Views
9 months ago

Revista Apólice #211

do luxo ao popular

do luxo ao popular ❙❙Sergio Cafalli, da One Health deste cenário, vemos com otimismo as oportunidades no segmento premium”, reitera Cícero Barreto, diretor comercial e de marketing do Grupo Omint. Além disso, as operadoras de saúde encontram oportunidades por meio de aumento da participação no mercado e pelo avanço da atuação em outras regiões do País, fora do eixo Rio-São Paulo. E para disputar este segmento, elas apostam na criação de rede de médicos credenciados com grandes nomes da medicina brasileira e oferecem coberturas de despesas médicas e hospitalares no exterior, com suporte diferenciado (incluindo resgate aéreo) aos clientes quando precisam usar serviços médicos fora do Brasil. É feito todo o acompanhamento do caso e dada a orientação para a busca dos melhores hospitais e especialistas. Em alguns casos, os clientes contam com coberturas que podem chegar a US$ 100 mil para acidentes decorrentes de práticas esportivas e a US$ 300 mil para demais urgências médicas; e o Concierge, serviço que agiliza a coleta de documentos, reservas e locação de imóveis, em caso de emergência médica no exterior. A agilidade é outra marca deste tipo de produto. Dependendo da urgência do caso, a autorização para internação e realização de procedimentos cirúrgicos é emitida em até seis horas e o reembolso de consultas feitas fora da rede credenciada sai em 24 horas, sendo creditado na conta corrente do associado. Ainda somam-se à lista coberturas 18 especiais como vacinas e transplantes, ações e programas para atuar na prevenção de saúde nas empresas e melhorar a qualidade de vida dos associados do plano, acesso do cliente a médicos (inclusive pediatras) 24 horas por dia – que dependendo do caso realizam atendimento em domicílio – , além de programas especiais de atendimento voltados aos pacientes crônicos e casos complexos, atendimento 24 horas para esclarecimento de dúvidas referentes à saúde, com possibilidade de coaching (nutricional, de orientação física e apoio emocional); e coberturas que contemplam cirurgias plásticas de caráter estético. Para este produto, as mensalidades variam de acordo com o tipo de plano e as respectivas coberturas contratuais. “A precificação depende de uma série de variáveis, como idade dos associados, por exemplo”, conclui Barreto. Retenção de talentos Assim como acontece com os planos de saúde, a modernização da área de Recursos Humanos e a preocupação cada vez maior em manter os funcionários motivados faz as grandes companhias recorrerem também aos seguros de vida. “A área de RH, para qual ofertamos soluções corporativas, tornou-se mais estratégica, deixando de ser responsáveis apenas pela área de pagamento para cuidar efetivamente da gestão de pessoas. E quando falamos em gestão de pessoas, ❙❙Gustavo Toledo, da MetLife ❙❙Cicero Barreto, do Grupo Omint passamos pelo entendimento de necessidades e realidades”, afirma Gustavo Toledo, diretor comercial para São Paulo capital e Baixada Santista da MetLife. No caso de pequenas e médias empresas, um diferencial do seguro de vida é facilitar a adesão, a contratação e o recebimento de sinistro. Já para clientes globais, com presença em diferentes países e realidades distintas, criar soluções de benefícios que se enquadrem na realidade de cada operação é visto como um diferencial. Nesta carteira, as seguradoras trabalham para melhorar e otimizar a parte processual da contratação do seguro e do recebimento dos sinistros e, para isso, investem em tecnologias que permitam ao corretor automatizar o processo e minimizar as etapas para o cliente. À medida que o RH ganha papel estratégico nas corporações, os corretores também se qualificam para entender esse novo momento. “O seguro premium tem como diferencial a qualidade da entrega. Ou seja, algo personalizado que reflita as reais demandas do cliente. É empregada a mais alta tecnologia para que os principais processos sejam feitos online. Dessa forma, torna-se a parte processual mais ágil e pode-se focar nas necessidades do cliente e no perfil de funcionários que as empresas contratam”, diz Toledo. Analisando esses dois aspectos, são sugeridas as melhores soluções para cada empresa, de forma customizada. No caso do cliente

corporativo há uma demanda diferenciada dependendo do perfil da empresa, por isso, ouvi-lo é decisivo para o sucesso deste trabalho. O valor dos seguros de vida corporativos depende de um conjunto de variáveis que incluem o número de vidas seguradas, o tamanho da cobertura e a abrangência das assistências. É um trabalho personalizado equacionar essas variáveis de forma a criar uma boa relação custo beneficio. Residencial: coberturas completas “Estudamos o setor e vimos um potencial muito grande a ser explorado, além de ser um segmento menos afetado pela crise. Começamos a vender o produto em 2014 e, a partir daí, tivemos um crescimento considerável, cerca de 90% no primeiro ano”, afirma Jarbas Medeiros, superintendente de Ramos Elementares da Porto Seguro. O fato é que há uma crescente conscientização sobre a necessidade do seguro residencial, que é ainda maior entre os clientes que possuem bens mais caros. Mas para o setor de seguros residenciais, o que é o mercado de luxo, exatamente? Na carteira em questão, o segmento premium pode ser observado com base nos valores contratados para as coberturas de estrutura ou conteúdo, o que traz um indicador do valor da residência e dos bens que há dentro dela (carros de colecionador, coberturas para joias, relógios e bicicletas, obras de artes, danos ao jardim, entre outros). Há diferentes níveis de ❙❙Jarbas Medeiros, da Porto Seguro luxo, mas geralmente o produto é destinado para apartamentos a partir de R$ 700 mil e casas a partir de R$ 1 milhão, até R$ 50 milhões. Também pode-se dizer que o valor contratado de R$ 1 milhão para a cobertura básica (contra incêndio, queda de raios, explosão, tumultos) é considerado alto dependendo da região, pois trata-se do valor de reconstrução do imóvel e não do valor de mercado (venda). Este é um tipo de produto que não pode ser vendido em formato de pacote. Por isso, é importante que o corretor molde o tipo de seguro residencial que cada cliente precisa, levando em consideração suas necessidades e preferências. Para isso, é feita uma consultoria para o consumidor, realizando vistoria cautelosa e especializada com corretores treinados e aptos a prestarem o serviço. “Os clientes que têm bens de alto ❙❙Eduardo Dal Ri, da SulAmérica valor costumam procurar as coberturas mais completas, como é o caso do plano superior da Assistência 24 horas. Entre os serviços oferecidos estão dedetização, help desk, check-up idoso e kids, que verificam a segurança do ambiente para esses perfis, e descarte responsável, que consiste na coleta, separação e reciclagem de eletrodomésticos, eletroeletrônicos e móveis que não são mais utilizados. Esse serviço é ideal para quem não quer ter trabalho ao se desfazer desses itens e ao mesmo tempo quer dar um destino ecologicamente correto para eles”, explica o vice-presidente de Auto e Massificados da SulAmérica, Eduardo Dal Ri. Entre os segurados com esse perfil verifica-se ainda uma maior contratação da cobertura de danos elétricos, considerando que o número e o valor dos equipamentos que possuem em casa normalmente são maiores. Além disso, há uma consciência maior entre eles de que um simples pico de luz pode danificar os aparelhos e que esta cobertura representa uma proteção a mais. Os valores cobrados, porém, são mais baixos do que as pessoas pensam, principalmente se levado em conta o valor do imóvel. “Quando falamos de residências com valor contratado de R$ 1 milhão para a cobertura básica, o seguro custa em média 0,2% do valor da residência, dependendo das demais coberturas contratadas. Esse pequeno custo representa uma grande proteção”, salienta Dal Ri.

Revista em - Clube Vida em Grupo
clique aqui e confira a edição de novembro da revista jrs!
Edição 94 download da revista completa - Logweb