Aviacao e Mercado - Revista - 5

A350.

Cmte João D'Angelo's

Aeroclube de Pirassununga

Em 23 de julho, já fez um teste em público,

em Bois de Boulogne, Paris. Inicialmente,

o novo avião estava preso ao

balão-dirigível nº 14. A função do balão

era reduzir o peso efetivo do aeroplano

e facilitar a decolagem. Mas o dirigível

gerava muito arrasto e não permitia ao

avião desenvolver velocidade. Dentre os

dias 21 a 23 de agosto, Dumont passou

a experimentar o voo com a aeronave

desconectada do dirigível. Após uma

primeira corrida sem decolar, na

segunda tentativa o aeroplano

elevou-se do chão e voou. Entretanto a

sua estabilidade não agradou a Santos-Dumont,

que mesmo assim,

declarou-se satisfeito.

No dia 3 de setembro de 1906 foi instalado

o motor náutico Levasseur “Antoinette”

de 50 cavalos a vapor, em substituição

ao motor de 24, que estava sendo

utilizado. Assim, ele melhorou a potência

do 14-Bis e conseguiu fazer um voo

de 11 metros, em 13 de setembro de

1906, mas, infelizmente o pouso brusco

danificou a estrutura e o motor do avião,

quebrou o trem de pouso (eram rodas

grandes), interrompendo os testes. A

fuselagem do 14-Bis era de seda japonesa,

com armações de bambu e pinho; as

junções da estrutura e as hélices eram

de alumínio e os cabos de comando

eram de aço. O 14-Bis, modelo batizado

na aviação, como canard (pato, em

francês), por apresentar os lemes na

parte dianteira do avião, lembrando um

pato em voo. A configuração “canard”,

não é a melhor para a estabilidade e o

controle de uma aeronave. Diante das

configurações e sucesso da aviação, o

canard parece voar ao contrário. Santos

Dumont, nos seus inventos seguintes,

como no Demoiselle, seu ultimo invento,

não mais usou o canard.

Santos Dumont

Mas, Santos Dumont construiu o 14-Bis

II, fez novas modificações no avião:

envernizou a seda das asas para

aumentar a sustentação, retirou a roda

traseira, por atrapalhar a decolagem e

cortou a estrutura de suporte da hélice.

Em 23 de outubro, de 1906, no campo

de Bagatelle, após várias tentativas,

percorreu 60 metros em sete segundos,

a uma altura de aproximadamente 2

metros, perante mais de mil espectadores.

Esteve presente a Comissão Oficial

do Aeroclube da França, entidade

reconhecida internacionalmente e

autorizada a homologar qualquer

evento significante, tanto no campo

dos dirigíveis, como no dos mais pesados

que o ar, os aviões. Novamente,

porém, o pouso brusco danificou as

rodas do avião. O 14-Bis II ainda não era

totalmente controlável.

Em 23 de outubro de 1906, às 16h45min,

após corrida no solo de 220m, voou à

altura de 6metros com duração de 21 s e

1/5 e velocidade média de 37,4 km/h.

Santos Dumont conquistou, com esse

voo, o Prêmio Archdeacon, oferecido pelo

empresário francês Ernest Archdeacon ao

primeiro aviador que conseguisse voar a

distância de 25 metros, com ângulo

máximo de desnivelamento de 25 %.

Além do Aeroclube da França, a Federação

Aeronáutica Internacional (FAI)

reconheceu a conquista do prêmio, pois o

14-Bis voara muito mais do que o limite

mínimo de 25 metros estabelecido. Todavia,

aquele voo de 60 metros, em

23/10/1906, não teve todas as precisas

medições pela FAI necessárias para a

formal homologação do recorde, as quais

a federação veio a tê-las em outra

experiência, duas semanas após, em 12

de novembro de 1906. Nessa data, agora

com o 14-Bis III, última versão dessa

aeronave icônica. Desta vez, provida dos

ailerons, mais um invento do aviador

pioneiro, para ajudar na direção, Dumont

voo à distância de 220 metros, em 21,5

segundos, estabelecendo o recorde de

distância da época. Esse enorme feito foi

registrado pelo pela FAI e pelo Aeroclube

da França.

Especificações técnicas do 14-Bis III: avião

experimental, monoplace, envergadura de

12m, comprimento 10m, altura 4,8m,

superfície das asas 80m², largura das asas

2,5m, separação entre os dois planos das

asas 1,5m, conjunto estabilizador, profundor,

leme de direção (simplificadamente,

“lemes”) 3m de largura, 2m de comprimento

e 1,5m de altura, hélice de 2 pás 2,5

m de diâmetro, peso vazio 160kg, motor

50hp,velocidade máxima 30,8 km/h.

12 Aviação & Mercado Aviação & Mercado 13

More magazines by this user
Similar magazines