Views
7 months ago

a historia de israel no antigo testamento

escreveu a Jerusalém

escreveu a Jerusalém para incitar a Sofonias e seus sacerdotes colegas a enfrentar-se com Jeremias e encarcerá-lo. Outras passagens refletem a oposição procedente de outros profetas cujos nomes não se citam. Inclusive a gente da mesma cidade se levanta contra Jeremias. Isto se vê nas breves referências de 11.21-23. Os cidadãos de Anatote ameaçaram com matá-lo se não cessava de profetizar no nome do Senhor. Seus inimigos se encontravam igualmente entre os governantes. Bem lembrado entre as experiências de Jeremias está seu encontro com Jeoiaquim. Um dia, Jeremias enviou seu escriba Baruque ao templo a ler publicamente a mensagem do juízo do Senhor, com a admoestação de arrepender-se. Alarmados, alguns dos chefes políticos informaram daquilo a Jeoiaquim; ainda que avisaram a Jeremias e a Baruque para que se escondessem. Quando o rolo foi lido diante de Jeoiaquim, este desprezou e desafiou a mensagem, queimando o rolo no braseiro e ordenando em vão o arresto do profeta e seu escriba. Jeremias sofreu as conseqüências doutor uma vacilante política sob o fraco governo de Zedequias. Isto chegou a ser especialmente crucial para o profeta nos anos finais do reinado de Zedequias. Quando o assédio dos babilônicos foi temporalmente levantado, Jeremias foi arrestado a sua saída de Jerusalém, com o cargo de simpatizar com a Babilônia, e foi espancado e encarcerado. Quando acabou o assédio, Zedequias procurou o conselho do profeta. Em resposta à repulsa de Jeremias, o rei o condenou a ficar preso no átrio da guarda. Sob pressão, Zedequias de novo abandonou o profeta a mercê de seus colegas políticos, os que lançaram o profeta numa cisterna, onde o deixaram para que se afogasse na lama. Ebede-Meleque, um eunuco etíope, resgatou Jeremias e o devolveu só átrio da guarda, onde Zedequias teve outra entrevista com ele antes da queda de Jerusalém. Inclusive depois da destruição de Jerusalém, Jeremias é frustrado com freqüência em seu intento de ajudar seu povo (42.1-43.7). Quando os chefes desalentados e apátridas apelaram finalmente a ele para assegurar a vontade de Deus sobre eles, Jeremias esperou a guia do Senhor. Porém quando os informou de que deveriam permanecer na Palestina com o objeto de gozar das bênçãos de Deus, o povo deliberadamente desobedeceu, emigrando para o Egito, e levando o ancião profeta com eles. Jeremias teve relativamente poucos amigos durante os dias de Jeoiaquim e Zedequias. O mais leal e devoto foi Baruque, que serviu ao profeta como secretário. Baruque registrou por escrito as mensagens do profeta, e as leu no átrio do templo (36.6). O serviu também como administrador, enquanto Jeremias esteve na prisão (32.9-14), e finalmente acompanhou seu mestre ao Egito. Entre os chefes da comunidade que salvaram Jeremias da execução diante das demandas dos sacerdotes e dos profetas (26.16-24), estavam os príncipes conduzidos por Aicão. Durante o assédio a Jerusalém, quando Jeremias foi abandonado para morrer no poço, Ebede- Meleque demonstrou ser um verdadeiro amigo na necessidade. Zedequias respondeu com bastante interesse pessoal para garantir ao profeta segurança no átrio da guarda durante o que restou do assédio a Jerusalém. Passando através de tempos de oposição e de sofrimentos, Jeremias experimentou um profundo conflito interior. Uma dor penetrante feriu sua alma ao comprovar que seu povo, endurecido de coração, era indiferente a suas advertências e avisos, e que estaria sujeito aos severos juízos de Deus. esta foi a causa de seu chorar dia e noite, não pelo sofrimento pessoal que deveu suportar (9.1). Conseqüentemente, o apelativo de "profeta chorão" para Jeremias denota força e valor, e a férrea vontade de encarar-se com as amargas realidades do juízo que pendia sobre seu povo. 232

Ao longo de todo seu ministério, Jeremias não pôde escapar da convicção, recebida de Deus, de que era Seu mensageiro. Fiel à experiência humana, afundou nas profundidades da desesperação em tempos de perseguição, amaldiçoando o dia em que havia nascido (20). Quando permanecia silencioso para evitar as conseqüências, a palavra de Deus se convertia num fogo que o consumia, empurrando-o a continuar em seu ministério profético. Continuamente experimentou o divino sustento que lhe fora prometido no capítulo 1. Ameaçado com freqüência e à borda da morte nas circunstâncias da vida, Jeremias foi providencialmente sustentado como uma testemunha vivente para Deus nos tempos de completa decadência para a vida nacional de Judá. Quanto viveu Jeremias após seus quarenta anos de ministério em Jerusalém, é algo desconhecido. Em Tafnes, a moderna Tell-Defene no delta do Nilo oriental, Jeremias pronunciou sua última mensagem datada documentalmente (43-44) 472 . Provavelmente, Jeremias morreu no Egito. O livro de Jeremias As divisões do livro de Jeremias para um propósito de perspectiva são menos aparentes que em muitos outros livros proféticos. Por um breve resumo de seu conteúdo, podem anotar-se as seguintes unidades: I. O profeta e seu povo Jr 1.1-18.23 II. O profeta e os líderes Jr 19.1-29.32 III. A promessa da restauração Jr 30.1-33.26 IV. Desintegração do reino Jr 34.1-39.18 V. A emigração ao Egito Jr 40.1-45.5 VI. Profecias concernentes a nações e cidades Jr 46.1-51.64 VII. Apêndice ou conclusão Jr 52.1-34 O moderno leitor de Jeremias pode sentir-se confuso pelo fato de que os acontecimentos datados e as mensagens não estão em ordem cronológica. Existem, além disso, muitas passagens que não estão datadas em absoluto. Portanto, é difícil arranjar com absoluta certeza o conteúdo deste livro em seqüência cronológica 473 . O capítulo 1, que registra o chamamento de Jeremias, está datado no ano décimo terceiro de Josias (627 a.C.). os capítulos 2-6 são geralmente reconhecidos como a mensagem de Jeremias a seu povo durante os primeiros anos de seu ministério (ver 3.6). em que medida pode estar relacionado do 7 ao 20 com o reino de Josias ou o de Jeoiaquim, resulta verdadeiramente difícil de determinar. Passagens especificamente datadas no reino de Jeoiaquim, são: 25-26; 35-36, e 45-46. Os acontecimentos acontecidos durante o reinado de Zedequias estão registrados no 21, 24, 27- 29, 32-34 e 37-39. os capítulos 40-44 refletem os acontecimentos subseqüentes a queda de Jerusalém no 586 a.C., enquanto que outros são difíceis de datar. I. O profeta e seu povo Jr 1.1-18.23 Introdução Jr 1.1-3 Chamamento ao serviço Jr 1.4-19 Condição apóstata de Israel Jr 2.1-6.30 A fé nos templos e ídolos é condenada Jr 7.1-10.25 A aliança sem obediência é fútil Jr 11.1-12.17 Dois sinais do cativeiro Jr 13.1-27 472 Sir Petrie escavou e verificou este lugar em 1883-84. ver G. A. Barton, Archaeology and the Bible, p. 28. 473 Ver o comentário por Leslie, op. cit., que representa o mais recente intento de arranjar o livro de Jeremias de forma cronológica. Note-se também a Caiger, op. cit., p. 222, e Davis, Dictionary of tfie Bible, en "Jeremiah". 233