16.04.2021 Views

L+D 80

Edição 1º semestre

Edição 1º semestre

SHOW MORE
SHOW LESS

You also want an ePaper? Increase the reach of your titles

YUMPU automatically turns print PDFs into web optimized ePapers that Google loves.

R$25,00<br />

L’ESPACE AD (SÃO PAULO)<br />

EM LOUVOR DO DESIGN | BAY HOUSE (NOVA YORK) | FÁBRICA DE DENGO (SÃO PAULO)<br />

RICCÓ HUB (SÃO PAULO) | FOTO LUZ FOTO: MARCELO KAHN


LED Lighting Solutions<br />

Montalcino Riserva<br />

Loja: Center Luz<br />

Foto: Power Lume<br />

Ed. Arbo Cabral<br />

Projeto: Huma Eng.<br />

Loja: Del Iluminação<br />

Foto: Taly Foto Arte


APRESENTAMOS ATHENA<br />

O sistema de controle de iluminação dinâmico que traz<br />

a magia da luz aos momentos do dia a dia<br />

• Solução flexível, simples e tudo-em-um para controlar qualquer fonte<br />

de luz com cortinas inteligentes<br />

• Design sem compromisso - use qualquer acessório que você quiser e<br />

todos os tipos de carga em um único sistema<br />

• Os aplicativos conectados entregam uma experiência de luz completa<br />

Branco Estático<br />

Branco Dinâmico


SUMÁRIO<br />

1˚ semestre 2021<br />

edição <strong>80</strong><br />

44 48<br />

54<br />

62 70<br />

74<br />

10<br />

12<br />

AGENDA 2021<br />

¿QUÉ PASA?<br />

44<br />

48<br />

54<br />

62<br />

70<br />

74<br />

EM LOUVOR DO DESIGN<br />

Ensaio de Diana Joels<br />

BAY HOUSE<br />

A Casa da Baía<br />

FÁBRICA DE DENGO<br />

Propósito transparente<br />

L’ESPACE AD<br />

Organicidade geométrica<br />

RICCÓ HUB<br />

Colaboração e customização<br />

FOTO LUZ FOTO<br />

Marcelo Kahn<br />

6


EDITORIAL<br />

CAPA<br />

Iluminação: Rafael Leão Lighting Design<br />

Foto: Marcelo Kahn<br />

PUBLISHER<br />

Thiago Gaya<br />

EDITOR-CHEFE<br />

Orlando Marques<br />

EDITORA<br />

Débora Torii<br />

LUZ E REFLEXÃO<br />

Todas as edições da <strong>L+D</strong> trazem um registro do momento presente<br />

da nossa comunidade, apresentando trabalhos, projetos, lançamentos,<br />

e criações. E nesta edição não será diferente.<br />

Você conhecerá o projeto da loja L’Espace AD, capa desta edição,<br />

desenvolvido pelo lighting designer Rafael Leão, cujo conceito utiliza princípios<br />

urbanísticos aplicados à iluminação; a Fábrica de Dengo, do Mingrone<br />

Iluminação, que convida a dar uma pausa do agito da cidade grande em um<br />

espaço aconchegante; o novo espaço multiuso da Riccó Hub, projetado pela<br />

A2 Lighting Design, que foi marcado pelo processo colaborativo entre cliente,<br />

fornecedores, arquitetos e lighting designers; e, no hemisfério norte, o projeto<br />

da Casa da Baía, do escritório Concept Lighting Lab, que une tradição<br />

e contemporaneidade sob o protagonismo da luz natural.<br />

O atual momento de recolhimento, que conduz à reflexão, inspirounos<br />

a convidar a lighting designer e educadora Diana Joels para, ao longo<br />

deste ano, compartilhar seu fluxo de pensamento sobre o design e suas<br />

particularidades como disciplina complexa, integral e humana.<br />

Em seu primeiro ensaio, “Em louvor do design”, Diana discorre sobre<br />

diversos temas que permeiam todo esse vasto universo e nos convida<br />

a saudar a luz natural, “num presente em que precisamos urgentemente nos<br />

entender como parte da natureza”. Tão simples; tão urgente.<br />

Boa leitura!<br />

DIAGRAMAÇÃO<br />

Carolina Peres, Maria Fraga<br />

PROJETO GRÁFICO<br />

Thais Moro<br />

REPORTAGENS DESTA EDIÇÃO<br />

Débora Torii, Diana Joels, Diogo de Oliveira, Fabiana<br />

Rodriguez, Orlando Marques, Pedro Portela<br />

REVISÃO<br />

Débora Tamayose<br />

CIRCULAÇÃO E MARKETING<br />

Márcio Silva<br />

T 11 3062.2622<br />

PUBLICADA POR<br />

C<br />

M<br />

Y<br />

CM<br />

MY<br />

CY<br />

CMY<br />

K<br />

Editora Lumière Ltda.<br />

Rua João Moura, 661 – cj. 77, 05412-001<br />

São Paulo SP, T 11 3062.2622<br />

8<br />

www.editoralumiere.com.br<br />

@omega_light<br />

www.omegalight.com.br<br />

Obra L’ESPACE AD<br />

Arquitetura Maurício Queiroz<br />

Lighting Design Rafael Leão<br />

Foto Marcelo Kahn


AGENDA 2021<br />

Entramos no segundo ano em contexto pandêmico. Assim,<br />

continua necessário considerar a adaptação aos protocolos de<br />

segurança dos eventos nacionais e internacionais previstos para<br />

acontecer no modo presencial – que, por isso, podem vir a ocorrer<br />

em versões remotas, o que será confirmado oportunamente por<br />

cada um deles. Selecionamos os principais eventos de 2021, em<br />

tempo para sua programação!<br />

EUROLUCE<br />

Milão, Itália<br />

5 a 10 de setembro<br />

salonemilano.it/en/exhibitions/euroluce<br />

PLDC<br />

Estocolmo, Suécia<br />

Outubro (data a confirmar)<br />

2021.pld-c.com<br />

Euroluce: Diego Ravier<br />

LEDFORUM 2021<br />

LIGHTFAIR<br />

Nova York, Estados Unidos<br />

25 a 29 de outubro<br />

lightfair.com<br />

São Paulo, Brasil<br />

4 a 5 de novembro<br />

ledforum.com.br<br />

SEMANA DA LUZ<br />

São Paulo, Brasil<br />

1 o a 5 de novembro<br />

semanadaluz.com.br<br />

Javits Center NY<br />

10<br />

experience room: avenida dos tajurás, 152 cidade jardim são paulo | 11.3062 7525 | goelight.com.br


CASTOR-M<br />

embutido de teto fixo.<br />

NIX-M LINE<br />

projetor pendente.<br />

NIX-M T-LINE<br />

projetor pendente para<br />

trilho customizado.<br />

Divulgação<br />

NIX-M MULTI<br />

múltiplos projetores orientáveis para<br />

haste rígida.<br />

¿QUÉ PASA?<br />

LIT DESIGN AWARDS 2020<br />

fotografia Tadeu Melegatti<br />

Restaurante J1 Sakamoto<br />

São Paulo<br />

Otavio de Sanctis Arquitetura<br />

Jun Sakamoto (lighting concept)<br />

A premiação internacional anual LIT Design Awards<br />

anunciou os vencedores de 2020, nas suas diversas categorias.<br />

Os prêmios reconhecem o trabalho de designers de produtos<br />

de iluminação e empreendedores do setor e reafirmam que<br />

iluminação se define ao mesmo tempo como arte e ciência.<br />

A inglesa Sally Storey, diretora da Lighting Design<br />

International e da John Cullen Lighting, recebeu o prêmio<br />

Lifetime Achievement por seu trabalho em Lighting Design. Já<br />

o professor holandês Wout van Bommel, titular da Van Bommel<br />

Lighting Consultant, foi agraciado com o prêmio Lifetime<br />

Achievement em Pesquisa Aplicada em Iluminação.<br />

A recém-criada categoria Spotlight, premiou Women in<br />

Lighting (WIL), uma plataforma digital global que celebra o<br />

trabalho das profissionais mulheres da área de iluminação.<br />

Nas categorias destinadas a lighting designers (profissionais e<br />

estudantes) e a produtos de iluminação, que receberam inscrições<br />

de 43 países e premiam padrão de qualidade, tendências,<br />

criatividade e inovação, os principais vencedores foram:<br />

Lighting Designer do Ano: o escritório norte-americano<br />

CharterSills pela nova iluminação do recém-reformado saguão<br />

da Union Station de Chicago , Estados Unidos, projeto do<br />

escritório Goettsch Partners – também premiado na categoria<br />

Iluminação Arquitetural de Interiores.<br />

Design de Produto de Iluminação do Ano: a coleção Artist’s<br />

Hand , criada pela designer Niamh Barry, do Niamh Barry Studio,<br />

vencedora também na categoria de Iluminação Customizada.<br />

Lighting Designer Emergente do Ano: Swathi Madhi, Luca<br />

Gregorini e Micaela Malusa, estudantes do Politecnico di<br />

Milano, por seu projeto de iluminação de interiores para um<br />

edifício corporativo em Estocolmo, Suécia.<br />

Design de Produto de Iluminação do Ano (categoria<br />

Estudantes): a luminária HUE – your everyday light, assinada<br />

por Neeraj R. Jawale e Samriti Gosain, estudantes do National<br />

Institute of Design em Gandhinagar, Índia.<br />

Três escritórios brasileiros foram reconhecidos com<br />

menções honrosas. São eles: Archidesign pelo projeto de<br />

iluminação do Patos Shopping ; Mingrone Iluminação por<br />

seu projeto para o Restaurante Atsui ; e Rafael Leão Lighting<br />

Design pela iluminação da KitKat Chocolatory . Dentre as<br />

categorias de produtos, a luminária pendente Bossa Nova, do<br />

designer brasileiro Vinicius Ladivez, foi premiada na categoria<br />

“Pendant Lamp”.<br />

Confira informações completas em litawards.com. Parabéns<br />

aos vencedores! (D. T./D. O.)<br />

fotografia Ricardo Bassetti<br />

VEGA-LINE CUSTOM<br />

pendente com medidas e forma<br />

customizados.<br />

VEGA-DOT<br />

mini projetor fixo para perfil VEGA.<br />

Loja de Chocolates Dengo<br />

São Paulo<br />

MFMM Arquitetura<br />

SOMA Arquitetos<br />

Mingrone Iluminação<br />

12<br />

São Paulo SP Brasil www.lightsource.com.br @lightsource_lighting


¿QUÉ PASA?<br />

LEDFORUM.21<br />

Em 2020, o LEDforum teve de se reinventar e foi realizado<br />

pela primeira vez em ambiente digital, no dia 6 de novembro.<br />

Inédito, esse novo formato foi um sucesso, como provam os<br />

615 inscritos, que se mantiveram engajados durante toda<br />

a transmissão do congresso. A grade especial de palestras<br />

contou com apresentações de Pascal Chautard, Thomas<br />

Schielke, Mariana G. Figueiro, Ph.D., Mariana Novaes e Vicente<br />

Scopacasa, Fernanda Carvalho, Chris Fraser e Charles Stone,<br />

keynote speaker do LEDforum.20.<br />

O LEDforum.21, inicialmente programado para o mês<br />

de agosto, teve recentemente suas datas alteradas para 4 e<br />

5 de novembro de 2021, visando à sua realização em ambiente<br />

positivo e confortável para todos os participantes, seja em<br />

formato físico, seja em formato híbrido.<br />

Integrando as atividades da Semana da Luz, realizada em<br />

parceria com a AsBAI, já estão programados: nos dias 2 e 3, o<br />

workshop “Iluminação em Edifícios Históricos”, com o professor<br />

e lighting designer alemão Jan Blieske; no dia 3, o workshop<br />

“LED Attack”, comandado pelos lighting designers Rafael<br />

Leão e Ricardo Hofstadter; e, no dia 5, a aguardada festa de<br />

encerramento Lighting Lovers.<br />

Como de costume, a organização está trabalhando em<br />

uma programação de qualidade, repleta de temas atuais e<br />

relevantes, com alguns nomes já confirmados. Confira no site<br />

ledforum.com.br e fique de olho nas redes sociais do @ledforum<br />

e da @lmaisd! (D.T.)<br />

14


¿QUÉ PASA?<br />

O EU E A LUZ<br />

As lighting designers Paula Carnelós e Diana Joels lançaram<br />

o curso virtual Light Drops, ministrado por WhatsApp, com o<br />

objetivo de estimular as experiências íntimas e cotidianas<br />

de cada participante com a luz, seja ela natural, do ambiente,<br />

pública ou outra.<br />

Cada curso tem duração de um mês, com sugestões diárias<br />

de exercícios ou estímulos que podem determinar mídias<br />

(escrita, desenho, foto, vídeo) ou deixar aos alunos a escolha<br />

do suporte. Ao final, os participantes entregam a compilação<br />

de exercícios e recebem de volta uma edição comentada e<br />

pessoal, contendo interpretações sobre cada percurso: lacunas,<br />

prioridades e caminhos de continuidade.<br />

O objetivo final é que o hábito de observar a luz no dia a dia<br />

e o desenvolvimento de um vocabulário visual ganhem força e<br />

permaneçam a partir da imersão vivenciada.<br />

Nas imagens, fragmentos das edições produzidas por Diana<br />

e Paula para cada participante.<br />

Mais informações no Instagram: @lightdrops_luz (D.O.)<br />

16


¿QUÉ PASA?<br />

SOB A LUZ<br />

O fabricante Luxion Iluminação lança este ano sua nova<br />

coleção Sob a luz do design, em parceria com nomes importantes<br />

da criação contemporânea brasileira. A coleção consolida<br />

sua marca Design Collection, que desde 2015 desenvolve a<br />

linguagem da Luxion em peças atemporais que aliam tecnologia<br />

a conforto do usuário.<br />

A coleção apresenta luminárias desenvolvidas em parceria<br />

com Vinicius Siega, criador do pendente Vênus , inspirado<br />

em objetos cotidianos e na joalheria, com a possibilidade de<br />

aplicação individual ou múltipla; com Jacqueline Terpins, que<br />

desenvolveu a luminária de mesa Fissura , a qual trabalha a<br />

forma elíptica por meio do contraste entre dois materiais com<br />

comportamentos distintos sob a luz; e com o Studio Arthur<br />

Casas, no pendente Amorfo , que faz referência ao aconchego<br />

da luz de velas em peça pensada para a sala de jantar. (D.O.)<br />

Guilherme Jordani<br />

18


Maria Fraga<br />

L U Z L I N E A R P A R A<br />

¿QUÉ PASA?<br />

P R O J E T O S E X C E P C I O N A I S<br />

LUNA MENDAX<br />

UMA LINHA COMPLETA DE<br />

PERFIS, TOTALMENTE NOVA.<br />

Todos com três opções de acabamento.<br />

Bordas sutis. Corpo de alumínio com abas e lentes retas.<br />

Estética limpa e discreta no teto. Design pensado para<br />

Ao contrário do que ocorre no hemisfério sul, acima da linha<br />

do Equador a lua minguante tem forma de “C”, enquanto a lua<br />

crescente tem forma de “D”, sendo apelidada de “lua mentirosa”<br />

ou “luna mendax”, termo este que remonta à Roma antiga.<br />

Foi somente em 2010 que a designer gráfica Maria Fraga<br />

descobriu a “lua verdadeira” do hemisfério sul.<br />

Residente na cidade de São Paulo há mais de 10 anos, Maria<br />

inspirou-se em suas memórias de infância do céu noturno do<br />

hemisfério norte para criar seu calendário lunar, impresso em<br />

offset numa gráfica tradicional da cidade do Porto.<br />

Com uma face dedicada a cada hemisfério, o calendário<br />

representa a rotina da própria designer, que se divide entre a<br />

vida na capital paulista e as visitas à família na pequena cidade<br />

de Peso da Régua, Portugal. “Desenvolvi este calendário lunar<br />

com os dois lados de ver a mesma lua”, declara. Os calendários<br />

podem ser encomendados em mariafraga.pt. (D.T.)<br />

proporcionar conforto visual. Opções com recuo da fonte<br />

luminosa. Acessórios disponíveis para unir os perfis de<br />

forma linear, em união L e união L teto-parede.<br />

BRANCO<br />

PRETO<br />

PRETO<br />

Lente branca Lente branca Lente preta<br />

Perfil de Embutir Recuado: modelos de 24mm e 46mm.<br />

Perfil de Sobrepor Plano: modelos de 8mm, 25mm e 35mm.<br />

20 stella.com.br l /stella.iluminacao


Tadeu Melegatti<br />

¿QUÉ PASA?<br />

NO CENTRO DO PRATO<br />

O projeto do J1 Restaurante, no Shopping VillaLobos,<br />

realizado pelo escritório Otavio de Sanctis Arquitetura, teve no<br />

seu programa o protagonismo dos pratos da culinária japonesa,<br />

que atentam tanto à estética – pratos apresentados como<br />

esculturas multicoloridas – quanto ao sabor e à textura. As<br />

luminárias e os sistemas de iluminação foram desenvolvidos sob<br />

medida pelo fabricante Lightsource, a partir da concepção do chef<br />

e proprietário Jun Sakamoto, ele mesmo formado em Arquitetura.<br />

A disposição variável das mesas, de acordo com o número<br />

de clientes, aparece contemplada no sistema de luminárias<br />

criado para a casa, a fim de garantir o foco no centro de cada<br />

mesa, local onde os pratos, sempre compartilhados, serão<br />

dispostos. Desse modo, no restaurante, que tem pouca ou<br />

nenhuma luz natural, a iluminação principal é proveniente<br />

dos fachos de luz, que, centralizados sobre os pratos servidos,<br />

refletem luminosidade no ambiente.<br />

O sistema de iluminação parte todo de um mesmo<br />

elemento, a luminária cilíndrica preta fixada no sistema de<br />

trilhos – que permite mobilidade – ou a branca, nas áreas em<br />

que as mesas são fixas. (D.O.)<br />

22


¿QUÉ PASA?<br />

JORNADA DO DIA A DIA<br />

A Fast Shop, rede de lojas de eletroeletrônicos e<br />

eletrodomésticos com mais de <strong>80</strong> unidades por todo o país,<br />

lançou sua loja conceito no Shopping Ibirapuera, em São Paulo,<br />

com projeto do escritório japonês Kengo Kuma and Associates.<br />

O lançamento fortalece a estratégia omnichannel da<br />

marca, isto é, a convergência de seus canais de venda e a<br />

implementação do varejo phygital, que intersecta os meios físico<br />

e digital no ambiente da loja durante a experiência de compra,<br />

em busca da atualização do conceito da marca: conectividade,<br />

interação e ultraconveniência.<br />

Jozzu Ribeiro<br />

Em razão das mudanças nos padrões de consumo,<br />

aceleradas pelos protocolos de segurança durante a<br />

pandemia da covid-19, a aposta do projeto é na revalorização<br />

do espaço da casa dos consumidores. Os ambientes da loja<br />

conceito foram concebidos como espaços caseiros, integrados<br />

ao dia a dia dos consumidores, por meio de tecnologia e<br />

elementos cenográficos. As áreas de venda foram divididas em<br />

momentos como “cinema em casa”, “cozinhar para família e<br />

amigos”, “escritório inteligente”, “cuidados pessoais” e “conforto<br />

e segurança para pais e filhos”.<br />

Para distinguir cada ambiente, o projeto utilizou materiais<br />

diversos, como telas de metal branca ou prateada, palha ou<br />

madeira, destacados por sistemas de iluminação específicos em<br />

cada um dos espaços, com o objetivo de aproximar da vida dos<br />

usuários os produtos, a experiência de compra e a tecnologia.<br />

O arquiteto Kuma comenta seu projeto: “Esta loja da Fast<br />

Shop reflete essa mudança no nosso estilo de vida e pode ser<br />

um modelo especial para uma nova vida do brasileiro”. (D.O.)<br />

24


Erik Undéhn<br />

¿QUÉ PASA?<br />

MARCA DO CONTRASTE<br />

Esta loja da marca sueca de tênis e acessórios Axel Arigato<br />

ilustra seu conceito disruptivo, de questionar a indústria e<br />

propor uma relação direta com seus clientes. São 270 m2 em<br />

dois andares, a maior loja da marca até o momento.<br />

Instalada em edifício histórico de Copenhague, na<br />

Dinamarca, a partir de projeto de Christian Halleröd Design,<br />

a loja alia o minimalismo das linhas retas e materiais rústicos<br />

como o concreto aparente às formas coloridas e orgânicas<br />

de esculturas metálicas ou laqueadas, criadas pela artista<br />

australiana Kiri-Una Brito Meumann.<br />

A iluminação industrial uniforme, disposta em suportes<br />

retangulares, segue a ideia de gerar contrastes tanto com as<br />

bases de exposição dos produtos arredondadas em forma ora<br />

de nuvens, ora de detalhes da anatomia humana como com o<br />

ambiente de orientação futurista e com os próprios produtos,<br />

esportivos e casuais. (D.O.)<br />

26


¿QUÉ PASA?<br />

ESSÊNCIA ATEMPORAL<br />

Adrià Goula Sardà<br />

O espaço da Perfumaria Carner Barcelona, projeto do<br />

escritório de arquitetura Jofre Roca, reúne showroom, loja e<br />

escritório em sua sede, e sua concepção integra o conceito da<br />

marca – a tradição e a atemporalidade de uma perfumaria local<br />

– ao seu espírito cosmopolita e inovador.<br />

Essa integração aparece na organização do espaço, que é<br />

ventilado, claro e atento à preservação dos elementos autênticos<br />

da arquitetura catalã. A escolha pelas paredes caiadas de branco<br />

acentua as marcas do tempo, confere continuidade entre os<br />

usos diversos e facilita a exposição dos produtos, em contraste<br />

com o fundo claro.<br />

Os poucos materiais usados na composição do espaço –<br />

madeira e aço – foram selecionados por suas funções sensoriais,<br />

como a reação ao tato, pelo efeito que a luz tem sobre eles e por<br />

seu baixo impacto ambiental. A madeira clara de pinho, usada no<br />

piso, nas portas e nos móveis, é certificada, assim como o tipo de<br />

tinta mineral escolhido, que favorece o bem-estar dos clientes.<br />

O projeto de iluminação foi concebido de modo a não ser<br />

fisicamente percebido, com a utilização de equipamentos de<br />

LED de baixo consumo e alta eficiência, não aparentes. Ao<br />

mesmo tempo, buscou cumprir sua tripla função: destacar a<br />

imagem da marca e os frascos dos produtos expostos e acentuar<br />

a atmosfera do local. (D.O.)<br />

28


¿QUÉ PASA?<br />

ESCRITÓRIO<br />

COMO CIDADE<br />

f i s s u r a<br />

P O R J A C Q U E L I N E T E R P I N S<br />

Maxime Brouillet<br />

Duas elipses se contrastam<br />

em luz e sombra, translúcido<br />

e opaco em um movimento<br />

linear de antítese e síntese.<br />

O projeto da empresa de videogames Eidos-Montreal,<br />

no Canadá, do escritório de arquitetura la SHED architecture,<br />

teve como programa acomodar seus 150 colaboradores em<br />

um ambiente coerente que, ao mesmo tempo, proporcionasse<br />

pertencimento, familiaridade e socialização.<br />

O espaço de dois andares, totalizando 4.650 m 2 , foi<br />

concebido com base em princípios do urbanismo, ou seja,<br />

como uma cidade organizada por usos e percursos diversos,<br />

com espaços de convivência intercalados por espaços privados,<br />

seguindo o espírito de comunidade, a marca central da empresa.<br />

O conceito do projeto aparece expresso na escada que une<br />

os pisos e, ao mesmo tempo, serve de anfiteatro; na iluminação<br />

que simula a luz natural como se ela viesse de claraboias, em<br />

diálogo com a vocação da empresa de criar universos em seus<br />

games; e na forma triangular da logomarca que aparece disposta<br />

em todo o espaço, principalmente no forro.<br />

Peça central do projeto, o forro é composto de uma<br />

estrutura modular triangular que, com efeitos de cheios e vazios,<br />

possibilita cobrir as instalações. Essa estrutura possui densidade<br />

e textura que variam de acordo com cada uso específico, além<br />

de iluminar de maneira uniforme todos os ambientes, a partir do<br />

mesmo conceito.<br />

Este projeto recebeu o Prêmio de Excelência em Arquitetura<br />

– Design de Interiores 2020 – da Ordem dos Arquitetos<br />

de Quebec. (D.O.)<br />

30


LIRA é um pendente minimalista<br />

produzido sob medida que permite<br />

d i f e r e n t e s e f e i t o s d e l u z .<br />

Nele, barras de LED para iluminação e<br />

spots com 12° , 24° , 38° ou 60°<br />

se integram ao sistema, oferecendo a<br />

m e l h o r s o l u ç ã o a o p r o j e t o<br />

Em toda nossa linha LEDs Nichia em<br />

3 steps e IRC 90 asseguram<br />

homogeneidade de cor na luz.<br />

saiba mais<br />

Robin Hayes<br />

diversos modelos de<br />

spot compatíveis.<br />

dimensões:<br />

¿QUÉ PASA?<br />

GEOMETRIA<br />

Comprimento<br />

sob medida<br />

27<br />

50<br />

H sob medida<br />

dimensões em mm<br />

32<br />

Instalada em edifício que é parte de um complexo escolar e<br />

programada para mudar constantemente de forma, “Geometry”<br />

é uma instalação luminosa criada pela artista sérvia, baseada<br />

na Suécia, Aleksandra Stratimirovic. As linhas de luz em duas<br />

dimensões estão dispostas em arranjos geométricos que<br />

produzem combinações infinitas de forma e cor, randomizadas e<br />

controladas de acordo com os horários das atividades do edifício.<br />

A obra ocupa as paredes do ginásio da escola, um espaço amplo<br />

e alto o suficiente para acomodar seus 600 cm x 600 cm.<br />

A percepção do espaço se altera com as variações de<br />

composição, desde as linhas simples até as mais complexas.<br />

Segundo a artista, existe um paralelo simbólico entre seu<br />

trabalho e a experiência dos estudantes, que entram no universo<br />

escolar e desenvolvem personalidades únicas e imprevisíveis.<br />

Ao trazer formas geométricas, análise combinatória e fruição<br />

para o ambiente escolar, estabelecem-se possibilidades de<br />

diálogo entre arte e público.<br />

A instalação consiste em 194 linhas obtidas a partir de<br />

7 grupos com 17 luminárias RGB de 50 cm e 100 cm cada.<br />

Os cabos estão acoplados na parte de trás das instalações,<br />

assim como as caixas de controle, discretamente dispostas<br />

nas paredes. (D.O.)<br />

www.ciadeiluminacao.com.br<br />

/ciadeiluminacao<br />

/ciadeiluminacao_<br />

(11)3371-2333<br />

31<br />

ANOS<br />

DE HISTÓRIAS


Courtesia da Galerie Maria Wettergren<br />

¿QUÉ PASA?<br />

NORTE RADIANTE<br />

A Galeria Maria Wettergren, sediada em Paris, França,<br />

montou este ano a exposição Radiant: Light and (e)motion,<br />

uma justaposição de artistas contemporâneos escandinavos a<br />

artistas franceses de fotografia experimental dos anos 1960/70.<br />

Os países escandinavos, possivelmente pelas condições<br />

geográficas que tornam mais rara a incidência de luz solar<br />

durante boa parte do ano, contam com extensa produção<br />

artística que tem a luz como meio de expressão, por exemplo, no<br />

campo do design. Essa tradição nos deu nomes como Wilhem<br />

Hammershøi e Olafur Eliasson, dois entre vários artistas que<br />

trabalham a luz tanto em sua poética quanto em suas aplicações<br />

como fenômenos da natureza.<br />

Os trabalhos expostos na Galeria Maria Wettergren seguem<br />

esta mesma orientação criativa: observação da luz como<br />

fenômeno natural e dinâmico e suas implicações emocionais ao<br />

atingir o observador. Em inglês, “radiante” tem duplo sentido,<br />

referindo-se ao mesmo tempo aos raios de luz e ao calor,<br />

conceitos que atravessam toda a exposição.<br />

Entre os artistas, a dinamarquesa Ane Lykke apresenta<br />

“Light Object”, uma escultura luminosa feita de madeira; e o<br />

fotógrafo francês Rodolfo Proverbio traz “Lumière et Eau” , um<br />

de seus experimentos de pintura com luz. (D.O.)<br />

34


Sistema de iluminação simples, direto e linear, suspenso somente pelas extremidades. Composto por uma tira ultrafina e<br />

resistente de aço inox, usando uma fonte de luz fita LED para uma luz contínua. Possibilidade de até 25 metros de extensão,<br />

a sua aplicação pode ser de parede a parede ou do teto ao piso, tanto para iluminação direta ou indireta.<br />

36 EXTENDLIT<br />

www.lemca.com.br


Carol Quintanilha<br />

¿QUÉ PASA?<br />

ExFINITO<br />

O Farol Santander trouxe, no início de 2021, ExFINITO, a<br />

primeira grande exposição no Brasil do chileno Ivan Navarro,<br />

artista contemporâneo radicado em Nova York que insere<br />

em suas obras reflexões sociopolíticas com base no contexto<br />

histórico do Chile e em sua experiência como imigrante nos<br />

Estados Unidos.<br />

Navarro baseia-se em elementos do movimento minimalista<br />

norte-americano, mas acrescenta significado ao formalismo em<br />

experiências com luz elétrica e espelhos em suas instalações.<br />

ExFINITO teve curadoria de Marcelo Dantas e colaboração<br />

da companheira do artista, Courtney Smith, e expôs 14 obras<br />

de Navarro, inéditas e produzidas localmente, entre elas a<br />

instalação publica “Escada (Caixa-d’água)”, exposta na praça<br />

em frente ao edifício do Farol Santander.<br />

As instalações são compostas de esculturas luminosas feitas<br />

de espelhos, vidros e neon, dispostas em forma de labirinto,<br />

com o intuito de provocar no espectador dúvidas sobre quem<br />

somos e o que refletimos. O material dos espelhos permite visão<br />

unidirecional, como em salas de interrogatório.<br />

Sobre a exposição, escreveu Dantas, o curador: “Navarro<br />

cria uma situação na qual sua obra é consumada a partir de<br />

nossa posição em relação a tantas reflexões. Essa sensação<br />

abissal, de vazios, frestas e perspectivas que se abrem para<br />

uma dimensão desconhecida, pode ser a consciência de um<br />

universo paralelo, de uma trama secreta ou de um estado de<br />

percepção alterado”. (D.O.)<br />

38


¿QUÉ PASA?<br />

PAISAGEM DOS SONHOS<br />

Daan Roosegaarde<br />

“GROW” é uma das mais recentes instalações do designer<br />

holandês Daan Roosegaarde e presta homenagem à beleza<br />

e à importância da agricultura, com inspiração nas novas<br />

tecnologias no campo da fotobiologia. Com o objetivo de<br />

contribuir para o crescimento sustentável das plantações – que<br />

fornecem alimento para milhares de seres humanos todos os<br />

dias –, o designer e sua equipe se uniram a cientistas e experts<br />

para um trabalho que, após dois anos, culminou na criação<br />

de uma “receita” de luzes capaz de intensificar o crescimento da<br />

vegetação, além de possibilitar uma redução de até 50% no<br />

uso de pesticidas.<br />

A primeira de uma série de “dreamscapes” (ou “paisagens<br />

dos sonhos”) planejadas pela equipe foi instalada em uma<br />

plantação de alho-poró nos Países Baixos. Uma combinação<br />

de projeções de luzes azuis, vermelhas e ultravioletas parece<br />

“dançar” sobre o campo de mais de 20.000 m 2 , transformando-o<br />

em uma obra de arte viva. “‘GROW’ demonstra a beleza da luz<br />

e da sustentabilidade. Não é uma utopia, mas sim uma protopia<br />

em crescente aperfeiçoamento”, descreve Roosegaarde. (D.T.)<br />

40


¿QUÉ PASA?<br />

ARTE PÚBLICA<br />

Gert Jan van Rooij<br />

Esta passagem subterrânea de pedestres em Amsterdã,<br />

Países Baixos, ganhou este ano um projeto de iluminação<br />

permanente que alia a função à fruição, ao mesmo tempo que<br />

garante a segurança do deslocamento dos usuários e propõe<br />

reflexões sobre as mudanças urbanísticas e a relação entre<br />

cidade e o meio natural ao longo do tempo.<br />

O artista holandês Matthias Oostrik, a convite da cidade<br />

de Amsterdã, instalou um sistema de iluminação que usa<br />

tecnologia digital para ser acionado com a presença dos<br />

pedestres. A instalação, chamada “Het Licht van Jan”, ou “A<br />

luz de Jan”, ilumina a calçada e as paredes da passagem com<br />

um tipo de efeito em cada suporte, projeções onduladas e<br />

dinâmicas obtidas através de gradil de aço que barra parte da<br />

luz, estrategicamente espaçada.<br />

As projeções remetem aos raios de sol e à presença da<br />

água dos canais que dominavam a paisagem do local antes do<br />

crescimento urbano e da construção de passagens de pedestre<br />

como a que agora ganha luz. Além disso, a luz fria da instalação<br />

contrasta com a iluminação pública, mais quente e alaranjada.<br />

(D.O.)<br />

42 43


EM LOUVOR DO DESIGN<br />

Texto: Diana Joels<br />

Fotos: Andika Pradana, Diana Joels, Orlando Marques, Priscila Pacheco e Renato Navarro<br />

“A vida é uma invenção.<br />

A gente inventa pro bem ou pro mal.”<br />

Ferreira Gullar<br />

Nunca esqueci essa pérola dita pelo poeta e crítico de arte<br />

Ferreira Gullar, no seu depoimento sobre Vinicius de Moraes,<br />

naquele filme Vinicius, do diretor Miguel Faria Jr., a que assisti<br />

muitas vezes em 2006 – época em que a gente comprava DVDs<br />

dos filmes que adorava.<br />

Ao falar do poeta Vinicius como um cara que botava a vida<br />

para cima e inventava verdades positivas, o poeta Gullar acaba<br />

por questionar a ideia de uma verdade absoluta sobre a existência.<br />

Partir desta premissa – de que tudo é uma invenção – é um<br />

alento para encarar esta página em branco.<br />

Branco? Mas que cor é o branco?<br />

Se tem algum aluno, aluna, ex-aluno ou ex-aluna meu lendo<br />

este ensaio, já sabe a minha resposta: depende.<br />

Como todas as cores, cada “branco” pode ser especificado e<br />

descrito quantitativamente, a partir de grandezas mensuráveis,<br />

escalas objetivas e numéricas. Dados concretos, compreensíveis<br />

e comunicáveis que dão conta de uma parte da verdade dessa e<br />

de todas as cores.<br />

Esses dados físicos produzem efeitos visuais relativos, cuja<br />

percepção é influenciada pelo contexto, pelo entorno, pela<br />

textura, pelas luzes e sombras que na superfície incidem. Como<br />

descrever então o branco de uma parede de estuque recebendo<br />

a luz do meio-dia filtrada por uma folhagem verde e densa em<br />

uma viela estreita de uma ilha grega no verão? Visualizou?<br />

Esse é um branco que Pantone, NCS, CMYK, ou a escala de sua<br />

preferência, são incapazes de descrever integralmente. Apenas<br />

em associação com o contexto visual e todos os seus elementos<br />

de influência conseguimos construir e comunicar esse branco<br />

como grandeza visual.<br />

Para dar conta de descrever a EXPERIÊNCIA da cor,<br />

precisamos de um vocabulário físico-quantitativo associado a<br />

um vocabulário perceptivo-visual-qualitativo.<br />

LUZ É COR. COR É LUZ.<br />

Podemos descrever a luz usando apenas grandezas<br />

físicas, mensuráveis e calculáveis? Sim. De forma parcial. Essa<br />

parcialidade interessa? Ao design, como disciplina integral, não.<br />

Em uma palestra no curso Sensitive Spaces da Architecture<br />

Association School of Architecture de Londres, o filósofo italiano<br />

Emanuele Coccia afirmou “Seja por meio de materiais, dos<br />

espaços ou da tecnologia, transformamos o mundo para alterar<br />

a forma como percebemos o mundo”. Nessa linha de raciocínio,<br />

defendeu que a arquitetura deveria se afastar de disciplinas<br />

como a geometria e o paradigma euclidiano e redesenhar suas<br />

ferramentas de forma a aproximar-se da psicologia e tratar os<br />

espaços a partir de uma abordagem sentimental.<br />

Nenhum de nós pensa ou descreve a própria casa como uma<br />

entidade espacial. De acordo com o pensamento de Coccia,<br />

nossas casas são entidades morais, são coleções de elementos<br />

materiais que vinculamos à felicidade.<br />

Josep Ferrando, arquiteto catalão mentor da metodologia<br />

de projeto que norteia o curso de Design de Espaços MADE.IN,<br />

que coordeno no Instituto Europeo di Design – IED Rio, em<br />

uma mesa-redonda organizada pelo fabricante de luminárias<br />

LAMP para discutir o futuro da arquitetura pós-pandemia,<br />

trouxe à tona a importância de pensarmos os espaços utilizando<br />

adjetivos em vez de substantivos. A atitude de discutir atributos<br />

emocionais, e não físicos, da arquitetura altera completamente<br />

nossa capacidade de construir espaços versáteis e sugestivos,<br />

não impositivos. Fundamental nos tempos atuais e futuros.<br />

Como designers de luz e, consequentemente, designers<br />

de espaços e experiências, precisamos incorporar em<br />

nosso vocabulário uma linguagem que englobe toda essa<br />

complexidade.<br />

Lembrando que complexo não é o mesmo que complicado<br />

– nem melhor. Complexidade implica integralidade, em<br />

contraponto à parcialidade – por exemplo, de uma abordagem<br />

quantitativa, exclusivamente baseada em dados mensuráveis.<br />

Na minha forma de entender, o design é intrinsecamente –<br />

além de integral – multidisciplinar e humano. Da forma como o<br />

defendo, o termo design cunha, acima de tudo, uma abordagem.<br />

Por isso a dificuldade de usar um termo não importado. No caso da<br />

expressão “architectural lighting design”, os termos “iluminação”<br />

e “arquitetônica” são plenos de sentido em nosso idioma. Já o<br />

termo “design” é difícil de abrir mão, quando entendido como<br />

uma atitude: a abordagem de um problema a partir dos mais<br />

diversos pontos de vista possíveis e relevantes (multidisciplinar<br />

e integral) com o objetivo de desenvolver uma solução em que o<br />

usuário esteja no centro da equação (humanista).<br />

Em nossa especialidade, o design adquire mais camadas<br />

de complexidade, em razão da própria natureza da luz.<br />

Requisitos visuais, psicológicos e biológicos não raramente<br />

são contraditórios. Olhemos o caso da luz azul, cuja aparência<br />

cromática é emocionalmente associada à calma, enquanto seu<br />

efeito não visual provoca estado de alerta. Sendo ambas as<br />

informações relevantes e cientificamente embasadas. O desafio<br />

do design de iluminação é, portanto, encontrar o equilíbrio entre<br />

diversas e diferentes demandas, por meio de uma abordagem<br />

em que todos os fatores colaborem dentro de uma ordem<br />

hierárquica. O que não significa encontrar uma média, muito<br />

menos um formato fixo, mas identificar diretrizes e parâmetros<br />

característicos para cada ocasião de projeto.<br />

44 45


Nosso trabalho compreende um fluxo contínuo que oscila<br />

entre o pensamento visual e sua tradução física por meio de<br />

desenhos, esquemas, cálculos e especificações. Encontrar uma<br />

metodologia sólida, incluindo vocabulário apropriado, para cada<br />

etapa do processo é fundamental para a navegação segura<br />

dessa complexa jornada.<br />

É crucial lembrar que uma abordagem qualitativa não é<br />

absolutamente subjetiva! Em vez de dados fotométricos, normas<br />

e parâmetros numéricos somente, lidamos com fatores visuais,<br />

contrastes e parâmetros comparativos. De forma objetiva. Ouso<br />

dizer que a natureza relativa do processo de design integral e<br />

conceitual é muito mais realista que o estado absoluto de uma<br />

abordagem exclusivamente quantitativa, uma vez que tanto o<br />

design quanto a própria luz são absolutamente relativos – tudo<br />

neles depende de algo, seja de um conceito, seja de um contexto. 1<br />

É fundamental elucidar o termo conceito dentro dessa<br />

abordagem metodológica, que não cabe aqui ser detalhada. O<br />

essencial é apontar que iniciamos o processo sempre pelo “macro”,<br />

de forma que, ao final, esse todo englobe cada detalhe e expresse<br />

um entendimento profundo do projeto, embasado em uma etapa<br />

analítica completa. Isso permite que o problema seja amplamente<br />

compreendido, possibilitando o desenvolvimento do tal conceito<br />

– que se torna oráculo do projeto a partir de sua consolidação. O<br />

conceito, portanto, é sempre uma afirmação concreta e tangível<br />

das experiências que o projeto deverá proporcionar, muitas vezes<br />

descritas por meio de situações análogas.<br />

Se tudo isso faz sentido, no fim, o design de luz pode<br />

ser descrito como a orquestração de três atributos que Jan<br />

Ejhed nomeou: visibilidade, espacialidade e atmosfera. Um<br />

equilíbrio em que todos os detalhes se apoiam mutuamente<br />

para construir as condições visuais adequadas a determinado<br />

contexto arquitetônico, o que garante sua legibilidade, levando<br />

em consideração as sensações e os sentimentos a serem<br />

experimentados pelos usuários.<br />

Mais que nunca, é preciso lembrar que o design da luz não é<br />

dependente da eletricidade!<br />

Fontes de luz elétricas e eletrônicas são uma parcela de<br />

nossas ferramentas de trabalho – que claramente dominam<br />

nosso cotidiano profissional –, mas de forma alguma definem<br />

nossa profissão.<br />

Cada vez que ouço alguém dizer que o design de luz é uma<br />

profissão recente, eu me pergunto como nessa perspectiva é<br />

entendido o papel da luz na arquitetura ao longo da História.<br />

E me vêm à mente os frisos das colunas gregas, os volumes<br />

e os brilhos nos interiores da Pérsia antiga, as molduras<br />

de cada elemento no teto do Panteão, a luz rebatida nas<br />

igrejas escandinavas de diversos períodos, a luz filtrada das<br />

catedrais góticas, a dominância da sombra e da penumbra<br />

na arquitetura tradicional japonesa, e um sem-fim de<br />

experiências arquitetônicas em que a intenção de luz é<br />

indissociável da construção do próprio espaço e de sua vivência<br />

– física e emocional.<br />

1 Nota do editor: Relative Light é o título provisório do livro que Diana Joels está escrevendo com o professor sueco Jan Ejhed, fundador do<br />

Lighting Laboratory. Nele, os autores aprofundam muitas das reflexões presentes neste ensaio, além de outros temas.<br />

Num presente em que precisamos urgentemente nos<br />

entender como parte da natureza e genuinamente deixar de<br />

buscar na tecnologia soluções para problemas gerados pela<br />

própria tecnologia, não vejo assunto mais relevante à nossa<br />

profissão que a luz natural.<br />

A função essencial do design é solucionar problemas. Um<br />

dos problemas que compartilhamos globalmente é o excesso<br />

de luz artificial – proveniente seja de fontes funcionais, seja de<br />

fontes residuais, com impactos nos âmbitos individual, cultural<br />

e ambiental.<br />

Saudemos a luz natural! Seja pela modelagem da luz do dia,<br />

baseada no entendimento de seus componentes sol e céu e da<br />

passagem do tempo. Seja pela redescoberta da escuridão. Seja<br />

pelo uso de fontes industriais com base em uma abordagem<br />

humana, integral e multidisciplinar.<br />

Permitamo-nos, por meio do design, inventar coletivamente<br />

uma nova realidade! Certamente será para o bem.<br />

IMAGENS<br />

1 Que cor é o branco? Museu de Arte<br />

Contemporânea de Kanazawa no fim de<br />

um dia e na manhã seguinte. (Foto: D.J.)<br />

2 Neste experimento, parte da sua<br />

dissertação orientada por mim, os<br />

mestrandos Emelie Kullenberg e Hampus<br />

Åkerlind abordaram a relevância da<br />

temperatura correlata de cor para a<br />

percepção da atmosfera. (Fotos: A.P.)<br />

3 Ao buscar em sua biblioteca uma<br />

imagem que correspondesse às memórias<br />

de um branco grego conforme descrito no<br />

texto, Orlando Marques nos brinda com<br />

essa imagem-poema, em perfeito diálogo<br />

com o ensaio. (Foto: O.M.)<br />

4 Ao alterar as características físicas<br />

do peitoril de uma janela, que qualidades<br />

visuais e atributos emocionais do espaço<br />

são transformados? — experimento da<br />

lighting designer Priscila Pacheco para<br />

um exercício da jornada de aprendizagem<br />

“Light Drops”, concebida e realizada por<br />

Diana Joels e Paula Carnelós<br />

(ver página 16) — (Fotos P.P.)<br />

5 Luz natural e luz elétrica coexistem<br />

para comunicar o conceito de passagem<br />

do tempo, criando, neste canto do<br />

ambiente, uma atmosfera cuja composição<br />

de luz no espaço se baseia na própria luz<br />

solar: abundante, dirigida, quente e com<br />

sombras rígidas. Quarto de Menina e Bebê<br />

por Grão Arquitetura e design de luz Diana<br />

Joels, para mostra Casa na Toca SP 2019.<br />

(Foto: R.N.)<br />

6 Panteão [Roma], Partenon [Atenas],<br />

Igreja Bagsvaerd [Copenhagen], Mesquita<br />

Azul [Istambul], Pedregulho [Rio de<br />

Janeiro], Banhos árabes [Granada], Capela<br />

de Santo Inácio [Seattle] — alguns de<br />

inúmeros registros ao longo dos anos<br />

sobre a relação indissociável entre luz,<br />

espacialidade e atmosfera. (Fotos: D.J.)<br />

7 Distante da poluição luminosa.<br />

Luz essencial. (Foto D.J.)<br />

46 47


A CASA DA BAÍA<br />

Texto: Diogo de Oliveira<br />

Fotos: Jeff Goldberg<br />

Projetada como residência de fim de semana, nos arredores<br />

costeiros da cidade de Nova York, Estados Unidos, esta casa<br />

atualiza elementos da arquitetura da região e produz reflexões<br />

interessantes sobre a passagem do tempo, o uso primeiro das<br />

edificações como proteção do ambiente externo e os tributos<br />

da construção contemporânea à história do desenho e da<br />

arquitetura. O projeto foi realizado pelo escritório de arquitetura<br />

Studio Rick Joy.<br />

Esta residência de temporada, projeto do escritório de<br />

arquitetura Studio Rick Joy, usa elementos da tradição<br />

construtiva da sua região e os atualiza com elementos<br />

contemporâneos.<br />

UM POUCO DE HISTÓRIA<br />

A região onde fica a casa foi ocupada, no século XVII,<br />

por colonos ingleses, de origem puritana, em terra negociada<br />

com os povos originários Montauk para atividades agrícolas,<br />

principalmente agropecuária. Desde o século XIX, no entanto,<br />

a área viu suas fazendas perderem força econômica com sua<br />

transformação em balneário, vocação que floresce até hoje,<br />

em uma das áreas mais valorizadas do mercado imobiliário<br />

norte-americano.<br />

REFERÊNCIAS<br />

O clima das fazendas históricas aparece reavivado nos<br />

elementos externos da casa, como o telhado inclinado em certa<br />

angulação e coberto por telhas de ardósia ou as paredes de<br />

granito, materiais que atualizam o material original, a madeira.<br />

Os revestimentos internos, no entanto, evocam a importância<br />

desse material na produção do conforto e do acolhimento,<br />

com réguas largas aplicadas nas paredes e nos pisos em toda<br />

a residência.<br />

Outro elemento que alinha o projeto com sua ancestralidade<br />

construtiva é o destaque dado à lareira e à chaminé, facilmente<br />

identificáveis com tempos em que manter o conforto térmico<br />

e as atividades das fazendas dependia de elementos naturais<br />

como o fogo e as pedras, estas últimas aparecem tanto nas<br />

telhas quanto em revestimentos internos.<br />

48 49


ILUMINAÇÃO<br />

Somado ao protagonismo da luz natural e da arquitetura<br />

que a permite, o projeto de iluminação, realizado pelo<br />

escritório Concept Lighting Lab LLC, é central para conferir<br />

contemporaneidade ao projeto.<br />

Na galeria de fotografias, que serve também de área de<br />

circulação entre os ambientes, as obras ganham luz a partir de<br />

sistema linear, vinda de luminárias difusas com alta reprodução<br />

de cor. Nas áreas de estar e de jantar, a iluminação provém de<br />

projetores pendentes com hastes e pendurais longos, suspensos<br />

desde o forro. A iluminação aparece ainda complementada por<br />

luminárias decorativas de piso, com hastes igualmente longas e<br />

cúpula para facho direto e difuso, estrategicamente dispostas.<br />

Todos esses recursos de iluminação são controlados por<br />

sistemas de automação, para a conveniência e a flexibilidade<br />

dos usuários.<br />

Nas áreas sociais da casa, luminárias com longos pendurais,<br />

organizam a iluminação. Na galeria, onde está exposta a<br />

coleção de fotografias, cada obra é iluminada por luminárias<br />

lineares difusas.<br />

DENTRO E FORA<br />

Em sintonia com a localização da casa à beira-mar, o projeto<br />

propõe aberturas, claraboias, paredes de vidro, pé-direito duplo e<br />

varanda protegida, em um gesto que, ao mesmo tempo, valoriza<br />

a luz e a paisagem naturais e garante proteção a rigores externos,<br />

em diálogo com as residências de todos os tempos. Entre a área<br />

social e os dormitórios, uma galeria de fotografias dá lugar aos<br />

usos contemporâneos e ao universo particular dos clientes.<br />

O projeto de iluminação desenvolvido pelo escritório<br />

Concept Lighting Lab é um dos elementos que atualizam<br />

o projeto da residência. Tanto as luminárias integradas na<br />

arquitetura, como as decorativas, compartilham forma e<br />

função, por meio de um desenho atual e atemporal.<br />

50 51


O projeto lança mão de varandas protegidas, panos de vidro,<br />

claraboias e espaços com altura generosa para trazer luz natural<br />

aos ambientes e valorizar sua localização próxima ao mar.<br />

TEMPO<br />

Desse modo, esta casa nos faz um convite sensível para<br />

conhecer as tradições construtivas da sua região, os elementos<br />

que compunham as fazendas do século XVII – térreas, ajustadas<br />

às intempéries e às atividades do seu tempo, e atualiza essas<br />

referências com a composição dos ambientes, com tecnologia e<br />

conveniência contemporâneas.<br />

BAY HOUSE<br />

Estados Unidos<br />

Projeto de iluminação:<br />

Concept Lighting Lab – LLC<br />

Projeto de arquitetura e interiores:<br />

Studio Rick Joy<br />

Fornecedores:<br />

B.lux, EST (Energy Savings<br />

Technology), FLOS, Luceplan,<br />

Lutron, LUXRLED, Zumtobel<br />

52 53


PROPÓSITO<br />

TRANSPARENTE<br />

Texto: Pedro Portela<br />

(colaboraram Diogo de Oliveira e Orlando Marques)<br />

Fotos: Ricardo Bassetti<br />

Desde as fazendas de produção de cacau, que trouxeram<br />

desenvolvimento ao interior da Bahia, até os produtos de<br />

primeira linha, orgânicos e sustentáveis, a cultura do chocolate<br />

tem crescido no Brasil. A Dengo Chocolates nasceu de uma<br />

proposta inovadora: o apoio a pequenos e médios produtores<br />

alinhado à conservação dos biomas de extração das matériasprimas<br />

de seus produtos. A Fábrica de Dengo, inaugurada<br />

recentemente na Avenida Faria Lima, em São Paulo, reflete essa<br />

proposta em sua arquitetura com o uso de materiais in natura e<br />

na permeabilidade visual das fachadas em consonância com o<br />

paisagismo circundante.<br />

Com três andares e um amplo programa, que inclui área de<br />

produção, loja, cafeteria, confeitaria, biblioteca e coworking, o<br />

novo espaço teve projeto de arquitetura do escritório MFMM<br />

Arquitetura e de paisagismo do SOMA Arquitetos. O projeto<br />

de iluminação e luminotécnica ficou a cargo do escritório<br />

paulistano Mingrone Iluminação, sob o comando do lighting<br />

designer Antônio Carlos Mingrone.<br />

54 55


O desenho de luz buscou materializar os objetivos<br />

estabelecidos de modo a sublinhar os valores da marca – “o<br />

cuidado, o afeto, a troca, o presente” – e criar ambientes<br />

aconchegantes. A atmosfera do espaço surge como um “templo<br />

de culto ao chocolate”, como pontuou Mingrone.<br />

O caráter fabril evidencia-se na arquitetura por meio de<br />

pilares, vigas e lajes em madeira pinus, da infraestrutura dos<br />

serviços aparente e das esquadrias metálicas, em harmonia<br />

com revestimentos amadeirados, mosaico de piso cerâmico –<br />

inspirado na aparência craquelada dos chocolates – e mobiliários<br />

curvos, além dos equipamentos para a fabricação do chocolate.<br />

Com o desafio de valorizar diferentes materiais e superfícies,<br />

o projeto de iluminação contou com um estudo criterioso na<br />

escolha, na emissão e nas intensidades das fontes luminosas.<br />

Dessa forma, foram utilizados projetores cênicos com fonte de<br />

luz recuada e fachos ora concentrados sobre mesas expositoras,<br />

ora abertos sobre as mesas do café. No pé-direito duplo do<br />

térreo, onde são expostos os equipamentos, foram utilizados<br />

projetores para destacar o percurso das nibs de cacau – a<br />

matéria-prima do chocolate – até o misturador.<br />

Na página anterior, acima, o pendente desenhado<br />

exclusivamente para o projeto acompanha o desenho do<br />

mobiliário, com iluminação direta e indireta.<br />

Abaixo, pendentes lineares com iluminação indireta e direta<br />

destacam as mesas expositoras.<br />

Nesta página, à esquerda, o cátodo frio é utilizado como<br />

ferramenta para compor as diferentes ambiências.<br />

À direita, projetores com LED 21 W 50° e 2.700 K instalados em<br />

trilhos em suspensão por cabos de aço destacam o percurso de<br />

processamento da nibs de cacau. A iluminação incorporada ao<br />

mobiliário destaca o revestimento de madeira do balcão.<br />

Ao lado, luminárias circulares instaladas em perfilados, com<br />

temperatura de cor âmbar, projetam a trama do difusor nas<br />

pérgolas do terraço.<br />

56 57


58 59


Para criar as diversas atmosferas, o projeto lançou mão do<br />

uso de sistemas pendentes e de cátodo frio. De aspecto industrial<br />

e decorativo, as luminárias pendentes sobre as mesas do café<br />

são feitas de tecido translúcido plissado, para emissão difusa da<br />

luz. As luminárias lineares, feitas de alumínio com acabamento<br />

na cor preta, estão distribuídas sobre as mesas expositoras,<br />

destacadas com iluminação indireta e direta ou somente com<br />

iluminação indireta. Destaque para os pendentes sobre as<br />

marcenarias curvas no térreo e no salão do primeiro pavimento,<br />

cujas formas seguiram os desenhos desses mobiliários.<br />

A temperatura de cor de 2.700 K predomina em toda a área<br />

aberta ao público e pontualmente a temperatura de cor de 2.400 K<br />

é inserida na iluminação incorporada à marcenaria, o que permite<br />

a valorização dos tons marrons-avermelhados dos produtos.<br />

No terraço, pequenas luminárias fixadas entre pérgolas<br />

projetam as sombras da trama da cúpula metálica nas<br />

superfícies do espaço. A intenção é evocar “brasilidades” e<br />

remeter à sombra das copas das árvores.<br />

Ainda no terraço, a iluminação nas floreiras arremata a<br />

iluminação da fachada. O paisagismo do térreo é iluminado por<br />

meio de postes com projetores para revelar as copas das árvores<br />

e os caminhos. Aqui, as transparências das fachadas, valorizadas<br />

pela iluminação vinda do interior do edifício, convidam quem<br />

passa pela frenética Faria Lima a uma pausa.<br />

Na entrada, postes com projetores insinuam caminhos e<br />

destacam as copas das árvores. Nas floreiras do pavimento<br />

superior, projetores de LED 3 e W 2.700 K destacam o plantio<br />

do paisagismo. Ao lado, no salão, pendente customizado de<br />

LED 4 W, 51° e 2.700 K ilumina o balcão. A iluminação<br />

com temperatura de cor de 2.400 K incorporada à<br />

marcenaria, valoriza os tons marrons-avermelhados<br />

dos produtos e da madeira.<br />

FÁBRICA DE DENGO<br />

São Paulo, Brasil<br />

Projeto de iluminação:<br />

Mingrone Iluminação<br />

Antônio Carlos Mingrone<br />

(arquiteto titular)<br />

Projeto de arquitetura e interiores:<br />

MFMM Arquitetura<br />

Matheus Farah e Manoel Maia<br />

(arquitetos titulares)<br />

Projeto de paisagismo:<br />

SOMA Arquitetos<br />

Cliente:<br />

Dengo Chocolates<br />

Fornecedores:<br />

Arcluz, Avant/Alviled, GoldenArt/<br />

Ecolume, Interlight, LedPlus, Ledvance,<br />

LightDesign + Exporlux, Lightsource,<br />

Mecalux, Misterled, Revoluz<br />

60 61


ORGANICIDADE GEOMÉTRICA<br />

Texto: Débora Torii | Fotos: Marcelo Kahn<br />

“Um novo espaço de experiência, serviços e soluções em<br />

arquitetura e design.” Essa é a proposta da L’espace AD, nova<br />

aposta do grupo ADEO, uma plataforma de empresas do<br />

segmento da bricolagem, incluindo a Leroy Merlin. Assinado<br />

pela equipe de projetos do grupo, em parceria com o escritório<br />

Mauricio Queiroz Design de Consumo, o projeto da loja foi<br />

pensado na forma de circuito e ocupa uma área de cerca de<br />

3.000 m 2 . O lighting designer Rafael Leão, titular do Rafael<br />

Leão Lighting Design, responsável pelo projeto de iluminação,<br />

conta que sua contratação ainda em estágio inicial do projeto<br />

contribuiu para o sucesso de seu desenvolvimento, marcado<br />

pela intensa colaboração entre as equipes de iluminação e de<br />

arquitetura e interiores.<br />

A visão inicial do cliente e dos arquitetos era a de uma<br />

ambientação cênica, marcada por contrastes, com o intuito de<br />

conferir ao espaço o aspecto de um showroom, e não o de uma<br />

loja de material de construção. Assim, o conceito da iluminação<br />

partiu da criação de um mapa de iluminâncias, em que foram<br />

definidas taxas limite de contraste e iluminância horizontal para<br />

as diferentes zonas da loja, levando em consideração o tipo de<br />

ambiente e o tempo de permanência dos clientes nos locais. Havia<br />

também a preocupação de facilitar a orientação dos visitantes<br />

em um espaço amplo, o que foi solucionado com a iluminação<br />

dos planos verticais, com o destaque dado a elementos<br />

arquitetônicos e com a criação de pontos nodais, por meio da<br />

luz, como referências no decorrer do percurso. “Buscamos as<br />

principais referências espaciais e trabalhamos a sua iluminação<br />

de forma a ampliar a sua identidade também como um elemento<br />

de posicionamento dentro da loja, com conceitos empregados<br />

em projetos de urbanismo”, relata o lighting designer.<br />

Na área de recepção e coworking, os casulos suspensos<br />

de madeira foram iluminados individualmente por meio de<br />

módulos de LED COB 7,9 W, 1.100 lm e 3.000 K, fixados por<br />

meio de hastes metálicas, garantindo seu posicionamento<br />

centralizado em relação a cada colmeia, que, por sua vez, atua<br />

como louver, evitando ofuscamentos. Luminárias pendentes<br />

e abajures com luz difusa buscam acentuar a sensação de<br />

aconchego, além de iluminar planos de trabalho.<br />

62 63


Acima, três momentos do percurso no interior da loja: recepção,<br />

lounge e área de showrooms. Em comum, todos contam com<br />

a iluminação uniforme dos planos verticais, para facilitar a<br />

orientação no espaço.<br />

No lounge foi proposta uma releitura dos elementos<br />

geométricos da recepção, por meio de luminárias pendentes<br />

hexagonais com iluminação direta e difusa, instaladas em<br />

diferentes alturas.<br />

A circulação da área de showrooms é iluminada por projetores<br />

orientáveis com LED 33,7 W, 55˚ e 3.000 K instalados em<br />

trilhos eletrificados.<br />

Abaixo e na página anterior, os espaços ambientados são<br />

iluminados por meio de trilhos eletrificados perimetrais,<br />

equipados com luminárias lineares difusas com LED 25 W/m e<br />

2.700 K, intercalados com projetores orientáveis com LED 20 W,<br />

36° e 2.700 K.<br />

Na entrada da loja, a área da recepção e de coworking<br />

– disponibilizada para reuniões entre arquitetos e designers<br />

de interiores e seus clientes – é marcada por elementos<br />

geométricos: uma série de caixas hexagonais de madeira,<br />

vazadas e suspensas, que são iluminadas individualmente de<br />

maneira uniforme e difusa. Rafael conta que teve participação<br />

ativa no desenvolvimento desse elemento, do qual foram<br />

construídos alguns protótipos, a fim de garantir a correta<br />

especificação e posicionamento das luminárias integradas a<br />

cada um dos casulos, resultando na iluminação uniforme das<br />

superfícies internas dos hexágonos.<br />

Na sequência, os clientes entram na zona de espaços<br />

ambientados, cujo propósito é a demonstração realista de<br />

tendências e inovações para cada tipo de ambiente. Nesses<br />

espaços, o lighting designer optou pela flexibilidade dos trilhos<br />

eletrificados, antevendo futuros rearranjos no layout de cada<br />

espaço. Geralmente instalados no perímetro dos ambientes,<br />

os trilhos foram equipados com luminárias difusas e projetores<br />

de diferentes fachos, visando elevar um pouco o contraste e o<br />

caráter cênico de cada espaço.<br />

A última e mais ampla área da loja é ocupada pelos<br />

showrooms de fabricantes, que exibem produtos como móveis,<br />

revestimentos e itens de decoração, em sua maioria exclusivos,<br />

de 42 marcas diferentes. Leão explica que o teto e as instalações<br />

aparentes, incluindo uma série de eletrocalhas preexistentes,<br />

64 65


eram originalmente pintados na cor branca, o que dificultaria a<br />

– necessária – flexibilidade da iluminação dos espaços. A pedido<br />

do lighting designer, os arquitetos concordaram que todos esses<br />

elementos fossem pintados na cor preta, o que possibilitou o<br />

posicionamento mais livre dos trilhos eletrificados, que, pintados<br />

na mesma cor, desaparecem em meio às demais instalações.<br />

Os trilhos foram dotados de projetores orientáveis com fachos<br />

de 40° e 55°, com a premissa de sempre iluminar de maneira<br />

uniforme o perímetro de cada showroom e conferir brilho e<br />

destaque aos materiais expostos. A escolha dos fluxos e das<br />

aberturas dos fachos foi determinada pelo pé-direito alto desse<br />

setor – entre 3,<strong>80</strong> m e 4,15 m – e para atender às classes de<br />

iluminância e índices de contraste previamente estabelecidos.<br />

A etapa de focalização desses projetores foi essencial para o<br />

sucesso do resultado e demandou dois dias de trabalho.<br />

Um dos principais showrooms da loja é o da Deca, cujo<br />

detalhamento de iluminação também foi desenvolvido por<br />

Rafael Leão. Isso possibilitou que houvesse maior controle da<br />

iluminação geral a partir dos projetores nos trilhos, para que<br />

coincidisse com os elementos ortogonais presentes no forro<br />

desse espaço, além da criação de uma série de detalhes especiais<br />

integrados aos nichos expositores, nos quais houve cuidado<br />

para que a intensidade e a temperatura de cor harmonizassem<br />

com a iluminação geral da loja.<br />

66 67


O showroom da Deca conta com iluminação geral a partir<br />

de projetores orientáveis com LED 26,5 W, 55˚ e 3.000 K<br />

instalados em trilhos eletrificados, que estão posicionados<br />

acima do pergolado de madeira. Nichos expositores contam<br />

com detalhes de iluminação integrados, com LED 3.000 K.<br />

L’ESPACE AD<br />

São Paulo, Brasil<br />

Projeto de iluminação:<br />

Rafael Leão Lighting Design<br />

Rafael Leão (arquiteto titular)<br />

Henrique Correa e Nathalie Legal<br />

(arquitetos colaboradores)<br />

Projeto de arquitetura e interiores:<br />

Mauricio Queiroz Design de Consumo<br />

Mauricio Queiroz (arquiteto titular)<br />

Projeto de interiores showroom Deca:<br />

Studio Bello Dias<br />

Ricardo Bello Dias (arquiteto titular)<br />

Cliente: Grupo ADEO – L’espace AD<br />

Fornecedores: Interlight,<br />

MisterLED, Omega Light<br />

68 69


COLABORAÇÃO E CUSTOMIZAÇÃO<br />

Texto: Fabiana Rodriguez | Fotos: Guilherme Pucci<br />

Um novo espaço foi concebido para a Riccó+Hub, união entre<br />

a centenária marca Riccó Móveis e a inovadora Hub Móveis, em<br />

um edifício tombado de dois andares cujas fachadas são as mais<br />

icônicas da Avenida Brasil, na capital de São Paulo. O espaço<br />

multiuso funciona como showroom e escritório, atendendo<br />

às funções e às necessidades de um ambiente de trabalho e<br />

mostrando-se, ao mesmo tempo, convidativo e atraente para<br />

clientes e arquitetos.<br />

Flexibilidade e inovação foram as diretrizes propostas<br />

pelo escritório Mombá Arquitetura, responsável pelo projeto<br />

de renovação da arquitetura e de interiores, as quais também<br />

foram adotadas no projeto de iluminação desenvolvido em<br />

parceria com o escritório A2 Lighting Design, dos titulares<br />

Carina Tavares e Wagner Pinto, com a colaboração da lighting<br />

designer Brenda Lelli.<br />

Pensado como um ambiente de uso coletivo que permitisse<br />

mudanças de layout e diferentes ambientações, o forro<br />

existente foi retirado e deu lugar a um grid metálico que cobre<br />

todo o pavimento e cria uma atmosfera mais contemporânea,<br />

revelando a estrutura original do edifício. A partir desse grid<br />

foram, então, desenvolvidas todas as soluções de iluminação.<br />

Todas as luminárias do projeto foram customizadas, desde<br />

a pintura no mesmo tom de branco escolhido pela arquitetura<br />

para todas as instalações do forro até o detalhe de instalação<br />

desses equipamentos no grid. Ganchos e rabichos especiais<br />

permitem alterar facilmente a localização de cada item para<br />

acompanhar as diferentes possibilidades de layout do escritório.<br />

Outro ponto importante do projeto de iluminação foi a<br />

possibilidade de criar equipamentos produzidos na própria<br />

fábrica da Riccó, incorporando elementos já utilizados em<br />

produtos da marca. Com design desenvolvido em conjunto entre<br />

os arquitetos e os lighting designers, as luminárias destacam-se<br />

no projeto como peças exclusivas e trazem a história da empresa<br />

para dentro do ambiente.<br />

Uma delas, instalada na escada que dá acesso ao escritório,<br />

reproduz o desenho da logomarca da Riccó. A luminária é<br />

No lounge central, as luminárias circulares com diâmetros de<br />

1,<strong>80</strong>m, 2,00m e 2,30m emitem luz difusa em sua face interna<br />

e contam com LED integrado de 10 W/m, 1.000 lm e duas<br />

temperaturas de cor: 2.700 K e 6.500 K. A iluminação geral<br />

se dá pelas luminárias lineares aplicadas sob o grid metálico,<br />

com LED de 18 W/m, 2.000 lm/m, 3000 K, com emissão de luz<br />

direta e difusa. Para a iluminação de destaque foram instalados<br />

projetores também no grid, com lâmpada AR111 LED, 12W, 950<br />

lm, 24°, 2.700 K, alguns dos quais contam com barndoor.<br />

70 71


periférica e difusa, valoriza a mesa especial de dois níveis e<br />

convida à abertura de desenhos e amostras que podem ser<br />

vistos diretamente ou por meio da película reflexiva. Nesse<br />

espaço também há uma iluminação mais cênica, por meio<br />

de uma contraluz linear ao fundo e de projetores orientáveis,<br />

recurso ainda adotado para destacar os produtos em exposição<br />

na vitrine interna, ao lado do pórtico da entrada.<br />

Como iluminação geral foram instalados perfis lineares<br />

de LED sob o grid. Essa solução, complementar à iluminação<br />

proporcionada pelos pendentes, contribui para atender à<br />

iluminância necessária para os planos de trabalho e resulta na<br />

distribuição uniforme de luz em todo o espaço.<br />

O projeto de iluminação viabiliza a criação de um ambiente de<br />

trabalho exclusivo e dinâmico, ajudando a ressaltar os valores da<br />

marca e estimulando a criatividade dos funcionários e dos clientes.<br />

Na página anterior, pendentes lineares com iluminação<br />

direta e indireta iluminam as áreas de trabalho com 2 x LED<br />

18 W/m, 4.140 lm/m e 3.000 K. Em destaque, o pendente<br />

espelho localizado próximo ao café, que foi customizado<br />

com LED perimetral de 16 W/m, 2.000 lm/m e 3.000 K.<br />

Abaixo, a luminária que remete à logomarca da Riccó, que foi<br />

desenvolvida com painéis circulares de LED 30 W, 2.000 lm<br />

e 3.000 K mesclados a painéis opacos.<br />

composta de círculos de MDF mesclados a painéis circulares<br />

de LED, cuja distribuição foi definida com base em cálculos<br />

lumínicos com o objetivo de atender à normativa e chegar ao<br />

equilíbrio entre círculos opacos e luminosos.<br />

Em cada núcleo de trabalho, correspondente a uma área<br />

de atuação dentro da empresa, foram criadas soluções de<br />

iluminação particulares. No setor de projetos, a luminária<br />

com iluminação direta e indireta foi montada sob painéis<br />

feitos de tecido utilizado em cadeiras da Riccó. Além de trazer<br />

cor a esse setor, esse elemento contribui com melhorias no<br />

conforto acústico.<br />

No lounge central, destinado a palestras e eventos<br />

corporativos, foram instaladas três grandes luminárias circulares<br />

com iluminação indireta. Esses equipamentos contam com<br />

temperatura de cor de 3.000 K, a exemplo das demais luminárias<br />

do projeto, tendo também a opção de LED a 6.500 K, que pode<br />

ser acionada diretamente pelo usuário, permitindo “brincar”<br />

com a luz, o que muda a atmosfera do espaço em diferentes<br />

situações e momentos do dia.<br />

A copa propõe-se como espaço de descompressão<br />

e reuniões casuais. O pendente espelho, com iluminação<br />

RICCÓ HUB<br />

São Paulo, Brasil<br />

Projeto de iluminação:<br />

A2 Lighting Design<br />

Carina Tavares e Wagner Pinto<br />

(lighting designers titulares)<br />

Brenda Lelli (lighting designer<br />

colaboradora)<br />

Projeto de arquitetura e interiores:<br />

Mombá Arquitetura<br />

Bruna Louise e Arthur Mansur<br />

(arquitetos titulares)<br />

Marcella Nery (arquiteta colaboradora)<br />

e Thais Mendes (estagiária)<br />

Lais Zarantonelli (arquiteta<br />

Riccó Hub Móveis)<br />

Cliente:<br />

Riccó Hub Móveis<br />

Fornecedores:<br />

Lis Iluminação e Riccó Hub Móveis<br />

72 73


FOTO LUZ FOTO<br />

MARCELO KAHN<br />

Para o cineasta alemão Wim Wenders, tudo o que não<br />

está no enquadramento é perdido para sempre. Talvez meu<br />

maior desafio ao fotografar esse projeto tenha sido lidar<br />

com esse sentimento, pois se tratava de um espaço imenso,<br />

multissegmentado, de cerca de 3.000 m 2 , com arquitetura<br />

e iluminação planejadas nos mínimos detalhes. A fotografia<br />

sempre começa muito antes do clique da câmera e só termina<br />

com a sua publicação. É preciso ser previdente, chegar ao local<br />

com tudo planejado; afinal, a arquitetura é viva, e o tempo é<br />

um fiscal exigente. Decisões difíceis têm de ser tomadas de<br />

modo ágil. Se paro o trabalho para corrigir um detalhe que está<br />

em desarmonia com a cena, a fim de que a foto fique perfeita,<br />

corro o risco de que algo mais drástico aconteça nesse meio<br />

tempo: pessoas podem entrar no ambiente, alterar a cena,<br />

e o local jamais será o mesmo. Sendo assim, até os cenários<br />

internos, falsamente mais estáveis, demandam destreza, como<br />

no caso desta foto, em que a presença de luz natural foi fator<br />

determinante na escolha do horário para realizar a imagem.<br />

Em todas as minhas fotos, eu me concentro em desvendar o<br />

que os elementos arquitetônicos comunicam, como as formas<br />

se relacionam entre si e o que isso provoca em quem habita e<br />

observa. Percebo linearidade na arquitetura. Uma majestosa<br />

recepção, com uma “luminária-forro” que ocupa quase todo o<br />

teto, reforça a essência da primeira impressão. Então, a partir<br />

disso, a história é narrada, equilibrando formas no quadro, às<br />

vezes em pontos de vista que convidam a viver e apreciar aquela<br />

arquitetura de uma forma nova. É necessário agir no momento,<br />

pensando também no futuro, captando algumas imagens com<br />

mais ou menos luz para obter mais detalhes em pontos onde a<br />

iluminação é insuficiente ou excessiva para a câmera. Logo se<br />

inicia uma nova jornada, a da manipulação da imagem, para que<br />

ela pareça, no papel ou na tela digital, o mais próximo possível da<br />

experiência real do estar lá, ao vivo, compensando e traduzindo as<br />

diferenças do que o olho vê e do que o equipamento pode captar.<br />

Marcelo Kahn é formado em Cinema, fotografa arquitetura<br />

desde 2005, e seu portfólio inclui também as áreas de moda,<br />

publicidade, institucionais e still de produtos. Trabalhou para<br />

estúdios no Brasil e no exterior e atualmente contribui com<br />

grandes escritórios de arquitetura e publicações da área.<br />

74 75


76

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!