L+D 18

editora.lumiere

Edição 18: Maio/Junho - 2008

l+d

international lighting magazine

LUZ E MOVIMENTO

no Blue Frog Lounge, na Índia

LUZ E ELEGÂNCIA

na Armani Ginza Tower, no Japão

LUZ E DELICADEZA

no trabalho de Kaoru Mende

LIGHT & MOVEMENT IN THE BLUE FROG LOUNGE, IN INDIA

LIGHT & ELEGANCE AT THE ARMANI GINZA TOWER, IN JAPAN

LIGHT & DELICACY IN THE WORK OF KAORU MENDE


led it be

show-room

al gabriel monteiro

da silva 1441

t 11 3898-0222

f 11 3898-0222

info@lumini.com.br

L+D

2

L+D

3

design

fernando prado


CROSS

DESIGN

YRURÁ GARCIA

L+D

4

O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - 1988 | Giramundo © Álvaro Apocalypse Foto | C. Mafra

EDUARDO LOPES

PRÊMIO ABILUX

1° LUGAR

EXCLUSIVO

ILUMINAR

L+D

5

www.iluminar.com.br


L+D

6

L+D

7


LIGHT & MOVEMENT IN THE BLUE FROG LOUNGE, IN INDIA

LIGHT & ELEGANCE AT THE ARMANI GINZA TOWER, IN JAPAN

LIGHT & DELICACY IN THE WORK OF KAORU MENDE

l+d #18

l+d

INTERNATIONAL LIGHTING MAGAZINE

EDITORES | EDITORS

Thiago Gaya

Winnie Bastian

Capa | cover

LUZ E MOVIMENTO

no Blue Frog Lounge, na Índia

LUZ E ELEGÂNCIA

na Armani Guinza Tower, no Japão

LUZ E DELICADEZA

no trabalho de Kaoru Mende

Blue Frog Lounge, Mumbai, Índia.

Abhay Wadhwa Associates

Foto | Photo: Fram Petit

50

80 18

38

66

70

18

¿QuÉ Pasa?

38

PROJETOS | PROJECTS

XI Gallery

40

Exposição Revolução Genômica

46

Blue Frog Lounge

50

Armani Ginza Tower

60

Buddha Bar

66

Galeria Gourmet

Paulo da Costa e Silva. Ensaísta,

músico e jornalista. Atualmente,

faz mestrado na PUC-Rio, onde

70

perfil | profile

Kaoru Mende

desenvolve pesquisa sobre as obras

de Lupicínio Rodrigues e Tom Jobim.

Colaborou em revistas e livros, como

80

Produtos | products

Pedro Saito estuda arquitetura e urbanismo na

repórter e pesquisador. | Essayist,

FAU-USP. Atualmente trabalha com design gráfico

musician and journalist. Is working on

e arquitetura e é designer da Revista L+D.

the Master’s Degree in PUC-Rio, where

Pedro Saito studies architecture and urban

he performs research into Lupicínio

L+D

8

planning at FAU-USP. He works with graphic design and

architecture, and is the designer of L+D magazine.

Rodrigues and Tom Jobim’s work.

L+D

9

EDITORIAL BOARD

Esther Stiller, lighting designer

Dante Della Manna, arquiteto | architect

Fernando Prado, designer


EDITORIAL

PUBLICADA POR | PUBLISHED BY

“Arquitetura é o jogo sábio, correto e magnífico dos volumes

reunidos sob a luz.” A frase de Le Corbusier, extraída de seu conhecido livro Por uma Arquitetura,

denota a importância da luz para a configuração da arquitetura e a inevitável relação

de interdependência que existe entre ambas. Afinal, é a luz que nos permite perceber os

espaços que nos cercam, e qualquer mudança na iluminação reflete diretamente na maneira

como percebemos a arquitetura, suas formas, cores e texturas.

Portanto, vale destacar a importância da integração entre os projetos luminotécnico e arquitetônico

e/ou de interiores, já que uma luz correta valoriza o espaço, enquanto uma luz

ruim pode degradá-lo. Felizmente, os arquitetos e designers de interiores estão se tornando

mais conscientes deste fato, e cada vez mais buscam integrar seus projetos, desde o início,

com a “arquitetura da luz”. Os projetos do Buddha Bar, em São Paulo, e da torre Armani

em Tóquio, apresentados nesta edição, são exemplos disto.

O vínculo entre os projetos luminotécnico e arquitetônico pode chegar a tal ponto que a luz

se torna um elemento essencial na própria concepção espacial do edifício ou ambiente, como

demonstram os projetos da Xi Gallery, na Coréia do Sul, e do Blue Frog Lounge, na Índia.

As obras que reunimos nesta edição de L+D mostram-nos com clareza que quanto mais

cedo acontecer a integração entre os projetos de arquitetura e de iluminação, melhor e mais

surpreendente será o resultado final.

Boa leitura!

Editora Lumière Ltda.

Rua Catalunha, 350

05329-030 São Paulo SP

Brasil

t / f: 55 11 6827.0660

ld@portallumiere.com.br

www.portallumiere.com.br

PUBLISHER

>Thiago Gaya

EDITORES | EDITORS

>Thiago Gaya

> Winnie Bastian

TRADUÇÃO | TRANSLATION

>Michael L. Jordan

REVISÃO | PROOF READING

>Deborah Peleias

L+D

10

“Architecture is the skilful, correct and magnificent interplay of volumes brought

together in the light.” This phrase of Le Corbusier’s, taken from his celebrated book “Towards a New Architecture”,

points out the importance of light in architectural planning and the inevitable relationship of

interdependence that exists between the two of them. After all, it is light that enables us to perceive our

surroundings, and any change in the lighting directly affects the way in which we see the architecture, its

forms, colours and textures

Therefore, we must emphasise the importance of the interaction of lighting and architectural projects

and/or those of interior design, since correct lighting will enhance the surroundings whilst poor lighting

will mar them. Happily, architects and interior designers are becoming more aware of this fact,

and more and more are seeking to integrate their projects, from the outset, with the “architecture

of light”. The projects for the Buddha Bar, in São Paulo, and the Armani Tower, in Tokyo, covered in

this edition, are fine examples of this.

The ties between lighting and architectural projects can reach a point where light becomes an essential

element in the [very] spatial project of the building or environment, as seen in the projects for

the Xi Gallery, in South Korea, and the Blue Frog Lounge, in India.

The works that we bring together in this edition of L+D clearly show [us] that the earlier the integration

of architectural with lighting projects occurs, the better and more surprising will be the final result.

Good reading!

ARTE | ART

>Pedro Saito

>Gustavo Cipriano (arte final | final art)

COLABORADORES | COLABORATORS

Débora Curbi, Marcelo Scandaroli e Paulo da Costa e Silva

PUBLICIDADE | ADVERTISING SALES

ad@portallumiere.com.br

t: +55 11 6827.0660

ASSINATURAS | SUBSCRIPTIONS

assinaturas@portallumiere.com.br

t: +55 11 6827.0660

L+D

11

IMPRESSA POR | PRINT BY


L+D

12

L+D

13


L+D

14

L+D

15


L+D

16

L+D

17


¿QuÉ Pasa?

Por: Winnie Bastian

agenda

GUANGZHOU INTERNATIONAL LIGHTING FAIR

A maior feira de produtos e serviços de iluminação da Ásia reuniu, em

2007, mais de 12 mil expositores e 45 mil visitantes de 98 países. Este ano,

a feira incluirá pela primeira vez um setor especialmente dedicado aos LEDs.

Messe Frankfurt HK

The largest Asian trade fair for lighting products and services attracted over 12

thousand exhibitors and 45 thousand visitors from 98 countries in 2007. This year, the

fair will include a section dedicated specifically to LEDs.

Quando | When:

de 8 a 11 de junho | 8th to 11th June

Onde | Where: Guangdong, China

www.messefrankfurt.com.hk

5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E COGERAÇÃO

DE ENERGIA

Festival internacional de cultura da luz que acontece a cada dois anos em

Frankfurt e na região do Reno, paralelamente à feira Light+Building. Instalações

acontecerão por toda a cidade e, a exemplo dos anos anteriores, haverá visitas

guiadas aos principais eventos/instalações.

5th Brazilian Congress on Energy Efficiency and Co-Generation

This event will deal with the subject of energy efficiency throughout Brazil, and its focus

is the propagation of sustainable practices and technology, contributing to the rational

use of energy, while, at the same time, promoting the competitiveness and profit margins

of the energy industry.

Quando | When:

11 e 12 de junho | 11th to 12th June

Onde | Where: Centro de Convenções do Novotel Center Norte,

São Paulo | Novotel Center Norte Conference Centre, São Paulo

www.abesco.com.br/5eficienciaenergetica

WORKSHOP – LUZ E PAISAGEM

Promovido pela Lighting Academy, o workshop com o lighting designer francês

Louis Clair (PLDA) enfocará a iluminação de espaços naturais; atenção especial

será dada à possibilidade de criação de vários cenários para diferentes ocasiões

apenas com o uso da luz. Sob a orientação de Clair, os grupos de participantes

farão um projeto de iluminação para a mina de mármore de Michelangelo, em

Carrara. O workshop será ministrado em inglês.

L+D

18

Light and Landscape Workshop Organised by the Lighting Academy,

this workshop, with French lighting designer Louis Clair (PLDA), focuses on the lighting

of natural environments; special attention is paid to the potential for creation of various

scenarios for different occasions, just using lighting. Under Clair’s guidance, the

participant groups will design a lighting project for Michelangelo’s marble quarry at

Carrara. The workshop will be conducted in English.

L+D

19

Quando | When: de 10 a 14 de junho | 10th to 14th June

Onde | Where: Villa La Sfacciatta, Florença | Florence

www.lightingacademy.org/news.php?pcode=0000000422


¿QuÉ Pasa?

WORKSHOP ERCO PARA ESTUDANTES

Destinado a estudantes de arquitetura, design de interiores, paisagismo e

lighting design. O workshop combina conteúdos teóricos e exercícios práticos

sobre lighting design. Uma excursão a instalações exemplares para iluminação

de museus e de lojas completam o programa. O seminário será ministrado em

alemão e a taxa de participação é de 30 Euros (acomodação não-inclusa).

Informações e inscrições com Marc Hartings, pelo e-mail lichtseminar@erco.com

LDI

LDI SHOW 2008

Erco Student Workshops Aimed at students of architecture, interior design,

landscaping and lighting design, this workshop combines theory with practical exercises

in lighting design. An excursion to examples of lighting installations in museums and

shops completes the programme. The seminar will be conducted in German and the

inscription fee is 30 Euros.

More info and registration by e-mail with Marc Hartings at: lichtseminar@erco.com

O evento reúne feira, workshops e conferências sobre iluminação e som

para espetáculos (shows, cinema, teatro etc.). A feira e as conferências acontecem

entre os dias 24 e 26 de outubro, enquanto o tour “Backstage Las

Vegas” acontece entre os dias 20 e 22. Os workshops LDInstitute acontecem

durante todos os dias do LDI Show.

This event incorporates a trade fair, workshops and conferences on lighting and

sound for entertainment (shows, cinema, theatre etc.). The trade fair and conferences

take place from october 24th to 26th, while the “Backstage Las Vegas” tour

takes place from 20th to 24th. The Lighting Design Institute workshops occur on all

days of the LDI show.

Quando | When: 16 a 18 de julho | 16th to 18th July

Onde | Where: Lüdenscheid, Alemanha | Germany

www.lightfair.com

Quando | When: de 20 a 26 de outubro | 20th to 26th October

Onde | Where: Las Vegas Convention Center, Las Vegas

www.ldishow.com

2º FÓRUM NACIONAL DE ARQUITETURA,

ILUMINAÇÃO E SUSTENTABILIDADE (Fonai)

L+D

20

O Fonai tem por objetivo levar aos participantes informações atualizadas

para transformar os ambientes construídos em locais onde melhor se utilizam

a luz natural, os recursos de refrigeração e iluminação artificial, buscando a

sustentabilidade. O evento percorre várias cidades brasileiras e conta com a

participação de lighting designers e arquitetos renomados, como Gilberto Franco,

Carlos Fortes, Peter Gasper, Mônica Lobo, Cristina Maluf , Siegbert Zanettini,

Sidônio Porto, Miguel Juliano, Nelson Dupré e Dante Della Manna.

O seminário tem duração de dois dias; a programação e as datas

referentes a cada cidade podem ser conferidas no site

http://www.fonais.com.br

2nd National Forum of Architecture, Lighting and Sustainability

FONAI’s aim is to bring to the participants up-to-the-minute information on

how to transform man-made environments into places where daylight, air-conditioning

and artificial lighting resources are optimally utilised with the goal of sustainability. This

event goes on tour in a number of Brazilian cities, with the participation of notable

lighting designers and architects, such as Gilberto Franco, Carlos Fortes, Peter Gasper,

Mônica Lobo, Cristina Maluf, Siegbert Zanettini, Sidônio Porto, Miguel Juliano, Nelson

Dupré e Dante Della Manna. The seminar lasts two days; dates and programming for

each location can be found at: http://www.fonais.com.br

Quando | When:

até 13 de novembro | until 13th November

Onde | Where: Goiânia (GO), Vitória (ES), Maringá (PR),

Florianópolis (SC), Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS) e Rio

de Janeiro (RJ)


¿QuÉ Pasa?

Mocho

A new look at the day-to-day Looking for new interpretations of day-today

objects and situations is a speciality of designer Hector Serrano, a Spaniard who

has adopted London as his base since his Master’s degree from the Royal College of

Arts, completed in 2000. With a contemporary and unprejudiced eye, Serrano creates

pieces that seem familiar to us at first sight, yet which, at a second glance, lead us to

reflect on the objects’ surroundings.

This is the case with the Playboy wall-light (2001, Droog Design), designed to

be personalised with the user’s shirts, which serve as shades. This lamp, made of

transparent methacrylate, comes in the form of a clothes hanger enclosing an 11W

fluorescent lamp. By changing its “clothes”, Playboy can match different surroundings

(and states of mind) and provide variable amounts of light according to the colour and

thickness of the fabric.

Another piece with an unusual approach is the Fan Txt fan (2002), which restores

and updates the paper of a fan as a means of communication. “There was a time when

the fan was used as a communication tool for flirting. The young lady used it to indicate

whether or no she were available, whether she wished to dance or not...,” explains

Serrano. As the Fan Txt is waved about, the LEDs incorporated into its leaves twinkle

at various frequencies and “write” a pre-programmed message in the air.

Among the luminous objects designed by Serrano, the Waterproof lamp (2003)

also deserves special mention. It was designed to be used in water (swimming pools,

fountains, ornamental pools, etc.). During the daytime, it is kept out of the water head

NOVO OLHAR SOBRE O COTIDIANO

Buscar novas interpretações para objetos e situações do cotidiano é a especialidade

do designer Héctor Serrano, espanhol que adotou Londres como

base desde seu mestrado no Royal College of Arts, concluído em 2000. Com

um olhar atual e despido de preconceitos, Serrano cria peças que nos são

familiares à primeira vista, mas que, em um segundo momento, nos levam a

uma reflexão sobre os objetos que nos cercam.

É o caso da luminária de parede Playboy (2001, Droog Design), concebida

para ser personalizada com as camisas do usuário, que assumem a função de

difusores. A peça, produzida em metacrilato transparente, possui o formato

de um cabide, e abriga em seu interior uma lâmpada fluorescente de 11W. Ao

ter sua “roupa” trocada, Playboy pode combinar com diferentes ambientes (e

estados de espírito!) e proporcionar diversas intensidades de luz, de acordo

com a cor e a espessura do tecido.

Outra peça com abordagem inusitada é o leque Fan Txt (2002), que resgata

e atualiza o papel do leque como um elemento de comunicação. “Houve um

tempo em que o leque era utilizado como uma ferramenta de comunicação

durante o flerte. Com ele, a moça indicava se estava ou não disponível, se

queria ou não dançar...”, explica Serrano. À medida que o Fan Txt é agitado,

os LEDs embutidos em suas lâminas piscam em diferentes freqüências e “escrevem”

no ar a mensagem pré-programada.

Dentre os objetos luminosos criados por Serrano, também merece destaque

a luminária Waterproof (2003), criada para ser usada na água (piscinas, fontes,

espelhos d’água etc.). Durante o dia, a peça é mantida fora da piscina, apagada

e de cabeça para baixo; à noite, é jogada à água, onde flutua na posição de

down and switched off; at night it is tossed into the water where it floats in its upright

working position. Manufactured by the Spanish firm Metalarte in rotation moulded

polyethylene, it is completely waterproof and submersible. It uses an E10 lamp of 4.5V

and works off a rechargeable battery lasting up to 6 hours.

In all of the projects mentioned above, it is not so much a question of creating

objects with unusual forms, but rather of reinterpreting existing objects, resuscitating

their archetypal forms, thus permitting their use in new contexts.

Innovation, however, in Serrano’s work, goes beyond just use. The formal aspect

assumes a central role in other projects, as witnessed by the Sofa Lamp, a light whose

shade reproduces the texture of a Chesterfield style sofa. Developed together with the

Spanish design group CuldeSac and launched in April by the Dutch firm Moooi at the

Furniture Salon of Milan, this light borrows from the aesthetics of the traditional sofa as

a means of “transmitting the social values of this emblematic piece of furniture, adding

the natural attraction of the lighting effect itself,” comment the designers.

funcionamento. Fabricada pela empresa espanhola Metalarte em polietileno

rotomoldado, é totalmente resistente à água e submergível. Utiliza uma lâmpada

E-10 de 4,8V e funciona com uma bateria recarregável, com autonomia

de até seis horas.

Em todos os projetos citados acima, não se trata da criação de objetos com

formas inusitadas, mas sim de reinterpretar os objetos existentes, mantendo suas

formas arquetípicas, para permitir o uso dos mesmos em novos contextos.

Mas a inovação, no trabalho de Serrano, vai além do uso. O aspecto formal

assume papel central em outros projetos, como atesta a nova Sofa Lamp,

uma luminária cujo difusor reproduz a textura do estofado tipo Chesterfield.

Desenvolvida em conjunto com o grupo espanhol de design CuldeSac e

lançada em abril pela empresa holandesa Moooi no Salão do Móvel de

Milão, a luminária se apropria da estética do tradicional sofá como forma de

“transmitir os valores sociais desta emblemática peça de mobiliário, somada

à atração natural do efeito de luz, em si”, explicam os designers.

L+D

22

L+D

23

www.hectorserrano.com


¿QuÉ Pasa?

Let there be light! To work with light as a tangible material which can take

on form: with this intention, the students from the School of Art Institute of Chicago

(SAIC) developed projects that were presented in Milan, from 16th to 21st April, at the

Furniture Salon. In collaboration with Industreal, an Italian design collective that works

with design and development, and also with the production and edition of artefacts,

SAIC put on display the results of the experiments undertaken by its students in the

18% Gray exhibition.

Delicate and discreet artefacts filter the light so as to produce areas of differing brightness,

dimensions and effects. The light is used to reveal the inherent beauty in

everyday objects and materials. 18% Gray demonstrates the potential held by design

to extract the exceptional from the commonplace. One example is the Light Ledger, a

book with three-dimensional cut-outs, which, depending on the page opened, and on

how far it is opened, projects the most varied forms onto the walls of the room. This is

an interactive experience that leads the user on “a journey through light, shadow and

forms”, in the words of its designer SJ. Lee.

Interactivity was also the keynote of Watson, designed by student Lisa Smith. This

consists of a light box with two visible surfaces: while one is totally lit up, the other is

opaque and decorated, but can only be viewed through a polarising magnifying glass.

The ornaments are made so as to give rise to different patterns according to the position

of the magnifying glass. Thus, what is perceived by each spectator is unique and

invisible to the other visitors.

Within the same scenario, installed in the lovely Fabbrica Del Vapore, SAIC also

presented the results of the school’s partnership with Industreal, who suggested the

think-tank project for the students (Let there be Light) on the concept of light and on

the potentialities of direct and reflected light. Four projects were selected by Industreal

for the exhibition. One of these is the Fizz pendant light by Caroline Linder. Made of

blown glass, it reminds one of children blowing soap bubbles. This lamp can be used by

itself or in grouped arrangements.

Industreal took part in this process “with the firm belief that light is of the same substance

as ideas, and perhaps it is no coincidence that a spark of genius is commonly

depicted by a lamp shining over a person’s head,” insist the designers.

FAÇA-SE A LUZ!

Trabalhar a luz como um material tangível e que pode ganhar forma. Com

esta intenção, os alunos da School of the Art Institute of Chicago (SAIC) desen-

primeira é puramente luminosa, a segunda superfície é opaca e ornamentada,

mas só pode ser vista através de uma lupa polarizada. Os elementos ornamentais

são criados de modo a permitir que diferentes desenhos surjam conforme a

posição da lupa; desta forma, a experiência vivida por cada expectador é única

e invisível ao resto dos visitantes.

No mesmo cenário, instalado na bela Fabbrica Del Vapore, a SAIC também

apresentou o resultado de uma parceria da escola com o Industreal, que

propôs um projeto de idéias para os estudantes (Let There Be Light), sobre o

conceito da luz, e as potencialidades da luz direta e refletida. Quatro projetos

foram selecionados pelo Industreal para a mostra. Um deles é a luminária

suspensa Fizz, de Caroline Linder: em vidro soprado, busca referência no ato

infantil de soprar bolhas de sabão; a peça pode ser usada de forma isolada ou

arranjada em grupos.

O Industreal participou deste processo “com a convicção de que a luz é feita

do mesmo material do qual são feitas as idéias e talvez não seja uma coincidência

que um lampejo de genialidade seja freqüentemente representado por uma

lâmpada que se acende acima da cabeça”, afirmam os designers.

volveram projetos que foram apresentados em Milão entre 16 e 21 de abril,

por ocasião do Salão do Móvel. Em conjunto com o Industreal, coletivo de

design italiano que atua com pesquisa e desenvolvimento e também com a

edição e produção de objetos, a SAIC expôs o resultado das experimentações

desenvolvidas por seus alunos, na mostra 18% Gray.

Artefatos delicados e discretos filtram a luz de modo a produzir zonas

com diversas luminosidades, dimensões e efeitos. A iluminação é utilizada

para revelar a beleza inerente aos objetos e materiais do dia-a-dia. A 18%

Gray demonstra o poder que o design tem de extrair o excepcional do lugarcomum.

Um exemplo é o Light Ledger, um livro com recortes tridimensionais

que, conforme a página escolhida e seu grau de abertura, projeta diferentes

formas na parede do ambiente. Uma experiência interativa que conduz o

usuário a “uma viagem através da luz, da sombra e das formas”, nas palavras

de seu designer, SJ Lee.

Interação também foi a tônica de Watson, proposta da aluna Lisa Smith.

Trata-se de uma caixa de luz com duas superfícies perceptíveis: enquanto a

L+D

24

L+D

25


¿QuÉ Pasa?

Também em Milão, durante o Salão do Móvel, a Swarovski apresentou sua

tradicional mostra Crystal Palace, que apresenta peças concebidas por personalidades

do design mundial, sempre utilizando os cristais produzidos pela empresa

austríaca e relacionando-os com a luz. Dentre as criações apresentadas neste

ano, destacamos a cortina Veil, criada pelo lighting designer Paul Cocksedge, que

explora a superfície composta por anéis de cristal para criar uma ilusão de ótica:

quando vista por meio de um espelho, a cortina revela a imagem da Monalisa;

quando observada diretamente, porém, a imagem não é visível.

Outra peça que merece destaque a luminária Ré, uma releitura do candelabro

feita pela arquiteta e designer Zaha Hadid, uma peça cuja plasticidade

inconfundível já revela sua autoria. O conceito de fragmentação norteou a

concepção da peça, como explica Hadid: “cada cristal foi considerado como

um elemento individual que se inter-relaciona com – e reage a – cada um

dos outros cristais. Presos em um redemoinho espiralado, os cristais têm sua

direção determinada pelas forças de uma explosão”.

LUZ E TRANSPARÊNCIA

L+D

26

Light and transparency Also in Milan, during the Furniture Salon, Swarovski

presented its traditional exhibition, Crystal Palace, displaying pieces by world-wide design

personalities, but always making use of the crystal produced by this Austrian firm

and always light-related. Among the creations presented this year, worthy of special

note is the Veil curtain, by lighting designer Paul Cocksedge, which explores a surface

composed of crystal rings so as to create a curious optical illusion: when viewed in a

mirror, the curtain reveals an image of the Monalisa, yet, when viewed directly this

image is invisible.

Also worth mentioning is the Ré light, a new version of the chandelier by architect

and designer Zaha Hadid, a work whose unmistakable plasticity betrays its authorship.

The notion of fragmentation orientated the invention of this piece, as Hadid explains:

“Each Swarovski crystal can be considered as an individual element that interrelates

with, and responds to, every other crystal. Locked in a spiralling vortex, the crystals

direction is determined by the forces of an explosion.”

Swarovski Crystal Palace Collection

L+D

27


¿QuÉ Pasa?

DO CÉU PARA O PULSO

A noite estrelada e seus mistérios foram a inspiração do chinês Lv Zhongfang

ao criar o relógio Tiwe, que “utiliza um display OLED para imitar o universo e

expressar a relação entre Tempo e Espaço”, explica o designer. Quando não

estão em uso, os pontos brancos correm randomicamente no espaço escuro

do display; quando o usuário quiser saber as horas, basta sacudir o relógio ou

bater suavemente na superfície de vidro que os pontos se alinham para formar

os ponteiros. O pequeno objeto de Zhongfang nos mostra que até mesmo

os artefatos mais funcionais podem ter algo de lúdico.

From the heavens to the wrist The starry night, with all its mysteries,

provided the inspiration for Chinaman Lv Zhongfang to create his Tiwe wristwatch, which

“uses an OLED display to imitate the universe and express the relationship between

Time and Space”, explains the designer. When not in use, the little white dots race

around randomly over the dark space of the display; when the user wants to know the

time, all he has to do is shake the watch or tap lightly on the glass for the dots to align

themselves to form the hands of the watch. Zhongfang’s little timepiece shows us that

even the most utilitarian objects can incorporate the properties of playthings.

www.lvzhongfang.com

L+D

28

L+D

29


¿QuÉ Pasa?

RAIO-X ARQUITETÔNICO

O Aeroporto Internacional de Brasília é o tema do 11º volume da coleção

Arquitetura Comentada, recém-lançado pela Editora C4. O aeroporto original,

de 1971, vem se transformando desde 1990, segundo projeto realizado pelo

arquiteto Sérgio Parada, e executado em cinco etapas (a última delas em

execução). No livro, a autora Cláudia Estrela Porto discute diversos aspectos

do projeto, desde as premissas conceituais até as soluções construtivas adotadas,

passando também por elementos como o design de mobiliário e o

lighting design, este desenvolvido por Esther Stiller (na foto, área executada

na quarta fase da expansão).

L+D

30

Architectural x-ray Brasilia International Airport is the theme of the 11th

volume of the “Arquitetura Comentada” (Architectural Commentary) collection, recently

released by Editora C4. The original 1971 airport has undergone a series of

transformations since 1990 following the project designed by architect Sergio Parada

and carried out in five separate stages (the last of which is now under way). In the

book authoress Claudia Estrela Porto discusses various aspects of this project, from

the original conceptual premises to the constructional solutions adopted, taking into

account as well elements such as the furniture and lighting design, this latter developed

by Esther Stiller (photo, the area treated in the fourth phase of expansion).

L+D

31


¿QuÉ Pasa?

OS MUSEUS (E A LUZ)

DE RENZO PIANO

Ao longo de 35 anos de carreira, o arquiteto italiano Renzo Piano desenhou

diversos museus, a grande maioria dos quais tornou-se conhecida também

pela qualidade da arquitetura – a começar pelo projeto para o então revolucionário

Centre Pompidou, em Paris, realizado em parceria com Richard Rogers

na década de 1970. A editora Monacelli Press lançou, recentemente, um

livro inteiramente dedicado aos museus de Piano, o qual, além de ricamente

ilustrado com fotos e desenhos, inclui um ensaio no qual a historiadora de

arquitetura Victoria Newhouse enfoca os elementos-chave da estética de

Piano: a luz natural, a transparência e a praça (ou outros espaços de reunião);

todos foram introduzidos no Centre Pompidou e continuam a marcar

presença até os dias de hoje.

L+D

32

The museums (and the lighting) of Renzo Piano Over the

35 years of his career, Italian architect Renzo Piano has designed various museums,

the great majority of which have become famous for the quality of their architecture —

starting out with the revolutionary project for the Centre Pompidou, in Paris, and carried

out in partnership with Richard Rogers in the 1970s. Monacelli Press, the publishers,

recently launched a book devoted entirely to Piano’s museums, which, as well as being

richly illustrated with photos and drawings, includes an essay in which architectural

historian Victoria Newhouse brings into focus the key elements of Piano’s aesthetics:

use of daylight, transparency and the piazza (or other gathering-spaces); all of these

were introduced in the Centre Pompidou and continue as a hall-mark today.

L+D

33

www.monacellipress.com


¿QuÉ Pasa?

NOVAS CORES EM SÃO PAULO

A cidade de São Paulo ganhou, recentemente, um novo marco em sua

paisagem urbana. Trata-se da ponte Octávio Frias de Oliveira, construída

sobre a Marginal do Rio Pinheiros, e inaugurada em maio.

A ponte, projetada pelo arquiteto João Valente Filho, se destaca por sua

estrutura singular, que combina uma grande torre em formato de “X” (com

138m de altura) a 144 estais (cabos tensionados em aço). A solução construtiva

adotada, além de ser funcional – deixando a pista da Marginal Pinheiros livre

de pilares –, gerou um resultado estético interessante e dinâmico.

Esta percepção dinâmica da ponte é reforçada pelo projeto luminotécnico,

elaborado pelo lighting designer Plínio Godoy e pelo engenheiro Paulo Candura,

do escritório Luz Urbana. Durante o dia, o destaque são os estais amarelos,

avivados pelo contraste em relação ao azul do céu e ao cinza do asfalto; à noite,

por outro lado, é a torre que ganha destaque, por meio de uma iluminação multicolorida

que ressalta as superfícies internas do “X”. Para tanto, foram utilizados

142 projetores equipados com 36 LEDs RGB (Color Kinetics), que permitem

constante mudança das cores ou a seleção de uma tonalidade específica. O exterior

da torre e os estais receberam uma suave luz branca, gerada por 20 projetores

Arena Vision (1.000W) com temperatura de cor em torno de 5.000K.

No que diz respeito à iluminação viária, pistas de circulação e alças de acesso

são iluminadas por luminárias Milewide, que utilizam o sistema de lâmpadas

Cosmópolis, da Philips. Este sistema produz uma luz branca, com índice de

reprodução de cores muito superior ao das lâmpadas de vapor de sódio.

A eficiência energética também mereceu atenção no projeto: segundo a Philips, a

iluminação viária empregada na nova ponte consome 10% menos energia do que os

sistemas com vapor de sódio e 150% menos do que os com vapor de mercúrio.

The city of São Paulo (Brazil) recently acquired a new urban landmark. This is the Otávio Frias

de Oliveira bridge, built over the Pinheiros river Marginal avenue, and opened in May.

The bridge, designed by architect João Valente Filho, is remarkable for its singular structure

combining a huge X-shaped tower (138 metres in height) with 144 stays (tensioned steel cables).

The structural model chosen, besides being very functional — leaving the Pinheiros Marginal

roadway free of pillars — has produced interesting and dynamic aesthetic results.

This dynamic view of the bridge is reinforced by the lighting project, developed by

lighting designer Plínio Godoy together with engineer Paulo Candura, from the firm Luz

Urbana. In the daytime, what stands out most are the yellow stays, contrasting with

the blue skies and the grey asphalt. At night, on the other hand, it is the tower that

becomes highlighted as the result of multi-colured lighting that shows up the internal

surfaces of the great “X”. To do this, 142 spotlights were used, equipped with 36 RGB

LEDs (Color Kinetics), furnishing constantly changing colours or the choice of one specific

tone. The exterior of the tower and the stays were treated to a soft white light supplied

by 20 Arena Vision spotlights (1000W) with a colour temperature of around 5000K.

As for the lighting of the roadway, the driving and access lanes are lit by Milewide

lights using the Cosmopolis system of lamps from Philips. This system produces white

lighting with a colour reproduction rating that is way above that of sodium lamps.

Energy efficiency was also taken into account in this project: according to Philips, the

street lighting used on the bridge uses 10% less energy than sodium vapour systems

and 150% less than mercury vapour systems.

L+D

34

L+D

35


¿QuÉ Pasa?

Grafitti Research Lab

GRAFITTI HIGH-TECH

No lugar da tinta, um laser point; no lugar do tubo de spray, um projetor.

Com esta concepção, os artistas do Grafitti Research Lab (GRL) criaram uma

L+D

36

forma high-tech de pixação, que, por ser efêmera e não danificar as estruturas

que a suportam, pode ser levada a locais de grande visibilidade, como edifícios

e monumentos, e deste modo atingir um número muito maior de pessoas (as

In place of ink, a laser pointer; in place of a spray-can, a projector. Using this concept,

the artists from Graffiti Research Lab (GRL) have invented a high-tech form of

graffiti, which, by its ephemeral nature and, since it does no damage to the surfaces

L+D

37

mensagens são as mais variadas). O GRL já organizou happenings em diversas

displaying it, can be applied to important buildings, such as skyscrapers and monuments,

cidades, e têm atraído admiradores e seguidores – a propósito, os designers

and in this way reach a much greater number of people. GRL has already organised

não apenas ensinam em detalhes como o grafitti a laser funciona (veja no site

happenings in various towns, and has attracted many admirers and followers — and,

http://muonics.net/blog/index.php?postid=15 ), mas também distribuem

incidentally, the designers not only teach the details of how laser graffiti works (see site:

gratuitamente o software que permite que a mensagem seja escrita com luz

http://muonics.net/blog/index.php?postid=15), but also distribute the free software to

nas paredes (disponível para download em http://muonics.net/blog/index.

write the light message on walls (available for download at: http://muonics.net/blog/

php?postid=26). Os diversos eventos realizados pelo GRL podem ser vistos

index.php?postid=26). The various events put on by GRL can be found on the site

no site http://grafittiresearchlab.com/.

http://graffitiresearchlab.com/.


projetos | projects

Dynamic façade This building, located in the city of Pusan, the second largest

city in South Korea, was built with the intention of publicising “Xi”, a promotional name

for apartment buildings. Besides the standard show apartment, a considerable portion

of the building’s floor area has been reserved for use as a cultural centre. “The focus of

our investigation is to create a fluid space that can respond to the ‘continuously new’

situations arising from the dynamic flux of economy and culture,” explain the designers

from Mass Studies responsible for the Xi Gallery’s architectural project, and also for

the lighting concept adopted there.

The overall layout of the building can be divided into three parts: the over mass,

the under mass and the third in-between space. The cladding of the the upper mass

is a translucent ETFE (ethylene tetrafluoroethylene) air-cushion “skin” to minimize

materiality and physical presence.

In keeping with this concept, the interior lighting seeks to emphasise and even exaggerate

the dynamism of these spaces; one example is the use of illuminated covings at

the junction of walls and ceilings, so as to give the impression that the ceiling is floating

in mid-air. On the façade, the outer skin of ETFE is lit from inside by T5 28W (x3 EA)

RGB fluorescent tubes, so as to “to recreate the volume as a ‘light’ monument,” in

the designers’ own words. The use of the RGB system allows for the generation of an

almost infinite range of colours; in the Xi Gallery’s case the colours are in a constant

but very gradual state of flux, heralding the building to its neighbours and bringing a

dynamic feature to the city’s skyline. (by Winnie Bastian)

FACHADA DINÂMICA

O edifício, situado na cidade de Pusan, segunda maior da Coréia do Sul,

foi construído com o propósito de promover “Xi”, uma marca de apartamentos.

Além do apartamento-padrão para exibição, uma parte relevante da

área útil do edifício foi reservada à criação de um espaço cultural. “O foco de

nossa investigação é criar um espaço fluido que possa responder a situações

‘constantemente novas’, que surgem do fluxo dinâmico entre economia e

cultura”, explicam os designers do Mass Studies, responsáveis pelo projeto

arquitetônico da Xi Gallery, e também pelo lighting concept adotado.

O esquema geral do edifício pode ser organizado em três partes: a massa

superior, a massa inferior e o espaço entre elas. O fechamento da massa superior

é uma “pele” translúcida, formada por colchões de ar em ETFE (etileno-

L+D

38

Nas duas páginas, vistas da Xi Gallery, espaço

tetrafluoretileno) para minimizar sua materialidade e sua presença física.

Coerente com este conceito, a iluminação interna busca enfatizar/exagerar

o dinamismo dos espaços; um exemplo é a utilização de sancas iluminadas no

L+D

39

de caráter misto: promocional e cultural. Na

limite do teto com as paredes, de modo a transmitir a impressão de que a su-

fachada, a iluminação (cujas cores mudam

perfície do teto está flutuando. Na fachada, a pele externa de ETFE é iluminada

constantemente) destaca a massa superior

por dentro com lâmpadas fluorescentes tubulares T5 28W (x3 EA), RGB, de

Xi Gallery

do edifício| On both pages, views of the Xi

modo a “recriar o volume como um monumento de luz”, nas palavras dos de-

Pusan, Coréia do Sul | South Korea

Gallery, a mixed type space, both promotional

signers. A utilização do sistema RGB permite a utilização de uma vasta gama de

Arquitetura e lighting concept | Architecture and lighting

and cultural. On the façade, the lighting

cores; no caso da Xi Gallery, as cores permanecem em uma mudança gradual

concept: Minsuk Cho e Kisu Park/ Mass Studies

(whose colour is constantly changing)

e constante, anunciando o edifício ao seu entorno e trazendo um elemento

Luminotécnica | Lighting engineers: ALTO

highlights the over mass of the structure

dinâmico para a perspectiva da cidade. (por Winnie Bastian)

Fotos | Photos: Yong-Kwan Kim


projetos | projects

CONVIte À

DESCOBERTA

DNA, genoma, clonagem, transgênicos: termos

antes restritos a cientistas e pesquisadores estenderam-se ao nosso cotidiano e

fazem parte de nossas vidas, ainda que não tenhamos consciência disto. Traçar

um panorama sobre os impactos da genética em nosso dia-a-dia é o objetivo

da exposição Revolução Genômica, em cartaz até 13 de julho no Pavilhão

Armando de Arruda Pereira, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo.

A mostra, concebida originalmente pelo Museu de História Natural de Nova

York (American Museum of Natural History), é trazida ao Brasil pelo Instituto

Sangari. Além do conteúdo estrangeiro, focado essencialmente no genoma

(material genético contido nos cromossomos de um organismo) e na genética

(estudo científico da hereditariedade), os visitantes brasileiros poderão conferir

seções com conteúdo totalmente nacional, mostrando, por exemplo, a

biodiversidade brasileira e também o resultado das pesquisas genéticas com

alimentos realizadas em nosso país.

Em sintonia com o conceito da exposição, o projeto luminotécnico criado

pela lighting designer Fernanda Carvalho busca justamente valorizar este

clima de descoberta. Com exceção da primeira seção da exposição, onde

um belo jardim tropical dá as boas-vindas aos visitantes e apresenta diversas

espécies vegetais existentes no Brasil, os ambientes da exposição Revolução

Genômica se caracterizam por uma atmosfera geral pouco luminosa. A luz

An environment inviting discovery DNA, genome, cloning, transgenic:

all these are terms formerly restricted to use by scientists and researchers which have

now invaded the realm of the day-to-day and have become a part of our daily lives,

even though we may not be aware of the change. To map out a panoramic view of the

impact of genetics on our daily lives is the goal of the “Revolução Genômica” (Genomic

Revolution) Exhibition on display until 13th July at the Pavilhão Armando de Arruda

Pereira, in Ibirapuera Park, São Paulo city.

This exhibition, originally conceived by the New York Natural History Museum

(AMNH), is brought to Brazil by the Sangari Institute. Over and above the foreign

content, focussing mainly on genomes (the genetic material contained in the chromosomes

of an organism) and genetics (the scientific study of heredity), Brazilian visitors

will also find sections of completely domestic national content, showing, for example,

Brazilian biodiversity as well as the results of genetic research on foodstuffs carried

out in this country.

In harmony with the underlying concept of the exhibition, the lighting project, created

by lighting designer Fernanda Carvalho, seeks precisely to bring out this atmosphere of

discovery. With the exception of the first section of the exhibition, where a lovely tropical

garden welcomes the visitors and presents to them a wide variety of native plant

species, the lighting environments of the “Revolução Genômica” exhibition are typified

by an overall atmosphere of subdued lighting. The light is used in a rather controlled

and directed fashion, and the motive for this choice lies particularly in the interactive

format of the exhibition itself, which demands considerable use of video projectors

and monitors; in addition, many of the text and image panels are back-lit. Thus, the

ambient light cannot be so strong as to interfere with the visual impact of the monitors

L+D

40

No jardim de entrada, uma luz amarelada pontua a

passarela, enquanto fachos azul-esverdeados iluminam

as árvores de forma pontual. A idéia, segundo a lighting

designer, era explorar os contrastes de claro e escuro para

remeter à atmosfera de uma floresta | In the entrance

garden, a yellow light picks out the footpath, while

blue-green beams light up the trees at selected points.

The idea was, according to the lighting designer, to

exploit the contrasts of light and shade so as to recall

the forest atmosphere

L+D

41


é utilizada de forma bastante dirigida e controlada, e o motivo desta escolha

está no próprio formato interativo da exposição, que requer a utilização de

projeções e monitores de vídeo; além disso, muitos dos painéis com textos e

imagens são apresentados em backlight. Desta forma, a luz geral não poderia

ser abundante para não prejudicar o efeito visual das projeções e monitores.

A opção da designer, então, foi utilizar uma luz geral reduzida, e valorizar os

elementos que não possuem luz própria com uma iluminação bem definida,

delimitada ora com o auxílio de fresnéis, que recebiam lâmpadas halógenas

bipino de 300W, ora com o uso de projetores elipsoidais com lentes de alta

precisão para luz focada, que recebiam lâmpadas de descarga de 250W ou

lâmpadas halógenas de 575W. Este projetor contém facas para recorte da luz,

o que evita que a luz “invada” os monitores e backlights vizinhos aos painéis.

No percurso entre os diversos “nichos” que compõem a exposição, o visitante

L+D

42

Acima, efeito cênico no fechamento translúcido que separa a rampa

de acesso e o jardim de entrada da exposição. À direita, destaque

para a redução da luz geral e a opção pela iluminação pontual dos

elementos expostos. No alto da página ao lado, as vitrines também

são iluminadas pontualmente | Top of page: Scenic effect of the

translucent wall separating the access ramp from the exhibition’s

entrance garden. At right: Emphasis on the overall dim lighting

level and choosing to spotlight the displays. Top of facing page:

The display windows are also spotlit

L+D

43


contraluz



Legenda


















Abaixo, diorama iluminado com a combinação de luz

a pino, luz frontal e reforços nos cantos (veja cortes

acima). No alto da página ao lado, planta esquemática

do projeto luminotécnico | Below: Diorama lit with

a combination of top lighting, front lighting and fill

lighting from the corners (see drawings above). Top

of facing page: Technical drawing of lighting plan

volta à penumbra. A intenção é nítida, conforme explica Fernanda: “Essa exposição

está ligada à pesquisa e à descoberta, é preciso uma certa concentração para absorver o

conteúdo. Então, quando se está lendo um painel, não há interferências, outros

estímulos próximos chamando atenção. É importante que existam alguns vazios,

alguns silêncios, pois há muito conteúdo reunido aqui”.

A luz da exposição original, montada em Nova York em 2000, foi concebida

por David Clinard, lighting designer do AMNH, e também trabalhava a luz de

forma pontual, alternando-a com espaços vazios e escuros. (W.B.)

PAR 64 #2

ETC Junior 26o

ETC Source Four 50o com

Vortex (gobo rotator)

Minifresnel 300W

Microelipso

Refletor para AR-111 24o

Refletor para AR-111 8o

o

Canal de mesa

o

o

o

and projected images.

The designer’s choice, then, was to make use of subdued ambient lighting and to

highlight just those elements without their own light sources with well-defined lighting,

restricted in distribution by the use of fresnel spot-lights using 300W 2-pin halogen

lamps, or alternatively using ellipsoidal spotlights with high precision lenses for focused

light, equipped with 250W discharge lamps or 575W halogen lamps. This type of

spotlight also has shutters to limit the beam spread, thus avoiding overspill onto the

neighbouring monitors and backlit panels.

Along the route between the various “niches” that go to make up the exhibition,

the visitor returns to deep shadow. The intention is clear, as Fernanda points out: “This

exhibition is all about research and discovery, so it requires a certain amount of concentration

to take in the content. Thus, when you are reading a panel, there can be

no interference from other nearby stimuli demanding your attention. It is important

for there to be some empty spaces, some silences, since a very great deal of content

is brought together here.

The lighting of the original exhibition, set up in New York in 2000, was created by

David Clinard, lighting designer from AMNH, and also used lighting in a punctual manner,

alternating with dark and empty spaces. (W.B.)

L+D

44

Exposição Revolução Genômica

São Paulo, Brasil | Brazil

Projeto de Iluminação | Lighting project:

Fernanda Carvalho

Concepção museográfica | Museum display design:

Felipe Tassara e Daniela Thomas

Curadoria | Curators: Robert DeSalle (American Museum of

Natural History); Eliana Maria Beluzzo e Mônica Teixeira (seções

brasileiras | Brazilian sections)

Fornecedores | Suppliers: ETC, Philips, Telem e Vortex

Fotos | Photos: Ding Musa

L+D

45


projetos | projects

ÍNDIA CONTEMPORÂNEA

A cidade de Mumbai ganhou, no início do ano, um

lounge acústico: trata-se do Blue Frog Lounge, que surgiu com a proposta de

fundir restaurante, bar e palco para shows de música ao vivo. Para organizar tantas

funções diferentes e sem prejudicar a performance de cada uma, os arquitetos

Chris Lee e Kapil Gupta optaram pela utilização de uma estrutura “celular”, composta

de círculos de diversos tamanhos e que têm, em planta, uma configuração

semelhante à de uma ferradura.

Esta estrutura circular funciona como um tipo de divisória, formando nichos

L+D

46

Contemporary India The city of Mumbai gained, at the beginning of this

year, an acoustic lounge bar, the Blue Frog Lounge, which arose out of the idea of

combining a restaurant, bar and live music stage. In order to organise each of these

different functions without impairing the fulfilment of the others, architects Chris Lee

and Kapil Gupta chose to use a “cellular” structure composed of circles arranged in a

horseshoe-shaped plan.

This circular structure functions as a kind of partition, forming seating booths that

accommodate from four to ten people and which are distributed around an open

central area with a double function. Either it can be used as a stage in-the-round

or as a dance floor.

L+D

47


Vistas do Blue Frog Lounge: a inovadora estrutura

ondulada que organiza o espaço é demarcada por

LEDs embutidos, que consistem na principal fonte

luminosa de todo o ambiente | Views of the Blue

Frog Lounge: The innovative undulating structure

that divides up the space is picked out by built-in

LEDs which constitute the main lighting source

of the whole area

que acomodam de quatro a dez pessoas e são dispostos em torno de um centro

aberto que pode ter duas funções: a de um palco 360° ou de pista de dança.

A altura dos painéis divisórios é variável, formando um desenho ondulado que

permite excelente vista do palco para todos que estão sentados às mesas, também

instaladas em alturas diversas.

Para não competir com a iluminação do palco, o interior do Blue Frog Lounge

é bastante escuro, com exceção da superfície superior das divisórias, executada

em resina iluminada em backlight por meio de projetores com LEDs (PAR), proporcionando

ao ambiente um efeito visual bastante dinâmico, além de facilitar a

orientação dos clientes. A utilização dos painéis circulares também garante uma

distância constante entre as pessoas sentadas, independentemente de quão lotado

fique o lounge. (W.B.)

The partitions’ height is variable, forming an undulating pattern that allows an uninterrupted

view of the stage for all those seated at the tables, which are also installed at

varying levels. So as not to compete with the on-stage lighting, the Blue Frog Lounge’s

interior is kept in relative shadow, with the exception of the upper surfaces of the partitions,

made out of resin and backlit by wide distribution LED (PAR) cans, producing a

dynamic visual effect in the surroundings, besides making it easy for the customers to

find their way around. The use of these circular panels also ensures a constant distance

between seats regardless of how crowded the establishment becomes. (W.B.)

L+D

48

L+D

49

Blue Frog Lounge

Mumbai, Índia | India

Projeto de Iluminação | Lighting project:

Abhay Wadhwa Associates

Arquitetura | Architecture:

Chris Lee e Kapil Gupta/Serie Architects

Fotos | Photos: Fram Petit


projetos | projects

CLARA

ELEGÂNCIA

Os japoneses são conhecidos apreciadores

– e ávidos consumidores – de moda. Que o diga o estilista Giorgio Armani, que

CLEAR ELEGANCE The Japanese are well-known appreciators — as well as

consumers — of high fashion. Well may fashion designer Giorgio Armani say so, for he

recently opened a new megastore in Tokyo, the fourth in a series started in 2000 with

the launch of the first concept store in Milan and soon followed by those in Munich

and Hong Kong.

Armani’s concept store is installed in a tower block, of six thousand m² floorspace, in

the heart of the fashionable Ginza district, where the most luxurious designer labelsof

the fashion world are to be found, and it serves as a commemoration on the part of

the designer to the twenty years of his presence in Japan — this country constituting

one of the most important markets in the world for Armani.

The project was developed by Italian architects Massimiliano and Doria Fuksas,

together in close partnership with the designer himself. The architects indicate their

departure point in the task of translating into architectural terms the image associated

L+D

50

recentemente inaugurou uma megastore em Tóquio, a quarta de uma série iniciada

em 2000, com a inauguração da primeira loja-conceito em Milão, seguida

posteriormente pelas de Munique e Hong Kong.

A concept store de Armani está instalada em uma torre de 6 mil m 2 , no coração

do badalado distrito de Ginza, onde se situam as marcas mais luxuosas do universo

fashion, e é uma comemoração do estilista aos seus 20 anos de presença

no Japão – o país representa um dos mercados mais importantes para Armani

em todo o mundo.

O projeto foi desenvolvido pelos arquitetos italianos Massimiliano e Doriana

Fuksas, em estreita parceria com o próprio estilista. Os arquitetos revelam seu

ponto de partida na tarefa de traduzir para a arquitetura a imagem associada a

L+D

51

Nacasa & Partners


Ramon Pratt

Na página de abertura, a fachada iluminada destaca a torre

Armani em meio ao entorno. Acima, a porção inferior da fachada:

o predomínio do tom dourado nos interiores é visível desde a

entrada no edifício | On opening page, the illuminated façade

sets off the Armani Tower from its surroundings. Above, the

lower section of the façade: the predominance of the colour gold

in the interiors is glimpsed through the building’s entrance

Giorgio Armani: “Como combinar o conceito de luxo com a sóbria elegância, o

conceito de modernidade absoluta com um estilo duradouro, o estilo Armani?

Como traduzir a leveza de suas roupas, a delicadeza e o trabalho artesanal dos

bordados, a sensualidade da interação entre corpo e tecido? Sua visão e incansável

pesquisa dos materiais, juntamente com o uso de cores delicadas, translúcidas e

radiantes, são os fatores-chave que levaram a esta consideração”.

A translucidez é uma característica que permeia todo o edifício, e que está

intrinsecamente ligada aos materiais escolhidos e ao projeto de iluminação.

“Queríamos criar uma experiência na qual a luz fosse parte integral do conceito

visual”, explica o lighting designer Keith Bradshaw, do escritório Speirs and Major,

responsável pelo projeto luminotécnico.

A começar pela fachada, que é decorada em toda sua extensão por uma floresta

de bambu fictícia, que à noite ganha vida e transforma o visual do edifício. Os caules

são iluminados em backlight por LEDs em um tom branco-azulado, enquanto as

folhas em plexiglas branco translúcido recebem uma luz dourada (LEDs Color

Kinetics SL-Flex), formando uma cascata luminosa que pode adquirir cores diversas

conforme a hora do dia ou as estações do ano. Desta forma, o edifício se destaca

no contexto da cidade, mas mantendo a imagem de refinamento sem exageros

que caracteriza os produtos criados por Armani.

with Giorgio Armani: “How to combine the concept of luxury with restrained elegance,

the concept of absolute modernity with a lasting style, the Armani style? His vision and

relentless research into materials, together with his use of delicate, translucent and

radiant colours are the key factor that prompted this consideration.”

Translucency is a feature that permeates the whole building, and which is intrinsically

bound up with the materials chosen and with the lighting project. “We wanted

to create an experience in which the light was an integral part of the visual concept,”

recounts lighting designer Keith Bradshaw, from the firm of Speirs and Major, responsible

for the lighting design.

Starting with the façade, it is decorated throughout with a veritable forest of fictitious

bamboo that, at night, comes to life and visually transforms the building. The stems are

backlit with LEDs in a bluish-white shade, while the translucent white plexiglass leaves

are bathed in a golden light (Color Kinetics SL-Flex LEDs), to form a luminous cascade

that can change colour in accord with the time of day or season of the year. In this way,

the building stands out from its urban context, yet retains that image of refinement

without exaggeration that so typifies Armani-designed products.

“I chose the bamboo as the theme for this new building because its quality as a delicate

yet enduring material is a perfect expression of the seeming contrasts of this country”,

Armani explains. The bamboo theme also brings unity to the building, composed of two

L+D

52

L+D

53


No alto da página ao lado, vista de um dos pisos Giorgio

Armani; na seqüência, corte esquemático da luminária

produzida especialmente para estes ambientes.

Nesta página, a escada que dá acesso ao lounge privé e

o croqui que explicita seu lighting concept | At top of

facing page, view of one of the Giorgio Armani floors;

following, sectional drawing of the custom-built light

used here. This page, the staircase to the Privé lounge

and sketch explaining the lighting concept

Nacasa & Partners

“Escolhi o bambu como motivo para esse novo edifício por causa de sua

qualidade como um material ao mesmo tempo delicado e resistente, que é uma

expressão perfeita dos aparentes contrastes do Japão”, explica Armani. O tema

do bambu também traz unidade ao edifício, composto por dois blocos de textura

distinta: um opaco e outro transparente.

Ao longo de seus 12 andares e dois subsolos, a torre reúne as coleções

assinadas por Armani (Giorgio Armani e Emporio Armani), sua linha para interiores

Armani Casa, o primeiro Armani Spa do mundo, o Armani Ristorante,

de cozinha italiana contemporânea, e o lounge bar Armani Privé, além de

escritórios e showroom.

Os dois andares dedicados à Emporio Armani se situam no subsolo (um deles

se conecta diretamente à estação Ginza do metrô), e são compostos por ambientes

totalmente negros, pontuados por uma espécie de grafitti branco: rasgos nas

paredes e no teto são iluminados em backlight (lâmpadas fluorescentes dimerizáveis

0-10V) e criam faixas luminosas que se refletem em todo o ambiente, em múltiplas

camadas, graças ao brilho das superfícies do piso de mármore recomposto e do

teto e das paredes em aço polido. A luz dentro destes rasgos é animada para criar

uma sensação de ondas de luz se movendo ao longo da loja.

Este efeito dramático, no entanto, não desvia a atenção dos produtos expostos.

“A intensidade da luz nas mercadorias foi cuidadosamente considerada para

criar a relação correta com o teto e as paredes especiais. O forte contraste de

luz é usado para obter um efeito dramático e dar vida às roupas e acessórios”,

revela Bradshaw.

No teto, um sistema de painéis feito sob medida é utilizado para tornar a iluminação

mais difusa, ao mesmo tempo em que oculta as fontes de luz – os reflexos

também contribuem para tornar as fontes de luz menos visíveis.

Nos três andares dedicados à marca Giorgio Armani, a atmosfera jovem e

dinâmica dá lugar a um ambiente mais refinado, marcado pelo uso abundante

da cor dourada. O conceito da floresta de bambu utilizado na fachada também

se estende a estes espaços de diversas formas, como nas luminárias do teto –

revestidas internamente com um tecido de seda retroiluminado –, que repetem

a forma das folhas de bambu das fachadas.

Ainda nestes pavimentos, painéis divisórios em chapa de aço escovado perfurada

blocks of differing texture: one opaque and the other transparent.

Throughout its twelve floors and two basement levels, the tower block brings together

the collections bearing the Armani name (Giorgio Armani and Emporio Armani,

his interior decoration line Armani Casa, the first Armani Spa in the world, the Armani

Ristorante, with contemporary Italian cuisine, and the Armani Privé lounge bar, in addition

to offices and showrooms.

The two floors devoted to the Emporio Armani are in the basement (one of them

connecting directly with the Ginza underground railway station), and are composed

of completely black rooms, punctuated by a kind of white graffiti: recesses in the

walls and ceiling are backlit by (dimmerable fluorescent lamps of 0-10V) and create

luminous strips that are reflected throughout the area, layer upon layer, thanks to the

shiny surfaces of the recomposed marble floor and the polished steel walls and ceiling.

The light within these recesses is animated to give the appearance of waves of light

rolling through the store.

This dramatic effect, though, does not distract the customer’s attention from the

products on show. “The intensity of light to the merchandise was carefully considered

L+D

54

L+D

55

Nacasa & Partners


to create the correct relationship with the feature walls and ceiling. The strong contrast

of the light is utilised to achieve a dramatic effect and to bring to life the clothing and

accessories,” comments Bradshaw.

On the ceiling, a custom-made system of panels is used to make the lighting more

diffused, while also concealing the light sources — the multiple reflections also contribute

to making the latter less visible.

On the three floors devoted to the Giorgio Armani label, the young and dynamic

atmosphere gives way to a more refined mood, strongly marked by the abundant use of

the colour gold. The idea of the bamboo forest used on the façade is reprised in these

areas in various forms, such as the ceiling lights — covered internally with backlit silk

cloth — which repeat the façade’s motif of bamboo leaves.

Also on these floors, mesh glass sub-division panels, perforated in a bamboo leaf

pattern, are lit from above (AR-111 lamps) to increase their translucency and to create

the sense of floating fabric in the space. Dimmers are used so as to make the partitions

appear less solid by increasing views through the panels. Finally, lighting points,

Abaixo, vista de um dos pisos Emporio Armani; destinados

ao público jovem, abdicam do dourado em favor de uma

linguagem mais agressiva e dinâmica. Na página ao lado,

detalhe da fachada evidencia o delicado contraste entre

os “caules” e as “folhas” de bambu | Below, View of one

of the Emporio Armani floors; designed for a younger

public, the gold is dispensed with in favour of a more

aggressive and dynamic language. Facing page, detail of

the façade showing the delicate contrast between the

bamboo shoots and leaves

L+D

56

L+D

57

Speirs and Major Associates

Ramon Pratt


Ramon Pratt

Ramon Pratt

Os motivos de folha de bambu também permeiam os

ambientes do restaurante (nas duas páginas), tanto nas

divisórias metálicas quanto no “tapete” projetado no piso

| The bamboo leaf motifs also pervade the restaurant areas

(on both pages), not only on the metal partitions but also

in the “carpet design” projected onto the floor

com o padrão das folhas de bambu são iluminados a partir do alto (lâmpadas AR-

111) para aumentar sua translucidez e dar a sensação de um tecido flutuando

no espaço. A dimerização é utilizada para permitir que as divisórias se tornem

menos sólidas, aumentando as vistas através dos painéis. Por fim, pontos de luz

embutidos junto aos perímetros do forro iluminam verticalmente as paredes,

recessed around the edges of the ceiling lining, light the walls vertically, defining the

definindo a linha arquitetônica do ambiente.

architectural lines of the rooms.

Superfícies douradas, transparência e reflexos de folhas luminosas também

Golden surfaces, transparency and reflections from illuminated leaves also contrib-

compõem o restaurante e o lounge bar. Nestes ambientes, a posição e a ênfase

ute to the decor of the restaurant and lounge bar. In these areas the positioning and

da iluminação no restaurante e nos pisos privés foi crítica para a criação da atmos-

emphasis of the lighting in the restaurant and on the Privé floors was critical to the

L+D

58

fera desejada. A luz foi cuidadosamente ocultada para maximisar seu alcance, mas

minimizar a percepção das luminárias. Um toque final no restaurante é a utilização

de uma luz dourada salpicada com os motivos da folha de bambu, lançada no

achievement of the required atmosphere. The lights were carefully concealed so as to

maximise their range, yet minimise their perceptibility.

One final touch in the restaurant is the use of a golden light, dotted with the bamboo

L+D

59

piso com projetores Source 4CDM, da marca ETC, com gobo customizado e

motif, projected onto the floor by Source 4CDM spotlights from ETC, with customised

Armani Ginza Tower

filtros para correção de cor. No lounge bar esta mesma projeção é utilizada no

gobos and colour correction filters. In the lounge bar, the same type of projection is used

Tóquio, Japão | Tokyo, Japan

tampo das mesas e do balcão do bar; a luz parece emanar das próprias mesas e

on the table-tops and the bar counter: the light seems to emanate directly from the

Projeto de Iluminação | Lighting project:

lançam um sutil brilho dourado no rosto dos clientes.

tables themselves and casts a subtle golden glow onto the customers’ faces.

Keith Bradshaw, Jonathan Speirs e Elettra Bordanaro/Speirs

A unidade obtida entre os diversos usos reunidos na Armani Ginza Tower

The unity achieved between the various functions brought together in the Armani

and Major Associates

certamente passa pelo projeto luminotécnico, que, por ter sido executado

Ginza Tower undoubtedly has a great deal to do with the lighting project, which, through

Arquitetura | Architecture: Massimiliano e Doriana Fuksas

em plena simbiose com a arquitetura, pôde explorar ao máximo as possibi-

being implemented in complete symbiosis with the architecture, was enabled to exploit

Fornecedores | Suppliers: Color Kinetics, ENDO Lighting, ETC,

lidades existentes. (W.B.)

to the fullest degree the existing possibilities. (W.B.)

Lucent e Lutron


projetos | projects

Na página ao lado, vista da área vizinha ao grande Buda,

com seu amplo pé-direito | Facing page: View of the area

around the great Buddha with its ample ceiling height

ZEN BEM-TEMPERADO

Conferir um clima intimista e aconchegante a

um espaço de dimensões generosas foi o principal desafio dos lighting designers

Well-seasoned zen To bestow an intimate and cosy atmosphere on a space

of the most ample dimensions was the principal challenge of lighting designers Plínio

Godoy and René Adriani Jr. in the design of the lighting project for the São Paulo branch

of the Buddha Bar, a mixture of lounge bar and restaurant founded in Paris almost a

decade ago and having subsidiaries in various countries.

Since, the vast hall of the restaurant is devoid of pillars or partitions, the solution encountered

by these two professionals, together with Ana Maria Vieira Santos — responsible

for the interior architecture and decoration — was to create “areas of reference”, or in

other words, features delimiting lesser areas within this huge environment. “The use of

diffused lighting in covings to define the vertical and horizontal planes broke up the large

space into areas further defined by the furnishings”, points out René Adriani Jr.

The general idea was to work with the composition of various planes — represented

by the horizontal (ceiling) and vertical (wall) covings — but in a relatively light-handed

manner. For this reason, the lighting designers chose to use strings of lights (halogen

sources – 16.4W/m) in the covings, as these permit rather soft lighting, an effect more

fully exploited by dimmers and used constantly throughout the whole environment.

Suavity, as a matter of fact, sets the overall tone of the Buddha Bar’s lighting,

which excels in its use of diffused lights, yet also makes good use of more concentrated

sources in two particular cases: to punctuate the tables and to highlight the thematic

ornamental features, such as the Japanese suits of armour that decorate the lounges

(spotlights with AR-70 lamps of 50W, 8°).

These lounges — more informal areas, which may be used by customers not wishing

to dine, but simply to enjoy the atmosphere and the chill-out music that first brought

such fame to the establishment — are two linear spaces situated on either side of

the dining room and partially separated from it by red velvet curtains. In these areas,

illuminated covings are also used to configure such smaller spaces, which give the impression

of small sitting rooms.

In the spacious dining room, the subtlety of the lighting in general gives way to

dramatisation at two specific points. The first of these is the bar, situated at the front

Plínio Godoy e René Adriani Jr. ao conceber o projeto luminotécnico para a filial

paulistana do Buddha Bar, misto de lounge e restaurante criado em Paris há cerca

de uma década e que possui filiais em diversos países.

Como o grande salão do restaurante não possui colunas ou divisórias, a solução

criada pelos profissionais, em conjunto com a arquiteta Ana Maria Vieira Santos

– responsável pela arquitetura de interiores e pela decoração do espaço –, foi

criar “áreas de referência”, ou seja, elementos que delimitassem áreas menores

dentro deste grande ambiente. “A utilização de iluminação difusa em sancas para

definir os planos horizontais e verticais segmentaram o amplo espaço em áreas

também definidas pelo mobiliário”, explica René Adriani Jr.

A idéia era trabalhar com a composição de diversos planos – representados

pelas sancas horizontais (teto) e verticais (paredes) –, mas de uma forma bastante

leve. Por esta razão, os lighting designers optaram pelo uso de mangueiras luminosas

(fontes halógenas - 16,4W/m) nas sancas, que permitem uma luz bastante

suave, efeito potencializado pela dimerização, utilizada de forma constante em

todo o espaço.

A suavidade, aliás, dá o tom da iluminação geral do Buddha Bar, que prima pela

utilização de luzes difusas, mas recorre a fontes mais focadas em duas situações

específicas: para pontuar as mesas ou para destacar os elementos ornamentais

temáticos, como as armaduras japonesas que decoram os lounges (spots com

lâmpadas AR-70 de 50W, 8º).

Os lounges – áreas mais informais que podem ser freqüentadas por clientes que

não desejem jantar, mas sim curtir a ambiência e a música chill-out que trouxeram

fama à casa – são dois espaços lineares, dispostos lateralmente ao salão de jantar e

parcialmente separados deste por meio de cortinas de veludo vermelho. Nestes

recintos, também se observa a utilização das sancas iluminadas para a configuração

de espaços menores, que se assemelham a pequenas salas de estar.

L+D

60

L+D

61


Acima, o bar é o primeiro espaço que o visitante visualiza ao entrar no grande

salão e, portanto, mereceu iluminação dramática. Na alto da página ao lado,

luzes amareladas na escada da entrada invocam o dourado, tom recorrente

na decoração do Buddha Bar; na seqüência, o hall de entrada, no piso térreo,

anuncia a atmosfera requintada que define o espaço | Top: The bar is the

first area seen by the customer entering the great hall and thus deserved

dramatic lighting. Facing page, top: Yellow lights on the entrance staircase

evoke the colour of gold, a recurrent hue in the Buddha Bar’s decoration.

Facing page, below: In the entrance hall, on the ground floor, a Buddha

greets the Buddha Bar’s customers, and the lighting gives a foretaste of the

refined atmosphere characterising the establishment

of the restaurant, immediately beyond the foyer. “The bar is the main focus of attention

when the customer first enters the restaurant, so it needed its own special features

that would mark it off from the rest of the surroundings. Its architecture and lighting

are therefore distinctive. At the base of the bar, we created a coving with very suave

lighting (light strings) to emphasise the brick walls in uplight; above the counter, recessed

spotlights (AR-70, 24º); and to complete the scene, pendant lights (with globe lamps of

40W) which are more for decorative purposes than constituting proper light sources”,

comments René Adriani Jr.

The second area in which the lighting seeks some theatricality is where the great Buddha

statue is installed and where the room has twice the ceiling height. This privileged position,

together with the statue’s huge scale, would anyway, naturally cause it to dominate the

whole environment of the restaurant. This impression is, however, accentuated by the

lighting: spotlights on ceiling-mounted tracks (AR-111 lamps of 100W, 8º) light the statue

frontally, enhancing its gilt colouring; behind the Buddha, AR-70 (50W, 24º) lamps with

amber filters make the statue stand out visually from its niche, highlighting it even further;

and finally, the three dimensional wooden panels framing the Buddha, lit by uplights sunk

into the floor (AR-70 lamps of 50W, 8º, with amber filters) give the impression of having

a golden patina that harmonises them with the Buddha figure.

L+D

62

No grande salão, a sutileza da iluminação dá lugar à dramaticidade em dois O segundo ambiente em que a iluminação busca uma certa teatralidade é a

locais definidos. O primeiro deles é o bar, localizado no início do restaurante, área na qual está instalada a grande estátua do Buda, onde o salão possui pédireito

duplo. A posição de destaque, aliada à sua escala avantajada já fariam,

logo após o foyer da recepção. “O bar é o foco de atenção quando a pessoa

entra no restaurante, por isso precisava ter características próprias, que o naturalmente, com que o Buda dominasse todo o espaço do restaurante. Esta

destacassem do restante do ambiente. Sua arquitetura e sua iluminação são, sensação, no entanto, é acentuada pela iluminação: projetores em trilhos instalados

no teto (lâmpadas AR-111 de 100W, 8 o ) iluminam a estátua frontalmente,

portanto, diferentes. Na base do bar, criamos uma sanca com uma luz muito

suave (mangueiras luminosas) para destacar as paredes de tijolo em uplight; avivando sua coloração dourada; na parte de trás do Buda, lâmpadas AR-70 (50W,

sobre a bancada, spots embutidos (AR-70, 24 o ); e, para finalizar, os lustres (com 24 o ) com filtro âmbar descolam visualmente a estátua do nicho, aumentando

lâmpadas bolinha de 40W), que são mais decorativos do que propriamente seu destaque; por fim, os painéis tridimensionais de madeira que emolduram

fontes luminosas”, diz René Adriani Jr.

o Buda, iluminados com uplights embutidos no piso (lâmpadas AR-70 de 50W,

L+D

63


Na página ao lado, no alto, vista geral do salão de jantar – destaque para as “janelas” simuladas pela

arquitetura de interiores e valorizadas pela iluminação; na seqüência, vista parcial de um dos lounges.

Abaixo, à esquerda, detalhe do grande Buda destacado de seu nicho pela iluminação; à direita, vista

parcial da área de espera | Facing page, at top: General view of the dining hall — emphasis on the

“windows” simulated by the interior architecture and enhanced by the lighting. Middle photo: Partial

view of one of the lounges. Bottom left: Detail of the great Buddha made to stand out from its niche

by the lighting

8o, com filtro âmbar), parecem receber uma pátina dourada, que os harmoniza

com a figura do Buda.

Na área vizinha ao Buda, o salão possui pé-direito duplo e teto envidraçado, no

qual estão instalados os projetores já citados, que, além de iluminarem a estátua,

iluminam a região das mesas. A cobertura envidraçada apóia-se em uma estrutura

de alvenaria cujo desenho remete às janelas orientais, impressão também

reforçada pela iluminação (efeito uplight obtido pela instalação de mangueira com

lâmpadas halógenas na base da janela).

Assim, combinando uma iluminação geral suave a pontos destacados por uma

luz dramática, quase teatral, o projeto luminotécnico criado para o Buddha Bar

contribui para a criação da identidade do espaço, em sintonia com a temática

oriental que o caracteriza. (W.B.)

In the surrounding area, the room has double ceiling height and a glazed ceiling,

on which the spotlights mentioned earlier are installed, which, as well as lighting the

statue, also light the table area. The glazing is supported by a framework of masonry

whose design reminds one of oriental windows, this impression being reinforced by the

lighting (an uplighting effect achieved by the fitting of a string of halogen lamps along

the base of the window).

Thus, combining suave ambient lighting with selected points highlighted by more

dramatic, almost theatrical, lighting, the Buddha Bar’s lighting project has made an

enormous contribution to the character of this space, completely in harmony with the

oriental theme that is its hallmark. (W.B.)

L+D

64

Buddha Bar

São Paulo, Brasil | Brazil

Projeto de Iluminação | Lighting project:

Plínio Godoy e René Adriani Jr/Godoy Associados

Arquitetura de Interiores | Interior Architecture:

Ana Maria Vieira Santos

Fornecedores | Suppliers: Alloy Indústria e Comércio, Osram,

Philips, Trust Iluminação

Fotos | Photos: Handmade Design

L+D

65


projetos | projects

Ainda no salão principal, uma “clarabóia” de tela de PVC translúcida tensionada

é responsável pela iluminação de boa parte das mesas. Controlada

por dimmer, esta caixa de luz difusa (lâmpadas fluorescentes de 36W com

temperatura de cor 3000K e IRC 95%) busca levar para dentro do ambiente

uma luz de qualidade e intensidade semelhantes àquela que, através das esquadrias

de vidro, enxergamos do lado de fora. O resultado é que, embora

o restaurante se localize dentro de um shopping center – no caso, o Norte

Shopping –, temos a sensação de estar num ambiente mais arejado, e no qual

se estabelece uma relação mais intensa entre interior e exterior. Não há, nesse

caso, o desconforto algumas vezes causado pelo predomínio de fontes de

luz que percebemos como artificiais, pois a impressão é de que a “clarabóia”

traz realmente a luz do dia para o interior do Galeria Gourmet. Para Ines, o

ambiente bem iluminado atende também ao grande movimento do restaurante,

que trabalha com sistema de buffet e tem 480 lugares. A iluminação

deve tornar o local mais dinâmico, favorecendo a circulação de pessoas, ao

mesmo tempo em que mantém um conforto que não se confunde com o

intimismo mais individualizado.

Se a luz ambiente é mais difusa e homogênea no salão, a solução adotada

no buffet é diversa. A comida se torna o foco central, e a iluminação, para

favorecer as cores, formas e texturas dos alimentos, torna-se mais intensa. O

light-box (with 36W fluorescent lamps with a colour temperature of 3000K and 95%

IRC) seeks to introduce into the environment a light similar in quality and intensity to

that perceived outside through the glazed windows. The result is that, although the

restaurant is located within a shopping centre — in this case the Shopping Norte —

one gets the impression of being in a more open environment in which one establishes a

more intense relationship between the interior and exterior. Absent, in this case, is the

discomfort sometimes caused by the predominance of light sources clearly perceived

as artificial, since the impression created by this “skylight” is that it really does bring the

daylight inside the Galeria Gourmet. For Ines, this well-lit environment also meets the

needs of the thronging customers of the restaurant, which operates on a buffet system

and accommodates 480 people. The lighting needs to make the place more dynamic,

helping with the circulation of customers, but, at the same time, providing comfort that

should not be confused with more individualised privacy. If the ambient light in the dining

hall is more diffused and uniform, the solution adopted for the buffet is otherwise. Here,

the food is the main focus and the lighting, so as to enhance the colours, forms and

textures of the dishes, is brighter. The lower ceiling height over the buffet here favours

the use of direct lighting and permits the creation of an atmosphere differing from that

of the dining hall. Dichroic lamps of 50W/12V were used and these follow the curves of

the built-in furniture, being recessed into a cavity in the ceiling. Over the internal part

of these curves, the solution chosen was again that of the “skylight”, casting a more

Fotos | Photos: André Nazareth

Abaixo, a intensidade da luz da clarabóia artificial no teto varia de acordo com a luz do dia, tornando o

ambiente mais natural e agradável. Na página ao lado, a iluminação valoriza as colunas de tijolo aparente,

marcando o ritmo espacial do salão principal do Galeria Gourmet | Below: The intensity of the light from

the artificial skylight on the ceiling varies according to daylight conditions, making the atmosphere more

natural and agreeable. Facing page: The lighting picks out the exposed brickwork of the pillars, marking

the spatial rhythm of the Gourmet Gallery’s main dining hall

contrastes em equilíbrio

O projeto do restaurante Galeria Gourmet é

marcado por um diálogo incessante entre curvas e ângulos retos, superfícies

BALANCED CONTRASTS. The design of the Galeria Gourmet is marked

by a constant dialogue between curves and right-angles, rough and smooth surfaces,

horizontal and vertical planes. Consequently, one of the aims of the lighting is precisely

to reinforce these contrasts, while, at the same time, fulfilling its functional role. The

ideal horizon within this concept would be a light that sprung naturally out of the

architecture itself, as an integral part of it, rather than something external to it. The

lighting solutions proposed by architect and lighting designer Ines Benevolo, from Studio

iluz, responsible for the Galeria Gourmet’s lighting project, are the direct result of this

design approach.

The spacious dining hall is dominated by the rhythmic cadence of slender squarebased

columns. Around 5 ½ metres tall, they define the verticality typifying this Rio de

Janeiro restaurant’s interior, designed by architect Antonio Violante. The squareness

of the columns is broken by the circular plaster collars where they meet the ceiling. It

is within this junction that recessed lights are hidden (using 65W/12V AR-111 lamps

of 8°, 3000K) illuminating the four sides. This lighting emphasises the texture of the

exposed brickwork, the latter contrasting with the smooth plaster ceiling, and also provides

the required highlighting for the columns — one of the most powerful architectural

features of the environment.

Again in the main dining hall, a “skylight”, made of a screen of stretched translucent

PVC, is responsible for lighting most of the tables. Dimmer-controlled, this diffusing

lisas e ásperas, planos horizontais e verticais. Assim, um dos objetivos da

iluminação será, justamente, buscar o fortalecimento destes contrastes ao

mesmo tempo em que cumpre seu papel funcional. O horizonte ideal desta

concepção seria uma luz que brotasse naturalmente da própria arquitetura,

como parte integrante desta, e não como algo exterior a ela. As soluções de

luz propostas pela arquiteta e lighting designer Ines Benevolo, do Studio iluz,

que assina o projeto de iluminação do Galeria Gourmet, são resultado dessa

abordagem projetual.

O amplo salão principal é dominado pela cadência rítmica de esguias

colunas com base quadrada. Com aproximadamente 5,5m de altura, elas

definem a verticalidade que caracteriza o interior do restaurante carioca,

projetado pelo arquiteto Antonio Violante. Os ângulos retos das colunas são

quebrados pelas golas de gesso redondas que dão o arremate das mesmas

no teto. É nesta interseção que se escondem as luminárias embutidas (para

lâmpadas AR-111 - 65W/12V, 8º, 3000K) que vão iluminar seus quatro lados.

A iluminação valoriza a textura dos tijolos aparentes, que contrasta com o

forro de gesso liso, e traz o destaque necessário para as colunas – um dos

elementos arquitetônicos mais fortes do ambiente.

L+D

66

L+D

67


pé-direito mais baixo favorece a colocação de luzes diretas sobre o buffet, e

permite a criação de um ambiente distinto daquele do salão. Foram usadas

lâmpadas dicróicas 50W/12V, 10º, que acompanham as curvas do mobiliário,

recuadas em nicho no forro do teto. Na parte interna destas curvas, a solução

adotada foi a mesma da “clarabóia”, despejando uma luz geral mais difusa. Acima

do buffet encontram-se painéis com grafismos e reproduções de pinturas. No

lugar de uma iluminação mais difusa e plana, esses painéis foram “riscados” por

feixes luminosos que criam bonitos contrastes de luz e sombra sobre as figuras.

As fontes de luz também ficam escondidas na interseção dos painéis com o

teto. A atenção despertada pelos desenhos torna-se maior, uma vez que, tal

como acontece com as colunas do salão, eles se destacam pelo tratamento

de luz mais dramática e lúdica do que no restante do ambiente.

Mas nem todas as fontes luminosas estão ocultas no Galeria Gourmet. Num

dos lances mais interessantes do projeto, a fonte de luz torna-se ela própria

um elemento decorativo, por meio das luminárias que pairam sobre as mesas

do salão junto ao café. Lâmpadas PAR30, 75W, 30º e 10º , encaixadas em

cilindros metálicos projetam a luz sobre um disco de 90cm, com estrutura de

alumínio e difusor de acrílico revestido em tecido. Embora as lâmpadas estejam

posicionadas sempre na mesma distância em relação ao teto, os discos são

dispostos em diferentes alturas, o que traz uma sensação de movimento ao

conjunto interno. Ao mesmo tempo em que marcam sua presença estética no

ambiente, as luminárias liberam uma luz agradável que serve à nobre tarefa de

iluminar os pratos de comida – a grande estrela de todo e qualquer restaurante.

(por Paulo da Costa e Silva)

Abaixo, o friso com painéis de grafismos e reproduções de pinturas

(ao fundo) ganha destaque com o degradé que a luz lhe confere.

No primeiro plano, as luminárias com difusor de acrílico revestido

em tecido iluminam as mesas de forma dirigida, mas suave. Na

página ao lado, destaque para a luz intensa e direta do buffet,

que valoriza as cores e formas das comidas | Below: The frieze,

with decorated panels and art reproductions (in background)

is emphasised by the gradient of the light falling on it. In the

foreground, the lights with cloth-covered acrylic diffusors light

the tables directionally, yet softly. Facing page: Emphasis on the

strong direct light of the buffet, bringing out the colours and

forms of the dishes

L+D

68

diffused overall clarity. Above the buffet are panels with designs and reproductions of

paintings. Here, instead of diffused uniform lighting, the panels have been “streaked”

with beams of light that create lovely contrasts of light and shadow over the pictures.

The light sources are hidden in the junction between the panels and the ceiling. The

attention drawn by the designs is thus increased, since, like the columns of the dining

hall, they are emphasised by the more dramatic lighting treatment than that received

by the rest of the surroundings.

Yet not all the light sources in the Galeria Gourmet are hidden. In one of the more

interesting gambits of this project, the light source itself is transformed into a decorative

feature, by means of lights that hover over the dining tables beside the café.

PAR3, 75W lamps housed in metal cylinders project their beams onto 90 cm discs,

aluminium framed with fabric-covered acrylic diffusors. Although the lights are fitted

at a constant distance from the ceiling, the discs themselves are positioned at varying

heights, resulting in a sensation of motion within the overall arrangement. At the same

time as they stamp their aesthetic presence on the surroundings, these lights shed a

pleasing clarity serving the noble task of enhancing the dishes — the principal star of

each and every restaurant. (by Paulo da Costa e Silva)

Galeria Gourmet – Norte Shopping

Rio de Janeiro, Brasil | Brazil

Projeto de Iluminação | Lighting project:

Ines Benevolo / Studio iLuz

Arquitetura | Architecture:

Antonio Violante

Fornecedores | Suppliers:

Allight, DL Iluminação, Lumini, Luz Carioca, Reka

Fotos | Photos: André Nazareth

L+D

69


perfil | profile

É fácil reconhecer Kaoru Mende em meio a tantos outros

lighting designers – jovens ou não, orientais ou ocidentais. É aquele que todos seguem,

It is easy to distinguish Kaoru Mende among so many other lighting designers

— young or otherwise, oriental or western. He it is that others follow and all would hear.

He is the master, in the broadest sense of the word.

In over twenty years of professional career, Mende has won innumerable awards for the

quality of his lighting projects: IALD*, IES* and IEIJ* awards. Important projects. Memorable

ones. All of them with an unmistakable identity: a result that is formally simple, original, with

marked personality, and at the same time imbued with delicacy. And above all, respect for

architecture, for man and for nature.

One finds in Mende, over and above his star-spangled curriculum, his sense of responsibility

to transmit his knowledge and his concrete desire to promote the culture of light.

Witness to this are his altruistic experiments with the non-profit organisation, Transnational

Lighting Detectives and all those activities connected with it, the dozens of his books now

published and his dedication to teaching at the Musashino University of Art, Tokyo University

and the Tokyo University of Art.

His firm, LPA (Lighting Planners Associates Inc.), was founded in 1990 and is currently

divided between two offices, the main one in Tokyo and the other in Singapore. There are

around forty professionals in all, forming a highly multidisciplinary staff. These are people

trained in architecture, interior design, graphic design, visual arts and video and 3D simulation

specialists.

The entire team is dedicated to producing first-class work with the clear intention of

calling attention to lighting design, bringing it to the centre of the discussion table and

promoting sensitivity to it.

During a short break in a seminar, Mende granted us an interview.

a quem todos querem escutar. É o mestre, no sentido amplo do termo.

Em mais de 20 anos de carreira, Mende foi premiado inúmeras vezes pela

excelência de seus projetos de lighting design. Prêmios IALD*, IES*, IEIJ*.

Projetos importantes. Memoráveis. Todos com identidade inconfundível:

um resultado formalmente simples, original, de forte personalidade, que ao

mesmo tempo transparece delicadeza. E, sobretudo, respeito pela arquitetura,

pelo homem e pela natureza.

Percebe-se em Mende, mais que o orgulho por seu currículo estrelado, o

sentimento de responsabilidade em transmitir o que sabe e o desejo concreto

de difundir a cultura da luz.

São testemunhas disso os experimentos altruístas como a associação sem

fins lucrativos dos Transnational Lighting Detectives e todas as atividades a

ela coligadas, as dezenas de livros já publicados e a dedicação ao ensino na

Universidade de Arte de Musashino, na Universidade de Tóquio e na Universidade

de Arte de Tóquio.

Seu escritório, o LPA (Lighting Planners Associates Inc.), foi fundado em 1990 e

atualmente divide-se em duas sedes: a principal em Tóquio e outra em Cingapura.

No total são cerca de 40 profissionais que compõem um quadro positivamente

multidisciplinar. São pessoas formadas em arquitetura, design de interiores,

desenho industrial, desenho gráfico, artes visuais, especialistas em vídeo e em

simulações em 3D.

Todo o time empenha-se em desenvolver um bom trabalho com o escopo

claro de chamar a atenção para o lighting design, colocá-lo no foco das discussões

e acrescer sensibilidade em relação a ele.

No rápido intervalo de um seminário, Mende nos concedeu uma entrevista.

L+D

70

KAORU MENDE

L+D

71


Tokyo International Forum

Localização | Location: Tóquio, Japão | Tokyo, Japan

Ano de conclusão | Completion date: 1996

Arquiteto | Architect: Rafael Vinoly

O conjunto do Tokyo International Fórum desponta na cena da cidade como uma grande luminária

urbana. A empena completamente transparente de um dos lados do edifício deixa entrever a

estrutura flutuante em forma de “nave espacial” sobre o gigantesco átrio, as paredes autoportantes

e luminosas do hall e o piso totalmente percorrido por uplights embutidos. A atmosfera luminosa

deste projeto tinha de ser bela mesmo com a pouca quantidade de luz e ao mesmo tempo

responder às exigências funcionais da obra. | The Tokyo International Forum complex stands out

amidst the cityscape like a great urban torch. The totally transparent façade of one side of the

building provides a glimpse of the floating structure in the form of a “space-ship” over the gigantic

atrium, the self-supporting, luminous walls of the hall and the floor entirely criss-crossed with

sunken uplights. The luminous atmosphere of this project needed to be beautiful, even with a

relatively small amount of light, and at the same time answer to the work’s functional demands.

Em poucas palavras, como surgiu o lighting design no Japão?

Antes mesmo do período Edo (século XVII), os japoneses já praticavam o

lighting design com a luz natural. A resposta para o “transporte” da luz para

dentro das minúsculas e tradicionais salas de cerimônia do chá foi a utilização

do papel de arroz, o shoji, nas paredes destes ambientes. As propriedades de

permeabilidade e de difusão deste material fazem com que ele se constitua

no primeiro elemento de controle voluntário da luz e, portanto, pode ser

considerado uma forma ancestral de lighting design.

In just a few words, how did lighting design come into being

in Japan?

Even before the Edo period (17th C), the Japanese were already using lighting design

with natural lighting. Their answer to “transporting” light into the interior of tiny and traditional

tea houses’ rooms was to use rice paper, shoji, on the walls of these environments.

This material’s properties of permeability and diffusion are such that it constitutes the

primordial element in the voluntary control of light and, therefore, may be considered an

ancestral form of lighting design.

Existe algum aspecto fundamental que faz o lighting design

oriental diferente do ocidental?

Na minha opinião, a diferença reside na dimensão em que as coisas são

vistas por estes dois mundos. Os japoneses nascem como povo agricultor, que

sempre dedicou muita atenção aos trabalhos manuais e de maior precisão. Já

o universo ocidental é caçador; nele, existe a necessidade de visualizar com

clareza as coisas à distância. Estas premissas históricas têm reflexo na forma

como é abordado o projeto de lighting design. O projeto oriental tende a ter

um nível de atenção ao detalhe e à quantidade de luz para curtas distâncias. O

projeto ocidental, por sua vez, tem uma grande facilidade nas grandes escalas.

O “DNA” climático de um povo também pode influenciar muito a percepção

da luz, a faixa de conforto e os valores de luminância.

Is there any fundamental aspect that makes oriental lighting design

different from occidental?

In my opinion, the difference lies in the dimension whereby things are perceived.

The Japanese came into existence as agricultural people who always devoted a great

deal of attention to manual and precision tasks. Now the occidental universe is that of

hunter, where necessity is to see things clearly at distance. These historical premises

are reflected in the way to approach lighting project. The oriental project tends to pay

a greater degree of attention to detail and the amount of light needed for seeing at

short distances. The occidental project, in its turn, demonstrates more ability on a

larger scale. The climatic “DNA” of a people can also greatly influence their perception

of light, the comfort zone and luminance values.

L+D

72

O seu escritório conclui projetos das mais variadas tipologias. Qual

é o fio condutor que rege todo o conjunto?

Não existe um único conceito que conecte os diferentes projetos, mas um

método rígido e imutável. A definição do lighting concept é o primeiro grande

passo na direção da solução. Dividi-lo com o arquiteto e com o cliente é fundamental.

É um triângulo virtuoso. Depois vêm os detalhes de lighting design,

detalhes construtivos e de implementação para atingir os resultados. Seguem-se

as provas, que podem ser feitas com um modelo em escala 1:1, ou in loco, a

supervisão geral da obra, para garantir a congruência entre projeto e execução,

e, enfim, o ajuste fino dos equipamentos. É importante ter em mente que o

Your firm executes projects of the most varied kinds. What is the

connecting thread running through them all?

There is no single concept connecting all the different projects, but rather a rigid

and immutable method. The definition of the lighting concept is the first major step

towards the solution. Sharing this with the architect and the client is fundamental. This is a

virtuous triangle. Later come the details of lighting design, of construction and execution so as

to achieve the desired results. There follow the tests, which may be carried out on a 1:1 scale

model or in loco, the overall site supervision to ensure conformity of execution with the project,

and lastly, the fine tuning of the equipment. It is important to bear in mind that the project is

not merely an idea in suspension. It must be grounded in a sound concept, costs, production

scheduling and manufacturing technology.

L+D

73


Memorial Nacional da Paz de Nagasaki para as vítimas da bomba atômica | Nagasaki National Peace Memorial

for the atom bomb victims

Localização | Location: Nagasaki, Japão | Nagasaki, Japan

Ano de conclusão | Completion date: 2003

Arquiteto | Architect: Escritório de Desenvolvimento Regional de Kyusyu e A. Kuryu Archietct & Associates |

Kyusyu Office of Regional Development and A. Kuryu Architect & Associates

A maior parte do edifício é subterrânea. Na quota zero existe uma calma piscina de água corrente. Milhares

de pequenas fibras óticas foram instaladas no fundo, em pedra, da piscina e o movimento da luz,

graças ao movimento da água, gera um cenário noturno de dignidade e inspirador de orações pela paz |

The greater part of this building is underground. At ground level there is a tranquil ornamental pool of

running water. Thousands of tiny optical fibres were installed in the pool’s stone bottom, and the flickering,

thanks to the moving waters, gives rise to a dignified nocturnal scene inspiring prayers for peace

L+D

74

Roppongi Hills

Localização | Location: Tóquio, Japão | Tokyo, Japan

Ano de conclusão | Completion date: 2003

Arquiteto | Architect: Mori Building, The Jerde Partenership, Ohtori Consultants

Environment Design Institute, Dan Pearson, Ai-Shokubutsu Landscape Palnning Off

O escritório de Mende foi responsável pelos ajustes finos da luz das áreas externas.

Luminárias antiofuscamento e luz “quente” de 3000K foram utilizadas por toda a

zona. Quatro cenas diferentes também foram programadas para criar uma variação

de atmosfera e cenário: shopping time, restaurant time, bar time e late night security

time. | Mende’s firm was responsible for the fine-tuning of the lighting in the

external areas. Anti-dazzle lights and “hot” lighting of 3000K were used throughout.

Four different programmes were also used to create a variety of atmospheres and

scenarios: shopping time, restaurant time, bar time and late night security time.

L+D

75


projeto não é só uma idéia suspensa. Ele deve ser respaldado por um conceito

forte, custos, produção, cronograma e tecnologia de fabricação.

No Japão, nos projetos de arquitetura em geral, qual o porcentual

de budget dedicado ao lighting design?

2% ou 3% de todo o valor da construção. E é preciso educar o cliente

a gastar mais.

Qual a relação entre os lighting designers e as empresas de iluminação

no Japão?

Os projetos de lighting design propriamente ditos são feitos somente por profissionais

independentes. As empresas têm uma boa disponibilidade para desenvolver

produtos sob medida. Até porque nós, como profissionais, demandamos

soluções muito além das tecnologias atuais disponíveis. O lighting design é uma

grande luminária em si mesmo e não a mera distribuição destas.

Existe alguma associação japonesa ou mesmo asiática de

lighting designers?

Não, e precisamos dela.

Casa de Hóspedes de Estado de Quioto | Kyoto State Guest House

Localização | Location: Quioto, Japão | Kyoto, Japan

Ano de conclusão | Completion date: 2005

Arquiteto | Architect: Nikken Sekkei

Localizada numa cidade tradicional e culturalmente rica, a Casa de Hóspedes de Estado de Quioto é a materialização do

conceito que Mende denomina “luz japonesa”. Neste projeto, cinco objetivos foram perseguidos: exaltar a riqueza de

contrastes, desfrutar da reflexão e da permeabilidade dos materiais, considerar as variações de luz natural ao longo do

dia e das estações climáticas, coreografar os campos de visão nos eixos de circulação e utilizar o charme da luz natural. O

projeto foi implementado com o auxílio de instrumentos óticos de alto nível tecnológico com a preocupação de integrar

perfeitamente arquitetura e mobiliário. Todo o equipamento foi cuidadosamente mimetizado com o edifício | Located

in a traditionally and culturally rich city, the Kyoto State Guest House is the realisation of a concept termed by Mende

as “Japanese lighting”. In this project, five objectives were pursued: to exalt the wealth of contrasts, to take advantage

of the reflectivity and permeability of the materials, to take into consideration the daylight variations throughout the

day and over the seasons, to choreograph the fields of vision along the main circulation axes and to harness the charm

of natural lighting. The project was carried out with the aid of high-technology optical instruments, with a view to

perfecting the integration of architecture with fixtures. All the equipment was carefully blended into the building

Por que o lighting design pode melhorar a qualidade de vida

das pessoas?

O lighting design tem uma complexidade semelhante à da gastronomia. Fala-se

em qualidade e não em quantidade, em combinações inusitadas, sofisticadas. É

ainda como se falássemos sobre como produzir um bom vinho: contam a cultura,

a tradição, a geografia, o clima. E se as pessoas fossem capazes de verdadeiramente

degustar e apreciar o lighting design, a vida seria mais bela!

Generally, in architectural projects in Japan, how much of the

budget is devoted to lighting design?

Two or three percent of the overall construction costs. We need to teach the client

to spend more.

L+D

76

What is the relationship between lighting designers and lighting

firms in Japan?

Lighting design projects are executed only by autonomous professionals. The firms

have available capacity for the development of made-to-measure products. This is

precisely because we, as professionals, ask for solutions going way beyond the currently

available technology. Lighting design is a great fixture itself and not merely yhe

distribution of lighting equipment.

Is there any Japanese or Asian association of lighting designers?

No, but we do need to have one.

L+D

77

How is it that lighting design can improve people’s quality of life?

Lighting design is of a complexity similar to that of gastronomy. One speaks of quality

rather than quantity, of unusual, sophisticated combinations. And, furthermore, as if we

were speaking of how to produce a good wine, we include the culture, tradition, geography

and climate. And if people were really able to savour and appreciate lighting design, life

would be that much sweeter!


Omotesando Akarium

Localização | Location: Tóquio, Japão | Tokyo, Japan

Ano de conclusão | Completion date: 2006

Arquiteto | Architect: Comitê Omotosando Akarium | Omotesando

Akarium Committee

Depois de oito anos de pausa, a iluminação ao longo da

avenida Omotesando em Tóquio retorna. Seguindo o exemplo

dos anos precedentes, o LPA precisava de um projeto que não

danificasse as características árvores do local. Aliado a isto,

desenvolveu-se o conceito de reproduzir a atmosfera das ruas

contíguas ao local, onde se encontra o templo Meiji. A solução

foi substituir temporariamente as luzes da rua por grandes

lanternas alimentadas por LEDs, numa alusão à grande tradição

japonesa de lanternas de papel. As lanternas possuem fontes de

luz tremulantes, similares às de verdadeiras velas, e percorrem

todo o quilômetro de extensão da avenida, envolvendo a área

em uma relaxante atmosfera | After eight years of suspension,

the decorative lighting along Omotesando Avenue, in Tokyo,

is back on. Following the example of previous years, LPA

needed a project that would not harm the locale’s characteristic

trees. Along with this grew the idea of reproducing the

atmosphere of the adjacent streets where the Meiji temple

stands. The solution was the temporary substitution of the

street lamps with enormous lanterns lit by LEDs, harking back

to the great Japanese tradition of paper lanterns. The lanterns

are equipped with flickering light sources simulating light

of real candles, and stretch the whole one-kilometre length

of the avenue, bathing the area in an aura of relaxation

How is your profession changing and what of the future?

I am highly optimistic about the fact that people are getting to know more and more

about electrical energy consumption and will become ever more sensitive to lighting design

in general. I am a great enthusiast of “city beautification” and I believe that this can be done

with great caution in relation to questions such as lighting pollution. I am very optimistic

about seeing and showing something new and exciting...

L+D

78

Como a sua profissão está se transformando e qual o futuro?

Sou muito otimista em relação ao fato de que as pessoas saberão cada vez

Sim. Mende é um otimista. Seriam os inúmeros prêmios, o bem-sucedido

escritório ou o seu grande talento para a excelência? Mesmo conhecendo-o

Yes, he is an optimist. Could it be the innumerable awards, the very successful firm,

or his enormous talent for excellence? Even on the basis of a very casual aquaintance-

L+D

79

mais como consumir energia elétrica e serão mais sensíveis ao lighting design em

pouco, nada disso me convence. Tenho a impressão de que ele se diverte mais

ship, I have my doubts. I have the vivid impression that he enjoys himself more as one

geral. Sou um entusiasta do “city beautification” e acredito que isto possa ser feito

como um dos detetives em meio a seus Transnational Lighting Detectives do que

of the detectives among his Transnational Lighting Detectives than coming to Europe

com grande cautela em relação a questões como a poluição luminosa. Sou muito

vindo à Europa receber um prêmio numa cerimônia importante. Talvez seja isto

to receive a prize at an important ceremony. Perhaps it is just this. Mende, like few

otimista em ver e mostrar algo novo e excitante...

mesmo. Mende, como poucos, descobriu verdadeiramente que tem uma mis-

others, has discovered that he really has a mission: to be an example and to believe

são: ser o exemplo e acreditar no futuro. (por Débora Curbi)

in the future. (by Débora Curbi)

*International Association of Lighting Designers, International Engineering

*International Association of Lighting Designers, International Engineering Society,

Society, Illuminating Engineering Institute of Japan.

Illuminating Engineering Institute of Japan.


produtos | products

Por: Thiago Gaya

MIDIPOLL

Erco

BILUNA FLOOR

Prandina

Concebida pelo designer Luc Ramael, a nova luminária da Prandina é

uma versão para o chão do pendente apresentado na Euroluce 2007. Assim

como o pendente, a aparente simplicidade de sua forma revela a surpresa

na continuidade da superfície externa no interior da peça que, de opaca

externamente, se transforma em translúcida. A fonte de luz é ocultada, proporcionando

uma luminosidade difusa e homogênea. A superfície externa

é de polietileno nas cores cinza-claro, areia ou preto, enquanto que a superfície

interna, sem emenda aparente, é de metacrilato translúcido. Utiliza

uma lâmpada fluorescente circular de 55W e pode ser dimerizável (versão

com controle remoto).

De uma série de lançamentos da Erco para iluminação exterior em 2008,

destacamos os balizadores Midipoll. A nova série de balizadores não só são

potentes instrumentos para iluminação de superfícies e caminhos, mas também

um discreto elemento para estruturar espaços. Sua luz não só ilumina o

entorno, como também marca, de forma sutil, o elegante perfil do tubo em

forma de cruz, criando assim uma discreta luminância na própria baliza.

As luminárias Midipoll possuem IP 65 e estão disponíveis nas versões para

lâmpadas de vapor metálico bipino ou para LEDs.

From among a whole series of new products from Erco, in 2008, for exterior lighting,

we have singled out the Midipoll illuminated bollards. This new series of bollards are

not only powerful instruments for the lighting of surfaces and pathways, but also a

discreet feature in the structuring of open spaces. Their light not only illuminates the

surroundings, but also grazes the surface of the elegant cross-shaped tubular profile,

thus producing a discreet luminance on the bollard itself.

Midipoll lights have IP 65 and are available in versions for two-pin metal vapour

lamps or LEDs.

Info: www.erco.com

Conceived by designer Luc Ramael, this new light from Prandina is a floor-standing

version of the pendant light presented at Euroluce 2007. Like the pendant model, the

apparent simplicity of its form holds a surprise in the continuity of the outer surface

of the internal diffuser which, though opaque on the outside, becomes translucent.

The light source is concealed, radiating a soft and even light. The outer surface is of

polyethylene in tones of light grey, sand, or black, while the inner surface, apparently

unbroken, is of translucent methacrylate. It uses a circular fluorescent lamp of 55W,

and a dimmerable model with remote control is available.

Info: www.prandina.it

L+D

80

L+D

81

No Brasil: Iluminar

www.iluminar.com.br

tel: +55 (31) 3284-0000

No Brasil: Erco Iluminación, S.A.

tel: +55 (11) 3717-1197


PARA SABER MAIS | INFORMATION

Abhay Wadhwa Associates

137 Varick Street, Suite 405

10013 New York NY

United States of America

www.awalightingdesigners.com

Godoy Associados

Rua Áurea, 344

04015-070 São Paulo SP

Brasil

www.godoyassociados.com.br

Ines Benevolo

Rua Joana Angélica, 192/sl 301

22420-030 Rio de Janeiro RJ

Brasil

www.studioiluz.com.br

The Monacelli Press

1745 Broadway, 7th Floor

10019 New York NY

United States of America

www.monacellipress.com

AES Eletropaulo

www.eletropaulo.com.br

0800 72 72 120

Editora C4

www.editorac4.com.br

Av. Pavão, 955 - cj 73

Grafitti Research Lab

http://grafittiresearchlab.com

Hector Serrano

Unit 7 - Imperial Works - Fountayne

Road

N15 4QL London

Kaoru Mende

Lighting Planners Associates

5-28-10, Jingumae, Shibuya - ku,

150-0001 Tokyo

Japan

www.lighting.co.jp

School of the Art Institute of

Chicago (SAIC)

37 South Wabash Avenue

60603 Chicago IL

United States of America

www.saic.edu

04516-012 São Paulo SP

Brasil

Fernanda Carvalho

Praça Farias Brito, 67

01243-040 São Paulo SP

United Kingdom

www.hectorserrano.com

Industreal

Via Luigi Nono, 7

20154 Milano

Lv Zhongfang

www.lvzhongfang.com

lvzhongfang@gmail.com

Mass Studies

Fuji Bldg. 4F

Speirs and Major

Well Court Hall, Dean Village

EH4 3BE Edinburgh

United Kingdom

www.lightarch.com

Brasil

luz.fernanda@uol.com.br

Italia

www.industreal.it

683-140 Hannam 2-dong Yongsan-gu

140-892 Seoul

Korea

www.massstudies.com

Swarovski Crystal Palace

www.swarovskisparkles.com/

crystalpalace

PATROCINADORES | ADVERTISERS INDEX

Altena

T: +55 (11) 4602-8664

www.altena.com.br

Interlight

T: + 55 (11) 4789-9966

www.interlight.com.br

Lumini

T: +55 (11) 5522-1988

www.lumini.com.br

Serra Dimlux

T: + 55 (21) 2253.9444

www.serradimlux.com.br

Biancamano Luce

T: +55 (48) 3343.9944

www.santaluce.com.b

Itaim Iluminação

T: +55 (11) 4785-1010

www.itaim.ind.br

Osram do Brasil

T: 0800-557-084

www.osram.com.br

Tecnowatt

T: +55 (31) 3359-8200

www.tecnowatt.com.br

DL Iluminação

T: +55 (11) 5538-3382

www.dliluminacao.com.br

LedPoint

T: +55 (21) 2421-9051

www.ledpoint.com.br

Philips Iluminação do Brasil

T: +55 (11) 2125-0588

www.luz.philips.com

L+D

82

Fabbian Brasil

T: +55 (41) 3284-4000

www.fabbian.com

Lemca Lâmpadas Especiais

T: +55 (11) 2867.0600

www.lemca.com.br

Schréder do Brasil

T: +55 (11) 6114-4300

www.schreder.com

Iluminar

T: +55 (31) 3284-0000

www.iluminar.com.br

Light Design Iluminação

T: +55 (81) 3339-1654

www.lightdesign.com.br


L+D

84

More magazines by this user