Views
1 month ago

Rolf Neubarth Dissertacao Defesa FINAL REVISADO

104 brasileira.

104 brasileira. Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Ciência da Computação: Gestão da Segurança da Informação e Comunicações. Universidade de Brasília, 2008. GARTNER GROUP. Acessado em maio de 2017. http://www.gartner.com/technology/about.jsp. GHOSHAL, Sumantra. Bad management theories are destroying good management practices. Academy of Management learning & education, v. 4, n. 1, p. 75-91, 2005. GIBB, F., et al. A Framework For Business Continuity Management. International Journal of Information Management 26(2): 128-141. 2006. GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991. GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, mai/jun, 1995. GUINDANI, ALEXANDRE C. Deus é Brasileiro- O Guia de Gestão de Continuidade dos Negócios. Rio de Janeiro: Editora Moderna Ltda, 2011. HARDY, Gary. Using IT governance and COBIT to deliver value with IT and respond to legal, regulatory and compliance challenges. Information Security technical report, v. 11, n. 1, p. 55-61, 2006. HARFORD, Jarrad; MANSI, Sattar A.; MAXWELL, William F. Corporate governance and firm cash holdings in the US. In: Corporate Governance. Springer Berlin Heidelberg, 2012. p. 107-138. HELMS, R. W., et al. An Integral IT Continuity Framework For Undisrupted Business Operations, Institute of Electrical and Electronics Engineers Computer Society. Vienna, Austria, 2006. HILLMAN, Amy J.; CANNELLA, Albert A.; PAETZOLD, Ramona L. The resource dependence role of corporate directors: Strategic adaptation of board composition in response to environmental change. Journal of Management studies, v. 37, n. 2, p. 235-256, 2000. IBGC, Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código de Melhores Práticas de Governança Corporativa. 2009. ISACA - Information Systems Audit and Control Association. Disponível em http://www.isaca.org/. Acesso em 20 de Dez. 2016 ITGI. About IT Governance. Disponível em http://www.itgi.com.br Acesso em 14 Jan. 2016. JENSEN, Michael C. Value maximization, stakeholder theory, and the corporate objective function. Journal of applied corporate finance, v. 22, n. 1, p. 32-42, 2010.

105 JORION, Philippe. (1997). Value at risk: the new benchmark for controlling market risk. New York: Ed. McGraw-Hill KLEINDORFER, P; SAAD, Germaine H. Managing Disruption Risks in Supply Chains, 2005. Vol. 01, ISSN 1059-1478 KRIPPENDORFF, Klaus. Content analysis: An introduction to its methodology. Sage, 2004. LAEVEN, Luc; LEVINE, Ross. Bank governance, regulation and risk taking. Journal of Financial Economics, v. 93, n. 2, p. 259-275, 2009. LUNARDI, Guilherme. Os efeitos da tecnologia de informação (TI) nas variáveis estratégicas organizacionais da indústria bancária: estudo comparativo entre alguns países da América. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre: PPGA/EA/UFRGS, 2001. ______; DOLCI, Pietro C.; BECKER, João L.; MAÇADA, Antônio Carlos G. Governança de TI no Brasil: uma análise dos mecanismos mais difundidos entre as empresas nacionais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. 2016. MANOEL, Sérgio da Silva (2014). Governança de Segurança da Informação – como criar oportunidades para o seu negócio. Rio de Janeiro. Ed. Brasport MECKLING, Jonas. Oppose, Support, or Hedge? Distributional Effects, Regulatory Pressure, and Business Strategy in Environmental Politics.Global Environmental Politics, 2015. MONKS, Roberta; MINOW, Nell. Corporate Governance Blackwell. Cambridge, MA, 1995. ______; ______. Corporate Governance. 5ª Ed. London: Ed. Wiley, 2011. NEVES, Jorge M. M. Tomada de decisão sobre estratégias de recuperação de desastres de sistemas de informação. Universidade do Minho. Escola de Engenharia. 2009. OCDE. Os princípios da OCDE sobre o Governo das Sociedades. Disponível em http://www.sain.fazenda.gov.br/assuntos/politicas-institucionais-economico-financeiras-ecooperacao-internacional/ocde. Acesso em setembro de 2016. OLIVEIRA, Denize Cristina de. Análise de conteúdo temático-categorial: uma proposta de sistematização. Rev. enferm. UERJ, v. 16, n. 4, p. 569-576, 2008. OLIVEIRA, O. ; FORTE, S. A indústria bancária brasileira: Construindo cenários prospectivos e identificando as estratégias de utilização mais provável. Rev. Portuguesa e Brasileira de Gestão, Lisboa , v. 8, n. 2, jun. 2009 . Disponível em . acessos em 17 jan. 2016. PEDOTE, Cristiane. Análise e Gerenciamento de Risco: Gestão do Risco Operacional em Instituições Financeiras. São Paulo: EAESP/FGV, 2002. 68 p. (Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Pós-Graduação da EAESP/FGV, Área de Concentração: Finanças.

07_07_2011 - Protocolo Hepatite C Final Jun 2011 revisado Jorge e ...
DEFESA DO CONSUMIDOR - ACRA
DEFESA DO CONSUMIDOR - ACRA
DEFESA DO CONSUMIDOR - ACRA
Defesas do Hospedeiro - ufrgs
DEFESA DO CONSUMIDOR - ACRA
Defesa da Marca Maryjuana Café
Defesa Contra as Artes Negras: Artes Ténebres e Defesa Elementar
Trabalhar na Assistência Social em Defesa dos - CFESS
Dissertação Zimmermann, T.G. 2011 - UFSC
Estratégia Nacional de Defesa - Escola de Comando e Estado ...
Núcleo de Defesa da Mulher e do Fórum Leal Fagundes
47 A BASE INDUSTRIAL DE DEFESA BRASILEIRA José Carlos ...
Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios - Câmara ...
PNCEBT to - Agência de Defesa Agropecuária do Paraná - ADAPAR