Jornal das Oficinas 159

apcomunicacao

Topbanner_PLR.pdf 1 17/01/19 14:23

C

M

PUB

Y

CM

MY

CY

CMY

Selo SKF 90 anos.pdf 1 18/10/18 14:

K

jornaldasoficinas.com

Jornal independente

da manutenção e reparação

de veículos ligeiros e pesados

159

FEVEREIRO 2019

Periodicidade | Mensal

ANO XIV | 3 euros

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

PUB

Diretor | João Vieira

K

O EVENTO DO ANO

Desfile de vencedore0 vencedoresPág. 4

ATUALIDADE Pág. 10

O II Congresso de Aftermarket da ASER,

que se realiza a 26 de fevereiro, na IFEMA,

abordará o tema da transformação digital

DISPONÍVEL A NOVA

APLICAÇÃO MÓVEL DA KYB

PRODUTO Pág. 66

Com a ajuda das marcas Kroon Oil

e Spanjaard, debruçamo-nos sobre os

líquidos de refrigeração e anticongelantes

TECNOLOGIA Pág. 14

A oitava geração do Porsche 911 recebeu

alterações mecânicas profundas. Saiba quais

ENTREVISTA Pág. 16

David Moneo, diretor da feira Motortec

Automechanika Madrid, aborda a 15.ª

edição do maior certame ibérico do setor

app.kyb-europe.com

TÉCNICA Pág. 70

Bosch enumera soluções para resolver

problemas em veículos do parque nacional

ENSAIO Pág. 74

O Lexus LS 500h AWD é o superlativo

absoluto no admirável mundo dos híbridos

- Projetada para ajudar os profissionais do setor a explicar os perigos de uma

condução com amortecedores gastos.

- Proporciona à oficina a possibilidade de enviar facilmente para os clientes, fotos

dos trabalhos realizados.

- As oficinas podem personalizar a aplicação com os seus dados e logotipo.

- Toda a comunicação com os clientes que é feita através de aplicação será

assinada pela oficina.

Distribuidor oficial

PUB

PUB

www.asborrego.pt

PUB


Seja

patrocinador

veja mais em plateautv.pt

3ª EDIÇÃO

Patrocínadores 2019


FOLHA DE SERVIÇO

3

Plateau TV regressa

à expoMECÂNICA

EDITORIAL

João Vieira Diretor

Atendimento

ao cliente

O Jornal das Oficinas estará presente no Salão expoMECÂNICA 2019, que se

realizará de 3 a 5 de maio, com a iniciativa Plateau TV, um evento cuja recetividade

e interesse por parte dos visitantes da feira tem aumentado de ano para ano

Para a edição deste ano, os temas foram escolhidos

tendo em conta os assuntos que mais preocupam e

interessam os empresários do setor, nomeadamente

na área da manutenção e reparação automóvel. Durante três

dias, iremos partilhar com o público presente as opiniões

de especialistas em áreas chave do pós-venda automóvel,

desde a reparação ao comércio de peças, passando pelas

novas tecnologias e a mobilidade do futuro.

Este evento, que se realizará pelo terceiro ano consecutivo,

assume-se como um importante fórum de debate dos temas

mais atuais do setor do pós-venda em Portugal. Foi preocupação

do Jornal das Oficinas escolher os assuntos que permitam

proporcionar aos empresários e profissionais do setor um

conhecimento sobre as novas realidades do pós-venda e

Impressão – FIG, Indústrias Gráficas, S.A.

Rua Adriano Lucas, 3020 - 265 Coimbra

Tel.: 239 499 922

Edição

AP COMUNICAÇÃO

Consulte o Estatuto Editorial no site www.jornaldasoficinas.com

DIRETOR João Vieira – joao.vieira@apcomunicacao.com

EDITOR EXECUTIVO Bruno Castanheira – bruno.castanheira@apcomunicacao.com REDAÇÃO Jorge Flores – jorge.flores@apcomunicacao.com Joana Calado – joana.calado@apcomunicacao.com

DIRETOR COMERCIAL Mário Carmo – mario.carmo@apcomunicacao.com | GESTOR DE CLIENTES Paulo Franco – paulo.franco@apcomunicacao.com

| IMAGEM António Valente | MULTIMÉDIA Catarina Gomes | ARTE Hélio Falcão | SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E CONTABILIDADE financeiro@apcomunicacao.com

PERIODICIDADE Mensal | ASSINATURAS assinaturas@apcomunicacao.com

© Copyright Nos termos legais em vigor, é totalmente interdita a utilização ou a reprodução desta publicação, no seu todo ou em parte, sem a autorização prévia e por escrito do JORNAL DAS OFICINAS

N.º de Registo no ERC: 124.782

Depósito Legal n.º: 201.608/03

Tiragem – 10.000 exemplares

o seu impacto no negócio das oficinas, nomeadamente no

que diz respeito à tecnologia elétrica e híbrida, ao acesso à

informação técnica, à conectividade e à mobilidade, entre

outros temas de grande importância para o futuro das empresas

de manutenção e reparação automóvel.

O Jornal das Oficinas propõe-se ir mais longe nesta sua

iniciativa anual, proporcionando aos participantes a oportunidade

de disporem de mais informação e ferramentas

inovadoras que lhes permitam maior preparação e confiança

para enfrentar o futuro. Neste sentido, os debates e entrevistas

serão transmitidos, em live streaming, na página de Facebook

do Jornal das Oficinas, permitindo que todos possam ter

acesso às opiniões dos oradores convidados, mesmo que

não visitem o salão. ✱

.es

Parceiro

em Espanha

Propriedade/Editor João Vieira - Publicações Unipessoal, Lda. | Contribuinte 510447953 | Sede Bela Vista Office, Sala 2.29 – Estrada de Paço de Arcos, 66 - 66A, 2735 - 336 Cacém -

Portugal GPS 38º45’51.12”N - 9º18’22.61”W | Tel. +351 219 288 052/4 | Fax +351 219 288 053 | Email geral@apcomunicacao.com

Com a ajuda da Google e de outras empresas tecnológicas

especializadas no desenvolvimento de

Inteligência Artificial, várias marcas de automóveis

já estão a substituir funcionários de call center por

plataformas digitais de atendimento que falam com

os clientes. Marcação de revisões, pedidos de orçamentos

ou mesmo encomenda de peças, já é possível

serem feitos por estas plataformas, sem que o cliente

se aperceba que está a falar com uma máquina.

Parece ficção científica mas é pura realidade, já confirmada

pelos responsáveis das marcas, que asseguram

ser este o futuro do atendimento aos clientes.

Sabemos que nada pode travar a evolução tecnológica

e que o atendimento “robotizado“ até pode ser correto,

afável e a seu modo eficiente, mas não consegue

atingir a parte essencial e humana do cliente, nem

estabelecer as bases de um relacionamento minimamente

estável.

A linha da frente de uma oficina é o serviço de atendimento

ao cliente. É através deste serviço que o cliente

se sente bem ou mal atendido e que sente ou não

vontade de voltar à oficina. Sem uma experiência

de relacionamento satisfatória, como tem no café,

no barbeiro, no supermercado e noutros locais que

frequenta, o cliente não sente confiança e começa a

usar as suas defesas e resistências para gastar pouco

dinheiro.

Por muito bons equipamentos, processos e técnicos

que tenha, uma oficina não vai a lado nenhum sem

trabalhar corretamente a linha da frente, ou seja, o

atendimento personalizado de todos e de cada cliente.

Da mesma forma que uma reparação bem feita deve

ter princípio, meio e fim, usando os produtos, as peças

e os métodos adequados, um relacionamento entre

pessoas também precisa de ser construído. Na realidade,

ninguém consegue agarrar um cliente sem,

primeiro, ter captado a confiança da pessoa por detrás

do cliente. Isto não pode ser alcançado apenas com

palavras programadas, mas, pelo contrário, com uma

atuação lógica, transparente e emocionalmente

adequada.

Se realmente queremos o cliente, temos de lutar por

ele. E, isso, nenhuma máquina consegue fazer melhor

do que nós. Reparações de qualidade devem implicar

também emoções de qualidade. A ausência de emoções

ou emoções de segunda categoria constituem o

nível zero da qualidade nos relacionamentos.

www.jornaldasoficinas.com Fevereiro I 2019


4

DESTAQUE

IV GALA TOP100

A noite do aftermarket

A Quinta do Monte Redondo, em Montemor-o-Velho, foi palco da IV Gala TOP100. Por uma noite, o aftermarket

vestiu-se a rigor para assistir à entrega de prémios do mais charmoso evento do setor em Portugal. Na edição

deste ano, que contou com a presença de 130 pessoas, foram atribuídos 25 troféus, divididos por quatro

categorias: Peças Auto, Peças para Pesados, Equipamentos e Repintura

Por: João Vieira, Bruno Castanheira e Jorge Flores

Animação, elegância, boa disposição

e glamour. Muito glamour.

Estes foram os principais ingredientes

da IV Gala TOP100, organizada

pelo Jornal das Oficinas, uma vez mais,

na Quinta do Monte Redondo, em Montemor-o-Velho.

O caso não foi para menos.

Por uma noite, o setor vestiu-se a rigor

para a entrega de prémios do evento anual

mais charmoso do aftermarket automóvel

em Portugal. Ao todo, compareceram à

gala 130 convidados, oriundos das muitas

empresas de sucesso indiscutível que

compõem o mercado, distribuídos pelas

seguintes áreas: Peças Auto, Peças para

Pesados, Equipamentos e Repintura.

O evento começou com o discurso de

boas-vindas de João Vieira, diretor da

AP Comunicação, detentora de vários

títulos, entrando em palco, de seguida,

o humorista Pedro Luzindro, a quem

coube a tarefa de conduzir a gala, sempre

com apontamentos inspirados e

pertinentes, sobre questões mundanas

e sobre o próprio mercado oficinal, ou

não tenha, ele próprio, admitido ser

proprietário de uma “velharia” (um Opel

Corsa comercial, para sermos mais exatos...)

a precisar, urgentemente, de uma

“mãozinha de obra” qualificada. Ou de um

abate tranquilo. Depende da perspetiva.

Seguiu-se uma curta apresentação da

equipa Portugal Motortec, através de Filipa

Pereira, sobre a 15.ª edição da feira

madrilena, a realizar de 13 a 16 de março

deste ano.

Depois do jantar, Pedro Luzindro voltou a

pegar no microfone. Mas, desta vez, além

das notas de humor, trazia uma responsabilidade

acrescida: dar a conhecer os

vencedores desta edição da gala. Foram,

nada mais nada menos, do que 25 os troféus

distribuídos durante a noite. E como

o que é bom acaba depressa, o tempo

passou a correr. Literalmente. Mas, na memória,

para além da incrível voz de Vânia

Gonçalves e do talento de Vando Barros

na guitarra, fica o convívio entre todos. ✱


Veja o vídeo em www.jornaldasoficinas.com

5

1 2 3 4

5

Os

con

vida

1 Patrícia Bordalo e Diogo Bordalo (Servidiesel)

2 Cristiana Costa e Albano Melo (Vieira & Freitas)

3 Flávia Marques e Saulo Saco (Leirilis) 4 Zaira

de Sousa e Joaquim Sousa (Sousa dos Radiadores)

5 Bruno Fernandes e António Garrido (Lusilectra)

6 Jorge Baptista e Carla Pereira (ExpoSalão)

7 Luís Costa e Luís Almeida (Japopeças) 8 Miguel

Angel Prieto (Autopos) com José Luis Bravo e Mario

Romero Ferrero (ASER) 9 António Silva e Manuel

Silva (Autoflex) 10 Maria João Neto e Miguel

Valentim (Global Parts) 11 Fernando Soares e

Virgílio Maia (Axalta) 12 Filipa Pereira e Vanessa

Nunes (equipa Portugal Motortec) 13 Pedro Costa

e Nelson Costa (PCC)

6

dos

7

8

9

10

11

12

13


6

DESTAQUE

IV GALA TOP100

1

2

3 4

5

6

1 Auzenda Nunes e Samuel Nunes (Samiparts)

2 Álvaro de Sousa Borrego (ASB) com Álvaro Magalhães

e Agostinho Matos (ambos da Centrocor) 3 Inês Oliveira

e Tiago Domingos (Auto Delta) 4 Panorâmica da Sala de

Jantar 5 João Vieira (Jornal das Oficinas) deu as boas-vindas

aos convidados 6 Grisélia Afonso (SKF Portugal) 7 Amílcar

Nascimento (Exide) com José Alberto (Bragalis) e Paulo

Agostinho(AleCarPeças) 8 Miguel Ivo (Bahco Portugal)

9 Henrique Fernandes e Conceição Pires (AD Logistics)

10 Jorge Flores, Joana Calado e Bruno Castanheira (Jornal

das Oficinas) 11 Patrícia Duarte e Joel Lebre (Motorbus)

12 Vando Barros e Vânia Gonçalves

7 8

9

10 11 12


7

1

5

a

Ga

2

1 Filipa Pereira (equipa Portugal

Motortec) 2 Entrada da Quinta do

Monte Redondo 3 Manuel Silva

(Autoflex) com Álvaro de Sousa Borrego

(ASB) 4 Carla Loureiro e Miguel Susano

(DMS Trucks) 5 Patrícia Bordalo

(Servidiesel) 6 Cláudio Delicado (LIQUI

MOLY Iberia) com Bruno Castanheira

(Jornal das Oficinas) 7 Grupo de

convidados espanhóis 8 Maria Estela e

Jorge Neves da Silva (ANECRA) 9 Pedro

Moura (Humberpeças) e José Luis Bravo

(ASER) 10 Manuel Guedes Martins

(MGM) muito ativo 11 Equipa do

Jornal das Oficinas 12 Pedro Luzindro

(apresentador da gala) 13 Luís Ribeiro e

Mickael Calisto (Reta, S.A.)

3

4

6

la

7

8 9

10 11 12 13


8

DESTAQUE

IV GALA TOP100

1 2 3 4

5

Os

Pre

mia

dos

1 Jorge Barbosa (Eurocofema) com

Mário Carmo (Jornal das Oficinas)

2 Joel Lebre (Motorbus), Miguel

Valentim (Global Parts), Miguel

Susano (DMS Trucks) e Hugo Perpétua

(Diamantino Perpétua

& Filhos) 3 Joel Lebre (Motorbus)

como Jorge Flores (Jornal das Oficinas)

4 Miguel Valentim (Global Parts) com

João Vieira (Jornal das Oficinas)

5 José Mira (MGES) com João Vieira

(Jornal das Oficinas) 6 Joaquim

Candeias (Ferdinand Bilstein Portugal)

com Miguel Angel Prieto (Autopos)

7 Armando Musqueira (Quimirégua)

com Paulo Franco (Jornal das

Oficinas) 8 Eugénio Pereira (LTintas)

com João Vieira (Jornal das Oficinas)

9 Pedro Jesus (Cometil) com Miguel

Angel Prieto (Autopos) 10 Miguel

Susano (DMS Trucks) com Bruno

Castanheira (Jornal das Oficinas)

11 Eugénio Pereira (LTintas), Armando

Musqueira (Quimirégua) e António

Silva (Autoflex) 12 Tiago Domingos

(Auto Delta) com Cláudio Delicado

(LIQUI MOLY Iberia)

6

7

8

9

10 11 12


9

1 Paulo Agostinho (AleCarPeças),

Albano Melo (Vieira & Freitas), Flávio

Menino (Autozitânia), Joaquim Sousa

(Sousa dos Radiadores), Joaquim

Candeias (Ferdinand Bilstein Portugal),

Ricardo Fumega (Sofrapa), Paulo

Rodrigues (Auto Recto) e Tiago

Domingos (Auto Delta) 2 Albano

Melo (Vieira & Freitas) com Nuno

Durão (Pro4matic) 3 Flávio Menino

(Autozitânia) com João Vieira (Jornal

das Oficinas) 4 Hugo Perpétua

(Diamantino Perpétua & Filhos) com

Paulo Franco (Jornal das Oficinas)

5 António Silva (Autoflex) com Mário

Carmo (Jornal das Oficinas) 6 Ricardo

Fumega (Sofrapa) com Mário Carmo

(Jornal das Oficinas) 7 Joaquim Sousa

(Sousa dos Radiadores) com Rui

Figueira (Bahco Portugal)

8 Paulo Agostinho (AleCarPeças) com

Grisélia Afonso (SKF Portugal) 9 Paulo

Rodrigues (Auto Recto) com Paulo

Franco (Jornal das Oficinas)

1

2

3

4

5

6

7

8

9


10

ATUALIDADE

II Congresso de Aftermarket da ASER

Programa

8h45 - 9h15 Acreditação

9h15 – 9h30 Sessão de abertura

9h45 – 10h45 Economia Magistral

Juergen B. Donges, Catedrático emérito de Ciências

Económicas da Universidade de Colónia (Alemanha)

e ex-presidente do Conselho de Especialistas

Económicos da Alemanha

11h00 – 11h50 Transformação Digital

Bernardo Hernández, empresário que “adora

entreter ideias e fazê-las acontecer”

12h00 – 12h50 Implementação de Processos

Digitais

Sanjay Sauldie, especialista na implementação de

processos digitais em empresas e orador de renome

sobre transformação digital e processos digitais

disruptivos

Convenção digital

Tendo como slogan “Olhar Sobre a Transformação Digital”, o II Congresso

de Aftermarket da ASER, que se realizará, no dia 26 de fevereiro, na IFEMA,

em Madrid, será um prelúdio da feira Motortec Automechanika

13h00 – 14h00 Novos perfis digitais,

transformação digital nas organizações (Debate)

Moderador: Chimo Ortega (jornalista e diretor da

secção motores da Rádio Capital)

Convidados: José Montes O’Connor (CEO do Grupo

Cegos), Miriam Cruz (Iberia & LATAM country

manager do Nigel Wright Group), Encarna Maroño

(diretor de organização e soluções do Grupo

ADECCO)

14h00 – 15h30 Cocktail

Faltam poucos dias para o II Congresso

de Aftermarket da ASER. Depois do

sucesso da primeira edição, a central

de compras de peças auto espanhola (hoje

é membro da Nexus Automotive e integra

a empresa portuguesa Humberpeças),

que nasceu, em abril de 2016, fruto da

união dos Grupos Agerauto e Gecorusa,

escolheu as instalações da IFEMA – Feria

de Madrid para realizar, no próximo dia

26 de fevereiro, este evento de extrema

importância para o setor. Tendo como

slogan “Olhar Sobre a Transformação Digital”,

o congresso contará com 12 oradores,

sendo já cerca de 200 os profissionais

confirmados. A ASER entende que a nova

era digital está recheada de mudanças e,

também, de oportunidades. Tanto mais,

que pretende que esta convenção sirva

de fonte de inspiração para transformar

a nova era digital que o atravessamos.

Serão conhecidas opiniões, partilhadas

experiências e realçada a importância da

transformação digital como a nova mudança

estrutural da economia.

Por: Bruno Castanheira

n EXPECTATIVA ELEVADA

José Luis Bravo, gerente da ASER, dá

conta da elevada expectativa gerada

em torno desta segunda edição: “Mal

terminou o período de férias que marcou

a época natalícia, muitas pessoas

abordaram-me para saber mais sobre

o congresso. Sem contar com os sócios,

nessa altura já estavam inscritas mais de

50 pessoas. Creio que o número ultrapassará

as 250 inscrições no dia do congresso.

É muito gratificante ver a adesão

das pessoas. Estou muito emocionado.

Esperamos um êxito enorme. Levámos seis

meses a organizar esta ação, incluindo a

elaboração de um site específico (www.

congreso-aser.com), onde se pode consultar

o programa, conhecer os oradores

e fazer inscrições”.

O congresso terá início às 9h15, com a

sessão de abertura. O primeiro orador a

entrar em palco será Juergen B. Donges,

Catedrático Emérito de Ciências Económicas

da Universidade de Colónia (Alemanha)

e ex-presidente do Conselho de

Especialistas Económicos da Alemanha,

que abordará o tema da Economia Magistral.

Seguir-se-á Bernardo Hernández,

empresário, que centrará a sua apresentação

na Transformação Digital. Para, depois,

Sanjay Sauldie, especialista na implementação

de processos digitais em empresas

e orador de renome sobre transformação

digital e processos digitais disruptivos,

falar precisamente sobre a implementação

de processos digitais. O programa da

manhã completar-se-á com o debate sobre

novos perfis digitais e transformação

digital nas organizações, que terá como

moderador Chimo Ortega (jornalista e diretor

da secção motores da Rádio Capital)

e como convidados José Montes O’Connor

(CEO do Grupo Cegos), Miriam Cruz (Iberia

& LATAM country manager do Nigel Wright

Group) e Encarna Maroño (diretora de organização

e soluções do Grupo ADECCO).

Depois do cocktail, terá lugar uma

Mesa Redonda subordinada ao tema

“Setor aftermarket – perspetiva global”.

Moderada por Gaël Escribe (CEO da Nexus

15h30 – 17h00 Setor aftermarket - perspetiva

global (Mesa Redonda)

Moderador: Gaël Escribe (CEO da Nexus

Automotive international)

Convidados: Christian Lamon (diretor global de

contas aftermarket da Philips)

Damien Martin (diretor global de contas e

desenvolvimento de canais da Valeo Service)

Michael Geiger (VP OE vendas & marketing Europe

da Exide Technologies)

Juan Miguel Sucunza (conselheiro-delegado do

Grupo Berkelium, CEO da ICER Brakes e presidente

do Grupo Azkoyen)

17h00 – 17h15 Sessão de encerramento

Automotive international), contará com a

participação de Christian Lamon (diretor

global de contas aftermarket da Philips),

Damien Martin (diretor global de contas

e desenvolvimento de canais da Valeo

Service), Michael Geiger (VP OE vendas &

marketing Europe da Exide Technologies)

e Juan Miguel Sucunza (conselheiro-delegado

do Grupo Berkelium, CEO da ICER

Brakes e presidente do Grupo Azkoyen).

A sessão de encerramento do congresso

está agendada para as 17h. Q

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


Este é o Rui Almeida, proprietário e gestor

da oficina de reparação A. H. Almeida, na

Bobadela, Portugal.

A sua oficina é mais do que um negócio,

faz parte da sua família e da sua vida.

No nosso centro de #OFICINASORIGINAIS

juntamos os Verdadeiros Originais, de

oficinas de todo o mundo, que confiam

na TRW e partilham a nossa dedicação

à excelência. Verdadeiros profissionais que

utilizam as suas ideias e soluções originais

para se certificarem de que as suas oficinas

são as melhores naquilo que fazem.

Visite #OFICINASORIGINAIS para ouvir as

suas vozes e descobrir alguns conselhos que

fazem os clientes regressar sempre às suas

oficinas.

OFICINAS

SERVIÇO AO CLIENTE

ORIGINAIS

www.trwaftermarket.com/oficinasoriginais

Parte da ZF Aftermarket, cada peça TRW é concebida para superar desafios, tal

como os colaboradores dedicados de todo o mundo que as fazem chegar até

si. Apoiados por uma rede global de especialistas no mercado de pós-venda, os

produtos TRW ditam os padrões da segurança e da qualidade.


12

OBSERVATÓRIO

Conceitos de Mobilidade

Pernas para que vos quero

O Walking Car Concept é a prova de que um veículo também pode ter pernas. Criado pela Hyundai, o novo

protótipo apresentado no CES 2019, em Las Vegas, promete revolucionar a mobilidade e o apoio a emergências

Por: Jorge Flores

No mundo da mobilidade, hoje, um

projeto desenvolvido pela indústria

automóvel nem sempre tem

pernas para andar. Mas esse não parece

ser o caso do protótipo desenvolvido pela

Hyundai: o Elevate! Este concept não apenas

dispõe de pernas “robóticas”, como

promete utilizá-las para ultrapassar qualquer

adversidade. Concebido pela marca

sul-coreana, mediante enorme secretismo,

o Elevate foi apresentado na edição de 2019

do Consumer Eletronics Show (CES), em

Las Vegas.

Também conhecido por Walking Car Concept

ou por The Verge, o Hyundai Elevate

lança um novo conceito de mobilidade,

designado Ultimate Mobility Vehicle, trazendo

consigo uma missão assumida. As

quatro pernas de que foi dotado não são

um mero argumento estético. Têm uma

responsabilidade. Ou seja, destinam-se

a conferir-lhe competências únicas para

responder a situações de emergência. Sejam

elas de grande magnitude (como, por

exemplo, um desastre natural, permitindo

às equipas de socorro escalar destroços

de difícil acesso, andando, como se de um

animal se tratasse, por entre montanhas,

florestas ou zonas rochosas), sejam de menor

dimensão (como o apoio a pessoas de

mobilidade reduzida, na subida e descidas

de escadas).

n DESIGN MODULAR

O Elevate nasceu do casamento entre as

capacidades da mobilidade elétrica com o

mundo da robótica, evidente na amplitude

de movimentos das suas pernas. Durante

a conceção deste conceito, o fabricante

sul-coreano procurou inspirar-se na forma

de locomoção dos répteis e mamíferos. O

protótipo dispõe de um design modular

e tem ainda, como grande vantagem, o

facto de permitir a mudança da carroçaria

colocada sobre a plataforma, o que o torna

extremamente versátil para o cumprimento

de vários tipos de funções e atividades.

Observando as imagens do Elevate, a

associação à sonda Mars Rover é quase

imediata. Algo que a própria Hyundai

admite, uma vez que a tecnologia envolvida

é idêntica à utilizada em veículos de

exploração espacial. Apesar do recurso a

quatro pernas e da apresentação oficial

realizada, recentemente, no certame norte-

-americano, o Elevate ainda tem um longo

caminho pela frente até ver a luz do dia.

Por enquanto, a Hyundai exibiu apenas um

modelo à escala de 1/8, mantendo reservas

quanto ao seu fabrico e utilização real. Q

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


YES WE HAVE

30.000 referências • 140 linhas de produto • gama Asiática, Europeia e Americana

NOVO ARMAZÉM

PARA UM TOTAL

DE 53.000 METRO

QUADRADOS

ESTAMOS

EXPANDINDO

A GAMA

EUROPEA

www.japanpartsgroup.com


14

TECNOLOGIA

Porsche 911

Precisão germânica

A oitava geração do Porsche 911 Carrera, designada internamente por 992, já se encontra

em comercialização. Desenvolvida sobre a plataforma do modelo anterior, a MMB, recebeu alterações

profundas também a nível mecânico, que vamos esmiuçar nestas duas páginas

Por: Ricardo Carvalho

O

Porsche 911 é um verdadeiro

ícone mundial. E vai ficando cada

vez melhor e mais apelativo com

o passar dos anos. É daqueles superdesportivos

que faz parte do imaginário de

cada um. Mas que, ao contrário de muitos,

não está assim tão fora de alcance. O 911

vê-se com alguma frequência nas nossas

estradas, o que denota o interesse que

encerra em si mesmo. A nova geração 992

sofreu profundas alterações a nível mecâ-

nico. Não só no motor, mas, também, nas

suspensões, travões, direção e chassis. Para

já, a marca de Zuffenhausen apenas deu

a conhecer detalhes das versões Carrera

S e Carrera 4S. O motor, de 3,0 litros, com

dois turbocompressores, é o mesmo do

modelo da anterior geração, mas chega,

agora, aos 450 cv (mais 30 cv), graças a

modificações efetuadas no sistema de injeção

e nos turbos. Mas vamos por partes,

começando, precisamente, pelo bloco.

n MOTOR 9A2 EVO

É esta a designação da evolução do motor

de 3,0 litros que equipa a nova geração

992. São seis cilindros horizontais opostos

(boxer), com 2.981 cc, injeção direta e dois

turbocompressores. Debita 450 cv às 6.500

rpm e disponibiliza 530 Nm de binário,

constantes entre as 2.000 e as 5.000 rpm.

A relação de compressão subiu de 10,0

para 10,2:1. É elevada, sim, mas dentro

dos parâmetros para um motor turbo

moderno. O bloco é em alumínio, com camisas

de ferro fundido, cuja superfície foi

tratada com plasma pulverizado. Para a lubrificação,

a Porsche utiliza um sistema de

cárter seco construído em plástico. Desta

forma, o óleo é armazenado num depósito

adicional, que garante que não existem

perdas no bombear do óleo quando se

descrevem curvas a grande velocidade. A

posição do motor foi avançada, de forma

a melhorar a distribuição de massa e a

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


15

“abrir” espaço para que, no futuro, possam

ser lançadas versões híbridas.

A localização dos suportes ativos posteriores

do motor foi alterada (os dianteiros

estão no mesmo local). Anteriormente,

estavam ligados entre si através de uma

“ponte” presa ao cárter. Encontravam-se

aparafusados aos extremos da carroçaria.

Agora, também estão apoiados nestes

extremos, mas não ligados entre si. Em

vez disso, estão posicionados 168 mm

mais à frente e 113 mm mais para fora.

Ou seja, esta nova localização aumenta

a rigidez e beneficia a dinâmica, uma vez

que existe menos interferência entre os

movimentos do motor e os da carroçaria.

Para aumentar a potência, a Porsche

mudou os turbocompressores, que são,

agora, de maiores dimensões e contam

com válvulas de descarga elétrica em vez

de pneumática. A pressão da sobrealimentação

é de 1,20 bar.

O diâmetro da turbina é de 48 mm e

o do compressor de 55 mm. A posição

dos turbos também foi alterada. Agora,

são simétricos, porque os rotores giram

em sentidos opostos e os coletores de

escape e de admissão têm o mesmo

comprimento na direção de ambas as

bancadas de cilindros. A válvula de descarga

dos turbos desvia o fluxo de gases

de escape que sobra, diretamente para os

Travões

A nova geração do 911 tem disponíveis dois

tipos de travões, ambos desenvolvidos pela Brembo.

Os de série incluem discos de ferro fundido, pinças

fixas de seis pistões à frente e quatro atrás. Depois,

existe um segundo sistema de travagem de maiores

dimensões, com discos de duas peças de material

cerâmico com núcleo de alumínio. Uma das

novidades é o facto de os discos de série terem mais

20 mm de diâmetro no eixo traseiro para compensar

o tamanho superior das jantes. Outra novidade

diz respeito ao facto de o sistema de travagem ser

produzido sem componentes que contenham cobre.

Este sistema, by-wire, carece de ligação física entre

o pedal e o circuito hidráulico. O novo mecanismo do

pedal de travão foi feito com uma chapa de aço 300

g mais leve do que a do modelo da anterior geração

e conta com plástico reforçado com fibra de carbono.

Chassis e carroçaria

A proporção de metais utilizados na produção da carroçaria do novo 911 (992) mudou

face ao anterior 911 (991). A proporção de materiais fundidos aumenta de 9 para 13% (na

geração 997 não existiam peças de fundição na carroçaria). Agora, a quantidade de alumínio

é maior e há menos chapas de aço. As portas são de alumínio, tal como alguns painéis da

carroçaria, os perfis extrudidos em elementos como os pilares dianteiros e traseiros, os

estribos e os reforços da zona inferior da carroçaria. De acordo com a marca alemã, estas

mudanças estruturais representam um ganho de 5% em resistência à torsão e à flexão, que,

agora, é superior em 39.000 Nm. O peso total foi reduzido em 12 kg. A distribuição de peso

no novo 911 Carrera S é de 39% para o eixo dianteiro e de 61% para o eixo traseiro.

Suspensão

O novo 911 não recebeu modificações substanciais na estrutura da suspensão. Continua a ser do

tipo McPherson no eixo dianteiro e aposta no esquema multibraços no eixo traseiro, com 1.589 mm

de largura na via dianteira (mais 46 mm) e 1.557 mm na via traseira (mais 39 mm). A marca alemã

propõe dois ajustes possíveis: o de série (chassis normal) e um mais desportivo (chassis Sport),

rebaixando este último em 10 mm a altura da carroçaria. Com o chassis normal, as molas têm uma

firmeza de 30N/mm à frente e de 72N/mm atrás (no modelo da anterior geração tinham 26N/mm e

63N/mm, respetivamente, pelo que, agora, são 15 e 14% mais firmes). Com o chassis Sport, a firmeza

também aumenta. Tudo sem beliscar o conforto. Na suspensão PASM (Porsche Active Suspension

Management), a marca alemã substituiu os anteriores amortecedores Bilstein, com firmeza regulável,

por uns cuja firmeza, também é regulável, mas de forma progressiva em qualquer ponto intermédio

entre o máximo e o mínimo (Bilstein DTX). Para que isto seja possível, o sistema de válvulas interno e

as câmaras que controlam a compressão são diferentes, assim como a programação de controlo, que é,

agora, mais eficaz.

catalisadores. Desta forma, consegue-se

um aquecimento mais rápido do motor

no arranque.

n EMISSÕES MAIS BAIXAS

Uma das grandes novidades é a adição

de um filtro de partículas para reduzir o

nível de emissões. Os intercoolers mudam

de posição e são 14% maiores. Estão

localizados na parte superior do bloco,

logo abaixo das grelhas da ventilação. Os

filtros também foram reposicionados. A

pressão de injeção do combustível é de

200 bar e é otimizada com novos injetores

piezoelétricos em vez de eletromagnéticos.

Estão colocados em posição central,

permitem cinco injeções por ciclo e estão

orientados para o exterior da câmara de

combustão.

Outra medida adotada para melhorar

o rendimento termodinâmico do motor,

foi a introdução de árvore de cames assimétricas,

que permitem variar a abertura

das válvulas de admissão de forma

independente. É uma evolução do sistema

VarioCam Plus da Porsche. Para melhorar

a acústica do motor, a marca alemã

montou um novo sistema de válvulas de

saída de escape, acionadas por motores

elétricos, que abrem de forma variada e

em posições intermédias para modular,

com maior precisão, o som do escape. Q

www.jornaldasoficinas.com Fevereiro I 2019


ENTREVISTA

16

A Motortec

é a segunda

maior feira

da Europa

A pouco mais de um mês da abertura de portas da 15.ª

edição da Motortec Automechanika Madrid, o Jornal das

Oficinas esteve à conversa com David Moneo. O diretor

da feira abordou o conceito do maior certame ibérico

dedicado ao aftermarket e explicou as razões que estão na

génese do otimismo gerado em torno da edição deste ano

Por: Joana Calado

De 13 a 16 de março, todos os caminhos

irão dar à Motortec Automechanika

Madrid. A pouco mais de

um mês para a abertura de portas da 15.ª

edição, a feira já ultrapassou, de acordo

com a organização, em 5% a superfície ocupada

em 2017. A expectativa gerada em

torno da edição deste ano suscita, por isso,

grande otimismo, razão pela qual a IFEMA,

organizadora do evento, prevê ultrapassar

os 60.000 visitantes profissionais, incluindo

representantes de mais de 30.000 oficinas

de Espanha e Portugal. A feira, consolidada

que está como sendo a principal plataforma

de negócio para o aftermarket no sul da

Europa, representa uma oportunidade

comercial especialmente atrativa para o

mercado português, com o qual a Motortec

Automechanika Madrid mantém, aliás, uma

estreita relação através da ANECRA, tendo

estado presente na convenção de 2018

desta última, que se realizou, nos passados

dias 9 e 10 de novembro, em Lisboa.

Como define o conceito da Motortec

Automechanika Madrid?

A Motortec Automechanika é uma feira

para fazer negócios mas, também, é conhecimento

e experiência. Um novo pa-

radigma de mobilidade e relacionamento

com clientes e utilizadores está a emergir,

baseado em grandes mudanças tecnológicas.

Não sabemos a que velocidade e com

que intensidade tal ocorrerá. Mas temos de

estar preparados. Na Motortec, estamos a

preparar-nos para essas mudanças. Porque,

como disse, a Motortec é uma feira para

fazer negócios mas, também, para pensar

em como melhorá-los e garantir que

possamos continuar a fazê-los no futuro.

Motortec é (e será) conhecimento.

O que distingue esta feira das restantes

que têm lugar na Europa?

A Motortec faz parte da família Automechanika

e isso é, por si só, um elemento

diferenciador de qualidade. Por outro

lado, é uma feira que se consolida como

referência para o sul da Europa, devido à

força do mercado ibérico (a soma dos mercados

português e espanhol). A presença

dos principais fabricantes de componentes

(Bosch, Brembo, Hella, Valeo e Schaeffler,

entre outros), com stands superiores a

200 m2, posiciona a Motortec como a segunda

maior feira da Europa (atrás apenas

de Frankfurt), estando entre as cinco mais

importantes do mundo.

Quais são os principais setores que estarão

presentes?

Todos os setores e segmentos do aftermarket

estarão representados, com especial

ênfase na inovação tecnológica da indústria

de componentes, que será representada

pelas empresas líderes em tecnologia para

o ramo automóvel. Especialmente os componentes,

as peças de reposição, os lubrificantes,

os pneus, os equipamentos para

estações de serviço e os equipamentos para

oficina terão uma presença muito importante.

Além disso, nesta edição, de modo a

impulsionar a próxima, que acontecerá em

2021, daremos visibilidade à Economia Circular,

valorizando as empresas dedicadas à

recuperação de materiais e à remanufatura.

De que forma estará representada a

indústria dos pneus?

Este setor estará representado na sua totalidade,

através dos principais distribuidores

da Península Ibérica. Os distribuidores

em exposição têm uma rede de oficinas

superior a 2.000 pontos, entre Espanha e

Portugal. Essas oficinas visitarão a Motortec,

e ajudarão a cumprir o nosso principal objetivo,

que é atrair o maior número possível

de oficinas à feira.

Quais serão os pontos fortes da Motortec

Automechanika Madrid?

Esta é uma feira feita para as oficinas.

Visitar a Motortec é uma experiência de

conhecimento, que ajuda os profissionais

das oficinas, que são, no fundo, quem assegurará

a mobilidade do futuro, a enfrentarem

com confiança os desafios do

futuro imediato. Visitar esta feira permite

transformar as ameaças de mudança em

oportunidades reais de negócio.

Quais serão as principais novidades e

inovações?

Os expositores apresentarão as últimas

inovações nos domínios da conectividade,

veículos autónomos e digitalização da

oficina. A nova Galeria Inovação será um

palco onde os visitantes poderão descobrir

a grande tecnologia atualmente presente

no setor. Por outro lado, também marcarão

presença as últimas inovações em matéria

de energias alternativas. Não apenas aplicadas

a veículos mas, também, em tudo o que

esteja relacionado com o carregamento

dos mesmos. Por outro lado, como suporte

para o empreendimento, apresentaremos

a Motortec Lanzadera. Uma área que dará

visibilidade às start-ups mais inovadoras

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


David Moneo

Diretor da Motortec Automechanika Madrid

17

relacionadas com o setor do pós-venda e

a nova mobilidade. Expositores e visitantes

terão a oportunidade de conhecer, em primeira

mão, projetos que já estão em curso.

E outros que serão realizados no futuro.

Tudo isso através de apresentações diárias

dos melhores e mais significativos projetos

de empreendedorismo do setor na Europa.

Qual a área total de exposição e o número

de expositores previstos para a

edição de 2019?

A Motortec 2019 ocupará uma área de

exposição de 40.000 m 2 e contará com a

participação de mais de 600 empresas expositoras,

das quais 200 vêm de fora da

Península Ibérica. Além disso, a Hankook,

líder mundial, estará presente com um

stand promocional, de “mãos dadas” com

o seu distribuidor em Espanha e Portugal.

Os principais fabricantes de peças de

reposição estarão presentes. E quanto

aos fabricantes de veículos? Contarão

com algumas marcas?

Sim, claro. Estará a VW, com a sua empresa

pro Service e, pela primeira vez, o

Grupo PSA, que, com uma grande implantação,

apresentará as suas marcas Distrigo

e Eurorepar.

Como define o perfil do visitante?

É muito profissional, com enorme poder

de decisão dentro das suas organizações.

Está muito orientado para os resultados

e revela muito interesse no futuro e em

como aproveitar as oportunidades que

serão apresentadas num curto espaço de

tempo.

Que ações se desenrolarão para promover

contactos e oportunidades de

negócio para os expositor?

Estamos a trabalhar num programa de

compradores convidados, de grande nível

e oriundos dos mercados mais interessantes

para os nossos expositores, bem como

apostaremos numa agenda de reuniões

B2B, entre outras iniciativas, para ajudar

as empresas a tirar o máximo proveito da

sua presença na Motortec.

Durante a feira, existirão diversas atividades

paralelas. Quer destacar algumas,

em particular o concurso Melhor Técnico

Motortec?

De facto, o concurso Melhor Técnico Motortec,

que será a sua segunda edição, é

uma atividade marcante da ampla agenda

de jornadas profissionais que acontecerão

no âmbito do salão. Como novidade, nesta

ocasião, para além de reconhecer o melhor

técnico de Espanha, haverá, também, um

reconhecimento do melhor de Portugal.

Mas existirão mais ações igualmente importantes,

como um Encontro de Redes

de Oficinas, outro sobre transporte de

mercadorias em estradas e um terceiro

focado nas estações de serviço, intitulado

“Um novo cenário de mobilidade”. O primeiro

Congresso de Oficinas de Veículos

Industriais ou o II Observatório do Mercado

de Pós-venda Oficial também merecem

especial atenção.

Que objetivos pretendem alcançar com

a realização deste concurso?

O objetivo não é outro senão chegar

ao maior número de técnicos em toda a

Península Ibérica, criar uma relação com

eles reconhecendo o valor do trabalho que

fazem todos os dias, mostrar-lhes que a

Motortec é a feira deles, ajudá-los e orientá-los

para um futuro de sucesso.

O que será apresentado na Galeria Inovação?

Através da Galeria Inovação, daremos a

conhecer uma seleção dos produtos mais

inovadores da feira, mostrando, assim, o

melhor perfil inovador do setor e o seu

notável esforço em I&D. São precisamente

as empresas expositoras as protagonistas

desta iniciativa, que já demonstrou a sua

eficácia em ocasiões anteriores. As empresas

estão ativamente envolvidas nesta

iniciativa e estão conscientes dos benefícios

que proporciona esta ação, que dá a

máxima visibilidade à sua oferta.

Que análise faz da evolução do pós-

-venda na Península Ibérica? Acredita

que 2019 será um bom ano para as

empresas?

De acordo com o ambiente que se respira,

acredito que vá ser positivo. Embora preveja

desafios difíceis, percebo que há uma

vontade de enfrentá-los com as melhores

garantias de sucesso.

Em poucas palavras, explique porque

considera importante que os profissionais

do aftermarket visitem a Motortec

Automechanika Madrid. Quais são as

vantagens de visitar a feira este ano?

A Motortec Automechanika Madrid é o

evento que os profissionais do setor não

podem perder, caso queiram estar atualizados

sobre as últimas novidades da indústria.

A feira pressupõe negócios, inovação,

tecnologia, conhecimento, experiência e

antecipação do futuro. Tudo argumentos

muito sólidos que incentivam os profissionais

a marcar presença na Feria de Madrid.

Este ano, apostam forte na divulgação

da feira para o mercado português. Qual

a importância do nosso país para a Motortec

Automechanika Madrid?

A Motortec é um fiel reflexo do aftermarket.

E o setor considera ambos os países

como um mercado único. Portanto, para a

Motortec, o mercado português não só é

importante, como é tão importante como

o mercado espanhol. Se assim não fosse,

estaríamos a seguir na direção oposta

àquela que o próprio setor está a tomar.

Que ações foram delineadas para incentivar

os profissionais portugueses

a visitar a feira?

Em primeiro lugar, continuamos com

acordos de colaboração com as principais

associações industriais de Portugal.

Estas já fazem parte da Motortec e não

são simples colaboradores externos. Estamos,

também, a promover uma intensa

divulgação das diferentes atividades entre

os profissionais portugueses. Além disso,

os concursos para técnicos foram abertos

ao mercado português. Os congressos e

fóruns terão a sua referência a Portugal e

haverá tradução simultânea. Mais: todos

os cartazes da feira incluirão três idiomas:

espanhol, português e inglês.

Como avalia a participação de empresas

portuguesas nas últimas edições da Motortec

Automechanika Madrid?

Tem sido muito boa, mas estamos a trabalhar

para conseguir uma maior integração

e conexão com as empresas portuguesas.

Estamos convencidos de que, através das

associações e meios de comunicação portugueses,

conseguiremos uma integração

completa.

Que previsões faz em relação ao número

de visitantes portugueses para a edição

deste ano?

Estou convencido que iremos superar os

números da edição anterior, que revelaram

que 50% dos visitantes internacionais vieram

de Portugal. Existem, pois, todos os

ingredientes para que a edição deste ano

seja um sucesso. ✱

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


18

ENTREVISTA

DAVID LEGRANT

CEO da Medicare

Também trabalhamos a

saúde dos automóveis

Com mais de uma década de experiência na área da saúde, a Medicare começa a expandir-se para outros

domínios. Desde a alimentação à veterinária, o caminho traçado levou-a, agora, ao ramo automóvel.

Com o novo Medicare Auto, a empresa garante um desconto de 50% nos custos anuais com o veículo,

incluindo combustível, revisões e troca de pneus

Por: Joana Calado

Não é a primeira incursão fora da

área da saúde, mas é aquela onde

a empresa mais aposta. Lançado

há três meses, o novo Medicare Auto,

criado para todas as pessoas, tenham

elas viatura ou não, permite reduzir para

metade as despesas anuais associadas ao

automóvel. David Legrant, CEO da Medicare,

explicou à jornalista Joana Calado

todas as vantagens e características deste

inovador produto.

Pode fazer-nos uma viagem pela história

da Medicare, sabendo-se que se

trata de uma marca de planos de saúde

que, através do sistema “Managed Care”,

gere uma das maiores e melhor apetrechadas

carteiras de planos de saúde em

Portugal?

A Medicare é uma empresa com mais

de uma década de presença em Portugal.

Atualmente, somos líderes de mercado na

comercialização de planos de saúde. Temos

um produto a que chamamos o nosso produto

estrela, o plano platinum, com o qual

conseguimos fazer mais de 10 mil vendas

mensais. É um produto bastante completo

e que as famílias portuguesas têm acolhido

bastante bem.

É o Medicare Auto a primeira incursão

da marca fora da sua área tradicional de

atuação (os planos de saúde)?

Não é a primeira, mas podemos afirmar

que é aquela em que apostamos mais. Já

enveredámos, também, pela área animal,

com o VETCARE, e já entrámos na área

da alimentação, com o maisSABOR. E,

há três meses, com base num estudo de

mercado que elaborámos no ano transato,

identificámos que a área automóvel era

onde sentimos que poderia haver espaço

para criar um novo produto, à imagem

daquilo que a Medicare faz na área da

saúde. Já que trabalhamos a saúde das

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


Veja o vídeo em www.jornaldasoficinas.com

19

pessoas, porque não trabalhar a saúde

dos automóveis?

O Medicare Auto também existe noutros

países ou, neste momento, está apenas

em Portugal?

O teste piloto está a ser feito em Portugal.

As expectativas são bastante elevadas. Os

três primeiros meses de vida deste novo

produto identificam que a margem de progressão

é muito grande. Os resultados a

alcançar para este ano são bastante ambiciosos.

Em que consiste e de que forma pode

ser subscrito o Medicare Auto?

O Medicare Auto é olhar para o automóvel.

Ver todas as necessidades que as

famílias têm para o automóvel, ver todos

os custos que as famílias têm mensalmente

com o automóvel e tentar negociar com

os prestadores de serviços descontos para

as famílias. É um desconto para todos os

custos que os consumidores têm com a

sua viatura, desde combustível até troca de

pneus, passando pelas revisões. A Medicare

está presente com um produto diferenciador

nesta área, que propõe um desconto

significativo para as famílias.

Que tipo de descontos oferece o Medicare

Auto nas despesas do automóvel?

Existem limites ou áreas de reparação

que não estejam abrangidas?

Basicamente, ao dia desta entrevista, tudo

o que está relacionado com o automóvel

tem um desconto associado. E estes descontos

são significativos. Contemplamos

que as famílias portuguesas gastam, em

média, no automóvel, €1.200 por ano, com

revisões, troca de pneus e mudanças de

óleo. Se avaliarmos que o nosso plano custa

ao consumidor final entre €20 a €29 por

mês, conseguimos concluir que o produto

Medicare Auto dá um desconto na ordem

dos €600 por ano, reduzindo, para metade,

os custos associados ao automóvel.

Quem pode ter acesso a este plano, que

requisitos têm os subscritores de cumprir

e onde pode ser subscrito o plano

(junto da Medicare, agências)?

Todas as pessoas podem ter acesso a este

serviço. A Medicare foi mais além. Até as

pessoas que ainda não têm automóvel

podem aderir a este produto. Se querem

comprar carro, podem adquirir o plano

Medicare Auto e quando vão às marcas

terão um desconto.

De que forma fazem acordos com as

oficinas?

Vamos entrar naquilo que é a força da

Medicare. Temos cerca de um milhão e 300

mil clientes em Portugal. Parecendo que

não, esta massa de clientes ou de potenciais

clientes dá-nos alguma força e credibilidade.

É natural que as pessoas queiram ter

mais um milhão e 300 mil clientes a entrar

na sua empresa ou na sua oficina. Nesse

sentido, é fácil negociarmos e fazermos

parcerias face à credibilidade da nossa

marca. Além deste ser um projeto inovador

que não existe, hoje, em Portugal, que faz

com que sejamos muito bem recebidos por

parte dos prestadores de serviços.

O sistema “Managed Care”, cuja política

assenta na busca criteriosa de parceiros

e prestadores de cuidados de saúde, de

forma a dar acesso a uma rede exclusiva

com abrangência nacional (incluindo

ilhas), também se aplica ao Medicare

Auto?

Sim. A Medicare, na rede médica em

Portugal, tem uma equipa de controlo

de qualidade que, todos os meses, visita

os nossos parceiros e avalia como estão a

ser atendidos os nossos clientes. O controlo

de qualidade deverá verificar se a forma

como o cliente Medicare está a ser atendido

é, de facto, a forma que consideramos

justa e correta. Há, por isso, uma validação

mensal de todos os nossos parceiros. Esta

foi a lógica com que criámos a equipa da

Medicare Auto. Todos os parceiros prestadores

de serviços primam pela excelência.

É expectável que o Medicare Auto possa

evoluir no futuro? De que forma? Mais

serviços incluídos? Descontos em mais

áreas relacionadas com o automóvel?

A Medicare tem uma política comercial

muito ambiciosa. Estamos, constantemente,

à procura do melhor desconto no melhor

prestador para o nosso cliente. Independentemente

de o prestador já ser nosso parceiro

há algum tempo, a Medicare continua a ir

visitar esse prestador, não só pelo controlo

de qualidade, mas, também, porque quer

sempre dar mais ao cliente final. Tudo aquilo

que conseguimos negociar, transpomos

essa mais-valia para o cliente final. É a nossa

filosofia de negócio e é assim que conseguimos

fidelizar os clientes.

É possível facultar-nos números do Medicare

Auto, nomeadamente quantos

planos foram já contratados (em Portugal

e no mundo) e quais os custos

envolvidos para os subscritores?

O nosso objetivo para o primeiro ano no

mercado é vender 15 mil planos. Neste

momento, estamos no bom caminho e o

feedback que temos tido dos clientes (atuais

e potenciais) é muito grande.

É possível falar em número de colaboradores

alocados, especificamente, ao

Medicare Auto ou a equipa é comum à

dos planos de saúde Medicare?

Temos uma equipa exclusiva para cada

projeto e para cada produto. Neste momento,

o Medicare Auto tem 10 pessoas

a trabalhar, em exclusivo, neste projeto,

fora as áreas transversais da empresa, nomeadamente

o serviço de call center, que

trabalham para todos os projetos, como é

óbvio. Mas pensamos que, com o volume

de clientes que queremos atingir, podemos

fazer crescer a equipa ainda durante o primeiro

ano para mais 10 pessoas.

Caso tenham dúvidas acerca do plano e/

ou serviços, como podem os subscritores

do Medicare Auto esclarecê-las? Existe

algum call center de apoio ou disponibilizam

uma solução digital (app ou site,

por exemplo)?

Qualquer dúvida que o cliente tenha, seja

ele cliente ou não cliente, aconselhamos

sempre a ligar para a linha de apoio. Esta

linha está disponível seis dias por semana

para esclarecer qualquer dúvida sobre este

ou outro projeto que tenhamos.

Estão os subscritores limitados a um número

de manutenções ou reparações?

Existe alguma espécie de franquia para

os clientes mais assíduos das oficinas?

E no caso concreto dos combustíveis e

acessórios? Há limites?

Não existem limites. Mesmo que o veículo

avarie todas as semanas, cobrimos.

Também não existe nenhuma franquia

associada ao serviço. ✱

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


MÁQUINAdoTEMPO

20

Desejo que

a empresa

continue

além de mim

e a evoluir

Presente no mercado da repintura automóvel há 34 anos, em Leiria, a história da Sodicor continua a pintar-se

de cores vivas. Joaquim Lavos, o seu fundador, tem imenso prazer em estar no ativo

Por: Jorge Flores

Os anos passam, mas o negócio da

Sodicor continua a pintar-se de cores

vivas. Joaquim Lavos, fundador

da empresa, ainda se recorda dos primeiros

tempos em que se dedicou à atividade,

incentivado por um amigo, comercial no

ramo das tintas, nos idos de 1983, um

“período de incubação”, como ele prefere

rotular. “Na altura, ia deixar uma atividade

industrial e poderia abraçar qualquer novo

projeto que me atraísse. O entusiasmo de

um amigo encaminhou-me para este, onde

vi uma oportunidade de fazer algo diferente

do que se fazia na altura”, conta ao

Jornal das Oficinas. A partir daí, não mais

parou. “Adquiri o meu primeiro stock de

mercadoria, comecei a visitar e a angariar

a minha carteira de clientes. A carteira foi

crescendo assim, como as referências no

meu stock. A dada altura, tive necessidade

de admitir o primeiro colaborador, que também

teve um papel importante no crescimento

do negócio. Na sequência disso,

convidei-o para meu sócio e, assim, nasceu

a Sodicor, em 1985”, recorda.

n REALIDADES DISTINTAS

O mercado da repintura automóvel mudou

muito ao longo destes 34 anos. Evoluiu

bastante. Joaquim Lavos tem perfeita

noção das diferentes realidades do setor.

“A evolução tecnológica dos produtos e

sistemas de trabalho é enorme. Nos anos

80, não se sonhava com tintas base água

e os produtos de dois componentes ainda

eram uma miragem. Em pouco mais de

10 anos, passou-se, rapidamente, para a

utilização hegemónica da base água na

repintura automóvel, a lixagem a seco com

aspiração, passou a ser uma realidade”,

Cronologia de uma (longa) história de momentos coloridos, pelas palavras de Joaquim Lavos

1997 - Associada Cor

Madeira (Funchal)

“Foi grande desafio. Já visitávamos a região há

10 anos. A minha primeira viagem à Madeira

foi em janeiro de 1990. Fi-la a convite da nossa

representada em tintas (na altura Valentine

Portugal), para fazer uma apresentação de

equipamentos e acessórios de pintura. Não havia

oferta consistente deste tipo de produtos na

Madeira. Fiquei agradavelmente surpreendido

com a quantidade de encomendas que recolhi,

na sequência da apresentação que fiz. Continuei

a visitar a Madeira com alguma regularidade,

expedindo as encomendas a partir de Leiria.

Passado algum tempo, começámos a notar

que, para manter o negócio nesta região, era

fundamental criar uma estrutura local. Em 1997,

tivemos a oportunidade de juntar as tintas da

nossa representada (nesta altura já tinha evoluído

para Spies Hecker) e fundámos a Cor Madeira”.

1999 - Associada Cor Maior

(Rio Maior)

“A Cor Maior foi uma oportunidade que nos surgiu,

que confinava com a nossa zona de ação de Leiria e

que não podíamos deixar de agarrar. Estendemos,

assim, a nossa zona de ação, de Leiria até Rio Maior”

2005 - Inauguração das atuais

instalações do ponto de venda da

Madeira

“A nossa primeira loja na Madeira estava localizada

no Funchal (Beco Dr. Joaquim Carlos), onde o espaço

já escasseava e as acessibilidades não eram as

melhores. O crescimento da nossa atividade naquela

região levou-nos a apostar num espaço maior, no

Parque Empresarial da Abegoaria, contíguo ao

Parque Industrial da Cancela, que é servido por uma

via rápida que permite a fácil deslocação de e para

qualquer ponto da ilha”

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


JOAQUIM LAVOS

Fundador da Sodicor

21

adianta. Os equipamentos de apoio à repintura

automóvel também evoluíram, a

par dos produtos. “Seja o aparecimento

de cabinas de pintura com caudais de

extração adequados, seja a evolução das

pistolas de pintura para baixa pressão, seja

a introdução de equipamentos para acelerar

a secagem das pinturas, entre outros.

Hoje, a evolução tecnológica dos produtos

caminha para a economia dos custos com

a energia, nomeadamente dispensando a

utilização de calor na cabina de pintura”,

explica Joaquim Lavos.

“Quando penso nos anos 80 e hoje, reparo

que o fator de produção ‘tempo’ passou a

ter uma importância preponderante sobre

os demais. Anteriormente, centrávamo-nos

mais sobre os produtos e características.

Temos a sensação de que tudo funcionava

a um ritmo mais lento. E assim era, efetivamente.

Basta pensar que, na maioria das

encomendas que satisfazíamos, o espaço

de tempo entre a encomenda e a entrega

era de uma semana. Hoje, a oferta é diversificada,

com várias soluções de produto para

o mesmo fim. Então, temos de nos centrar

no processo de trabalho mais adequado e

mais rentável para a realidade específica

do nosso cliente. Na maioria dos casos, o

aspeto mais importante é encontrar o produto

e o processo que permitam ao nosso

cliente produzir mais no mesmo tempo

de trabalho disponível e economizando

gastos com materiais e energia”, salienta

o responsável.

n RECEITA DE SUPERAÇÃO

As histórias de sucesso não estão isentas

de momentos mais difíceis. Mas existe

sempre forma de superá-los. “As empresas

devem procurar ter agilidade para contornar

obstáculos. Com maior ou menor dificuldade,

vamos contornando os que se

nos vão deparando. Qualquer empresário

pensa imediatamente em questões fiscais,

que são penalizadoras para a tesouraria

das empresas. Qualquer empresário pensa,

também, na tributação, que só pode considerar

excessiva atendendo ao nível de

serviços que o Estado nos disponibiliza,

ou não disponibiliza, ou disponibiliza com

demasiada morosidade. O maior obstáculo

que tivemos de vencer foi a crise dos últimos

anos, que fez contrair o nosso volume

de negócios. A nossa grande vitória foi a

capacidade de resiliência para nos ajustarmos,

mantendo a equipa com a mesma

coesão e empenho”, sublinha Joaquim

Lavos ao nosso jornal.

Um dos fatores de sucesso da empresa

tem sido a relação de proximidade que estabelece

com os clientes. “A proximidade

ajuda muito. Não falo apenas de proximidade

geográfica. Falo de proximidade no

sentido de parceria. Ser parceiro é estar disponível

para o que realmente é importante

e acrescenta valor para ambas as partes.

Ser parceiro é estar mutuamente empenhado

no êxito das atividades respetivas.

Uma relação de parceria tem na sua base

a confiança e o respeito. Estes valores são,

para a Sodicor, pedras basilares”, reforça

ainda o responsável da empresa de Leiria,

que se orgulha de ter clientes e parceiros

que a acompanham desde a primeira hora.

n PARCERIAS DE RENOME

Neste momento, a equipa é composta por

24 pessoas. “Destas, quatro são família. O

que quer dizer que os colaboradores sem

ligações de parentesco comigo estão em

maioria! Desde que iniciei a atividade, a

família foi estando presente e foi crescendo,

acompanhando a progressão da empresa.

A integração das minhas filhas na equipa foi

acontecendo naturalmente. Hoje, ocupam

responsabilidades diferenciadas e são um

apoio importante na gestão da organização.

Independentemente das relações de

parentesco, o que sentimos é que todos

fazemos parte da família Sodicor”, assegura

Joaquim Lavos.

As parcerias com marcas de renome têm

sido um trunfo para a atividade da empresa.

“Esse é outro aspeto importante. Ter, como

parceiros, marcas líderes de reconhecida

qualidade e valor no mercado tornam

o nosso trabalho um pouco mais fácil.

Sobretudo, porque sabemos que temos

acesso a produtos diferenciadores, aos

quais adicionamos o trabalho das nossas

equipas comercial e técnica, para levar aos

nossos clientes algo mais do que um simples

produto”, afirma. A Sodicor trabalha

três ramos de negócio distintos: a repintura

automóvel, a indústria e a construção civil.

Três apostas assumidas por Joaquim Lavos.

“Procuramos ter uma oferta completa para

os três ramos de negócio, onde incluímos

tintas, equipamentos e acessórios de pintura.

O ramo mais representativo é o da

repintura automóvel. E, dentro das famílias

de produtos, as tintas têm um peso mais

significativo”, acrescenta o fundador da

Sodicor.

n SOLUÇÕES À MEDIDA

Não menos importante para o sucesso da

empresa, são as soluções “desenhadas” à

medida de cada cliente. “Sem dúvida. Cada

cliente tem a sua estrutura própria e a sua

atividade pode estar orientada com os objetivos

mais diversos. Lá está de novo a

ideia da proximidade e da parceria a ser

levada em linha de conta. Raramente há

uma solução ‘chapa sete’ que encaixe devidamente

em todos os clientes de uma

forma generalista. As necessidades específicas

têm de ser respeitadas”, avisa o

responsável, para quem a capacidade de

antecipação e prudência para arriscar ou

apostar com confiança, têm sido essenciais

para os bons resultados.

Joaquim Lavos continua a ser feliz dentro

do ramo. “Tenho prazer em estar no ativo.

Tal como disse no início da nossa conversa,

foi um amigo entusiasta que me trouxe

para este ramo. Mesmo em momentos mais

difíceis, acredito que, com entusiasmo, eles

são superados. Com a idade da reforma,

poderia, eventualmente, estar mais desligado

do ramo, mas, como vê, continuo

por cá aos setenta e tal. Acho que deve ser

também por prazer!”, sublinha.

Sobre o futuro da empresa que criou, os

desejos são muito simples. “Como digo à

minha equipa, quero que a Sodicor continue

para além de mim, o seu fundador.

Desejo que esta empresa perdure, que se

mantenha adaptável e que evolua ao longo

do tempo. Desejo, também, que continue

a ser reconhecida como uma referência

positiva no mercado onde opera”, conclui

o fundador da Sodicor. ✱

2008 - Polo de distribuição da

Spies Hecker

“Em 2007, a nossa representada propôs-nos o

desafio de reforçarmos a nossa estrutura, para

servir logística e tecnicamente os revendedores

Spies Hecker da zona centro-oeste e Santarém.

Nesta altura, reforçámos os nossos meios materiais

e humanos e lançámo-nos ao desafio, passando a

cobrir a zona a sul de Leiria até às imediações do

distrito de Lisboa e parte do distrito de Santarém”

2010 - Fusão por incorporação e

alteração da natureza jurídica para

sociedade anónima

“Esta decisão teve como grande fator impulsionador

vencer um inconveniente fiscal, que era a diferença

entre as taxas de IVA da Madeira e do continente

que, naquela altura, vinham causando grandes

constrangimentos de tesouraria. Obviamente,

também tivemos em mente a uniformização do

nome e de toda a imagem Sodicor, proporcionandonos,

também, algumas economias”

2015 - Inauguração da loja nas

Caldas da Rainha

“Estávamos a atravessar a difícil fase de crise, que

veio a ditar o encerramento de um dos nossos

revendedores naquela cidade. A necessidade de

manter o mercado servido com um serviço de

proximidade aos clientes, levou-nos a tomar a

decisão de abrir a nossa sucursal de Caldas da

Rainha, a meio do ano de 2015. A aposta veio a

revelar-se uma decisão acertada. Temos vindo a

crescer de forma sustentada neste ponto de venda

e, acima de tudo, é gratificante sentir que estamos

a construir relações de confiança com os clientes

daquela zona”

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


22

REPORTAGEM

Serviço Midas 24h

Madalena

Bustorff, diretora

de operações

Midas

Relação de proximidade

Fundada em 2001, a Midas, que dispõe, hoje, de uma rede constituída por 79 oficinas, tem vindo a inovar e a

crescer, procurando sempre manter a proximidade com o cliente. O novo serviço 24h é o mais recente exemplo

Por: Joana Calado

Numa entrevista concedida ao Jornal

das Oficinas, Madalena Bustorff,

diretora de operações Midas, apresentou

este novo serviço como o “fechar do

ciclo de digitalização, que começa dentro

da oficina e que, agora, passa a estar presente,

também, na relação com o cliente”.

O serviço Midas 24h permite ao condutor

deixar ou recolher o seu veículo em

qualquer altura, mesmo quando a oficina

está fechada. Este novo serviço foi lançado,

no final de novembro de 2018, na oficina

do El Corte Inglés de Vila Nova de Gaia e

está ainda “numa fase de experimentação e

curiosidade, mais pelos clientes que já nos

conhecem e que confiam em nós, porque

não é fácil deixarmos a chave do nosso veículo

a uma pessoa que não conhecemos”

explica a responsável.

Para já, o novo serviço ainda se encontra

em fase de teste para a Midas, que tenciona

expandir o serviço para outras oficinas.

“Paralelamente à fase de teste do serviço,

estamos, também, a fazer uma análise para

percebermos em que oficinas fará sentido

colocá-lo”, frisa Madalena Bustorff. Apesar

de o limite para o projeto ser aplicá-lo em

todas as oficinas, poderá haver locais onde

não fará sentido a sua existência. Para já,

as primeiras opções serão as oficinas localizadas

em centros comerciais, de forma a

permitir que o cliente levante o seu veículo,

por exemplo, após a última sessão

de cinema.

n CLIENTES SATISFEITOS

O serviço Midas 24h permite ao cliente,

através de uma aplicação, fazer a marcação,

pedir um orçamento e, posteriormente,

fazer o registo em como deixou o seu

veículo na oficina. Toda a restante comunicação

é feita, diretamente, entre a oficina

e o cliente, sendo que, neste momento,

todas as oficinas estão equipadas com

tablets, que permitem o envio de fotografias

e vídeos ao cliente no momento em

que é realizado o diagnóstico ao veículo.

A tecnologia presente nas oficinas Midas

e no próprio serviço 24h permite que o

orçamento seja exatamente igual ao valor

que o cliente verá na sua fatura, sendo esta

uma das “bandeiras” da Midas. Para a diretora

de operações da rede, “esta é apenas

uma parte do ADN Midas que caracteriza

a empresa, à qual juntamos a tecnologia

presente nas oficinas, os melhores profissionais

com formação adequada, a confiança

e a seriedade no trabalho realizado”.

Os rigorosos testes de qualidade aplicados

pela Midas justificam, aliás, o sucesso.

Cada cliente que sai de uma oficina Midas

recebe um SMS a convidá-lo a avaliar o serviço

de 1 a 5. Tal como, anualmente, mais de

1.000 clientes recebem um inquérito para

avaliar os serviços Midas. Desde que o SMS

de qualidade foi implementado, há cerca

de ano e meio, existe uma taxa de 30% de

resposta e uma classificação de 4,6 numa

escala de 5. Já relativamente ao inquérito,

nos últimos cinco anos, os resultados têm

sido de 9 em cada 10 clientes satisfeitos,

que consideram o serviço muito bom ou

mesmo excelente.

As oficinas Midas já estão, neste momento,

preparadas e equipadas com ferramentas

e sistemas de segurança para

efetuar revisões oficiais a veículos híbridos

e elétricos. Para além disso, todas as oficinas

da rede têm disponível, no local, um técnico

formado em veículos híbridos e elétricos,

existindo ainda um departamento técnico

pronto para ajudar ou esclarecer qualquer

dúvida. Q

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


24

REPORTAGEM

SATAjet X 5500

Perfeição sem

compromisso

Técnicos da SATA estiveram, no início deste ano, em

Portugal para apresentar o mais recente produto da

marca. A SATAjet X 5500 é uma pistola revolucionária

que permite optar por duas diferentes possibilidades

de tamanho de bicos: alongado ou oval

Por: João Vieira

Jorn Stover, diretor de exportação da

SATA, esteve no nosso país a apresentar

a nova pistola aos distribuidores

da marca em Portugal: as empresas Autoflex

e Acrilac. Durante uma das ações

de formação dos colaboradores, que decorreu

no Centro de Treino da Standox,

localizado nas instalações da Robbialac,

em São João da Talha, falámos com o responsável,

que nos explicou as características

e vantagens da nova pistola da SATA.

O diretor de exportação começou por

informar que o corpo da SATAjet X 5500

é o mesmo da 5000, mas trata-se de uma

pistola totalmente nova, onde se destaca

o novo sistema de bicos X. “O que tínhamos

no passado era diversos bicos com

pulverizações diferentes, que não satisfaziam

as necessidades dos pintores. Então,

avançámos, juntamente com os principais

fabricantes de tintas, para o desenvolvimento

de uma pistola totalmente nova,

capaz de oferecer um nível superior de

trabalho aos pintores”, disse Jorn Stover.

Pela primeira vez, a SATA criou um sistema

de bicos, oferecendo cada tamanho

de bocal com duas possíveis formas de

leque: alongado e oval. Entre as características

e vantagens da nova pistola, a SATA

destaca a sua eficiência, permitindo uma

considerável economia de material com o

mesmo método de aplicação de antes. Já a

sua precisão, com a distribuição otimizada

da tinta com as duas formas de leque, consegue

uma atomização uniforme, baseada

num novo sistema de bicos.

Os colaboradores da Autoflex e da

Acrilac que marcaram presença na ação

de formação tiveram oportunidade de

experimentar a nova SATAjet X 5500 e ficaram

impressionados, tendo afirmado,

inclusive, que o risco de defeitos baixa

consideravelmente com o novo sistema

de bicos. E graças às inúmeras opções de

bicos disponíveis, cada pintor pode selecionar

o intervalo de pulverização que

melhor se adapte às suas necessidades.

n SISTEMA DE BICOS INOVADOR

O sistema de bicos é simples e transparente:

as duas tecnologias comprovadas

– HVLP e RP – permanecem. Para cada

tecnologia, existem kits de bicos “I” e

“O”. Ao aumentar o tamanho do bico na

respetiva tecnologia (HVLP/RP) e forma

do leque (“I” ou “O”), também aumenta,

constantemente, a saída de material. Isto

significa que a respetiva altura e largura do

leque permanece igual na gama completa,

de acordo com a explicação técnica.

n BICOS “I”

Os bicos “I” têm uma forma de leque estirada,

com uma zona de pulverização curta

e um núcleo mais seco, que é ideal para

uma velocidade de aplicação menor e que

permite um controlo máximo. A espessura

do revestimento por aplicação é um pouco

mais reduzida com o mesmo tamanho

de bico em comparação com o “O”.

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


25

App ajuda pintores a utilizar

nova SATAjet X 5500

Vantagens da nova pistola

SATAjet X 5500

O selecionador de bicos (“Nozzlefinder”) é uma aplicação desenvolvida pela SATA para ajudar

os pintores a aproveitarem ao máximo as potencialidades da nova pistola SATAjet X 5500. A

grande variedade de bicos calibrados e muito precisos torna possível ao pintor ajustar a sua

experiência às necessidades e circunstâncias. De acordo com as características do sistema de

pintura, as condições climatéricas e o método de aplicação habitual, o pintor pode escolher

a pistola de pintura com o kit de bicos correspondente aos seus requisitos individuais. A

estrutura lógica do sistema facilita a decisão para obter resultados de pintura ótimos.

Devido aos novos bicos de pintura e à distribuição de ar otimizada no corpo da pistola, agora não é preciso

anel de distribuição de ar. Além disso, foi reduzido, consideravelmente, o nível sonoro deste bico devido à

geometria de fluxo otimizada, o que dá ao pintor uma sensação mais suave e confortável durante a aplicação.

A distribuição de material é otimizada para uma pulverização mais uniforme e mais fina nas duas

versões de leque. Não precisa de anel de distribuição de ar, o que permite uma limpeza mais fácil e

mais rápida. As dimensões de leque são constantes em todos os tamanhos de bico (dentro da respetiva

tecnologia), com um aumento regular do fluxo de material. O conceito de pulverização otimizado

permite uma poupança de material considerável utilizando o mesmo método de aplicação habitual.

Jorn Stover, diretor

de exportação,

apresentou a nova

SATAjet X 5500

A nova SATAjet X 5500, com o seu

revolucionário sistema de bicos SATA X, irá

mudar a realidade do setor da repintura,

sendo a primeira vez que um fabricante de

pistolas cria um sistema de bicos oferecendo

cada tamanho de bocal com duas possíveis

formas de leque: alongado e oval

Características

l Forma de leque estendido com zona

de pulverização escassa;

l Melhor controlo durante a aplicação;

l Espessura do revestimento por aplicação

reduzido em comparação com o

bico anterior ou com o bico “O”.

n BICOS “O”

Os bicos “O” têm uma forma de leque

oval com uma zona de pulverização maior,

assim como um núcleo mais húmido, que

é apropriado para uma velocidade de

aplicação mais alta mas que oferece

um pouco menos de controlo ao pintor. A

espessura do revestimento por aplicação

é um pouco maior em comparação com

o bico “I”.

Características

l Forma de leque oval com zona de pulverização

maior;

l Núcleo do leque húmido para uma

velocidade de trabalho mais alta;

l Espessura do revestimento por aplicação

um pouco mais alto do que com

o bico “I”. Q

Formas de leque

Para conseguir um leque ótimo sem qualquer compromisso, é necessário ter em conta mais fatores do

que simplesmente a temperatura ambiente e a humidade do ar. O material escolhido com os aditivos

correspondentes, o tamanho do objeto, a espessura recomendada e os hábitos individuais do pintor, como,

por exemplo, a velocidade de trabalho ou o controlo, têm um papel fundamental na escolha do bico.

Forma do leque bico “I” HVLP/RP

Forma do leque bico “O” HVLP/RP

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


26

REPORTAGEM

Equiassiste fornece sistema ADAS da Autel à MagnautoRINO

Calibração 100% aprovada

O Jornal das Oficinas viajou até Oliveira de Frades e visitou a oficina MagnautoRINO, para conhecer

o novo equipamento ADAS da Autel, fornecido pela Equiassiste

Por: João Vieira

Alexandre

Magno Costa e

Daniel Costa, da

MagnautoRINO,

confiam nas

potencialidades

do novo

equipamento

ADAS da Autel

A

MagnautoRINO é uma oficina com

visão de futuro. E o seu gerente,

Alexandre Magno Costa, considera

vital o investimento em novos equipamentos.

“O nosso setor está a evoluir de forma

muito rápida e temos de acompanhar esta

evolução, investindo em equipamentos que

tragam mais-valia para a oficina. É o caso

do sistema ADAS da Autel, que adquiri à

Equiassiste e que vai permitir calibrar os

radares e sensores de ajuda à condução

de todos os veículos reparados nas nossas

instalações”, refere Alexandre Magno Costa.

A opção pela Autel? “Porque estamos

satisfeitos com a marca. Já conhecemos

os aparelhos de diagnóstico, que são muito

eficientes e fáceis de utilizar. E temos um

excelente serviço de apoio pós-venda da

Equiassiste”, acrescenta o responsável.

n EFICIÊNCIA A TODA A PROVA

O equipamento ADAS da Autel completo

é constituído por componentes de

calibração facilmente intercambiáveis e

construídos com materiais resistentes e

de fácil limpeza, sendo cómodo de armazenar

e fácil de transportar. Os alvos,

dotados de propriedades magnéticas,

desmontam-se do quadro principal facilmente

e são guardados numa caixa

própria.

Este novo equipamento ADAS da Autel

faz a calibração de sistemas baseado em

câmaras, radares, laser e ultrassons. Muito

fácil de utilizar, o monitor proporciona

instruções guiadas, gráficas e animadas.

O software é atualizado semanalmente

com novos procedimentos de calibração

a nível de equipamento original.

Rosendo Pous, responsável da Autel

Ibérica, confirma a importância que este

equipamento tem, hoje em dia, numa

moderna oficina automóvel: “Existem

vários sistemas avançados de ajuda ao

condutor que o avisam e o auxiliam a detetar

e responder aos perigos na estrada.

Estes sistemas usam câmaras, radares,

laser, sensores e ultrassons para detetar

Calibração estática e dinâmica

360º à volta do veículo diversas situações

potenciais de condução perigosa. Após

a reparação de um veículo que foi alvo

de danos em sensores ADAS, todos os

sistemas de sensores devem ser recalibrados,

para assegurar que toda a rede

de sensores funciona corretamente. E,

isso, só é possível com um equipamento

deste tipo”.

n REQUISITOS DE INSTALAÇÃO

“Os procedimentos de calibração ADAS

devem realizar-se em zonas cobertas e

em solo nivelado. Superfícies desniveladas

ou com sombras podem contribuir

para falhas de calibração, que devem ser

evitadas”, alerta Rosendo Pous.

Alguns sistemas necessitam de alvos especiais para calibrar e outros sistemas, como as câmaras orientadas

para a frente, não necessitam. Os que não necessitam de um alvo especial, necessitam de um equipamento de

autodiagnóstico para iniciar um processo de “aprendizagem” e um teste de condução com marcação de estrada.

A calibração dos sensores de forma dinâmica é o método normalmente preferido para sensores de câmara.

Os sensores de radar, muitas vezes, requerem um ajuste estático, seguido de um procedimento em estrada.

A calibração dinâmica implica iniciar o processo com um equipamento de autodiagnóstico e, de seguida, um

teste em estrada.

A estrada escolhida deve ser relativamente reta e com marcações claras e bem visíveis. Conforme a estrada e

o tipo de veículo, a condução poderá durar entre 5 e 30 minutos. E a uma velocidade específica, aconselhada

pelo fabricante, até que o equipamento de diagnóstico indique que a calibração ficou terminada e completa.

0 software MaxiSYS, que comanda o

funcionamento do equipamento, proporciona

ao utilizador instruções gráficas

fáceis de usar através de arquivos de

ajuda incorporados, que asseguram um

posicionamento correto da mesa de calibração

e dos painéis ou alvos. O software

guia, também, o utilizador em todas as

fases do processo, de modo a centrar

e nivelar o veículo corretamente antes

de iniciar um processo de calibração.

Atualizações semanais proporcionam o

diagnóstico mais recente dos fabricantes

e cobrem os novos desenvolvimentos do

mercado, oferecendo procedimentos de

calibração recentes, precisos e corretos.

O software Autel prevê um desempenho

melhor comparativamente ao

processo da marca original. Isto porque

contém instruções de preparação e

calibração com medições guiadas, ao

invés do processo do fabricante, em

que o técnico é orientado por um manual

de utilizador. O software Autel foi

pensado para oferecer uma navegação

fácil e intuitiva por parte do operador,

orientando-o para falhas do sistema.

Ajuda, também, o utilizador a montar

os acessórios e a completar a calibração

através de imagens e ilustrações esquemáticas

passo a passo. Q

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


28

REPORTAGEM

Lausan compra Soulima

Forte abraço ibérico

A Lausan assumiu uma participação maioritária na Soulima. O acordo reforça a posição da empresa de Vialonga

na distribuição de peças nacional e permite à organização espanhola ascender à liderança do mercado ibérico

Por: Jorge Flores

Bons ventos e bons casamentos.

Contrariando o refrão popular, sobre

as relações entre portugueses

e espanhóis, a Soulima e a Lausan chegaram

a um acordo amplamente vantajoso

para as duas empresas. Como se de um

forte abraço ibérico se tratasse, a Lausan,

líder na distribuição de peças para automóveis

em Espanha, assumiu, desta forma,

uma participação maioritária na Soulima.

A aquisição, que obrigou a um processo

negocial de oito meses, com visitas constantes

do staff espanhol à empresa lusa,

foi materializada durante os primeiros dias

de janeiro de 2019 e anunciada, recentemente,

numa conferência de imprensa

conjunta, que decorreu nas instalações

da Soulima, em Vialonga.

n SINTONIA DE IDEIAS

Joaquim Lima, administrador da empresa

nacional, realçou a “sintonia de

ideias” e a “confiança total entre as empresas,

durante todo o período de conversações,

difícil de alcançar em situações

semelhantes” e descreveu o momento

como um “sonho duplo”. Enquanto a

Soulima ganha expressão e corpo no

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


29

Acordo com

vista para

os clientes

mercado, com esta entrada da Lausan

no seu ADN, a empresa espanhola ascende,

com a compra, à liderança da

distribuição da Península Ibérica, com

implementação nos dois países. Ander

Beldarrain, o novo presidente do Conselho

de Administração da Soulima, do

qual fazem ainda parte Joaquim Lima e

Juan Miguel Sans Martí, também sublinhou

a importância do acordo perante

um “mercado polarizado, com inúmeros

veículos muito novos ou muitos velhos,

que está a reduzir as margens comerciais

do mercado independente e a aumentar

os custos dos serviços”, disse. Por outro

lado, acrescentou, atualmente, “é o próprio

modelo da distribuição que está a

ser questionado”.

Para ambas as partes, o foco será, agora,

o relacionamento com clientes e fornecedores,

de forma a informar devidamente

os mesmos sobre a nova situação

e receber os seus comentários e sugestões,

em prol do aperfeiçoamento do

projeto. A recetividade e a rapidez da

resposta serão elementos principais no

desenho desta operação.

n IDENTIDADE PRÓPRIA

A coordenação entre ambas as empresas

será assegurada, a nível corporativo,

por Nacho Pernas, diretor-geral da Lausan.

Como diretor-geral da Soulima,

estará Ricardo Brito Lima, que, até agora,

desempenhou o cargo de administrador.

Tanto a Lausan como a Soulima manterão,

nos seus países, a sua própria

identidade. E a empresa portuguesa

realçou que todos os principais quadros,

bem como o armazém central e os seis

secundários, serão para manter nesta

nova realidade.

Ambas as empresas contarão, no conjunto

dos dois países, com 52 centros de

distribuição, 725 pessoas e faturarão

perto de 135 milhões de euros a 14.000

clientes. Q

As razões podem ser explicadas em vários pontos.

Desde logo, pelo “convencimento de ambas as empresas

da necessidade de consolidação e aumento do

tamanho das mesmas, como elemento chave para

melhorar o serviço aos clientes”, sublinharam os

responsáveis das duas organizações. O objetivo, de

resto, será cavalgar a liderança da profunda e mais

“recente evolução do setor a nível internacional”,

acrescentaram, em comunicado conjunto.

O acordo desenvolveu-se, “na similitude de trajetórias

e critérios operativos a nível comercial, logístico

e de gestão financeira”. Uma “coincidência que possibilitará

uma rápida confluência e a obtenção de

sinergias em todas as áreas da gestão”, sublinharam.

A entrada da Lausan na Soulima baseou-se ainda

no “excelente relacionamento pessoal, alicerçado

na transparência dos dados e informações, bem

como na sinceridade das abordagens. Todo o

processo decorreu de comum acordo”, bem como

“na perfeita complementaridade geográfica, que

influirá, decisivamente, na soma dos parâmetros do

negócio de ambas as organizações”, frisaram. Para

ambas as estruturas, a missão será encontrar a ideal

“adequação do conceito ibéria, em sintonia com a

realidade dos principais fornecedores de ambas as

empresas, bem como de clientes relevantes com

implementação internacional (nova distribuição,

grandes empresas, empresas de renting)”, frisaram

os responsáveis.

As empresas manterão a sua própria identidade,

como até agora, “bem como a gestão dos seus

quadros principais, pelo que, a nível des clientes,

as únicas alterações percebidas serão as relativas às

melhoras que irão sendo incorporadas paulatinamente

em termos de produto, serviços, formação,

tecnologia”. A operação foi toda desenhada, desde

o início, “tendo o cliente como eixo central e com o

objetivo de aportar valor e vantagens”, esclareceram.

A partir deste momento, “daremos prioridade ao

relacionamento com clientes e fornecedores, de

forma a informar devidamente os mesmos sobre

a nova situação e receber os seus comentários e

sugestões, em prol do aperfeiçoamento do projeto.

A recetividade e a rapidez da resposta são elementos

principais no desenho desta operação”, concluíram.

Da esq.ª para a dta.: Nacho Pernas,

Joaquim Lima, Ander Beldarrain e

Ricardo Brito Lima

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


30

REPORTAGEM

Piso PVC 100% reciclado da MGM

Pneus da Cidade tem novo piso

A empresa MGM (Manuel Guedes Martins) equipou, recentemente, a oficina Pneus da Cidade com um novo piso

em PVC extremamente resistente e amigo do ambiente, uma vez que é construído com materiais reciclados

Por: João Vieira

José Santos, proprietário da Pneus da

Cidade, casa especialista na montagem

de pneus, a funcionar na Areosa,

Porto, desejou, desde 1996, ter uma solução

eficaz e resistente para o pavimento

da sua oficina. Quando a MGM (Manuel

Guedes Martins) lhe propôs um pavimento

produzido com 100% de PVC reciclado,

não hesitou em avançar com a instalação.

“Tinha de arranjar uma solução para o piso

da oficina. Entre andar a pintar o chão todos

os anos e adquirir um piso resistente e duradouro,

preferi optar por este pavimento,

que satisfaz plenamente a nível estético,

de conforto e de limpeza. A instalação foi

muito simples e prática. O aspeto geral

da oficina melhorou consideravelmente”,

afirma José Santos.

A Pneus da Cidade, estabelecida há 23

anos, é uma das casas de pneus mais conhecida

no Porto, estrategicamente localizada

na Estrada da Circunvalanção, uma

das vias mais movimentadas do Invicta. “A

oficina está, normalmente, sempre ocupada,

maioritariamente por clientes particulares,

embora também trabalhemos com

empresas. Vendemos preferencialmente

marcas premium e o facto de pertencermos

à rede Vulco dá-nos mais-valias a nível das

áreas técnica e comercial. O ano que passou

foi muito positivo e, em 2019, iremos pelo

mesmo caminho”, revela José Santos.

n RESISTENTE E DE FÁCIL COLOCAÇÃO

Uma das principais características do

novo pavimento comercializado pela

MGM é a sua resistência, sendo, por isso,

um produto indicado para qualquer tipo

de oficina, instalações industriais ou comerciais.

Esteticamente agradável, é muito fácil

de manter e limpar, sendo especialmente

indicado para oficinas automóvel, mas,

também, para áreas com tráfego intenso,

como indústria, escritórios, lojas, escolas,

ginásios ou hotéis. Como principais características,

podemos apontar as seguintes:

material; anti-derrapante; térmico; acústico;

rápida colocação; mobilidade; facilmente

desmontável e substituível; higiénico; atrativo;

confortável. Este piso é vendido em

placas de 50 x 50 cm com espessura de 7

mm, existindo em várias cores, não sendo

necessário equipamento específico de proteção

para o seu manuseamento.

n AMIGO DO AMBIENTE

Antes da instalação, o piso deverá estar

nivelado. E, durante a aplicação, o operador

deve utilizar proteção adequada aos

equipamentos auxiliares. Recomenda-se a

limpeza regular do piso em vez de limpezas

espaçadas, logo mais agressivas. O técnico

encarregue da limpeza deve ter em atenção

as instruções de dosagem recomendadas

pelos fabricantes dos produtos de limpeza

e limpar imediatamente a gordura e/ou

óleo derramado. Recomenda-se, por isso, a

limpeza do piso no final do dia de trabalho.

Este piso é verdadeiramente amigo do

ambiente, uma vez que 100% do seu conteúdo

é reciclável. No final do seu ciclo de

vida, as placas devem ser depositadas nos

ecopontos amarelos. Para mais informações,

contactar a MGM através dos telefones

914 068 071 e 227 642 722 ou email

mgm-assistencia@sapo.pt. Q

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


Conduz a tua vida:

Tem presente a energia Tudor


NOTÍCIAS REPINTURA

32

Centrocor iniciou formação em elétricos e híbridos

Nas últimas duas décadas, a tecnologia automóvel evoluiu consideravelmente graças ao incremento

da produção de veículos elétricos e híbridos, existindo, atualmente, um elevado número deste tipo de

modelos a circular em Portugal. Torna-se, assim, necessário formar os técnicos na avaliação dos riscos e

na aplicação dos procedimentos adequados quando se efetua uma intervenção nestes veículos. Indo

ao encontro desta necessidade, a Centrocor estabeleceu uma parceria com a ATEC e está a promover

uma série de formações subordinadas a este tema, tendo a primeira sido realizada no início de dezembro

de 2018, estando já programadas quatro novas datas para 2019. Esta formação tem como principal

público-alvo todos os profissionais que trabalham em veículos elétricos e híbridos, desde mecânicos e

mecatrónicos até bate-chapas. Num total de 14 horas, existe uma abordagem teórica, mas, também, uma

componente prática em condições de trabalho real simuladas num espaço apropriado. Os formandos

sairão desta formação com conhecimento da estrutura de um veículo elétrico e híbrido, bem como dos

principais riscos ligados às peças destes veículos. Além disso, ficam a conhecer o método de trabalho e

como aplicá-lo, saber escolher os equipamentos de proteção individual (EPI) e os aparelhos de medição

adequados para a sua função. Atenta às necessidades do mercado, a Centrocor pretende continuar a apostar

neste tipo de iniciativas, dotando os profissionais do setor automóvel de mais e melhores conhecimentos

para aumentar a sua produtividade e eficácia nas suas intervenções.

Axalta lançou relatório

anual de cores de veículos

A Axalta publicou o 66.º Relatório de Popularidade Mundial de

Cores para Automóveis, que revela que, em 2018, o branco foi a

principal escolha de cor a nível mundial em veículos por parte

dos clientes. Com 38%, o branco manteve o primeiro lugar, com

uma diferença significativa para o segundo lugar, ocupado pelo

preto (18%), e um empate no terceiro lugar entre o prateado

e o cinzento (12%). A nível regional, o preto e o cinzento registaram

um aumento considerável em áreas importantes. O

preto aumentou na China (5%), Ásia (3%), Coreia do Sul e África

(ambos 2%). Já o cinzento, ganhou terreno em África (3%) e

na Europa (2%). “Assistimos a uma tendência emergente para

cores mais quentes, juntamente com combinações de cores com

o preto a disputar a posição do branco”, afirmou Nancy Lockhart,

marketing manager da Axalta Global Colour. “Embora os espaços

neutros estejam em voga, há sinais do regresso à cor para mudar

o cenário automobilístico. O azul é a cor mais popular, à exceção

dos tons neutros, e continua a ter 7% do mercado. Por sua vez,

verificou-se um aumento no bronze e no cor-de-laranja. Estas

cores estão a ganhar interesse”.

Spies Hecker inova com Phoenix Cloud

A Spies Hecker torna a identificação de cores digital portátil ainda mais fácil com o Phoenix Cloud. Graças

a uma base de dados baseada na web e a uma ligação wi-fi entre os diferentes dispositivos da oficina, todo

o processo, desde a leitura e pesquisa de cores até à seleção da fórmula das mesmas, pode ser controlado

a partir de qualquer lugar na oficina ou até no escritório. A correspondência de cores através de lamelas

de cor pertence ao passado na maioria das oficinas de reparação automóvel. As cores são determinadas

com dispositivos de medição digitais e a fórmula de mistura correta pode ser escolhida em segundos,

utilizando um software de correspondência de cores moderno. Esta tecnologia digital proporciona muita

eficiência e flexibilidade por ser simples e rápida. Isto tem um efeito positivo nas operações de uma oficina

e facilita o trabalho dos pintores.

Até agora, o elemento central da gestão de cores digital era um computador ou um sistema de PC instalado

permanentemente na sala de mistura. No entanto, com o Phoenix Cloud, a Spies Hecker oferece uma

solução tecnicamente avançada. Todo o processo de gestão da cor pode ser agora controlado através de

dispositivos móveis com acesso à Internet. Dependendo do nível de digitalização da oficina, a Spies Hecker

oferece aos seus clientes três pacotes de soluções digitais, que variam desde uma variante conectada

simples, designada por Phoenix Cloud Base, um sistema parcialmente sem fios, Phoenix Cloud Classic,

ou uma integração totalmente sem fios de todos os dispositivos, através de uma rede wi-fi no Phoenix

Cloud Hi-TEC Performance. Outra vantagem desta tecnologia de gestão de cores da Axalta é que os dados

podem ser armazenados na “nuvem” e ligados a outros sistemas de gestão das oficinas, como sistemas

de gestão de inventários e encomendas.

Glasurit disponibiliza 151-170 SD

UV Primer Filler grey

Retocar os danos menores a moderados nas peças de carroçaria

dos veículos, como os para-choques, é, agora, um dos trabalhos

mais comuns de reparação de carroçaria. Para as oficinas,

é especialmente importante trabalhar de forma lucrativa nesse

segmento. A Glasurit apoia as oficinas, desenvolvendo, continuamente,

novos produtos que aceleram os processos e podem

ser usados com facilidade e flexibilidade. Com o 151-170 SD UV

Primer Filler grey, os pintores têm, agora, um produto comprovado

que podem usar sob a forma de uma lata de spray, que torna a

reparação de danos cosméticos particularmente

mais eficiente. O primário aparelho UV em

lata de spray está pronto a utilizar e sempre

disponível para aplicação rápida quando

pequenas áreas precisam de ser preparadas

para aplicação real de tinta.

Isto torna o trabalho dos pintores mais

flexível, ajudando-os a economizar tempo,

porque não existe necessidade de preparar

ou limpar uma pistola de pulverização. Além

do processo rápido e fácil, o primário aparelho

UV em lata de spray oferece as mesmas

propriedades do que o 151-170 UV Primer

Filler grey. Garante boa resistência à corrosão

e excelente qualidade de acabamento. Por

apresentar uma excelente aderência ao metal

e ao plástico, é a base ideal para reparar danos

menores e moderados, que podem ser secos

sob a luz de uma lâmpada UV.

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


NOTÍCIAS PRODUTO

34

Motormáquina tem novos

tubos de silicone da Terrafirma

Desenvolvidos para resistir a altas pressões e temperaturas

extremas, como acontece nos motores

de elevada performance, os tubos são indicados

para turbocompressores e intercoolers. Com os

novos tubos de silicone da Terrafirma, os motores

de alto rendimento terão melhor desempenho e

verão a sua durabilidade alargada, especialmente

se forem melhorados para terem mais potência. Este

novos tubos são fabricados em polímero de silicone

de alta qualidade. São mais finos do que os tubos

standard e são reforçados com quatro fortes telas

de polyester. Assim, conseguem resistir a temperaturas

entre -40°C a +180°C. O design também é

muito importante, tornando a zona do motor com

um visual mais desportivo graças aos tubos em azul

brilhante com o interior em vermelho.

Grupo TRUSTAUTO lançou

escovas TRUST

Fabricadas pela Valeo, as escovas limpa-vidros lançadas pela

TRUSTAUTO oferecem qualidade, preço competitivo e apostam

numa imagem apelativa. Além da qualidade e do preço competitivo,

as escovas TRUST oferecem, também, uma imagem apelativa,

sendo disponibilizados catálogos com toda a oferta de

mercado e merchandising. A gama tem uma elevada performance

aerodinâmica que garante melhor eficácia. Todas as escovas são

desenvolvidas mediante uma rigorosa seleção de materiais para

uma maior resistência e durabilidade. O perfil aerodinâmico destes

novos modelos permite maior aderência ao para-brisas.

Vibratool é a nova

representação da Iberequipe

A Iberequipe apresenta mais uma inovação para a área

automóvel no que diz respeito à deteção e resolução

fácil de problemas de vibração nos veículos. A Vibratool

é uma ferramenta de medição projetada para examinar

e determinar a causa de vibração nos veículos. O

Vibratool deteta facilmente as vibrações, sendo uma

ferramenta que soluciona problemas de forma rápida e

precisa, dando ao mecânico mais tempo para reparar ou

substituir a peça danificada no veículo. E a Iberequipe

afirma que é muito fácil de utilizar. Com o Vibratool, é

possível conectar facilmente os interfaces e sensores

para que se possa usá-lo em veículos pesados. Poderão

ser conectados até quatro interfaces e oito sensores.

Os sensores são equipados com ímanes, o que facilita

a sua montagem no veículo.

Leirilis comercializa equipamentos de roda Sicam

Incrementar a gama com o objetivo de melhor satisfazer as necessidades dos seus clientes é a imagem de marca da

Leirilis. Desta vez, a aposta recaiu sobre o equipamento de roda Sicam, um dos principais fabricantes de equipamentos

para oficinas de serviço de pneus, com um amplo portefólio: desmontadoras e calibradoras de pneus, tanto para

veículos ligeiros como pesados e equipamento de alinhamento. Entre o vasto portefólio de produtos, destacam-se a

linha de desmontadoras Falco Evo para ligeiros, que permite à oficina otimizar o tempo, reduzindo cada reparação/

manutenção. Para serviço de pesados, está disponível a linha Jumbo TCS 60 de calibradoras com ecrã tátil Wave 5,

com novo design que proporciona maior área de trabalho. Por último, na linha de alinhadores, existem duas novidades:

SA 823 (permite que a área de alinhamento das rodas também seja usada para trocar os pneus); SA 685 Mobile

(com sistema de sensores CCD, que pode ser conectado a qualquer PC com Windows, especialmente portáteis, para

aumentar a mobilidade, oferecendo diferentes usos na oficina).

C

M

Y

CM

MY

CY

Mecatronicaonline apresentou equipamento

diagnóstico Foxwell GT 90

Trata-se de um equipamento com um tablet/PC de ecrã tátil de generosas dimensões, com o

sistema operativo Windows 10 com 8GB de memória RAN e um disco SSD de 128GB (há possibilidade

de acrescentar outro disco “paralelo/opcional” SSD de 256GB), acompanhado de um

interface de última geração com Bluetooth e uma completa mala de cabos. Este equipamento de

diagnóstico com estas características específicas foi desenvolvido apenas para dois distribuidores

oficiais Foxwell: Mecatronicaonline em Portugal; distribuidor oficial de Espanha.

CMY

K

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


35

KROFtools tem novas prensas hidráulicas pneumáticas

Respondem pelo nome de 5001, 5002 e 5003 as três novas prensas hidráulicas

pneumáticas que a KROFtools disponibiliza. Entre os modelos 5001 e 5002, a diferença

reside apenas na capacidade (20 toneladas no caso da primeira; 30 toneladas

na segunda), já que o intervalo de trabalho é de 200 mm em ambas, o curso é de

25 mm nas duas e as larguras exterior e interior são, respetivamente, de 600 mm e

770 mm em qualquer delas. Já a 5003, cuja capacidade é de 50 toneladas, anuncia

um intervalo de trabalho de 200 mm, apresenta um curso de 80 mm e conta com

larguras exterior e interior de 750 mm e 930 mm, respetivamente.

Kavo Parts disponibiliza filtros AMC Xtra Clean

O AMC Xtra Clean é a última geração em filtros de habitáculo lançados pela Kavo Parts. A camada extra de

revestimento bio-funcional, de elevada qualidade,

elimina alérgenos, bactérias e mofo. A adição desta

camada inovadora fornece o ar mais puro possível no

compartimento do habitáculo. Material com partículas,

bactérias, mofo e outros alérgenos no ar são as principais

causas de reações alérgicas e podem facilmente

entrar no veículo. Além dos problemas respiratórios e

espirros, as reações alérgicas provocam o aparecimento

de lágrimas, irritações, dores de cabeça e fadiga. Sintomas

que podem levar rapidamente a problemas de concentração. Os filtros Xtra Clean da AMC são apontados

como a solução mais saudável para o cliente, especialmente para aqueles mais suscetíveis a alergias.

FAE amplia gama

com 26 novas referências

A gama de produtos do fabricante espanhol, especialista em componentes

elétricos e eletrónicos, passou a contar com novas aplicações para veículos

europeus, norte-americanos e asiáticos. Entre os modelos de viaturas, encontram-se

Chevrolet Nubira, Honda Civic VIII, Fiat Punto, Hyundai i10, Kia Picanto

e Pontiac Grand Prix. As novas referências incorporadas são as seguintes: 12

sondas Lambda; 5 sensores de roda (ABS); 5 sensores de pressão absoluta

(MAPS); 2 captadores de impulsos; 1 sensor de pressão de gases de escape; 1

sensor de temperatura de ar de admissão. Todas as referências encontram-se

disponíveis no TecDoc, onde FAE está certificada como fornecedora de dados

“Classe A”, assim como no catálogo online da empresa.

Untitled-3.pdf PUB

1 06/09/18 15:38

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


36

NOTÍCIAS

Produto

Imporspeed lançou nova

ponteira de escape

A Imporspeed, marca exclusiva do universo Escapcar e Imporfase,

lançou as novas ponteiras regulares para o BMW

Série 5 71-059E/D. A empresa especialista em sistemas de

escape surge no mercado com uma nova marca, Imporspeed,

apresentando um novo stock de ponteiras em inox

de alta qualidade a preços competitivos, com um formato

triangular e indicada para os BMW Série 5. Para além das

ponteiras “comuns” (redondas, ovais, quadradas e duplas),

a empresa destaca-se por trazer novos modelos inexistentes

no mercado, alargando, assim, a oferta no nosso país.

As vantagens, de acordo com a Imporfase, refletem-se nos

modelos de design atual com inox de alta qualidade e com

uma gama de ponteiras específicas. A Imporspeed destaca o

facto de contar com uma grande variedade e um forte stock

de ponteiras e panelas de rendimento, para dar resposta às

exigências do mercado.

MEWA MEWATEX é o melhor pano

de limpeza reutilizável do mundo

Existe em quatro variedades – de robusto a fino – para garantir que cada oficina tem ao dispor o

pano ideal. O que o torna especial não é só a qualidade única, mas, também, o sistema de reutilização

altamente profissional da MEWA: os panos de limpeza são recolhidos à hora combinada, lavados e

devolvidos limpos. A MEWA dá consultoria relativa à quantidade e qualidade dos panos que cada

oficina deve utilizar e entrega os primeiros panos juntamente com o MEWA SaCon, que faz parte

do sistema. Este contentor de segurança contribui para uma melhor organização e segurança na

fábrica ou oficina, uma vez que tem um fecho hermético, guarda os panos e ocupa pouco espaço.

A MEWA fornece o número de contentores adequado à dimensão da oficina. À hora combinada os

panos são recolhidos para lavagem.

LIQUI MOLY reforçou oferta

de produtos de inverno

Os meses frios do ano trazem muitos desafios para a mecânica

dos veículos. Por isso, a LIQUI MOLY Iberia desenvolveu um

catálogo específico de produtos de inverno. Frio, chuva, gelo

ou humidade são tudo elementos que trazem dificuldades

acrescidas ao funcionamento normal de todo o tipo de veículos.

Seja com produtos específicos para inverno ou aplicações

específicas de produtos usados todo o ano, a LIQUI MOLY tem

a oferta certa para a prevenção ou resolução de problemas

ligados à época mais fria do ano. “A LIQUI MOLY tem uma

gama de produtos e soluções muito vasta e decidimos, por

isso, preparar um catálogo específico para ajudar os nossos

clientes a gerar mais negócio com produtos que se adequam,

de forma perfeita, a estes meses mais frios do ano”, explica

Sadhna Monteiro, diretora de marketing e desenvolvimento

de negócio da LIQUI MOLY Iberia, em comunicado enviado à

nossa redação. O novo catálogo específico para os produtos

de inverno foi desenvolvido pela LIQUI MOLY Iberia e tem 16

páginas de produtos e aplicações para facilitar o trabalho dos

distribuidores, casas de peças e oficinas. O catálogo mostra

como os aditivos, os produtos de serviço e os produtos de car

care podem ser uma grande ajuda durante o inverno.

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


37

Amortecedores Sachs comprovam

eficácia em condições extremas

Com o objetivo de relembrar ao mercado

as suas muitas propriedades exclusivas, a

ZF Aftermarket, proprietária da marca Sachs,

lançou a fase seguinte da campanha

multimédia da marca, desta vez, centrada

na sua gama de amortecedores. A nova

campanha mostra como os amortecedores

Sachs foram concebidos para garantir

conforto e desempenho mesmo nas

condições mais extremas. Com imagens

gravadas nas pistas de esqui de Sölden,

na Áustria, a campanha dá destaque às

temperaturas extremas para as quais este

componente foi concebido para resistir.

Destinadas a todos os níveis da cadeia de

fornecimento do mercado de pós-venda

automóvel, as mensagens destacam de

que forma a utilização de tecnologia inovadora,

de técnicas de fabrico pioneiras

e de processos de testes avançados garantem

que os amortecedores Sachs são

feitos de material resistente, motivo pelo

qual, todos os anos, mais de 10 milhões

de automóveis novos saem da linha de

montagem equipados com produtos Sachs

e pelo qual o mercado de pós-venda pode

ter total confiança na marca.

Com anúncios de imprensa, um pequeno

filme e materiais de apoio para os pontos

de venda, a história, destinada a toda a

cadeia de fornecimento, desde distribuidores

de peças automóveis, passando

por oficinas, até ao consumidor final,

desenvolve-se para explicar a “Eficácia

Comprovada” dos amortecedores Sachs

na pista, no ar, no gelo e na estrada.

PUB

Motortec 265x155 por.pdf 1 19/12/18 9:45

Feira Líder Internacional para a Industria Automóvel

em Espanha, dirigida a visitantes profissionais da

Península Ibérica, América Latina e Norte de África

13 – 16. 3. 2019

motortec-automechanika-madrid.com

Sob licença da:

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


NOTÍCIAS EMPRESAS

38

Aftermarket Forum regressará

em abril a Frankfurt

A Wolk Aftersales Experts, especialista em pós-venda, organizará a terceira edição do

Aftermarket Forum, que decorrerá a 16 e 17 de abril, em Frankfurt. O fórum deste ano não

se irá centrar apenas na Europa e apresentará oradores de diferentes continentes, que darão

as suas perspetivas únicas. O Aftermarket Forum 2019 será o maior evento até ao momento

organizado pelos especialistas em pós-venda da Wolk Aftersales Experts. Este ano, para

conveniência dos interessados vindos de fora da Alemanha, o local foi transferido para

Frankfurt. Assim, o Aftermarket Forum 2019 realizar-se-á nos dias 16 e 17 de abril, no Marriott

Hotel, em frente à Messe Frankfurt, onde é realizado o Salão Automechanika. A edição de

2018 contou com cerca de 170 convidados de 118 empresas. “O que é diferente desta vez

é a mudança do tópico. Saímos da Europa para a economia global. Enquanto os maiores

produtores de peças OE já atuam a nível mundial, os players de mercado menores ainda

pensam mais localmente”, explica Zoran

Nikolic, diretor-geral da Wolk Aftersales

Experts. Segundo acrescenta, “prevemos

que isso esteja prestes a mudar, pois a

globalização é o caminho para garantir

um crescimento sustentável. É por esta

razão que, durante o Aftermarket Forum

2019, apresentaremos oradores de todo o

mundo para partilhar experiências numa

escala verdadeiramente global”. As inscrições para o evento já estão abertas. Poderá

consultar a informação completa no site do evento. Haverá um desconto de €200 na taxa

de participação para quem se inscrever com o código “Early Bird”.

RecOficial Service está a crescer

A YZYCAR SERVICE, localizada em Darque, Viana do Castelo, é a mais

recente oficina aderente à rede RecOficial Service. Depois da oficina SA-

LIVAUTO, em Torres Novas, a YSYCAR SERVICE ganha todo um know-how

e afirma-se pela sua dimensão e imagem. Entre os benefícios das oficinas

aderentes RecOficial Service, destaca-se a maior capacidade técnica para

reparar qualquer viatura, o acesso aos dados técnicos dos fabricantes, o

acesso a ações de formação relacionadas com a evolução tecnológica

das viaturas, excelente relação preço/qualidade das peças de marca

própria RecOficial (produto premium a preços competitivos), o acesso

ao Programa de Qualidade de Serviço 5 Estrelas e ainda a possibilidade

de aderir à 1.ª Rede Ibérica de Oficinas Especializada na Manutenção e

Reparação de Veículos 100% Elétricos.

Tacofrota - banner battery.pdf 1 14/01/19 16:10

PUB

QUALIDADE E PERFORMANCE

EM QUALQUER SEGMENTO

Suzuki

VW

VOO

Audi

Seat

Rolls-Royce

Tel.: 263 650 050 - geral@tacofrota.pt

VEÍCULOS LIGEIROS, PESADOS, MOTOCICLOS,

MÁQUINAS DE CONSTRUÇÃO E AGRICOLAS

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


sachsprovenperformance.pt

OS LIMPA-NEVES MAIS ROBUSTOS

OPERAM A

-30°C SACHS

COM OS AMORTECEDORES

SOLUÇÕES EFICAZES PARA AUTOMÓVEIS, CAMIÕES E MUITO MAIS

PistenBully 600,

equipado com

amortecedores

SACHS.


40

NOTÍCIAS

Empresas

PCC agradece a confiança

de todos os clientes

Reforçando o compromisso de dedicação e proximidade, a PCC

realizou um inquérito de satisfação ao cliente, relativo à qualidade

dos serviços prestados durante o ano de 2018, via telefone. Em

termos globais, os clientes consideram-se muito satisfeitos com os

serviços prestados pela empresa PCC, sendo a média aferida de 9

numa escala de 0 a 10, sendo que 100% dos inquiridos responderam

que recomendariam a PCC.

Japanparts Group participa

nas principais feiras do aftermarket

O ano de 2019 será rico em encontros para o Japanparts Group, uma vez que o extenso calendário de

salões prevê a participação da empresa nas principais feiras do setor. Será uma oportunidade para se

conhecer a ampla gama de produtos, que inclui 140 diferentes famílias de componentes que abrangem

todas as tipologias de peças de reposição, que vão desde as peças de motor a travões, embraiagens, peças

elétricas e suspensões. Este ano, o Japanparts Group pretende consolidar a sua presença no mercado de

aftermarket internacional e estará presente com um stand nas feiras Autopromotec (Bolonha), Automechanika

(Birmingham), Mims Automechanika (Moscovo) e Equipauto (Paris). Também está previsto um

extenso calendário de eventos em colaboração com os clientes, que abrange a participação em várias feiras

locais e home exhibitions, a fim de estar sempre em contacto com o mercado e os clientes de referência.

PUB

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


41

Merpeças representa

febi bilstein

A Merpeças, retalhista de peças especializado na marca

Mercedes-Benz, assinou um acordo de fornecimento

com a febi bilstein. Inserido na estratégia de amplificação

e distribuição de marcas premium, a Merpeças

apresenta, agora, no seu stock, vários produtos do bilstein

group. Este acréscimo e valorização do número de

marcas distribuídas pela empresa tem como objetivo

servir melhor a carteira de clientes Merpeças, garantindo-lhes

os melhores produtos do mercado.

Grupo TRUSTAUTO carimbou ligação à HELLA

No passado mês de dezembro, o grupo liderado por Ricardo Ribeiro “selou” a sua ligação à HELLA. A parceria

entre as duas organizações assinala um marco histórico, uma vez que a HELLA avança, pela primeira

vez, em mais de 50 anos, para uma ligação a um grupo de distribuição. O Grupo TRUSTAUTO, em parceria

com a HELLA, disponibiliza desde já ao mercado a linha elétrica, alternadores e motores de arranque,

eletrónica, escovas limpa-vidros e lâmpadas. Acrescente-se que, além das linhas da marca HELLA, o Grupo

TRUSTAUTO é importador da marca HENGST, que também pertence ao amplo portefólio da HELLA.

PUB

2019 I Fevereiro


42

NOTÍCIAS

Empresas

Galp renovou patrocínio

com Armindo Araújo

A Galp vai continuar a ser patrocinadora oficial do pentacampeão

nacional de ralis Armindo Araújo durante

a próxima temporada. O piloto levará, mais uma vez,

as cores e a energia da Galp ao volante do seu Hyundai

no Campeonato Nacional de Ralis de 2019, que se inicia

no próximo dia 22 de fevereiro, em Fafe, onde Armindo

Araújo irá defender o título de campeão que conquistou

no ano passado. “A Galp não poderia deixar de dar

continuidade a esta parceria de sucesso e associar-se

a um dos maiores nomes de sempre do automobilismo

português”, refere o diretor de marketing & desenvolvimento

de negócio da Galp, João Filipe Torneiro. “Armindo

Araújo representa os valores da marca Galp através da

sua capacidade de trabalho em equipa, da confiança que

sempre demonstrou, da agilidade e da sua ambição, que

tornou possível a melhor performance e a conquista dos

mais altos objetivos”, acrescenta o responsável. O acordo

de patrocínio da Galp manterá como principal foco a

ativação das marcas Galp Evologic e Galp Fórmula, garantindo,

assim, a continuidade da presença da empresa

num território que permite à energética comunicar a

sua identidade, valores e forma de estar no mercado.

Polivalor tem novos cursos para elétricos e híbridos

A Polivalor divulgou os cursos de formação técnica que ministra em veículos elétricos e híbridos para o ano de

2019, com a novidade de passarem a ser realizados em dois locais: Lisboa e Batalha. Os cursos de formação técnica

em mobilidade elétrica e híbrida dirigida a todos os profissionais técnicos das oficinas, conjuga a aquisição

de conhecimentos teóricos e práticos em três níveis de formação, dando, numa primeira fase, uma visão global

dos veículos elétricos e híbridos. Por sua vez, a formação tende a aprofundar-se de modo a ser a mais completa e

abrangente possível, munindo, dessa forma, os formandos das ferramentas necessárias para serem bem sucedidos

no diagnóstico e na reparação deste tipo de veículos.

A Polivalor mantém a parceria efetuada em 2017 com a Zeev Academy/Evolution, continuando a realizar os cursos

nas instalações da Evolution. A novidade para 2019 reside na descentralização dos locais de formação, passando a

Batalha a ser mais um centro, para além de Lisboa.

Os níveis de formação são os seguintes:

Nível 1 - Conhecimentos básicos em sistemas de alta tensão em veículos elétricos e híbridos

Nível 2 - Técnicos de manutenção dos sistemas de alta tensão em veículos elétricos e híbridos

Nível 3 - Diagnóstico em sistemas de alta tensão dos veículos elétricos

Os interessados podem fazer a sua inscrição no site www.polivalor.pt.

Mercado automóvel

terminou 2018

com saldo positivo

O mercado automóvel confirmou, em dezembro, a

tendência de queda iniciada em setembro, mas terminou

2018 com um crescimento de 2,6%. No período

de janeiro a dezembro de 2018, foram colocados em

circulação 273.213 novos veículos, o que representou um

crescimento de 2,6%. Nos 12 meses de 2018, as matrículas

de veículos ligeiros de passageiros totalizaram 228.290

unidades, o que se traduziu numa variação positiva de

2,8% relativamente ao mesmo período de 2017. No que

diz respeito ao mercado de ligeiros de mercadorias, registou,

em termos acumulados, no período de janeiro a

dezembro de 2018, 39.306 unidades, o que representou

um acréscimo de 2% face ao ano anterior.

Quanto ao mercado de veículos pesados, que engloba

os tipos de passageiros e de mercadorias, no total do

ano de 2018, as matrículas registadas chegaram às 5.617

unidades, o que representou um decréscimo de 2% relativamente

ao mesmo período do ano anterior.

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


43

UFI Filters entrou na ATR

International AG

O Grupo UFI Filters deu um passo em frente no processo

de internacionalização, graças à parceria assinada com a

ATR International AG. O grupo entra, desta forma, numa

das redes mais importantes que operam no setor do

pós-venda independente a nível global, com um volume

de negócios de cerca de 22,5 mil milhões de euros e 39

acionistas, em 64 países do mundo. Graças a esta colaboração,

a UFI Filters pode oferecer, a todos os parceiros

e associados ATR, a qualidade, a inovação e a tecnologia

do produto original fornecido como equipamento de

origem, com uma gama composta por mais de 2.800

referências de catálogo, para aplicações automóvel,

heavy-duty e off-road. As duas marcas fornecidas pelo

grupo são UFI e SOFIMA, a nível global, à exceção da

Alemanha, Áustria, Suíça, Benelux e Escandinávia, onde

os acionistas da ATR podem contar com a marca SO-

FIMA. Eduardo Martí, diretor-geral da UFI Filters Ibérica,

afirmou: “Temos orgulho nesta parceria, que confirma

a estratégia de crescimento e internacionalização do

Grupo UFI. A entrada na ATR representa um avanço

e uma oportunidade de desenvolvimento, não só na

Europa, como, também, a nível mundial”.

Polibaterias_top100.pdf 1 13/11/18 15:47

PUB

TUDO EM ENERGIA, ENERGIA PARA TUDO

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


44

NOTÍCIAS

Empresas

Motortec já ultrapassou

em 5% a superfície

a anterior edição

Faltando pouco mais de mês para a sua realização (13

a 16 de março de 2019), na Feria de Madrid, a Motortec

Automechanika Madrid já ultrapassou em 5% a superfície

ocupada na sua última edição (2017). A expectativa

gerada pela 15.ª edição suscita otimismo, razão pela qual

a IFEMA, organizador do evento, prevê ultrapassar os

60.000 visitantes profissionais, incluindo representantes

de mais de 30.000 oficinas de Espanha e Portugal, interessados

em conhecer as últimas novidades no futuro

da oficina. A feira, consolidada como a principal plataforma

de negócio para o aftermarket no sul da Europa,

representa uma oportunidade comercial especialmente

atrativa para o mercado português, com o qual a Motortec

Automechanika Madrid mantém uma estreita

relação, através da sua organização patronal ANECRA,

em cuja última convenção, organizada nos passados

dias 9 e 10 de novembro em Lisboa, esteve presente.

CitNOW lançou site em português

A CitNOW, empresa pioneira no desenvolvimento de tecnologia de vídeo para o setor automóvel, lançou

o seu website em português. Presente em mais de 90 concessionários lusos, a empresa especializada em

tecnologia de vídeo automóvel pretende, assim, responder, de uma forma mais eficaz, às necessidades

dos clientes. A CitNOW está preparada para ser utilizada por stands e oficinas, dando aos clientes a possibilidade

de fazer imagens 360º de forma a facilitar a venda de veículos e a apresentação de orçamentos,

permitindo, também, a aprovação dos mesmos online. No novo site, totalmente em português, pode ser

solicitada a deslocação da CitNOW, que tem cerca de 8.000 instalações em concessionários, espalhados por

mais de 45 países, trabalhando com mais de 40 fabricantes do setor automóvel. Acrescente-se, também,

que a empresa integrou o Top 100 da lista “Tech Track”, do Sunday Times, que avalia vários negócios em

rápido crescimento.

Magneti Marelli tem

novo kit de manutenção

e reparação

Esta nova ferramenta da Magneti Marelli inclui os dispositivos

indispensáveis para uma operação segura, em

conformidade com as normas relevantes em veículos

híbridos e elétricos, com tensões de trabalho até 1.000

V e 1.500 V. Trata-se de uma ferramenta indispensável

para as oficinas, acompanhando as novas tendências de

mercado, nomeadamente a cada vez maior presença

no mercado automóvel de veículos híbridos e elétricos.

Os componentes do kit, como, por exemplo, chaves

com isolamento, alicates com isolamento, capacete

de proteção dielétrico, luvas e tapete isolantes, estão

devidamente homologados no que se refere a normas

de segurança e proteção.

Interescape estará na Motortec

A Interescape vai participar na Motortec Automechanika Madrid 2019, que se realizará de 13 a 16 de março,

em Madrid. Naquele que é um evento de referência para a indústria automóvel, a Interescape pretende

analisar a existência de oportunidades de mercado e expandir a sua atividade comercial e exportadora.

“Estamos entusiasmados com este regresso à Motortec e com a possibilidade de receber os nossos clientes

e todos os visitantes deste evento no nosso espaço. Esta é uma oportunidade única para reforçar a nossa

estratégia comercial”, afirma Jorge Carvalho, diretor-geral da Interescape. Como empresa de referência no

fabrico próprio de escapes e líder na distribuição de escapes, catalisadores e filtros de partículas, a Interescape

vai divulgar junto dos profissionais do setor algumas das soluções que apresenta para montagem,

reparação e manutenção de sistemas de escapes, das marcas próprias ieparts, iepower, ieservice e ieclassic,

bem como das marcas que representa: AS, Eberspächer, Imasaf, Walker, Fabriscape e BM Catalysts. Para que

todos possam visitar o stand da empresa, que estará no Pavilhão 3, a Interescape está a oferecer convites.

Os interessados devem contactar a empresa através do email info@interescape.com.

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


45

A. Vieira e Vision unem-se para proteger

clientes da chuva

A campanha, que une a marca de escovas Vision e o revendedor A. Vieira, oferece aos clientes que comprem mais de

20 escovas um guarda-chuva. Para além da oferta deste produto, o revendedor oferece ainda descontos que podem

chegar aos 20% (compra de 200 escovas). Estas escovas são fabricadas pela Valeo, utilizando a mais avançada tecnologia

e dispõem de um adaptador universal para uma montagem fácil e rápida, dando, assim, garantias da mais elevada

qualidade. Com 15 referências, a gama Vision convencional está perfeitamente adaptada às necessidades do nosso

mercado, bem como a gama Vision Plus – flat blade – que, com apenas 11 referências, tem uma cobertura de mais de

90% do parque circulante nacional.

Arnott Air Suspension obteve certificação TÜV

Com 30 anos de experiência e know-how, a Arnott Air Suspension, que, em Portugal, é representada pelas empresas Pro4matic,

Merpeças e Soarauto, fez saber que obteve a certificação TÜV para a sua fábrica na Europa. Desde 1989 que a Arnott Air Suspension

Products é líder em peças e acessórios para suspensões pneumáticas destinadas a veículos de luxo, modelos pick-up e SUV.

Depois das instalações dos EUA terem obtido as certificações TÜV Rheinland e ISO 9001:2015, a unidade de produção da Europa

foi, também, certificada pela TÜV. Nos últimos meses, a fábrica da Arnott na Europa passou por uma extensa auditoria da TÜV,

de modo a confirmar se a empresa cumpria os requisitos impostos pelas regulamentações internacionais de tráfego rodoviário

relacionadas ao seu Sistema de Gestão da Qualidade e Processo de Produção. A empresa sente-se orgulhosa por poder anunciar a

certificação para o fabrico de sistemas de suspensão pneumática e de kits de conversão de bobina para veículos ligeiros, bem como

para o fabrico de kits de conversão de suspensão pneumática para motociclos. “Vemos essa conquista como um passo empolgante

para continuarmos a demonstrar que o mercado de reposição pode confiar na Arnott no que diz respeito ao fabrico de produtos

de suspensão pneumática da mais elevada qualidade”, pôde ler-se no comunicado enviado pela Arnott Europe à nossa redação.

PUB

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


46

NOTÍCIAS

Empresas

Doga amplia instalações

A Doga vai mudar-se, no final de 2019, para o Polígono de Can Parera,

no município de Castellolí, a fim de melhorar o suporte de serviço ao

cliente. O novo espaço permitirá desenvolver sua atividade em instalações

maiores e mais modernas, agilizando e automatizando a sua

atividade e permitindo que a gama de produtos seja ampliada. As novas

instalações de 5.200 m 2 , ainda em construção, estão implantadas num

terreno de quase 10.000 m² ao pé da autoestrada A2 e a 500 metros do

circuito de Castellolí e do Campus Motor Anoia. A notícia foi divulgada

recentemente e envolve um investimento de mais de três milhões

de euros. A localização estratégica da propriedade industrial de Can

Parera, em Castellolí, com acesso directo à A2, Barcelona, ​Saragoça,

Madrid ou eixo de Bilbao e a conexão com França, através de C-37 e

C-25, é extremamente atraente para empresas como a Doga Parts.

Auto Delta entregou donativo de €500 à APPC

No passado dia 26 de dezembro, a Auto Delta entregou à APPC o resultado da campanha de pneus

Continental e Barum. Durante dois meses, na venda de cada pneu das marcas Continental e Barum,

a Auto Delta comprometia-se a doar €1 à APPC (Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral - Leiria).

Esta associação foi fundada por um grupo de pais de crianças, jovens e adultos, portadoras de paralisia

cerebral, situações neurológicas afins e outras, que se constitui como dinamizadora de outros pais com

os mesmos problemas, no sentido de melhorar a qualidade de vida dos seus filhos e famílias. Para além

da entrega do resultado da campanha, que redundou no valor de €500, a visita serviu, também, para,

mais do que conhecer as instalações, ter uma ideia do que é o dia a dia dentro desta instituição, que

sofre, constantemente, com constrangimentos financeiros a que este donativo acaba por aliviar. Para a

Auto Delta, esta iniciativa representa um marco, uma primeira incursão no campo da responsabilidade

social do qual a empresa não se pretende mais alhear.

PUB

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


47

ZF Aftermarket distinguida

pela Groupauto

A ZF Aftermarket foi nomeada “Fornecedor do Ano de 2018” no congresso

anual da Groupauto International (GAI). A rede internacional de distribuidores

de peças de substituição e serviços para automóveis de passageiros e veículos

comerciais premeia, anualmente, o desempenho excecional dos seus parceiros

fornecedores com a distinção “Fornecedor do Ano”. Markus Wittig, diretor da

Unidade de Negócio para o Mercado de Pós-Venda Independente, recebeu o

prémio “Melhor Fornecedor do Ano” em nome da ZF Aftermarket, na cerimónia

que decorreu no Mónaco. Wittig mostrou-se muito satisfeito com o prémio: “Para

a ZF Aftermarket, o prémio destaca a nossa capacidade de inovação, bem como

a forte orientação da nossa equipa para o cliente. Estamos orgulhosos deste

prémio e da nossa cooperação de longa data e de confiança com a Groupauto”.

Além da qualidade dos produtos e dos programas, as organizações que fazem

parte da GAI avaliam as transações comerciais dos fornecedores com cada um

dos membros do grupo de distribuidores. Os critérios de avaliação incluem

a disponibilidade, o nível de serviço da entrega, o apoio técnico, o apoio ao

marketing e às vendas, bem como outros serviços.

LIQUI MOLY apresentou volume de negócios

recorde em 2018

No primeiro ano sob a égide do Grupo Würth, a LIQUI MOLY voltou a registar um novo recorde

no volume de negócios. A marca alcançou vendas de 544 milhões de euros em 2018, o que

representou mais 2% face ao ano anterior. Ao contrário de outros anos, marcados por elevadas

taxas de crescimento, 2018 foi moderado, à exceção de um ponto: com um volume de negócios

de quase 54 milhões de euros e um crescimento de 34%, outubro acabou por ser o mês

de maior êxito nos mais de 60 anos de história da empresa. Uma série de fatores impediu um

crescimento semelhante para o ano inteiro: Os conflitos comerciais que se alastraram em todo

o mundo tiveram, também, efeitos na LIQUI MOLY. Por exemplo, a atividade na China diminuiu

mais de um terço. Também as atividades no mercado de exportações, de longe o mais importante

para a empresa, a Rússia, regrediram fortemente devido à significativa desvalorização do rublo

nos últimos 24 meses. O crescimento subtil num mercado alemão muito competitivo também

não atenuou as quedas nas exportações. Paralelamente ao aumento mais lento do volume de

negócios, os custos para a empresa aumentaram de forma exponencial.

NelsonTripa_II.pdf 1 15/01/19 10:18

PUB

PUB

AR CONDICIONADO

EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Visite-nos no Facebook

Rua Fernando Vicente - Armazém 15 - 2560-677 Torres Vedras

Telefone: +351 261 335 050 - E-mail: geral@nelsontripa.pt

2019 I Fevereiro

Coordenadas GPS - Latitude 39º5'42.83"N - Longitude 9º15'7,74"W


48

NOTÍCIAS

Empresas

Veneporte fez balanço

de 2018 e perspetivou 2019

No final do ano, a Veneporte fez um balanço bastante positivo da sua

atividade, quer no mercado nacional quer ao nível das exportações. Em

2018, a Veneporte respondeu, de forma assertiva, às exigências do mercado,

cimentando o seu posicionamento como fornecedor de excelência,

ao lançar as suas primeiras referências de filtros de partículas. A empresa

nacional conseguiu, também, um arranque forte no fornecimento ao mercado

do norte da Europa (com particular destaque para a Dinamarca) e

registou uma evolução bastante positiva na Holanda e Bélgica. Também o

surgimento de um novo e importante distribuidor em Itália, a FTS, dedicado

em exclusivo aos componentes da parte quente do sistema (catalisadores

e filtros de partículas), contribuiu para a dinâmica registada. Ainda no

campo dos destaques, a Veneporte sublinhou a primeira participação em

conjunto com a Faurecia na Automechanika Frankfurt 2018, que serviu

de palco para a apresentação do projeto “Easy2Fit” ao mercado alemão.

Em relação a 2019, apesar da já anunciada desaceleração do crescimento

da economia, bem como da também prevista retração da produção por

parte dos OEM, a Veneporte olha para o ano novo de forma bastante

positiva. O contínuo avanço dos negócios e parcerias estabelecidas no

norte e centro da Europa, a retoma do mercado espanhol, o crescimento

no mercado alemão e a evolução do projeto “Easy2Fit”, são aspetos que

fazem a empresa nacional encarar 2019 com confiança. No campo das

novidades, a Veneporte destaca o lançamento das primeiras referências

SCR, bem como uma nova gama de aplicações Euro 6.

ELF celebra 50 anos de parceria com a Renault

Já há meio século que a ELF disponibiliza à Renault o seu know-how e espírito de inovação em lubrificantes.

Estes valores refletem-se na nova gama ELF EVOLUTION RN-TECH, dando resposta a todas

as exigências dos modelos Renault fabricados em 2018. Esta parceria é caracterizada pelo desejo de

antecipar tendências de mercado e de destacar as mais recentes tecnologias, tendo como objetivo

o desempenho desportivo em matéria de competição e o prazer da condução quotidiana para o automobilista.

O compromisso da marca de lubrificantes ELF com o desporto motorizado permite-lhe

ainda contar com uma expertise reconhecida, dando-lhe a oportunidade de desenvolver produtos mais

eficientes utilizados no dia a dias por milhões de condutores.

Ferdinand Bilstein é líder no aftermarket independente

A Ferdinand Bilstein GmbH + Co. KG, com sede em Ennepetal, é líder de mercado

global de peças de substituição para veículos ligeiros e pesados no aftermarket

independente. Esta informação foi conhecida através de uma lista atualizada e

publicada na revista de negócios alemã “Wirtschaftswoche”.

“Os nossos serviços, a nossa gama de produtos com mais de 60.000 peças diferentes

e a nossa disponibilidade mundial proporcionam-nos um lugar de destaque

no aftermarket independente. O título de

‘líder de mercado global’ é, para nós, uma

honra e, em simultâneo, uma motivação.

Pretendemos cumprir a nossa missão de

oferecer o melhor serviço aos clientes,

também no futuro. Para isso, estamos,

constantemente, a evoluir, melhorando

continuamente a nossa oferta”, revelou

Jan Siekermann, diretor-geral do grupo.

A lista dos líderes foi compilada sob a

orientação académica do professor de Economia Christoph Müller, da Universidade

de St. Gallen, na Suíça. As empresas presentes nesta lista obedecem

a critérios rigorosos, incluindo negócios em, pelo menos, três continentes, e

pressupõe uma receita anual de, pelo menos, 50 milhões de euros, dos quais,

no mínimo, 50% devem ser gerados por exportações e negócios estrangeiros.

Lucas_oil.pdf 1 21/11/2018 11:37

José Luis Barbajosa foi nomeado diretor-geral da Norauto Portugal

José Luis Barbajosa, antigo diretor de rede Norauto Espanha, foi nomeado diretor-geral da Norauto Portugal, no seguimento da nomeação de Kenton Cox para a direção-geral

da Norauto Polónia. O atual diretor-geral da Norauto Portugal, José Luis Barbajosa, é formado em economia e desenvolveu uma carreira na Norauto Espanha durante 12 anos,

onde assumiu o Serviço de Logística Ibérico durante sete anos. Em seguida, esteve encarregue da gestão de um centro e de um setor. Em 2016, assumiu a função de diretor

de rede da Norauto Espanha e, agora, tem uma nova missão em Portugal. Para José Luis Barbajosa, assumir esta missão na Norauto Portugal consiste num novo desafio na

sua carreira e o responsável dará continuidade ao desenvolvimento da Norauto Portugal através da sua liderança e experiência.

PUB

Lubrificantes / Aditivos / Car Care

Fevereiro I 2019

Importador Portugal e Espanha - Best Stock – unipessoal, lda

Zona Industrial, lote www.jornaldasoficinas.com

42 - apartado 15 - 3680-323 Oliveira de Frades

Tel: +351.232.763.274 - Tlm: +351.961.555.137 - e-mail : beststock@sapo.pt - www.lucasoil-iberica.com


49

Eni entregou prémios aos vencedores de 2018

A Eni recebeu, no passado mês de dezembro, nos seus Laboratórios de Investigação e Desenvolvimento, em Milão, os alunos vencedores do prémio Eni para

o “Melhor Aluno Finalista”. Ao abrigo do protocolo existente com o CEPRA, o I.P. Leiria e o I.S. Vouga, a Eni proporcionou uma visita a um dos maiores centros

de investigação ao nível mundial na área da prospeção de petróleo e derivados, tais como combustíveis, lubrificantes e aditivos. Numa viagem de dois dias, os

alunos tiveram a oportunidade de conhecer um pouco da cidade de Milão, tal como o Castello Sforzesco, a Catedral de Milão, a galeria Vittorio Emanuele II, o

Teatro La Scala e a zona de Navigli.

Para o grande momento, a visita aos laboratórios da Eni, os laboratórios de ensaios físico‐químicos, os laboratórios de tribologia e os bancos de ensaio de

testes de emissões poluentes, foram o culminar após as excelentes apresentações sobre óleos base, aditivos e biocombustíveis. O Autódromo Internacional do

Algarve (AIA), com as provas dos campeonatos European Le Mans Series, Michelin Le Mans Cup, Campeonato Português de Velocidade de Turismos, Super

7 e Kia Picanto, foram os ingredientes perfeitos para dois dias (27 e 28 de outubro) de emoções nas corridas, onde houve oportunidade de assistir às provas,

conviver e interagir com pilotos e viaturas nas diferentes zonas e atividades, como paddock, pitwalk e grid walk.

PUB

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


NOTÍCIAS

Empresas

Nós damos uma mãozinha

Não fazemos

manutenção automóvel,

mas fazemos a manutenção

da sua terminologia!

MotorPortugal oferece testes

a injetores

Com o arranque de 2019, a MotorPortugal lançou uma campanha. Na compra

de qualquer motor reconstruído Diesel, oferece o teste aos injetores da viatura.

Esta campanha é válida até 28 de fevereiro e disponibiliza, gratuitamente,

o serviço de teste aos injetores da viatura. Os injetores serão enviados para

fábrica, onde técnicos especializados, com a mais recente tecnologia, efetuarão

testes e diagnóstico. Sendo uma campanha que não tem apenas um

objetivo comercial, pretende, também, consciencializar e alertar o mercado

para a necessidade de verificação e teste dos injetores sempre que exista uma

substituição do motor de um veículo Diesel, evitando, desta forma, possíveis

problemas no motor reconstruído.

TRADUÇÃO E DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA

Criamos e traduzimos manuais técnicos à melhor

relação qualidade/preço do mercado. Temos

profissionais especializados em várias áreas da

indústria e uma tecnologia que nos permite criar

projetos à medida de cada cliente.

CONHEÇA O PROGRAMA PARCEIRO JABA

Através da identificação e alinhamento de todas

as traduções antigas do parceiro JABA, é criada

uma base de dados que permite detetar todas as

repetições em novos projetos e baixar consideravelmente

o valor final do documento, mantendo

a terminilogia e o estilo de comunicação já

existentes. Um programa criado a pensar em si!

Vila Nova de Gaia | Telf: 227 729 455/6/7/8 | Fax: 227 729 459

Mail: portugal@jaba-translations.pt | Web: jaba-translations.pt

PUB

Spanjaard triunfou na edição de

2019 do Rali Dakar

Há 15 anos que a Spanjaard tem o privilégio de apoiar a equipa oficial da

Toyota no Rali Dakar. Na edição de 2019 da prova de todo-o-terreno mais

dura do mundo, o fabricante de óleos e aditivos orgulha-se de se associar à

espetacular vitória no Rali Dakar. A equipa Toyota Gazoo Racing utilizou toda

a gama da Spanjaard na preparação da prova e durante a competição. Nos

últimos 15 anos, a marca obteve sempre ótimos resultados, como foi o caso

dos segundo e terceiro lugares no pódio em outras edições. Desta vez, teve

a merecida e almejada vitória nesta dura aventura. O piloto Nasser Al-Attiyah

e o navegador Mathieu Baumel fizeram história no passado dia 17 de janeiro,

tendo levado a Toyota Hilux construída na África do Sul a cruzar a linha da

meta no primeiro lugar.


NOTÍCIAS PESADOS

52

Vicauto entrou no grupo de compras

espanhol ADR98

O grossista de peças para veículos pesados Vicauto, de Viseu, faz parte desde o

dia 1 de janeiro do grupo de compras espanhol ADR98, constituído por diversos

distribuidores de peças para pesados presentes em toda a Espanha. Com esta nova

incorporação, o Grupo ADR98 entra, pela primeira vez, no mercado português

através de um dos principais players de distribuição de peças para pesados. A

Vicauto irá contribuir para um aumento da faturação global do Grupo ADR98 e irá

ser responsável pela implantação da rede de oficinas ADR Service no nosso país.

Quem será coroado “DT Spare Parts

Champion 2019”?

Foi dado o tiro de partida para o jogo de previsão da UEFA Champions League.

No dia 12 de fevereiro de 2019, começarão os jogos da fase eliminatória da UEFA

Champions League e com uma nova edição do jogo de previsão, a marca de

produtos DT Spare Parts procura o “DT Spare Parts Champion 2019”. Há varios

anos que a marca DT Spare Parts atua na Europa, na Liga dos Campeões, como

uma das principais marcas de peças e acessórios. Além disso, a UEFA Champions

League é assistida com grande entusiasmo pelos fãs de futebol de todo

o mundo.As regras do jogo são muito simples para todos os fãs: fazer o login

gratuitamente, apostar antes de cada dia de jogo e juntar o maior número de

pontos possível no caminho para a final em Madrid, no dia 1 de junho de 2019.

Os vencedores do jogo de previsão da UEFA Champions League receberão

atraentes prémios no valor de €5.000.O “DT Spare Parts Champion 2019” vai

passar um final de semana de futebol inesquecível com uma companhia à sua

escolha, incluindo voo, estadia em hotel e dois ingressos para um jogo de futebol

que selecionar.

EUROPART no “rumo DIGITAL!” em 2019

A digitalização é um dos chavões atuais em todo o mundo. Para a EUROPART, é mais

do que um chavão. A empresa utiliza as suas soluções digitais para responder às necessidades

dos clientes. Para além dos clássicos elementos, tais como a página na Internet

e a newsletter, a EUROPART aposta em novas ferramentas e desprende-se dos conceitos

habituais. A introdução do atual EWOS

(Europart Werkstatt Online Systems), no

final de 2018, foi o primeiro passo para

apoiar o cliente também a nível digital

de forma ativa no seu trabalho diário.

O EWOS 3.0 ganhou mobilidade, pode

ser personalizado e ajuda o utilizador na

organização da sua oficina ou empresa.

Além disso, tem muitas funcionalidades

no domínio dos dados técnicos.

A EUROPART vai continuar a percorrer,

de forma consequente, o caminho bem

sucedido para as redes sociais. O foco

está no Facebook e no YouTube. Os seguidores

entusiasmam-se com os vídeos

emocionantes, os relatórios interessantes

e as dicas úteis. “Estas atividades não

se traduzem em compras diretas pelos

nossos clientes”, descreve Daniel Zinn,

head of marketing. “Trata-se mais de nos apresentarmos e de mostrarmos como empresa,

saber quem está por detrás da EUROPART e mostrar que somos movidos pelo

mesmo: paixão”.

Fuchs anunciou upgrade

da gama TITAN CARGO

Com o objetivo de cumprir os requisitos de emissões cada vez mais baixas dos

motores de combustão interna, a Fuchs continua a desenvolver óleos de motor

e testou, atualmente, os TITAN CARGO SAE 5W-40, SAE 10W-30 e SAE 15W-40

segundo a especificação API CK-4 do American Petroleum Institute (API) com

sucesso. De acordo com esta especificação, os óleos de motor TITAN CARGO

mencionados são recomendados para utilização em motores Diesel de veículos

pesados, veículos de construção e maquinaria agrícola com sistemas de pós-tratamento

de gases de escape, como, por exemplo, filtros de partículas, catalisadores

de oxidação Diesel, sistemas de recirculação de gases de escape e catalisadores

SCR. Contudo, devido à compatibilidade com as especificações API anteriores,

estes óleos de motores podem ser utilizados, respetivamente, em motores de

modelos antigos que requerem uma especificação API Classe C. Concluindo, os

TITAN CARGO SAE 5W- 40, SAE 10W-30 e 15W-40 também são apropriados para

utilização em veículos recentes e mais antigos.

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


19

.com


54

CARROScomHISTÓRIA

Jaguar E Type

O automóvel mais elegante

Fabricado entre 1961 e 1975 pela “Jaguar Cars Ltd.”, este modelo de dois lugares é considerado por muitos

como “o automóvel mais elegante jamais construído”. Palavras que foram proferidas por Enzo Ferrari à revista

“Sports Car International” no momento da sua apresentação, em março de 1961

Por: João Paulo Lima

Uma opinião que se manteve até aos

dias de hoje, comprovada pelos

inúmeros prémios que tem vindo

a conquistar ao longo dos anos. Em 2004,

a revista “Sports Car International” colocou o «E

Type» no primeiro lugar da lista dos “melhores

carros desportivos da década de 60”. Em 2008,

voltou a arrecadar o primeiro lugar de uma

lista online editada pelo “The Daily Telegraph”

para a eleição dos “100 carros mais bonitos do

mundo”. Mediaticamente em séries televisivas,

este desportivo inglês, por muitos considerado

“Sex on four wheels and that’s enough”, não

só pelas linhas mas, também, pela sua forma

provocadora em todos os aspetos, tem vindo

a conquistar mérito e espaço. Imprescindível

na garagem de qualquer colecionador

ou apreciador de automóveis seja qual for

a escala, este «Jaguar» faz parte das formas

que transportamos na memória e nos despertam

desejo.

Um automóvel destes não nasce num

“berço” qualquer. Como não poderia deixar

de ser, nesta matéria, o melhor “berço” é a competição.

O «E Type» nasceu da competição,

a melhor escola para construir automóveis.

Presentemente, a maior parte dos estudos

realizados no fabrico e desenvolvimento de

um modelo acontecem em túneis de vento

e envolventes criadas para o efeito. Nos anos

50, os túneis de vento e os testes de evolução

eram na “primeira pessoa”, nas pistas. Essa razão

levava a que houvesse um grande equilíbrio

entre as marcas participantes, só balanceado

quando se introduzia alguma inovação técnica.

Aconteceu com a «Jaguar», que, ao trazer

para as corridas uma tecnologia até então

aplicada à aeronáutica, travões de disco e

um cuidado em geral a nível do peso, conseguiu

vencer três vezes seguidas uma das

mais importantes competições da altura, as “24

Horas de Le Mans”. O «E Type» foi o resultado

desses “anos de ouro” da «Jaguar». Baseado

no «D Type», um carro projetado por William

Heynes, diretor técnico da empresa na altura,

dispunha de um inovador sub-chassis dianteiro

construído em tubo de alumínio, que

comportava um motor de seis cilindros em

linha proveniente do «XK» e onde estavam

ancoradas, também, a suspensão dianteira

independente e uma direção de pinhão e

cremalheira. A carroçaria ficou a cargo de Malcom

Sayer, um especialista que trabalhou na

“Bristol Airplane Company” durante a Segunda

Guerra Mundial. O perfil frontal do automóvel

exigia uma área mínima, forçando os técnicos

a desenvolver um sistema de cárter seco

para reduzir a altura do motor, entre muitas

outras coisas. Recheado de componentes inovadores,

como um estabilizador vertical, que

também dificultava o «D Type» em curvar em

alta velocidade, um depósito de combustível

fabricado em borracha e um conjunto todo ele

muito aligeirado, o «D Type» não deu tréguas

ao seus oponentes até que estes chegassem

ao seu nível. A este ADN desportivo, a «Jaguar»

associou a experiência inglesa na construção

de automóveis de luxo e “deu à luz” o «E Type».

A velocidade máxima deste “felino” era de

241 km/h e a sua aceleração dos 0 aos 100

km/h fazia-se em sete segundos, dados muito

interessantes para a época. Quanto a valores,

este automóvel fez subir astronomicamente

o preço dos seus concorrentes. Foi colocado

à venda por £1.550, numa altura em que um

«Ferrari 250 GT» era comercializado por £6.500

e um «Aston Martin DB4» por £4.000, preços

que tiravam qualquer dúvida a quem pensasse

adquirir um automóvel desta gama.

Porém, nem tudo neste modelo é brilhante.

A sua fiabilidade, o espaço interior, apesar

dos comandos estarem bem disponíveis e

rodeados de couro da melhor qualidade,

os assentos e a habitabilidade em geral não

renunciam as suas origens. O «E Type» não

foi construído para proprietários de grande

porte, sendo isto para quem procura adquirir

um «Jaguar» destes sem limites de qualquer

ordem, uma característica e não um defeito.

Frank Sinatra, desde o primeiro minuto da

sua apresentação, Steve Mc Queen, Deen

Martin, Elton Jonh, George Harrison, Roy Orbison,

George Best, Tony Curtis e Peter Sellers

desfrutaram do claustrofóbico interior do «E

Type» com muito prazer. ✱

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


CLASSIFICADOS

41jeep_VMMotori_2016_12modulos.pdf 2 24/09/18 15:34

55

09mod_APMariaPia_betle_2016.pdf 1 19/09/18 10:52

AUTO PEÇAS MARIA PIA, LDA

“Com 25 anos de experiência”

C

M

Y

CM

MY

C

CY

M

CMY

Y

K

CM

MY

CY

CMY

K

HORÁRIO >2ª a 6ª Feira - 9h às 12h30 - 14h30 às18h30 >Sábado - 8h às 12h

Especializados nas marcas VW, SKODA, SEAT, AUDI e em peças para VW Carocha

Tel.: 213 964 690 | 213 964 837 | Fax: 213 971487

Rua Freitas Gazul,13B - C. Ourique - 1350-148 Lisboa

autopecasmariapia@gmail.com

PEÇAS ORIGINAIS

. .

geral@41jeep.com 261 931 456 www.41jeep.com

.

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


C

M

Y

CM

56

OFICINA DO MÊS

A. H. Almeida

MY

CY

CMY

K

Originalidade reconhecida

Presente no mercado há 44 anos, a A. H. Almeida, gerida por Rui Almeida, foi escolhida, recentemente,

para dar o rosto numa campanha publicitária internacional da TRW sobre “oficinas originais”

Por: Jorge Flores

Rui Almeida é

filho do fundador,

Armando Henrique

de Almeida, e irmão

de Paulo Almeida

Criada em 1975 por Armando Henrique

de Almeida (de onde derivam

as iniciais da empresa), a oficina A.

H. Almeida tem acompanhado a evolução

da indústria automóvel e tem conseguido

adaptar-se aos novos tempos. Atualmente

sob a gerência de Rui Almeida, filho do

fundador e irmão de Paulo Almeida, da

empresa RPA, a oficina foi, recentemente,

escolhida para fazer parte de uma campanha

publicitária internacional da TRW,

parceira da empresa. O tema da ação eram

as “oficinas originais”, cuja história merecesse

ser contada. E entre o tecido oficinal

lusitano, a marca TRW considerou que a A.

H. Almeida era aquela que melhor cumpria

os pressupostos da campanha. Rui Almeida

confessa ao Jornal das Oficinas que esta

escolha é “motivo de orgulho” e revelou

que o vídeo promocional, com imagens da

oficina, passou até em países longínquos,

como a China. “Recebi telefonemas de fora

do país a dizerem que me tinham visto”,

revela o responsável ao nosso jornal.

n SERVIÇO COMPLETO

Com uma equipa composta por 19 pessoas,

a A. H. Almeida é uma oficina que

ocupa um espaço com 4.200 m 2 , divididos

por dois pisos, e que disponibiliza todos os

tipos de serviços relacionados com o automóvel:

colisão, eletricidade, preparação

para inspeção, pneus, reprogramação, ar

condicionado, alinhamentos de direção e

mecânica. De tudo um pouco. A sua especialidade

aponta para marcas como BMW,

Mercedes-Benz, Audi, VW, Seat e Škoda.

“Temos muita qualidade nos serviços e

nos acabamentos finais”, assegura Rui Almeida,

quando questionado sobre o que

distingue a oficina das demais. “Preocupamo-nos

com os clientes e vamos ter com

eles”, acrescenta o responsável ao Jornal

das Oficinas.

No final de 2018, a oficina aderiu à TOP-

CAR, encontrando-se, neste momento, em

fase de preparar a renovação da sua imagem

de acordo com a rede. A expectativa

é que esta parceria beneficie a oficina “em

matéria de formação” e na celebração de

“bons acordos”, nomeadamente, com as

gestoras de frotas. Entre os clientes, a A. H.

Almeida conta com 30% de particulares e

70% de empresas.

n CRIAR PROCESSOS

Trunfo da A. H. Almeida é ainda o recente

e original conceito Smart Repair. “Trata-se

um serviço que lançámos e que permite

reparar apenas uma zona e não a peça

toda, reduzindo, assim, os custos para o

cliente”, explica Rui Almeida. Na sua opinião,

o segredo da atividade está em manter-se

sempre atualizado. E em mecanizar processos,

claro. “No futuro, penso que seja

possível crescer. Mas devemos delinear

bem os processos. Não podemos andar

às voltas. O mercado está competitivo e a

luta pelos preços é enorme. Apenas com

a sistematização dos processos podemos

fazer mais e melhor, criando condições para

garantir mais retorno na nossa atividade”,

conclui. Q

A. H. Almeida

Gerente Rui Almeida | Morada Rua D. Nuno Álvares Pereira, n.°s 4 e 4A, Bloco 18, Polígono de Actividades Económicas Parque Oriente,

2695 - 167 Bobadela | Telefone 219 947 130 | Email geral@ahalmeida.pt | Site www.ahalmeida.pt

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


Seja

patrocinador

veja mais em melhormecatronico.pt

4ª EDIÇÃO

Patrocínadores 2019


58

EMPRESA

Pro4matic Air Suspension Center

Nuno Durão,

CEO e fundador

da Pro4matic Air

Suspension Center

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


Veja o vídeo em www.jornaldasoficinas.com

59

Personalidade transparente

Com um design vanguardista, dominado por tons de branco e por amplas superfícies vidradas,

o novo edifício da Pro4matic Air Suspension Center, onde se encontra a oficina complementar

à atividade, refletem, na perfeição, a identidade transparente do seu fundador, Nuno Durão

Por: Jorge Flores

www.jornaldasoficinas.com Fevereiro I 2019


60

EMPRESA

Pro4matic Air Suspension Center

Poucos edifícios conseguem

refletir a natureza dos seus

fundadores. Mas as novas

instalações da Pro4matic

Air Suspension Center, que

o Jornal das Oficinas foi

conhecer, a poucos minutos da Quinta

do Monte Redondo, onde se realiza,

todos os anos, a Gala TOP100, mais parece

uma extensão da própria personalidade

de Nuno Durão, administrador

da empresa especialista em suspensões

pneumáticas.

Com um design vanguardista e uma

arquitetura arrojada, independentemente

do ângulo de observação, o edifício

foi, todo ele, idealizado pelo

responsável da empresa. Tal como o

interior, de resto. Não há, neste espaço,

nada que não tenha passado pela cabeça

de Nuno Durão, um apaixonado pelo

rigor dos serviços que presta e pela estética,

numa área de atividade onde essa

virtude nem sempre está presente. Desde

a lareira, no centro da receção, aos sofás

cor-de-laranja com pés negros, onde a

equipa de reportagem do nosso jornal

esteve sentada para a realização da entrevista,

até à superfície vidrada que

permite uma vista ampla e privilegiada

sobre a oficina, todos os pormenores

foram estudados e cuidados com muito

requinte. Elegância. E tudo tem, lá está,

a expressão de Nuno Durão. Ele sabe-o.

E não esconde o orgulho pelo espaço

que se prepara para inaugurar nos próximos

meses, mal resolva algumas questões

de detalhe.

n BRANCO IMACULADO

Por enquanto, a empresa encontra-se

na fase de contratar os últimos elementos

de uma equipa (que será composta por

cerca de uma dezena de pessoas) e de

limar pequenas arestas. A adrenalina está

em alta. Para Nuno Durão, o momento é

agora. “A Pro4matic Air Suspention Center

surgiu de uma necessidade de ter todo

um conjunto focado nas suspensões

pneumáticas. Este edifício vai permitir-nos,

não só, representar as marcas com toda

a dignidade e exclusividade, do nosso

edifício aos serviços, mas, também, apoiar

os nossos parceiros, tanto casas como

distribuidores de peças e oficinas, com o

nosso departamento técnico. Vamos poder

dar assistência e apoio a quem tenha

alguma dificuldade ou mesmo em casos

de garantias. Este é um segmento de

mercado muito específico e o conhecimento

nunca consegue ser muito aprofundado

para eles. Para nós, é aprofundado

hoje, amanhã já não o será. Por isso, estamos

sempre em constante evolução. E

é isso que queremos dar: esse apoio e

essa segurança ao cliente”, começa por

referir o administrador da empresa.

Em complemento ao espaço, a Pro4matic

Air Suspension Center dispõe, também,

de uma oficina, dotada de

equipamentos de topo, como é o caso

dos elevadores da marca Ravaglioli, fruto

da parceria com a PCC. O ambiente é

completamente dominado pelo branco

das paredes e do chão, algo extensível

ao armazém. “Vamos ter uma oficina e

tentar fazer de tudo um pouco para dinamizar

o espaço e o nosso conceito

inovador. O nosso foco serão sempre as

suspensões pneumáticas e o apoio técnico,

tanto para o consumidor final como

para o profissional”, sublinha. “Mas aqui

vamos fazer de tudo o que seja inerente

ao negócio. Nomeadamente, manutenção,

mudanças de óleo, mudanças de

discos de travão, revisões e lavagens.

Tudo o que esteja relacionado com o

automóvel, cientes de que o nosso core

business, o nosso núcleo, são as suspensões

pneumáticas”, revela.

As expectativas de Nuno Durão para a

empresa são ambiciosas. “Queremos ser

uma referência a nível da Europa. Não é

um capricho. É um sonho. Uma forma

de estar que eu gosto de ter e de apresentar

aos clientes. Trabalhamos com

conforto e cada vez gostamos de estar

mais confortáveis”, conta. Ora, “o conforto

é uma evolução constante”, acrescenta.

“E o que hoje é confortável, amanhã poderá

não ser. Isso acaba por encaminhar-

-nos sempre para a evolução máxima”,

sublinha o responsável da Pro4matic.

O espaço é de um branco quase imaculado

e com superfícies vidradas. Será

isto espelho da própria filosofia de vida

do seu criador? “Sim. Isto é 100% o reflexo

de como estamos e queremos estar no

mercado. Com uma transparência total.

Por isso é que todo o edifício, nomeadamente

os escritórios e o departamento

técnico, é perfeitamente visível. Para que

todos os departamentos consigam ver-

-se uns aos outros. Por uma questão até

de proximidade, de sabermos onde estão

as pessoas. Para criarmos vida aqui dentro”,

frisa ainda Nuno Durão.

n CONFORTÁVEL COM PARCEIROS

Em 2019, ano em que inaugurará a “sua”

casa, a Pro4matic comemora uma década

de existência. Nuno Durão recorda a

forma genuína como tudo começou.

“Como diz o velho ditado, a necessidade

aguça o engenho. Há 10 anos, tive um

problema no carro, que tinha suspensão

pneumática, e desloquei-me à marca, ao

concessionário oficial. Achei o preço

exagerado. Mas não tinha outra opção.

Tentei fazer algumas pesquisas e não

encontrei informação sobre o ramo. Em

Portugal, não havia mesmo nada. Entretanto,

descobri a Arnott e, desde 2009,

que importamos a marca da qual somos

representantes”, conta. Para uma empresa

que nasceu em quadro de forte crise

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


61

económica, o balanço é extremamente

positivo. “Não tem corrido mesmo nada

mal. Acho que a crise acabamos por ser

nós que a fazemos. É lógico que temos

de contar com todas as adversidades que

esta traz, mas também temos de acreditar

e seguir o sonho, se bem que controlado,

não de forma desmesurada. E eu

acreditei. Hoje, estamos neste edifício,

que é o menino dos meus olhos”, sublinha

ao nosso jornal.

Num percurso em que admite que nada

faria de diferente, “apenas melhorar uma

ou outra coisa que fosse possível”, Nuno

Durão tem procurado acompanhar-se

de parceiros de confiança. A Arnott, como

seria de esperar, é exemplo disso. Basta

referir que, em Portugal, são o seu principal

distribuidor, sendo, simultaneamente,

um dos maiores a nível ibérico.

“É a nossa principal e primeira marca,

que começámos a importar e a representar

em Portugal, desde 2009. É uma

marca acarinhada por mim. Temos outras

marcas, igualmente acarinhadas, mas a

que tem mais expressão é a Arnott, até

pela gama que tem. Dispomos da Bilstein,

que é uma marca pela qual tenho um

carinho muito especial também, mas a

nível da gama de suspensão pneumática

não é tão vasta quanto a Arnott”, explica.

“Conseguimos chegar a um patamar

muito interessante. E, em Portugal, somos

os líderes, até pelo tempo que já temos

de comercialização deste produto, em

exclusivo. E mesmo em Espanha, temos

uma dimensão considerável”, afirma.

A formação é algo importante no ramo

das suspensões pneumáticas. “Sempre

foi importante e, agora, reunimos as condições

para isso com este novo edifício,

onde vamos dar formação, tanto teórica

como técnica, em todas as marcas que

representamos, nomeadamente Arnott,

Bilstein, AMK, Wabco e outras que vamos

ter agora”, adianta.

Tudo na vida de Nuno Durão rima com

amizade. E os negócios não são exceção.

“É o que me move e aquilo a que dou

mais valor. Com a PCC, nomeadamente

com o Pedro, conheço-o desde a primeira

feira que fizemos na expoMECÂNICA.

Éramos como uma criança que ia, pela

primeira vez, para a escola primária. E

sentimo-nos muito acarinhados por

ele. Hoje, é um dos meus melhores

amigos. Isso transpôs-se para a atividade

e a PCC é, atualmente, nossa

parceira de equipamento oficinal”,

conta.

n PRAZER EM RECEBER

Nuno Durão acredita que a sua

grande diferença é a forma “transparente”

como está no mercado. “Não

temos nada a esconder. Não vejo as

outras empresas como concorrentes.

A concorrência existe, sim, e é muito

positiva, mas nós somos exclusivos no

que fazemos. Queremos é ajudar os

nossos parceiros, não podemos interpretar

quem vende os nossos produtos

como concorrentes. Temos de interpretá-los

como nossos parceiros. É

como vejo as coisas”, acrescenta.

Líder de uma empresa de sucesso,

como a Pro4matic, Nuno Durão assume-se

como “mais um” entre a equipa.

“A minha relação com a minha equipa

é, também, de amizade. O ambiente é

relaxado. Somos todos iguais. Eu tenho

a decisão final, mas nada é imposto, é

uma coisa natural. Todos os colaboradores

que tenho na equipa, toda esta malta

amiga, pode usufruir das condições máximas

que tenhamos. Privilegiamos a liberdade

e o espírito aberto”, enfatiza o

nosso interlocutor.

Nuno Durão prefere não fazer grandes

planos quanto ao futuro. Este pode ter

várias formas. Mas que ninguém duvide

que continuará a mostrar cartas na arte

de bem receber. É uma paixão, como prova

a Quinta do Monte Redondo. “É um espaço

que acarinhei desde o início. É uma herança

familiar, antigamente virada para a

agricultura e criação de animais. Tivemos

de virar a atividade para o turismo. É uma

paixão que tenho vindo a crescer dentro

de mim. Tem tudo a ver comigo, porque

gosto muito de receber as pessoas. De

estar com elas e de proporcionar-lhes bons

momentos. A vida é só uma, porque não

fazer e tentar dar o máximo que podemos?

A vida tem de ser vivida ao máximo, estabelecendo

limites, claro. Muitos chegam

como desconhecidos e saem como amigos”,

remata. ✱

Pro4matic Air Suspension Center

CEO e fundador Nuno Durão | Morada Parque de Negócios, Lote 6, 3140 - 293 Montemor-o-Velho | Telefone 239 700 760

Email info@pro4matic.com | Site www.pro4matic.com

www.jornaldasoficinas.com Fevereiro I 2019


62

EMPRESA

Repuestos Guadiana

Referência da Extremadura

Com seis pontos de venda na Extremadura, a maior província de Espanha, a Repuestos Guadiana é uma referência

na distribuição de peças. Com a integração, a 1 de janeiro de 2018, na Create Business, a empresa liderada por

Andrés Llano mudou a imagem, otimizou processos e ficou melhor preparada para o futuro

Por: Bruno Castanheira

Corria o ano de 1986 quando, a 1

de agosto, Andrés Llano fundava,

em Badajoz, num espaço de 80

m 2 , a Repuestos Guadiana. Natural de

Cáceres, o administrador da empresa,

que conta, há uma década, com o filho

no negócio, José Pedro Llano, está ligado

ao setor das peças há 45 anos. Em 1989,

foi inaugurada a delegação de Cáceres,

em 1996 a de Mérida, no ano 2000 a de

Zafra, em 2010 a de Almendralejo e, em

2015, foi aberto um segundo ponto em

Cáceres.

Com um total de 50 colaboradores, uma

frota de 28 veículos, centenas de milhar

de referências em stock e cerca de 700

clientes ativos (na base de dados constam

mais de 2.000), a Repuestos Guadiana atua

em toda a província da Extremadura, que

tem quase 45.000 km 2 de área, sendo a

sua capital Mérida. “Dedicamo-nos, sobretudo,

à mecânica pura e dura, embora

disponibilizemos acessórios, peças de

carroçaria, ferramentas, processos de

diagnóstico e equipamentos oficinais. É

necessário ter a maior cobertura possível

para assegurar a melhor prestação de

serviço à oficina, que é o nosso principal

cliente”, refere José Pedro Llano. “Contudo,

o nosso negócio nasceu e está totalmente

focado na mecânica. Pneus e tintas não

fazem, por enquanto, parte do nosso

portefólio”, acrescenta o gerente.

n INTEGRAÇÃO NA CREATE

Hoje, a sede da Repuestos Guadiana,

localizada em Badajoz, dispõe de cinco

naves, que totalizam cerca de 2.000 m 2 .

A 1 de janeiro de 2018, a empresa liderada

por Andrés Llano integrou a Create

Business. Integração essa que implicou

uma alteração de imagem e uma mudança

de software. “Assumimos processos

internos que são mais produtivos.

No fundo, não se trata apenas de adquirir

um fornecedor ou uma imagem, mas

um espírito, uma ideia e uma mentalidade

conjunta. Depois, existem outras

mais-valias desta integração, como o call

center, o portal +Valor, os serviços e a

formação. Sem dúvida alguma que a

Repuestos Guadiana está, agora, melhor

preparada para o futuro do negócio, que

é muito mais do que apenas comprar e

vender peças”, refere José Pedro Llano.

“Tudo o que a Create Business nos proporciona,

aporta muito mais valor ao

nosso negócio em relação ao anterior

grupo a que pertencemos até final de

2017. Efetuámos diversas alterações internas,

desde a zona de armazenagem

até à função de cada colaborador”,

acrescenta.

Create Business by Guadiana. É esta a

nova imagem da empresa. “O que estamos

a fazer em Espanha com a Create

Business Iberia Aftermarket (cuja sede

social e domicílio fiscal estão em Badajoz),

é montar a mesma estrutura que

tem a Create Business em Portugal”, explica

José Pedro Llano. “Estamos a desenvolver

o mesmo modelo de negócio

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


63

que existe em Portugal, procurando

sócios que nos permitam assegurar uma

cobertura em toda a Espanha. Fomos a

primeira empresa espanhola a integrar

a Create Business, que dispõe de uma

matriz específica de fornecedores. A Repuestos

Guadiana, quando integrou a

organização liderada por Carlos Nascimento,

dispunha apenas de dois fornecedores

comuns. Hoje, já trabalhamos,

diretamente, com todos os que tem a

Create Business em Portugal”, assegura

o gerente.

A estratégia da Repuestos Guadiana

passa por aumentar o número de sócios

em território espanhol. Posteriormente,

é provável que a sede social da Create

Business Iberia Aftermarket passe para

uma zona mais central de Espanha. A

Create Business é sócia e parte integrante

da Create Business Iberia Aftermarket.

“Todos os sócios da Create Business têm

liberdade para decidir o que fazer nos

seus negócios, ou seja, a quem vender,

como vender e, inclusivamente, a quem

comprar. No entanto, o que procura a

Create Business é obter uma matriz clara

de fornecedores para um benefício comum.

O que a Repuestos Guadiana tem

feito é assumir esses fornecedores como

seus, uma vez que têm apostado na

Create Business em Espanha”, sublinha

José Pedro Llano.

n BALANÇO POSITIVO

A Repuestos Guadiana prevê replicar,

em Espanha, num prazo máximo de cinco

anos, a estrutura que tem a Create Business

em Portugal. “Não apostamos na

quantidade de sócios, mas, antes, na sua

qualidade. O principal objetivo é atingirmos

notoriedade e sermos uma

grande empresa à escala ibérica. Além

disso, estamos a criar uma rede de oficinas,

cujo nome está a ser discutido”, revela

o gerente. Andrés Llano concorda

totalmente com o filho. E acrescenta que

“a mudança é sempre difícil, mas foi a

melhor decisão que podíamos ter tomado.

O conceito e a mentalidade da

Create Business, que dispõe de uma

equipa séria e transparente, evidencia

uma filosofia muito própria. O balanço

que faço deste primeiro ano de integração

é extremamente positivo”.

A estratégia da Create Business, desde

a fundação, sempre esteve assente nos

serviços de valor acrescentado. No ano

em que cumpriu 15 anos, a empresa deu

o primeiro passo para tornar esta estratégia

numa realidade ibérica. Ao anunciar

a incorporação da empresa Repuestos

Guadiana, com sede em Badajoz, como

o seu mais recente membro (o primeiro

em Espanha) a Create Business assumiu

uma dimensão ibérica. Como refere José

Pedro Llano, “vimos no projeto da Create

Business uma forma diferente de fazer

negócio. Acreditamos que a filosofia da

empresa portuguesa, em termos de marcas

e serviços, é a acertada para fazer

face aos desafios do futuro. Foi, pois, com

muita convicção que assumimos uma

posição pioneira neste projeto e que nos

assumimos como o primeiro passo e a

face da Create Business em Espanha”.

Tanto na sua sede, em Badajoz, como

nas delegações de Mérida, Cáceres, Zafra

e Almendralejo, assim como nos veículos

de empresa, a Repuestos Guadiana dispõe

de uma imagem corporativa uniforme,

que transmite aos clientes e ao

mercado confiança, qualidade, responsabilidade

e ética, valores que se enquadram

na política da Create Business,

sempre com a ideia de fornecer as melhores

soluções para os melhores profissionais.

Sendo a Create Business uma

empresa que pertence ao mercado da

distribuição de peças automóvel, com

esta mensagem, centra a sua atividade

na figura do profissional da oficina multimarca

como principal destinatário. Q

Repuestos Guadiana, S.L.

Administrador Andrés Llano | Gerente José Pedro Llano | Morada Ctra. Nacional V, Km 399,500, Polígono Centrowagen, 06008 Badajoz

Telefone +34 924 242 407 | Fax +34 924 240 902 | Email info@repuestosguadiana.com | Site www.repuestosguadiana.com

www.jornaldasoficinas.com Fevereiro I 2019


64

EMPRESA

RedService

Jorge Salvador,

responsável da

RedService, explica

as vantagens da rede

de oficinas que gere

RedService ganha expressão

Apresentada há dois anos, por ocasião da Convenção dos 30 anos da Leirilis, a rede de oficinas RedService tem vindo

a crescer de forma acelerada, dispondo, atualmente, de 31 aderentes. O objetivo é chegar aos 50 até final de 2019

Por: Joana Calado e João Vieira

Jorge Salvador é, atualmente, o responsável

da rede de oficinas RedService.

Apesar do projeto estar apenas

“ativo” há dois anos, o business manager

conta vários anos de experiência no setor,

os últimos seis na empresa Leirilis. O desenvolvimento

deste projeto foi em grande

parte da sua responsabilidade. “Este é um

conceito de oficina multimarca direcionada

para a prestaçaõ de serviços automóvel,

nomeadamente diagnośtico, manutençaõ

e reparaçaõ”, começa por explicar Jorge

Salvador ao Jornal das Oficinas.

Apesar de ser um negócio recente, em

2017 as oficinas RedService incorporaram

uma nova vertente, permitindo ao cliente

trocar os pneus do veículo, alargando,

desta forma, o leque de serviços oferecidos

e revelando uma permanente aposta

no dinamismo e na inovação no negócio.

Atualmente, as oficinas RedService oferecem

aos clientes treŝ marcas de pneus

”Temos como

objetivo ajudar

os nossos

clientes a

preparem-se

para os novos

desafios com

que são

confrontados

diariamente”

de gama premium e duas marcas budget.

O principal foco da RedService é servir

e apoiar o cliente, neste caso as oficinas,

nos desafios que estas enfrentam diariamente.

É, desta forma, que o projeto se

inicia, oferecendo às oficinas multimarca

a possibilidade de integrarem uma rede

e de terem, assim, apoio, nomeadamente

a nível de marketing, gestão oficinal mas,

também, técnico.

Foi criada uma identidade para todas as

oficinas da rede RedService, procurando,

deste modo, criar no mercado uma imagem

de acordo com os valores e princípios da

marca. “Procuramos que as nossas oficinas

tenham uma imagem forte, que se

distingam no mercado, quer em termos

de instalações, pessoas ou mesmo ao nível

dos procedimentos”, refere Jorge Salvador.

A gestaõ do site e das redes sociais, bem

como todo o merchandising, são da responsabilidade

da equipa de marketing, que

tambeḿ elabora as campanhas mensais,

disponíveis para todas as oficinas ou criadas,

especificamente, para cada unidade.

As campanhas saõ divulgadas no site, nas

redes sociais e nas proṕrias oficinas, onde

é afixada a campanha em vigor, normalmente

na receçaõ, de forma a despertar

logo a atençaõ do cliente. Estas campanhas

podem ser direcionadas para um produto,

serviço ou até em formato de passatempo,

de forma a criar alguma dinâmica.

Todo o apoio tećnico que a oficina possa

vir a necessitar estará a cargo de uma

equipa tećnica, com formaçaõ adequada,

que responde a qualquer questaõ.

n COMUNICAÇÃO É FUNDAMENTAL

A comunicaçaõ é um tema cada vez mais

importante para o desenvolvimento da

rede. Por isso, merece toda a atençaõ do seu

responsável. “A comunicaçaõ, hoje, faz-se

de vaŕias formas. Tem de ser mais assertiva

e mais raṕida, pois o cliente naõ está muito

tempo à espera. E tudo isto implica muita

comunicação digital - site e redes sociais.

No site, optaḿos por um layout simples e

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


65

de faćil acesso, onde o cliente consiga facilmente

encontrar o que procura. Nas redes

sociais, optaḿos por divulgar campanhas,

conselhos, interagir com o cliente e informar

sobre acontecimentos associados às

oficinas, como, por exemplo, inaugurações

de novas unidades. Hoje, este tipo de comunicaçaõ

é fundamental. As redes sociais,

nomeadamente o Facebook, têm grande

peso. Tambeḿ já começamos a comunicar

com os clientes por outros canais, como o

WhatsApp”, diz Jorge Salvador.

n CARTÃO FIDELIZA CLIENTES

A pensar no cliente final, a RedService

desenvolveu, em parceria com a BP, um cartaõ

com identidade proṕria, personalizado

com o nome de cada oficina RedService.

Este cartaõ é oferecido aos clientes que

visitam as oficinas e dá a possibilidade de

usufruir de descontos em combustíveis

e, tambeḿ, num posterior regresso à oficina.

Segundo o responsável, o conceito

é simples. “Um cliente que vem apenas

uma vez por ano à oficina, ao utilizar o

cartaõ, vai lembrar-se desta e associá-la

a um momento bom, uma vez que vai

usufruir de um desconto”

Para 2019, a RedService quer inaugurar

19 oficinas, mas, segundo Jorge Salvador,

o grande projeto será a qualidade de serviços,

contando já com a colaboração de

uma entidade externa de auditoria, que,

este ano, realizará avaliaçoẽs a todas as oficinas

da rede. Procura-se, com esta medida,

identificar os pontos de melhoria e avaliar

o grau de qualidade do serviço prestado.

“Esta é uma preocupaçaõ da RedService.

”Sendo nós um

conceito

multimarca e

não um conceito

de marca, temos

algumas

vantagens,

nomeadamente

uma capacidade

de adaptação

muito maior”

lhor do que apostar na qualidade”, sublinha

o responsável, desvendando, tambeḿ, que

a grande aposta na qualidade irá abrir-lhes

caminhos rumo à certificaçaõ.

Sobre as necessidades que as oficinas da

rede fazem chegar com mais frequência,

Jorge Salvador afirma que são, “claramente

na aŕea tećnica, sobretudo no que respeita

Queremos estar no mercado de uma forma

assertiva e diferente. Se naõ quisermos

ser apenas mais uma rede, temos de nos

preocupar com a qualidade do serviço, até

porque estamos a desenvolver parcerias

com outras entidades, que estaõ a confiar

em noś. E, como tal, temos de ser merecedores

dessa confiança. Para isso, nada mea

questões relacionadas com veićulos

híbridos e elétricos. Esta é, sem dúvida,

uma grande preocupaçaõ da maioria das

oficinas, uma vez que percebem que este

mercado está a crescer e querem estar preparadas

para conseguir corresponder. Mas,

também, ao nível do atendimento e da

gestão da relaçaõ com o cliente. Fidelizar

o cliente, a maneira como ele é recebido...

Essa é uma preocupaçaõ um pouco menor,

é certo, mas, ainda assim, bem real

das oficinas, naõ devendo, por isso, ser

menosprezada”.

n CRIAÇÃO DE OPORTUNIDADES

Jorge Salvador olha para as dificuldades

como oportunidades para melhorar

o negoćio das oficinas. E explica: “Temos

de estar atentos e ver qual é o caminho

que queremos seguir. Obviamente as novas

tecnologias, a telemática, a realidade

aumentada, a receçaõ ativa, os novos

meios de comunicaçaõ com o veićulo ou

o sistema ADAS, representam enormes

desafios e muita coisa para tratar. Mas

estamos atentos e acreditamos que, em

termos futuros, tudo isto vai ter uma ligaçaõ

entre o cliente, o veićulo e a oficina.

Sendo que todos vaõ comunicar entre eles,

a forma como temos as nossas oficinas

montadas cria-nos um desafio bastante

grande. Claramente que, hoje, a oficina

tem de mudar a sua forma de estar e a

sua estrutura, porque a forma como vai

comunicar com o cliente e prestar-lhe o

serviço serão completamente diferentes. O

nosso trabalho é mostrar aos parceiros qual

o caminho que o negoćio está a tomar,

porque, muitas vezes, as oficinas naõ têm

essa perceçaõ. Estaõ taõ focadas no seu

trabalho diaŕio, que naõ se apercebem do

que se está a passar à sua volta”, conclui

Jorge Salvador. ✱

VANTAGENS DE

PERTENCER À REDE

REDSERVICE

Marca RedService forte

l Design exterior e sinalética profissional

l Uniformes atraentes e funcionais

l Documentação da empresa com imagem

corporativa RedService

Marketing

l Uso da marca RedService nas comunicações

l Website nacional, com opção de criar o seu

próprio website

l Ferramentas de marketing para criar ações de

marketing locais

l Campanhas periódicas dirigidas ao consumidor

final

Apoio técnico

l Atendimento técnico

l Assessoria individual e partilha de conhecimentos

Formação

l Desenvolvimento de ações de formação

– Técnica: desenvolvimento de planos semestralmente,

com cursos que abrangem as mais

recentes tecnologias do automóvel

– Comportamental: gestão oficinal; métodos

de receção; novas ferramentas de marketing;

área financeira

Portal

l Acesso ao portal Leirilis, que permite à rede

ter acesso a todas as ferwramentas necessárias

ao desenvolvimento técnico e comercial

do negócio

Portal de orçamentos

- Permite definir o valor de mão-de-obra a

aplicar

- Permite comparação dos orçamentos com os

valores de origem

- Criação de base de dados de clientes, possibilitando

o desenvolvimento de campanhas

direcionadas, tanto a nível local como nacional

- Acesso ao catálogo de peças com cruzamentos,

informações de aplicação, disponibilidade,

stocks e preços

- Informação sobre histórico encomendas, conta-

-corrente, volume de compras e objetivos

Gestão de Resíduos

l Gestão global de resíduos

l Gestão e consultadoria ambiental

l Formação ambiental

RedService

Business manager Jorge Salvador | Morada Rua de Nacala, 2B, 2685 - 363 Prior Velho | Telefone 244 850 080 | Telemóvel 910 280 350

Email jorge.salvador@leirilis.com | Site www.leirilis.com

www.jornaldasoficinas.com Fevereiro I 2019


66

PRODUTO

Líquidos de refrigeração e anticongelantes

Papel decisivo

A importância dos líquidos de refrigeração e anticongelantes, bem como a sua dinâmica no sistema de

refrigeração do motor, é inequívoca. Contudo, para que as suas ações possam ser potenciadas em termos de

eficiência e durabilidade, é imprescindível a simultaneidade de outros elementos e manutenções ajustadas às

necessidades de cada propulsor. Com a ajuda das marcas Kroon Oil e Spanjaard, abordamos um tema que tem

vindo a ser negligenciado pelas oficinas

Por: Bruno Castanheira

Os líquidos de refrigeração e anticongelantes

foram descurados pela

indústria automóvel durante muito

tempo. Ao contrário do desenvolvimento

dos óleos de motor, que seguiram as últimas

tendências tecnológicas implementadas

pelos fabricantes de propulsores, os sistemas

de refrigeração continuaram a utilizar

líquidos convencionais de qualidade

BS Afnor ao longo das últimas décadas.

Devido ao rápido desenvolvimento, às

mudanças no desenho dos motores e às

novas exigências que têm vindo a ser feitas

nos modernos sistemas de refrigeração,

tornou-se evidente que o passo seguinte

para o desenvolvimento dos líquidos de

refrigeração era apenas uma questão de

tempo. Como os fabricantes de veículos

têm as suas preferências no que se refere

a metais, selantes e plásticos utilizados, os

líquidos de refrigeração “feitos por medida”

tornaram-se a norma e não a exceção.

Neste artigo, pretendemos transmitir informação

técnica irrefutável e deixar diversas

recomendações para uma manutenção

correta, com proteção extra, do sistema de

refrigeração do motor. Apesar da sua importância

fundamental, este tema tem vindo

a ser negligenciado pelas oficinas. A clara

aposta na qualidade de produtos e serviços,

promovendo, simultaneamente, o aumento

da faturação na cadeia comercial, é um dos

objetivos assumidos pelas marcas Kroon Oil

e Spanjaard, a quem recorremos, através

de Amadeu Fernandes, country manager

Portugal, para abordar este tema.

A importância dos líquidos de refrigeração

e anticongelantes, bem como a sua

dinâmica no sistema de refrigeração do

motor, é inequívoca. Contudo, para que

as suas ações possam ser potenciadas em

termos de eficiência e durabilidade, é imprescindível

a simultaneidade de outros

elementos e manutenções ajustadas às necessidades

de cada motor. “Usando como

analogia a seleção necessária dos diversos

tipos de óleos para cada motor e a importância

deste ato, as revisões dos sistemas

de refrigeração do motor e a seleção do líquido

correto são, igualmente, importantes

e necessárias”, começa por explicar Amadeu

Fernandes. Para, de seguida, afirmar que “a

Kroon Oil dispõe de sete tipos diferentes e

necessários de coolants/antifreeze para dar

uma resposta completa ao atual mercado

automóvel”. Tudo porque, segundo diz,

“constata-se que muitos proprietários de

veículos não têm ideia da importância da

qualidade do líquido de refrigeração. Na

prática, a maior parte dos condutores só

solicita ao mecânico que verifique o nível

e o corrija, o que não é suficiente. O resultado

traduz-se no aparecimento de muitos

problemas no motor, causados pelo seu

mau arrefecimento”.

n ESCOLHA É FUNDAMENTAL

Sabia que 26% de todos os custos de

reparação podem ser diretamente atribuídos

a problemas de manutenção do

sistema de refrigeração? Esta foi a principal

conclusão de um estudo realizado

pelo fabricante holandês Kroon Oil, que

é, também, especialista na produção de

líquidos de refrigeração e anticongelantes,

cumprindo os requisitos de qualidade de

cada fabricante de motores de forma a

que as garantias de fábrica sejam válidas

e a identidade do produto e do fabricante

sejam mantidas. “Para facilitar a informação

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


67

correta do líquido a aplicar, pode recorrer-se

ao site da Kroon Oil, que, automaticamente,

seleciona o tipo de produto, bastando, para

tal, colocar o modelo e o ano da viatura”,

frisa Amadeu Fernandes.

Os líquidos de refrigeração e anticongelantes

devem ser de “longa vida”, em conformidade

com os requisitos de qualidade de

cada fabricante de motores, desenvolvidos

sinteticamente com base MEG (monoetilenoglicol)

de qualidade superior, aditivos

para prevenção da corrosão e “ferrugem”,

formação de depósitos/resíduos e lamas,

bem como outros elementos que protejam

contra a formação de espuma e cavitação.

Terão de ser cumpridores das normas ambientais

e não conter elementos NAP (portanto,

isentos de nitrato, amina e fósforo)

nem silicatos, prejudiciais, principalmente,

nos motores de alumínio.

A escolha específica do líquido de refrigeração

do motor é tão importante como a

qualidade e a correta seleção do óleo. Estes

dois fluidos, projetados em sintonia, protegem

o motor. Mas variarão os líquidos de

refrigeração em função dos diferentes

motores? “Cada motor é projetado para

ser arrefecido de acordo com as especificações

do líquido original introduzido pelo

fabricante do automóvel. Como, também, é

feito de diferentes ligas metálicas e acabamentos

superficiais. A estabilidade térmica

do sistema de arrefecimento é fundamental

para o correto funcionamento do motor e

para a sua conservação”, alerta o country

manager Portugal das marcas Spanjaard e

Kroon Oil. “Para se ter uma ideia da exigência

das temperaturas internas do motor”,

acrescenta, “a combustão atinge 2.000 °C no

interior da câmara e 1.300 °C na saída dos

gases resultantes da mesma”. Os líquidos

“tradicionais” perdem rapidamente essa

(suposta) eficácia, assim como falham,

também, noutros pontos importantes que

tornam este líquido fundamental para o

bom equilíbrio do motor. “Por esse motivo,

o melhor é cumprir as especificações de

cada fabricante do automóvel e aplicar a

uma gama pronta a usar, diretamente sem

diluição. Concentrações e misturas erradas

prejudicam a eficiência do sistema, a

rentabilidade e a durabilidade do motor.

Além disso, a longevidade de certas peças

do sistema poderá ficar comprometida,

como é o caso do termóstato, do radiador,

das vedações, das tubagens e da bomba de

água, pela falta das especificações requeridas

para a necessidade de cada motor”,

explica Amadeu Fernandes.

n ADITIVOS SÃO NECESSÁRIOS

Os líquidos de refrigeração têm como

funções principais proporcionar uma

transferência efetiva de calor, assegurar

proteção contra congelamento/ebulição

e, por último, garantir proteção de todos

os elementos do sistema de arrefecimento

contra a corrosão. A água tem a condutividade

térmica mais elevada e o calor específico

mais alto de todos os líquidos. A

água tem viscosidade baixa, o que se revela

benéfico para a dispersão de calor. A água

pura é, em termos físicos, o melhor líquido

de refrigeração. No entanto, só pode ser utilizada

dentro de uma faixa de temperatura

limitada (estabelecida a 0 °C e cujo ponto de

ebulição é a 100 °C), existindo sérios riscos

de o motor ficar corroído.

Os aditivos especiais são necessários

para ajudar a combater as propriedades

negativas da água. O monoetilenoglicol

(MEG) é frequentemente utilizado para aumentar

a faixa de temperatura da água. Já

o monopropilenoglicol (MPG), que é mais

ecológico, também é comummente utilizado.

Contudo, este último aditivo não é

tão apropriado para o setor automóvel, uma

vez que as propriedades de transferência

de calor são, significativamente, inferiores.

Quase todos os motores utilizam o mesmo

Manutenção correta e proteção

extra em 3 passos

1 Limpeza do sistema de refrigeração

A limpeza regular do sistema de refrigeração é um dos pontos mais importantes na manutenção do motor.

Trata-se de uma tarefa de fácil execução, com os produtos certos. Limpar o sistema de refrigeração do veículo

garante o correto funcionamento do motor, permitindo beneficiar da sua máxima potência e eficácia. A remoção de

depósitos acumulados, ferrugem, calcário e outros resíduos prejudiciais resultantes do tempo de funcionamento,

torna-se obrigatória do ponto de vista das boas práticas de manutenção numa oficina especializada. Prolonga

a vida da bomba de água e elimina ruídos durante o seu funcionamento.

2 Seleção do líquido de refrigeração de acordo

com as especificações do fabricante

Consultar o site www.kroon-oil.com para seleção automática do líquido através do modelo e ano da viatura.

3 Proteção permanente contra fugas

Líquido de radiador novo e de qualidade superior, num sistema limpo, para proteção extra contra eventuais

fugas, tanto no decorrer do funcionamento até à próxima manutenção do sistema, como, também, para proteger

contra pequenas fugas que possam ocorrer após o serviço realizado em oficina e que, eventualmente, não

tenham sido detetadas antes da entrega da viatura ao cliente. A utilização de um aditivo de elevada qualidade,

veda, instantaneamente, pelo exterior, identificando as fugas a vermelho para posterior recuperação e evitando

o sobreaquecimento e a “gripagem” do motor. Além disso, prolonga a capacidade anticorrosiva do líquido e

funciona como lubrificante da bomba de água.

fluido básico, que consiste numa mistura

de 50:50 entre MEG e água, fornecendo

proteção contra congelamento a uma temperatura

de, aproximadamente, -40 °C. Os

aditivos previnem a corrosão, a ferrugem,

os depósitos e as lamas. E também devem

assegurar proteção contra a formação de

espuma e cavitação, um tipo de corrosão

causada pela implosão de bolhas resultante

de alterações de pressão no sistema de arrefecimento.

No passado, os líquidos de refrigeração

convencionais tendiam a usar inibidores de

corrosão inorgânicos, como silicatos, fosfatos

e boratos. A mais-valia destes sistemas

inibidores dizia respeito à proteção contra

a corrosão que proporcionavam, isolando

totalmente o componente através de uma

“manta protetora”. Mas existem várias desvantagens

relacionadas com este tipo de

proteção. Uma grande percentagem dos

inibidores de corrosão faz com que as superfícies

se encontrem cobertas por uma

“manta protetora”, que consiste em várias

camadas de moléculas que se unem logo

após o momento em que o sistema de refrigeração

é atestado. O que significa que

existe pouca capacidade para reparar qualquer

dano à camada protetora se necessário

for. Os inibidores ativos desempenharão a

sua função ​dentro de um período de tempo

específico. É, por isso, que os líquidos de

refrigeração convencionais precisam de ser

substituídos, no máximo, a cada dois anos.

A “manta protetora” tem, também, um

efeito isolante. Por outras palavras, a transferência

de calor é dificultada pelo efeito

isolante fornecido pela camada protetora.

Além disso, os silicatos, um inibidor de corrosão

frequentemente utilizado para produtos

de alumínio, são suscetíveis à polimerização,

sendo formadas longas cadeias de moléculas

que perdem tensão após um determinado

período de tempo. O que aumenta

o risco da existência de lodo e a criação de

depósitos no sistema de refrigeração. Esta é

outra das razões pelas quais se recomenda

a substituição do líquido de refrigeração,

pelo menos, a cada dois anos. No entanto,

a mudança regular do líquido de refrigeração

não se tornou tão habitual na rotina de

manutenção do veículo como a substituição

do óleo. Muitas pessoas acreditam, erradamente,

que o líquido de refrigeração não

precisa de ser substituído se os níveis forem

suficientes. Como resultado, os condutores

são frequentemente confrontados com

custos de reparação desnecessariamente

elevados a longo prazo. Existem, inclusivamente,

estatísticas que demonstram que as

falhas no sistema de refrigeração ainda são

das principais causas de avarias.

n TECNOLOGIA OAT

A chegada de uma nova geração de líquidos

de refrigeração, com inibidores de

corrosão baseados na Tecnologia de Ácido

Orgânico (OAT), erradicou a maioria das desvantagens

relacionadas com a utilização

de líquidos de refrigeração tradicionais. Tal

deve-se ao facto de os sistemas inibidores

OAT, também conhecidos como inibido-

www.jornaldasoficinas.com Fevereiro I 2019


68

PRODUTO

Líquidos de refrigeração e anticongelantes

res orgânicos, comportarem-se de maneira

muito diferente. Ao contrário dos inibidores

tradicionais, que formam imediatamente

uma camada protetora, os inibidores orgânicos

atuam seletivamente. Não são ativados

até ocorrer uma interação química necessária

numa área que possa estar sujeita a

corrosão. Este método traz inúmeros benefícios

quando comparado com os líquidos

de refrigeração tradicionais: poupança na

utilização de inibidores de corrosão devido

à função seletiva; arrefecimento otimizado

graças à ausência de uma grossa camada

protetora isolante; estabilidade química que

previne o enfraquecimento das correntes

e a formação de lodo; aumento do ciclo de

vida do líquido de refrigeração, evitando que

tenha de ser substituído com muita frequência;

proteção inigualável e duradoura contra

corrosão, bem como proteção a longo prazo

contra cavitação.

Os líquidos de refrigeração OAT tornam-se,

compreensivelmente, bastante populares. E

os veículos modernos não passam sem eles.

No entanto, apresentam uma desvantagem:

os sistemas inibidores orgânicos não atuam

de forma tão rápida como os tradicionais

sistemas inibidores minerais. É necessário

que exista um mínimo de corrosão para que

o sistema inibidor orgânico atue. Depois,

importa referir que alguns fabricantes de

motores recorrem às mais recentes ligas de

metais leves, que, além do seu peso muito

reduzido, são, também, mais suscetíveis à

corrosão, o que implica proteção imediata.

Tecnologia como silicatos, boratos, molibdatos

e nitratos são a solução. Este tipo de

refrigeração híbrida combina os benefícios

dos modernos líquidos de refrigeração OAT

com a ação rápida dos líquidos de refrigeração

tradicionais. Existem, atualmente,

quatro diferentes tipos de tecnologia de

refrigeração, que podem ser classificados

com base nos atuais sistemas inibidores

utilizados.

Os líquidos de refrigeração têm de ser

compatíveis com os materiais que compõem

o sistema de arrefecimento, como

plásticos, elastómeros, variedade de metais

e ligas metálicas. Como os fabricantes de

veículos têm as suas preferências no que

se refere aos materiais utilizados, isto afeta,

logicamente, a seleção do sistema inibidor

correto. É impossível dar resposta às diversas

necessidades mediante a utilização de um

único líquido de refrigeração universal. Por

isso, têm vindo a ser lançados mais e novos

tipos de líquidos de refrigeração, que apresentam

pacotes de inibidores de corrosão

adaptados para fornecer a proteção ideal

aos tipos de materiais utilizados ​no motor e

no sistema de refrigeração. É extremamente

importante utilizar o líquido de refrigeração

adequado, que cumpra as especificações

determinadas pelo fabricante do veículo

e que garanta o ciclo de vida mais longo

possível do sistema de refrigeração.

Os líquidos de refrigeração orgânicos (OAT)

conquistaram uma reputação quase mítica,

tendo o foco mudado, principalmente, para

se ele é ou não orgânico. Mas pouca atenção

é dada às especificações necessárias. O

preço, no entanto, também tem estado no

centro das atenções. O mercado aproveitou-

-se deste desenvolvimento e lançou líquidos

de refrigeração orgânicos universais com

“grau de combate”. A cor é mantida o mais

neutra possível, evitando-se combinações

de cores estranhas resultantes da mistura

de líquidos. Os preços também são mantidos

baixos através da redução de custos

no que se refere ao pacote de inibidores.

Os líquidos de refrigeração com “grau

de combate”, comercializados a preços

competitivos, podem incluir até 50% menos

de inibidor do que os de qualidade

oficial OE. Em muitos casos, os líquidos de

refrigeração já não são de longa duração,

podendo ser classificados como tendo um

ciclo de vida médio, na melhor das hipóteses.

O que significa que precisam de ser

substituídos a cada três anos, ao contrário

dos líquidos de primeiro enchimento, que

só necessitam de ser trocados, no mínimo,

a cada seis anos.

E como funciona a refrigeração líquida

com gestão térmica eletrónica? “As viaturas

mais recentes estão dotadas de uma centralina

de controlo eletrónico do motor, com

um módulo de gestão térmica. Este sistema

inteligente controla, através de uma bomba

elétrica, eletroválvulas e atuadores, a circulação

do líquido de refrigeração. Assim, o

motor é capaz de funcionar a temperaturas

mais elevadas de forma controlada e mais

segura, aumentado a sua eficiência. O sistema

gere, também, a quantidade de ar que

passa pelo radiador, regulando a abertura

das lâminas na grelha frontal do veículo. Este

sistema contribui, igualmente, para obter

melhor coeficiente aerodinâmico, menor

consumo de combustível e emissões mais

baixas”, conclui Amadeu Fernandes. Q

Oferta Kroon Oil e Spanjaard

l Kroon Oil Coolant SP 11 Long Life (cor azul e proteção -40 °C)

Líquido premium NAP pronto a usar (qualidade G 11), baseado numa mistura sem silicatos e com técnicas

de composição OAT (Organic Acid Technology) e híbrida. Especialmente desenvolvido em conformidade com

certos modelos Mercedes-Benz, BMW, Opel/GM, Porsche, Audi, VW, Seat, Škoda, Saab, MAN.

l Kroon Oil Coolant SP 12 Long Life (cor roxo/rosa e proteção -40 °C)

Líquido premium NAP pronto a usar (qualidade G 12), base OAT (Organic Acid Technology) e absolutamente

isento de silicatos. Especialmente desenvolvido em conformidade com certos modelos Ford, Mercedes-Benz, GM,

Renault, Porsche, Audi, Seat, Škoda, Chrysler, Volvo, MAN, Scania, Mack, John Deere, Detroit Diesel, Cummins.

l Kroon Oil Coolant SP 13 Long Life (cor vermelho/rosa e proteção -36 °C)

Líquido premium pronto a usar (qualidade G 13), criado com tecnologia aditiva LOBRID patenteada e com base na

tecnologia de Ácido Orgânico. Está em conformidade com a especificação VW TL VW 774J (G 13). Especialmente

projetado para modelos do Grupo VAG (VW, Audi, Seat e Škoda).

l Kroon Oil Coolant SP 14 Long Life (cor verde e proteção -40 °C)

Líquido premium NAP pronto a usar, totalmente isento de silicatos, com alta resistência contra a formação de

ácido conforme prescrito para os vários modelos da Nissan e do Goupe PSA (Peugeot e Citroën).

l Kroon Oil Coolant SP 15 Long Life (cor-de-laranja fluorescente e proteção -40 °C)

Líquido premium NAP pronto a usar e absolutamente isento de silicatos. Especialmente desenvolvido em conformidade

com certos modelos do Grupo GM (Opel, Vauxhall e Saab).

l Kroon Oil Coolant SP 16 Long Life (cor amarela fluorescente e proteção -38 °C)

Líquido pronto a usar, de qualidade superior, concebido com tecnologia patenteada sem silicato, baseada em

ácidos policarboxílicos. Especialmente desenvolvido para automóveis de passageiros, carrinhas de entregas

e camiões das marcas Renault, Nissan e Dacia.

l Kroon Oil Coolant Organic -38 (cor amarela e proteção -38 °C)

Líquido refrigerante genérico premium de base orgânica, pronto a usar e isento de silicatos.

l Spanjaard Radiator Flush

Limpeza de radiador. Lava, eficazmente, todo o sistema em poucos minutos; não ataca juntas, vedantes,

metais nem borrachas; dissolve depósitos sólidos, ferrugem e lamas no interior do radiador.

l Spanjaard Radiator Sealer & Conditioner

Previne a corrosão e eventuais fugas. Veda, instantaneamente, as fugas da tubagem e do radiador pelo

exterior, identificando-as a cor-de-rosa; veda infiltrações da junta da cabeça do motor.

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


Seja

patrocinador

veja mais em challengeoficinas.pt

3ª EDIÇÃO

Patrocínadores 2019


70

TÉCNICA&SERVIÇO

Renault Mégane III Hatchback / Coupé / Grandtour 1.5 dCi (2009-2015)

RENAULT MÉGANE

Nesta nova secção do Jornal das Oficinas, elaborada em colaboração com a Bosch, apresentaremos, todos os meses,

soluções para a resolução de problemas ocorridos em modelos bem conhecidos do nosso parque automóvel

Queixa do cliente

l Luz de avaria do motor acesa

l Mensagem de aviso “perigo gripagem do motor”

l Possível motor entrar no modo de funcionamento de segurança, potência reduzida

P1525 Tal como acontece na ECU SID305, o erro volta a aparecer na SID

307 com uma tradução errada do real problema. Desta vez, leva o técnico a

associar um problema com o controlo automático da velocidade (cruise control)

PROCEDIMENTO DO TÉCNICO

- Leitura de códigos de avaria, de acordo com a unidade de comando de motor

utilizada pela viatura (CR/EDC SID 305 ou CR/EDC SID 307). Os códigos de erro apresentados

poderão ser:

P253F Problema com a qualidade do óleo. Este erro aparece em conjunto

com o P1525, mesmo em situações em que o óleo do motor e o filtro de óleo

tenham sido substituídos há poucos quilómetros

VERIFICAÇÕES APÓS LEITURA DA MEMÓRIA DE ERROS

l Verificar qualidade do óleo em relação a diluição do mesmo e nível do óleo. Grande

possibilidade de o óleo estar acima do nível e diluído. Isto deve-se a regenerações

do filtro de partículas deficientes ou incompletas. Faz com que o gasóleo das pósinjeções

se misture com o óleo do motor, degradando, assim, propriedades do óleo

CR/EDC SID 305

l Verificar com o equipamento de diagnóstico valores reais

P1525 Este erro apresenta-se com uma tradução errada do real problema,

levando o técnico a possível erro devido a, aparentemente, significar problema

do atuador de ralenti ou escalanador (borboleta acelerador)

CR/EDC SID 307

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


Colaboração

71

Ao verificar os valores reais, é necessário avaliar os valores na imagem anterior.

l Teor de fuligem - verifica-se a quantidade de fuligem constante no filtro de partículas,

sendo este valor calculado pela ECU e não sendo um valor medido.

l Pressão diferencial do filtro de partículas – este valor indica-nos qual a diferença

de pressão antes do filtro e após o filtro. Este valor é o que nos indica realmente

o estado do filtro partículas.

l Em regime de marcha lenta, o valor não deverá ser superior de 6/7 mbar e

sempre o mais perto de 0. Valores superiores indicam filtro obstruído.

l Em regime acelerado (2000 rpm, 2500 rpm), o valor deverá andar à volta dos

16-18 mbar, sendo os valores superiores considerados como filtro obstruído.

l Número de regenerações interrompidas – indica-nos quantas regenerações não

foram concluídas. Um número elevado indica que a viatura não efetua completamente

as regenerações em estrada numa condução normal. Isto pode dever-se a

vários fatores, como os percursos que o cliente faz serem demasiados curtos ou a

viatura estar em regeneração mas ser desligada durante esse período.

l Duração da última regeneração – indica quanto tempo durou a regeneração. Este

valor ajuda-nos a perceber se o filtro de partículas estava muito obstruído ou não

quando efetuou a regeneração.

l Fator de diluição do óleo do motor – este valor poderá ser só visível ou real na

unidade de comando do motor SID 307. Este valor indica o estado do óleo do motor

calculado pela ECU pela quantidade de regenerações concluídas e incompletas.

l Após a regeneração do filtro partículas acabar, o técnico deverá efetuar a troca do

óleo e filtro, pois o óleo irá ficar contaminado com gasóleo da regeneração do filtro.

l Efetuar “reset” da troca de óleo da viatura.

l Efetuar “reset” após regeneração do DPF (filtro de partículas Diesel).

CONCLUSÃO DE DIAGNÓSTICO

l Após o diagnóstico, é possível determinar que o filtro de partículas Diesel não

efetuou regenerações passivas. Regenerações efetuadas durante percursos longos

no qual o utilizador da viatura não tem perceção quando está a ocorrer. Neste

sentido, é necessário efetuar uma regeneração do filtro de partículas Diesel ativa.

l Efetuar adaptação do sensor pressão diferencial do filtro de partículas.

PROCEDIMENTO DE REPARAÇÃO

l O processo de reparação passa por efetuar a regeneração ativa/forçada do filtro

de partículas Diesel. Para este processo, o técnico deve efetuar os procedimentos

habituais de uma regeneração forçada estática, que passam pela verificação geral

das condições do motor, do espaço onde se encontra a viatura, equipamentos de

segurança e combate de incêndios, devido às possibilidades de problemas durante

as regenerações estáticas.

l Antes de efetuar a regeneração, caso o óleo do motor esteja demasiado diluído

aconselha-se a efetuar a troca do óleo por segurança, devido aos elevados regimes

que o motor atinge.

l Efetuar a regeneração com o equipamento de diagnóstico. Esta função encontrase

dentro das funções especiais no menu do diagnóstico da unidade de comando

do motor.

l Após efetuar todos os “resets” e adaptações necessários, deve verificar de novo a

memória de erros. Por vezes, os erros apagam-se sozinhos após todo o processo.

Noutros casos, será necessário apagar a memória de erros.

l Efetuar teste de estrada para confirmar que a reparação foi efetuada com sucesso.

l Deverá ser explicado ao cliente que, numa viatura com filtro de partículas, convém

efetuar trajetos longos regularmente, pois trajetos curtos provocam a obstrução

do filtro de partículas mais rapidamente. ✱

Esquema de ligações elétricas – sid 305 Esquema de ligações elétricas – sid 307

www.jornaldasoficinas.com Fevereiro I 2019


72

TÉCNICA&SERVIÇO

Conselhos para poupar eletricidade

Otimização elétrica na oficina

O consumo elétrico é, entre os fornecimentos da oficina, aquele que acarreta um custo mais relevante. Se

pretende moderar o impacto desta despesa na conta de resultados, bem como reduzir o efeito da atividade da

oficina no ambiente, leia os conselhos úteis que constam neste artigo

O

desenvolvimento tecnológico e

a sua aplicação prática nos meios

de produção, proporcionam-nos a

oportunidade de implementar medidas de

poupança energética com as quais conseguimos

reduzir, de forma relevante, o consumo

elétrico da oficina, sem condicionar

a vertente de produção e o bem-estar das

pessoas. Analisemos as áreas da oficina

onde se concentra um maior consumo

elétrico, comentando em cada uma delas

as diversas possibilidades de poupança que

se nos apresentam.

n ILUMINAÇÃO

É no sistema de iluminação que encontramos

uma maior quantidade de oportunidades

de melhoria para otimizar a utilização

de cada ampere que entra na instalação

elétrica da oficina. Estas medidas são, na

sua maioria, simples de implementar e

requerem um investimento reduzido.

A oficina deve dispor de um sistema de

iluminação que garanta um nível adequado

de iluminação em cada uma das suas áreas

e locais, em função das tarefas a realizar. Este

aspeto tem uma importância crítica na área

de pintura, por razões óbvias: nesta área é

necessário um nível de 750 lux de iluminação,

bem como um tipo de luz que facilite

a visualização real das cores. Os sistemas

de iluminação mais usados são baseados

em painéis de luminárias fluorescentes,

lâmpadas de descarga de gás e lâmpadas

de halogénio de incandescência, sendo

utilizado um sistema ou outro em função

do consumo previsto e das características e

qualidade de luz necessária em cada local.

A oportunidade de poupança que, aqui,

encontramos consiste em substituir todos

estes sistemas por tecnologia LED, visto que,

atualmente, existem luminárias de todos os

tipos baseadas nesta tecnologia que cumprem,

amplamente, todas as necessidades,

com preços muito competitivos.

À primeira vista, pode parecer que a instalação

destes novos elementos de iluminação

só se torna interessante nos locais de

maior consumo elétrico para iluminação,

como estufas, boxes de pintura e postos de

preparação. Mas a implementação destas

soluções beneficia, igualmente, as restantes

áreas de produção da oficina ou de serviço:

escritórios, casas de banho, vestiários ou armazéns.

Inclusivamente, a implementação

destes elementos pode ser considerada

em aspetos que, aparentemente, podem

passar despercebidos, como, por exemplo,

a iluminação de emergência, as luzes indicadoras

de quadros elétricos, o elevador

ou o monta-automóveis, caso este exista.

A principal vantagem do LED é a sua eficiência

energética, uma vez que pode chegar

a permitir uma redução de até 50 % no

consumo elétrico destinado à iluminação

comparativamente às lâmpadas fluorescentes.

E mais ainda comparativamente

às lâmpadas de incandescência. Além do

mais, não são necessários arrancadores e

indutores, o que implica uma redução no

consumo e nas despesas com a substituição

destes elementos.

Outra das vantagens que apresentam é

a sua duração. No caso dos tubos de LED,

a sua vida útil pode ultrapassar as 50.000

horas, face às 5.000 horas do seu equivalente

fluorescente. Além do mais, são mais

resistentes a impactos, vibrações e a altas

temperaturas, pelo que, nas estufas, a frequência

da trabalhosa tarefa de substituição

de luminárias – conforme os modelos – poderá

ser amplamente reduzida. As lâmpadas

de LED, comparativamente a outras

tecnologias, têm um arranque instantâneo,

sem que o número de ativações diárias afete

a sua durabilidade. Se combinarmos esta

característica com mecanismos de ativação

e desativação automática, como, por

exemplo, os sensores de presença, iremos

obter uma excelente solução para a iluminação

das zonas e áreas da oficina que não

necessitam de iluminação permanente

(armazéns, box de pintura, corredores ou

casas de banho). Esta solução vai permitir

que possamos prescindir do bom hábito de

apagar as luzes ao sairmos do local.

Outros dispositivos, como programadores

horários com relógio astronómico, células

fotoelétricas ou reguladores de intensidade,

e medidas como a setorização das zonas

a iluminar, permitem otimizar ainda mais

o consumo de energia elétrica destinada

à iluminação.

O aproveitamento da luz solar como complemento

à luz artificial também deve ser

considerado. Em muitos casos, poderá ser

um apoio considerável e com potencial para

reduzir o consumo elétrico. Neste sentido, é

interessante a grande variedade de tipos de

clarabóias disponíveis ou, inclusivamente,

de tubos de luz solar, que podem ser instalados

nos casos em que as características

de construção da oficina não permitem

clarabóias.

n EQUIPAMENTO ELÉTRICO

Uma parte importante da energia elétrica

consumida na oficina destina-se ao acionamento

das máquinas e equipamentos elétricos

da área de produção. Se o objetivo for

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


Colaboração

CESVIMAP

www.cesvimap.com

73

Variador de frequência

reduzir as necessidades de consumo neste

aspeto, é necessário dar a devida importância

ao plano de manutenção. Um aumento

da manutenção do equipamento da oficina,

aumentando o controlo e o acompanhamento,

irá favorecer o seu desempenho, o

que irá impedir que o consumo de energia

dispare ou, inclusivamente, permitir uma

redução.

No entanto, uma descida significativa do

consumo só será possível com a aquisição

de novo equipamento, que proporcione

uma eficiência energética superior à atual.

Existem diversas soluções tecnológicas que

permitem otimizar o consumo energético,

adaptando o funcionamento do equipamento

para que este proporcione os parâmetros

necessários para cada tarefa.

É o caso da tecnologia «Inverter», utilizada,

principalmente, em equipamentos

de soldadura, estufas de pintura, planos

de aspiração de postos de preparação de

superfícies, centrais de aspiração de pó de

lixamento ou compressores para o abastecimento

de ar comprimido em equipamento

pneumático.

Nos equipamentos de soldadura, o sistema

“Inverter” transforma a eletricidade

de entrada através de circuitos eletrónicos

de forma mais eficiente do que o transformador/retificador

dos equipamentos convencionais.

Desta forma, é possível obter

uma poupança energética de, aproximadamente,

40%.

Nas estufas ou planos de aspiração com

sistema ”Inverter”, cada motor está ligado

a um variador ou conversor de frequência,

Lâmpadas de LED na cabina pintura

que modifica a corrente que é aplicada aos

enrolamentos do motor.

Este circuito eletrónico evita consumos

excessivos de eletricidade no arranque e

regula a velocidade do motor, permitindo

otimizar a potência consumida em cada

fase do ciclo de pintura.

Nestes equipamentos, o autómato programável

que controla o seu funcionamento

desempenha um papel decisivo. Este deve

ser capaz de adaptar as suas condições de

trabalho às exigências (tarefa a realizar),

procurando, em todos os momentos, a

eficiência energética.

Nas estufas com sistema “Inverter” nos

grupos de movimento de ar, é possível

obter uma poupança elétrica relevante

logo no arranque dos motores. Além do

mais, se dispusermos de um sistema de

controlo que adapte a sua velocidade às

Equipamento de soldadura “inverter”

necessidades do caudal de ar de cada operação,

a poupança pode aumentar. Na tabela

abaixo, é apresentada uma estimativa da

poupança que é possível obter na pintura

de um veículo que requeira uma utilização

da estufa de 130 minutos. Com o ajuste e

controlo adequados, a poupança energética

pode mesmo atingir os 50%.

n FORNECIMENTO

Quanto ao custo para a oficina, correspondente

ao fornecimento de eletricidade,

é essencial estar a par das diferentes modalidades

de contratação oferecidas pelos

diferentes fornecedores, identificando aqueles

que, de acordo com as características da

oficina, sejam mais interessantes, incluindo,

neste aspeto, a potência contratada.

Grande parte do equipamento da oficina

dispõe de motores elétricos, transformadores

e lâmpadas de descarga que fazem

disparar a energia reativa, o que pode ser

motivo de penalização por parte da empresa

fornecedora. Se na instalação elétrica

da oficina existirem equipamentos que

compensem esta energia reativa, como

uma bateria de condensadores automáticos,

haverá uma redução na utilização

desta energia e, consequentemente, uma

diminuição no valor da fatura de eletricidade

a pagar.

Variador de frequência

n EQUIPAMENTO DE BURÓTICA

Embora os equipamentos informáticos

(computadores, impressoras, scanners) não representem

um consumo relevante na oficina,

é recomendável manter regras de poupança,

como a desativação dos mesmos quando

não estão a ser utilizados, especialmente o

ecrã do computador, responsável pela maior

parte do consumo. Também tem interesse

ativar as funções de poupança energética que

grande parte destes equipamentos integra

(desligamentos por horário, automáticos,

configurações em espera).

Cumprindo estas medidas de poupança,

reduziremos o consumo elétrico na oficina,

que reúne uma significativa parte do orçamento

total. E, o que é mais importante,

reduziremos o montante de dinheiro que

sairá dos nossos bolsos. O que é, desde logo,

motivo de satisfação. ✱

Bateria de condensadores

Estimativa da poupança que é possível obter na pintura de um veículo

Operação

Tempo de uso da

Cabina convencional

Cabina com sistema “inverter”

cabina de pintura

Velocidade do motor Energia consumida Velocidade do motor Energia consumida

Mascaramento 15,0 min 100% 4,13 kWh 15% 0,02 kWh

Limpeza e

desengorduramento

Aplicação de cor/

Base água

10,0 min 2,48 kWh 20% 0,02 kWh

30,0 miN 7,43 kWh 100% 7,43 kWh

Evaporação 10,0 min 1,65 kWh 100% 1,65 kWh

Aplicação de verniz 20,0 min 4,95 kWh 100% 4,95 kWh

Secagem 45,0 min 11,25 kWh 50% 1,76 kWh

Total 130,0 min 31,88 kWh 15,82 kWh

Poupança energética 50%

Nas cabinas de pintura com sistema “inverter” nos grupos de movimento de ar já se consegue uma importante poupança elétrica

no arranque dos motores. Caso também exista um sistema de controlo que adapte a sua velocidade às necessidades do caudal de

ar de cada operação, a poupança pode ser superior. Na tabela, é apresentada uma estimativa da poupança que é possível obter

na pintura de um veículo que requeira uma utilização da estufa de 130 minutos. Com ajuste e controlo adequados, a poupança

energética pode mesmo atingir os 50%

www.jornaldasoficinas.com Fevereiro I 2019


MUNDO AUTOMÓVEL

74

Lexus LS 500h AWD Luxury

Superlativo absoluto

Contemple este habitáculo luxuoso, onde tudo é sensível ao toque e é passível de ajuste. Refastele-se nos

bancos multi-reguláveis com massagem “Shiatsu”. Deixe que os 359 cv do sistema híbrido Multi Stage e a tração

integral o transportem para outra dimensão. Ao som do sistema Surround Mark Levinson com 24 altifalantes e

rodeado de fortes medidas de segurança. O superlativo absoluto tem um nome: Lexus LS 500h AWD Luxury

Por: Bruno Castanheira

Não existe nenhum construtor à face

da Terra que tenha uma oferta híbrida

tão extensa como a Lexus,

o que diz muito acerca da sua preocupação

ambiental e da forma de encarar

o automóvel. Entre compactos, sedans,

coupés e crossovers, são nada menos do

que oito os modelos que estão à venda

no nosso país, esperando-se, para breve, a

chegada de mais dois: o crossover UX 250h

e o sedan ES 300h. Por enquanto, a gama é

constituída, por ordem crescente de preço,

pelos CT 200h, IS 300h, NX 300h, RC 300h,

RX 450h, RX 450hL, LC 500h e LS 500h. É

precisamente sobre este último que recai

o ensaio desta edição. São nada menos do

que €154.639 de automóvel. Luxo, espaço,

segurança, eficácia e exclusividade são apenas

alguns dos substantivos que se coadunam

com este superlativo absoluto no

admirável mundo dos híbridos. Se quiser

saber as restantes virtudes, refastele-se e

viaje connosco pelas próximas linhas, numa

espécie de experiência sensorial.

n PRESENÇA MARCANTE

É impossível ficar indiferente à presença

do LS 500h. O seus mais de cinco metros

de comprimento, só por si, despertam

curiosidade, que, a seguir, se transformam

em olhar de cobiça e expressão de

contemplação. Afinal, o caso não é para

menos. As brilhantes jantes de 20”, os grupos

óticos arrojados e a proliferação de

adereços cromados dão nas vistas, mas

não tanto quanto a grelha fusiforme, que é,

sem dúvida, o apontamento estético mais

relevante deste topo de gama e que se

tornou numa característica de assinatura

do design dos modelos da Lexus. No LS

500h, a grelha, que dispõe de um intrincado

desenho de malha, com 5.000 superfícies

individuais, constitui um ponto de partida

para o tema geral do estilo do veículo, gerando

linhas que fluem através da carroçaria

e convergem para a secção traseira. O

padrão sofisticado reflete a forma da grelha

enquanto se projeta para trás, gerando um

efeito de tensão e uma aparência que muda

de acordo com a luz. O LS 500h é o primeiro

sedan da Lexus a apresentar um perfil de

seis vidros laterais, que garante excelente

visibilidade para o exterior. E, também, o

primeiro a dispor de vidros com superfícies

à face, que se integram harmoniosamente

com os pilares laterais.

Por dentro, este topo de gama consegue

ser arrebatador. A elevada qualidade

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


75

MOTOR DE COMBUSTÃO

Tipo

6 cil. V, long., diant.

Cilindrada (cc) 3456

Diâmetro x curso (mm)

94,0x83,0

Taxa de compressão 13,0:1

Potência máxima (cv/rpm) 299/6600

Binário máximo (Nm/rpm) 350/5100

Distribuição

2x2 v.e.c./Dual

VVT-i, 24 válvulas

Alimentação

inj. eletrónica

multiponto

MOTOR ELÉTRICO

Tipo

íman permanente

Potência máxima (kW/cv) 132/179

Binário máximo (Nm) 300

A grelha fusiforme, que dispõe de um intrincado desenho de malha, com 5.000 superfícies individuais, é o apontamento estético

mais relevante deste topo de gama. Luxo, espaço, qualidade, segurança e tecnologia, são os principais predicados do LS 500h AWD

de construção impera. Tudo é sensível

ao toque e passível de ajuste. O espaço

é amplo. O equipamento é completo. O

conforto é absoluto. O posto de condução

é, simplesmente, ergonómico. O design

mistura classicismo (o relógio analógico

e os acabamentos em madeira que o digam)

com pormenores futuristas, como o

trackpad (não é, contudo, muito intuitivo)

localizado entre os bancos e os comandos

que selecionam os modos de condução e o

controlo de estabilidade no topo do painel

de instrumentos (que lembram, perdoem-

-nos a expressão, umas “orelhas”).

Ar condicionado para todas as zonas, sistema

de som Surround Mark Levinson Reference

3D com 24 altifalantes (recorre à nova

tecnologia Quantum Logic Immersion para

criar um ambiente sonoro completamente

tridimensional), bancos multi-reguláveis

com massagem “Shiatsu”, regulação elétrica,

aquecimento e ventilação para todos os

lugares, cortinas nas janelas e óculo traseiro,

monitor de visão panorâmica 360,

comandos por voz e entradas AUX, USB e

HDMI, são algumas mordomias disponíveis

a bordo. Diz a Lexus que o LS 500h “abraça”

os princípios tradicionais da hospitalidade

japonesa de “Omotenashi”, no modo como

cuida dos ocupantes do veículo e na antecipação

das suas necessidades. Pudera...

n COCKTAIL TECNOLÓGICO

O LS 500h traz consigo novas tecnologias,

que proporcionam elevados níveis de segurança.

E um novo patamar de assistência

ao condutor, que sinaliza o progresso da

Lexus no desenvolvimento de futuros sistemas

de condução autónoma. Além de

estar equipado com o Lexus Safety System

+, o pacote de sistemas de segurança ativa

da marca, é o primeiro modelo a beneficiar

do sistema mais avançado Lexus Safety

System + A, que inclui tanto funções de

segurança ativa projetadas para ajudar a

evitar o acidente como recursos mais sofisticados

de assistência ao condutor. São

tantos os dispositivos, que é impossível

enumerá-los nestas duas páginas. Até porque

se há coisa que o LS 500h não abdica,

é de radares e câmaras.

Assente na plataforma Arquitetura Global

- Luxo (GA-L), está o sistema híbrido Multi

Stage, que recorre à conhecida transmissão

elétrica continuamente variável do

Lexus Hybrid Drive, acoplada a um novo

dispositivo de mudança de quatro velocidades.

Esta configuração expande a gama

de engrenagens, suscitando uma resposta

mais direta às solicitações do condutor e

um superior nível de desempenho dinâmico,

ao mesmo tempo que mantém o

funcionamento suave e refinado, características

essenciais num topo de gama.

Num automóvel full hybrid “convencional”,

o rendimento do motor a gasolina é incrementado

pelo do motor elétrico através de

uma engrenagem de redução. No novo

sistema híbrido Multi Stage da Lexus, a

energia dos motores V6 e elétrico podem

ser aumentadas pela transmissão automática,

permitindo que seja usada uma

potência muito mais elevada ao acelerar

no momento do arranque.

O sistema híbrido Multi Stage permite que

o LS 500h seja conduzido a velocidades mais

altas com o motor de combustão desligado,

em comparação com o que acontece nos

híbridos anteriores da Lexus - até 140 km/h.

Por outro lado, é possível que o motor V6

produza mais potência na aceleração. A configuração

deste sistema coloca o dispositivo

de mudança Multi Stage imediatamente

atrás do dispositivo de divisão de energia,

num eixo alinhado com o eixo da cambota

do motor. Embora a transmissão tenha quatro

velocidades, a faixa “D” dispõe de um

padrão de controlo de mudança simulado,

que dá a sensação de condução com uma

caixa de 10 velocidades.

Ainda que pese mais de 2.400 kg, o LS

500h, que dispõe de tração às quatro rodas

(AWD), 359 cv de potência máxima combinada,

suspensão adaptativa variável,

pneus largos, eficaz sistema de travagem

controlado eletronicamente, direção de

desmultiplicação variável, eixo traseiro direcional

e diversos modos de condução

selecionáveis, oferece prestações fulgurantes

com um elevado nível de conforto.

Por tudo isto, não admira, pois, que custe,

na versão Luxury, €154.639.... ✱

RENDIMENTO COMBINADO

Potência máxima combinada (cv/rpm) 359/n.d.

BATERIA

Tipo

iões de Lítio

Voltagem nominal (V) 310,8

TRANSMISSÃO

Tração

integral com VSC

Caixa de velocidades

elét. var. cont. (CVT)

DIREÇÃO

Tipo

pinhão e cremalheira

Assistência

sim (elétrica)

Diâmetro de viragem (m) 12,0

Dianteiros (ø mm)

Traseiros (ø mm)

ABS

TRAVÕES

discos vent.(357)

discos vent.(335)

sim, com EBD+BAS

SUSPENSÕES

Dianteira

multibraços

Traseira

multibraços

Barra estabilizadora (diant./tras.) sim/sim

PERFORMANCES ANUNCIADAS

Velocidade máxima (km/h) 250

0-100 km/h (s) 5,5

Cons. Extra-urb./comb./urb. (l/100 km) 6,7/7,1/8,3

Emissões de CO 2 (g/km) 161

Nível de emissões Euro 6

DIMENSÕES, PESO E CAPACIDADES

Cx 0,28

Comprimento/largura/altura (mm) 5235/1900/1460

Distância entre eixos (mm) 3125

Vias frente/trás (mm) 1635/1635

Capacidade do depósito (l) 82

Capacidade da mala (l) 430

Peso (kg) 2445

Relação peso/pot. comb. (kg/cv) 6,81

Jantes de série

9Jx20”

Pneus de série 245/45R20

Pneus de teste

Mecânica

Pintura

Anticorrosão

Bridgestone Turanza

T005, 245/45RF20 99Y

GARANTIAS

5 anos ou 160.000 km

3 anos

12 anos

Sistema híbrido

5 anos (10 anos sem

limite km c/revisões na Lexus)

ASSISTÊNCIA

1.ª revisão 30.000 km

Custo 1.ª revisão (c/ IVA) €500

Intervalos de assistência

30.000 km

PREÇO (s/ despesas) €154.639

Unidade testada €154.639

Imposto Único Circulação (IUC) €560,93

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


76

MUNDO AUTOMÓVEL

NOTÍCIAS

Por: Bruno Castanheira

Škoda revelará novo Kamiq em Genebra

Depois dos Kodiaq e Karoq, por esta ordem, a Škoda prepara-se para alargar a sua ofensiva SUV com

o novo Kamiq, palavra que provém do idioma dos inuítes, membros de uma nação indígena esquimó,

que habitam nas regiões árticas do Canadá, Alasca e Gronelândia. Com este crossover, a marca checa

apresentará, no Salão de Genebra, um modelo que irá expandir a sua gama num segmento em crescimento

na Europa. A foto divulgada dá uma primeira indicação de como é a secção frontal e mostra,

também, o novo design diferenciado dos faróis dianteiros, com luzes diurnas separadas no topo e intermitentes

dinâmicos integrados. O novo modelo da Škoda promete oferecer o melhor de dois mundos,

ao combinar as vantagens da posição elevada do banco para proporcionar melhor visão geral, entrada/

saída mais confortáveis e maior espaço livre em relação ao solo, com a agilidade e o manuseamento de

um veículo compacto. Parâmetros que fazem do novo crossover da Škoda o veículo ideal para as zonas

urbanas. Com base na plataforma modular transversal do Grupo Volkswagen (MQB), este novo Škoda

oferecerá diversos sistemas de assistência à condução, juntamente com muitas funcionalidades Simply

Clever, uma das características basilares da marca, além do interior espaçoso. ✱

Mercedes-Benz alcançou

novo recorde de vendas

O ano de 2018 foi o melhor de sempre para a Mercedes-Benz

em Portugal. A marca da estrela comercializou 16.464 automóveis

no ano passado, registando um crescimento de 1,2% face a 2017,

alcançando, assim, um recorde absoluto no mercado nacional. Foi,

igualmente, atingida uma quota de mercado de 7,2%, uma das

maiores a nível europeu. Em Portugal, a Mercedes-Benz foi, em 2018

a terceira marca mais comercializada. Também a smart, pertença

do Grupo Daimler, atingiu resultados extremamente positivos no

nosso país no ano transato, tendo obtido um crescimento de 2,5%

face a 2017, assinalando o segundo melhor registo da marca. No

total, foram comercializadas 3.205 unidades smart em 2018, o que

correspondeu a uma quota de mercado de 1,4%. De referir ainda

o crescimento dos veículos elétricos em Portugal (347 smart EQ

matriculados no ano passado). Entre os modelos Mercedes-Benz

mais procurados a nível nacional, destaca-se o novo Classe A, com

5.682 unidades comercializadas (aumento de cerca de 21% face

a 2017). Relevância merece, também, o facelift do Classe C, com

2.328 unidades comercializadas. O segmento compacto da Mercedes-Benz

“escoou” 8.920 unidades em 2018. E a família Classe

E apresentou, igualmente, bons resultados, com um volume de

vendas nesta gama (que inclui CLS e GLE) que atingiu as 2.079

unidades. Ainda no segmento executivo, destaque para o Classe

S, do qual foram matriculadas 159 unidades, entre as quais 15 do

SUV GLS. Já a Mercedes-AMG, continuou a sua forte ofensiva em

2018 com a chegada da motorização 53, com 435 cv, nos modelos

CLS, Classe E Coupé e Classe E Cabriolet. No total, até dezembro de

2018, foram comercializadas 205 versões AMG, o maior volume de

sempre em Portugal (+36,7% do que em 2017). ✱

Volkswagen T-Cross chegará em abril

O novo T-Cross, o quinto membro da família SUV da Volkswagen, juntar-se-á aos T-Roc, Tiguan, Tiguan

Allspace e Touareg. Começará a ser vendido em Portugal no próximo mês de abril. Apesar dos seus 4,11

metros de comprimento (é 12 cm mais curto do que o T- Roc), o T-Cross oferece um acesso confortável

através de quatro grandes portas, uma vantagem essencial trazida pela plataforma modular transversal

(MQB), que torna possível montar o eixo dianteiro bastante para a frente. A distância entre eixos (2,56

metros) reflete-se num habitáculo de generosas dimensões, que oferece muito espaço para cinco adultos.

A bagageira oferece uma volumetria de 385 ou 455 litros, em função da posição dos bancos traseiros,

que deslizam. Abdicando dos lugares posteriores, o volume atinge 1.281 litros. Na fase de lançamento,

estarão disponíveis no T-Cross três motores turbo: dois a gasolina de três cilindros (1.0 TSI com filtro de

partículas, de 95 e 115 cv); um Diesel de quatro cilindros (1.6 TDI de 95 cv). Todos em conformidade com

a norma Euro 6d-TEMP. Consoante o motor selecionado, a potência é transmitida às rodas dianteiras

por intermédio de uma caixa manual de cinco ou seis velocidades, existindo a opção da transmissão

de dupla embraiagem (DSG) de sete velocidades (custa €1.597). A gama contará com três níveis de

equipamento: T-Cross, Life e Style. Os preços das versões com caixa manual começam nos €18.733 do

1.0 TSI de 95 cv e terminam nos €26.648 da variante 1.6 TDI Style (valores sem despesas administrativas

nem pintura metalizada). ✱

Mazda CX-3 recebeu novos motores

Responsável, durante um longo período de tempo, por

50% das vendas da Mazda no mercado nacional, o CX-3 ganhou,

recentemente, novas motorizações, uma delas a gasolina, para dar

resposta à maior procura “popular” por este tipo de combustível.

O SUV compacto da marca nipónica conta, agora, com um novo

motor Diesel Skyactiv-D de 1,8 litros (consumo combinado a partir

de 5,2 l/100 km; emissões de CO2 combinadas desde 157 g/km),

além da estreia, no nosso país, do propulsor a gasolina Skyactiv-G

de 2,0 litros (consumo combinado a partir de 6,6 l/100 km; emissões

de CO 2 combinadas desde 160 g/km). Os preços do Mazda CX-3,

geração 2019, começam nos €27.032 das versões com motor 1.8

Skyactiv-D e nos €29.358 das propostas equipadas com o bloco

2.0 Skyactiv-G (valores que não incluem pintura metalizada). ✱

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com


MUNDO AUTOMÓVEL

EM ESTRADA

Novos modelos lançados no mercado

Por: Bruno Castanheira

77

Volvo XC40 D3 Momentum

Atração nórdica

Seat Leon 1.4 TGI Style DSG

Familiar com gás

Toyota Prius PHV Luxury

Híbrido com estatuto

Fiat 500X 1.3 MultiJet Cross

Italiano vero

Pequeno no tamanho, grande na atitude. E na atração.

O XC40 é o SUV mais compacto da Volvo. A combinação

azul “Amazon” da carroçaria com o tejadilho pintado

de branco (€554) pode não reunir as preferências do

público masculino, mas não retira nada da elegância

deste modelo, que se destaca, sobretudo, pela grelha

e pelo desenho dos grupos óticos. Com jantes de 18”,

o visual do conjunto ganha imponência. Por dentro,

destaca-se a qualidade de construção elevada, o posto

de condução ergonómico e o equipamento expressivo,

dispondo esta unidade dos Packs Connect (€443), Park

Assist Pro (€1.107), Versatility Pro (€1.058) e Business

Pro (€1.476). Depois, há que somar ainda os estofos em

couro “Blond” (€1.230), o fecho de segurança elétrico das

São mais 1.200 km de autonomia no conjunto dos dois

depósitos de combustível: o de gasolina (50 litros) e o de

gás natural comprimido (15 kg), este último alojado no

fundo da bagageira, na zona habitualmente reservada

ao pneu sobressalente. Por fora, apenas a sigla TGI distingue

o Leon a gás natural comprimido das restantes

versões. O design bem elaborado da carroçaria é apenas

um dos muitos argumentos deste familiar compacto

de cinco portas. No interior, espaço não falta. Equipamento,

também não. O posto de condução é confortável

e ergonómico e a dinâmica pauta-se pela facilidade e

honestidade de todas as reações. Equipado com um motor

1.4 turbo a gasolina de 110 cv, que traz acoplada, nesta

unidade, opcional caixa DSG de sete velocidades, o Leon

É o híbrido mais conhecido do planeta. Nesta nova geração,

o Toyota Prius atingiu o seu expoente máximo em

termos de conforto, insonorização, suavidade e tecnologia.

Mais ainda nesta versão PHV (Plug-in Hybrid), que,

ao poder ser ligada uma tomada doméstica ou posto de

carregamento público, dispõe de uma autonomia superior

em modo 100% elétrico. É, essencialmente, aqui que

reside a principal diferença para o Prius “normal”. Mas

existe outra, porventura menos atraente: o preço. Mesmo

no nível de equipamento mais acessível, Luxury, o Prius

PHV custa nada menos do que €41.380, valor que não

está ao alcance de todas as bolsas e que confere a este

familiar um estatuto algo elitista. Mais arrojado do que o

modelo da anterior geração, há quem goste e quem ache

Atraente seja qual for a cor (mais ainda neste azul

“Itália”) e de qualquer ângulo, o 500X é um crossover

bem esclarecido. E muito bem parecido. Italiano de

gema, deve toda a sua exuberância aos faróis dianteiros

redondos e ao formato da carroçaria de cinco portas,

que parece ter sido “insuflada” a partir do modelo de

três portas original. Equipado com o motor Diesel de

1,3 litros com 95 cv (MultiJet), que traz acoplada caixa

manual de cinco velocidades, as prestações do 500X

são francamente interessantes. O comando da caixa

não tem a precisão desejável, tal como a direção não

tem o feeling mais acutilante, mas não é por isso que

a condução deixa de ser eficaz, fácil e previsível. O

conforto é que podia ser melhor. Não por “culpa” dos

portas traseiras (€86) e o pneu sobressalente temporário

(€98). Equipado com o motor D3 (2,0 litros Diesel de 150

cv), que traz acoplada caixa manual de seis velocidades,

o XC40 é eficaz, reativo e confortável. Dispõe de vários

modos de condução em função das preferências e das exigências

do momento. Já as prestações, são francamente

convincentes, tal como os consumos. E ainda que seja o

SUV mais compacto da Volvo, desenganem-se aqueles

que pensam que o espaço para ocupantes e bagagem é

escasso. Já as aventuras fora de estada é que estão algo

limitadas pelo facto de a tração ser apenas dianteira e

da altura ao solo não ser muito elevada.

TGI oferece prestações algo modestas. As acelerações até

nem más, mas as recuperações são lentas. Contudo, não

é aqui que reside o principal argumento desta versão.

Com emissões quando circula a gás comparativamente

ao modo de funcionamento a gasolina, este cinco portas

consegue percorrer cerca de 350 km com 15 kg de gás.

Gastando-se este tipo de combustível, o modo muda,

automaticamente, para gasolina, sem que o condutor

perceba ou tenha de fazer algo. Depois, ainda há mais

de 800 km para percorrer. Reabastecer em Portugal com

gás natural comprimido, não sendo este um veículo de

transporte público, é que já não é nada fácil...

horrível o novo Prius. Esteticamente falando, entenda-se.

Na versão de acesso, dispõe de jantes de 15”, o que faz com

que anuncie um coeficiente de penetração aerodinâmica

de 0,25 e uma notável performance ambiental: consumo

combinado de apenas 1,2 l/100 km e emissões de CO 2

de... 28 g/km. Equipado com motor a gasolina 1.8, que

funciona segundo o ciclo Atkinson e traz acoplada caixa

automática de variação contínua (CVT), o Prius PHV chega

aos 122 cv de potência máxima combinada e faz uso de

baterias de iões de Lítio. A condução, essa, incita mais

a adotar uma postura mais contida do que desportiva,

estando, contudo, disponíveis vários modos.

bancos nem do espaço interior de bom nível, mas pelo

simples facto de a suspensão não filtrar da melhor forma

as irregularidades da estrada. Recheado de equipamento

e dotado de um posto de condução correto, este

crossover exibe ainda materiais que se ficam apenas

pelo razoável. Na versão Cross, custa, sem despesas nem

extras, €27.236. Valor que, não sendo baixo, também

não assusta. Esta unidade custa, no entanto, mais

€1.060, devido à presença de Pack Full Lights (faróis

dianteiros Full LED; luz ambiente - €600), Pack Tech

(retrovisores com rebatimento elétrico; Key Less Entry;

Key Less Go; Alarme - €450) e luz de cortesia (€10).

Motor

4 cil. linha Diesel, transv., diant.

Cilindrada (cc) 1969

Pot. máx. comb. (cv/rpm) 150/3750

Binário máximo (Nm/rpm) 350/1740-3000

Velocidade máxima (km/h) 200

0-100 km/h (s) 9,9

Consumo combinado (l/100 km) 4,8

Emissões de CO 2 (g/km) 127

Preço €42.669

IUC €227,65

Motor

4 cil. linha, transv., diant.

Cilindrada (cc) 1395

Potência máxima (cv/rpm) 110/4800-6000

Binário máximo (Nm/rpm) 200/1500-3000

Velocidade máxima (km/h) 16

0-100 km/h (s) 10,8

Consumo combinado (l/100 km) 3,4

Emissões de CO 2 (g/km) 121

Preço €29.578

IUC €158,92

Motor

4 cil. linha, transv., diant.

Cilindrada (cc) 1798

Pot. máx. comb. (cv/rpm)

122/n.d.

Binário máximo (Nm/rpm) 142/3600

Velocidade máxima (km/h) 162

0-100 km/h (s) 11,1

Consumo combinado (l/100 km) 1,2

Emissões de CO 2 (g/km) 28

Preço €41.380

IUC €197,69

Motor

4 cil. linha Diesel, transv., diant.

Cilindrada (cc) 1248

Potência máxima (cv/rpm) 95/3750

Binário máximo (Nm/rpm) 200/1500

Velocidade máxima (km/h) 172

0-100 km/h (s) 13,5

Consumo combinado (l/100 km) 4,2

Emissões de CO 2 (g/km) 135

Preço €27.236

IUC €124,38

www.jornaldasoficinas.com

2019 I Fevereiro


78

MUNDO AUTOMÓVEL

USO PROFISSIONAL Volkswagen Tarok Concept

Por: Ricardo Carvalho

Irmã mais

nova

A nova Volkswagen Tarok Concept apresentou-se ao mundo no Salão de São Paulo, no Brasil. Todavia,

chegou aos “escaparates” mundiais pelo facto de poder vir a ser comercializada na Europa, num segmento

abaixo da Amarok. Até porque é desenvolvida com base numa plataforma europeia e terá motor Diesel.

Quanto à tração, essa, será sempre integral

Aproveitando como montra o Salão

Automóvel de São Paulo, a

Volkswagen decidiu mostrar um

protótipo que poderá ser de grande relevância

para a Europa. Trata-se da nova

Tarok Concept, uma pick-up descrita pela

marca alemã como “inteligente, capaz e

muito versátil, que não devemos perder de

vista”. Por isso, decidimos mostrá-la, também

nós, nesta página, a si, caro leitor. O

motivo? Está decidido que vai passar a ser

produzida. Assim, a nova Tarok Concept

é uma espécie de ante-câmara da nova

pick-up que o construtor de Wolfsburg tem

previsto lançar no mercado brasileiro para

rivalizar, entre outros, com a Fiat Toro. A

Volkswagen refere, aliás, que o desenho

da Tarok Concept foi desenvolvido a partir

de uma folha em branco. Não foi tomado

como referência nenhum modelo da

marca alemã, a não ser a plataforma, que

é a mesma do Golf, a MQB, sendo que a

base de desenvolvimento foi a do Tiguan.

n ADAPTADA À EUROPA

No que ao design diz respeito, a imagem

da Tarok Concept é moderna e apelativa.

A filosofia estilística da Volkswagen foi, de

resto, adaptada a um público com estilo

de vida ativo. A secção dianteira recorda

os últimos lançamentos do construtor

alemão na Europa, como o T-Roc e, mais

recentemente, o T-Cross. A tecnologia LED

está presente tanto nas óticas dianteiras

como nos farolins traseiros.

Se o exterior prima pela qualidade

Volkswagen, o interior não lhe fica atrás.

Foi precisamente esse um dos objetivos

dos designers da marca. O espaço disponível

para carga pode ser ampliado abrindo

o portão traseiro ou utilizando um novo

mecanismo, que permite movimentar os

bancos traseiros. Passando ao posto de

condução, tudo parece muito familiar.

Basta observar as imagens. O aspeto é

robusto e o equipamento tecnológico

ressalva as qualidades da Tarok Concept.

O painel de instrumentos, digital, surge ao

lado do ecrã tátil de dimensões generosas,

que será utilizado para acionar o sistema

de infoentretenimento.

No capítulo mecânico, este novo concept

de pick-up foi mostrado com motores totalmente

adaptados ao Velho Continente,

sendo mais uma prova que a marca alemã

encara este produto como um modelo

global. Debaixo do capot, encontra-se um

motor a gasolina 1.4 TSI de 150 cv, que a

marca alemã também “vende” do outro

lado do Atlântico. Todavia, para os mercados

brasileiro e sul-americano, contará com

tecnologia TotalFlex, ou seja, está apto a

ser alimentado, também, com etanol, para

além da gasolina, podendo utilizar-se etanol

puro (E100). O motor surge associado a

uma caixa automática de seis velocidades

e a tração integral (4Motion). Para além

do motor a gasolina, foi revelado que esta

nova pick-up estará, também, disponível

com motor 2.0 TDI de 150 cv, o que, para

Portugal, acertará na mouche... ✱

Fevereiro I 2019

www.jornaldasoficinas.com

More magazines by this user