Revista Newslab Edição 164

newslab.analytica

Revista Newslab Edição 164 - Março 2021

BIOSSEGURANÇA

MEDIDAS DE PREVENÇÃO

DA CANDIDÍASE VULVOVAGINAL

Por: Gleiciere Maia Silva e Jorge Luiz Silva Araújo-Filho.

A candidíase vulvovaginal é definida

como uma infecção na vagina

e vulva causada por um fungo do

gênero Candida, a maioria dos casos

é causada pela levedura Candida

albicans, entretanto existem outras

espécies desse gênero envolvidas.

Essa patologia é uma condição bastante

comum e afeta 70% a 75%

das mulheres em algum momento

das suas vidas. Ocorre quando há

um desequilíbrio entre os fatores de

proteção vaginal e a virulência do

fungo. Uma vez que essas espécies

fazem parte da microbiota normal

da vagina e não é considerada uma

infecção sexualmente transmissível

(IST), contudo pode ser transmitida

via sexual.

Entre as manifestações clínicas

mais comuns da candidíase citamos

a presença de secreção branca,

inodora e floculada podendo causar

prurido, escoriação, edema, eritema

vulvar e dispareunia.

Em geral, é uma condição fácil de

diagnosticar e na maioria das vezes

fácil de ser tratada, contudo a

grande problemática está na candidíase

vulvovaginal de repetição

(recorrente) que é definida com

episódios superiores a 4 vezes ao

ano. O diagnóstico correto é extremamente

necessário, sobretudo

nos casos de recorrência, sendo rápido

e fácil. É realizado pela coleta

de amostras de secreção vaginal

para realização de cultura a fim

da identificação correta do fungo,

bem como testes de sensibilidade

antifúngica para detecção de uma

possível resistência as drogas comumente

utilizadas no tratamento

da candidíase.

Para tanto, ressaltamos a importância

de uma abordagem multifatorial

e equipe multidisciplinar a fim de

solucionar o problema, entendendo

as causas bem como as medidas de

prevenção dessa micose.

Medidas de Prevenção e Controle

da Candidíase vulvovaginal:

0 118

Revista NewsLab | Março 2021

More magazines by this user
Similar magazines