Views
9 months ago

a historia de israel no antigo testamento

Tiglate-Pileser III

Tiglate-Pileser III (745-717 a.C.) foi um guerreiro sobressalente que conduziu sua nação à ulteriores conquistas. Na Babilônia, onde era reconhecido como rei, era conhecido como Pulu. 1 Reis 15.19 se refere a ele como Pul. Na conquista de territórios adicionais ao oeste, adotou a política de dividir a zona em províncias submetidas para um mais seguro controle. Embora esta prática já tinha sido utilizada anteriormente, ele foi efetivo em aterrorizar as nações ao trocar grandes grupos de pessoas de uma cidade conquistada com cativos de uma zona distante. Isto definitivamente eliminou a possibilidade de uma rebelião. Também serviu como processo de nivelação lingüística, de modo tal que a língua aramaica substituiu outros idiomas no grande território do reino. Ao princípio de seu reinado, Pul exigiu tributo de Menaém, rei de Israel, e Rezim, rei de Damasco. Já que Judá era a nação mais forte em Canaã naquela época, é possível que Azarias pudesse ter organizado uma coalizão de forças para opor-se aos assírios. Parece que seus sucessores, Jotão e Acaz, resistiram a pressão procedente de Israel e a Síria unindo-se a elas, igual que os filisteus e o Edom, ao opor-se a Pul. Em seu lugar, Acaz iniciou amistosas relações com Pul, em resposta do qual as forças assírias avançaram até o país dos filisteus em 733 a.C., possuindo territórios a expensas dessas nações opostas. Após um terrível assédio, caiu a grande cidade de Damasco, Rezim foi morto e o reino sírio capitulou. Samaria conjurou a conquista substituindo a Peca com Oséias. Salmaneser V (727-722 a.C.) seguiu com os procedimentos e a política de seu pai. Nos dias de Oséias os israelitas estavam ansiosos em terminar com sua servidão da Assíria. Salmaneser respondeu com uma invasão do país e por três anos assediou a Samaria. Em 722 a.C., Sargão II, que servia como geral no exército, usurpou o trono e fundou uma nova dinastia na Assíria. Nos registros se afirma que capturou a Samaria, embora alguns acreditem que Salmaneser V foi realmente quem tomou a cidade, e Sargão se adjudicou o êxito. Governando desde 721-705 a.C., utilizou a Assur, Calá e Nínive como capitais, porém finalmente construiu a grande cidade de Korsabade, pela qual é melhor lembrado. Sua campanha contra Asdode no 711 pode ser a que se menciona em Is 20.1. o reino de Sargão terminou abruptamente com sua morte numa batalha. Senaqueribe (704-681 a.C.) fez famosa a cidade de Nínive como sua grande capital, construindo uma muralha de 12 a 15 metros em volta e de quatro quilômetros de longitude, ao longo do rio Tigre. Em seus anais, ele anota a conquista de Sidom, Jope, quarenta e seis cidades amuralhadas em Judá, e seu assalto a Jerusalém nos dias de Ezequias. Em 681 foi morto por dois de seus filhos. Embora Senaqueribe tinha-se detido nas fronteiras do Egito, seu filho Esar-Hadom (681-668 a.C.) avançou ao Egito e derrotou Tiraca. Seu interesse na Babilônia está evidenciado pela reconstrução da cidade de Babilônia, possivelmente porque sua esposa pertencia à nobreza da Babilônia. Senaqueribe nomeou a Samasumukim como governante da Babilônia; mas este último se rebelou, após um período de governo de dezesseis anos, contra seu irmão Assurbanipal, e pereceu na queima da Babilônia (648 a.C.). Durante o reinado de Esar-Hadom, Manassés, rei de Judá, foi tomado cativo na Babilônia (2 Cr 33.10-13). A morte chegou a Esar-Hadom quando dirigia seus exércitos contra o Egito. Durante o reinado de Assurbanipal (668-630 a.C.), o Império Assírio alcançou o zênite em riqueza e prestígio. No Egito levou seus exércitos até algo assim como 800 km pelo rio Nilo, capturando Tebas em 663 a.C. A guerra civil (652 a.C.) com seu irmão, que estava a cargo da Babilônia, resultou com a captura dessa cidade em 648. embora fosse cruel e rude como general e militar, Assurbanipal é melhor lembrado por seu profundo interesse na religião, no científico e em obras literárias. Enviando escribas por toda a Assíria e a Babilônia para copiar registros de criação, dilúvios e a antiga história do país, obteve uma grande quantidade de material na grande biblioteca real de Nínive. Em menos de três décadas após a morte de Assurbanipal, o reino assírio, que havia exercido tão tremenda influência por todo o Crescente Fértil, se desvaneceu para não tornar levantar-se jamais. Os três governantes que o sucederam foram incapazes de enfrentar-se com os reinos que surgiam na Média e na Babilônia. Nínive caiu em 612 a.C. Comércio as batalhas de Harã (609) e 120

Carquemis (605) desapareceu o último vestígio da oposição assíria. Expandindo-se para o oeste, o reino babilônico absorveu o Reino do Sul e destruiu Jerusalém no ano 586 a.C. 121

Instituições de Israel no Antigo Testamento - Roland de Vaux
04Comentario Biblico Expositivo do Antigo Testamento - Proféticos
O ANTIGO TESTAMENTO em Quadros - John H. Walton
Teologia Do Antigo Testamento - Roy b. ZUCK
Biblia Shedd - Antigo Testamento
Tempos do Antigo Testamento - R. K. Harrison
O Plano da promessa de Deus - Teologia bíblica do Antigo e Novo Testamentos - Walter C. Kaiser Jr
4 Comentario Biblico Espositivo do Antigo Testamento - Warren W. Wiersbe Volume-IV Profeticos
02Comentario Biblico Expositivo do Antigo Testamento - Históricos
Matthew Henry - Antigo Testamento - Pentateuco - Gênesis a Deuteronômio
Matthew Henry - Antigo Testamento - Pentateuco - Gênesis a Deuteronomio
Comentário da Biblia - Antigo Testamento - Russell Shedd
Comentário do Antigo Testamento - Salmos - Alan Harman
03Comentario Biblico Expositivo do Antigo Testamento - Poéticos
Introdução ao Antigo Testamento - Raymond B. Dilla rd & Tremper Longman III
DICIONARIO INTERNACIONAL DO ANTIGO TESTAMENTO
3 Comentario Biblico Espositivo do Antigo Testamento - Warren W. Wiersbe-Volume-III Poeticos
Introdução ao Antigo Testamento - E. J. Young
01Comentario Biblico Expositivo do Antigo Testamento - Pentateuco
2 Comentario Biblico Espositivo do Antigo Testamento - Warren W. Wiersbe-Volume-II Historico
Entre o Antigo e o Novo Testamentos - David S - Webnode
Dicionário De Teologia Do Antigo Testamento - parte 1
PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO - Bob Utley
Patriarcas E Profetas por Ellen G. White [Novo Edicao]
O Dinamismo das Tradições do Antigo Testamento - Walter Brueggemann e Hans Walter Wolff
O Dinamismo das Tradições do Antigo Testamento - Walter Brueggemann e Hans Walter Wolff
1 Comentario Biblico Espositivo do Antigo Testamento - Warren W. Wiersbe-Volume-I Pentateuco
Comentário do Uso do Antigo Testamento no Novo Testamento - D. A. Carson, G. K. Beale
Palavra e Mensagem do Antigo Testamento - Josef Schreiner
Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Antigo Testamento - Willem A. VanGemeren vol.2