Views
1 week ago

Revista +Saúde - 10ª Edição

CEFALÉIA CERVICOGÊNICA

CEFALÉIA CERVICOGÊNICA A TERAPIA MANUAL NA CEFALÉIA CERVICOGÊNICA 110, A cefaléia cervicogênica é uma queixa comum na sociedade afetando de 15% a 20% das pessoas de todas as idades, com maior predominância entre as mulheres. Ela pode ser causada por fatores como: osteoartrose cervical, pinçamento de raízes de nervos cervicais, hérnia de disco e estenose de canal cervical. Além disso, outros fatores como problemas posturais, torcicolos e contraturas podem ocasionar a dor cervical. Emoções também podem predispor a crises álgicas. Estresse, ansiedade, preocupações, tensão, são muito comuns entre as pessoas atualmente e também são considerados os grandes vilões da cefaléia cervicogênica. Isso ocorre porque quando essas emoções se apresentam, acontece uma excessiva contratura da musculatura na região do pescoço, ombros, músculos trapézio e músculos pericranianos – como o occipital, masseter e temporal. Os sintomas também são velhos conhecidos: dor unilateral na altura dos olhos e na região lateral e posterior da cabeça, dor em peso, aperto, queimação, às vezes latejantes ou em pontada na região occipital e irradiada na região temporal, frontal e ocular, que pode ser acompanhada ou não de fatores como lacrimejamento, eritema ocular, edema palpebral e tontura. Ela ocorre geralmente de duas a três vezes por semana e tem duração de horas ou até de dois a quatro dias. TRATAMENTOS Existem diversas intervenções terapêuticas para essa condição patológica, dentre elas a fisioterapia destaca-se como uma importante abordagem no controle sintomatológico. A terapia manual é o tratamento de escolha da maior

parte dos fisioterapeutas, os ensaios clínicos descrevem a sua efetividade. O fato do envolvimento de diferentes regiões e tecidos, relacionados a este conjunto de disfunções, deve estimular a abordagem multimodal do fisioterapeuta com técnicas manuais para os componentes articulares e miofasciais, tanto locais quanto adjacentes. A terapia manual tem se destacado pela eficácia no tratamento, pois recupera o movimento fisiológico em áreas nas quais existe restrição ou disfunção e ao recuperar ou melhorar a função do sistema musculoesquelético, todas as partes relacionadas se beneficiarão, como pele, músculos, ligamentos, fáscias, vias nervosa, circulatória e as de abordagem vertebral ou articulatória. A periodicidade do tratamento é discutida com o paciente durante a avaliação do fisioterapeuta, variando de 1 a 3 vezes por semana dependendo de cada caso e a técnica utilizada varia de acordo com o quadro avaliado diariamente. CEFALÉIA CERVICOGÊNICA Dra. Waldiana Barcelos de Almeida CREFITO - 11/134048-F Fisioterapeuta •Pós-graduação em terapia manual e postural; •Cursando osteopatia pela (EOM) Escola de Osteopatia de Madri. 64 3404-1516 Rua Leopoldo de Bulhões, 388 - Sala 1 - Itumbiara-GO Dra.Camila Cassemiro Paiva CREFITO - 11/12.9486-F Fisioterapeuta •Pós-graduação em terapia manual e postura; •Formação no método Pilates; •Formação no método Suspensus; •Formação no método Gravity Pilates. ,111

Revista +Saúde - 2ª Edição
Revista Em Diabetes Edição 10
Revista Em Diabetes Edição 09
Revista Em Diabetes - Edição 4
Revista SF - Edição 01
Revista Fúcsia - Edição 16
Edição 16 | Ano 8 | No.3 | 2010 REVISTA - Contemporânea - Uerj
Revista Curinga Edição 18
Revista Curinga Edição 13
Revista Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento - Edição nº 31
revista “Querer é Poder” - Instituto Pupilos do Exército
Pesquisa Fapesp edição 144 - Revista Pesquisa FAPESP
Revista ATRAÇÃO
REVISTA GALERIA POR MÁRCIA TRAVESSONI - EDIÇÃO 06
Revista PROGRAMAR, Edição 31 (Outubro 2011)
manual_direitos_paciente_cancer