O Lavrador das Lavras Vazias

VitorCorleoneBH

Livro de poesias escrito em 2006 na cidade mineira de Lavras, retratando as dificuldades intrínsecas a uma nova realidade do serviço público na polícia. A solidão espiritual e a certeza de que muitas vezes na vida o ouro que se procura vem manchado de sangue e sofrimento. Às vezes uma oportunidade não é mais que uma desilusão.

Raça Negra

Amanhã...

‘Quem sabe amanhã talvez’

‘Quem sabe’

O amor seja mais feliz do que hoje

Que possamos ser iguais

Dividir o nosso espaço

Com pessoas de outra cor

Que mereçam nossa companhia

E ‘o tempo

Coloque tudo no seu lugar’

Que eu não precise

Pedir ‘perdão’ por amar

‘Quem sabe amanhã talvez’

‘Quem sabe’

A sociedade ‘cheia de manias’

‘Que não liga pro meu sofrimento’

‘E não sabe de mim’

Reconheça que só ao meu lado

(Nas noites de solidão e estrelas)

Seu dia nascerá feliz

‘E aí’

‘Um beijo, um abraço,

Um olhar, um sorriso...’

‘Assim é o amor’

Sem distinção de raça

E a raça negra é confiante no amor

Não ‘faz doer’

Só quer o seu ‘espaço’

‘Extrapola’ só em comemorar

Porque a igualdade entre todos

‘É tudo que eu preciso’

‘Pro dia nascer feliz’

Eu sou a raça negra!

E se assim for

‘Maravilha’

24/08/2002

‘Quem sabe amanhã talvez’

‘Quem sabe’

Precise de um tempo pra pensar

Mas pensar em como é bom

Viver e ser igual

Onde não existam diferenças

Entre o negro e o branco

‘O tempo coloca tudo no seu lugar’

E não nos deixa pensar no ‘fim’

A barreira que nos espera ou

Esquece que somos vida

Porque o único ‘fim’ verdadeiro

Direitos reconhecidos

‘Aquilo que tem que ser será’

‘A vida inteira’ ‘Como se fosse

Um adolescente sonhador’

Que o vento vem

E carrega os pensamentos

E os levam pra dentro de um

‘Espelho’

A consciência de cada homem

32

More magazines by this user