Views
7 months ago

Revista Criticartes 5 Ed

Revista Criticartes - Ano II, nº. 5 - 2016

Artigo

Artigo Revista Criticartes | 4º Trimestre de 2016 / Ano II - nº. 05 O livro Aurineide Alencar Dourados, MS @: aurineidealencar@hotmail.com É no livro que se aprende O saber do dia a dia! Porém é durante a vida, Que se adquire sabedoria! Pois a página do amor Está no livro da flor Que cada um cultivar! Quem planta felicidade, Isto é a pura verdade, Sua colheita brilhará! Os bons livros são tão raros Que sãos como os amigos! Quem quiser pense outra coisa, Ou então pense comigo! Veja hoje o que acontece A gente quase enlouquece, Com as tais redes socais! São mais de dois mil “contato”, Consume o tempo de fato, Com isso ninguém lê mais! Ter citações gravadas Dentro de sua memória! É fonte de inspiração, Isso já provou a história! Para que isso aconteça, Pra refrescar a cabeça Você só precisa ler. Pense só em um estilo E no livro que traz aquilo Do que você entender! Aquele que tem um livro Jamais sente solidão. Ele faz com que você Solte a imaginação. O livro é um veleiro E te leva ao mundo inteiro. Dia e noite sem parar, É a fonte inesgotável, A vontade insaciável. Que te leva a viajar. A dança se foi Pérola Bensabath Salvador, BA De repente lembrei-me d’eu dançarina. Esvoaçante na leveza do meu corpo juvenil. A mágica da minha dança não mais permanece na harmoniosa melodia e nem na contradança do presente. O coração me pergunta: onde está a menina que dançava sutil, volteante, tal boneca da caixinha de música? Aquela garotinha que bailava com a alma... ao personagem se entregava, vibrava na música e no diapasão da maestria? La petite femme com a dança correndo tal sangue nas veias em pulsante paixão de rodopios incontidos. Ela se foi. A maternidade levou a minha dança. Agora... o tempo inclemente cobra os reflexos da purpurina, da adrenalina. Não mais dança a bailarina. O saiote se mistura às sapatilhas, envoltos em véus e guardados no fundo do baú. Os acordes da música clássica ressoam docemente como ecos do passado. O meu voltear agora se resume aos palcos da vida, pois em versos e reversos, o show tem que continuar. Canção para a dor Dinovaldo Gilioli Florianópolis, SC @: dinogilioli@yahoo.com.br em notas musicais la si vão meus ais - 50 - www.revistacriticartes.blogspot.com.br

Artigo Revista Criticartes | 4º Trimestre de 2016 / Ano II - nº. 05 A grande estação Davi Roballo Dourados, MS @: daviroballo@gmail.com Certa vez um garoto encontrava-se inconsolável por ter perdido sua avó materna, não entendia o porquê de sua avó ter partido, como toda criança ele possuía uma vaga noção sobre o morrer, noção baseada na morte de animais de estimação. O garoto não contendo sua inquietação e com toda inocência de uma criança de sete anos de idade perguntou a seu pai: o que é morrer? O que é a morte? Como estavam no carro da família esperando escoar um imenso comboio de vagões, o pai do garoto respondeu: “morrer é deixar de viver aqui para viver em outro mundo e a morte é um trem de passageiros que recolhe a alma das pessoas em uma cidade e as leva para um bom lugar, no qual descansam e curam seus males enquanto esperam os parentes que ficam, pois todos nós também morreremos, mas a morte é imprevisível e insensível, não avisa quem vai levar e muito menos se preocupa se o passageiro viveu pouco ou muito tempo.” Ao imaginar um trem cheio de almas indo para um bom lugar o garoto aceitou com tranquilidade a morte de sua avó. Sem entender muito a morte, esse fenômeno natural rodeado de tabus, evitamos pensar que temos no futuro uma data reservada aos atos fúnebres de nosso próprio corpo. Ao refletir sobre a finitude - talvez como forma de aliviar o terror que representa para nós o próprio fim -, imagino que ao nascermos entramos em uma grande estação e nela aguardamos com resignação o expresso que sinaliza que nossa hora chegou. Nessa estação como não possuímos bilhetes não nos é possível saber a hora, dia, mês e ano do embarque. Nossa partida pode ocorrer a qualquer momento, fato que torna nossa vida uma incógnita, algo totalmente imprevisível. Mesmo que nos doa e não admitamos em um primeiro momento, viver é antes de tudo uma espera silenciosa pela morte. Durante essa espera que hora estamos mergulhados vamos esbarrando em contradições como a de afirmar que estamos vivendo, quando na verdade estamos morrendo e essa morte se inicia no nascimento, pois nesse importante instante da existência a ampulheta inicia seu processo de contagem regressiva. Talvez nosso choro ao respirarmos pela primeira vez denote toda a incerteza em relação ao próprio fim, indefinição que o ser humano carrega por toda vida. Entre 365 dias de um ano, o que marca nosso nascimento é tido como especial, pois comemoramos nosso aniversário, no entanto, se refletirmos sobre isso perceberemos que comemoramos na verdade o encurtamento do tempo de espera pelo dia derradeiro, não fosse isso não assopraríamos velas para apagá-las, ou seja, a mensagem inconsciente de que apreciamos e desejamos o apagar das luzes da própria existência. Particularmente acredito que viver é antes de tudo resignar-se por ignorar a data da própria partida. Embora vivamos em uma espera inconsciente pelo próprio fim, temos medo da morte, pois geramos em nós apreensão e angústia ante a tudo aquilo que desconhecemos, isto é, paira sobre nós uma determinada insegurança quanto a nossa própria vida. Acredito que no fundo não tememos a morte, mas assusta-nos as inúmeras formas em que a vida chega ao fim, entre elas o sofrimento. Ninguém quer sofrer em seus últimos dias, todos desejamos um desenlace tranquilo e sem traumas, mas somos impotentes, pois isso não depende apenas de nosso desejo. A vida pode ser compreendida como uma grande estação, na qual prontos para partir e alheios ao ano, dia e hora de embarque, perambulamos, trabalhamos, casamos e temos filhos como forma de passar o tempo, simplesmente por ignorarmos a data de nossa partida. Para a maioria de nós, o tempo de espera se faz tão longo, que nos afeiçoamos a esta grande estação, julgando-nos donos da mesma e a ignorar que ela pode ser apenas um ponto de transição entre outras tantas. Se nos fosse dado a dádiva de saber de nossos dias e do próprio fim, talvez viveríamos mais intensamente do que vivemos atualmente, pois a data de partida seria uma certeza pontual e não uma incógnita, se isso fosse possível, com certeza seria excluída dos dicionários a palavra adiar. Se pudéssemos ter conhecimento da data de nossa finitude, talvez pudéssemos viver em paz e harmonia uns com os outros, sem ganância, sem guerras e com mais humanidade, pois perceberíamos claramente que as coisas materiais são tão fúteis, que não conseguem embarcar conosco no expresso da morte. - 51 - www.revistacriticartes.blogspot.com.br

Revista Criticartes 2 Ed
criticartes
Revista Criticartes 3 Ed
criticartes
Revista CriticArtes 7 Ed
criticartes
Revista 5 - APCD da Saúde
apcd.saude.org.br
Revista Criticartes 4 Ed
criticartes
Revista ed.95 - Crea-RS
crea.rs.org.br
Revista Caminhos - Ano 1 - nº 5 - CART
cartsa.com.br
Ano 2 - Nº 5 - Beto Carrero World
betocarrero.com.br
REVISTA - Fenacon
fenacon.org.br
ED 16 REVISTA SAPIENTIA
inspira.2013
Revista Casa do Cantador - Nasa Eventos
nasaeventos.com
Revista do Ibama Ano II-nº4
ibama.gov.br
CAPA 125 - Revista Espírita
oespirita.com.br
Revista Terra e Tempo 149-152
terraetempo.com
download da revista - Irmãs de São José
isjbrasil.com.br
download da revista - Irmãs de São José
isjbrasil.com.br
Porta Luvas 5 PDF.pmd
mrm.comunique.se.com.br
Revista 2011 - Beija-Flor
beija.flor.com.br