Revista Newslab Edição 164

newslab.analytica

Revista Newslab Edição 164 - Março 2021

IMPORTÂNCIA DA FENOTIPAGEM DE

ANTÍGENOS ERITROCITÁRIOS DOS GRUPOS SANGUÍNEOS ABO,

RH E KELL NOS BANCOS DE SANGUE: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

BANCOS DE SANGUE

IMPORTANCE OF PHENOTYPING OF ERYTHROCYTIC ANTIGENS OF ABO, RH AND KELL BLOOD

GROUPS IN BLOOD BANKS: BIBLIOGRAPHIC REVIEW

Vanessa dos Santos Feliciano 1 , Allyne Cristina Grando 1

Resumo

Na rotina dos bancos de sangue a determinação de antígenos

eritrocitários por meio de testes imunohematológicos pré-

-transfusionais como a fenotipagem eritrocitária garantem

que o processo de infusão de hemocomponentes seja o mais

seguro possível. Por meio desta técnica a equipe transfusional

é capaz de destinar seguramente aos pacientes bolsas de

sangue fenótipos compatíveis, evitando assim a formação de

aloanticorpos bem como reações hemolíticas pós transfusionais.

O mapeamento do perfil eritrocitário do doador e receptor

é essencial para evitar rejeições por incompatibilidade

dos sistemas ABO, Rh e Kell, uma vez que estão diretamente

ligados a Doença Hemolítica do Recém Nascido, no caso de

mulheres em idade fértil ou ainda gestantes. Das reações

transfusionais conhecidas, as que possuem maior incidência

são as de resposta imune aguda, tais como as Reações Febril

não Hemolítica e as Reações Alérgicas, havendo ainda

a Reação Hemolítica por Incompatibilidade ABO. Todas com

início de seus sinais e sintomas em até 24 horas pós transfusão,

sendo possível a reversão do quadro de rejeição das

duas primeiras, já a última podendo ser fatal. Assim sendo,

foi objetivo deste estudo ressaltar a importância da fenotipagem

de antígenos eritrocitários dos grupos sanguíneos ABO,

Rh e Kell nos bancos de sangue e descrever as reações pós

transfusionais de sangues não compatíveis através de uma

revisão bibliográfica.

Palavras-chave: Fenotipagem, antígenos eritrocitários,

ABO, Rh, Kell.

Abstract

In the routine of blood banks, the determination of erythrocyte

antigens by means of pre-transfusion immunohematological

tests such as erythrocyte phenotyping

ensure that the blood component infusion process is as

safe as possible. Through this technique, the transfusion

team is able to safely allocate compatible phenotypes of

blood bags to patients, thus preventing the formation of

alloantibodies as well as post- transfusion hemolytic reactions.

The mapping of the donor and receptor erythrocyte

profile is essential to avoid rejections due to incompatibility

of the ABO, Rh and Kell systems, since they are directly

linked to Hemolytic Disease of the Newborn, in the case of

women of childbearing age or pregnant women. From the

known transfusion reactions, the ones that have the highest

incidence are those of acute immune response, such

as Febrile Non-Hemolytic Reactions and Allergic Reactions,

and there is also the Hemolytic Reaction for ABO Incompatibility.

All with onset of signs and symptoms within 24

hours after transfusion, making it possible to reverse the

rejection of the first two. The latter, on the other hand, can

be fatal. Therefore, the aim of this study was to highlight

the importance of phenotyping of erythrocyte antigens

from blood groups ABO, Rh and Kell in blood banks and to

describe the post-transfusion reactions of non-compatible

blood through a literature review.

Keywords: Phenotyping, erythrocyte antigens, ABO,

Rh, Kell.

Revista NewsLab | Março 2021

0 75

More magazines by this user
Similar magazines