edicao_abril_2021

araujomota

LUSITANO

de

ZURIQUE

[ ABRIL 2021 | Edição Nº. 275 | ANO XXVII | Director: Armindo Alves | Director-adjunto: Manuel Araújo | Publicação mensal gratuita ]

A MAIOR PONTE SUSPENSA DO MUNDO É EM AROUCA

“Os fãs não se

esqueceram

A maior

de mim”

do

Mundo

Páginas 4 e 5

ENTREVISTA

Armindo

Alves

© Maria dos Santos

EDITORIAL

COMUNIDADES

Direito

MOTORES

A nossa Liberdade e o 25 de Abril

Pág.3

Entrevistas.

Pág. 4, 5, 12 e 13

Direito a subsídio de desemprego

com desemprego parcial. Pág. 27

AdBlue - Vantagens e

desvantagens Pág. 8


LUSITANO

de

ZURIQUE

EDITORIAL

Como era antes da Democracia?

EQUIPA EDITORIAL

Director: Armindo Alves

Jornalista CC15 A

Director-adjunto: Manuel Araújo

Jornalista 3000 A

Email: lusitano@gmail.com

COLABORADORES

Aragonez Marques, Carlos Matos Gomes, Carmindo

de Carvalho, Cristina F. Alves, Daniel Bohren,

Euclides Cavaco, Costa Guimarães, Ivo Margarido,

Jeremy da Costa, Joana Araújo, Joaquim Galante,

Jorge Macieira, Manuel Araújo, Maria dos Santos,

Natascha D´Amore, Nelson Lima, Pedro Nogueira,

Rosa Moreira, Zuila Messmer

EDIÇÃO, COMPOSIÇÃO E PAGINAÇÃO

Manuel Araújo

Jornalista 3000 A

Tel.: (+351) 912 410 333

Email: manuel.araujo@protonmail.ch

PUBLICIDADE

Tel.: 079 222 09 14

Email: pub.lusitano@gmail.com

IMPRESSÃO

Diário do Minho - Braga

Tiragem: 3000 exemplares

Periodicidade: Mensal

Distribuição gratuita

Armindo Alves

DIRECTOR

JORNALISTA CC15 A

Quem somos,

quem são os

portugueses?

Como eram

antes da Revolução

dos Cravos

de 74?

Como está agora

a sociedade em

que vivemos e o

que mudou?

Não é do meu tempo, mas pelo que contam os meus pais e

as minhas avós, posso dizer que eram tempos muito difíceis,

tempos de pobreza, fome e tempo onde aprender e evoluir

na vida era proibido, pois era só para alguns. Não havia liberdade,

nem igualdade.

Comparando os anos 60/70 com as últimas décadas, vemos

que a mudança é marcante; por exemplo as crianças nos anos

sessenta, nasciam onde calhava; em casa, no campo com, ou

sem ajuda, não havia condições e a mortalidade era enorme.

Morriam mães e filhos, éramos o pais da Europa com maior

mortalidade infantil.

Havia muita dificuldade na aprendizagem devido a má alimentação

e o governo também não dava grandes condições,

pois não lhe interessava que as pessoas fossem demasiado

cultas, pois pessoas instruídas são “perigosas”. Quase 40%

dos portugueses eram analfabetos, nem todas a localidades

tinham uma escola e as que havia não eram acolhedoras.

Poucas pessoas chegavam ao ensino superior. As crianças

abandonavam a escola muito cedo e começavam logo a trabalhar,

no campo ou na pesca. Mais de metade da população

trabalhava duro na agricultura, sem meios, cavava-se a terra

à enxada e semeava-se à mão, os tractores eram raros, daí a

produção ser muito baixa.

O Governo de então, manteve o país controlado e pouco desenvolvido

em comparação com os outros países da Europa,

os quais não confiavam nos empresários, nem nos políticos

portugueses e receavam investir em Portugal.

No Estado Novo, Portugal era um país

rural, não havia transportes directos de

Norte a Sul, era difícil e muito demorado

viajar. Portugal era um país pobre,

onde a maioria das pessoas vivia

no campo com dificuldades e grande

pobreza. As cidades eram pequenas,

estavam isoladas entre si e as pessoas

viajavam pouco, viviam localmente,

havendo até pessoas que nunca viram

o mar!

Não é fácil imaginar hoje, como viviam

os nossos avós, nem como era, quando

chegava a noite e ser iluminado com

um candeeiro a petróleo, ou uma vela

na mão, mesmo para ir buscar água à

fonte ou ao poço.

Mesmo tendo Portugal uma grande reserva

de ouro, grande parte do país não

tinha serviços de saúde e educação, assim

como não havia postos dos correios

nem bancos. Não havia estradas, água

canalizada, electricidade, telefone, esgotos,

Internet ou televisão. Cinco em

cada quatro casas não tinham casa de

banho, dois terços não tinha água, e só

menos de metade, tinha electricidade.

O Estado e a Igreja andavam sempre

de braço dado e ensinavam apenas o

ponto de vista deles. Era uma sociedade

estranha muito fechada.

O Governo proibia os partidos, era

difícil e arriscado pensar de modo diferente.

Livros, música e filmes de

outros países, chegavam muito dificilmente

a esta geração pouco educada e

informada, devido à censura prévia. A

imprensa, a rádio e mais tarde a televisão

eram totalmente controladas.

Não havia privacidade, a polícia podia

escutar os telefones e abrir as cartas

sem mandados judiciais. Nos arquivos

da PIDE há milhares de cartas e

fotografias que foram apreendidas,

nunca tendo chegado ao destinatário.

Nos cinemas havia lugares reservados

para os agentes da PIDE e da censura.

Os diálogos dos filmes e do teatro

eram previamente controlados e censurados.

Os costumes eram vigiados;

as saias das senhoras tinham que cobrir

os joelhos e a altura estava estabelecida.

O biquíni só foi permitido depois

dos anos 60. Professoras, hospedeiras

e enfermeiras precisavam da autorização

do governo para casar. As mulheres

só podiam viajar com uma autorização

escrita do marido.

Era necessária uma licença para usar isqueiro,

havendo até multas para os namorados

que se beijassem na rua. Também

pessoas pobres que não tinham

calçado e andavam descalças, eram

multados. Os cafés eram frequentados

só por homens, conversava-se em voz

baixa. Havia medo e o povo vivia oprimido.

Escutar rádio de onda-curta, era

também proibido.

As mulheres não tinham direitos, eram

apenas “donas de casa” que deviam

obedecer ao marido e cumprir com as

tarefas de casa e os deveres conjugais.

Todas as outras profissões eram-lhes

vedadas. Com a chegada da Democracia

as mulheres obtiveram o direito

de igualdade pleno, havendo hoje

mulheres diplomatas, juízas, militares,

policias, etc. Hoje todas as pessoas

podem votar e ser eleitas, e ver uma

mulher numa mesa de voto, é habitual,

mas esta evolução demorou muito para

chegar aqui...

Para quem nasceu na democracia, a Liberdade

e o direito de voto é habitual e

nem se discute. Nos anos sessenta não

era assim. As mulheres não tinham esse

direito. As associações e sindicatos não

podiam eleger livremente os seus dirigentes.

A justiça era dependente do

poder político. A polícia política vigiava,

oprimia, prendia e desterrava para

o Campo de Concentração do Tarrafal,

aqueles que não obedeciam.

Os portugueses eram submissos e pouco

formados. Muito mudou desde então.

Hoje devido ao restabelecimento

da Liberdade e da Democracia, somos

cidadãos de pleno direito. O actual sistema

político reconhece a todos o direito

de cidadania, sem ter em conta o

nome, religião, sexo, posição social ou

financeira e todos somos iguais perante

a lei.

Há hoje pessoas que dizem que “nada

mudou” e que continuamos a ser “um

país pobre” e um “país à deriva”. Eu

discordo. Muito se fez, mas em certos

aspectos terei que dar o braço a torcer,

pois, suponho que desde há algumas

décadas, o nosso país podia ter sido

melhor gerido.

Todos sabemos que Portugal está ainda

atrás de muitos países europeus em

muitos aspectos, mas para o trabalhador,

muito mudou nas últimas décadas.

Foi a Liberdade, a igualdade de

direitos, o direito à greve e liberdade

sindical, o direito de associação e manifestação,

a protecção do emprego,

a universalização do direito à saúde e

segurança social, a um subsídio de desemprego,

etc.

Sabemos que não há sistemas políticos

perfeitos, mas mesmo assim, com todas

as falhas, vícios, erros e defeitos,

continuo a preferir este sistema democrático,

à asfixia e ao regresso ao tempo

das trevas do fascismo e Ditadura,

que muitos, hoje envergonhadamente,

por esquecimento, ignorância, ou má-

-fé, tanto anseiam.

Viva a Liberdade - Viva o 25 de Abril!

NOTA IMPORTANTE:

Os artigos assinados reflectem tão-somente a opinião

dos seus autores e não vinculam necessariamente

a direcção desta revista.

Apoio

Por discordância, esta publicação

não adopta nem respeita as normas

do novo inútil Acordo Ortográfico.

DEPARTAMENTO DE FUTEBOL

Tel.: 079 222 09 14

Email: armindo.alves@garage-

-mutschellen.ch

RANCHO FOLCLÓRICO

Tel.: 079 549 99 10

Email: rancho@cldz.eu

RESTAURANTE (reservas)

Tel.: 044 241 52 15

CURSO DE ALEMÃO

Tel.: 076 332 08 34

PROPRIEDADE

& ADMINISTRAÇÃO

CENTRO LUSITANO

DE ZURIQUE

Risweg, 1

8041 Zurique

Tel.: 044 241 52 15

Email: info@cldz.eu

2 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

3



COVID-19

Centro Lusitano de Zurique

com atividades suspensas

V IGOR LOPES (*)

“As receitas quebraram

radicalmente”, afirma

presidente do Centro Lusitano

de Zurique

“As receitas quebraram radicalmente”,

é o que revela Armindo Alves,

presidente do Centro Lusitano de

Zurique. Esta entidade de promoção

da cultura portuguesa na Suíça está a

passar, a exemplo de outras associações

luso-suíças, por problemas causados

pela pandemia de Covid-19. As

atividades estão suspensas e faltam

apoios por parte das autoridades governamentais

dos dois países.

Apesar desse cenário, Armindo Alves

não esconde a vontade de reativar as

várias ações de cariz cultural e social

que o Centro realiza. Para conhecer

os desafios pelos quais passa essa associação,

conversamos com o presidente,

que destacou os objetivos da

entidade e comentou sobre a formação

do Centro que acolhe centenas

de associados em Zurique.

— Como estão as atividades neste

momento no Centro Lusitano

de Zurique?

As nossas atividades estão todas paradas.

Futebol, Rancho, Grupo das

Janeiras, “Femme Tisch”, Grupo do

Euromilhões e Historinha. Apenas

temos a revista “O Lusitano” ativa.

O restaurante fechamos a meados de

dezembro e, até novas regras, manteremos

(fechado). Desde o início de

fevereiro, os nossos sócios e clientes

têm a possibilidade de encomendar

alguns menus “Take Away”.

— Como a pandemia está a afetar

as vossas ações?

A pandemia está a afetar todas a

áreas, tanto financeiramente como

psicologicamente.

— Houve quebra nas receitas?

Infelizmente, nós não conseguimos

fugir à regra e, como em todo lado,

as receitas quebraram radicalmente.

Desde fins de outubro, a quebra começou

a notar-se e, em dezembro, foi

drástica.

— Receberam algum tipo de

apoio das autoridades portuguesas

ou suíças?

Não recebemos apoio algum até hoje,

de nenhuma autoridade portuguesa,

suíça. Pode ser que ainda chegue alguma

coisa.

— Quantos frequentadores têm

mensalmente, em média?

O número de frequentadores tem

baixado nos últimos tempos devido à

situação atual da Covid-19, mas, em

condições normais, é superior às mil

pessoas.

— Como caracteriza hoje a comunidade

luso-suíça?

A comunidade luso-suíça é uma comunidade

bem integrada, passiva e

com muito talento, mas devíamos ser

mais unidos. No país de acolhimento

e na cidade em que vivemos, a união

e a interação entre as diversas associações,

empresas e instituições seria

uma mais valia para a nossa comunidade.

A união faz a força!

— Como e quando nasceu o Centro?

Na década de 1970, era habitual aos

domingos à tarde celebrar-se a missa

em língua portuguesa na paroquia

Dreikönig_Enge, como ainda hoje.

No fim da missa no salão paroquial,

no convívio das cartas e na pausa,

uma bebida. É aqui que se gera o embrião

da pequena comunidade portuguesa

radicada na cidade de Zurique.

A 8 de março de 1984 nasce o Centro

Lusitano de Zurique no ceio da missão

católica portuguesa de Zurique.

Os fundadores foram o Padre Edmundo

Alves, Sr. Marcelo Sequeira

e Fernando Macedo, entre outros,

onde obtiveram a necessária autorização

para se instalar a sede no rés do

chão do edifício, onde existia a missão

católica Portuguesa, Birmensdorferstrasse

48, onde permaneceu até 15

de maio de 2020.

— Que ações desenvolvem?

O Centro Lusitano de Zurique pouco

a pouco, com o entusiasmo, foi ganhando

corpo e realiza também uma

série de atividades. O ano de 1987 é

marcado pelo entusiasmo do futebol.

Um grupo de amadores, com o nome

“asas de Portugal”, iniciou as competições

desportivas. Em 1989, foi a

vez do Folclore avançar na divulgação

dos costumes e tradições nacionais.

Em outubro de 1994, nasce um Boletim

Informativo do Centro Lusitano,

hoje uma revista: “O Lusitano de Zurique”.

Em 2005, foi criada a Escola

de alemão. Em 2008, foi formado o

Grupo das Janeiras do Centro Lusitano,

onde o montante angariado é

distribuído por instituições e pessoas

carenciadas em Portugal. Até hoje, o

Centro enviou mais de 120 mil francos.

Neste ano, também demos início

ao projeto Historinha, voltado para

a integração e incentivo a leitura dos

mais novos. Em 2009, foi formado o

grupo das Mães “Femme Tisch”. No

PORTUGUESES

RESIDENTES NO ESTRANGEIRO

NÃO IMPORTA

ONDE ESTÁ.

mesmo ano, nasce a formação no futebol.

Em 2010, nasce o “Incentro”,

apoio escolar, com aposta principalmente

em matemática e alemão. Em

julho 2020, mudamos para as novas

instalações, um restaurante com duas

salas com capacidade para 60 pessoas

por sala e uma Terrassa para 120 pessoas.

Temos várias atividades festivas

e culturais durante o ano. Em março,

temos a festa dos sócios e o torneio

de Futebol; em abril, participação no

desfile da cidade de Zurique (Kinderumzug);

em maio, a festa cultural a

peregrinação em Einsiedeln; em junho,

os Santos Populares (marchas e

sardinhada); em setembro, o Festival

de Folclore; e, em dezembro, a Gala

do Centro Lusitano de Zurique. Realizamos

atividades de solidariedade,

como as Janeiras, e, no mínimo uma

vez ao ano, fazemos a recolha de roupas

para instituições definidas em

Portugal.

— Quais são as vossas principais

linhas de ação?

As nossas principais linhas de ação

são tentar ajudar a manter a cultura

do nosso País de origem, principalmente

a geração mais jovem, e contribuir

de forma saudável para a integração

no País de acolhimento (Suíça).

— Qual é o perfil dos frequentadores

e associados do Centro?

Os nossos associados são de perfil diverso.

Na maioria são cidadãos portugueses

residentes no Cantão de Zurique

com ligação às atividades da associação

(Futebol, Rancho, Revista,

COMUNIDADE

etc.), mas também temos sócios de

nacionalidade suíça, brasileira, italiana,

albanesa, um pouco de tudo. Os

nossos frequentadores, na maioria,

são de nacionalidade portuguesa e,

desde julho de 2020, temos tido um

aumento notável na clientela suíça, o

que tem a ver com o local e historial

das novas instalações.

— Quantos associados têm?

Neste momento, temos cerca de 400

sócios (duplos e single).

— Realizam atividades de promoção

e ensino de língua portuguesa?

De momento, não estamos a promover,

já o fizemos no passado, porque

não sabemos o que promover, não somos

informados de nada e ninguém

nos pede nada.

— Que mensagem deixam para a

população que acompanha e participa

nas atividades do Centro?

Agradeço a todos o empenho, a colaboração

e apoio ao longo destes anos

todos, pois o Centro Lusitano precisa

da comunidade para se manter vivo e

ativo. De momento, infelizmente,

perante esta epidemia, não podemos

fazer qualquer convívio, mas, logo

que possível, daremos continuidade

às nossas atividades. Sou otimista e

tudo vai ficar bem. Voltaremos mais

fortes. Muito obrigado a todos.

(*) Escreve segundo o

Acordo Ortográfico

- © e-Global Notícias em Português

COM A CAIXA

FICA MAIS PERTO.

Escritório de Representação da CGD - Suíça

Rue de Lausanne 67/69, 1202 Genève

Tel: Genève - 022 9080360 I Tel: Zurique - 078 6002699 I Tel: Lausanne – 078 9152465

email: geneve@cgd.pt

A Caixa Geral de Depósitos, S.A. é autorizada pelo Banco de Portugal.

4 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

5



RECANTOS HELVÉTICOS

COMUNIDADE

Lá tive que fazer os 22 quilómetros

que este lago tem e deixem-me dizer-

-vos, a paisagem naturalista é incomum.

Para além de termos uma visão excecional

dos Alpes Suíços, temos vários

restaurantes, parque de campismo,

passeios de barco, locais de lazer,

desportes náuticos, vários pontos

bem assinalados para tomar banho e

relembro, que este lago é o que tem

a água mais quente, de todos os lagos

Suíços. Constitui assim uma grande

tentação, para quem gosta de dar

um bom mergulho.

O pôr do sol, é um dos mais bonitos

e românticos que vi até hoje, pode

ser visível em Meisterschwanden.

Os cisnes que ali vivem fazem as delícias

dos fotógrafos que facilmente

captam aquela imagem sobejamente

conhecida do tradicional coração.

Eu estarei sempre disponível, para

quem estiver interessado neste percurso

em plena natureza!

Com a crise do Covid, muitos foram

aqueles que se tornaram sedentários.

Lembrem-se que o sedentarismo só

trás problemas para a saúde e não é

por acaso que 50% da população,

sofre atualmente de ansiedade, tristeza,

distúrbios alimentares e muitos

outros sintomas que de benéficos não

nos trazem nada.

Vamos dar prioridade á nossa inteligência

naturalista, para juntos sairmos

deste tremendo impasse.

Castelo

de

Hallwil

V MARIA DOS SANTOS

O castelo de Hallwil, encontra-se

a apenas quarenta e

três quilómetros de Zurique.

Este castelo rodeado de água

do rio Aabach e construído

no século onze/doze encontra-se

na cidade de Seengem

na província de Aargau.

É considerado um dos mais

importantes da Suíça.

A sua inauguração remonta ao ano

1265; mas foi em 1925, que abriu a sua

histórica porta, para que o publico o

pudesse visitar e descobrir todo o seu

interior. É dos poucos castelos que

podemos visitar o seu interno na totalidade.

A sua entrada é particular, pois como

podemos ver na fotografia, é necessário

atravessar uma pequena ponte

fixa e depois, sim estamos no pátio,

cheio de memória e onde começa

toda a descrição do que ali aconteceu.

A parte que mais me deslumbra é a

passagem sobre a ponte levadiça, feita

no interior do Castelo.

Todos, ou quase todos, incluindo a

minha pessoa, associa os castelos, a

estórias de reis e rainhas, contos de

fadas, mas o certo é que estes monumentos

que nos seus primórdios,

eram construídos de terra e madeira,

foram arquitetados, para proteção da

economia da região e da população.

O que será fácil de pensar, quem fosse

contra as leis, ou infringisse as regras,

seria preso e alguns mesmo torturados.

Este Castelo de Hallwil tem também

uma prisão, que visitá-la põe-nos com

carne de galinha.

Com 800 anos de história este espaço

notável, acolhe: exposições, durante

o verão secções de cinema ao

ar livre, convívios, casamentos a céu

aberto, entre outros eventos.

Recuando no tempo digo-vos que os

castelos começaram a surgir entre o

século V e XV e esta palavra deriva

do latim „ Castellum“ incluindo o significado

de local fortificado.

Desde o período neolítico que o homem

vem construindo castelos.

No início pequenos e com o passar

dos anos transformaram-se dando lugar

a grandes, enormes e gigantescos

castelos.

O maior Castelo inscrito no livro

Guinness é o Castelo de Praga, com

70.000 metros quadrados. Tive a

honra e privilégio de o visitar muito

bem acompanhada e onde vivi momentos

inesquecíveis.

Com a chegada da primavera e a mudança

da hora, teremos mais luz solar

e por conseguinte, mais tempo para

estarmos fora.

Saía da sua zona de conforto e venha

visitar o Castelo e o lago de Hallwil.

Em boa companhia, boa merenda e

bem regado, os 22 quilómetros, tornam-se

suportáveis, mesmo para

quem tem pouca condição física.

Há um tempo atrás um grupo de sócios

do C.L.Z. desafiou-me para percorrer

a pé, este lago de Hallwil.

Suponho que no dia anterior, todos

se esqueceram de por as baterias das

botas a carregar e ninguém estava há

hora e no lugar do ponto de encontro.

Tem perguntas que

digam respeito ao

direito?

Envie a sua pergunta com

a indicação “Lusitano” a:

Bohren

Rechtsanwalt,

Postfach 229, 8024 Zürich

- ou para:

mail@dbohren.ch

6 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

7



MOTORES

AdBlue - Vantagens e desvantagens

DESPORTO

Estamos no bom caminho

V ARMINDO ALVES

No meu dia a dia sou

questionado diariamente

sobre o AD-Blue. Dai o

meu incentivo a escrever

este texto para esclare-

cer vagamente o que é o

AD-Blue?

O Ad Blue hoje em dia, é utilizado

cada vez mais nos motores a Gasóleo

ligeiros ou pesados e os motores

já vem equipados com a tecnologia

Diesel SCR (Selective Catalytic Reduction).

O objetivo é melhorar o meio Ambiente

e reduzir as emissões de óxido

de azoto prejudiciais e também

obrigatoriamente cumprir com os

rigorosos limites de emissões de gases

estabelecidos pelas normas europeias

(Euro 6).

Com a ajuda do Ad-Blue as marcas

conseguiram reduzir significativamente

as emissões, não é um aditivo

do combustível como a maior parte

das pessoas pensam, mas sim um

liquido adicional para os motores

(Veículos) a Diesel que é necessário

atestar regularmente num deposito

autónomo para este liquido.

Dependendo da marca ou mesmo

modelo, o local de enchimento pode

ser encontrado sob a tampa do depósito

de combustível, na mala ou no

compartimento do motor.

garagens o podem reiniciar e por o

motor a arrancar de novo (uma trabalheira

com custos)

Mas não se assuste porque todos o

carros com este sistema possuem um

sistema de aviso no painel de instrumentos

que o irá informar em que

altura é necessário atestar o depósito

de AdBlue.

Apesar de todos os carros com este

sistema o informarem sobre a autonomia

do depósito e emitirem um

aviso quando for necessário voltar a

atestar, é aconselhável fazê-lo antes

de viagens mais longas.

Mas afinal o que é este

líquido milagroso?

para reduzir as emissões de óxido de

nitrogénio (NOx) gerados nos processos

de combustão. Este sistema

chama-se o sistema SCR (Redução

Catalítica Seletiva). Este produto,

dotado de uma pureza extraordinária,

cumpre a norma europeia DIN

70070 e tem o mais exigente controlo

de qualidade, o que lhe permite

reduzir o nível de emissões contaminantes

e aumentar a protecção no

catalisador do seu veículo.

O Liquido não se adiciona no depósito

de combustível, mas actua no

catalisador com os gases.

Vantagens e

desvantagens do AdBlue

Vantagens

Sintetizando, entre as vantagens do

líquido AdBlue, podemos frisar os

efeitos colaterais evidentes, no que

respeita ao contributo para a pegada

ecológica.

Assim como a forma simples de utilização

e de aplicação, bem como os

custos baixos, os quais não são muito

significativos, o que se torna outra

vantagem.

Refere-se ainda como um pro, o

facto de os veículos a diesel, equipados

com este sistema, incluírem no

painel de instrumentos a indicação

quanto à necessidade de recarga do

líquido AdBlue.

Desvantagens

— Como nasceu a paixão pelo

treino?

A paixão começou quando vi que já

não tinha condições de jogar, como

queria continuar ligado a futebol e

comecei a pensar em treinar e tirar

o curso

— Em que altura decidiu ser

treinador? E qual o seu currículo?

Decidi e comecei em 2009 como

treinador adjunto no FC Bassersdorf,

depois o treinador da 3 equipa

foi embora e fiquei eu como treinador

durante um ano e meio. Depois

o FC Oetwil am See durante 4 anos

e meio. Era uma equipa com muitos

portugueses e de seguida, o SV

Rumlang onde tinha jogado durante

11 anos. Estive no Lafões dois anos

e a última experiência tinha sido o

Ibéria na 3Liga. Actualmente estou

no Centro Lusitano de Zurique.

— Veio como adjunto do ex-

-treinador Hugo, o que o levou a

aceitar o convite do Centro Lusitano

de Zurique?

O que me levou aceitar foi uma conversa

que tive com o Hugo onde me

disse que achava bem e que devia

continuar, falei com vários jogadores

também.

Só ai é que aceitei e não estou nada

arrependido da minha decisão.

— Qual é a principal virtude que

um treinador deve ter para conquistar

o grupo de trabalho?

A principal virtude e o que me prezo

sempre é ser honesto e correcto comigo

e com os jogadores. Sem deixar

criar grupos e mau ambiente.

profissionalmente e desportivamente

é tentar levar o Centro ao mais

longe possível. Nesta época não,

mas na próxima estaremos a lutar

pela subida.

— Como foi o regresso aos treinos

após 4 messes de pausa de

futebol?

Até a minha mulher ficou contente

porque não me atura tanto tempo.

(risos) Foi muito bom, ver caras antigas

e caras novas motivadas e sorridentes

por voltarem a jogar novamente

e a divertir-se.

— O Corona complicou o regresso

normal do campeonato,

como é gerir o grupo de trabalho

sem data de regresso a competição?

Fazer treinos sem haver contacto

como eu já teve 26 jogadores em

meio campo, ter que adaptar os jogadores

a não haver contacto é muito

complicado mesmo.

— Qual é a sua opinião sobre o

trabalho do Centro Lusitano de

Zurique?

Sinceramente estava há espera de

outra coisa, um pouco mais de organização.

Fiquei muito desiludido

com o departamento desportivo,

pois já conheço o Centro Lusitano

de Zurique há muitos anos e pensei

que estavam melhor organizados.

Mas agora no inicio do ano, o departamento

teve um reforço de peso na

liderança e as melhorarias são notórias

e já começa haver mais organização

e estamos a caminhar num bom

caminho.

Como ja se devem ter apercebido

— Que mensagem deixa aos leitores

e membros do Centro Lu-

Qual a composição do

estes motores têm um consumo que

António Louro

varia em função do tipo de condução,

da temperatura de funcionatar

o facto do atestar deste líquido

treinador?

AdBlue?

Como desvantagem, podemos apon-

— Tem alguma referência como sitano de Zurique?

mento do sistema e assim como da Ad-Blue é um produto sintético, ter de ser feito à parte do atestar de V JORGE MACIEIRA

O estilo do jogo é o Tiki Taka do Fiquem atentos ao corona, ter cuidado

isto não é uma brincadeira temos

Barcelona do Guardiola e de Xavi,

temperatura ambiente. Em média composto por uma solução de ureia combustível, pois o AdBlue é um líquido

adicional e não um aditivo dos António José Da Costa Louro Klop do Dortmund apesar de não temos que nos cuidar. Em relação às

Inesta e companhia, mas também de que o levar a sério, é complicado e

um carro consome cerca de 1,5 a 2,5 e água, que reduz as emissões dos

litros de AdBlue por cada 1000 Km. veículos, recorremos aqui à explicação

que se encontra sobre este fluído Pode também ser considerada uma

nha um jogo de saída rápida que não que desejo a maior sorte desportiva

combustíveis.

de 53 anos natural de Viana do terem ganhado vários títulos mas ti-

equipas do Centro Lusitano de Zuri-

Encher o deposito é uma coisa simples,

que à priori todo o condutor nos sites das gasolineiras Shell, BP, desvantagem a necessidade de atestar

este líquido com regularidade, te com passagens por equipas

ro deixar um agradecimento pelo

Castelo, um treinador experien-

deixava o adversário respirar. e muitas vitórias com sucesso. Que-

deve saber atestar e deve ser feito Migrol, Socar, etç: AdBlue é uma solução

aquosa de ureia (32,5% de ureia como anteriormente fora referido, suíças e equipas portuguesas ac-

— A relação entre treinador e convite ao Hugo de na altura de me

com regularidade. Isto porque se o

depósito ficar vazio o motor não arranca!

Uma vez que o Motor se deslida)

que actua sobre os gases de escamento

do preço da manutenção do

Pessoalmente é tentar fazer o me-

ao Manuel Pinho, de me acompanhar

pura, 67,5% de água desmineraliza-

o que se reflete directamente no au-

jogador tem mudado?

convidar para o acompanhar e agora

tualmente treinador principal

gue por falta de AD-Blue o Automóvel

deve ser rebocado e só mesmo as e pesados como conversor catalítico

Centro Lusitano de Zurique.

pe dos motores de veículos ligeiros seu carro.

da equipa da 4Liga feminina do lhor para mim e para os jogadores, agora neste projecto.

8 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

9



DESPORTO

COMUNIDADES

Fátima Lüönd

uma portuguesa ao serviço da equipa

de futebol masculino do C.L.Z.

Enfermeira de profissão no hospital de Horgen, com diploma de massagista de relaxe, massagem desportiva

e para completar, o diploma de Tape. Foi também Vice-Presidente da Comissão de Pais de Küssnacht

an Rigi. Natural de Leiria, nasceu em Novembro de mil novecentos sessenta e sete. Sempre residiu em

Seewen, no Cantão de Schwyz. A Suíça recebeu-a de braços abertos em 1991 e a adaptação foi espontânea.

Mãe de dois filhos, a Fátima é uma pessoa, espontânea, titânica, simpática, extrovertida e sem medos dos

fantasma da vida. Benfiquista de coração e alma é no futebol, que encontra uma forma de descarga, depois

de muitas horas de trabalho. Apazigua-lhe a alma. Luta, por todos os seus objectivos com garra e sabe por

mérito próprio, como respeitar e ser respeitada. Há quatro anos que está ligada ao centro

Lusitano Zurique. Vamos então abrir uma janela da vida da Fátima.

V MARIA DOS SANTOS

— Maria dos Santos. Como surgiu a

possibilidades de integrar o Centro

Lusitano Zurique e a sua equipa de

futebol?

Fátima Lüönd: Eu comecei a 6 anos

por brincadeira na equipa Benfica de

Zurich. O meu filho jogava lá. Entretanto

acabou a época e o treinador

do Benfica que foi na época seguinte

para o Centro Lusitano falou com o

Armindo Alves e da experiência que

tinha tido comigo no Benfica com

Massagista. Apresentara-me e contrataram-me.

— M.S. Já passaram 4 anos

de trabalho com esta equipa

de futebol, que têm conseguido excelentes

resultados. Que resumo faz desta

equipa, que tem um enorme respeito por

si?

F.L: A experiência tem-me mostrado que não

basta ser uma excelente massagista profissional.

Também é preciso estar atenta a outros

detalhes. Evidentemente que ter um bom relacionamento,

convivência com toda a equipa, é

extraordinário. Para isso é preciso, competência,

educação, respeito e humildade. Resumindo

sinto-me feliz por fazer parte desta família

futebolista.

— M.S. A comunidade portuguesa em

Zurique é numerosa. Depois de 30 anos,

como vê a nossa comunidade e o apoio

que o CLZ tem dado?

F.L: Sim, na verdade foi aqui que formei família.

Formei-me como pessoa. A Suíça deu-me

a oportunidade de ser o que sou hoje. Tenho

orgulho em ser Portuguesa mas não deixo também

de ter orgulho em ser Suíça. O C.L.Z. tem

ao longo dos anos dado um enorme contributo

a todos os portugueses. Não conheço o trabalho

interno desta associação, mas pelo que vejo

e ouço, nada posso dizer a não ser continuem.

enfrentar qualquer situação.

— M.S. Como surgiu a possibilidade

de tirar o curso de enfermagem,

massagista de relax e

desportiva e Tape?

F.L. Uma coisa vem com a outra.

Como gosto de aprender e sempre

sonhei com a massagem desportiva,

segui o meu objectivo e alcancei-o. É

com especial agrado que hoje estou

na vida dos jogadores do C.L.Z.

— M.S. Fátima sente-se realizada

com a sua vida profissional

e de apoio ao clube de futebol do

CLZ? Que recompensa tem destas

duas actividades?

F.L. A recompensa é muito simples.

Tenho o carinho e respeito de todos

e isso não tem preço. Sinto que sou

bem-vinda a este mundo futebolístico.

— M.S. A massagem só traz benefícios

ao corpo, para além de

um total relaxe, melhora a circulação

e reequilibra as energias.

No entanto ainda há muita gente

de põe em causa esta terapia.

Que poderia dizer a quem nos

lê, sobre estes as vantagens das

massagens?

F.L: Ora bem: A massagem desportiva

é uma técnica para preparar a

musculatura, incluindo ligamentos e

tendões do jogador na competição,

o jogador sente-se mais confiante e

concentrado para o jogo é uma massagem

tonificante, superficial e rápida.

O objectivo desta massagem é

de aquecer a musculatura, preparar o

vaso sanguíneo e respectiva dilatação

para aumentar a quantidade de

sangue que circula nos músculos.

Como Massagista acho que uma boa

massagem não deve ser só para os

atletas mas sim para qualquer pessoa

porque: - melhora a fadiga, melhora

a circulação sanguínea, melhora a

qualidade do sono, melhora o sistema

nervoso central e tem mesmo inúmeras

vantagens a nível terapêutico.

— M.S. Como enfermeira e em

contacto directo com doentes,

como viveu dentro do hospital de

Horgen a situação COVID?

F.L .É fundamental encarar a situação

sem pânico. Existe um ambiente

de inter-ajuda. Os mais sensíveis tem

que ter apoio psicológico, porque

mergulhão no medo, tristeza, insegurança,

angústia, raiva, frustração

e muitos outros sentimentos porque

não somos super-heroínas nem super-

-heróis. Toda esta situação exige de

nós um atendimento mais intenso aos

pacientes e dai vem o cansaço físico e

mental.

Quem usa a mascara pode-se proteger

de uma possível infecção através

de gotículas e secreções que saem da

boca quando outra pessoa tosse ou

espirra. Mas de forma muito limitada,

geralmente o vírus entra no corpo

pela boca, nariz, ou olhos é por isso

que a higiene das mãos desempenha

o papel mais importante.

— M.S. Muito se tem especulado

acerca da utilização da máscara.

È realmente protector, quando

se diz que protege apenas 3%

do contágio?

F.L. A percentagem de protecção

não se sabe com absoluta certeza, sabemos

apenas que a devemos usar e

que nos protege. Falta saber até quando.

— M.S. Fátima, depois de tantas

conquistas na sua vida profissional

e pessoal, que gostaria ainda

de concretizar num futuro próximo?

F.L. Tenho alguns sonhos por concretizar,

porque parar é morrer. Com

esta situação tudo está parado. È difícil

dar-se um passo em frente. Veremos

num futuro próximo o que conseguirei

concretizar.

Desejo uma Feliz Páscoa a todos.

— M.S. Passou por Angola, onde conclui

a 4 classe. Terminou o 2 ano do ciclo em

Vale de Cambra. Para além de Portugal,

passou também por França e fixou residência

na Suíça. Foi aqui que encontrou a

sua estabilidade e forma de vida?

F.L. Sem duvida. Quando cheguei à Suíça, senti

logo que era para ficar. Gostei de tudo e o

meu espírito aventureiro estava pronto, para

Ghttps://www.facebook.com/transportes.fernandes

10 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

11



COMUNIDADES

A maior ponte

suspensa do

As férias da Primavera / Verão,

estão a chegar e com elas os planos,

começam a tomar forma e

nome.

Nesta entrevista quero convidar,

todos os que possam, a visitar os

Passadiços de Paiva e deixarem-

mundo,

é em Portugal

Eng° Filipe Jorge Monteiro Bandeira

-se deslumbrar pela maior ponte

suspensa do mundo edificada

sobre o rio Paiva, no conselho de

Arouca.

O Engenheiro responsável por

este projecto e construção vem

do Bombarral, que é um concelho

do Sul do distrito de Leiria.

O seu nome, Eng° Filipe Jorge Monteiro

Bandeira a quem eu agradeço

desde já a disponibilidade, em conceder-me

esta entrevista. É licenciado

em Engelharia civil, no Departamento

de Engelharia civil da

Universidade de Coimbra.

A maior ponte suspensa do mundo,

que aguarda impaciente a sua inauguração,

tem capacidade para receber

1800 pessoas em simultâneo,

516,50 metros de vão, um tabuleiro

com 1,20 metros de largura e uma

altura de 175 metros em relação ao

rio Paiva.

Vamos descobrir nesta leitura

como tudo começou e quais são as

expectativas deste grande homem,

que por causa da situação pandémica,

aguarda a tão desejada abertura.

V MARIA DOS SANTOS

— Maria dos Santos — Eng° Filipe

Bandeira, em que altura da sua vida

sonhou e pôs em prática a construção

desta ponte?

Filipe Bandeira: A ponte não é da

minha iniciativa. A ponte foi promovida

pela Câmara Municipal de Arouca,

quando era seu presidente o Engº Artur

Neves. Os fundamentos da iniciativa devem

ser prestados pela Câmara Municipal,

nomeadamente pela sua actual presidente,

Dr.ª Margarida Belém.

Devido a anteriores relações entre instituições,

em 2016, o Itecons foi contactado

pela Câmara de Arouca no sentido de

desenvolver um projecto para realização

de uma ponte pedonal sobre o rio Paiva

com o objectivo de ligar de forma mais

rápida algumas povoações do concelho

mas, sobretudo, complementar a rede

de Passadiços do Paiva, já detentora de

diversos prémios internacionais.

O Itecons é um instituto de investigação

e desenvolvimento tecnológico em

diversas áreas, ligado à Universidade de

Coimbra, e no qual mantenho a minha

actividade profissional desde 2006, em

paralelo com a actividade de professor

convidado do Departamento de Engenharia

Civil até 2017.

— M.S. — Quanto tempo demorou

este seu projecto, desde que nasceu

na sua cabeça, até ser posta a última

gota de esforço físico na construção?

FB: Como referi, este projecto da Câmara

de Arouca foi lançado em 2016.

Como havia necessidade de candidatura

a alguns fundos europeus, os prazos

para elaboração do projecto eram

muito curtos e lembro-me que o projecto

inicial foi realizado em poucas

três semanas. Ao implantar-se a ponte

no local previsto, verificou-se que os

acessos futuros seriam muito difíceis e,

por isso mudou-se a localização, obrigando

a um aumento de comprimento.

Nesta nova localização encontram-se

condições geológicas adversas para as

fundações e foi necessário desviar um

dos encontros da ponte, aumentando

de novo o seu comprimento.

Com estes aumentos, o seu vão, de

516.5 metros, passou a ser o maior do

mundo, em pontes pedonais. Esta condição

só foi conhecida mais tarde, não

tendo sido objectivo do projecto a quebra

de qualquer record.

Devido às diversas alterações, a obra

foi sofrendo atrasos, ainda agravados

em 2020 devido à pandemia, com

interrupção dos trabalhos por algum

tempo. A ponte está concluída desde

o fim do verão de 2020, estando em

curso os trabalhos de arranjos exteriores

e Segunda-feiraem de sistemas de

controlo. A inauguração chegou a estar

prevista para o início do Outono de

2020 mas, também devido à pandemia,

foi adiada para uma data não definida,

em que se possa garantir que a esperada

grande concentração de pessoas

para o evento não possa pôr em risco o

controle do vírus.

— M.S. — Construir um chão

quase transparente, foi pensado

em criar ainda mais adrenalina

aos visitantes?

FB: A ideia de construir o pavimento

e as guardas laterais o mais permeáveis

possível ao ar foi, em primeiro lugar,

para reduzir os efeitos nefastos do

vento sobre a ponte e, depois, para aumentar

a visibilidade do rio Paiva e da

Cascata da Aguieira. É claro que esta

visibilidade, conseguida com grades e

redes e não com vidro como chegou

a ser noticiado, aumenta a adrenalina

dos visitantes.

A ideia foi sempre a de dar à ponte um

espírito de aventura, tal como o dos

próprios passadiços, e por isso se optou

por uma ponte do estilo das pontes Incas,

existentes no Perú e noutro locais

do mundo, tal como na Suíça. Caso o

objectivo fosse o conforto máximo teríamos

optado por uma estrutura rígida,

em treliça de aço ou em betão armado,

por exemplo.

— M.S. — Do pouco que falamos

o Sr. Eng° confirmou-me, que o

seu único objectivo foi apenas dar

ao Rio Paiva, mais visibilidade e

naturalmente incentivar o turismo

nesta região. Hoje continua a

pensar igual?

FB: Conforme já referi, os objectivos

para a construção da ponte não foram

meus mas sim da Câmara Municipal de

Arouca e a questão deve ser apresentada

a esta instituição.

Os objectivos que nortearam a conceção

da ponte foram a elaboração de

um projecto seguro, agradável à vista,

viável técnica e economicamente e que

proporcionasse aos visitantes grandes

sensações na sua travessia.

— M.S. — Como qualquer grande

obra, ou monumento, tem sempre

um momento agridoce, Qual foi

o momento mesmo bom e quais

as principais dificuldades na sua

construção?

FB: As dificuldades são as normais

para este tipo de obra, nomeadamente

a realização de trabalhos a grande altura.

Há que enaltecer o empenho e competência

da equipa de “alpinistas” contratada

pelo empreiteiro para montar

os cabos e o tabuleiro da ponte. Houve

também as dificuldades já referidas,

inerentes à mudança de localização e

solução de fundações, devido a características

do solo não esperadas.

Quanto ao aspeto mais positivo será

quando vir centenas ou milhares de

pessoas a divertirem-se ao atravessar a

ponte.

— M.S. — Os visitantes dos Passadiços

de Paiva, têm outra via, para

visitar de perto Garganta do Paiva

e a Cascata das Aguieiras, sem necessidade

de passar a maior ponte

suspensa?

FB: Têm as mesmas possibilidades que

tinham antes da construção da ponte.

— M.S. — Muito se tem publicado,

escrito e alertado, para se visitar

esta ponte. Mas nem sempre

a informação de que ainda se encontra

encerrada é dita. Pode ser

prejudicial para este seu projecto?

FB: Como já disse, o projecto, entendido

como empreendimento, não

ACTUALIDADE

é meu nem é minha a informação que

tem sido divulgada. Pelo que sei, poderá

haver informação incompleta mas

nunca vi uma informação falsa dizendo

que que a ponte já está aberta ao público.

Acredito que algumas pessoas que

tentaram passar a ponte sem sucesso fiquem

aborrecidas e já não voltem mas

também acredito que as imagens reais

da ponte sejam, para a maioria, um incentivo

para voltarem.

— M.S. — O que tenho lido sobre

esta sua obra, aconselham a que a

visita, seja feita na presença de um

guia e sob reserva. Poderá condicionar

o turista, ao não compreender

que há medidas de segurança

que têm de ser respeitadas?

FB: Não há medidas de segurança

especiais a respeitar. Pessoas com vertigens

ou enjoos devido aos balanços

devem evitar passar a ponte. Para as

restantes basta que não se pendurem

nas guardas laterais, tal como acontece

nas varandas dos edifícios altos. Note-

-se que as guardas foram desenhadas de

forma a dificultar a sua subida ou permanência

sobre o corrimão.

— M.S. — Como tem vivido todo

este tempo na expectativa que a

data da inauguração chegue? Será

ainda este ano?

FB: A data de inauguração, conforme

já referi, está condicionada, sobretudo,

pela evolução da pandemia. Há que

aguardar com a mesma resignação com

que se aguarda o fim do confinamento.

— M.S. — Confirmou-me que já

passou na sua ponte, várias vezes.

Que sente a cada passo que dá

nela? Tem noção do que esta ponte

possa deixar, para os nossos jovens?

FB: Infelizmente, sinto menos do que

gostaria. É evidente que sinto orgulho

pelo projecto mas, quando passo começo

a verificar o funcionamento das

juntas, dos parafusos, dos cabos e de

outros pormenores técnicos. Não tenho

desfrutado muito da vista do vale

do Paiva. Como conheço a segurança

da ponte não sinto os efeitos da adrenalina,

o que é uma pena.

Em relação aos jovens e aos visitantes

de qualquer idade, espero que desfrutem

mais do que eu e que seja uma

aventura que recordem para toda a

vida.

12 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

13



CRÓNICA

colados, à dança de adquirir algo fácil,

para comer.

Mas eles não se alimentam só de nozes.

Os de cor cinzento-escuro, comem

também insectos, caracóis,

ovos de aves e até outros animais,

quando o alimento preferido escasseia.

Sabiam que um esquilo de tamanho

normal, come cerca de meio quilo de

comida por semana? De uma inteligência

fantástica, estes simpáticos

animais, chegam a fazer buracos falsos,

com o propósito de enganarem

o ladrão, que tente roubar-lhes a comida.

Em pleno centro de Arosa, temos

um maravilhoso lago, que nos faz

lembrar o famoso repuxo de Genebra

na pontinha do lago Léman.

O Obersee, podem vê-lo na fotografia,

nesta altura, totalmente congelado.

Ainda no centro da cidade podemos

pousar o olhar no Eissporthalle,

onde se disputa o famoso campeonato

de hóquei no gelo.

Na pista ao ar livre e em dias de sol,

com sorte podemos contemplar o

deslizar dos patins de alguns patinadores

profissionais e amadores.

Outras actividades são possíveis,

para quem não gosta das altitudes.

Uma visita ao Parque onde estão os

ursos, não esquecer o EIchhörnliweg

( onde vivem os esquilos ) um passeio

com o trenó puxado por elegantes

cavalos, o Seilpark, ou seja o parque

de cordas, onde pode por há prova, a

sua destreza, agilidade e basicamente

a sua coragem.

Muitas opções para ocupar o seu dia.

Não se arrependa de passar as suas

férias na Suíça, explore este País, que

é lindo de morrer.

V MARIA DOS SANTOS

Foi num Sábado à noite que

depois de ver as tradicionais

notícias, com 90% da imagem

da vacina, me pus a

pensar onde ir, para recuperar

o discernimento normal.

Certo, que como muito de vocês,

este stress psicológico causado pelo

confinamento, deixamos algo abatidos

e sem saber o que fazer, porque

também não somos muitos, a gostar

dos passeios em montanhas.

Decidi ir então até Arosa.

Uma cidade algo escondida nos confins

da província dos Grisões.

Confesso que apesar de esta ser uma

das regiões por mim, pouco explorada,

fiquei imensamente feliz, por a

ter descoberto.

É uma cidade com cerca de quarenta

e três quilómetros quadrados, e faz

fronteira com várias províncias, sendo

a mais conhecida, Davos.

Já muito perto de Arosa, encontro

um grupo de fotógrafos, com objectivas

enormes, pus imediatamente o

pé no travão. A minha Canon estava

do meu lado direito, pronta para o

“tiro” fotográfico.

Ali estava o famoso Viaduto de Landwasser

e nem sequer me tinha informado,

que me podia cruzar com

ele. Esperei cerca de meia hora,

para fazer o clique com a passagem

do comboio. Mas estava tanto frio,

que não resisti e fiquei apenas com a

foto do monumento.

Mas voltarei para o clique desejado,

claro, no próximo Verão.

Arosa é uma cidade turísticas. Os

caminhos invernais traçados ao pormenor

para grandes passeios, construídos

ao lado das pistas de Ski,

conferem-lhe um fascínio desportivo,

aos que procuram belas paisagem

e sobretudo ar puro, quiçá, se possa

dizer nesta altura, lufada de ar límpido.

Arosa é tudo isto.

As imponentes paisagens, muito variadas,

deixam-nos de coração cheio.

Pude ver como a nuvem de pó de

areia, que passou pela Suíça, vinda do

Sahara deixou um profundo traço na

alvura da neve que caiu a seguir.

Ficou uma paisagem tipo tiramisu.

De facto impressionante.

Arosa proporciona inúmeros trajectos

onde podemos ver: muitas

variedades de passarinhos, veados e

sobretudo esquilos, cinzentos escuro

e tipo avermelhado, que com um

pouco de paciência, nos vêm comer à

mão. Roubar uma noz aqui e ali, faz

com que os esquilos, ligeiros, hábeis

e simpáticos, deixem os adultos e sobretudo

os mais pequenos de olhos

https://reisebuerofelix.ch

CRÉDITOS

PESSOAIS

- PEDIR UM NOVO

CRÉDITO

- AUMENTAR O CRÉDI-

TO ACTUAL

- COMPRA/TROCA DE

CRÉDITO

CONNOSCO EM QUAL-

QUER SITUAÇÃO.

Publicidade

Missão Católica de Língua Portuguesa – ZH

Katholische Mission der Portugiesischsprechenden

Fellenbergstrasse 291,

Postfach 217

8047 Zürich

Tel.: 044 242 06 40 7 - 044 242 06 45

Email: mclp.zh@gmail.com

Horário de atendimento:

segunda a sexta-feira das 8h às 13h00 e das 13h30 às 17h

BOM ANO NOVO 2021

SOLUÇÕES DE CRÉDITO

– NOVO CRÉDITO

– AUMENTO DE CAPITAL

– TRANSFERÊNCIA DE BANCO

Concretize o seu sonho.

Escolha a melhor opção!

– PESSOAL

– HABITAÇÃO (Compra ou renovação)

– AUTOMÓVEL

– PROJECTOS VÁRIOS

– INVESTIMENTOS

agência félix

Kalkbreitestr. 40

CH-8003 Zürich

Tel. 044 450 82 22

info@agenciafelix.ch

www.agenciafelix.ch

facebook.com/reiseburofelix

O seu objetivo está a um passo de se tornar real. Os empréstimos são calculados e

adaptados em base ás suas capacidades financeiras, com as mais baixas taxas de

juro, para que possa usufruir do seu dinheiro sem percalços.

Trabalhamos com prestigiadas Instituições bancárias na Suiça. Oferecemos aos

nossos clientes todo o aconselhamento necessário e procuramos sempre a melhor

oferta. Tratamos de todo o processo com total profissionalismo e sigilo absoluto.

A concessão de um credito é proibida se levar a um endividamento excessivo (art. 3).

14 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

15



SAÚDE

Cãibras - Muskelkrampf

O que é isso? - O que fazer para aliviar a dor

V ZUILA MESSMER (*)

As cãibras são contracções rápidas,

involuntárias e dolorosas de um ou

mais músculos, que podem aparecer

em qualquer parte do corpo e em

qualquer momento do dia ou da noite,

mais frequente em pessoas que

não possuem condicionamento físico

adequado. Saiba que, a maioria dos

grandes grupos de músculos funcionam

de forma voluntária, ou seja, relaxam

ou contraem-se de acordo com

o comando da pessoa.

As razões pelas quais esses espasmos

(contracções) ocorrem continua em

estudos. Uma das pesquisas concluiu

que pode ter origem nervosa, portanto,

com característica neuro-muscular,

influenciadas por factores que hiper-excitam

os nervos que estimulam

os músculos.

Geralmente as cãibras não são graves,

duram menos de 10 minutos, porém

se a dor durar mais do que esses minutos,

for muito intensa, surgir mais

de uma vez por dia, e ainda aparecer

edema (inchaço), vermelhidão no local

e sentir fraqueza no músculo após

a crise, se aconselha procurar o médico

e informá-lo, a fim de identificar

a causa, pois pode ser problema que

requeira tratamento.

Causas mais comuns e

sugestões de cuidados

Nas grávidas, as cãibras podem ser

causadas pelo aumento do peso, sobrecarga

e stresse nos músculos. A

pressão do bebé em desenvolvimento

também pode influir sobre os nervos

e vasos sanguíneos, causando alterações

circulatórias, em especial nos

membros inferiores (pernas e pés), favorecendo

ao surgimento de edemas(

inchaços) e cãibras.

> O acompanhamento médico é

obviamente essencial nesse caso

-Desequilíbrio nas substâncias químicas.

Existem vários minerais presentes

no organismo, entre eles o sódio,

potássio, magnésio, lactato, ferro,

zinco, iodo, fósforo e cálcio. Cada

um desempenhado função específica

de suma importância para o metabolismo,

destacando-se à contracção e

relaxamento dos músculos. Quando o

nível de um ou mais desses elementos

caem, pode surgir cãibras. A diminuição

de cálcio e potássio é comum em

mulheres grávidas.

> Recomenda-se uma alimentação

variada, rica em vitaminas e

sais minerais.

Banana, abacate, abacaxi, figo, amêndoas,

castanha de caju, ameixas, laranja,

amendoim, uvas passas, maçã,

melancia, morango, pêssego, pêra,

tâmaras, pistache Vegetais de folhas

verdes escuras - couve, rúcula, espinafre,

agrião, feijão, lentilhas, alcachofras.

Grão-de-bico, batata com casca,

beterrabas. Cereais integrais (aveia,

arroz integral…).Frutos do mar e muitos

outros.

- Anemia. Decorrente da deficiência

de vitamina B e ferro no sangue.

> Aconselha-se dieta rica em vitamina

B e ferro - com espinafre,

lentilhas, feijão, fígado...

- Circulação sanguínea e baixo teor

de oxigénio. Problemas circulatórios

podem acarretar redução do aporte

sanguíneo na musculatura, consequentemente

diminuição do teor de

oxigénio nas células, induzindo espasmos,

um grande causador de cãibras

nas pernas.

> Sugere-se respirar profundamente.

Enchendo várias vezes

o peito de ar logo ao perceber o

sintoma. Massajar a área afectada

para melhorar a circulação e

oxigenação.

- Desidratação. A presença das cãibras

pode ser sinal de desidratação leve ou

moderada. Mais comum quando se

está em ambiente muito quente, se

transpira muito e por longo tempo.

Também sofre influência quando se

está em tratamento com determinados

remédios que favorecem a diurese

(urina), havendo portanto maior

perda de líquidos pelo organismo.

Quando há desidratação significante,

além da cãibra surgi outros sintomas

característicos, como boca seca, sede

frequente, diminuição da quantidade

de urina e cansaço.

> Tomar bastante água. Cerca de

2 litros ou 8 copos por dia, pois

é fundamental para a saúde, ao

bom funcionamento, manutenção

e equilíbrio do organismo.

- Excesso de exercícios físicos. Ocasiona

sobrecarga da musculatura e

consumo excessivo dos minerais, oxigénio

e água pelos músculos. A cãibra

é possível surgir até durante os

exercícios ou algumas horas depois.

Situação similar acontece quando se

fica parado por muito tempo em uma

mesma posição, e os músculos sem

movimento.

> Hidratar-se bem, antes e durante

a prática dos exercícios.

O grau e número de exercício

devem ser aumentados gradualmente

dia-a-dia, dando tempo

para corpo adaptar-se

- Medicamentos. O uso de certos

medicamentos utilizados no tratamento

de diversos problemas de

saúde podem desencadear espasmos

musculares como efeito colateral. Um

dos mais conhecidos são os diuréticos,

bronco-dilatadores (usados para

asma), os utilizados no Alzheimer,

hipertensão, colesterol, osteoporose

e cancro.

- Doenças. Algumas delas, como a

miopatia (disfunção na musculatura),

diabetes, alcoolismo, doença de

Parkinson, renais, da tiróide e fígado,

desencadeiam cãibras

As partes do corpo mais propensas

as cãibras são os pés, mãos, pescoço,

abdómen e pernas. Nestas, mais precisamente

nos músculos anteriores

e posteriores da coxa, sendo as panturrilhas

( batata das pernas), o local

mais acometido.

Medidas para aliviar as

dores das cãibras

Na medida do possível, as pessoas

devem se cuidar, evitando as causas

e seguindo as sugestões de cuidados

descritos, pois evitam e ou minimiza

crises. Além disso, recomenda-se,

em especial aos de vida sedentária,

sessões de alongamentos musculares

frequentes, até mesmo para os praticantes

de exercícios, antes e depois de

realizá-los.

Quando os espasmos acontecem, deve-se

rapidamente tentar reverte-los,

alongando o membro afectado até que

a dor intensa e cãibra desapareçam.

Em seguida fazer leve massagem no

músculo e aplicar compressas quente,

a fim de relaxar, reduzir ou evitar dor

e a inflamação do músculo afectado.

Quando a cãibra ocorrer na frente

da coxa, ficar de pé e dobrar a perna

afectada para trás, segurando-a no pé

e mantendo-a nessa posição até que o

espasmo desapareça.

Se for trás da coxa: sentar no chão

com as pernas esticadas e dobrar o

corpo para a frente, tentando tocar

com os dedos das mãos, as pontas dos

pés.

Cãibra no pé: Se os dedos ficarem

virados para baixo, pôr um pano no

chão, os pés sobre ele (pano) e puxar o

topo do pano para cima. Manter essa

posição por 1 minuto. Outra opção é

sentar com a perna esticada e segurar

a ponta dos pés com as mãos, puxando

os dedos na direcção contrária à

cãibra.

- Na Panturrilha ( batata da perna) :

Ficar de pé a cerca de 1 metro de uma

parede mantendo os pés apoiados no

chão. Inclinar o corpo para frente, o

que provocará um alongamento da

panturrilha.

Outra opção: Sentar no chão com a

perna esticada e pedir a outra pessoa

para empurrar a ponta do pé em direcção

ao corpo. Deverá permanecer

em qualquer uma dessas posições até

a dor desaparecer

- Cãibra no abdómen ( barriga): Deitar

de barriga para baixo, colocar as

mãos no chão e empurrar o tronco do

corpo para trás até os braços ficarem

estendidos. Permanecer nessa posição

por 1 minuto. Se for no lado da

barriga: ficar de pé, esticar os braços

por cima da cabeça, entrelaçar

as mãos, depois dobrar o tronco

para o lado contrário da cãibra.

- Nos dedos das mãos: Colocar

a mão aberta sobre uma mesa, e

segurar o dedo com cãibra e levantá-lo

da mesa. Outra opção

é segurar com a mão sã, todos

os dedos da mão com cãibra,

e elevá-los. Permanecer até a

contracção passar.

Atenção: A ocorrência

de cãibras durante a noite

é muito comum, e atinge

cerca de 50% das pessoas

acima dos 50 anos.

Os membros inferiores

são os mais afectados.

As causas costumam ser

as já conhecidas, embora

haja casos idiopáticos,

em que por mais que se

pesquise, não se identifica

a origem. Todavia

se concluiu ser mais

frequente em pessoas

que possuem história

familiar de cãibras, caracterizando

a hereditariedade.

SAÚDE

Como profilaxia recomenda-se

15 minutos

de alongamento ou praticar

bicicleta ergométrica antes de

dormir. Preferência por alimentos ricos

em cálcio e magnésio. Manter boa

hidratação durante o dia. Evitar o sedentarismo.

Na cama, deixar o lençol

solto, sem prendê-lo, mantendo assim

os pés livres, sem forçar sua flexão ou

extensão, o que favorece a ocorrência

de contracções involuntárias.

Saiba, que não é de imediato que os

alongamento trazem resultados. Será

necessário alguns dias e práticas diárias

para o músculo adquirir resistência

às contracções involuntárias.

Enfim, existem inúmeros recursos

de prevenção e cuidados, porém há

situações clínicas específicas que influenciam

espasmos, consequentemente

devem ser avaliados e tratados

pelos especialistas.

Cuidem-se bem. Saúde para

todos !

(*) INFORMAÇÃO / AGRADECIMENTO

Devido a „decisões” relacionadas a sua vida particular, Zuila

Messmer informa que no futuro, não poderá, „dar continuidade à

elaboração dos artigos saúde para a revista CLZ”.

Lamenta o sucedido, dizendo que a „vida é assim, repleta de imprevistos

e decisões” e deseja a todos, „sucessos”, e principalmente

„SAÚDE!”

A Direcção do CLZ/Lusitano, agradece o apoio dado durante os

anos que esteve connosco e deseja à Zuila, êxitos, saúde e vida

longa muito feliz. Obrigado Zuila!

16 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

17



CRÓNICA

CRÓNICA

Comunicação social:

epidemia

da pandemia

V COSTA GUIMARÃES 1

Meu amigo, não posso

vender-lhe a garrafa de

água. É a lei que temos.

Foi a resposta do dono de

um restaurante ao trabalhador

que encomendou

um cozido à portuguesa

e uma garrafa de água.

Não posso vender-lhe,

aqui. Se quiser, entrego-

-lhe a comida na empresa

ou em casa e aí, sim, até

lhe posso levar uma pipa

de vinho — respondeu o

dono do restaurante.

Eu ouvi com as minhas orelhinhas

que a terra há-de comer.

Todos sabemos que o agravamento

das condições económicas e sociais

devido à pandemia deu ao populismo

terreno fértil para continuar a cres-

1 Jornalista, ex-director do jornal

Correio do Minho

cer. A resposta deve passar pela compreensão

e combate às desigualdades

sociais, para evitar o sentimento de

“orfandade”. Esta cena do “take-

-away” é inacreditável mas é verdade.

Em Braga, em Portugal, na Europa.

Há dias tropecei numas histórias engraçaditas.

Uma delas dava conta de

um jovem que, ao visitar uma casa

para alugar, perguntou à agente imobiliária

para que lado era o Norte. Ele

não queria que o sol o acordasse todas

as manhãs.

A agente perguntou ao possível cliente:

— O sol nasce no Norte?

O cliente respondeu: — o sol nasce a

Nascente (aliás, daí o nome) e que há

muito tempo que isso acontece.

A rapariga limitou-se a responder:

Eu não estou actualizada a respeito

destes assuntos.

Estamos a falar de gente que vota,

não?

É verdade que a pandemia revelou as

falhas e esquecimentos do sistema de

protecção social. Para o futuro, esperamos

que algumas das medidas de

emergência adoptadas podem servir

de referência para as soluções permanentes.

Existem muitas pessoas que trabalham

a recibos verdes, informais, com

carreiras instáveis ou independentes.

Veja-se só a desgraça que se abateu

sobre técnicos de som e de luz, de

trabalhadores de concertos que montam

os palcos onde depois brilham as

estrelas e outros profissionais deste

sector das artes e dos espectáculos.

Foi preciso o choque repentino e generalizado

da pandemia para que a

fragilidade financeira destes trabalhadores

perante crises ou simples contrariedades

pessoais, passasse a ser

vista como um problema a resolver.

Mas depois da resposta de emergência

dada pelo sistema de protecção

social nos últimos meses, através

principalmente de medidas de carácter

extraordinário e independente,

fica a dúvida neste país dos netos únicos,

em que temos de olhar para os

avós.

A maior esperança de vida foi uma

bela conquista dos últimos 40 anos.

Mas a descida da mortalidade não

compensa a diminuição constante da

natalidade nos últimos 40 anos.

Vamos a outra historieta, antes da

verdadeira história. Numa pizzaria,

vi um homem a pedir uma pizza (um

disco de massa fermentada de farinha,

coberto com molho de tomate e

os ingredientes variados que incluem

algum tipo de queijo, carnes preparadas

ou defumadas e ervas, tudo assado

em forno) para levar para casa.

O empregado perguntou se ele preferia

que a pizza fosse cortada em quatro

ou em seis pedaços.

Uns segundos depois, respondeu: —

corte em 4 pedaços porque não tenho

fome suficiente para comer seis pedaços.

Regresso atrás, ele também vota!

No entanto, a nossa comunicação ignora.

Não sei como será nos outros países

na Europa, mas em Portugal, as televisões

e rádios falam de “task force”

na campanha de vacinas, os debates

estão enxameados de doentes com

“morbilidade” que devem ser os primeiros

e os telejornais anunciam que

hoje foram efectuadas 1700 inoculações.

Depois aparecem os virologistas

a falar do RT e os infecciologistas

mimam-nos com as dúvidas sobre a

resiliência.

Alguém que esteja a comunicar —

jornalistas, em primeiro lugar — se

lembra que está a falar para octogenários

ou nonagenários, quantas vezes

analfabetos, que vivem nos sítios

mais inóspitos deste país?

Inóspitos? — Não é palavra que um

jornalista use. A palavra quer dizer

“pouco acolhedor” ou de “difícil acesso”

ou inabitável.

Todos deviam ter dois dedos de testa

para usar outras palavras, a saber:

morbilidade — relação entre o número

de casos de uma doença e o total

de indivíduos de uma população, num

dado momento; e a “task force”? —

uma força temporária com uma missão

especial, sob um comando unificado.

Que bem dirão uns, mas outros ainda

estão a tentar perceber o que é o RT.

Honra lhe seja feita, o Secretário de

Estado da Saúde, António Sales, até

ensinou os jornalistas como deviam

escrever, mas quase ninguém aprendeu:

indicador que define o grau de

transmissibilidade de infecção (RT)

do vírus.

Agora com a vacinação surgiu outro

enigma: vamos perguntar aos 78 mil

idosos dos nossos lares: já foram inoculados?

Eu tenho receio de algumas

respostas. A resposta ao enigma é: —

já foram vacinados?

A pandemia multiplicou medos e, em

muitos casos, agigantou-os. Um dos

receios é o de comunicar de forma

simples, clara e directa.

Mas nem sempre o medo é mau. Ter

medo também nos protege quando é

preciso reagir a uma ameaça. Muitos

podem até já ter vencido o medo do

coronavírus, mas há novos medos a

pairar, um deles é a incapacidade de

comunicar de forma clara.

Estamos a falar de pessoas que votam.

Os assessores de comunicação deviam

treinar bem com os ministros.

Porque não cumprem o seu dever? Dá

trabalho? Claramente.

Às vezes, a vendedora, o comprador

do apartamento e o rapaz que foi

comprar uma “pizza” inoculam-me

tanta desilusão como o discurso escuro

e redondo de jornalistas e ministros.

Uma pandemia nunca vem só.

Estou com tanto medo de ser inoculado

com a incompetência de ser

vítima de um RT, numa “pizzaria” de

uma “task force” num cérebro inóspito

pouco resiliente. Já agora, resiliente

significa capacidade de recuperar

após uma derrota ou de superar situações

de crise, adversidade ou infortúnio.

Fiquem bem, meus afortunados!

18 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

19



AGENDA

ABRIL

2021

Informações MAPS

Queridos leitores, a pandemia do

coronavírus ainda não acabou. O

requisito de máscara aplica-se em

muitos lugares no espaço público.

O Conselho Federal recomenda

que você fique em casa e reduza o

contato com outras pessoas. Mantenha

uma distância de pelo menos

1,5 m de pessoas fora de sua

casa, lave as mãos regularmente e

use uma máscara de proteção nos

transportes públicos. Você pode

encontrar uma visão geral das medidas

atuais em vários idiomas em

www.stadt-zuerich.ch/coronavirus.

Informe-se antes de ir a um evento.

Apesar de tudo, a equipe MAPS

deseja a você muita diversão!

01.04.2021 (Quinta-feira)

Museu

O «Kulturama» transmite conhecimentos

gerais e científicos sobre as

pessoas de uma forma que seja compreensível

para todos. Você e toda

a sua família podem aprender fatos

emocionantes e fascinantes de forma

lúdica. A atual exposição especial

tem o ouvido como temática. Ter–

dom 13:00–17:00. Com KulturLegi

CHF 8.– (em vez de CHF 12.–). O

escritório da MAPS sorteia 2×2 entradas

para o Kulturama. Basta ligar

para: 044 415 65 89 ou escrever um

e-mail para: maps@aoz.ch.

02.04.2021 (Sexta-feira)

Pintar ovos de Páscoa

A Páscoa está chegando e os ovos de

Páscoa coloridos não podem faltar.

Junto com sua família, você pode colorir

ovos de Páscoa com frutas vermelhas,

beterraba ou repolho roxo.

Na Páscoa você os esconde no jardim,

na varanda ou no apartamento

e sua família ou amigos vão procurá-

-los.

03.04.2021 (Sábado)

Fogo da Páscoa

O fogo é um símbolo do calor e nos

ilumina. Hoje no «jenseits» você

acende o fogo tradicional da Páscoa

junto com outras pessoas. Para fazer

isso, você pode se registar por e-mail

em info@jenseitsimviadukt e seleccionar

um intervalo de uma hora entre

19:00 e 23:00. Participação grátis.

Fazer pomada de ervas

As pomadas estão entre os remédios

mais antigos do mundo. Durante o

sábado de aventuras, você pode fazer

sua própria pomada de ervas no

«Wildnispark Zürich». Uma oferta

educativa para adultos e famílias.

14:00–16:00. CHF 5.–.

04.04.2021 (Domingo)

Faça você mesmo pesto

de alho selvagem

A primavera é a estação do alho selvagem.

Você pode encontrar alho

selvagem em muitas florestas e você

mesmo pode colhê-lo. Você pode

criar muitas coisas com o alho selvagem

colhido. Por exemplo, você

mesmo pode fazer pesto de alho

selvagem. É muito fácil e delicioso.

Certifique-se de escolher a planta

certa e informe-se na página www.

naturschutz.ch.

05.04.2021 (Segunda-feira)

Museu

Os museus estão abertos novamente.

Em www.zuercher-museen.ch você

encontrará uma visão geral de todos

os museus de Zurique. Por exemplo,

você pode visitar o «Museum

Rietberg» e ver a exposição sobre

arqueologia em Honduras ou você

pode navegar na colecção online e

descobrir muitas obras, como estátuas

de Buda. Ter–dom 10:00–17:00.

Qua 10:00–20:00. Entrada livre para

pessoas com N/F-Ausweis ou KulturLegi

(em vez de CHF 18.–).

06.04.2021 (Terça-feira)

Mães e pais cantam com

crianças

Você e seus filhos gostam de cantar?

Todas as terças-feiras, os pais encontram-se

com os filhos para cantarem

juntos. O curso é direccionado a pais

e filhos com pouco conhecimento da

língua alemã. A entrada é possível a

qualquer momento. Inscrições em

077 532 79 79 ou gz-gruenau@gz-zh.ch.

09:30–10:30. CHF 5.– para residentes

na cidade de Zurique (em vez de

CHF 10.–).

07.04.2021 (Mittwoch)

Ler juntos

Você gosta de histórias e poesias?

Você gosta de ler? A «Pestalozzi Bibliothek

Zürich» convida todos os

interessados a lerem juntos todas

as quartas-feiras. Você pode fazer

perguntas e debater as histórias e

os poemas. O evento acontece no

«Zoom». 14:00–15:30. Participação

grátis.

08.04.2021 (Quinta-feira)

Karaoke em casa

No «YouTube» há um grande número

de canções de karaoke com legendas

para cantar junto. Faça seu próprio

show com a sua família ou para ela.

Por exemplo, você pode cantar a música

«Perfect» de Ed Sheeran. Grátis.

09.04.2021 (Sexta-feira)

Dicas de jardim em Abril

Abril é a época perfeita para plantar

ervas ou semear batatas, cenouras

e alfaces. Você pode plantá-las no

jardim ou na varanda. Observe algumas

dicas e truques no site a seguir e

desfrute do seu próprio canteiro de

flores.

11.04.2021 (Domingo)

Performance de ópera

A „Opernhaus Zürich“ apresenta

óperas avulsas em seu site. Dê uma

olhada descubra a sua ópera favorita.

Por exemplo, você pode assistir

«Ein deutsches Requiem» de Johannes

Brahms até dia 06.08. Há mais

óperas disponíveis na transmissão ao

vivo. Grátis.

12.04.2021 (Segunda-feira)

Consertar bicicletas

Você tem uma bicicleta e gostaria

de consertá-la? Toda segunda-feira

na oficina de bicicletas da «GZ Bachwiesen»,

você mesmo pode consertar

e fazer a manutenção da sua

bicicleta com a ajuda de um mecânico.

Há uma vasta gama de ferramentas

e peças de reposição. Inscrições

em www.eventfrog.ch/Velowerkstatt.

17:00–19:00. CHF 5.–. Custos eventuais

de material serão cobrados adicionalmente.

14.04.2021 (Mittwoch)

Exposição (até 15.08)

Harald Naegeli é um grafiteiro de

Zurique internacionalmente conhecido.

Na década de 1970 ele

desenhou seus personagens em vários

muros da cidade. Além disso,

ele também criou outras obras gráficas.

Você pode vê-las no «Musée

Visionnaire». Qua–sex 11:00–17:00.

Qui 13:00–20:00. Sáb–dom 11:00–

17:00. Com KulturLegi CHF 5.–

(em vez de CHF 10.–).

15.04.2021 (Quinta-feira)

Workshop sobre o tema

“mal-estar“

Você às vezes se sente desconfortável

ou inquieto? Neste workshop,

você aprenderá por que às vezes

nos sentimos desconfortáveis ​e

como você pode lidar com isso.

O workshop acontecerá em duas

partes. O primeiro local ainda é secreto

e será comunicado no dia do

evento. Para a segunda parte você

se reunirá para uma troca de ideias

e conclusão do projecto no «jenseits

IM VIADUKT». Inscrições no

website. 19:30–21:30. Contribuição

espontânea.

17.04.2021 (Sábado)

Acção de limpeza na cidade

Gostaria de contribuir para uma

Seebach mais limpa? Em pequenos

grupos, recolha lixo para que Seebach

fique a brilhar. 14:00-16:00.

Gratuito.

GZ Seebach. Hertensteinstr. 20.

Tram 14 oder Bus 40/75/742/768 bis

„Seebach“.

http://www.gz-zh.ch/gz-seebach/programm/

18.04.2021 (Domingo)

Conserva de legumes

Ao preparar legumes em conserva,

pode aumentar a sua durabilidade.

Além disso, os legumes em conserva

são saudáveis e têm um sabor

ainda melhor. Basta seguir os cinco

passos simples em www.veganevibes.de

e desfrutar dos legumes por

si preparados com uma salada ou

uma peça de carne.

http://www.veganevibes.de/gemuese-fermentieren-in-5-einfachen-s-

chritten-v-gf/#wprm-recipe-con-

tainer-5604

20.04.2021 (Terça-feira)

Jogo do elástico

Lembra-se de jogar ao elástico na

sua infância? Trata-se de um divertido

jogo de movimento para crianças

e adultos. Precisa apenas de

uma fita de elástico com 3 metros

de comprimento, 2 amigos e já está!

Encontre movimentos simples para

praticar na página da «Gummitwist

Community Schweiz». Experimente-os

com alguns amigos.

http://www.gummitwist.ch/gummitwist-

-figuren/

23.04.2021 (Sexta-feira)

Noite de jogos online

Quer passar um divertido serão

com os seus amigos, mas não pode

devido à pandemia? Participe no

jogo do Stop («Stadt Land Fluss»)

online e convide todos os amigos

que desejar. Pode usar as categorias

já indicadas ou até acrescentar outras.

Gratuito.

http://www.stadtlandfluss.cool

24.04.2021 (Sábado)

Feira da ladra

Gostaria de negociar, trocar, comprar

ou vender? Junte os artigos e

brinquedos de que já não precisa,

leve uma manta para os expor, uma

cadeira de fechar para se sentar e

apareça no centro comunitário

«GZ Seebach». Aqui pode vender as

suas coisas ou apenas passear pela

feira da ladra. 10:00-16:00. Participação

gratuita.

GZ Seebach. Hertensteinstr. 20.

Tram 14 oder Bus 40/75/742/768 bis

„Seebach“.

http://gz-zh.ch/gz-seebach/

27.04.2021 (Terça-feira)

A vida dos Sans-Papiers

Quer saber mais sobre a vida de

pessoas sem autorização de residência

em Zurique? Quatro imigrantes

ilegais contam as suas histórias,

que pode descobrir num

circuito por Zurique. Comece por

exemplo junto da «Reformierte Citykirche

Offener St. Jakob» e daí

para os outros três sítios. Pode ler

as histórias em cartazes facilmente

identificáveis e encontrar os vários

locais na seguinte página de internet.

Kirchgemeindehaus St. Jakob.

Stauffacherstr. 10.

Tram 2/3/8/9/14 bis „Stauffacher“

oder S4/S10 bis „Zürich Selnau“.

http://www.zuerichunbezahlbar.ch/

events/bildung/diverses/postenlauf-von-sans-papiers/

28.04.2021 (Mittwoch)

Exposição sobre os direitos

das mulheres (até

18.07.)

Há 50 anos as mulheres alcançaram

o direito de voto na Suíça. Até

então, houve uma dura e longa luta

pelos direitos das mulheres na Suíça.

O «Landesmuseum» dedica uma

exposição ao tema. Descubra mais

sobre esta história com 200 anos.

Ter-qua/sex-dom 10:00–17:00. Qui

10:00–19:00. Entrada com KulturLegi

CHF 5.– (em vez de CHF

10.–).

Landesmuseum. Museumstr. 2.

S-Bahn bis „Zürich Hauptbahnhof“,

Tram 4/11/13/14 oder Bus 46

bis „Bahnhofquai/HB“.

http://www.landesmuseum.ch/

frauenrechte

30.04.2021 (Sexta-feira)

Evento científico para

jovens

Uma vez por mês decorre o evento

«Nachtaktiv», no qual alunos

universitários apresentam temas

científicos de forma acessível e divertida.

Cada evento é dedicado a

um tema específico. Hoje o tema é

o vestuário. Há bebidas e snacks.

Para jovens entre os 16 e os 25 anos.

19:00-22:30. Participação gratuita.

Museum für Gestaltung. Ausstellungsstr.

60.

Tram 4/6/13 bis „Museum für Gestaltung“.

http://www.nachtaktiv.live

http://www.creativelabz.ch/nachtaktiv-museum-fuer-gestaltung/

20 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

21



DO NOSSO CANTINHO, PARA O VOSSO CANTÃO

Um cheirinho do meu

novo livro

V ARAGONEZ MARQUES

Por aqui, a pandemia acalmou e ando tão

farto de falar sobre esse assunto, que resolvi

este mês oferecer, como um cheirinho de

leitura, um capítulo do meu novo livro “A

Taberna de Avelino Camejo” a sair dentro

de dias, publicado obviamente por Filigrana

Editora.

Boas Leituras!

...

14. Cobarde de amor.

João sabia finalmente o que fazer. Fechou a porta

devagar para que não acordasse Beatriz e evitou,

entrar no quarto de Preciosa, que dormia com o

seu marido.

Falariam dele sim, mas não pelo real sucedido e o

tempo, tudo apagaria.

Foi o primeiro a entrar na taberna de Avelino Camejo:

- Bom dia!

- Por aqui tão cedo Senhor João? Que lhe ponho?

-Nada Avelino, tenho aqui um garrafão vazio

de água do Luso e gostava que mo enchesses de

aguardente, daquela tua, da boa, do alambique

que escondes no sótão e não podes vender ao

balcão.

-É uma chatice ter que servir aguardentes em garrafa

para os copos dos clientes, garrafas com marcas,

mas cujo líquido é como os melões. Coisas da

lei e a puta das multas vão até ao encerramento

da casa.

- Mas podes vender-me cinco litros? É para oferecer

a uma amiga que vou visitar.

- Amiga? E amiga de bom gosto, porque não há

como a minha aguardente. Porque pensa que sai

tanto “sol e sombra” aqui na casa?

Avelino não fez mais perguntas e com um funil,

encheu-lhe a garrafa, deixando-lhe a parte de

cima cheia de pequenas pérolas que lhe garantiam

a qualidade e referiu-o:

- Pérolas para uma amiga vejam que rico colar...

– e apontou com o dedo o cimo transparente do

garrafão de plástico, enquanto lhe enroscou a

tampa.

- Um colar de pérolas.

- Tenha cuidado Senhor João que amigas na sua

idade são um problema.

- Não a vejo há muitos anos, conheci-a em África,

ainda novo, no tempo da guerra, nunca mais pensei

ter contacto com ela, até porque é feia - riu-

-se - encontrei necessidade de a ver depois destes

anos todos e quis o destino que a encontrasse por

acaso.

Um dia disse que me encontraria e parece que o

adivinhou. Bem, para lhe dizer a verdade, fui eu

que lhe marquei o encontro.

- De África...é branca ou preta?

- Preta, amiga e fiel, daquelas que não nos esque-

cem nunca e são capazes de nos dar

conforto até à eternidade. Vivi com

ela dezoito meses em Angola, noite e

dia, na caserna e no mato.

Pagou e despediu-se.

- Até logo Avelino que lá mais pela

tarde nos veremos.

Deixou o garrafão no jipe e foi a pé

até à loja dos chineses.

-Bom dia, precisava de fazer um estendal

para a roupa, uma amiga que me

pediu, tem cordas e molas da roupa?

- Sim e ter estendal já feito, grande e

pequeno, desmancha e arruma, quer

ver?

- Não, quero ser eu a fazer.

- Tem rolo de três, cinco e dez metros.

- Quero um de dez metros que o

quintal é grande.

- Cor?

- Pode ser azul, que é a cor do céu, e

molas?

- Ter sacos com doze mas cores de

mistura, não pode “escoler”. Pode ser

“amalelo”, “vermelo”, Azul, misturado,

sacos de doze.

- São também dois sacos com molas...

- Eu não sair do balcão, há na segunda

fileira.

Foi assim que João foi buscar a corda

plástica e as molas, já meio aborrecido

com o chinês que nada fazia sem

ser indicar os caminhos, mas sem largar

a caixa registadora que guardava

o dinheiro e as poucas faturas que

fazia, aprendendo as manhas de fugir

ao fisco na mesma proporção e rapidez

com que aprendeu a língua lusa.

Olhava os espelhos redondos como o

dos cruzamentos das ruas que tinha

colocado, nos cantos superiores da

loja, tecnicamente e cirurgicamente,

de onde, vigiava todas as prateleiras.

João colocou a corda plástica e as molas

no balcão e pediu para pagar.

- Prego não quer?

- Não, tenho em casa.

- Quer saco?

- Sim.

- Tem que pagar saco à parte.

- Não, guarde a merda do saco, levo

na mão!

Raio de Chinês!

-Não precisa falta educação, não quer

não quer - e praguejou em chinês.

Levou as compras, meteu-se no jipe e

foi até à courela, arrendada a Avelino

e onde havia bastantes coisas já feitas

e muitas trazidas, entre elas, os porcos

com pocilgas feitas e o trator verde

com garagem das alfaias acabada.

Vigas de madeira e folhas de zinco.

Tirou o cadeado do portão, abriu-o

e meteu dentro também o jipe, junto

da palha e dos utensílios agrícolas.

Fechou depois ambas as portas e

meteu a tranca de pinho no interior,

encaixada nas albardas aparafusadas

às vigas onde estavam depositadas,

e muito mais seguras, apesar da fechadura

e do cadeado exterior que

trouxe para dentro, pendurado da

corrente e colocou sobre um banco

de três pernas feito de um sobreiro..

Uma tranca, sempre foi uma tranca.

Trancadas, as portas eram muito mais

seguras e invioláveis.

Ali, só poderia entrar quem ele autorizasse.

Sentou-se num fardo de palha, deitou

num copo de plástico a aguardente

do Avelino, bebeu um e dois e três e

ficou e ficou e foi ficando à espera da

amiga, talvez para ganhar força para

esse encontro que sabia ter que se

realizar.

Repassou-lhe a vida dos últimos anos

enquanto os sentidos lhe iam turvando

os pensamentos e as memórias.

LITERATURA

Deixou no jipe as molas da roupa

quando foi buscar a corda azul cor de

céu, o único que precisava mesmo do

chinês.

Subiu à roda traseira do trator verde

e passou-a por cima da trave onde foram

assentes as folhas de zinco.

Puxou ambas as partes, fez uma argola

numa delas por onde passou a outra

ponta. Cortou-a com um isqueiro

aceso, depois de lhe tirar as medidas

necessárias. Baixou do trator. Esticou-a

e atou-a ao gancho do reboque.

Subiu à roda grande novamente, primeiro

pelo degrau de subida, passou

o corpo pelo lado das mudanças e colocou

os dois pés sobre o banco onde

tantas vezes Preciosa esteve sentada.

Do banco um primeiro pé sobre o

grande guarda lama verde, depois

o outro. Alargou a argola grande e

meteu-a na cabeça. Olhou a trave, a

seguir, acompanhou com a vista a ligação

ao reboque e meteu o dedo no

pescoço experimentando com a outra

mão o fechar e abrir do colar.

Meteu a mão no bolso da camisa, tirou

um cigarro, acendeu-o e começou

a fumar.

Sabia que a amiga negra chegaria

quando o cigarro acabasse.

Assim foi, atirou a pirisca e deu um

passo em frente, dois ou três movimentos,

até que a amiga morte chegou.

Silêncio.

Deixou de baloiçar e ali ficou em linha

reta, os olhos curiosamente abertos,

os pés a trinta centímetros do

chão.

Para ele, tudo tinha terminado.

Já não ouviu o cão, alentejano de cabeça

enorme, que começou a ladrar

sem parar, da parte de fora do portão

fechado.

1984 - 2021

37anos

Centro Lusitano de Zurique

Centro Lusitano de Zurique

22 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

23



SAÚDE

A Canábis na Epilepsia

Nova revista em papel

sobre canábis já

nas bancas

V SORAIA TOMÁS (*)

Definida pela Organização Mundial

de Saúde como um «transtorno

neurológico crónico que atinge pessoas

de todas as idades», a Epilepsia

afecta mais de 50 milhões de pessoas

em todo o mundo. Em Portugal,

estima-se que existam cerca de 50

mil pessoas com esta doença. O papel

que o Sistema Endocanabinóide

desempenha na génese da Epilepsia

providencia a base farmacológica

que deve fomentar a investigação do

uso de canabinóides exógenos, como

os fitocanabinóides produzidos pela

planta da canábis, no tratamento

desta patologia. A Epilepsia é uma

perturbação do sistema nervoso caracterizada

por uma predisposição

duradoura para gerar crises epilépticas

e pelas consequências neurobiológicas,

cognitivas, psicológicas e

sociais.

Nos últimos anos, o CBD (canabidiol)

tem-se revelado como uma

arma terapêutica extremamente

importante no combate aos efeitos

devastadores da Epilepsia. As suas

propriedades anti-convulsivantes,

aliadas à reduzida toxicidade para

o organismo, tornaram este canabinóide

numa ferramenta valiosa no

controlo de crises epilépticas refractárias

a outros medicamentos.

Vários estudos comprovam também

as propriedades neuro-protectoras

do CBD, que reduzem a hiperexcitabilidade

neuronal e preservam, desta

forma, as capacidades cognitivas,

reduzindo a progressão dos danos

causados no sistema nervoso devido

a convulsões repetidas.

(*) Enfermeira

Leia o artigo completo em Cannareporter.eu

Foto: D.R. | Shutterstock

Foto: D.R. | Cannadouro

80,8% dos Franceses são a favor da

legalização da canábis recreativa

V LAURA RAMOS

V MARGARITA CAR-

DOSO DE MENEZES

O primeiro número da Cannadouro

Magazine chegou

às bancas em Portugal com

o início da Primavera e é

dedicado às sementes. Para

João Carvalho, director da

revista, a Cannadouro Magazine

vem “transmitir aos

leitores informação que

permita uma utilização mais

consciente e informada da

planta da canábis, numa

perspectiva anti-proibicionista.

“Sabendo-se que em

Portugal existem mais de

500 mil pessoas que utilizam

canábis regularmente,

o público alvo da revista é

todo aquele que utiliza ou

tem interesse na canábis em

todas as suas vertentes: terapêutica,

medicinal, industrial,

cultural e recreativa”,

afirma.

Promovida pela Associação

Cultural sem fins lucrativos

Cannadouro, responsável

pela Feira Internacional do

Cânhamo, que se realiza

anualmente na Alfândega do

Porto, a nova revista marca,

desde o Nº1, a sua trajectória

definindo o lema “Rumo

à legalidade da canábis”.

Cânhamo

CannaCasa oferece curso

sobre como obter autorização

para plantar cânhamo.

V LAURA RAMOS

Plantar cânhamo industrial não tem

de ser um bicho de sete cabeças. A

CannaCasa – Associação do Cânhamo

Industrial, criou um mini-curso,

gratuito, que explica as várias fases

para obter a autorização de cultivo de

cânhamo e como começar o processo

de autorização junto das entidades

competentes em Portugal. O curso

está disponível em CannaCasa.pt e

organiza-se em cinco módulos, que

cada pessoa pode fazer consoante a

sua disponibilidade: História, Legislação,

Requisitos para Instrução do

Pedido, Entidades Fiscalizadoras e

Controladoras e Documentação.

O curso foi criado pelo Vice-Presidente

da CannaCasa, António João

Costa, que o disponibilizou para que

seja simples e acessível a todos começar

a apostar nesta cultura secular.

“Estamos a atravessar obstáculos e

impedimentos que não fazem qualquer

sentido e só se formos muitos é

que mudamos o futuro desta cultura

com tanto potencial no nosso país”,

referiu.

“O fim de um tabu?”, perguntou o Le Monde, ao

noticiar que a esmagadora maioria dos Franceses é favorável

à legalização da canábis para fins recreativos.

Mais de 250 mil pessoas participaram num inquérito

parlamentar de informação e 80,8% manifestou-se a

favor de uma autorização de consumo e produção em

regime legislativo e 86% concordou com a possibilidade

de auto-cultivo.

O inquérito foi lançado pelo Parlamento Francês a 13

de Janeiro e terminou a 28 de Fevereiro. Em pouco

mais de seis semanas, 253.194 pessoas participaram

numa consulta online aos cidadãos sobre a legalização

da canábis recreativa. De acordo com os resultados,

80,8% dos inquiridos concorda com a autorização

para o consumo e produção de canábis num quadro

regulamentado por lei, afirmaram fontes parlamentares

à AFP. Além disso, 13,8% afirma ser a favor da

descriminalização dessa droga, cujo uso é proibido

em França. Em contrapartida, 4,6% diz ser favorável ao

reforço das sanções e apenas 0,8% concorda com a manutenção

do enquadramento legal em vigor.

Leia estes e outros artigos em

www.cannareporter.eu

Foto: D.R. | Zamnesia.fr

24 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

25



LIVROS

“Na Asa do Vento”

de Carmindo de Carvalho acaba de sair

Onde comprar:

http://bit.ly/3sahrjd

P.V.P.: 13,00€

Paulo Freixinho é autor

de Palavras Cruzadas desde

1990. Começou por

ser desenhador gráfico,

na revista Play, colaborou

com a Agência Feriaque

(colaboração que resultou

em milhares de passatempos).

Presentemente, divide

o seu tempo entre as

publicações para as quais

cria Palavras Cruzadas

(Público, Jornal de Notícias,

Jornal de Angola, A Voz de

Trás-os-Montes, as Selecções

do Reader’s Digest, o Almanaque

Bertrand e também para o

Lusitano de Zurique), as suas

plataformas online e o Clube

de Palavras Cruzadas

dirigido a escolas e bibliotecas.

Aos 40 anos tornou-se Leitor

e dedica-se ao prazer

Sobre o livro: De pensamento livre e

crítico, Carmindo Carvalho mantém

uma relação de respeito e de prazer com

a poesia e, sem peias nem grilhetas, as

suas palavras desassombradas e insubmissas

atravessam não só o que é belo na

natureza, mas também o que é polémico

e controverso na vida. “Na Asa do Vento”

é uma produção poética de grande força

sugestiva, mas sobretudo, toca o leitor

pelo sentimento de inconformismo, pela

oposição à violência e à arrogância, pela

defesa da liberdade e do incontornável

direito à indignação.

Sobre o autor: Nasceu em Nagosa,

Moimenta da Beira, a 1.11.1955. Em 1966

concluiu o ensino básico. Foi camponês,

trabalhador à jorna em trabalhos diversos

e operário na construção civil. Com

dezasseis anos foi para Lisboa (a grande

Selva!). Trabalhou como vigilante numa

escola privada e posteriormente como

“Palavras Cruzadas 2015-2020”

de ler autores lusófonos.

Aos 45 voltou à música. É

baixista da banda Bon Sauvage,

banda que já gravou

dois discos.

Acaba de editar “Palavras

Cruzadas 2015-2020” e escolheu

100 Palavras Cruzadas

para comentar, contar

histórias ou curiosidades,

segredos e pequenas histórias,

numa edição para

guardar.

Conduzindo este livro

como uma conversa, o autor

reserva uma surpresa

para o final, com 10 especialíssimas

Palavras Cruzadas,

originais e exclusivas

(e para guardar).

A estrutura deste livro desenvolve-se

ao longo de

cinco anos, em que o autor

revela um profundo conhecimento

da palavra escrita

e uma admirável tensão entre

o rigor e a fluidez que

deve ter um exercício de

Palavras Cruzadas.

O plural de refrão, a diferença

entre mandato e

mandado ou entre solarengo

ou soalheiro, são apenas

alguns exemplos da riqueza

empregado num hospital psiquiátrico.

Em 1985 emigrou para a Suíça. Depois de

trabalhos vários, fixou-se numa fábrica

de tubagens metálicas. Durante uma dezena

de anos abraçou a vida associativa.

Com paixão, deu muito do seu tempo e

da sua “pele” desempenhando cargos vários.

A necessidade da escrita surgiu-lhe

tarde, já depois dos trinta anos. Recusando

escrever para a gaveta, entrega ao vento,

a leva dos seus trabalhos pelos cantos

do mundo e alguns (umas centenas) já foram

publicados em publicações diversas.

Cumpriu o serviço militar na Marinha.

Ao seu serviço viajou por vários países.

Irrequieto, permanentemente inconformado,

munido de uma forte curiosidade

e cedendo a vários impulsos deixou-se

levar e em serviço ou lazer, com muito

prazer, pisou já cerca de vinte países. É

casado, tem três filhas, seis netos e vive

em Lagoa-Algarve, Portugal.

que as Palavras Cruzadas

significam. Coincidência,

ou não, o seu autor, Paulo

Freixinho, assume que foi

mau aluno a português e

que isso o incentivou a saber

mais sobre palavras.

Onde comprar:

https://bit.ly/2PeM2xo

P.V.P.: 9,99€

Direito a subsídio

de desemprego

com desemprego

parcial

DANIEL BOHREN

X faz limpezas durante a semana em

casa de sete pessoas particulares e ao

fim-de-semana ainda num escritório.

Trabalha no total 35 horas por semana

e ganha com isso Fr. 1’050 por semana.

Durante as férias nenhum dos

empregadores lhe paga férias. Agora

uma empregadora, para quem trabalhava

8 horas por semana e com

quem ganhava Fr. 240 ilíquidos por

mês, rescindiu. X vive com um filho

menor. Pergunta: Tem direito a subsídio

de desemprego?

X tem direito a subsídio de desemprego,

se satisfizer as seguintes condições:

1. Ela ultrapassou a idade

para o fim da obrigação da frequência

escolar de acordo com

o direito cantonal (no Cantão

de Zurique, após o 16.º ano de

idade).

2. Ela vive na Suíça.

3. Ela registou-se como desempregada.

4. Ela pagou nos dois anos

que antecederam o desemprego

durante pelo menos 1 ano

contribuições para o seguro de

desemprego.

5. Ela procura um emprego

a tempo inteiro ou pelo menos

uma compensação das oito horas,

que perdeu.

Nem toda a perda de trabalho devido

a rescisão dá direito a um subsídio

de desemprego. A perda de trabalho

tem de comportar pelo menos dois

dias de trabalho durante 2 semanas.

Uma vez que X trabalhou 35 horas

por semana, parte-se para o cálculo

do dia de trabalho sempre de cinco

dias de trabalho por semana, ou

seja, um dia de trabalho da X abrange

o quinto de 35 horas semanais quer

dizer 7 horas por dia. O facto de X

trabalhar em certos dias mais do que

7 horas diárias e noutros menos e de

trabalhar 6 e não 5 dias por semana

não é decisivo. Tendo X perdido um

trabalho com oito horas por semana,

a perda em duas semanas de trabalho

comporta mais de 2 dias de trabalho

inteiros. Esta condição para receber

prestações do fundo de desemprego

é preenchido. Mas tal não é ainda suficiente,

para que a perda de trabalho

der direito a prestações. Adicionalmente

a perda de vencimento tem de

ser também superior a 20% do vencimento

segurado.

O montante de vencimento segurado

é calculado com base nos seis ou 12

meses antes da perda do emprego. X

ganhou nos seis meses antes da perda

do emprego Fr. 1’050 por semana e

perdeu com a perda do emprego um

vencimento semanal de Fr. 240, quer

dizer 22,8 % do seu vencimento, tendo

assim direito a uma compensação

pelo desemprego.

DIREITO

Se X não tivesse a seu cargo filhos menores

ou adultos em formação profissional

e assim obrigações alimentares,

então a perda de vencimento não

teria de ser superior a 20%, mas mesmo

a 30%, para ter direito a subsídio

de desemprego. Neste caso não teria

direito a subsídio de desemprego.

Partamos do princípio de que X tivesse

perdido um local de trabalho

junto de um empregador, para quem

tivesse apenas trabalhado 7 no lugar

de 8 horas por semana e ganhava só

Fr. 210 por semana nu lugar de Fr.

240 no exemplo acima. Teria assim

também uma perda de trabalho de

dois dias de trabalho inteiros em

duas semanas porque um dia de trabalho

de X dura 7 horas como calculamos

acima. Neste caso a perda de

vencimento seria apenas 20% e já

não superior a 20%. Ela assim não teria

direito a subsídio de desemprego.

Partamos agora do princípio, de que

X perder três meses mais tarde mais

um local de trabalho com 3 horas por

semana e perde assim um vencimento

de CHF 90. Neste caso teria uma

perda de vencimento de CHF 300,

a saber CHF 210 devido à primeira

rescisão e CHF 90 devido à segunda

rescisão, o que equivaleria a uma

perda de 31% de vencimento. X teria

agora – depois de perder o segundo

local de trabalho - direito a um subsídio

de desemprego, a saber apenas,

se se tiver registado como desempregada

após a primeira rescisão, satisfazendo

também as regras de controlo,

por exemplo, a comprovação da entrega

de candidaturas a novos locais

de trabalho.

26 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

27



AGRICULTURA

AGRICULTURA

Conheça 7 exemplos de adubos

naturais que pode usar na sua horta

4. Turfa

É cara e pouco proveito traz à terra porque se desintegra

com demasiada rapidez e tem fraco teor nutritivo. O

seu uso também é desaconselhável sob o ponto de vista

ecológico.

O agricultor tem ao seu dispor uma grande variedade de adubos naturais. Grande parte deles são

gratuitos, caso não levemos em consideração o tempo despendido na sua preparação e transporte.

V ROSA MOREIRA 1

Outros adubos naturais são muito baratos, e alguns

ainda, geralmente os que se vendem em sacos podem ser

bastante dispendiosos. Infelizmente, nem todas as pessoas

tem a possibilidade de ter um estábulo nas redondezas

ou dispõe de espaço suficiente para armazenar grandes

quantidades de material. Nestes casos, os agricultores

necessitam de grandes quantidades de material, e por

isso necessitarão de comprar o produto à medida que for

sendo necessário. Conheça neste artigo 7 exemplos de

bons adubos naturais que pode usar na sua horta.

1. Estrume do curral

Este é um dos adubos naturais mais utilizados. O estrume

do curral possui a vantagem de fazer crescer a terra, além

de fornecer ao mesmo nutrientes essenciais. O estrume

pode ser de qualquer tipo de gado, embora aquele que

exista em maior quantidade seja o estrume de cavalo.

O estrume pode ser obtido na maioria dos estábulos e

muitos ficam satisfeitos por se verem livres daquilo que

lhe fornecerão de graça, desde que se encarregue de o ir

lá buscar.

Alguns agricultores não gostam do estrume quando ele é

misturado com aparas de madeira em vez de palha. No

entanto, vale a pena ter em mente que o primeiro é

mais isento de ervas daninhas, e uma vez bem curtido e

empilhado, revela-se excelente não só para misturar na

terra como para fazer a adubação à superfície.

É importante salientar que todos os tipos de estrume

devem ser empilhados pelo menos, seis meses antes de

serem usados. Quando estiver pronto, deve perder o seu

cheiro nauseabundo.

2. Composto da horta

Todos os agricultores e horticultores deviam experimentar

reciclar a maior quantidade de desperdícios da sua própria

horta e cozinha. Essencialmente, trata-se apenas, de

seguir o exemplo da natureza, em que as folhas e os caules

se formam na Primavera e morrem no Outono, caindo no

chão e, finalmente apodrecendo para voltarem de novo a

entrar nas plantas enquanto nutrientes.

Na horta, alguns elementos são retirados durante este

ciclo, nomeadamente os legumes e frutos, mas mesmo

assim, os restantes deveriam ser reciclados tanto quanto

possível. Este tipo de composto não é difícil de se fazer

e naturalmente, é absolutamente gratuito. Caso tenha

disponibilidade de espaço, use vários caixotes para que

haja sempre algum disponível. Excepto tenham sido

utilizadas sementes de ervas daninhas ou plantas doentes,

o composto é seguro para funcionar como condicionador

da terra e como adubo.

3. Húmus

O húmus é um adubo de terra natural. É fácil de fazer

e não custa dinheiro. Use apenas húmus feito pelas suas

próprias mãos; nunca apanhe nos campos, porque isso

prejudica o equilíbrio das florestas e empobrece a terra.

5. Composto de cogumelos

Está frequentemente disponível ao nível local por causa

das quintas de produção de cogumelos. Este composto é

relativamente barato, especialmente se for comprado em

grandes quantidades.

É sobretudo, usado nas zonas ornamentais do jardim,

mas também tem utilidade na horta, se for bem curtido.

É particularmente útil em solos ácidos porque contém

calcário.

6. Desperdício industrial vegetal

Várias indústrias produzem desperdícios orgânicos

que podem ser úteis na jardinagem. Os desperdícios de

lúpulo utilizado na indústria de alimentos preparados

foram desde sempre os favoritos para quem consegue

obtê-los. Agora, importa-se cascas de coco, que são

muito bons como adubo de terra. Há vários produtos

disponíveis em toda a parte. Deixe-os curtir bem antes

de os utilizar.

7. Adubo verde

Algumas colheitas podem ser produzidas simplesmente

para voltarem a serem cavadas, a fim de melhorar a condição

e estrutura de um terreno. São particularmente úteis em

solos leves que foram deixados vazios por uma temporada,

por exemplo, no Inverno. O adubo verde pode ser semeado

no início do Outono, para ser cavado na Primavera. Em

alternativa, se plantar espécies de crescimento rápido, pode

usá-las sempre que a terra fique disponível para o efeito,

durante a estação de crescimento.

Nota: evite deixar o adubo verde florir e criar sementes,

senão regenerar-se-á por si próprio. A maioria da folhagem

e caules pode ser usada no caixote de composto.

Algumas das culturas que podem ser usadas como adubo

verde:

• favas; • azevém; • tremoços; • mostarda; • trevo;

• Joio de Inverno;

Gostou destes exemplos? Já usa algum destes adubos

naturais na sua horta? Caso ainda não os use é uma boa

altura para começar!

Rosa Moreira Criadora e Gestora de Conteúdos Agrícolas

F acientistaagricola - macientistaagricola.pt

Como fazer húmus?

Nota: o estrume de curral deve ser deixado em pilha num monte

até ter perdido o cheiro e terminar a decomposição.

1 www.acientistaagricola.pt - geral@acientistaagricola.pt

Utilize quatro estacas enterradas no solo com um arame

estendido à volta como um local perfeito para produzir

húmus. Limite-se simplesmente a deixar lá para dentro as

folhas, à medida que elas forem caindo das árvores. Pode

demorar até dois anos até que se decomponham e, quando

o processo tiver concluído, o que inicialmente parecia um

monte enorme ficará reduzido a uma pequena camada.

Adicione húmus à terra ou use-o para adubar à superfície.

Geralmente é ácido e pode ser utilizado para reduzir a

alcalinidade do solo. O húmus das agulhas de pinheiro é

particularmente ácido.

28 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

29



PUBLICIDADE

Silva Automobile

Silva António Filipe

Silva Automobile

Silva António Filipe

CULTURA

Palavras Cruzadas

Heinrich Stutz-Strasse 2

8902 Urdorf

Tel: 043 817 34 60

Natel: 076 396 65 77

silva.automobile@bluewin.ch

Silva Automobile

Silva António Filipe

Heinrich Stutz-Strasse 2

8902 Urdorf

Tel: 043 817 34 60

Natel: 076 396 65 77

silva.automobile@bluewin.ch

Silva Automobile

Scanned with CamScanner

V PAULO FREIXINHO

Heinrich Stutz-Strasse 2

8902 Urdorf

Horizontais:

Tel: 043 817 34 60

Natel: 076 396 65 77

silva.automobile@bluewin.ch

6. Revolução dos (...), nome pelo

qual ficou conhecida a revolução que

derrubou o Governo durante a madrugada

de 25 de abril de 1974.

Silva Automobile

7. O regime antes do 25 de Abril era

uma (...).

Silva António Filipe

9. O que não havia antes do 25 de

Abril.

11. Nesse dia especial, era um País

Heinrich novo a acreditar Stutz-Strasse em 2 novos dias. Tel: 043 817 34 60

8902 13. Continente Urdorf onde os soldados Natel: 076 396 65 77

portugueses estavam em Guerra para

tentarem manter as colónias

silva.automobile@bluewin.ch

de Portugal.

14. (...) Afonso, autor de ‘Grândola

Vila Morena’, a segunda canção que

passou na rádio, foi o sinal (senha)

de saída dos quartéis.

Silva Automobile

Silva António Filipe

Heinrich Stutz-Strasse 2

8902 Urdorf

Tel: 043 817 34 60

Natel: 076 396 65 77

silva.automobile@bluewin.ch

Silva Automobile

Silva António Filipe

Heinrich Stutz-Strasse 2

8902 Urdorf

Tel: 043 817 34 60

Natel: 076 396 65 77

silva.automobile@bluewin.ch

Verticais:

Silva António Filipe

4. Salgueiro (...), um dos heróis da

Revolução de Abril e um dos seus

1. O 25 de Abril foi uma Revolução símbolos.

Militar comandada por (...).

Heinrich 2. Em festa, Stutz-Strasse tomou conta 2 das ruas Tel: 043

5. Estavam

817 34 60

cheias de presos políticos

(pessoas que tinham ideias diferentes

396 das 65 77 ideias do Governo).

8902 gritando Urdorf a palavra LIBERDADE! Natel: 076

3. O Povo deu-lhes cravos silva.automobile@bluewin.ch

e eles puseram

os cravos nos canos das suas principal conjunto de Leis do Pais.

6. Surgiu depois do 25 de Abril e é o

espingardas e as espingardas ficaram

caladas.

8. O mês no qual se comemora a

Liberdade, em Portugal.

Silva Automobile

PALAVRAS CRUZADAS 2015-2020

Silva António Filipe

Heinrich Stutz-Strasse 2

8902 Urdorf

Paulo Freixinho, acaba de lançar o

livro PALAVRAS CRUZADAS 2015-

2020 uma compilação de mais de 100

Tel:

dos

043

melhores

817 34 60

passatempos criados entre

076 2015 396 e 65 2020 77 para o seu website.

Natel:

silva.automobile@bluewin.ch

10. Com o 25 de Abril de 1974 começou

uma nova forma de vida em

Portugal, é uma palavra com origem

na Grécia, significa: poder do povo.

12. ’25 de (...)’, livro de Alexandre

Honrado, com ilustrações de Maria

João Lopes, que deu origem a este

passatempo.

Soluções na página 35 8

Preço:

€9,99 + portes de envio

Encomendas:

https://bit.ly/2PeM2xo

www.palavrascruzadas.pt

30 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

31



PORTUGAL VISTO DE FORA

PATRIMÓNIO

CASO PARA

PERGUNTAR:

AGORA?

The world’s 20 best soups | CNN Travel

V ZÉ-ANTÓNIO PIMENTA DE

FRANÇA (*)

– A CNN descobriu a excelência

do caldo verde.

Caso para perguntar:

Só agora? (**)

Convido-vos a que partamos deste

simples caso, uma insignificância,

certamente, para uma reflexão mais

abrangente.

Os Portugueses não sabem o que

têm nem o que valem. Só quando os

de fora os reconhecem e aplaudem é

que se dão conta. Mas esquecem-se

depressa disso e rapidamente voltam

ao choradinho da perene auto-lamentação.

Um dia somos os maiores, mas

dura pouco, no dia seguinte voltamos

a ser os piores...

Os Portugueses nasceram e cresceram

com uma série de vantagens que

lhes advêm do simples facto de terem

nascido e crescido neste país. E não

se dão conta disso: uma certa forma

suave e amável de estar que nos é particular,

a boa comida, o clima suave,

entre milhares de outras pequenas

coisas que para nós são naturais porque

sempre as conhecemos e nunca

vivemos sem elas, por isso achamos

que existem em todo o mundo. Não

existem, quando chegamos lá fora e

lá vivemos é que nos damos conta

disso. Mas não sabemos disso e vivemos

lamentando-nos contra “este

país”, enquanto desfiamos o imenso

rol das nossas desgraças e insuficiências.

Desgraças e insuficiências que

são reais, sem dúvida, mas que também

existem lá fora, essa parte desconhecemos

- e não sabemos sequer

que desconhecemos. Por isso para

nós, Portugueses, lá fora é sempre

melhor, é lá fora que está o ideal, aqui

é sempre o lugar do poucochinho, do

insuficiente.

É bom que sejamos críticos acerbos

do nosso próprio país, é um bom

princípio para melhorarmos, não devemos

perder essa atitude. Mas também

não devemos afundar-nos nesse

poço sem fundo ao ponto de perdermos

o contacto com a realidade que

nos rodeia .

Seja qual for o tema, parece-nos que

por cá tudo corre mal e lá fora no

estrangeiro, tudo corre bem. Não é

verdade, qualquer que seja a área Portugal

está sempre em lugar invejável,

nos 10 por cento melhores, em alguns

casos mesmo no top três, como acontece

há muitos anos com a segurança

pessoal, entre outras coisas...

Muita desta atitude tão implacavelmente

autocrítica vem da falta de termos

de comparação com outros países

e outras latitudes. Vem da falta de

vida e de mundo que só anos de vida

fora de Portugal nos dão... Por isso os

que tiveram a sorte (ou azar, depende

da pe ências como as nossas qualidades

e méritos...

Eu tive essa sorte, vivi fora de Portugal

um total de nove anos em dois

países bem diferentes entre si e bem

distintos de Portugal, embora não

completamente, já que pertencem ao

mesmo macro-quadro cultural e civilizacional,

são ambos países cristãos e

ocidentais...

Isso abriu-me os olhos. Por isso costumo

dizer que todos os Portugueses

deveriam ser obrigados a passar pelo

menos dois ou três anos fora de Portugal

para se darem conta do que nos

distingue e caracteriza, tanto no plano

positivo como no negativo e assim

podermos construir um país melhor a

partir daí...

Esta atitude de eterna lamentação

negativa sem reacção não é nada criativa,

puxa-nos para baixo...

(*) CNN elegeu o caldo verde como “uma das 20 melhores

sopas do mundo”.

(**) Ex-jornalista da Agência Lusa

A calçada portuguesa

é candidata a Património

Imaterial Nacional

A calçada portuguesa ou mosaico português é o nome consagrado

de um determinado tipo de revestimento de piso

utilizado especialmente na pavimentação de passeios, de

espaços públicos, e espaços privados, de uma forma geral.

A proposta surgiu pela Associação da Calçada Portuguesa

e tem como intuito a promoção e valorização da calçada e

dos calceteiros, que se encontra “em vias de extinção”

32 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

33



PASSATEMPO

HUMOR Quem não sabe rir, não sabe viver”

Está escuro...

Uma dona de casa recebe um

homem todos os dias em casa,

enquanto o marido trabalha.

Durante esse tempo ela mete

o filho de 9 anos trancado no

armário do quarto. Um dia o

marido chega a casa e esse

homem ainda lá está. Então

ela tranca também o homem

no armário junto com o filho.

Ficaram lá um bocado, até que

o miúdo diz:

– Tá escuro aqui, não tá?

– É, está.

– Eu tenho uma bola de baseball.

– Que giro!

– Queres comprar?

– Não!

– O meu pai está lá fora!

– Quanto é que queres pela

bola?

– 30 euros.

– Toma.

Uma semana depois, o marido

torna a chegar cedo. O homem

está em casa. O miúdo

está no armário. O homem vai

para o armário.

Eles lá ficam em silêncio até

que o miúdo diz:

– Tá escuro aqui, não tá?

– É, está.

– Eu tenho uma luva de baseball.

– Que bom.

– Queres comprar?

O homem lembra-se da outra

semana…

– Claro, quanto é, é igual?

– Não... já encareceu, agora

são 100 euros.

– Pega... aqui está e cala-te.

No fim-de-semana o pai chama

o filho:

– Pega na bola e na luva e vamos

jogar.

– Não posso. Vendi tudo.

– Vendeste? Por quanto?

– 130 euros.

– Tu é maluco? Olha que não

podes enganar os teus amigos

assim. Isso é pecado e vou levar-te

já ao padre para te confessares.

Chegando à igreja, o miúdo

entra pela porta do confessionário,

ajoelha-se e fecha a

porta. Abre-se uma janelinha

e aparece o padre...

– Meu filho, não temas a

Deus, diz e Ele perdoar-te-á.

Qual é o teu pecado?

– Tá escuro aqui Padre, não

está...?

–Não! não, vais começar outra

vez com essa merda, pois não?

Calinadas

— “Nós somos humanos como

as pessoas”. - Nuno Gomes, SL

Benfica

— “Quem corre agora é o Fonseca,

mas está parado”. - Jorge

Perestrelo (relato de jogo)

— “O meu coração só tem uma

cor: azul e branco”. - João Pinto,

antigo capitão do FC Porto

— “Lá vai Paneira no seu estilo

inconfundível... (pausa) ...Mas

não! É Veloso. - Gabriel Alves

— “É trágico! Está a arder uma

vasta área de pinhal de eucaliptos”.

- jornalista da RTP

— “Um morreu e o outro está…

morto”. - Manuela Moura Guedes

— “Antes de apertar o pescoço

da mulher até à morte, o velho

reformado suicidou-se”. - testemunha

do crime

— “Quatro hectares de trigo

foram queimados. Em princípio

trata-se de incêndio. - Lídia

Moreno (Rádio Voz de Arganil)

— “O acidente foi no tristemente

célebre Rectângulo das

Bermudas”. - Paulo Aguiar (TV

Globo)

— “Os antigos prisioneiros

terão assim a alegria do reencontro

para reviver os anos de

sofrimento”. - Maria do Céu

Carmo, psiquiatra

Vida de Padre

Numa pequena aldeia do interior

do Minho, o novo padre

recebe a visita inesperada do

Arcebispo, para interar-se da

adaptação no novo Padre à pequena

aldeia.

Após um farto almoço, começam

a conversar.

- As coisas por aqui não parecem

ser muito agitadas - comenta

o Arcebispo.

- Vossa Eminência tem toda a

razão! A vida aqui é muito monótona,

mas muito agradável;

rosário, vinho, rosário, vinho...

assim a gente vai passando o

tempo...

O novo padre faz uma pequena

pausa e logo dá um berro em

direcção à cozinha:

- Rosário! Por favor traz mais

uma garrafa!

Abril 2021

Feriados e Datas Comemorativas

01 QUI Dia das Mentiras - 1º de Abril

01 QUI Dia Internacional da Diversão no Trabalho

02 SEX Sexta-Feira Santa

02 SEX Dia Internacional do Livro Infantil

02 SEX Dia Mundial da Consciencialização do Autismo

04 DOM Páscoa

04 DOM Dia Mundial do Rato

04 DOM Dia Internacional Contra as Minas Antipessoais

05 SEG Dia Nacional da Artrite Reumatóide

06 TER Dia Mundial da Actividade Física

06 TER Dia Internacional do Desporto ao Serviço do

Desenvolvimento e da Paz

07 QUA Dia Mundial da Saúde

07 QUA Dia Internacional do Castor

07 QUA Dia Internacional para Reflexão do Genocídio

de 1994 contra os Tutsi em Ruanda

08 QUI Dia Internacional do Cigano

10 SÁB Dia do Golfista

11 DOM Dia Mundial da Doença de Parkinson

12 SEG Dia Internacional do Voo Espacial Tripulado

SOLUÇÕES

13 TER Dia do Beijo

14 QUA Dia Internacional do Café

15 QUI Dia Mundial da Arte

16 SEX Dia Mundial da Voz

17 SÁB Dia Mundial da Hemofilia

18 DOM Dia Internacional dos Monumentos e Sítios

22 QUI Dia Mundial da Terra

23 SEX Dia Mundial do Livro

23 SEX Dia Mundial do Escutismo

23 SEX Dia Nacional da Educação de Surdos

24 SÁB Dia Mundial do Animal de Laboratório

25 DOM Dia da Liberdade - 25 de Abril

25 DOM Dia Mundial do Pinguim

26 SEG Dia da Produção Nacional

26 SEG Dia Mundial da Propriedade Intelectual

26 SEG Dia Internacional de Lembrança do Desastre

de Chernobyl

27 TER Dia Mundial do Design Gráfico

28 QUA Dia Nacional de Prevenção e Segurança no

Trabalho

28 QUA Dia Internacional do Cão-Guia

29 QUI Dia Mundial da Dança

30 SEX Dia Internacional do Jazz

Soluções:

Horizontais:: 6. Cravos, 7.

Ditadura, 9. Liberdade, 11. Portugal,

13. África, 14. Zeca.

Datas comemorativas

Verticais:: 1. Capitães, 2. Povo,

3. Soldados, 4. Maia, 5. Cadeias,

6. Constituição, 8. Abril, 10. Democracia,

12. Abrir.

DA SUÍÇA PARA PORTUGAL

PORTUGAL SEMPRE

NO NOSSO CORAÇÃO

Vantagens do SERVIÇO

DE TRANSFERÊNCIAS:

Simples

Online ou por correio, os seus recursos ficam disponíveis

com rapidez na conta do Banco Santander Totta.

Próximo

O seu Banco sempre perto de si. Na Suíça ou em Portugal.

Justo

Câmbio favorável. Agora com despesas reduzidas.

Online

Acesso fácil via e-banking.

Através do Site da Postfinance ou do seu Banco na Suíça utilize

a opção: “ordem de pagamento com o boletim vermelho”.

Preencher todos os campos conforme o vale de correio vermelho

fornecido pelos escritórios de representação.

Não esquecer:

conta do Banco Santander Totta (30-175563-2)

IBAN, nome e morada do beneficiário

Novo endereço

Correio

Utilizando o Impresso (Vale de correio vermelho)

Boletim/Vale vermelho requisitado através dos escritórios

de representação de Genebra ou Zurique e entregue com

a Ordem de Pagamento ao seu Banco na Suíça

(preferencialmente no PostFinance) para concretizar

o pagamento.

Boletim vermelho

(fornecido pelos escritórios de representação

de Genebra ou Zurique)

+

Ordem de pagamento

(fornecido pelo seu banco suíço ou Postfinance)

+

Envelope

(fornecido pelo seu banco suíço ou Postfinance)

Envio por correio para o seu banco suíço

ou Postfinance

Pelas regras em vigor é obrigatória a identificação do ordenante, IBAN e morada

do beneficiário realizando-se a transferência para débito em conta. Interdita

a utilização de numerários (cash).

A utilização do ST (Serviço Transferências) apesar de permitir custos reduzidos não

dispensa a consulta do preçário em santandertotta.pt, com as condições de cada

entidade bancária na Suíça e em Portugal.

Escritório de Representação de Genebra

Rue de Genève 134, C.P. 156 | 1226 Thônex - Genève | Tel. 022 348 47 64

Escritório de Representação de Zurique

Badenerstrasse 382, Postfach 687 | 8040 Zürich | Tel. 043 243 81 21

Baslerstrasse, 117 - 8048

Baptista Soares

(Endireita)

MASSAGISTA TERAPEUTA DE RELAXAMENTO

MUSCULAR DESPORTIVO

MASSEUR UND KÖRPERTHERAPEUT

KLASSISCHE SPORT UND RELAX MASSAGEN

Zürichstrasse 112, 8123 Ebmatingen

Natel 078 754 18 31

34 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

35



POESIA

V CARMINDO

DE CARVALHO

Olhar enamorado

Teus cabelos ondulantes

Dum loiro de ouro dourado

Beijados pelo sabor da brisa

Apetece rebolar

Como se rebola

Num campo florido!

Teus olhos olham

Com um olhar

Tão felinamente

Penetrante e arrepiante

Que mesmo assim

Apetece fitá-los sem fim!

Teus seios lembram proas!

Com a água brincando

As ondas cortando

A um afago

De mãos corajosas

Desafiam e convidam!

Todo este conjunto

Inebriante tão belo!

É tónico que rejuvenesce

Remédio que cura

Mezinha que esconjura

Males que para longe afugenta.

Tão belo quadro!

Faz concorrência

Às belíssimas pinturas

De criaturas

De pose altaneira

E desafiante!

Nas telas famosas

Cenas que fazem

Olhos esbugalhados e acordados

sonhar!

Que apelam

Ao imaginário!

E deixam os neurónios a vaguear!

19, Março, 2021

© Alfredo Cunha

V EUCLIDES

CAVACO

POESIA

Heróis de Abril

Deixem-me cantar Abril

E evocar tal heroísmo

Militar junto ao civil

Que derrubou o fascismo.

Prestar aos bravos meu preito

Dizer-lhes Valeu a pena

Os cravos e o tema eleito

Grandola Vila Morena !...

Deixem-me clamar victória

Às nossas Forças Armadas

Pelo seu triunfo e glória

Com o povo de mãos dadas.

Que a hístória jamais olvide

Os militares de excelência

Que incutiram fim à pide

E à maldita prepotência...

Deixem-me exaltar os bravos

Do nosso Portugal novo

Da Revolução dos Cravos

Que trouxe justiça ao povo.

Dando a Abril o sentido

Com coragem e vontade

De abrir com o povo unido

As portas da liberdade !...

Escute aqui:

https://www.euclidescavaco.com/herois-de-abril

Sonho de

trapezista

O meu amigo trapezista

Exercita os músculos

Repimpado ao sol

E sonha ser bailarina de varão!

Que com grande ambição

Mostra certos dotes

De preferência ao barrigudo capitalista

Em vez do ocioso

Operário preguiçoso

Com mania de Barão.

Que certamente

Não lhe trará coisa boa

Coisa de boa gente! ...

Nem festanças de rua ou salão.

E lá terá de se esfregar no varão

Enquanto sonha

Por coisa boa, dote

Ou algum golpe de sorte.

É a vida. Uns trabalham e outros sonham! ...

16, março, 2021

©Carmindo de Carvalho

© Francisco Carrola

Militar e Capitão de Abril

2 Julho 1947 - 6 Setembro 2015

É LOGO À NOITE!

VIVA O DIA DE AMANHÃ

24 de Abril de 2014 às 10:58...

Do meu ficheiro de memórias

tiro uma pasta de entre muitas.

24 de Abril de 1974. Campo militar

de S. Margarida, hora de almoço.

Encostado ao balcão do

Bar dos Oficiais, vejo numa TV

a preto e branco (ainda não tinha

chegado a cor) um jogo do

Sporting na ex-RDA, para a Taça

das Taças. Narrador Artur Agostinho.

Sussurrando por cima do

meu ombro, o camarada Pessoa

avisa-me "É LOGO À NOITE".

Sem net nem telemóveis, a mensagem

passava de boca em boca.

Hoje 40 1 anos depois leio "Pai, Tiveste

Medo" de Catarina Gomes,

sobre a Guerra Colonial.

Parafraseando Jorge Sampaio,

"aquele passado não podia ser o

nosso futuro". Hoje "este presente

também não pode ser o nosso

futuro. Tivesse eu capacidade

escreveria outro livro, Filhos Têm

Medo?.

Lutar por aquilo que se acredita

é a forma de lidar com o medo.

VIVA O DIA DE AMANHÃ.

VIVA o 25 de Abril!

José Santos Jorge

(Comandante do Batalhão de

Cavalaria 8320/73)

1 Em 2021 são já 47 anos

36 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

37



HORÓSCOPO

PUBLICIDADE

Abril

w V - JOANA ARAÚJO (*)

Carneiro

Este mês pede foco na interiorização,

na reflexão e na observação

das consequências de

seus actos ao longo dos últimos

meses. É um período em que o

importante é buscar o autoconhecimento,

o desenvolvimento

espiritual e ouvir mais a sua intuição.

A saúde física e psíquica

é também muito importante ao

longo deste mês. É um mês idealista

e sonhador, em que você

deve evitar sentimentos de culpa

e uma atitude de mártir ou de

vítima.

Touro

Amizade, amor, desenvolvimento

espiritual e conexão com

certos grupos e ideais são os

factores mais importantes deste

mês para o signo Touro. É um

momento em que você se questiona

quem são os seus companheiros

de jornada, como está

estabelecendo laços emocionais

com as pessoas, qual é o seu papel

no planeta. É também um

mês muito importante para você

cuidar de assuntos emocionais e

financeiros pendentes.

Gémeos

Este mês é um mês importante

para o signo Gémeo reflectirem

se estão conseguindo uma harmonização

entre as demandas

profissionais e os interesses

mais íntimos ligados à família

e às emoções. É um mês muito

significativo para você se envolver

mais emocional e espiritualmente

com o que faz e para perceber

onde esteve idealizando as

situações em demasia, podendo

haver ilusões ou confusões. É o

momento de seguir o chamado

da sua alma, caso o contrário,

você tende a se sentir muito insatisfeito.

Caranguejo

Espiritualidade, viagens com o

intuito de autoconhecimento,

idealismo, sonhos, participação

em cursos e workshops são

maneiras interessantes de você

canalizar sua energia ao longo

deste mês. É um momento muito

importante para você perceber

se está seguindo os seus

sonhos e os seus ideais, e onde

talvez esteja idealizando em demasia,

correndo o risco de ficar

confuso e desorientado. Siga

mais a sua intuição.

Na vida amorosa, é necessário

que haja uma profunda sintonia

espiritual com quem você ama,

que respeite as diferenças ideológicas,

mas que também busque

um entendimento mais profundo,

baseado no ensinamento

do afecto incondicional.

Leão

Este mês é para o signo Leão um

dos meses mais transformadores

de 2016, pois teremos uma

Lua Nova que será também um

eclipse no sector de transformações

emocionais. É o momento

de você perceber aquelas atitudes

e padrões que não podem

mais se repetir. É uma fase de

intenso renascimento interno,

e o foco está no reconhecimento

de como você está vivendo a intimidade,

a sexualidade e também

na resolução de pendências

financeiras.

Virgem

Relacionamento é o principal

tema deste mês ao signo Virgem,

pois teremos uma Lua Nova,

que é também um eclipse, no

sector de relações, parcerias e

associações. É um momento de

você questionar as suas atitudes

em todo tipo de relacionamento

e interacção que você estabelece

com as pessoas. Deve ter cuidado

com atitudes manipuladoras

ou com a idealização excessiva,

buscando uma relação perfeita.

Há um importante aprendizado

de uma maior compaixão e sensibilidade

em suas relações.

Balança

Está na hora de você cuidar

mais da saúde e do bem-estar,

percebendo as situações que são

nocivas ao seu desenvolvimento.

Este é um mês que haverá

um eclipse no sector de saúde e

de trabalho, pedindo para você

cuidar desses assuntos e realizar

as transformações e curas

necessárias em relação a eles. É

um momento em que pode haver

o início de um processo de

profundas mudanças na natureza

do seu trabalho e no que representa

para você ter uma vida

saudável.

Escorpião

Fortes desafios emocionais caracterizam

neste mês para o

signo Escorpião. Você tende a

estar mais sonhador e idealista,

e isso pode ser importante para

se sintonizar com as suas verdades

mais essenciais. Entretanto,

pode haver a tendência à ilusão

por um excesso de expectativas.

É um momento muito importante

para projectos criativos

e para uma expressão mais autêntica

de seus talentos e potenciais.

A amizade é também um

factor muito importante do mês

para o signo Escorpião.

Sagitário

Um novo balanço entre a vida

pessoal e profissional se faz necessário

ao signo Sagitário ao

longo deste mês. Teremos um

eclipse no seu sector familiar,

indicando a importância de

você resolver pendências de longa

data com a família. É hora de

um acerto de contas com o seu

passado em que você deve perdoar

antigos erros e buscar uma

sintonia emocional e espiritual

mais profunda com as pessoas

próximas. Isso não significa “tapar

o sol com a peneira” ou fugir

de conflitos, mas é necessário

você resolver aquilo que está lhe

incomodando.

Capricórnio

É hora de você prestar mais

atenção na sua voz interior, na

sua intuição, expressando o que

verdadeiramente pensa e sente.

Mas deve haver cuidado com a

tendência aos mal entendidos

na comunicação e na interacção

com pessoas, porque talvez

você não seja compreendido em

relação ao que de facto quer expressar,

tome cuidado com isso.

É um mês em que pode se sentir

chamado a desenvolver certos

conhecimentos e interesses, que

agregarão uma dimensão mais

espiritual ao seu quotidiano.

Aquário

O que você realmente valoriza?

Este é o grande questionamento

deste mês ao signo Aquário.

Um mês em que o foco está no

desenvolvimento de suas habilidades,

na percepção do que lhe

é prioritário em questões financeiras

e nas resoluções de antigas

pendências. É o momento de

perceber se você está agindo de

acordo com seus ideais mais importantes.

Peixes

Este mês tende a ser o mês mais

importante de 2016 para o signo

Peixes, pois teremos a Lua Nova,

que será também um eclipse no

seu signo, sinalizando um novo

momento de vida, com importantes

reflexos nos seus relacionamentos

e parcerias. É o momento

de se conectar mais com

o que lhe é sagrado e de atender

ao seu chamado interno, que se

tornará imenso ao longo do mês.

Afectivamente, teremos o ingresso

do planeta do amor em

seu signo ao longo deste mês, o

que potencializa novas atitudes

e afinidades. É um momento em

que você tende a estar mais sintonizado

com a sua verdadeira

natureza emocional.

Todo o tipo de frutas

e legumes da época

numa sò casa!

Horário

Seg. a Sexta. — 08h00 às 20h00

Sábado — 08h00 às 19h00

Meienbreitenstrasse 15 CH-8153 Rümlang

Tel: 044 945 02 20 | 044 945 02 21 Fax: 044 945 02 22

(*) COORDENAÇÃO, RECOLHA E ADAPTAÇÃO

38 Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

39



ÚLTIMA

Aumento da idade da

reforma das mulheres

MANUEL ARAÚJO 1

O governo suíço

pretende aumentar

a idade de reforma

das mulheres na

Suíça alinhando-a

com a dos homens.

O objectivo principal desta

medida é equilibrar as

finanças da AVS, tendo já

o Conselho de Estado (Senado)

a 15 de Março, aprovado

um projecto de reforma

do Seguro de velhice,

sobrevivência e invalidez,

tal como propõe a Organização

para Cooperação e

Desenvolvimento Económico

(OCDE), desejo que o

1 com Agências

Conselho Federal há muito

tempo alimenta e pretende

pôr em prática, eliminando

assim esta lacuna do género,

nivelando a idade de referência.

Actualmente na Suíça, as

mulheres podem aposentar-se

aos 64 anos de idade,

enquanto os homens

aposentam-se aos 65, mas

crê-se que brevemente essas

diferenças de idade desaparecerão.

Na Noruega

e Islândia, por exemplo, os

pensionistas têm de trabalhar

até os 67 anos para obter

uma pensão completa.

A maioria dos países industrializados

optou por idade

da reforma idênticas, mas

na Suíça, esta é uma questão

politicamente difícil.

O Departamento Federal

de Seguro Social (AFSS)

prevê que o déficit acumulado

da AVS, se nenhuma

medida for tomada, excederá

23 biliões de francos

em dez anos. Para remediar

esta situação, o projecto de

reforma conhecido como

“AVS 21” prevê principalmente

um aumento do

imposto de valor agregado

(IVA) e de um aumento

da idade de aposentadoria

para as mulheres até os 65

anos. Com esta medida, o

governo espera alcançar

uma economia total de 10

biliões de francos entre

2023 e 2031.

Saiba mais em:

https://europa.eu

e swissinfo.ch

40

Lusitano de Zurique - Abril 2021 | www.cldz.eu

More magazines by this user