Views
6 months ago

PROJETO_DIGITAL_09-01-2018a

impulsionam o

impulsionam o desenvolvimento dos municípios Entidades que atuam na capacitação do empresariado ajudam a internalizar o desenvolvimento nas cidades mineradoras O desenvolvimento do estado do Pará ocorre como resultado de várias conexões, na qual os setores público e privado caminham de mãos dadas para realizar diversas ações que visam ao crescimento regional. E a mineração é uma das alavancas para este desenvolvimento, por ser um dos setores estratégicos que aquecem a economia, beneficiando as cidades, além de atuar, também, promovendo a qualidade de vida para a sociedade. Foi esse propósito de parceria que deu origem à iniciativa Redes, uma das entidades que apoiam o crescimento das cidades, sobretudo no interior do estado. Em 2000, durante a expansão da Alunorte, havia um impasse no relacionamento entre fornecedores locais e compradores: os primeiros reclamavam da falta de oportunidade, já os segundos alegavam que estes não estavam preparados para assumir suas demandas. Então, foi criada a Redes, chamada inicialmente de Programa de Desenvolvimento de Fornecedores (PDF), uma iniciativa conjunta entre Imerys, Hydro (Albras e Alunorte), Mineração Rio do Norte, Vale e Governo do Estado, liderada pela Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa). 74 7º Anuário Mineral do Pará | 2018

O programa continuou crescendo e fechando novas parcerias e a iniciativa se manteve no objetivo de desenvolver os fornecedores locais, o que se mostra um grande apoiador do desenvolvimento, especialmente nas cidades do interior quando estas recebem um grande empreendimento mineral. Ao desenvolver o empresariado local, a Redes apoia a geração de emprego e renda que impulsiona o crescimento das cidades. “Já tivemos um significativo crescimento. Começamos com 19% de compras locais, em 2000, e hoje este percentual cresceu 50%. Nossa meta agora é manter esse índice”, comemora Marcel Souza, diretor executivo da Redes/Fiepa. A partir de 2008, a Redes/Fiepa começou a atuar na parte de socioeconomia voltada ao desenvolvimento, oportunidade dada pela Vale com a implantação do S11D. Esse convênio serviu de referência para a Norte Energia, que não é mineradora, mas faz parte do hall de mantenedoras da iniciativa. “E esse modelo está sendo aplicado para outras indústrias, principalmente mineradoras, como de ouro e de níquel, que estão com intenção de se instalar no Pará e de ter esse modelo de fornecedores e também da parte de socioeconomia voltada para desenvolvimento econômico”, destaca Marcel. 7º Anuário Mineral do Pará | 2018 75