Views
3 months ago

Revista Apólice #212

PME | produto PME’s

PME | produto PME’s são a grande oportunidade do momento Quando o País se torna palco de um grande evento, as pequenas e médias empresas precisam estar preparadas para atender demandas com segurança Amanda Cruz 14

Quando se para pra pensar em pequenas e médias empresas no Brasil alguns dados saltam aos olhos: elas são as responsáveis por 27% do PIB, por exemplo. Essa importância se reflete na prestação de serviços e no comércio, especialmente quando o País é palco de grandes eventos. Há muito o setor já olha atentamente para esses empreendimentos, lançando produtos específicos para contemplar esse nicho. Mesmo assim, apenas 30% das PME’s no Brasil têm algum tipo de seguro e dessas muitas não contrataram ❙❙Eduardo Nóbrega, da LTseg os produtos adequados e que podem fazer a diferença. “No cenário brasileiro de hoje, esse não é um tipo de negócio que o seguro atinge intensamente ou com facilidade. A penetração ainda é baixa.”, pontua Eduardo Nóbrega, diretor operacional da corretora LTseg. O Grupo Bradesco Seguros afirma que tem focado ações pontuais para pequenas e médias empresas. “No Brasil, existem mais de cinco milhões de estabelecimentos que ainda não contam com nenhum tipo de proteção e os pequenos e médios empresários estão entre os que mais temem a exposição a riscos, especialmente patrimonial, que coloca em xeque os investimentos de seus negócios”, afirma Leonardo Pereira de Freitas, superientendente-executivo. Está dada, então, a oportunidade para a mudança de cenário. Assim como foi na Copa do Mundo de 2014, os Jogos Olímpicos de 2016 deverão movimentar diversos setores e alavancar o faturamento dessas PME’s com aumento de demanda que turistas, brasileiros e estrangeiros, levarão aos empreendedores cariocas. Diversos estabelecimentos devem ser impactados com essa mudança de fluxo: bares, restaurantes, pousadas, hostels e até mesmo salões de beleza, táxis e lavanderias. Os seguros patrimoniais deverão ser alavancados, especialmente no Estado do Rio de Janeiro, à medida que o evento olímpico se aproxima. À parte de toda preparação oficial que está sendo feita, os pequenos e médios negócios estão procurando o melhor para atender os clientes. Jarbas Medeiros, superintendente de ramos elementares da Porto Seguro, afirma que já acompanha um aumento nessa movimentação, embora não estrondoso, que permite dizer que haverá ganhos para o mercado. Um ponto que pode ser levado em consideração quando se trata dessas empresas é a maneira como elas são estruturadas: geralmente são formadas por um único dono ou poucos sócios, a vida financeira delas não é simples e muitas vezes precisam de um controle diferenciado, que fica ainda mais complicado quando se trata de seguro. Os donos ainda encaram a contratação como um custo. As decisões financeiras são totalmente centralizadas nas mãos do dono que não ficam restritos apenas ao gerenciamento, mas participam de todas as etapas da empresa. Por isso, Restaurante de hotel O restaurante de um hotel teve problemas com o fogão, que acabou por causar um incêndio. A fumaça se alastrou pela bancada onde os alimentos eram preparados, prateleiras que abrigavam queijos e outros alimentos delicados, enfim, por toda cozinha. Essas comidas sensíveis foram contaminadas pela fumaça, que alterou os sabores, ficando inutilizáveis. O contrato do cliente tinha cobertura contra incêndio, com valor do imóvel e dos móveis declarados: teto, fogão, bancada etc. contratando, inclusive, cobertura para esses alimentos afetados. Só houve um problema: o restaurante não tinha controle de estoque. O proprietário foi incapaz de dizer quanto exatamente havia em alimentos danificados, impossibilitando a indenização. 15