depressão Alivia a dor Melhora o sistema imunitário Ajuda a concentração Melhora a performance física Desenvolve o bom humor e altera a estrutura física do cérebro

Foz do Iguaçu, segunda-feira, 22 de maio de 2017 INTERVENÇÃO CIRÚRGICA Viver Saúde 31 Cirurgia bariátrica: entenda como o procedimento beneficia a saúde das mulheres Elas ganharam qualidade de vida, aumentaram autoestima e apresentaram melhora na capacidade corporal A cirurgia bariátrica melhora diversas condições e ações biológicas (mudanças hormonais) para reverter a progressão da obesidade. Estudos apontam que mais de 90% dos pacientes bariátricos são capazes de manter a perda de peso em longo prazo, com eliminação de 50% ou mais do excesso de peso corporal. As técnicas de cirurgia bariátrica, como o bypass gástrico e a gastroplastia vertical (sleeve), podem mudar a anatomia do trato gastrointestinal, ou seja, do estômago e do sistema digestivo, ou causar diferentes alterações fisiológicas no corpo dos pacientes capazes de alterar o balanço energético e o metabolismo dos mesmos. Independentemente de qual tipo de cirurgia bariátrica for escolhida é importan- te lembrar que o tratamento cirúrgico da obesidade é uma ferramenta. A perda de peso também depende de outros fatores importantes como a nutrição, o exercício físico e a mudança de comportamento. Ao mudar a anatomia gastrointestinal, os procedimentos afetam a produção de hormônios intestinais de forma a reduzir a fome e o apetite, além de aumentar a sensação de saciedade. O resultado final é a redução do desejo de comer e a frequência da alimentação. Curiosamente as mudanças hormonais promovidas cirurgicamente são opostas às produzidas pela perda de peso dietética: Mudanças hormonais da cirurgia bariátrica Melhoram a perda de peso ao manter ou aumentar o gasto energético (calorias queimadas). Na verdade, algumas cirurgias até aumentam o gasto energético em relação ao tamanho do peso. Desta forma, a perda de peso cirúrgica tem chance maior de durar por mais tempo, pois um balanço energético adequado é criado. Mudanças hormonais dietéticas Na perda de peso dietética o gasto energético é reduzido para níveis menores do que seriam previstos pela perda de peso e pela mudança na composição corporal. Esta mudança desequilibrada na energia pode levar, muitas vezes, ao reganho de peso. A perda de peso motiva o paciente a praticar exercícios como nadar, caminhar, pedalar e outras atividades físicas e também está associada a diversas outras mudanças no corpo, que ajudam a reduzir os defeitos no metabolismo das gorduras. A combinação entre redução de peso e exercícios melhora a capacidade corporal de queimar gordura, leva a uma atitude mais positiva e reduz o nível de estresse. Outra consequência é a redução de hormônios como a insulina (usada para regular o nível de açúcar) e o GastroclínicaFoz Rua Martins Pena, 353, Jd. Festugato - Tel. (45) 3523-2075 cortisol (hormônio do estresse). A captação e o armazenamento de gordura são reduzidos por esta combinação. Por isso, a cirurgia bariátrica pode ser uma ferramenta útil para auxiliar pessoas obesas a quebrar o ciclo de ganho de peso e ajudar a perder peso, além de manter a perda em longo prazo e melhorar a qualidade de vida e saúde de forma geral. Dr. Mohamad Walid Omairi CRM-PR 29116 Coordenador Médico do Núcleo de Obesidade da Unimed Foz • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Digestiva; • Título de Habilitação em Videocirurgia pela Sobracil-SP; • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica; • Membro da Internacional Federation for the Surgery of Obesity (IFSO) • Pós-Graduado em Cirurgia da Obesidade pelo Hospital da Real e Benemérita Sociedade Portuguesa de Beneficência de São Paulo na Equipe do Prof. Garrido (Pioneiro e principal referência no Brasil em Cirurgia de Obesidade). Centro Clínico Hospital Costa Cavalcanti Av. Parati, 737 - Vila “A” - Tel (45) 3576- 8001 Foz do Iguaçu - PR e-mail: mohamadomairi@hotmail.com Gosta de pedalar? Saiba como reduzir o cansaço e prevenir lesões! A linha de chegada é o desejo de todo ciclista e os quilômetros percorridos são como metas que devem ser ultrapassadas dia após dia. O desempenho em cada corrida depende de muitos fatores e o principal deles é o corpo do atleta. O Bike Fit pode ser a resposta para todas essas perguntas! O sistema dinâmico é o mais moderno do mundo e está disponível em Cascavel (PR). Por meio do método Retul V7 – conhecido pelo desenvolvimento de várias marcas e equipes de ciclismo – ele avalia todo o corpo do atleta para diminuir o cansaço, prevenir possíveis lesões e melhorar a performance durante o exercício. É possível pedalar mais com menos esforço? Se o exercício for praticado da forma correta, sim! É isso que o fisioterapeuta da clínica Unifisio de Cascavel (PR), Dr. Fernando Cazetta Jeronimo explica. “Nós trouxemos o Bike Fit para posicionar o ciclista corretamente à bicicleta e prevenir lesões, como por exemplo: tendinites, miosites, cervicalgias, lombalgias e outras lesões musculoesqueléticas. Mas a parte postural não é o único benefício. Também fazemos um trabalho para melhorar o desempenho do competidor”. Para que a saúde não seja prejudicada, o corpo e a bike precisam estar em plena sintonia na hora do exercício. Quando um desses itens não está no ponto adequado, é preciso analisar e calibrar até o grau exato. No Bike Fit, o ciclista leva a sua bicicleta até a Unifisio, única clínica no Paraná com o sistema dinâmico, e passa por uma avaliação fisioterapêutica. Os dados são direcionados ao programa e o paciente começa a pedalar. “O sistema capta os movimentos e os projeta na tela onde o ciclista mesmo consegue analisar a sua postura”, descreve o fisioterapeuta. A diferença da clínica Unifisio é sempre o respeito ao corpo do atleta.