Views
2 months ago

Revista Apólice #211

mercado | do luxo ao

mercado | do luxo ao popular Para todos os bolsos Mercado de luxo não se intimida diante do delicado panorama econômico e compreende uma grande oportunidade para o setor. Ao mesmo tempo, seguros ganham versões mais enxutas e provam que todos podem ter acesso ao produto, mesmo quando a ordem é cortar gastos Lívia Sousa 16 Com a abertura econômica, houve um incremento tecnológico e produtos mais sofisticados começaram a ser produzidos no Brasil. Além disso, a importação e a chegada de marcas do segmento premium aumentaram a oferta de produtos para pessoas das classes A, AA e AAA. Os incrementos tecnológicos continuam. O mesmo, porém, não se pode dizer da economia, que passa por uma delicada crise. Mas ao que tudo indica, o mercado de luxo não se intimidou diante deste cenário. No mundo, a estimativa é que o segmento tenha fechado 2015 com um crescimento de 4%, de acordo com o estudo “Worldwide Luxury Markets Monitor 2015 Spring Update”, da Bain & Company. Esta categoria, aliás, compreende uma grande oportunidade para o setor de seguros, sendo guiados por clientes que buscam proteção e serviços adequados ao seu perfil. São pessoas que já trazem a riqueza de família, que conquistam poder aquisitivo ao longo dos anos ou, ainda, que pertencem à classe média alta. Logo, a companhia que desejar ofertar produtos neste setor deve, primeiramente, compreender a peculiaridade de cada cliente. Automóvel: o destaque da categoria Residências de alto valor, pequenas aeronaves, embarcações, jóias, relógios, obras de arte, antiguidades e motos acima de 500 cilindradas são alguns dos produtos que encontram cobertura neste ramo. Mas de todas as carteiras, a de automóvel aparece como protagonista: dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) indicam que nos primeiros quatro meses de 2016 foram negociadas 644,3 mil unidades de veículos acima de R$ 100 mil, o que significa baixa de 27,9% sobre as 893,7

mil unidades do mesmo período do ano passado. Porém, os carros desta faixa de preço tiveram um crescimento expressivo nas vendas. “O comércio de seguros no segmento de alto valor apresenta uma situação favorável em relação às demais categorias de veículos. Há uma correlação entre o mercado de seguros e as vendas de veículos e, neste nicho, a ‘crise’ nas vendas de veículo zero quilômetro demorou a chegar. Portanto, o mercado de seguro pode aproveitar este momento”, garante o diretor de Automóvel da Tokio Marine, Luiz Padial. Segundo ele, uma das principais características que diferenciam o mercado de automóveis de alto padrão dos carros populares é que os clientes dessa categoria procuram contratar produtos mais completos. Sendo assim, do ponto de vista da seguradora, é necessário que o produto esteja adequado à demanda que deve receber do proprietário do veículo de alto padrão. Os automóveis da categoria contam com tecnologias que, muitas vezes, não estão disponíveis em carros de menor valor. Muitos dos veículos de luxo também são blindados, o que exige mão de obra especializada em caso de manutenção. Por isso, para atender o segmento de forma especializada, as seguradoras trabalham com pacotes de serviços e coberturas específicos. “No serviço de vidros completos ❙❙Luiz Padial, da Tokio Marine (comuns ou blindados), por exemplo, estão inclusos os vidros laterais, traseiros e para brisa, além dos faróis, lanternas e retrovisores convencionais ou xênon ou led. Estão cobertos também os faróis auxiliares e o teto solar e panorâmico. Em sinistro, com a contratação do serviço de Carro Reserva, o segurado terá a opção de um carro reserva sedan médio 2.0 completo ou veículo luxo”, explica Adriano Fernandes, diretor de Personal Lines da Yasuda Marítima. A companhia entrou para o segmento em fevereiro deste ano, após desenvolver um seguro específico para atender proprietários de veículos nacionais ou importados, sobretudo de categorias como passeio, SUVs, esportivos, superesportivos e pick-ups, além de carros blindados. “Nossas expectativas são boas. Lançamos o produto depois de pesquisarmos bastante o mercado e identificarmos que existe uma demanda a ser atendida. Além disso, o crescimento desse setor vai criar boas oportunidades para o ramo de seguros”, prevê o executivo. Algumas seguradoras oferecem ainda possível isenção da franquia quando o segurado não for culpado pelo sinistro, indenização pelo valor do veículo zero quilômetro por 180 dias sem custo adicional, extensão opcional de indenização pelo valor do veículo zero quilômetro para até um ano e cobertura de despesas extraordinárias com desconto na franquia. Em comum com as apólices tradicionais, o valor do seguro vai depender de diversos fatores, entre eles o perfil do motorista, o modelo e o ano do carro e o local de residência. Vale ressaltar que o segurado dessa categoria está muito mais preocupado com a qualidade do serviço prestado do que com o preço do seguro. Por isso, é necessário disponibilizar uma rede de serviços de altíssimo padrão, que esteja adequada ao atendimento das necessidades desse cliente. Saúde: crescimento recente Atendimento e acesso aos melhores hospitais, centros de diagnóstico e médicos e profissionais de saúde diferenciados. Assim é denominado os planos de saúde premium, mercado que na última década vivenciou forte crescimento de demanda. Especificamente entre março de 2014 e março de 2015, segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), a quantidade de beneficiários de planos de saúde cresceu 2,1%, sendo que no período a maior alta (de quase 3%) se deu nos planos coletivos empresariais – carteira que abriga dois terços da carteira premium. A categoria atende, sobretudo, companhias de alta performance (como bancos de investimento, agências de publicidade, escritórios de advocacia, consultorias renomadas e a alta administração de grandes empresas) que oferecem o produto como ferramenta de atração e retenção de profissionais altamente qualificados. Segundo o diretor executivo da One Health, Sergio Cafalli os principais consumidores deste tipo de produto são jovens executivos e empresários, homens e mulheres, com idade a partir de 25 anos e alto poder aquisitivo. “São pessoas sofisticadas, com a agenda bastante ocupada, com interesses em economia, política, cultura, tecnologia e sustentabilidade e com referências internacionais”, pontua. Essas companhias visam sempre garantir um pacote de benefícios atraente, contexto que permite às operadoras de saúde premium projetar crescimento nos próximos anos. Entretanto, há um consenso de que com os ajustes em curso, a economia brasileira volte a crescer a partir do próximo ano. “Em razão ❙❙Adriano Fernandes, da Yasuda Marítima 17

eDição 168 - Revista Jornauto